Você está na página 1de 46

Curso de

Sexualidade Humana

MÓDULO IV

Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para
este Programa de Educação Continuada. É proibida qualquer forma de comercialização do
mesmo. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores
descritos nas Referências Bibliográficas.
MÓDULO IV

VII – O desenvolvimento da sexualidade

As características da sexualidade infantil, que Freud bem as descreveu em


Três Ensaios sobre a Sexualidade, como polimorfa e perversa. A sexualidade infantil
difere da do adulto em diversos aspectos. A diferença mais importante situa-se no
fato de que a maior excitação não se localiza, necessariamente, nos genitais.
Também diferem os objetivos: não levam, necessariamente, ao contato
sexual, mas alongam-se em atividades que vêm desempenhar um papel, no futuro,
no pré-prazer. A sexualidade infantil pode ser autoerótica, ou seja, tomar como
objeto o próprio corpo ou parte deste.
A criança pequena é criatura instintiva, cheia de impulsos sexuais perversos
polimorfos, ou, para falar mais claramente, cheia de uma sexualidade total ainda
indiferenciada, a qual já contém todos os futuros “instintos parciais”.
Vamos enfatizar que o conceito de fases do desenvolvimento é relativo,
apenas servindo para melhor orientação. Na prática, as fases se fundem pouco a
pouco e se sobrepõem.
Assim, pode-se dividir a sexualidade pré-adulta, de modo geral, em três
períodos principais: o período infantil, o período de latência e a puberdade.

- A Fase Oral

A fase oral é a primeira fase da evolução da libido. O começo da realidade


se forma em conexão com as experiências da fome e da saciedade. O prazer sexual
está ligado fundamentalmente à excitação da cavidade bucal e dos lábios que
acompanha a alimentação.

109
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
A partir da atividade de chupar, Freud pode mostrar como a pulsão sexual,
que a princípio se satisfaz por apoio a uma função vital (o ato de mamar), adquire
autonomia e se satisfaz de forma autoerótica.
Podemos exemplificar, discutindo o fenômeno autoerótico de chupar o
polegar, que já é evidente no recém-nascido e pode considerar-se como um reflexo
inato. Este reflexo, embora esteja ligado à função da nutrição, dela é independente.
O chupar do polegar mostra que o prazer que se obtém do seio ou da mamadeira
não se baseia só na gratificação da fome, mas também na estimulação da mucosa
oral erógena; se não fosse assim, a criança retiraria, desapontada, o polegar, visto
que este não produz leite. Assim, a excitação sexual apoiou-se, originalmente, na
necessidade de alimento.
Os muitos fenômenos, nos quais se encontra no adulto o erotismo oral são:
o beijo, práticas perversas, os hábitos de beber e fumar e muitos outros costumes
alimentares. Não podemos, contudo, salientar, que na bebida e no fumo, não há,
apenas, erotismo oral, porque o álcool e a nicotina são também toxinas que, por via
química, produzem alterações desejadas no balanço dos conflitos psíquicos:
alterações que diminuem as inibições, aumentam a autoestima e eliminam a
ansiedade.
O objetivo do erotismo oral é, primeiramente, a estimulação autoerótica
prazerosa da zona erógena; a seguir a incorporação de objetos. O aparecimento de
uma gula particularmente intensa, quer seja manifesta, quer se mostre uma vez
reprimida, sob a forma de derivados, é de relacionar-se sempre com o erotismo oral.

- A Fase Sádico-anal

A análise das neuroses obsessivas permitiu a Freud inserir, entre o período


oral e fálico, outra fase de organização da libido, a fase sádico-anal. Embora o
prazer anal se ache presente desde o início da vida, é por volta dos dois anos que a
zona anal parece tornar-se o foco principal de excitação.

110
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
O objetivo primário do erotismo anal são as sensações prazerosas
produzidas pela defecação. Mais adiante, a experiência vem ensinar que a
estimulação da mucosa do reto pode aumentar com a retenção da massa fecal; as
tendências à retenção anal exemplificam bem as combinações de prazer erógeno e
segurança contra a ansiedade. O medo da excreção originalmente prazerosa leva à
retenção e à descoberta do prazer que esta última produz. A possibilidade de
realizar estimulação intensa pela mucosa (além da sensação mais intensa pelo
aumento da tensão pela retenção) é responsável pelo prazer tensional, que é maior
no erotismo anal do que em qualquer outro. Aqueles que, nas suas satisfações,
procuram prolongar o pré-prazer e estender o prazer final são sempre, latentemente,
eróticos-anais.
A origem e o caráter da conexão que existe entre impulsos anais e sádicos,
em parte, devem-se às influências frustradoras e, em parte, ao caráter dos objetivos
de incorporação. Somam-se a isso, dois fatores: em primeiro lugar, o fato de a
eliminação ser, objetivamente, tão destrutiva quanto a incorporação; o objeto do
primeiro ato sádico-anal são as próprias fezes, cuja expulsão se percebe como uma
espécie de ato sádico; posteriormente, as pessoas são tratadas como já o foram as
fezes; em segundo lugar, o fator de “poder social” que está ligado ao controle dos
esfíncteres; exercitado no asseio, a criança encontra oportunidade efetiva para
exprimir oposição contra os adultos.
Razões fisiológicas existem para a conexão de erotismo anal, de um lado, e,
do outro lado, ambivalência e bissexualidade. O erotismo anal faz com que a criança
trate um objeto, as fezes, de maneira contraditória; expele a matéria para fora do
corpo e a retém como se fosse um objeto amado; aí está a raiz fisiológica da
“ambivalência anal”. Por outro lado ainda, o reto como um órgão oco excretório que
é, pode expelir alguma coisa; assim também, o órgão oco pode ser estimulado por
um corpo estranho que o penetre. As tendências masculinas derivam da primeira
afirmação, enquanto as tendências femininas da segunda. Temos aí a raiz fisiológica
da conexão existente entre erotismo anal e bissexualidade.

111
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Os primeiros desejos anais são, na certa, autoeróticos. Tanto a eliminação
prazerosa quanto a retenção prazerosa podem ser obtidas sem objeto algum. O fato
de este prazer ser experimentado em um momento que a criança vive sentimentos
de onipotência traz um sentimento de poder, sobre sua evacuação. Vemos isto
posteriormente, expresso em muitos resíduos neuróticos e supersticiosos.
O prazer é obtido pela estimulação da mucosa retal, mas as fezes,
instrumento pelo qual se obtém este prazer, também se tornam objeto libidinal,
representando uma coisa que, primeiramente, é do corpo do sujeito, mas que se
transforma em objeto externo, o modelo de algo que se pode perder.
Há certos prazeres anais que, pela primeira vez, se percebem nas
sensações que acompanham os cuidados maternos, quando se mudam as fraldas;
este cuidado e, posteriormente, conflitos suscitados pela aprendizagem higiênica da
criança, pouco a pouco transformam os desejos anais autoeróticos em desejos de
objetos, os quais, depois, serão tratados tal quais as fezes. Podem ser tanto retidas
ou introjetadas (existem diversos tipos de incorporação anal) quanto eliminadas e
expulsas.
Outras zonas erógenas e impulsos parciais que não são tão valorizados na
teoria analítica, muitas vezes, desempenham papel tão decisivo na gênese das
neuroses e na formação do caráter quanto o erotismo oral e anal.

- Erotismo Uretral

O objetivo primário do erotismo uretral é o prazer da micção. Há também um


prazer secundário da retenção uretral, análogo ao prazer de retenção anal, como há
conflitos desenvolvendo-se a este respeito. É o que se vê frequentemente nas
meninas, provavelmente por motivos anatômicos.
Os objetivos originais do erotismo uretral são autoeróticos, tal qual o são o
erotismo anal; posteriormente, também o erotismo uretral pode voltar-se para os
objetos, transformando-se em fantasias sexualmente excitantes relacionadas com o
ato de urinar em objetos, de ser urinado por objetos.

112
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
É comum as crianças molharem ativamente as calças ou a cama por prazer
autoerótico. Mais adiante, pode desenvolver-se a enurese como sintoma neurótico
involuntário, cuja natureza é o equivalente inconsciente da masturbação.

- Outras Zonas Erógenas

Toda a superfície da pele funciona como zona erógena. Toda estimulação


cutânea, tanto o toque quanto às sensações térmicas e dolorosas são fontes
potenciais de estimulação erógena, podendo levar a conflitos, se encontrar
contradição interna.
O erotismo da temperatura, particularmente, associa-se, muitas vezes, ao
erotismo oral precoce e constitui parte essencial da sexualidade primitiva.
Ter contato cutâneo com o parceiro e sentir-lhe o calor do corpo, vem a ser
componente essencial de toda relação amorosa. Nas formas arcaicas de amor, nas
quais os objetos servem, sobretudo, como simples instrumento da obtenção de
prazer, é o que se vê de modo particularmente acentuado. O prazer intenso que se
sente com o calor, manifestado nos hábitos neuróticos, de banho, é encontrado,
geralmente, em pessoas que, do mesmo modo, apresentam outros sinais de
orientação receptiva e passiva, sobretudo no que diz respeito à autoestima. São
pessoas para as quais “ganhar afeto” significa “ganhar calor”; são personalidades
“geladas”, que “derretem” em atmosfera “quente”; que são capazes de ficar horas
em um banho quente.
O erotismo táctil compara-se à escoptofilia (sexualização das sensações
visuais), ambas representando a excitação que é produzida por estímulos sensoriais
específicos. Uma vez alcançada a primazia genital, estas estimulações sensoriais
funcionam como instigadores da excitação, desempenhando um papel
correspondente no pré-prazer. Se tiverem sido rejeitadas na infância, as pessoas
assim permanecem isoladas, pedindo gratificação de si mesmas e, daí, dificultando
a integração sexual. O erotismo táctil não se associa necessariamente à escoptofilia.

113
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Assim como existe um impulso sexual para tocar e olhar, assim também há
impulsos da mesma ordem no sentido de ouvir, saborear e cheirar. Os fenômenos
de sexualidade gustativa coincidem quase sempre com o erotismo oral, enquanto os
fenômenos de sexualidade olfativa coincidem com o erotismo anal.

