Você está na página 1de 48

Derrube a pressão alta naturalmente - Volume 2

© 2019 Copyright by
Jolivi
Editor: Carlos Schlischka
Supervisão editorial: Mirela Leme
Edição de texto: Fernanda Aranda | Fernanda Mariana Santos |
Mariane Zendron | Mirela Leme | Nivia Corrêa
Capa: Thiago Carvalho
Design interno: Thiago Carvalho
Ilustração: Fernando Cruz | Thiago Carvalho
Colaboração: Camila Arakaki
Agradecimento: Toda a nossa equipe

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Derrube a pressão alta naturalmente /


elaborado por Jolivi Publicações. – São Paulo
: Jolivi Publicações, 2019. (Cura Universal; v.2)
48 p.

ISBN: 978-65-80308-07-1
ISBN: 978-65-80308-05-7 (Obra completa)

1. Pressão alta I. Título II. Série

CDD-616.1

Índice para catálogo sistemático:


1. Pressão alta : Doença 616.1

Impresso no Brasil
1ª edição – São Paulo, outubro de 2019
Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem a prévia autorização
do autor, por escrito, sobre pena de constituir violação do copyright (Lei 5.988)

Todos os direitos reservados à © Jolivi


Rua Joaquim Floriano, 913 – cj. 22 – Itaim Bibi – São Paulo/SP
CEP 04534-013 – Fone (11) 4020-6720
contato@jolivi.com.br - www.jolivi.com.br
Sumário
Capítulo 1
A verdade sobre os
anti-hipertensivos..........................5

Capítulo 2
Dentro do corpo: por que
essas drogas são
tão prejudiciais?..........................11

Capítulo 3
As substâncias naturais
mais poderosas para
tratar a hipertensão.....................23

Capítulo 4
Guia de uso: aplique as
soluções na sua rotina................35
Capítulo 1
A verdade
sobre os
anti-hipertensivos
Olá, caro leitor

Todos os dias, você toma mais de três


remédios prescritos. Se assoprou mais de
71 velinhas no último bolo de aniversário,
aposto que a conta passa dos cinco.

De olhos fechados, posso apontar que entre


os três, cinco, sete ou nove remédios que
você precisa tomar diariamente, está algum
anti-hipertensivo.

Seja um diurético, um inibidor do canal


de cálcio, receptores de angiotensina ou
um betabloqueador. Não importa o que
indicaram para baixar a sua pressão…

... você tem em sua caixinha um dos


remédios que mais projeta riscos de efeitos
colaterais à sua saúde.

Por outro lado, ainda fico admirado com


o desconhecimento que paira sobre as
soluções efetivas para baixar a sua pressão
arterial de forma natural.

Algumas delas, meu caro, podem inclusive


estar na sua geladeira ou despensa.

Porém, apesar dos caminhos naturais

7
permanecerem pouco explorados, os
remédios sintéticos para a hipertensão só
são mais e mais vendidos.

O revoltante - e também irônico - é que


eu nunca vi um ex-hipertenso que se
livrou desse diagnóstico com
medicamentos alopáticos. Você já?

Sabe quando você vai no banco para


cancelar uma conta e sai de lá com mais
um investimento, gastando mais dinheiro, e
sem ter o seu problema resolvido?

É exatamente isso que sinto quando se


trata do tratamento tradicional para a
hipertensão.

A sua conta só aumenta, a sua saúde

8
diminui e tudo indica que só os cofres
dos fabricantes dos remédios saem mais
abastados.

Relatório da Anvisa do ano de 2016 apontou


que, naquele ano, entre os medicamentos
mais vendidos no nosso país estava a
losartana - um bloqueador de receptores
de angiotensina - com um faturamento entre
R$ 250 e R$ 500 milhões.

Talvez você tenha visto a mídia repercutir


que a losartana, este medicamento
“milionário”, teve 200 lotes retirados de
circulação pela própria Anvisa em 2019 por
conterem substâncias CANCERÍGENAS.

Mas essa, meu caro, é


a reação que foi trazida
à tona de apenas um
desses medicamentos.

O que trarei aqui, são


todos os outros riscos
que colocam os anti-
hipertensivos no ranking
dos medicamentos mais
perigosos do mundo.