- Fase Fálica: a Angústia de Castração nos Meninos

O interesse pelos genitais e pela masturbação torna-se significante. Chega a


aparecer uma espécie de orgasmo genital. Foi esta fase que Freud chamou de fase
fálica.
O fato de que uma descarga genital de todos os tipos de excitação sexual se
produz em redor do quarto ou quinto ano de vida, não quer dizer, que os genitais já
não funcionavam como zona erógena. Os genitais produzem sensibilidade erógena
desde o nascimento; é possível ver masturbação genital nos bebês.
Os deslocamentos dos impulsos pré-genitais para impulsos genitais,
contudo, ocorrem e aumentam a erogeneidade dos órgãos genitais. É a este
deslocamento que se alude a fórmula: a excitação sexual, onde quer que se origine,
concentra-se cada vez mais nos genitais e, afinal, descarrega de forma genital.
Seja qual for a fisiologia da erogeneidade, diga-se, de um ponto de vista
psicológico: não existem libido oral, libido anal e libido genital específicas; existe
apenas uma libido, a qual se desloca de uma zona erógena para outra.
Existem também, diferenças entre a genitalidade infantil da fase fálica e a
genitalidade plena do adulto. Caracteriza o menino desta idade por um orgulho viril,
limitado pelas ideias de que não é inteiramente crescido, de que tem o pênis menor
que o do pai ou de outros adultos. Este fato constitui um golpe ao narcisismo do
menino. As crianças ressentem por serem crianças e a ideia de ter pênis pequeno
demais pode vir a exprimir futuramente, sentimentos de inferioridade que, na
verdade, se devem à impressão de ser inferior ao pai na rivalidade edipiana.

114
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Nesta fase, o menino identifica-se com seu pênis, valoriza o órgão em
demasia o que se explica pelo fato de que é mesmo neste período que ele se
enriquece tanto em sensações, e aparecem em primeiro plano, tendências a
penetrar ativamente com ele.
O medo de alguma coisa acontecer a este órgão é chamado de angústia de
castração. Medo que tem um papel significativo no desenvolvimento total do menino,
justificado pela grande valorização narcísica do pênis neste período.
Vê-se, que o ambiente das crianças lhes reforçam as ideias fantásticas de
punição. Muitos adultos ameaçam o menino de “cortar-lhe isto” quando o
surpreendem masturbando-se. Em geral, a ameaça é menos direta, mas há outros
castigos que sugerem, a sério ou brincando, e a criança interpreta-os como ameaças
de castração.
Todavia, mesmo as experiências que, objetivamente, não contêm qualquer
ameaça podem ser falsamente interpretadas neste sentido pelo menino que tenha a
consciência culpada; por exemplo, a experiência de que existam realmente criaturas
sem pênis: a observação dos genitais femininos. Há vezes em que uma observação
como esta traz um caráter sério a uma ameaça anterior a que não se dera maior
atenção. Em outros casos, a realização da fase fálica basta, só ela, para ativar
ameaças passadas que não haviam causado impressão intensa durante os períodos
pré-genitais.
O fato de os adultos ameaçarem ou brincarem de castração com tanta
facilidade e animação, constitui, certamente, a expressão dos seus próprios
complexos de castração. Amedrontar os outros é um meio ótimo para acalmar os
próprios temores, do que resulta que os complexos de castração vão passando de
geração em geração. Não sabemos de que forma eles se formaram originalmente,
mas é certo que o respectivo desenvolvimento tem história muito remota.
Corresponde a intensidade da angústia de castração à valorização intensa
do órgão genital na fase fálica. Valorização esta, que faz o menino decidir (quando
enfrenta a questão: ou renuncio às minhas funções genitais, ou arrisco o meu pênis)
em benefício da desistência da função. Um adulto perguntará: “para que serve um
órgão, quando me proíbem de usá-lo?”

115
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
No período fálico, contudo, os fatores narcísicos contrabalançam com os
sexuais, de modo que a posse do pênis vem a ser o objetivo principal.

- Fase Fálica nas Meninas: a Inveja do Pênis

É comum referir-se a um período fálico também nas meninas. O que é que


se quer dizer com isto?
Em primeiro lugar, o clitóris, neste estágio, é a parte do aparelho genital que
se apresenta como a mais rica em sensações e que atrai e descarrega toda a
excitação sexual: é o ponto central das práticas masturbatórias tanto quanto de
interesse psíquico.
Em segundo lugar, significa que também a menina classifica as pessoas em
“fálicas” e “castradas”; ou seja, a menina tipicamente reage à ideia de que existem
criaturas com pênis tanto com a atividade “Gostaria de ter isto”, quanto com a ideia
“Já tive isto, mas perdi”.
Certo que a menininha, tal qual o menino, enquanto não lhe ensinam outra
coisa, sente ser todo o mundo construído como ela. Quando percebe que não é
assim, sente-se em desvantagem. Tem-se indagado, muitas vezes, o que é que
determina esta reação surpreendente; é, de fato, apenas consequência psicológica
da distinção anatômica entre os sexos ou, antes, reação a experiências sociais
anteriores que dão a impressão de inferioridade das meninas?
Sem dúvida, toda menina tem o sentimento de que a posse do pênis traz
vantagens erógenas diretas no que diz respeito à masturbação e a micção. A posse
de um pênis, aos olhos da menina, faz o possuidor mais independente e menos
sujeito a frustrações; sentimento resultante da somatória de todos os sentimentos
sexuais no clitóris, durante esta fase, o clitóris sendo “inferior” em comparação ao
pênis.
Em geral a inveja concentra-se com a ideia de que a falta de um pênis é
uma espécie de castigo, merecido ou injusto que seja; neste particular, a ideia da
menina haver perdido um pênis e a do menino de que pode perder o seu são
absolutamente análogas.

116
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
O fato de a menina pensar: “Fui punida”; enquanto o menino tem medo:
“posso ser punido”, é responsável pela diferença considerável que se vê no
desenvolvimento posterior do sujeito.
Complicam-se, porém, as coisas nas meninas mais crescidas e nas
mulheres adultas. O que se considera como masculino e como feminino varia muito
de uma cultura para outra e estes padrões culturais, com os conflitos que se
desenvolvem em torno deles, complicam as “consequências psicológicas da
diferença anatômica”. Neste particular, lembra-nos Fromm (ANO), quando nos diz
que certas diferenças biológicas resultam em diferenças caracterológicas; fundem-se
com as que são produzidas por fatores sociais; e estes são muito mais fortes no
efeito respectivo, podendo tanto aumentar ou eliminar, quanto inverter
biologicamente, diferenças arraigadas.
A significação do período fálico para o sexo feminino associa-se ao fato dos
genitais femininos terem duas zonas erógenas principais: o clitóris e a vagina.
Durante o período genital infantil, o clitóris ocupa o primeiro plano; no período adulto
é a vagina. A transferência do clitóris como zona principal para a vagina é uma etapa
que ocorre de modo definido na puberdade ou só depois desta, quando sua fixação
materna preponderante se volta para o pai.
Surgem riscos para a ocorrência de transtornos do desenvolvimento. Isto
quando, ou uma fixação forte na sexualidade clitoriana, ou uma repulsa temerosa da
sexualidade vaginal, impedem o estabelecimento da primazia genital.

- O complexo de Édipo

Nos dois sexos, pode-se dizer que o complexo de Édipo é o ápice da


sexualidade infantil; o desenvolvimento erógeno que parte do erotismo oral, por meio
do erotismo anal, para a genitalidade, culminam nos desejos edipianos,
habitualmente expressos na masturbação com sentimentos de culpa. É vivido no seu
período máximo entre os três e os cinco anos, durante a fase fálica. A superação
destes desejos, a substituir-se pela sexualidade adulta, representa o pré-requisito da
normalidade.

117
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
O complexo de Édipo traduz-se pela combinação de amor genital pelo pai do
sexo oposto e desejos ciumentos de morte contra o pai do mesmo sexo. Estes
sentimentos significam várias coisas, cuja forma especial depende, por sua vez, da
constituição e da experiência de cada sujeito.
A experiência é que configura a forma especial do complexo de Édipo. Mas
que dizer do próprio complexo de Édipo? É fato biológico, inerente à espécie
humana, ou é produto da instituição social da família, sujeito às mesmas alterações
que esta?
Digamos, para começar, que a diferença entre biologicamente determinado
e socialmente determinado, é relativa. Não foi um complexo de Édipo místico, inato,
que criou a família como lugar onde pudesse ser satisfeito: foi a família que criou o
complexo de Édipo. Em segundo lugar, depende da resposta que se dê à definição
do complexo de Édipo. O bebê humano, necessitado de cuidados e amor, é
biologicamente mais fraco do que outros filhos de mamíferos; daí por que sempre há
de exigir amor dos adultos que o criam e o protegem, que vivem à sua volta; e
sempre há de desenvolver ódio e inveja das pessoas que lhe tiram este amor. Se é
isto que se chama complexo de Édipo tem fundamento biológico.
Por outro lado, no sentido empregado por Freud, de combinação de amor
genital pelo pai do sexo oposto e desejos ciumentos de morte contra o pai do
mesmo sexo, o complexo de Édipo sugere uma combinação altamente integrada de
atitudes emocionais que constitui o clímax do longo desenvolvimento da sexualidade
infantil. Neste sentido, é, fora de dúvida, produto da influência familiar. Se a
instituição familiar tivesse de alterar-se, necessariamente se alteraria também o
padrão do complexo de Édipo. Tem-se mostrado que as sociedades em que as
configurações familiares são diferentes da nossa têm, realmente, complexos de
Édipo diferentes.
O problema do complexo de Édipo reduz-se assim, ao problema da origem
da família, capítulo interessante e ainda sem solução. Toda criança no auge do
complexo de Édipo deve experimentar decepções e ofensas narcísicas: o
competidor é um adulto, o que lhe dá vantagens e privilégios. Reage-se a essas
ofensas narcísicas de maneiras muito diversas, conforme a criança, dependendo da

118
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
constituição, das formas concretas em que as ofensas são experimentadas e de
todas as experiências anteriores.
Toda criança deseja intensamente ser adulta e “brincar de adulto”. Mas ser
criança também tem vantagens. Sempre que teme as suas próprias emoções e a
implacabilidade dos seus impulsos eróticos e agressivos, a criança é capaz de
refugiar-se na atitude: “Nada disso é sério demais porque ainda sou uma criança” e
também no desejo de receber ajuda externa.
Tanto o desejo de ser adulto, quanto o sentimento de que se é protegido
enquanto ainda é criança geram fixações e, mais tarde, vem a fazer com que muitos
sujeitos se portem e se sintam como se ainda fossem crianças na fase fálica.

- Tipos de Escolha do Objeto

Seria errado imaginar não haver na infância outros objetos de amor que não
fosse o pai do sexo oposto. Também irmãos, tios, tias, avós, amigos e conhecidos
dos pais, têm, às vezes, influência decisiva. Há muitas crianças que experimentam
love affairs (casos de amor) de algum tipo com outras crianças do mesmo sexo, ou
do sexo oposto, ou com adultos; e talvez ocorresse maior número destes casos
entre crianças, se a educação não visasse à respectiva proibição.
No que diz respeito ao mecanismo da escolha de objeto, Freud distinguiu o
tipo anaclítico e o tipo narcisista. No tipo anaclítico de escolha, escolhe-se um objeto
passado, em geral o pai do sexo oposto, às vezes, o pai do mesmo sexo, irmãos, ou
outras pessoas do ambiente em que a criança vive. No tipo narcisista de escolha,
escolhe-se um objeto porque representa certas características da própria
personalidade do sujeito.
Tanto um tipo quanto o outro, são capazes de operar:
a) De maneira positiva: o objeto escolhido assemelha-se ao objeto passado
ou ao próprio ego do sujeito.
b) De maneira negativa: o objeto escolhido é o oposto do objeto passado
ou do ego do próprio sujeito.

119
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
c) A maneira ideal: o objeto escolhido representa aquilo que, noutro tempo,
o sujeito desejou que o objeto passado ou seu próprio ego fossem.

- O Problema do Medo de Castração Feminino

Nos meninos, a angústia de castração faz necessária, afinal, a supressão do


complexo de Édipo. Nas meninas não parece haver angústia de castração que se
possa considerar como força dinâmica.
A ideia de que se perdeu um órgão, não leva as mesmas restrições que a
possibilidade de perdê-lo. É certo haver muitas mulheres que, após uma decepção
constroem, inconscientemente, a fantasia de que possuem pênis: mas a angústia
que diz respeito a um órgão simplesmente fantasiado não pode ter o mesmo efeito
dinâmico que a ameaça contra um órgão real (como no caso dos meninos).
Não é fácil responder a questão da angústia de castração nas mulheres. Em
primeiro lugar, pode-se afirmar que o complexo de Édipo nas mulheres não é
combatido no mesmo grau, nem com a mesma prioridade que o é nos homens.
As mulheres que permanecem a vida inteira ligadas ao pai ou a figuras
paternas, ou que, de um modo ou outro, traem a relação do seu objeto amoroso com
o pai, são em muito maior número do que os homens que não superaram a sua
fixação materna.
Autores como Fromm, enfatizaram que as diferenças notadas nas angústias
dominantes dos sexos se devem, em parte, às diferenças fisiológicas que ocorrem
na execução do contato sexual. O homem precisa de ereção para realizar o ato; a
mulher não precisa de alteração correspondente em seu próprio corpo; e é capaz de
praticar o ato até sem gozo; mas depende da ereção masculina, de modo que o
medo masculino é um medo da impotência, ao passo que o medo da mulher é o
medo de ser abandonada ou perder o amor.

120
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Não há dúvida de que esta diferença fisiológica contribui para os papéis
prevalentes do medo de castração ou do medo da perda do amor no homem e na
mulher, respectivamente. Esta contribuição é, quando muito, uma contribuição
secundária tardia. A preponderância relativa dos temores respectivos estabelece-se
na infância, muito antes das primeiras experiências do contato sexual.
A mudança do objeto é um dos fatores que complicam o desenvolvimento
das mulheres em comparação com os homens.
O segundo fator é a dupla índole da sexualidade genital feminina. É certo
que a sexualidade prostática dos homens desempenha papel menos significativo do
que a sexualidade clitoriana. Não esquecer, no entanto, que não só estas diferenças
fisiológicas são preponderantes: existem também (o que é mais importante)
diferenças culturais e sociais na educação dos sexos.

VIII- A Sexualidade Hoje

1- A sexualidade do adolescente

Os psicanalistas são unânimes em reconhecer que uma parte importante do


que ocorre durante o desenvolvimento psicossexual do adolescente depende do que
se passou na infância, mas que a experiência da sexualidade na adolescência está
ligada às experiências atuais e novas.
Se a sexualidade e as principais fantasias sexuais são comuns a todos os
adolescentes, em quaisquer épocas ou culturas, não é menos verdade que as
relações sexuais, sua preparação, sua frequência, sua maior ou menor facilidade,
sua aceitação pelo grupo ou pelos pais varia segundo a cultura e as épocas; os
relatos e os trabalhos de etnólogos ilustram bem isso.
Mencionemos, a título de exemplo, o estudo da sexualidade entre os
adolescentes de uma tribo indiana, os muria no Estado de Bastar. Nessa tribo, a vida
sexual dos adolescentes é centrada em uma instituição chamada Ghotul, ou casa
dos jovens. Essa casa é uma instituição altamente hierarquizada, em que o chefe

121
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
representa o pai e a chefe representa a mãe. Nessa casa, verdadeiro
estabelecimento noturno, os encontros geralmente ocorrem à noite, sendo que os
meninos chegam um a um, trazendo suas esteiras de deitar, e em seguida chegam
as meninas, todas juntas. Após as atividades preliminares (penteado, massagem),
todo mundo se prepara para ir para a cama. De manhã as meninas devem sair do
Ghotul antes do alvorecer. De fato, uma menina não pode permitir que seus pais a
vejam nem quando ela sai de casa para ir para o Ghothul, nem quando volta. O
sistema do Ghotul obriga as jovens a mudar de parceiro a cada dois ou três dias. Em
troca, se futuros esposos vivem na mesma Ghotul, eles não devem se aproximar um
do outro. Há também todo um círculo de parentesco proibido. Sem dúvida,
poderíamos citar outros exemplos, em outras culturas, descritos de forma notável
por Mead ou Malinoviski. A ligação existente entre a organização social e a
sexualidade dos adolescentes está mais do que provada.
Para ficar apenas na civilização ocidental, as mudanças constatadas no
nível dos comportamentos sexuais dos adolescentes não podem ser isoladas das
modificações sociais globais relacionadas a essa faixa etária ao longo dos últimos 30
anos.
Contudo, encontra-se uma constante quaisquer que sejam as épocas ou as
sociedades. Alguns estudiosos sugerem que de fato a moralidade convencional, isto
é, as regras sociais, podem proteger o casal e sua intimidade contra a agressão do
grupo ampliado do qual ela faz parte, mas ao preço de uma sexualidade
“autorizada”. Esta hipótese repousa na ideia de que a reação do grupo em face do
casal é fundamentalmente ambivalente: a idealização e a esperança que o casal
evoca no grupo do qual faz parte são contrabalançadas pela inveja, o ressentimento
e o desejo do grupo de destruir essa união. Isto explica porque os sujeitos ou os
casais reagem sempre por um distanciamento em face da “ideologia oficial”.
Essa observação é importante para os adolescentes, que têm como uma de
suas tarefas a capacidade de estabelecer pouco a pouco uma sexualidade pessoal
satisfatória e realizá-la na intimidade de um casal. Assim, convém examinar nos
adolescentes sua capacidade de se realizar em uma vida de casal com uma certa
independência em face do grupo social a sua volta. Este último pode ser o grupo

122
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
social dos adultos e dos pais, mas também o grupo social dos iguais, isto é, de
outros adolescentes. Não é raro, por exemplo, ver adolescentes cujos
comportamentos fazem crer em uma grande liberação sexual, mas que na verdade
mascaram uma séria inibição e que refletem um fracasso na diferenciação do casal
ou do sujeito em face dos valores ideológicos convencionais do grupo de iguais.

- Psicopatologia das Principais Condutas Sexuais

O exame de condutas sexuais em psicopatologia coloca um problema


complexo, centrado na noção de normalidade. Mais uma vez, é preciso distinguir o
ponto de vista sociológico da anormalidade e o ponto de vista clínico e
psicopatológico sobre a anormalidade em relação ao desenvolvimento psíquico. M.
Laufer expõe o problema da seguinte maneira:

- De um ponto de vista semiológico, certas formas de atividades ou de


comportamentos sexuais durante a adolescência representariam uma ruptura no
desenvolvimento psicológico;
- De um ponto de vista estrutural, certas rupturas, quando ocorrem,
manifestam-se por uma atividade ou um comportamento que aparece como anormal
na evolução ou no tratamento;
- De um ponto de vista epistemológico, finalmente, o psicanalista deve
estabelecer um julgamento sobre tal atividade ou tal comportamento na evolução de
um tratamento?

Para esse autor, é preciso deixar claro: “As formas de atividades sexuais
que necessitam ser consideradas como anormais em termos de desenvolvimento
psicológico [...] são aquelas que excluem a heterossexualidade como a atividade
sexual primária entre dois sujeitos” (autor, ano, pág.).

123
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Assim, a homossexualidade, o fetichismo, o travestismo e as parafilias
pertencem a essa categoria. Entretanto, essas condutas só podem ser consideradas
como patológicas à medida que são um indício de que o adolescente não integrou
uma imagem do corpo fisicamente madura ou não estabeleceu uma identidade
sexual pessoal.
Antes disso, estas condutas podem parecer como o indício de um esforço do
Ego para estabelecer uma identidade sexual. De acordo com este autor, é desejável
informar o adolescente antes de qualquer tratamento da própria concepção do
terapeuta acerca da normalidade de tal conduta sexual.
Podemos distinguir três categorias de dificuldades no âmbito da sexualidade
do adolescente:

- A realização sexual e suas dificuldades: ausência de relações sexuais,


frigidez, ejaculação precoce, impotência;
- A escolha de objeto sexual e suas dificuldades: masturbação,
homossexualidade, conduta incestuosa;
- A identidade sexual e suas dificuldades: transexualismo, ambiguidade
social.