9
Mas me proponho a ir além. E quero
te mostrar como você pode começar a
combater este mal de uma maneira muito
mais completa.

Aproveite.

10
Capítulo 2
Dentro do corpo:
por que essas
drogas são tão
prejudiciais?
A pressão alta é resultado de uma série de
erros que você vem cometendo ao longo
dos anos.

Mas também é reflexo de que as estratégias


para tratar este problema não têm sido lá
muito efetivas.

Os remédios químicos comercializados


para “auxiliar” os hipertensos, por exemplo,
podem trazer muito mais malefícios do que
você imagina.

Não quero com isso dizer que você deve


jogar os seus medicamentos no lixo ou
culpar o seu médico por ter prescrito uma
destas drogas.

Até porque, o profissional de saúde que


te acompanha, neste momento, pode
acreditar mesmo que esta seja a melhor (e
mais moderna) conduta para quem precisa
ser salvo de um infarto.

E de fato os remédios têm uma utilidade. Só


não podem ser encarados como a salvação.
Quando os estudos são conduzidos sem a
interferência de conflitos de interesse, veja
só os resultados que encontramos:

13
1 – Um estudo publicado pela revista
médica JAMA (Journal of the American
Medical Association) no ano de 1995
apontou que o uso de bloqueadores
dos canais de cálcio (especialmente em
altas doses) foi associado a um risco
aumentado de infarto do miocárdio;

2 – Um artigo publicado na revista


científica de Harvard, The New England
Journal of Medicine, reconheceu que
indivíduos hipertensos tratados com
betabloqueadores apresentaram
riscos 28% superiores de desenvolver
diabetes tipo 2.

3 – Um levantamento do Centro
Médico da Universidade de Columbia,
em conjunto com outras universidades,
levou os médicos à conclusão,
divulgada em 2016 na publicação
Circulation: Cardiovascular Quality
and Outcomes, que tratamentos para
pressão com medicamentos anti-
hipertensivos foram associados a um

14
risco aumentado de queda em idosos
acima de 65 anos já nos primeiros 15
dias de uso.

4 - Medicamentos para baixar a


pressão também passaram a ser
testados para o tratamento da Doença
de Parkinson e os resultados de meta-
análise da Fundação Cochrane, a mais
respeitada rede de pesquisadores do
mundo, dão conta que essa não deve
ser uma estratégia a ser seguida pela
medicina.

Segundo a Fundação Cochrane, além de


não existirem evidências que atestam a
eficácia dos medicamentos para melhora
dos sintomas da Doença de Parkinson, em
todos os estudos foram observados efeitos
adversos como intolerância dos pacientes
aos medicamentos e agravamento dos
sintomas de Parkinson.

E se não fosse suficiente, é preciso que


eu o alerte sobre outros efeitos colaterais

15
comuns dessas drogas:

• tontura;
• sangramento da gengiva severos;
• problemas gastrointestinais;
• fadiga;
• insônia;
• impotência;
• depressão;
• falência dos rins.

Saber de tudo isso é um tanto quanto


desanimador, eu sei.

Ainda mais quando estas são as únicas


opções que apresentam para você prevenir

16
e tratar a sua hipertensão.

Mas é preciso ir além e é por isso que estou


aqui.

Para que você encontre formas simples,


naturais e seguras para trazer sua pressão
para os níveis ideais e atuar de uma maneira
completa.

Sem que, com isso, você fique refém do


caminho exclusivo de sempre só tratar
a pressão com drogas químicas (e até
perigosas).

Por isso, antes de seguirmos, eu preciso lhe


contar o que cada um dos medicamentos
indicados para o seu tratamento podem
causar.

17
Tudo para que você discuta com o seu
médico formas complementares de atuar
contra a hipertensão.

• Diuréticos
Os diuréticos são medicamentos que
aumentam a eliminação do sódio (sal) e
água através da urina. Desta forma, atuam
estimulando a excreção de íons sódio
(Na+), cloro (Cl-) ou bicarbonato (HCO3-),
que são os principais eletrólitos presentes
no sangue.