Recordemos que essa distinção em três categorias é esquemática. É


incontestável, por exemplo, que, se a homossexualidade remete a uma dificuldade
da escolha do objeto sexual, ela coloca ao mesmo tempo o problema da constituição
da identidade sexual do sujeito.

124
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
As dificuldades da realização sexual

As dificuldades da realização sexual podem assumir diferentes formas, mais


ou menos intricadas:
A ausência total de relações sexuais durante a adolescência representa
hoje, sem dúvida, uma anormalidade, no sentido estatístico do termo.
Qualitativamente, essa ausência pode ser indício de uma inibição, ou de uma
angústia mais arcaica.
Inversamente, relações sexuais múltiplas com mudanças de parceiros quase
sistemáticas, em uma sexualidade aparentemente livre de qualquer culpabilidade ou
conflito, podem ser o sinal de uma depressão intensa, centrada não tanto no prazer
ou no não-prazer do funcionamento do corpo, mas em uma inibição intelectual.
O primeiro orgasmo, a primeira ejaculação, a primeira masturbação, as
primeiras regras, as primeiras relações sexuais podem estar na origem de um
traumatismo psíquico, traumatismo encobridor em face dos traumatismos sexuais
infantis. Em um nível inconsciente, essa primeira experiência marca a participação
na cena primitiva e reaviva a angústia inerente ao conflito edipiano: angústia de
castração.
Clinicamente, podemos assistir a atitudes de recolhimento que revelam uma
inibição neurótica subjacente, em particular no âmbito intelectual, ou a invasões
psicóticas em adolescentes mais frágeis.
A frigidez primária ou secundária, a ejaculação precoce e a impotência.
Depois de eliminar uma causa orgânica, esses transtornos se reportam ao mesmo
tipo de mecanismo psicopatológico, e se relacionam à angústia ligada ao conflito
edipiano. Essas dificuldades na realização sexual são frequentes na adolescência,
mas geralmente transitórias. Contudo, elas podem perdurar, tornando-se
manifestações particularmente paralisantes, mas esses pacientes só se queixarão
disso bem mais tarde, já adultos.

125
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Finalmente, abordaremos os diferentes transtornos menstruais da
adolescência: amenorreia primária ou secundária, dismenorreia, metrorragia ou
menorragia. Eles requerem um balanço orgânico, mas em geral traduzem uma
aceitação difícil pela adolescente de sua feminilidade. Nesses problemas cotidianos
da medicina, costuma-se desprezar um apoio psicológico.

As dificuldades da escolha sexual

A escolha de objeto sexual passa por vicissitudes mais ou menos


significativas ao longo de toda a adolescência. Poderíamos diferenciá-las conforme
as etapas sucessivas da adolescência. Três condutas particulares ilustram bem o
problema da escolha de objeto: a masturbação, a homossexualidade e as condutas
incestuosas. Em troca, não trataremos as diferentes condutas sexuais perversas
(fetichismo, zoofilia, exibicionismo, sadismo sexual, entre outras), pois elas são raras
na adolescência.

A masturbação

Já está longe o tempo em que a masturbação era vista como um vício ou


uma doença. Hoje, a masturbação é considerada como uma atividade natural, se
não necessária.
A questão que se deve colocar agora é a seguinte: como essa conduta
banal, a que pertence ao âmbito da psicologia normal, pode se inserir no campo da
psicopatologia da adolescência?
Joyce MacDougall (ANO) fala de “processo masturbatório” e descreve duas
vertentes dele: um ato e uma fantasia. Essas duas vertentes podem ter destinos
diferentes na vida psíquica.
Se o ato masturbatório, como todos sabem, aparece bem antes da
adolescência, nessa idade ele culmina na possibilidade de uma ejaculação e,
portanto, de um orgasmo.

126
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
A ligação entre o ato masturbatório e a fantasia interessa particularmente ao
clínico: para os psicanalistas, o adolescente que se masturba introjeta uma imagem
da cena primitiva na qual, por seu ato, ele pode ser pai e mãe ao mesmo tempo. O
“processo masturbatório” realiza então, por excelência, a ilusão bissexual da vida
erótica, o ideal hermafrodita. Assim, ao se masturbar, o adolescente controla
magicamente seus pais e nega o perigo da castração.
O ato e a fantasia associada a ele são, portanto, o lugar de um desejo
profundamente proibido, e criam sentimentos de culpabilidade, de vergonha e de
ansiedade.
Se o ato masturbatório é facilmente admissível e confessável, o mesmo não
ocorre com a fantasia que o acompanha. O conteúdo das fantasias masturbatórias,
para alguns, atravessa duas etapas.
No início da adolescência, as fantasias masturbatórias são mais de natureza
regressiva; encontram-se aí as fases eróticas do início da vida, orais, anais, sádicas,
narcísicas, homossexuais e heterossexuais; posteriormente, elas se tornam mais
heterossexuais e centram-se em um parceiro preciso.
A masturbação é vivida pelo Ego, então, como uma preparação para
assumir o papel de parceiro sexual, o que lhe dá um valor positivo. No momento da
resolução do complexo de Édipo e da interiorização do Superego, podemos
descrevê-la como uma fantasia masturbatória central. Ela não depende da existência
ou não de uma conduta masturbatória atuada na infância. É universal. Durante o
período de latência, o conteúdo dessa fantasia permanece inconsciente. Na
adolescência, ele adquire um novo sentido em razão da masturbação fisiológica dos
órgãos genitais e impõe novas exigências ao Ego.
Na adolescência, o processo masturbatório, que associa masturbação e
fantasia, torna possível a integração e depois a evolução de fantasias perversas da
infância: ela ajuda o Ego a se organizar em torno da supremacia da genitalidade e
do prazer terminal.
Para alguns, isso é particularmente verdade no menino. Na adolescente,
parece que o ato masturbatório é menos frequente, e que o processo masturbatório,
tal como acabamos de descrever, afetaria mais a totalidade do seu corpo.

127
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
No caso em que o ato masturbatório é ausente ou reprimido, a fantasia não
tem mais saída corporal, e, nessas condições, a libido e a energia que seriam
descarregadas no ato podem se infiltrar em atividades do Ego e alterar seu
desenvolvimento.
Vale lembrar, a esse respeito, o artigo de M. Klein, de 1927, intitulado
“Contribuição a psicogênese dos tiques”: o autor mostra como uma supressão
radical da masturbação engendrou em um pré-adolescente, além de uma grande
inibição relacionada aos interesses intelectuais e às relações sociais, o surgimento
de um tique importante e preocupante.
Em consonância com Ferenczi, ela afirma que “o tique é o equivalente da
masturbação” e, mais do que isso, das fantasias masturbatórias ligadas a ela. Assim,
a análise dessas fantasias masturbatórias foi a chave da compreensão do tique, e,
depois, de seu desaparecimento. Tal análise permitiu a esse pré-adolescente
superar seu medo, tocar seus órgãos genitais e assim vencer seu temor diante da
masturbação.
No momento da adolescência, pode-se considerar que a ausência total de
masturbação ou seu aparecimento muito tardio traduz, mais do que as condutas
masturbatórias muito frequentes, um estado patológico. Contudo, as ligações entre
certos aspectos psicopatológicos e o retardo ou a ausência de masturbação são
complexas.
No tratamento de adolescentes que apresentam um “desmoronamento
psíquico” ou uma perturbação mental grave, a masturbação é sentida como algo
profundamente angustiante ou mesmo em discordância com eles. Toda sensação
pelo corpo e no corpo é experimentada como uma verdadeira ruptura e como uma
ameaça para seu próprio Ego: a ejaculação noturna, as relações sexuais e a
masturbação representam para esses adolescentes uma perpétua demanda pelo
corpo de sentir algo que eles justamente tentam negar.
No nível da fantasia masturbatória, surge uma confusão a propósito do papel
respectivo do homem e da mulher no ato sexual, não há mais ilusão bissexual, mas
uma confusão de identidade.

128
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
A homossexualidade

Os dados epidemiológicos mostraram-nos que a prática regular da


homossexualidade em geral só se instala após os 21 anos. Porém, quando se
consultam as obras que tratam da homossexualidade na adolescência, a maioria dos
autores está de acordo em afirmar que ela é frequente. De fato, tudo depende do
que se entende por homossexualidade.
Portanto, quando se fala de “homossexualidade”, é preciso distinguir entre a
construção de identificações, as fantasias ou devaneios homossexuais, os temores
conscientes da homossexualidade, os jogos e as carícias entre colegas do mesmo
sexo, as relações homossexuais intermitentes e a prática homossexual exclusiva.
Para todas essas situações, o uso indiferenciado da palavra “homossexualidade”
produz mais confusões e erros do que clareza e coerência semiológica.
Devemos esclarecer, finalmente, que a homossexualidade não é um
diagnóstico em si, mas que se trata de avaliar por meio de uma fantasia, de um
desejo, de um temor ou de uma prática a relação que os adolescentes estabelecem
com seu corpo e com o outro, aceitando (ou não) levar em conta a realidade da
diferença anatômica dos sexos.

A questão da homossexualidade em clínica

Lebovici e Kreisler (ANO) distinguiram diferentes situações clínicas durante


as quais a questão da homossexualidade poderia ser levantada pelo adolescente
e/ou seus pais. Contudo, os autores consideram que se deveria reservar o termo
“homossexual” para os adolescentes que “se dedicam” a práticas homoeróticas com
um gosto exclusivo e de maneira repetida.
Segundo esses autores, não se pode qualificar de homossexuais os
adolescentes que tenham contatos homossexuais isolados ou nos quais se alternam
experiências homossexuais e heterossexuais, nem aqueles em que não há repetição
dessas experiências.

129
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
• Temor e/ou pensamento homossexual: às vezes, o clínico é interpelado
pelo adolescente que julga ser homossexual porque se sente “atraído” pelos de seu
sexo. Essas fantasias tão frequentes geralmente se integram a uma relação de
amizade intensa, ou uma atração no grupo de colegas do mesmo sexo. Elas
testemunham a intensidade da ligação edipiana invertida e da necessidade de se
desligar dela apoiando-se no amigo ou no grupo.
Às vezes, são os pais que levam seus adolescentes à consulta, com o temor
de que este seja homossexual, por atitudes e interesses que consideram ambíguos.
Essa situação costuma ser preocupante, pois, diante dessas recriminações dos pais,
o adolescente corre o risco de entrar em um processo de identificação negativa
(identificar-se com os aspectos temidos pelos pais para tentar se livrar de uma
ligação edipiana invasiva), cortina de fumaça de uma patologia subjacente em geral
importante.

• As fantasias ou devaneios homossexuais com frequência aparecem


durante uma psicoterapia do adolescente. Elas traduzem o trabalho psíquico de
elaboração da identidade, de reconhecimento e de integração da imagem sexuada
de seu próprio corpo, mas também de reconhecimento e aceitação do outro sexo
como complementar do seu. Essas fantasias homossexuais costumam estar ligadas
ao necessário trabalho de luto da onipotência infantil.
Essas fantasias são tão intensas que o adolescente desenvolve as condutas
de luta que estão na origem da consulta ou do tratamento: tentativa de suicídio,
anorexia nervosa, toxicomania, comportamento sexual caótico, automutilação, entre
outros. Desse ponto de vista, a indagação sobre a “homossexualidade” é um tema
habitual, se não patente pelo menos latente, em muitas psicoterapias.

130
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
• As relações homossexuais propriamente ditas representam uma situação
clínica muito menos frequente.
Frente a uma conduta homossexual na adolescência, é preciso esclarecer
algumas coisas:
a) Se a atividade homossexual existiu antes da adolescência, o que em
geral testemunha que as distorções na imagem corporal preexistiam
antes da puberdade.
b) Se as passagens ao ato sexual homossexuais ocorreram pouco depois
da transformação da puberdade e se duraram toda a adolescência,
situação em que a elaboração psicodinâmica da adolescência corre o
sério risco de ter sido seriamente entravada.
c) Se a atividade homossexual implica uma penetração (anal, oral) ou
apenas uma masturbação recíproca, o que em geral testemunha apego
à fantasia da completude da primeira infância.
d) Se o parceiro sexual é único e carregado de uma significação sexual
afetiva particular (o que ainda pode se integrar a uma relação de apoio
identitário ou de submissão a uma ligação edipiana particularmente
intensa) ou, ao contrário, se há vários parceiros sexuais sem
envolvimento afetivo, o que pode representar necessidade de ataque ao
próprio corpo ou do objeto.

Obviamente, não se trata de propor uma tipologia artificial e de estabelecer


uma correlação entre um ato e um conflito psíquico particular, mas, ao contrário, de
mostrar a diversidade de arranjos pulsionais e defensivos, de níveis de construção
da identidade por trás de uma conduta que se costuma resumir com muita
frequência em um único termo: homossexualidade.
As relações homossexuais na adolescência geralmente são marcadas por
uma grande culpa ou, às vezes, por uma verdadeira vergonha. De fato, o
reconhecimento social que os adultos conseguem obter não é tão fácil para os
adolescentes, que quase sempre escondem sua homossexualidade.

131
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Significações psicológicas e psicopatológicas

Citaremos aqui apenas modelos de compreensão referentes à teoria


psicanalítica; essa abordagem é que predomina nos trabalhos consagrados à
adolescência.
De fato, a maioria dos estudos distingue a homossexualidade da primeira
parte da adolescência, que corresponde a uma fase normal de desenvolvimento, e a
homossexualidade da segunda parte da adolescência, que se pode ter uma
significação diferente, mais inquietante, abrindo caminho à homossexualidade do
adulto.
Para Freud, a homossexualidade é uma inversão quanto ao objeto sexual. A
inversão na adolescência é frequente e normal; três dados explicam porque a
inversão não se prolonga na vida adulta:
a) A atração que as características do sexo oposto exercem sobre um e
outro;
b) A influência inibidora exercida pela sociedade;
c) As lembranças da infância:
- no homem, são lembranças da ternura que recebeu da sua mão e que o
induzem a dirigir sua escolha de objeto para a mulher, e as lembranças de
intimidação sexual por parte do pai, que o induzem a se desviar dos objetos
masculinos.
- na mulher, são lembranças da tutela da mãe, que favorecerá a atitude
hostil em face de seu próprio sexo e que a induz para uma escolha de objeto
heterossexual.

Anna Freud (ANO) considera as manifestações sexuais da adolescência


como normais. Elas são recorrências de ligações objetais pré-genitais, sexualmente
indiferenciadas, que se reativam durante a pré-adolescência, ao mesmo tempo em
que muitas outras atitudes pré-genitais e edipianas. A escolha de objeto sexual na
adolescência se deve também à regressão do investimento de objeto para o amor
por sua própria pessoa a para a identificação com o objeto.

132
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Portanto, o objeto passa representar o Eu real e o ideal do Eu. As
manifestações homossexuais são então fenômenos de ordem narcísica. Elas [as
manifestações homossexuais] são mais significativas da profundidade da regressão
do que do papel sexual posterior do sujeito. Assim, para Anna Freud, a distinção
entre a homossexualidade latente e a homossexualidade manifesta aplica-se à
sexualidade adulta, e não pode servir para explicar a masturbação mútua e outros
jogos sexuais entre adolescentes.
Finalmente, ao se inscrever a significação da conduta homossexual no
processo integral da adolescência, não se pode deixar de assinalar a importância do
grupo de identificação de iguais, que tem como função a integração da libido
homossexual e a resolução de problemas colocados pela identificação com o genitor
do sexo oposto.

Travestismo e fetichismo – o travestismo é observado em um homem


heterossexual que utiliza uma ou várias peças de vestiário feminino para provocar
uma excitação sexual, seja ela seguida de masturbação solitária, seja integrada a
uma troca com um parceiro sexual mais ou menos cúmplice. O travestismo é mais
encontrado na idade adulta.
Contudo, certos autores insistiram sobre os antecedentes na infância e na
adolescência observados nos travestis. Esses sujeitos sempre gostaram de se
disfarçar de mulher ou de menina, preferiam as brincadeiras de meninas (bonecas,
elásticos). No início da adolescência, na idade em que o sujeito prefere estar com os
de seu sexo (necessidade de inserção nas identificações de grupo), esses garotos
preferem a companhia de meninas. Em geral, são rejeitados pelos outros meninos e
alvos de zombaria.
Esses adolescentes eventualmente sofreram uma humilhação ligada à
obrigação imposta pela mãe de usar roupas femininas. Embora em um grau menor
do que no caso do transexualismo, essas crianças e adolescentes também podem
ter vivido uma relação particularmente próxima e intensa com sua mãe, enquanto
que a relação com o pai é inexistente ou precária (pai fraco, derrotado,
desvalorizado).

133
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Se o travestismo pode se manter por muito tempo como uma prática
limitada, em certos casos, o adolescente ou o jovem adulto entra em uma relação de
tipo homossexual.

As dificuldades específicas do estabelecimento da identidade sexual

Tratamos aqui de dois problemas: o transexualismo e o intersexualismo


ambíguo.
O transexualismo é um transtorno específico da identidade sexual. O
transexual, assim como o sujeito normal que recalca a alteridade sexual, a
participação do outro sexo nele, tem o sentimento de pertencer exclusivamente a um
sexo. Mas, ao contrário do sujeito normal ou do homossexual, não há no transexual
uma escolha sexual, todos os problemas se colocam no nível da identidade sexual.
A intersexualidade ambígua representa igualmente um transtorno da
identidade, pois a escolha não se coloca mais em relação ao objeto sexual suporte
do objeto interno, mas em relação às representações do eu enquanto objeto sexual
e, portanto, enquanto eu em sua identidade sexual.

O transexualismo – O transexualismo geralmente começa na infância. Trata-


se do sentimento experimentado por um sujeito de determinado sexo de pertencer
ao sexo oposto e do desejo intenso, muitas vezes obsessivo, de mudar de
conformação sexual, para viver sob uma aparência condizente com a imagem que
construiu de si mesmo.
Na adolescência, o sujeito transexual (mais o menino do que a menina)
passa por uma crise de identidade, ele próprio vive um conflito:
- Interno: por causa do impacto do desenvolvimento de sua puberdade que
ele não deseja e cujo processo ele não aceita.
- Externo: por causa da pressão crescente de sua família e da sociedade em
relação às suas aspirações.

134
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
A puberdade, com o aparecimento de seios e de menstruação nas meninas
e das ereções nos meninos, pode ser vista como catastrófica. São muito comuns
nessa época as crises de depressão e os gestos suicidas. Aspectos perversos,
neuróticos ou psicóticos podem prevalecer, segundo os sujeitos, mas, de todo modo,
trata-se de um transtorno profundo da autoimagem que o adolescente vem reavivar.
Entretanto, nem todos os adolescentes transexuais consideram a puberdade
intolerável; alguns se resignam às mudanças corporais, tentam por muito tempo
tornar compatível a personalidade com o corpo, e se comportam de acordo com o
que o entorno espera deles, mas nunca conseguem suprimir seus sentimentos.
A compreensão psicanalítica do transexualismo está mais estabelecida para
o transexualismo masculino do que para o transexualismo feminino. Para o primeiro,
a inibição ou aniquilação de toda angústia de castração até a castração real
encontraria sua origem na simbiose original e excessiva com a mãe e a carência
paterna.
Em certos casos, a demanda ou, pelo menos, o tema transexual (declaração
do sujeito que diz ter um corpo do sexo atribuído no nascimento, mas uma “alma do
outro sexo”) aparece relativamente cedo na infância. Numerosos autores se
indagaram sobre a infância dos transexuais. A criança teria sido vítima de uma
intensa angústia de abandono materno que tenta superar com uma fantasia de fusão
com ela.
Para alguns autores, haveria no passado desses pacientes uma infância
feita de excesso de mãe e escassez de pai; o menino teria vivido com sua mãe uma
simbiose extremamente perfeita e extremamente feliz. O pai, seja por sua ausência
ou por sua insignificância, não procurou interromper em nenhum momento. Essa
simbiose estreita estaria na origem de uma “identidade de gênero” perturbada,
marcada por uma feminilidade precoce e acentuada no menino.
Nem todos os autores encontram esses dados. Para outros clínicos, a
criança se conforma àquilo que ela imagina que é preciso ser para que a amem. É
em torno de uma necessidade-desejo que se constitui uma identidade primária.
Porém, todos os autores enfatizam uma qualidade particular da relação mãe-filho,
mas isso parece mais evidente nos meninos.