Como o sódio não é eliminado sozinho, ele


carrega a água do sangue, aumentando o
volume urinário e reduzindo a quantidade
de líquido nos vasos sanguíneos, o que
reduz a pressão sanguínea.

Porém, esta ação pode comprometer, é


claro, os seus rins. Entre outros agravantes
do uso de diuréticos está: aumento no
volume urinário, inflamação nos rins,
retenção urinária, excesso de cálcio nos
rins e falência renal.

• Inibidores da enzima conversora de


angiotensina

18
Essa classe de medicamentos tem como
ação inibir substâncias produzidas pelo
fígado e pelos rins e que despertam a
angiotensina, hormônio que que causa
a vasoconstrição e aumenta a pressão
arterial.

Essas substâncias causam a retenção


excessiva de sal no nosso organismo.

Se o nosso corpo retém sal em excesso, há


redução do diâmetro das nossas artérias o
que, consequentemente, eleva a pressão
arterial.

Quando essas substâncias são inibidas por


essas drogas, a nossa pressão arterial cai.
Mas, é claro, não naturalmente.

Como nossas artérias, fígado e rins são


atingidos, há riscos de infarto, distúrbio
dos vasos sanguíneos com descoloração
dos dedos, insuficiência cardíaca, anemia,
poliúria (excesso de urina), oligúria (falta de
urina) e até mesmo impotência.

• Bloqueadores dos receptores de


angiotensina
Medicamentos como esse, quando agem

19
no organismo, as células musculares
não conseguem captar a angiotensina
disponível, por isso não se contraem.

O resultado final deste processo é o mesmo


que o dos inibidores de ECA, com a redução
artificial da pressão arterial.

Revisão da Fundação Cochrane de 24


ensaios clínicos, com um total de 25.051
pacientes com insuficiência cardíaca
acompanhados por dois anos, verificou que
esses medicamentos não são melhores
que o placebo ou mesmo os inibidores da
enzima conversora de angiotensina na
redução do risco de morte dos pacientes.

Pior. O placebo se mostrou melhor


porque, no meio do caminho, mais
pacientes interromperam o tratamento
com os bloqueadores dos receptores de
angiotensina por conta dos efeitos adversos
dos medicamentos.

Sim, meu caro, uma pílula de farinha pode


proteger o seu coração mais do que os
medicamentos mais recomendados para
a sua pressão arterial. O losartana é um
bloqueador dos receptores de angiotensina.

20
Seus efeitos colaterais conhecidos, são:
AVC, palpitações, angina, hipotensão
ortostática (queda da pressão ao levantar-
se), fadiga e muitos outros.

• Betabloqueadores
Esses medicamentos são usados para duas
funções: reduzir a ansiedade e a pressão
arterial. Eles inibem a ação da adrenalina, o
hormônio que nos mantém alertas e, assim,
as duas condições são “reduzidas”.

Porém, essa ação traz como consequências:


distúrbios do sono, pesadelos, alucinações,
psicoses, confusão e outras alterações no
humor.

Em pacientes com asma, pode acarretar


broncoespasmo, com risco fatal.

• Bloqueadores dos canais de cálcio


Esses medicamentos bloqueiam a entrada
de cálcio nas células musculares, evitando
a contração das fibras musculares e a
elevação da pressão arterial.

Mas, além de reduzir a pressão arterial


artificialmente, ele causa dores de cabeça,
tontura, sonolência, distúrbios cardíacos,

21
palpitações, hipotensão, infarto, arritmia…

Revisão da Fundação Cochrane analisou


34 estudos, estes que acompanharam um
total de 7.731 pacientes que sofreram AVC
e receberam os bloqueadores dos canais
de cálcio.

Os resultados dão conta que não houve


diferença no número de mortes ou
pacientes livres de invalidez entre os que
foram tratados com este medicamento do
que aqueles que receberam nada.

A conclusão, segundo a própria Cochrane,


é que não há evidências que o uso de
antagonistas de canais de cálcio após um
acidente vascular cerebral isquêmico agudo
possa salvar vidas ou reduzir invalidez.

22
Capítulo 3
As substâncias
naturais mais
poderosas para
tratar a hipertensão
A ciência dos alimentos e nutrientes é muito
sólida para indicar terapêuticas para quem
precisa voltar a ter a pressão 12 por 8.