135
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Embora a maioria das demandas cirúrgicas e/ou endocrinológicas dos
transexuais ocorram na idade adulta, a adolescência parece ser um período
privilegiado para uma abordagem psicopatológica desse problema, antes que ele se
cristalize em sua personalidade adulta.

A intersexualidade ambígua – A intersexualidade ambígua caracteriza-se,


antes de tudo, pela anomalia dos órgãos genitais externos. Trata-se evidentemente,
de uma anomalia de origem orgânica, mas com grande repercussão no equilíbrio
psicoafetivo. Vamos descrevê-lo brevemente. Distinguem-se duas categorias
principais:

- O pseudo-hermafroditismo feminino, o mais frequente. Trata-se de meninas


que possuem ovários, trompas, um útero e cujos órgãos sexuais externos são de
aparência viril. A origem dessa aparência virilizante é diversa. Deixados à sua sorte,
eles evoluem para uma morfologia corporal claramente masculina.

- O pseudo-hermafroditismo masculino é mais raro. Trata-se de meninos que


possuem testículos, geralmente em posição ectópica, um epidídimo, canais
deferentes, um broto genital reduzido, de aspecto clitoridiano, uma fenda vulviforme
e eventualmente uma cavidade vaginal. Não existem transtornos endócrinos, de tal
modo que na puberdade assiste-se à eclosão de características secundárias
masculinas: a voz, o sistema piloso, a morfologia.

Na adolescência, dois tipos de problemas se apresentam:


- Em certos casos não foi feito nenhum diagnóstico e nenhum tratamento. A
evolução psicossocial se deu segundo o sexo atribuído ao sujeito, e ele se confronta
agora com questões sobre seu corpo ou por arrebatamentos amorosos pelo outro
sexo.
- Às vezes, o diagnóstico foi feito precocemente e chegou o momento de
uma intervenção cirúrgica conforme “a identidade do gênero”.

136
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Os problemas psicopatológicos são então variáveis: ora o sujeito aceita bem
essa situação e o tratamento que é necessário, ora se instala um estado depressivo,
surgem gestos suicidas, ora a condição de ambiguidade se estabelece na própria
personalidade: nesse caso, o sujeito se organiza segundo uma “identidade
hermafrodita” com a capacidade de intercambiar o parceiro sexual.
Ao contrário do que ocorre na homossexualidade, os transtornos não se
referem ao objeto sexual, mas à identidade sexual.

Relacionamentos afetivos e relações sexuais na adolescência

Em uma pesquisa (Vidal, Ribeiro, 2008) concluiu-se que quanto aos


“relacionamentos e relações sexuais” ficou clara a grande dificuldade que
principalmente as meninas têm de dissociar o sexo do amor. O que elas chamam de
“amor” é uma condição necessária para que ocorra o ato sexual.
Já para os meninos isto não parece ocorrer. Segundo as autoras, é como se
as meninas esperassem o “príncipe encantado”. Por outro lado, esses príncipes
podem enquanto não encontram suas princesas, buscar outras experiências
sexuais. Eles buscam outras experiências para testar e provar sua virilidade perante
os outros e para tal eles não precisam amar. Para as meninas é “consentido” que se
relacionem sexualmente, mesmo antes do casamento, só se for por amor, “com a
pessoa certa, na hora certa”.
A maioria das meninas critica o sexo por prazer, o sexo sem compromisso, o
sexo por diversão. Observa-se também a importância que dão à virgindade, mesmo
não defendendo a ideia de mantê-la até o casamento. Diferentemente dos meninos
que querem ou se sentem obrigados a “perdê-la”.
Percebe-se por meio dos relatos destes adolescentes que, de maneira geral,
reproduzem valores tradicionais, alguns preconceitos e a ideologia machista ainda
parece muito presente.

137
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Atitude dos pais

A sexualidade dos adolescentes acaba repercutindo inevitavelmente sobre


os pais. Podemos distinguir duas etapas: a das atitudes concretas dos pais em face
da mudança recente da sexualidade dos adolescentes (relações sexuais mais
precoces, vida de casal sem casamento, contracepção); e a das modificações
intrapsíquicas dos pais em face das questões sempre suscitadas pelo aparecimento
de novas potencialidades de seu adolescente.

Os pais e a sexualidade de seus adolescentes: mudanças recentes de atitudes

A mudança de atitude dos pais quanto aos problemas da sexualidade em


relação a seus filhos manifesta-se em diversos âmbitos:

- A informação sexual: a atitude dos pais realmente mudou, o que parecia


necessário, considerando-se a evolução cultural. Hoje, de fato, os pais são muito
favoráveis à educação sexual de suas crianças e de seus adolescentes.
Obviamente, fatores socioculturais ou ligados à idade dos pais ainda
interferem na aceitação e na aplicação dessa informação, mas o movimento geral
parece irreversível. Contudo, essa mudança de atitude não é tão facilmente
assumida pelos pais. Por exemplo, os pais são cada vez mais favoráveis a uma
informação sexual desde que seja passada por outros (56% dos pais em uma
pesquisa recente consideravam que isso era papel dos educadores, dos
professores); os pais também manifestam um mal-estar evidente com certos temas
que dizem respeito à informação sexual. De fato, os temas mais facilmente
abordados são a gravidez, o parto, a puberdade, a anatomia; no fim da lista, bem
atrás, são mencionados o ato sexual, o aspecto afetivo e moral e, por último, as
doenças venéreas, as perversões e os desejos.

138
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
- A contracepção: aparentemente, os pais aceitam com muito mais facilidade
a contracepção para sua filha e, inclusive, se antecipam à solicitação desta.

- Os marcos institucionais e morais ligados à sexualidade: os pais parecem


manifestar uma resistência bastante firme às mudanças que seus filhos começam a
reivindicar ou a viver. A questão do casamento, por exemplo, continua sendo um
fator frequente de conflitos encontrados entre os pais e seus adolescentes a
propósito do problema de uma prática sexual regular, e isso principalmente para as
meninas. Nesse campo, os pais ainda se surpreendem com as mudanças
socioculturais.

Os pais e a sexualidade de seus adolescentes: alterações intrapsíquicas

Em face de adolescentes perturbados e transformados em seus corpos e em


sua sexualidade, os pais também são levados a profundos remanejos, ligados ao
seu próprio corpo e sexualidade. A sexualidade de seu adolescente pode ser vivida
pelos pais como uma ameaça para eles próprios por várias razões:

- As ligações incestuosas que existiam entre seu filho e ele são reavivadas
e, sobretudo, surgem brutalmente à consciência. Enquanto perdura a imaturidade
fisiológica do filho, os desejos incestuosos, inconscientes, podem ser facilmente
ocultados: jogos de carícias e afagos diversos são possíveis e não angustiantes, na
medida em que um dos parceiros, por sua fisiologia, ainda é imaturo. Na
adolescência é bem diferente.
- A sexualidade dos adolescentes faz reviver em um ou nos dois genitores
seus próprios traumatismos. Uma mãe particularmente submissa à própria mãe
durante sua adolescência pode, por exemplo, reviver cruelmente o conflito com sua
filha e não suportar a sexualidade desta. De resto, isso pode resultar tanto em um
liberalismo excessivo quanto em uma rigidez abusiva por parte dos pais.

139
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
- A sexualidade nascente dos adolescentes é inconscientemente percebida
pelos pais como o fim da sua. Se os adolescentes devem realizar um trabalho de
luto pela infância perdida, os pais devem igualmente produzir um luto, em relação a
sua vida sexual.

A sexualidade na adolescência é um tema vasto, cuja abordagem apresenta


dois riscos: um risco extensivo considerando-se que a sexualidade está presente em
tudo o que diz respeito à adolescência e aos seus problemas; um risco redutor,
limitando ao mero aspecto comportamental este tema fundamental para o sujeito
nessa idade.

2- Sexualidade na velhice

A pirâmide das idades mostra um envelhecimento progressivo da população


nos países ocidentais. Esta camada da população é atualmente um fenômeno
presente em todos os países que conseguiram aumentar a esperança de vida por
meio dos progressos combinados da medicina e do meio ambiente.
Na França e em Portugal, cerca de 30% da população tem mais de 50 anos.
Se no Brasil, em média, apenas 16% dos indivíduos atinge atualmente esta idade,
nas aglomerações urbanas esta população está muito mais concentrada.
Não somente os seres humanos vivem mais tempo, mas também as
condições de saúde e o potencial de integração social são prolongados. Entretanto,
os estereótipos ligados à degradação biológica, a qual serviu durante séculos para
caracterizar o processo do envelhecimento, continuam a impregnar a ideia das
pessoas. As repercussões do processo de envelhecimento sobre a sexualidade
constituem um assunto particularmente contaminado por preconceitos.
Até recentemente, ainda se acreditava que por volta dos cinquenta anos o
declínio da função sexual era inevitável face à menopausa feminina e à instalação
progressiva das disfunções da ereção masculina. Além disso, a atividade sexual
perdia fatalmente seu objetivo de procriação e, portanto, sua justificativa social.