Vamos dar então o primeiro passo?

Eu selecionei as suplementações naturais


para contribuir para você voltar à pressão
ideal.

Fale com o seu médico sobre elas.

Quem sabe, juntos, vocês não chegam à


conclusão de que estas, sim, são os
melhores substituições para os remédios
que você toma hoje.

Lembre-se: eu não apoio nem a


automedicação, nem que você deixe de tomar
seus medicamentos sem o conhecimento do
seu médico.

25
Ação número #1: adote o
ômega 3

Como podem 3 gramas serem poderosas


contra o infarto?

Pois é. Este é o poder do ômega 3.

Uma meta-análise feita pela revista


científica JAMA (Journal of the American
Medical Association) reuniu 17 estudos
científicos que acompanharam pacientes
com hipertensão não tratada.

Os estudos pontuaram que a suplementação,


geralmente superior de 3 gramas/ dia de

26
ômega 3, pode levar à redução relevante
da pressão arterial em indivíduos com
hipertensão não tratada.

Eu sugiro a suplementação com ômega 3


que contenha 200 mg de DHA e 330 mg de
EPA. Tome duas cápsulas ao dia, após o
café da manhã e almoço.

A principal vantagem deste ácido gordo,


vindo naturalmente de peixes como
sardinha, arenque e salmão selvagem, é
que ele “lubrifica” suas veias e artérias.

Com isso, a circulação do sangue é


facilitada, fazendo com que o fluxo seja
forte e contínuo.

O ômega também melhora a flexibilidade


dos vasos e isso é essencial para que eles
não sofram nenhum tipo de pressão.

Consequência? Você volta a ser um 12x8.

27
Ação número #2: amplie a sua
vitamina D3

De acordo com a revista médica Journal of


The American College of Cardiology (JACC)
a deficiência de vitamina D3 (o hormônio
que vem do sol), com níveis abaixo de 25
ng/ml pode afetar diretamente a saúde
cardiovascular.

Isso porque a deficiência ativa o sistema


chamado renina-angiotensina-aldosterona,
que predispõe à hipertensão.

Outros riscos, relacionados à pressão alta


e também à deficiência de vitamina D3,
como lembra a revista JACC é a diabetes,
hipertensão, inflamação e aumento geral do
risco de doenças cardíacas.

Mantenha a sua vitamina D3, de preferência,

28
acima dos 60 ng/ml, como forma de se
blindar de qualquer doença.

Para evitar o efeito paradoxal do cálcio,


faça a suplementação de vitamina D3 em
conjunto com a vitamina K2.

A principal ação da D3 na saúde


cardiovascular é que ela é realmente um
anti-inflamatório potente.

A inflamação é a grande inimiga cardíaca


porque ela é a nascente das placas de
gordura que entopem os vasos sanguíneos.

É também desta situação inflamatória


que uma proteína chamada C-reativa fica
elevada dentro do organismo.

A presença da proteína C-reativa (PCR)


dentro do corpo, em altas quantidades, é
um sinal de alerta sobre a proximidade de
um infarto.

E a D3 é o melhor antídoto natural contra a


PCR que existe.

Sugestão: 10.000 UI/ dia de vitamina D3


e 100 mcg de vitamina K2 (MK7). Você
também pode ingerir as vitaminas após uma
das refeições, café da manhã ou almoço.
29
#Ação número 3: Use o combo
ideal para ser um ex-hipertenso

Assim como o ômega 3 e a vitamina D3, é


essencial que você fale com o seu médico
sobre os seguinte combo que favorece a
sua busca pela pressão 12 por 8.

COMBO POTENTE: é um conjunto de


estimuladores de óxido nítrico (NO).

Esta molécula, NO, chegou a ser


mencionada pela ciência como a “molécula
do ano” nos anos 90.

Ela promove a dilatação dos vasos


sanguíneos e é também um natural

30
relaxante vascular e muscular.

Peça ao seu médico a indicação da seguinte


“mistura”:

• 3 g de L-Arginina HCL;
• 200 mg de L-Citrulina;
• 300 mg de magnésio Dimalato;
• 75 mg de Extrato de pomegranate
seco (extrato de romã).
As cápsulas devem ser ingeridas no período
da noite.