140
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
A concepção pioneira de Freud (1905/1969) afirmando o prazer como
objetivo da sexualidade humana desvinculou-a da reprodução. A tese de Freud veio
a ser confirmada com a recente emergência do conceito de saúde sexual e com a
sua dissociação progressiva do conceito de reprodução, o que coloca em evidência
a autonomia da vida sexual e sua importância para a realização e o bem-estar dos
indivíduos durante toda a vida.
Mas esta liberdade ideológica só pôde tornar-se realidade com a conquista
tecnológica dos hormônios sintéticos. Tornou-se possível tanto a contracepção,
quanto a terapia de reposição hormonal, que facilita manter a função sexual
prazerosa após a menopausa. Mais recentemente, o sildenafil e o tadalafil vieram
proteger os homens das perturbações da ereção cujo potencial patológico se revela
provavelmente muito mais no nível psicológico que fisiológico. Assim, os progressos
da medicina minimizam as barreiras biológicas que dificultavam a manutenção da
atividade sexual na segunda metade da vida.
Espera-se que junto com a dilatação da esperança de vida e do progresso
científico e técnico que o homem tem sido capaz de pôr em marcha, haja uma
evolução social e cultural e uma mudança das mentalidades capaz de integrar a
sexualidade das pessoas idosas harmoniosamente em tais avanços.
Para compreender a problemática da sexualidade nos adultos maduros e
idosos (após os 50 anos de idade), é preciso levar em conta os fatores básicos que
afetam o comportamento e a resposta sexual em qualquer idade:

a) Saúde física. A doença pode reduzir ou impedir o interesse pela


sexualidade em qualquer idade. Pesquisadores provaram que raramente o
equipamento sexual se deteriora no envelhecimento normal, impedindo os adultos
maduros de permanecerem sexualmente ativos enquanto tiverem saúde. A
sexualidade está entre os últimos "processos biológicos provedores de prazer" a
deteriorar-se.

141
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
b) Preconceitos sociais. Do ponto de vista do ciclo vital, o envelhecimento
é um processo bio-psico-social, ou seja: caracterizado por mudanças fisiológicas,
psicológicas e nos papéis sociais. Independentemente da especificidade e da
heterogeneidade do envelhecimento individual, a psicogerontologia tem assinalado
que a experiência subjetiva do envelhecimento é amplamente influenciada pela
ideologia cultural.
A vivência subjetiva é marcada pela inevitabilidade das modificações
corporais e das competências físicas, pelas modificações em nível dos recursos
cognitivos e adaptativos, pelas alterações de papéis e da posição nas hierarquias
sociais, assim como pelo impacto negativo de atitudes e estereótipos relativos ao
envelhecimento. A crença na progressiva e generalizada incompetência, assim como
na impotência sexual dos idosos faz parte intrínseca destes estereótipos. Acuados
entre as múltiplas exigências adaptativas que as alterações do envelhecimento
comportam, os indivíduos enfrentam dificuldades para preservar a identidade
pessoal e a integridade de alguns papéis e funções, sobretudo àqueles relativos à
sexualidade que a sociedade atentamente vigia.

c) Autoestima. Na sociedade contemporânea, os valores culturais


orientados para a juventude tendem a depreciar os indivíduos idosos em termos de
sua aptidão e atração sexual, particularmente as mulheres. Pessoas desta faixa
etária são levadas a aposentar-se também do terreno sexual, no qual as iniciativas
representam um risco importante de desapontamento e frustração.
Além disso, toda manifestação de sensualidade é rapidamente suspeita de
deslizar para a dissolução da demência senil. Todos temem o estereótipo do velho
gagá que perdeu o controle de suas pulsões. Tendo interiorizado estes valores
culturais, o indivíduo envelhecido pode não ter consciência de recalcar a
sexualidade, ou simplesmente sentir-se impelido a reprimi-la deliberadamente. O
conflito entre suas pulsões e a norma social, ataca a sua autoestima.

142
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
d) Conhecimentos sobre a sexualidade. Muitos homens deixam de ter
relações e se tornam impotentes porque não compreendem as mudanças
fisiológicas ligadas ao processo do envelhecimento, interpretam-nas como sendo
sintomas de impotência. Com sua autoestima baixa, ficam receosos de não
conseguirem uma ereção e acabam evitando ter relações para não serem
confrontados com a frustração.
Em um estudo verificaram que a causa mais frequente de cessação das
relações sexuais é atribuída aos homens, tanto no depoimento dos próprios homens,
quanto no das mulheres, apesar de os homens declararem continuar interessados
em sexo com mais frequência do que as mulheres.
e) Status conjugal. A regularidade das relações sexuais está muito ligada à
oportunidade representada pela situação conjugal. De um ponto de vista
demográfico, a proporção de mulheres é predominante nesta população em razão
de uma esperança de vida nitidamente superior a dos homens. Esta diferença tende
a acentuar-se à medida que a idade avança. A primeira consequência deste dado
objetivo é a limitação das oportunidades de relações sexualizadas, particularmente
para as mulheres. Entretanto, a falta de um parceiro disponível pode explicar o
abandono de relações sexuais, mas não explica a renúncia a interesses a
comportamentos sexuais, fato que ocorre frequentemente mesmo entre pessoas
casadas e satisfeitas com a sua relação conjugal.
Se a condição de saúde pode ser uma das explicações possíveis para o
abandono da sexualidade ativa e explicar, indiretamente, um menor interesse pela
sexualidade em geral, outras explicações poderão ser encontradas no âmbito das
experiências de vida prévias e relativas, especificamente, à qualidade da relação
conjugal e sexual desenvolvida ao longo da vida. Por um lado, se inibições existiam,
elas tendem a cristalizar-se e, por outro lado, a degradação das relações afetivas,
em virtude dos conflitos e rancores não elaborados, pode afastar emocionalmente o
casal. Raiva e ressentimento acumulados ao longo dos anos destroem a atração
erótica.

143
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Como vemos, com o passar do tempo, estes cinco fatores básicos que
contextualizam a sexualidade humana passam a pesar ainda mais sobre o indivíduo
envelhecido, restringindo a amplitude das escolhas pessoais. O caminho da
renúncia é facilitado face à sua fragilidade psicofisiológica, contexto que representa
um sexto fator, específico a esta população.
Duas teorias complementares permitem compreender o processo subjetivo
que favorece esta renúncia à sexualidade. Por um lado, a teoria psicossociológica
dos scripts que explica a ligação direta entre os papéis culturais atribuídos aos
indivíduos segundo seu status social (inclusive faixa etária), e os scripts
intrapsíquicos que permitem aos indivíduos reconhecer e reagir a circunstâncias
sexualmente excitantes dentro de um contexto socialmente significativo
positivamente valorizado. A cultura ocidental atribui um script sexual negativo ao
indivíduo envelhecido, script que ele se recusa a assumir.
Por outro lado, a teoria psicanalítica explica como a clivagem entre a ternura
e a sensualidade proposta por Freud (1912/1969) é reativada neste período tardio
da vida de maneira ainda mais insidiosa. Vovô e vovó são anjos da guarda com um
corpo diáfano, liberado de todo traço de sensualidade. Esta fábula deve ser
preservada a todo custo; se preciso for, sob o controle dos filhos que se tornam, por
sua vez, guardiões do recalcamento (ou da supressão). Ocorre, assim, uma inversão
dos papéis que ocupavam na adolescência. Os adultos maduros são compelidos a
ocultarem cuidadosamente todo e qualquer interesse sexual sob pena de serem
socialmente desconsiderados e afetivamente rejeitados pela própria família.
A complementaridade entre a teoria sociológica e a teoria psicanalítica
permite esclarecer a dupla natureza deste fenômeno no qual o processo
intrapsíquico de exclusão da sexualidade é fruto, ao mesmo tempo, da interiorização
dos ideais culturais e da situação de fragilidade psicofisiológica que leva a assumir a
clivagem imposta.

144
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
A geração que ultrapassou os cinquenta anos, idade que marca o início das
alterações bio-psico-sociais, caracterizando o envelhecimento, confronta-se
atualmente com um conflito entre os estereótipos e os valores ligados à sexualidade
internalizados ao longo da vida e a oferta recente de recursos que permitem assumir
as inclinações pessoais realmente percebidas.

3- Desconstrução do feminino e do masculino

Um acontecimento bastante significativo, e que pode ser considerado o


berço do feminismo contemporâneo, foi o lançamento do célebre livro de Simone de
Beauvoir. Esse movimento possibilitou, sobretudo, uma mudança em suas vidas, em
suas escolhas profissionais, em seus desejos e em suas relações amorosas que
podem, hoje, seguir diferentes caminhos, não necessariamente traçados pelo que no
século passado se anunciou como sendo a sua “natureza”.
Assim, apesar da inegável situação de injustiça que podemos ainda hoje
vislumbrar na nossa sociedade, as consequências positivas do movimento feminista
se esboçam, na materialidade dos conflitos e desejos que constituem o cotidiano
das relações humanas.
Nesse sentido, o enunciado proposto por Simone de Beauvoir na frase mais
falada, lida e comentada desse livro - "Ninguém nasce mulher: torna-se mulher" -
provocou um deslocamento da condição “natural” feminina construída nos séculos
XVIII e XIX e abriu um leque de possibilidades para pensar "o que o sujeito pode se
tornar, sendo (também) mulher".
O efeito social provocado pelas mulheres na luta por seus direitos introduziu
a necessidade de pensar sua história. À medida que foi sendo tecida uma história
coletiva, puderam-se reconstruir histórias individuais e reinventar projetos para o
futuro.
Diante disso, podemos observar uma passagem: se antes a questão era
formulada a partir do que se constituía como um enigma (para os homens) - "o que
quer a mulher?" -, hoje a questão que se apresenta no horizonte da nossa reflexão é
"como pensar a diferença de sexos?".

145
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Nesse contexto, o desenho de novas formas de sociabilidade se apresentam
constituindo uma mudança significativa no "modo de vida", em que o esboço de uma
nova experiência cotidiana se configura como pano de fundo para pensarmos a
questão da diferença entre os sexos.
Os principais fenômenos constitutivos dessa mudança são: a crise da forma
burguesa da família nuclear (monogâmica e heterossexual), a entrada da mulher no
mercado de trabalho, a separação da sexualidade da reprodução. Todos esses
fenômenos provocaram uma crise nas referências organizadoras da sociedade
moderna, principalmente a partir do abandono das fronteiras homem-público e
mulher-privado, configurando um novo território para pensar as sexualidades.