Entre os componentes desse combo está o


nosso conhecido magnésio.

O magnésio é um antagonista do cálcio


natural e modula o tônus vascular da pressão
arterial e do fluxo sanguíneo periférico.

Desta forma, ele é um importante


regulador da pressão arterial, prevenindo e
combatendo a hipertensão.

Uma meta-análise publicada pela revista


médica americana Journal of Hypertension
apontou que a suplementação de magnésio
em um determinado grupo reduziu 4,3 mmHg

31
na pressão arterial sistólica e 2,3 mmHg na
diastólica de pacientes acompanhados.

Caso você não saiba: mmHg significa


milímetros de mercúrio e é a “medida”
utilizada para a pressão arterial.

Outro elemento do combo pelo fim da pressão


nas alturas é a L-arginina. Estudos também
apontam sua ação anti-hipertensiva.

Uma meta-análise de 11 estudos


randomizados, duplo-cego, controlados
por placebos (tudo isso dá mais crédito às
pesquisas), envolvendo 387 pacientes e
publicada na revista científica da American
Hearth Association, chegou à conclusão
que:

• a suplementação de 4 a 24 g/dia de
L-arginina, comparada com placebo,
pode reduzir significativamente a
pressão arterial sistólica em 5,39
mmHg e diastólica em 2,66 mmHg.
Um outro elemento é a L-citrulina, presente
em alimentos como a melancia (mais
precisamente na casca verde clara).

Ela tem, como uma de suas funções,

32
potencializar a L-arginina e garantir o
trabalho do óxido nítrico.

Um estudo da Universidade Estadual


da Flórida, nos Estados Unidos, indicou
que a ingestão de L-citrulina por meio de
suplementação reduz a pressão sanguínea
e tem efeitos importantes em indivíduos pré
ou já hipertensos.

#Ação número 4: Não esqueça


desse tempero

Eu sei que mandaram você reduzir a


ingestão de sal a favor da sua saúde.

Mas o que eu lhe digo é que ao invés de


deixar de comer sal, que você deve se
alimentar com o sal certo.

33
Um estudo da Universidade de Pequim, da
China, publicado na revista científica PLOS
One comprovou que a substituição do sal
refinado por um sal mais rico em potássio
e magnésio e com baixo sódio foi eficaz
para reduzir a pressão arterial em tibetanos
acima de 40 anos e com pressão sistólica
acima de 14.

Neste caso, 282 pessoas foram divididas


em dois grupos, um tratado com sal comum,
e outro com menos sódio, mais rico em
potássio e em magnésio.

Os pesquisadores da Universidade de
Pequim acompanharam os tibetanos por
três meses e, no grupo que recebeu o sal
integral, tanto a pressão sistólica, quanto
diastólica, apresentou queda e permaneceu
menor do que 14, no caso da pressão
sistólica.

Chega-se à conclusão, que a substituição do


sal é uma forma de baixo custo para auxiliá-
lo no tratamento e reversão da hipertensão.

34
Os 6 alimentos que melhoram a
pressão alta
A hipertensão arterial é um problema muito
sério, sendo possivelmente o segundo
maior inimigo da saúde pública.

Isso porque 40% das pessoas têm o


problema e não sabem.

Talvez você não saiba, mas não é a


hipertensão arterial que provoca a doença
cardíaca. Muito pelo contrário. É a doença
cardíaca que leva o indivíduo a ter problemas
de hipertensão.

Mas, tenho algumas dicas para mantê-la


em ordem e de bônus, dar uma lubrificada
em suas artérias.

A primeira delas, e pode parecer chocante,


admito, é que o churrasco reduz 40% de
risco.

Uma dieta alta em proteína diminui o risco


de desenvolver hipertensão arterial.

A notícia veio de um estudo da American


Journal of Hypertension, e é capaz até de

35
causar hipertensão lá na American Heart
Association (Associação Americana do
Coração). Afinal de contas, a proteína, a
carne vermelha e as gorduras saturadas
são três dos sacos de pancada favoritos da
Associação.

A segunda é sobre o vinagre de maçã.

Ele é um grande aliado na prevenção de


hipertensão arterial por ser rico em potássio,
o que contra-ataca os efeitos negativos do
sódio. A Associação Médica Americana
confirma que o potássio reduz a pressão
arterial.

Use 2 colheres de sopa diluídas em 1 copo


de água antes das principais refeições.

Procure um produto não filtrado, com 6%


de acidez. Não é aconselhável usá-lo caso
esteja usando protetor gástrico.

Agora, vamos falar de um tubérculo que


serve para nos ajudar em praticamente
tudo! A beterraba.

A beterraba é provavelmente a fonte dietética


mais rica em nitrato, um precursor do óxido
nítrico, a molécula milagrosa que expande

36
os seus vasos sanguíneos (e até facilita
a sua ereção, caso esteja enfrentando
problemas de impotência).

Aconselho que a beterraba seja ingerida


na forma de suco verde, crua ou assada, já
que outros métodos tendem a tirar o nitrato.

Sua ação é como um reservatório (através


da formação de nitrito) para a produção do
hormônio microvascular local óxido nítrico.

Na parede do vaso sanguíneo e nas


células vermelhas sanguíneas, o nitrito é
reduzido ao óxido nítrico e outros óxidos
de nitrogênio, o que leva à vasodilatação,
a melhora da pressão arterial e proteção
contra a síndrome causada por isquemia–
reperfusão.

Resumindo: ocorre um efeito combo, com


a pressão arterial reduzida e a nutrição dos
tecidos melhorada.

A beterraba baixa substancialmente a


pressão sanguínea. Há diversos estudos
clínicos que mostram o benefício tanto de
ingerir a beterraba crua, quanto do seu suco
verde na redução da pressão arterial.

37
Aposto que você gosta de chocolate. E se
eu te disser que consumi-lo ajuda a regular
a pressão?

Isso mesmo, mas não estou falando de


qualquer tipo de chocolate.

A maneira mais fácil de consumir


quantidades clinicamente relevantes é
através do chocolate 85%, em 20 a 40g por
dia.

Também indico o chá de hibisco.

Um estudo publicado em 2010 examinou a


atividade hipotensiva do chá de hibisco e
observou 65 adultos pré ou brandamente
hipertensos que não tomavam drogas para
reduzir a pressão arterial.

Eles tomaram três porções de 240ml de chá


de hibisco ou chá placebo por 6 semanas.

No final do estudo, a pressão arterial


sistólica foi reduzida de forma significativa.

Una essas dicas e converse com o seu


médico.

38
Capítulo 4
Guia de uso:
aplique as
soluções na sua
rotina
Assim como é urgente que eu repita que
você não deve fazer o desmame do seu anti-
hipertensivo sem o consentimento do seu
médico, eu preparei as indicações a seguir
para que você fale com o seu cardiologista
e também apresente à sua farmácia de
manipulação de confiança.

41
Eu também sei que a hipertensão é condição
associada a outras doenças, principalmente
as inflamatórias.

Por isso, além da suplementação geral para


a hipertensão, sugiro que, nos casos que
você verá a seguir, você solicite ao seu
médico a prescrição e ao seu farmacêutico a
manipulação dos seguintes complementos.

42
Suplementação para quem tem
hipertensão e gordura visceral (barriga
de chope)

• Lactobacillus plantarum 1 blh/ufc


• Lactobacillus rhamnosus 1 blh/ufc
• Lactobacillus reuteri 1 blh/ufc
• Glutamina 250 mg
• Excipiente QSP 1 dose
Peça a manipulação de 60 doses. Sugestão:
Tomar 1 dose, 2 vezes ao dia.

Suplementação para quem tem


hipertensão relacionada ao estresse

• Ginseng indiano 150 mg


• Crataegus 200 mg
• Rhodiola rosea 250 mg
• Ashwagandha 250 mg
Tomar 1 dose ao dia, no período da manhã

Suplementação para quem tem


hipertensão e também tem diabetes tipo
2

• Extrato de canela seca 250 mg

43
• Extrato de bitter melon seco (melão de
São Caetano) 250 mg
• Picolinato de cromo 250 mcg
• Tiamina 100 mg
Tomar 1 vez ao dia, antes do desjejum ou
do almoço.

Adote essas recomendações para a sua


vida. Elas certamente têm o potencial de
mudar a história da sua pressão arterial.

Para finalizar, é importante listar quais são


os alimentos que favorecem a sua pressão
arterial equilibrada.

Eles foram indicados por três fatores


principais e assim estão divididos em três
grupos.

Primeiro, por serem ricos em magnésio,


mineral que você já aprendeu neste
material que é essencial para sanar a sua
hipertensão.

Depois, por também terem alta concentração


de vitamina B6, substância absoluta para
facilitar a absorção do magnésio.

E por fim por terem uma relação equilibrada

44
entre magnésio e cálcio, o que também é
fundamental para ser um 12X8

45
7 passos para a medição
perfeita da pressão

46
Referências bibliográficas
-- Cochrane.org
https://www.cochrane.org/pt/CD001928/antagonistas-
de-canais-de-calcio-para-acidente-vascular-cerebral-
isquemico-agudo
https://www.cochrane.org/pt/CD003040/bloqueadores-de-
receptores-da-angiotensina-bra-sao-um-tratamento-eficaz-
para-insuficiencia-cardiaca#targetText=Medicamentos%20
conhecidos%20como%20bloqueadores%20de,no%20
tratamento%20de%20insufici%C3%AAncia%20
card%C3%ADaca.
-- Portal.anvisa.org.br
-- JAMA. 1995;274(8):654-655.
https://jamanetwork.com/journals/jama/article-
abstract/389498
-- N Engl J Med 2000; 342:905-912
https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/
NEJM200003303421301
-- Circulation: Cardiovascular Quality and Outcomes.
2016;9:222–229
https://www.ahajournals.org/doi/10.1161/
CIRCOUTCOMES.115.002524
-- Rees K, Stowe R, Patel S, Ives N, Breen K, Ben-
Shlomo Y, Clarke CE. Anti-hypertensive drugs as
disease-modifying agents for Parkinson’s disease:
evidence from observational studies and clinical trials.
Cochrane Database of Systematic Reviews 2011, Issue
11. Art. No.: CD008535.
https://www.cochranelibrary.com/cdsr/
doi/10.1002/14651858.CD008535.pub2/full/fr
-- Heran BS, Musini VM, Bassett K, Taylor RS, Wright JM.
Angiotensin receptor blockers for heart failure. Cochrane

47
Database of Systematic Reviews 2012, Issue 4.
https://www.cochranelibrary.com/cdsr/
doi/10.1002/14651858.CD003040.pub2/full/pt
-- Zhang J, Yang J, Zhang C, Jiang X, Zhou H, Liu M.
Calcium antagonists for acute ischemic stroke. Cochrane
Database of Systematic Reviews 2012, Issue 5. Art. No.:
CD001928.
https://www.cochranelibrary.com/cdsr/
doi/10.1002/14651858.CD001928.pub2/full/pt
-- JAMA Cardiol. 2018;3(3):225-233
https://jamanetwork.com/journals/jamacardiology/
fullarticle/2670752
-- Vitamin D and Cardiovascular Disease: Where We
Currently Are; Jun 08, 2015 | Prabhjot Singh Nijjar, MD,
FACC
https://www.acc.org/latest-in-cardiology/
articles/2015/06/08/12/06/vitamin-d-and-cardiovascular-
disease-where-we-currently-are
-- American Journal of Hypertension, Volume 22, Issue 10,
October 2009, Pages 1070–1075
https://academic.oup.com/ajh/article/22/10/1070/213539
-- Nutrients. 2019 Jul; 11(7): 1679.
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6683098/
-- PLoS One. 2014 Oct 22;9(10):e110131
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25338053
-- Pesquisa G. H
https://www.vponline.com.br/portal/noticia/pdf/
a0b6d904e86708c23501e1c1c6cb8bc3.pdf
http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S1646-107X2009000400002
http://www.scielo.br/pdf/rbcf/v44n4/v44n4a03.pdf
http://www.scielo.br/pdf/rbcf/v44n4/v44n4a03.pdf

48

Você também pode gostar