A crise da família nuclear – A família, tal como a concebemos, é um


fenômeno recente na história da humanidade, diferente das relações de parentesco
que sempre estiveram presentes nas formações sociais. Herdeira da necessidade
política da constituição do privado, no início da era moderna, a família surge como
aquela que vai garantir a ordem social e possibilitar, por meio da função de
afetividade e educação, a formação do indivíduo adulto. Desde então, a organização
pai-mãe-filho passa a ser concebida como o lugar originário da constituição do
sujeito.
Porém, desde o fim da Segunda Guerra Mundial, esse núcleo começa a ser
abalado justamente no que tinha de mais sólido, que eram as bases materiais para
as relações de filiação. O primeiro sinal de mudança foi a baixa das taxas de
fecundidade apresentadas em alguns países ocidentais desenvolvidos, sendo hoje
fonte de preocupação de políticas demográficas, inclusive no que se refere à
reposição da população.
Logo em seguida, assistimos a uma movimentação jurídica e cultural com
uma queda dos casamentos e, em contrapartida, o aumento do divórcio e da
separação. Um menor número de filhos e uma maior rotatividade de situações
conjugais que acabam por provocar uma turbulência na noção de família como o
que sustenta e organiza a sociedade.

146
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Diante desse quadro, a base da família nuclear ruiu e sobre ela permanece o
que sempre foi mais frágil: as relações conjugais. Sobre esse assunto, existem
várias análises distintas. De um lado, existem aqueles que constatam uma crescente
“indiferenciação” entre os papéis masculinos e femininos. Conforme Elisabeth
Badinter (1986, pág.): "Há quinze anos, apaga-se pouco a pouco, na maioria das
sociedades ocidentais, a linha que separa os campos da maternidade e da
paternidade. Os homens começam a aprender diretamente o que significa ser pai, e
a fazer para os filhos o que as mulheres fizeram no decorrer dos tempos".
E, de outro, alguns autores argumentam que a grande modificação na
organização familiar é provocada pela crise da autoridade paterna e do casamento,
o que faz com que ocorra um estreitamento das relações consanguíneas entre mãe
e filho e certa “expulsão do masculino”.
Seja como for, o que nos interessa salientar é o significado da mudança do
papel da família nuclear na cultura contemporânea, principalmente no que se refere
à radicalização do paradoxo constitutivo das sociedades democráticas ocidentais
que, ao mesmo tempo em que valorizam a autonomia do indivíduo, se organizam a
partir de instituições hierárquicas.
Nesse contexto, a relação conjugal não se realiza mais a partir das normas
fundantes da família moderna. Desde a proclamação da “igualdade entre os sexos”,
o lugar do homem e da mulher na família está em questão.
Nestes últimos 30 anos, assistimos ao surgimento do "casamento-
conversação", o qual se constitui a partir de uma eterna construção e desconstrução
de laços, em que, mesmo que consideremos que o ponto de estabilidade seja a
relação mãe-filho, como mostram as pesquisas mais recentes, é certo que a família
nuclear não pode mais ser considerada uma base sólida para construção da
identidade.

A entrada da mulher no mercado de trabalho – A entrada progressiva da


mulher no mercado de trabalho acompanha o crescimento econômico ocorrido nos
países capitalistas desenvolvidos após o término da Segunda Guerra Mundial.

147
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Nos anos 1960 e 1970 o trabalho feminino era considerado pelos homens e
pelas mulheres uma questão econômica, caracterizado como o 'segundo salário',
uma forma de a mulher 'ajudar' nas despesas do lar.
O que observamos hoje é uma mudança significativa da relação da mulher
com o seu trabalho. O trabalho feminino não é mais um agregado, mas sim parte de
uma exigência individual e de identidade das mulheres. Elas trabalham também
porque querem. Independentemente da vida familiar, o trabalho feminino se tornou
um valor. Não queremos dizer com isso que as mulheres não sejam mais as
principais responsáveis pela organização do lar, mas a necessidade de trabalhar
'fora' se caracteriza, também, como um desejo de autonomia, em que a identidade
feminina não exclui uma vida profissional de sucesso.
Assim, a clássica divisão sexual de trabalho, se não se modificou totalmente,
está no mínimo sob pressão. As mulheres incorporaram o significado de trabalhar
'fora' e construir uma carreira profissional como sendo um valor constituinte da sua
identidade.

A separação entre sexualidade e reprodução – Nos novos territórios


esboçados pela modernidade, tendo como referência o final do século XVIII e o
século XIX, à mulher couberam os destinos do privado e, consequentemente, da
maternidade.
Tanto a noção cultural de mulher proclamada pelos moralistas, como
também a ideia científica do sexo feminino, que acabara de surgir, foram marcadas
por esta função de mãe que penetrou no corpo da mulher e acabou por definir a sua
essência.
Mais uma vez, nos anos 60 e 70 do século passado, assistimos certo
deslocamento das mulheres do destino da maternidade, provocado pela
possibilidade concreta de separar a sexualidade da reprodução, com o surgimento
da pílula anticoncepcional. A partir daí, não só as mulheres puderam se livrar de
uma função quase que imposta a seus corpos, como também exerceram o ato da
escolha de terem ou não filhos.

148
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
A possibilidade de arbítrio sobre o próprio corpo e o acesso a uma
sexualidade não reprodutiva foi, sem dúvida, umas das principais conquistas das
mulheres. Mesmo considerando que sempre, na história da humanidade, tivessem
existido formas diversas de contracepção, o que mudou com a pílula foi a
medicalização e a legitimação dessa prática. Nesse sentido, as mulheres puderam
programar suas vidas e exercer tanto a sua vida profissional como a própria
experiência da maternidade de forma mais satisfatória.
Porém, de lá até agora, entre sexualidade e reprodução não houve apenas
uma ruptura, mas uma distância de que ainda não podemos vislumbrar de todo o
significado. A nova onda das técnicas de reprodução assistida – para citar algumas:
fecundação in vitro; inseminação artificial com ou sem doador; doação de óvulos;
implementação, congelamento e manipulação de embriões e maternidade de
substituição ('aluguel de útero') – provocaram uma turbulência nos nossos valores,
crenças e representações sobre a filiação, como também uma reviravolta na
representação da relação entre natureza e cultura.
Desde o momento da efetivação da primeira fertilização in vitro, realizada em
1978, assistimos a vários dilemas éticos provocados pelo avanço da pesquisa
científica na área da procriação artificial, como, por exemplo, a dificuldade de impor
limites entre a manipulação de embriões; o problema de administrar as várias
referências parentais que se somam desde a biológica, a social e ainda a
possibilidade de uma terceira, 'de aluguel'; a normatização de doações de embriões,
óvulos e esperma; o direito de casais de homossexuais ou de famílias
monoparentais recorrerem à procriação assistida.
Diante desse quadro, o que consideramos mais importante é que, para além
de cada caso específico, o que está em jogo é um conjunto de incertezas, que não
aprofundamos aqui, mas que interferem no estatuto simbólico da filiação.

149
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Considerações finais

Os valores que os mais velhos cultivaram e tentaram passar para os filhos e


netos, ainda estão presentes hoje, mesmo que sob outras “roupagens” (Alves,
2000).
Em pesquisa sobre “transformações sociais, mudanças psíquicas”
(Rodrigues, Silva, 2007), as entrevistadas encararam de forma diferente o papel do
homem e da mulher. No que diz respeito à sexualidade, as entrevistadas pareceram
atreladas a algo que impede o livre fluxo desta.
No Brasil, ainda existem diferenças profundas nas práticas sociais do
homem e da mulher, o que atesta um código de gênero que estabelece fronteiras
demarcadas para uma conduta aceitável para cada categoria de sujeitos (Heilborn,
2006).
Um conflito básico permeia o relacionamento de homens e mulheres:
querem viver uma relação de igualdade e liberdade, mas ainda estão presos ao
passado, incorporado na figura e no modelo de seus pais (Souza, 2007).
O que podemos dizer então? Vivemos um período de transição e
consequentemente de “turbulência” em que alterações bruscas estão presentes,
caracterizando quase um rompimento com o certo e o errado vigentes. Estas
transformações são acompanhadas de outro tempo, no qual se busca um maior
equilíbrio.
Assim, não estaríamos nem mais em um território totalmente ancorado na
"hierarquia entre os sexos", nem tampouco em um terreno caracterizado pela
"indiferença". Uma nova possibilidade de diferenciação se anuncia e com ela um
novo esboço do feminino.

FIM DO MÓDULO IV

150
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Glossário

Libido: energia, postulada por Freud, que constitui a base das


transformações do instinto sexual. Tanto no que diz respeito ao objeto, quanto ao
alvo e quanto à fonte de excitação.
Narcisismo: em referência ao mito de narciso, amor que se tem pela
imagem de si mesmo.

151
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
Referências Bibliográficas

BIASOLI-ALVES, Z. M. M. Continuidades e rupturas no papel da mulher brasileira no


século XX. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 16, n. 3, p. 01-14, 2000.

CID 10. Classificação Estatística Internacional de Doenças e problemas


relacionados à saúde. 10º revisão – Organização Mundial de Saúde. 8. ed. São
Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2000.

DSM – IV – TR Manual Diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 4. ed.


Porto Alegre: Artmed, 2002.

FENICHEL, O. Teoria Psicanalítica das Neuroses. Rio de Janeiro: Ateneu, 1981.

GABBARD, G.O. Psiquiatria Psicodinâmica. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas


Sul, 1998.

HEILBORN, L. H. Entre as tramas da sexualidade brasileira. Revista Estudos


Feministas, Florianópolis, v. 14, n.1, p. 43-60, 2006.

KAPLAN, H. I. e Sadock, B. J. Tratado de Psiquiatria. 6. ed. Porto Alegre: Artes


Médicas Sul, v.1, 1999.

_____. Tratado de Psiquiatria. 6. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, v.2, 1999.

MARCELLI, D.; BRACONNIER, A. Adolescente e psicopatologia. 6. ed. Porto


Alegre: Artmed, 2007.

RODRIGUES, B. S; SILVA, M. E. Transformações sociais – Mudanças psíquicas:


uma possível relação. Estudo qualitativo sobre a condição feminina. Revista
Ártemis, João Pessoa, v. 8, p. 84-94, 2008.

152
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
SOUZA, D. H. Amor solitário: uma análise dentro da perspectiva do gênero. Revista
Ártemis, João Pessoa, v. 7, p. inicial-final, 2007.

VIDAL, E. I. RIBEIRO, P. R. M. Algumas reflexões sobre relacionamentos afetivos e


relações sexuais na adolescência. Fractal: Revista de Psicologia, Rio de Janeiro,
v.2, n.2, jul./dez. 2008.

FIM DO CURSO!

153
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores