Você está na página 1de 107
O Dízimo do Dízimo Mary Schultze

O Dízimo do Dízimo

Mary Schultze

Prefácio

Os pastores desta e de qualquer outra cidade vão querer me detonar por causa desta apostila que preparei, a fim

de esclarecer o povo de Deus a respeito do Dízimo. Sei que muitos vão nos condenar e que estaremos sujeitos a todo tipo de controvérsia. Contudo, quem quer expor a verdade sempre entra em controvérsia e somente os corajosos se dispõem a enfrentar a ira dos adversários.

Que fiquem contra nós

Contanto que falemos a verdade

... que liberta da mentira religiosa que tem grassado dentro das igrejas “protestantes”, que há muito deixaram de protestar contra o erro doutrinário, por amor à paz com os homens!

Vamos ler o que diz o escritor cristão Jay Adams, em seu livro “Preaching to the Heart”, página 17:

Em alguns círculos, o receio de controvérsia é tão grande que os pregadores e suas congregações têm optado pela paz a qualquer preço, até mesmo ao preço da verdade divina [de Sua Palavra Santa]. Sua idéia é que a paz é o mais importante. A paz é um ideal bíblico, segundo Romanos 12:18: “Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens”. Mas o mesmo deve acontecer à pureza. A paz na Igreja jamais pode ser negociada ao custo da pureza doutrinária. Esse preço é alto demais!

E por que vocês acham que podemos prosseguir neste mundo ou nesse assunto, até mesmo na Igreja, sem controvérsia alguma? Jesus não o fez. Paulo também não. Nenhum dos pregadores da era apostólica, servindo fielmente ao Senhor, foi poupado de controvérsia. Quem somos nós, então, para escapar da controvérsia, quando estes santos não o conseguiram?

A história do avanço da Igreja através do mundo Mediterrâneo – de Jerusalém até Roma - é uma história repleta de controvérsia. Quando o Evangelho de Cristo é pregado com audácia, sempre existe controvérsia. A vida de Paulo é feita de controvérsias. A tradição conta que todos os apóstolos, exceto João, o qual fora exilado em Patmos, tiveram morte violenta”. Até aqui falou Jay Adams.

A hora da separação entre o joio e o trigo se aproxima. Podemos imaginar quantos padres e pastores, que dizem estar a serviço de Cristo, serão incinerados, quando o Senhor fizer a separação e os deixar aqui neste mundo tenebroso, sujeitos aos desmandos do Anticristo, simplesmente “Porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus” (João 12:43).

Mary Schultze, julho 2003

Capítulo 1 O Dízimo do Dízimo

A maioria dos “pastores” que tem lido as várias traduções que tenho feito dos artigos sobre o Dízimo, tem desejado me detonar da igreja ou até mesmo desta cidade. Isso é um bom sinal, pois se eu fosse apenas uma velhinha setuagenária inofensiva, do tipo que se ocupa dos netos,

da cozinha, do crochê e da TV, eles estariam felizes da vida. Contudo, parafraseando o versículo de Isaías 50:4, posso declarar: ”O Senhor DEUS me deu uma língua erudita, para que eu saiba dizer a seu tempo uma boa palavra ao que está cansado. Ele desperta-me todas as manhãs, desperta-me o ouvido para que ouça, como aqueles que aprendem”.

Dedico este artigo ao crente cansado da exploração feita por certos padres e pastores ambiciosos, que vivem regaladamente à custa dos semi-analfabetos bíblicos, os quais os alimentam e engordam, aumentando assustadoramente a sua cota de colesterol. Sim, vocês já devem ter notado que 99 entre 100 pastores da ICR e da Igreja Evangélica são obesos, pois um dos seus pecados capitais é a GULA!

Temos aqui mais uma tradução importante, do PhD Russell Kelly, sobre o Dízimo, do artigo intitulado “Should the Church Teach Tithing?”. Vamos deixar que ele fale.

Malaquias 3:10 diz o seguinte: “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes”.

Este é o texto bíblico do VT mais citado pelos pregadores do Dízimo no contexto do Novo Testamento. Ao mesmo tempo é o texto mais prejudicial da Bíblia, sem falar que ele diz o contrário do que os pregadores falam.

O que significa “Trazei todos os dízimos à casa do

tesouro” ...

Durante mais de 40 anos senti que havia algo

errado com a interpretação comum desse texto, só que não conseguia atinar com o fato. Embora, à primeira vista o pregador superficial, o estudante da Bíblia e o

leigo, pensem que este verso se explica por si mesmo, a verdade é que ele está muito longe disso.

A pura verdade é que, além deste simples verso, Deus JAMAIS ordenou a qualquer um que levasse TODOS OS DÍZIMOS à “casa do tesouro” em Jerusalém. Vamos repetir: “TODOS OS DÍZIMOS à “casa do tesouro” em Jerusalém. De fato, a verdade absoluta é exatamente o oposto. Vamos ler cuidadosamente a Palavra de Deus.

Na verdade, havia três tipos diferentes de Dízimos exigidos no VT e apenas uma pequena parte do primeiro tipo deveria ser entregue na “casa do tesouro”. Nesse caso, existe algo de sumamente errado com a explanação dos pastores sobre Malaquias 3:10.

O PRIMEIRO DÍZIMO - O Dízimo dos levitas não devia ser entregue à “casa do tesouro” no Templo. Deus ordenou que Israel levasse TODO o PRIMEIRO DÍZIMO aos levitas (não aos sacerdotes), onde estes residiam, isto é, às cidades dos levitas – e Jerusalém não era uma cidade de levitas. Os levitas não habitavam permanentemente na “casa do tesouro”, nem no Templo de Jerusalém. Leiamos Números 18:21: “E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo ministério que executam, o ministério da tenda da congregação”.

Agora vamos ler Neemias 10:37-b: “

...e

os dízimos da

nossa terra aos levitas; e que os levitas receberiam os

dízimos em todas as cidades, da nossa lavoura”.

Ambos os textos deixam meridianamente claro que os levitas recebiam o Dízimo completo - TODO O DÍZIMO - em suas cidades e não os sacerdotes que ministravam no Templo. Os levitas não eram os sacerdotes que ministravam no altar, os que entravam nos locais sagrados. Eles eram originalmente apenas servos, os

quais supunha-se que realizavam todas as tarefas do santuário, mas não os cultos. Após muitos séculos da execução dessas tarefas desagradáveis pelos levitas, eles foram ilegalmente substituídos pelos descendentes dos

servos de Salomão

os quais eram escravos ou

... prisioneiros de guerra. Números 18:21 e Neemias 10:37-

b mostram claramente que Malaquias 3:10 obviamente não significa TODOS os Dízimos, inclusive o que pertencia aos levitas.

O SEGUNDO DÍZIM0 - Também não era este – o Dízimo das festas – levado à “casa do tesouro” no Templo. Podemos ler tudo sobre este Dízimo nos versos 6 e 7 de Deuteronômio 12 e em Deuteronômio 14:23, principalmente: “E ali trareis os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta alçada da vossa mão, e os vossos votos, e as vossas ofertas voluntárias, e os primogênitos das vossas vacas e das vossas ovelhas. E ali comereis perante o SENHOR vosso Deus, e vos alegrareis em tudo em que puserdes a vossa mão, vós e as vossas casas, no que abençoar o SENHOR vosso Deus.” (Dt 12:6-7).

E, perante

o

SENHOR

teu

Deus,

no

lugar

que

escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao SENHOR teu Deus todos os dias”. (Dt 14:23).

Esse Dízimo das festas era trazido “ao local”, isto é, Jerusalém, como uma “oferta nacional de alegria”. Visto como esse Dízimo era sempre de alimentos, ele deveria ser comido ou bebido por todos, nas ruas, enquanto Israel celebrava o tempo de suas festas anuais. Então, o SEGUNDO DÍZIMO também não era entregue na “casa do tesouro”.

O TERCEIRO DÍZIMO – o dízimo dos pobres, era levado ao Templo de Jerusalém. Podemos ler a respeito deste em Deuteronômio 14:28-29 e 26:12-13. Ele era entregue a cada três anos e Deus ordenava especificamente que ele deveria ser guardado “dentro dos portões” do pagador do dízimo para o uso dos levitas e todas as demais necessidades. Então, o TERCEIRO DÍZIMO nem sequer era entregue em Jerusalém e muito menos na “casa do tesouro”.

O verdadeiro significado de Malaquias 3:10 está revelado na expressão “casa do tesouro” e ao que Deus ordenava que fosse entregue à “casa do tesouro”, em Jerusalém. Essa “casa do tesouro” deveria ser apenas o local onde se guardavam os itens pertencentes aos sacerdotes e não aos seus servos - os levitas.

Quem quiser conhecer exatamente o que Malaquias 3:10 significa com a expressão “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro”, precisa ler e estudar os textos seguintes. Neemias 10:35-38 e Números 18:9-32 dão a lista da porção das ofertas e doações destinadas a ser entregues à “casa do tesouro”.

Primeiro, Neemias 10:35 (repetindo Números 18:12-13) ordenava que as “primícias” da colheita da terra deviam ser entregues à “CASA DO SENHOR”, anualmente.

Segundo, Neemias 10:36 (Repetindo Números 18:’5-18) ordenava que o “primogênito” dos animais puros deveria ser entregue à “CASA DO SENHOR”.

Terceiro, Neemias 10:37 ordenava que “As primícias da nossa massa, as nossas ofertas alçadas, o fruto de toda a árvore, o mosto e o azeite, traríamos aos sacerdotes, às câmaras da casa do nosso Deus; e os dízimos da nossa terra aos levitas; e que os levitas

receberiam os dízimos em todas as cidades, da nossa lavoura”.

Quarto, Neemias 10:37-b (repetindo Números 18:21-24) ordenava claramente que os dízimos fossem levados -

não à casa do tesouro – mas às cidades onde viviam os levitas, enquanto estes não estivessem a serviço, “aguardando” como cantores ou porteiros do Templo. “e

os dízimos da nossa terra aos levitas

...

em todas as

cidades da nossa lavoura”. Este fato revela o erro em que, fatalmente, cai a interpretação comum e Malaquias

3:10.

Quinto – Neemias 10:38 (repetindo Números 18:26) ordenava que 1/10 (um décimo), ou seja, o dízimo do dízimo fosse trazido “à casa do nosso Deus , às câmaras da casa do tesouro”. Não era o dízimo integral, não era TODO o dízimo, mas somente a porção dos sacerdotes, isto é o dízimo do dízimo. [Não seria, portanto, justo que os padres e pastores se contentassem apenas com 1% (um centésimo) do nosso rendimento bruto, já que o governo em nosso país leva mais de 37% do que se ganha, em forma de impostos vários? E nem a isso somos obrigados, pois estamos no contexto do Novo Testamento - MS].

Agora ficou bem claro, quando se comparam os textos,

que somente era ordenado que se entregasse uma parte dos Dízimos à “casa do tesouro” no Templo, ou seja, o Dízimo dos dízimos, a porção destinada aos sacerdotes. Neemias 12:44 e 12:47 adicionam pouca coisa aos textos supra citados, sem contradizer Neemias 10:37-b. Leiamos: “Também no mesmo dia se nomearam homens sobre as câmaras, dos tesouros, das ofertas alçadas, das primícias, dos dízimos, para ajuntarem nelas, dos campos das cidades, as partes da lei para os sacerdotes e para os levitas; porque Judá estava alegre por causa dos sacerdotes e dos levitas que

assistiam ali”. ((Ne 12:44) “Por isso todo o Israel, já nos dias de Zorobabel e nos dias de Neemias, dava aos cantores e aos porteiros as porções de cada dia; e santificavam as porções aos levitas, e os levitas as santificavam aos filhos de Arão” (Ne 12:47).

Em Neemias 10:35 lemos: “

...Que

também traríamos as

primícias da nossa terra, e as primícias de todos os frutos de todas as árvores, de ano em ano, à casa do

SENHOR”. Exceto, é claro, o dízimo dos dízimos destinado aos sacerdotes. Neemias 10:39 diz: “Porque àquelas câmaras os filhos de Israel e os filhos de Levi devem trazer ofertas alçadas do grão, do mosto e do azeite; porquanto ali estão os vasos do santuário, como também os sacerdotes que ministram, os porteiros e os cantores; e que assim não desampararíamos a casa do nosso Deus”. Nos versos

12:44-47

ficamos

sabendo

“como”

e

“quando”

os

sacerdotes e alguns cantores e porteiros trabalhavam no templo e deviam ser sustentados.

Conquanto a maioria dos levitas guardasse 90% dos dízimos nas cidades em que moravam, para a sua própria manutenção, o verso 12:47 diz que eles enviavam “diariamente” alimento àqueles que estavam aguardando a sua rotação no Templo: “Por isso todo o Israel, já nos dias de Zorobabel e nos dias de Neemias, dava aos cantores e aos porteiros as porções de cada dia; e santificavam as porções aos levitas, e os levitas as santificavam aos filhos de Arão”.

Isso quer dizer que o grosso da arrecadação, a porção maior do dízimo total ficava nas cidades dos levitas.

Russel Kelly, Phd/Mary Schultze, 2003.

Capítulo 2 Reflexões sobre o dízimo

Tenho recebido muitos e-mails de irmãos evangélicos, principalmente de pastores neopentecostais, defendendo, com a maior garra, a obrigação do crente entregar o dízimo.

Em geral esses pastores – ávidos de lucro financeiro – procuram na Bíblia, obviamente no Velho Testamento - versículos que mostram como o crente tem obrigação de entregar o dízimo pois, se não o entregar, o “gafanhoto devorador” vai consumir tudo que ele conseguir ganhar na vida e nenhuma bênção ele vai receber de Deus, simplesmente porque não obedeceu esse mandamento do Velho Testamento e, desse modo, pode até perder a salvação. O que esses pobres iletrados bíblicos ignoram é que o dízimo não é, de modo algum, uma doutrina do Novo Testamento. Ele é uma doutrina do Velho Testamento. Jesus elogiou a viúva que “deu tudo o que tinha” porque Ele viera para cumprir toda a lei e o Novo Testamento, que o próprio Jesus iria escrever com o seu sangue, ainda não havia sido escrito. Além disso, nosso Senhor Jesus Cristo declarou que “a lei e os profetas

vigoraram até João”. Portanto, se um crente não entregar o dízimo, de modo algum vai perder a salvação. Ele pode e deve entregar, se tiver condições para isso. O que não é decente é um pastor arrancar 10% de um pai de família que ganha menos de 3 salários mínimos, para sustentar uma família de 3 ou 4 pessoas, e ficar por aí exibindo carro do ano, morando em apartamento de classe média ou luxo, enquanto os membros da igreja passam necessidade. Isso para mim é engodo religioso e não posso aplaudir uma igreja que age desse modo.

A respeito do assunto estou traduzindo o trabalho de uma teóloga alemã, já falecida, cujo nome é Margaret Burgon, a qual foi obrigada, durante toda a vida, a entregar o dízimo à sua Igreja, pois o mesmo já vinha descontado em sua folha de pagamento, da qual o governo alemão deduzia (e continua deduzindo, ainda hoje) 40% dos rendimentos, para os seguintes fins: 1. Igreja, 10%. 2. Aposentadoria/Saúde, 10%. 3. Educação, 10% 4. IR, 10%. Ela ganhava cinco mil marcos alemães como Médica Veterinária e só recebia 3 mil. Muitas vezes se privava de coisas necessárias, porque a vida naquele país é cara. Margaret costumava (como eu) alimentar-se de legumes, carne de aves e frutas. As frutas na Europa são artigo de luxo e ela deixava de comprar suas frutas preferidas para poder sobreviver com as despesas de aluguel, aquecimento, roupa, lixo, etc.

Um dia ela resolveu estudar um meio de se livrar de uma daquelas deduções do seu salário e começou a estudar a Bíblia e as leis do país. Foi aí que descobriu que o Estado é quem paga a Igreja e que, mesmo que alguém seja ateu, tem de pagar esse dízimo, e se não declarar uma religião oficial, esse dinheiro cairá nos cofres do Vaticano. A Alemanha, ao contrário do que todos imaginam, já não é um país protestante, nem é mais o país da Reforma de Lutero, desde a II Guerra Mundial, mas é hoje um país

católico, pois a Igreja Católica é e sempre tem sido a dona desse país.

Quem fez a I Guerra Mundial, senão o Vaticano, para atirar a França contra a Rússia? (ele odiava a República Francesa, desde que esta havia nascido, após a Revolução, no século 18). E quem fez a II Guerra Mundial, senão o Vaticano, com o objetivo máximo de criar uma Nova Ordem Mundial? Através de Hitler, Mussolini, Pavelic, Franco, Salazar e outros ditadores por ele colocados no poder ele pretendia formar o Estado Corporativo Europeu (recém nascido com o nome de União Européia), sob a sua égide, a fim de mobilizar o mundo inteiro contra o Comunismo, a Ortodoxia Russa e o Protestantismo, os três grandes “inimigos” do Vaticano. E por que os judeus foram massacrados em pelo menos seis milhões de vítimas, se o alvo era exterminar os comunistas e os protestantes? Simplesmente porque os judeus como liberais e financistas, sempre foram uma pedra de tropeço para o Vaticano e, desse modo, tinham de desaparecer, mesmo porque sem judeus vivos seria bem mais fácil se apossar de Jerusalém e lá estabelecer o quartel general do Catolicismo Romano, para governar o mundo religioso, pois lá foi iniciado o Cristianismo e lá Jesus Cristo morreu e ressuscitou. Portanto seria a cidade mais importante para a Igreja de Roma provar sua legitimidade como religião cristã.

Sou membro de uma Igreja Batista, que jamais me cobrou um centavo de dízimo e nem exibe um “cofrinho sagrado”. Durante 20 anos – desde que me converti ao Evangelho do Senhor Jesus Cristo – sempre entreguei 10% do que ganhava à minha igreja, de livre e espontânea vontade. Há 3 anos, minha mãe, a quem eu dava também 10% dos meus ganhos, teve um derrame e ficou paralítica. Eu teria de ajudá-la, agora, não com apenas 10% dos meus ganhos, mas com quase 30%. E foi

então que, estudando a Bíblia, li em Marcos 7:11-13, que Jesus colocou as necessidades dos pais, muito antes das necessidades do templo, e isso quando ainda vigorava o Velho Testamento e suas leis ultrapassadas, que não salvam e jamais podem salvar pessoa alguma. Quando minha mãe for para o céu, voltarei a entregar o dízimo, porque esse dinheiro nunca me fez falta. Mas, enquanto ela estiver viva e paralítica, continuarei usando-o para o seu conforto e bem estar.

Crente, leia a Bíblia numa edição séria, como a Almeida Corrigida Fiel, por exemplo. Freqüente uma Igreja que não fique pedindo dinheiro e alegando que, se você não entregar o dízimo, não será abençoado. Deus é dono de toda a prata e de todo o ouro do universo. Ele não precisa do seu dízimo. Mas se você quiser ajudar o seu pastor a viver regiamente, dirigindo um carro do ano e vestindo-se com o maior esmero, entregue o dízimo e mais que isso. Garanto que Deus vai abençoá-lo, em razão do seu bom coração e generosidade. Talvez até mais do que o seu dízimo tem “abençoado” o pastor de sua Igreja. Também garanto que 90% dos pastores da cidade vão se tornar meus inimigos por causa deste artigo. Mas, quem disse que estou aqui para agradar a homens? Se alguns iletrados bíblicos já me detestam porque ataco o espúrio Movimento G-12, não vou me preocupar se mais alguns passarem a me chamar de “peste e promotora de sedições”, título que os judeus já deram ao apóstolo Paulo, há quase dois mil anos!

Capítulo 3 Ainda sobre o Dízimo

Meu artigo sobre o dízimo,

que nem

cheguei a ler

no

jornal, foi motivo de alguns telefonemas e causou o maior espanto entre os pastores “pedintes” do dízimo e os crentes “entregadores” do mesmo. Uma coisa é certa. O

dízimo não é uma doutrina do Novo Testamento. É doutrina do Velho Testamento, e Jesus disse que a Lei e os profetas vigoraram até João. Paulo nos aconselha, em Gálatas 5:1: “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos

debaixo do jugo da servidão”. Isso quer dizer que nenhum cristão deve ficar sob o jugo de coisa alguma, nem mesmo da Igreja, pois é livre para fazer o bem. Deve praticar boas obras, dar o dízimo, SE QUISER, mas somente a uma coisa ele está obrigado - é a amar o

próximo, conforme declaração

do

mesmo

Paulo, em

Gálatas 5:14: “Porque toda a lei se cumpre numa só

palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”.

Os pastores neopentecostais são sempre os mais ávidos cobradores do dízimo. Isso porque, além de serem tremendamente utilitaristas, eles são arminianos. Crêem piamente e ensinam aos pobres membros de suas igrejas

que “o crente pode cair da graça” e perder a salvação. Ora, Cristo é o Senhor eterno e absoluto dos céus e da terra. Ele morreu pelos nossos pecados, ressuscitou gloriosamente e, através da fé que depositamos em Seu sacrifício, Ele nos dá a salvação eterna. Então, que “salvação eterna” é essa, que pode ser perdida pelo

crente, se ele cometer pecados

se deixar de entregar o

... dízimo? Isso é balela católica assimilada pelo neopentecostalismo. CRENTE NENHUM JAMAIS PODE PERDER A SALVAÇÃO, isto é, se realmente passou pelo novo nascimento. Desse modo, não ficarei admirada se, qualquer dia desses, os pastores neopentecostais começarem a pregar também a doutrina do purgatório e a pedir dinheiro aos membros de suas igrejas, a fim de retirar de lá os parentes falecidos.

Há poucos dias, um pastor da cidade, falando diante do esquife de um membro de sua Igreja, fez esta espantosa declaração: “Era um membro fiel e digno de

imitação ...

entregava pontualmente o dízimo, etc.”

Pelo visto, esse pastor acredita piamente na salvação pelas obras, pois essa ovelha que estava sob o seu cajado, tendo entregado pontualmente o dízimo, é “digna de imitação” e, portanto, da salvação. Não é de admirar que esse pastor seja tão fanático pelo Billy Graham (o qual abraçou de corpo e alma as doutrinas da Igreja de Roma), visto como ele mesmo está abraçando a mais católica de todas elas: a salvação pelas boas obras.

Conheço uma porção de gente que foi excluída da Igreja, do Rio Grande do Sul até o Amazonas, por não ter aderido ao espúrio Movimento G-12. (D. Mariquinha foi considerada “persona non grata” no CAPETA, onde se reúnem os pastores desta cidade, porque escreveu contra o G-12). Só que, por trás da exclusão dessas pessoas que, por ignorância, optaram por essas igrejas arminianas, havia um fator interessante: algumas não eram dizimistas. Por isso os pastores “castellanos” aproveitaram a desculpa, a fim de excluir esses membros de suas Igrejas, pelo crime de não adesão a um movimento ocultista, perigoso e “rachador” de igrejas evangélicas. Estou de olho nesses pastores “católicos pentecostais” e vou começar a vasculhar a vida de todos eles ...

Infelizmente, um dos confiáveis pastores da cidade, que não costuma entrar nesses conluios arminianos e anticristãos, tanto tem se aborrecido com certas "mutretagens", que até sofreu um grave problema de saúde e, provavelmente, vai ficar uns seis meses em repouso, perdendo o precioso tempo que poderia dedicar à causa de Cristo, a Quem tem servido fielmente. O pecado é como um polvo, que estende os seus tentáculos, atingindo, ao mesmo tempo, os pecadores e os inocentes. É como lama podre atirada ao ventilador da comunidade religiosa. Não foi à toa que Jesus chorou diante do túmulo de

Lázaro. Ele é o autor da vida e detesta todo tipo de pecado porque o pecado gera a morte. Imaginem se Ele tivesse chegado diante do túmulo de Lázaro, em Betânia, e tivesse gritado: ”Lázaro, já que você foi um judeu exemplar, que sempre entregou fielmente o dízimo, eu ordeno: levante-se dessa laje sepulcral e venha para fora!”

Não seria esse o nosso Grande Deus e Salvador, Jesus Cristo, o Criador e Sustentador do universo. Seria o “outro Jesus”, o Jesus do Arminianismo, o “deus” dos Mórmons, das TJs, dos Católicos e dos que recebem uma corrompida interpretação de Sua Santa Palavra. Seria o Jesus que precisa da senhora mãe dele para colaborar na salvação dos pecadores. Seria o Jesus que deixou um homem pecador e corrupto como o Seu vigário na terra, dirigindo uma igreja que mente, mata e destrói em Seu Nome, vendendo salvação aos tolos que não sabem manejar bem a Palavra de Verdade. Seria, enfim, um Jesus exigente do dízimo, que não iria andar sobre uma cria de jumento, mas num “Rolls Royce”, igual ao da Rainha Elizabeth II.

Capítulo 4 Voltando ao dízimo

Há poucos dias encontrei na Av. Lúcio Meira uma senhora que trabalha como vendedora numa loja da cidade. Ela me parou para saber o que havia acontecido com o meu rosto, ao ver as marcas do acidente. Depois que lhe expliquei o desastre sofrido, ela me contou que estava de férias e que o seu patrão lhe havia dado um cheque pré-datado no valor das mesmas. Acrescentou que estava com sérias dificuldades porque o pastor (baixo pentecostal) da igreja da qual ela é membro lhe havia exigido, antecipadamente, o dízimo das férias e ela ficara praticamente sem dinheiro para a alimentação dela e dos filhos.

Expliquei-lhe

Testamento

e

que

que

o dízimo

ela

não

é doutrina dar

em

fizera

mal

do

Novo

o

mesmo

antecipadamente ao tal pastor e que deveria antes ter

consultado a Bíblia para saber corretamente.

se

ele estava agindo

O teólogo batista Júlio Carrancho, de Joanesburgo, fala bem sobre o assunto:

Muitos grupos entre as igrejas protestantes insistem que o membro é (ou deve ser) forçado a dar o dízimo, o qual, ensinam eles, faz parte dos mandamentos de Deus para a igreja. Nada mais errado! Já explicamos várias vezes o que o dízimo é, mas resumamos aqui o assunto.

1. O dízimo era um sistema de contribuição ordenado por Deus, a fim de sustentar, a tribo dos Levitas na nação de Israel, a qual fora encarregada de operar o Tabernáculo em todas as suas funções, e não recebeu qualquer herança de terras.

2. O Senhor Deus ordenou que o dízimo fosse apenas

10%

do

total

das colheitas

e

dos

rebanhos

criados

anualmente.

 

3. O Israelita ficaria, portanto, restantes para seu uso pessoal.

na

posse

dos

90%

4. Pregar sermões sobre o dízimo é totalmente contra as Escrituras. A pregação deve concentrar-se unicamente sobre a simplicidade do evangelho, excluindo tudo o mais, seja dízimos, finanças, política e outras matérias prejudiciais.

a gravíssimo na igreja protestante, especialmente quando é feito antes do sermão, levando o crente a imaginar que ele tem a obrigação de sustentar o sermão com dinheiro!

o

um

5. Levantar

oferta

durante

culto

é

erro

6. No caso de estar presente no culto um convidado, ao qual é pedido (discretamente, claro) para contribuir com oferta para um grupo ao qual nem sequer pertence, isso é uma gravíssima falta de consideração e de boas maneiras. Infelizmente as igrejas protestantes de hoje estão reduzidas a essa indesculpável falta de educação.

7. O dízimo não faz parte do Novo Testamento, nem foi sancionado pela igreja, visto como a igreja não é Israel. Paulo dedica o capítulo 9 da II Coríntios ao assunto das ofertas e nunca menciona o dízimo. O mesmo acontece em Filipenses 4:10-19. A igreja primitiva afastou-se do princípio dizimista por razões obvias: era um sistema que tinha morrido com a Dispersão de Israel, devido à desobediência aos outros mandamentos mais importantes, tais como repudiar a idolatria. Os judeus que ocupavam a Palestina ao tempo de Jesus já pagavam um pesado tributo a Roma, o que os deixava com menos de 90% estabelecido para a nação de Israel. Embora dessem o dízimo de tudo, Deus já não apreciava tal ritual.

8. O mesmo acontece hoje. O cristão é obrigado a contribuir, para o estado onde vive, com muito mais que os 10% que era a norma em Israel [Na Alemanha, por exemplo, o desconto para o estado chega a 40% dos vencimentos do trabalhador] Assim, o cristão jamais pode obedecer a norma dos 10%, pois também os 90% não lhe estão garantidos ou reservados. Daí, o sistema cair em desuso por ser impossível praticá-lo. Deus foi justo com DEZ POR CENTO, assim como foi justo com os NOVENTA POR CENTO que ficavam! Mas a igreja de hoje é desonesta nessa matéria!

9. O princípio cristão encontra-se determinado em 2 Coríntios 9:7. “Deus ama ao que dá com alegria”. Ora, dar 10% do salário grosso, antes de lhe ser retirada pelo menos a fatia dos 30% para o estado, não é bíblico. Alguns grupos vão ao extremo (como os Nazarenos, que conheço bem) de insistir que o membro tem a obrigação de contribuir com 10% do grosso! Tal absurdo é o que leva muitos observadores a rejeitar grupos de igrejas e acusá-los (justamente) de mentirosos.

10. Usar Mateus 22:21 para defender o dízimo é um absurdo teológico, mas, infelizmente, as igrejas que o defendem não poupam esforços para justificar passagens como esta. A palavra DÍZIMO não aparece no versículo e Jesus não estava a instruir a igreja que ainda não existia. César, de fato, levou para Roma tudo o que lhe pertencia como conquistador, conforme Jesus avisou, destruindo o templo e rapinando toda a sua riqueza e glória.

11. Usar Malaquias 3:10 é outra heresia praticada por quase todas as denominações. A passagem nada tem a ver com a igreja, e lendo cuidadosamente o contexto, a razão da exclamação de Deus salta à vista! Que horrível heresia e falta de educação do ministro ir a ponto de acusar a congregação de roubar a Deus quando, muitas vezes, o grupo desperdiça milhares em vaidades humanas e, até, o ministro não passa de um mercenário que não ama as ovelhas do seu rebanho, antes as maltrata!

12.

Leia

Deuteronômio

14:28-29

e

imagine

a

impossibilidade de praticar o dízimo no presente, fora da nação de Israel do passado.

13. Como grande parte das heresias, forçar a igreja a pagar o dízimo foi ressuscitado na seita de Roma [ICR] no tempo do Sínodo de Macon – 585 DC. O católico foi instruído a pagar o dízimo sob pena de excomunhão, o que aterrorizava o povo simples e iletrado do Catolicismo. “O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”, 1 Timóteo 6:10. Mais tarde, o confessionário iria reforçar aquela obrigação fiscal à diabólica seita do papa, com ameaças de grave pecado, caso não fosse obedecido. Pelo tempo de Carlos Magno (século 8), as nações católicas eram forçadas a contribuir com o dízimo para os cofres de Roma. O “Sacro Império Romano” praticou por séculos o assalto à bolsa e à propriedade dos seus cidadãos. A Inquisição aumentou em muito o patrimônio

papal, à custa de suas expropriações, Indulgências e ROUBOS, em nome do papa. A partir do século 16, os Anabatistas começaram a pregar contra o sistema fiscal dos papas e, após a Reforma, esse abuso diminuiu nos países libertados de Roma. O Concilio de Trento (século 16) decretou que era crime reter o dízimo. A Revolução Francesa acabou com o “Sacro Império Romano” e o sistema fraudulento de cobrança de dízimos acabou por aí.

14. Reter o dízimo não é pecado nenhum! Dar meio

por cento,

10%

ou mais

fica

a

critério

de cada um,

segundo 2 Coríntios 9:7 (não dar nada também não é

pecado! Muitas vezes o sermão não vale mais que ¼

da moeda que

se

colocou

no

prato

da oferta!).

Ameaçar os crentes com o dízimo (ou com Malaquias 3:10) é um PECADO GRAVÍSSIMO e extremamente reprovável das igrejas protestantes! Alem de ser falta de amor, respeito e educação por parte daqueles que insistem nessa heresia! A maior parte do dinheiro coletado hoje é para usar mal e/ou enterrar em propriedade ou outras vaidades das igrejas. Alguns grupos (os Nazarenos, por exemplo) têm tantas propriedades que se os membros deixassem de dar oferta, a venda dessas propriedades manteria a inútil liderança por várias décadas. As igrejas protestantes seguem de perto a vaidade dos papas com as suas catedrais e outros monumentos, até chegar “César” e destruir tudo [O que deve acontecer em breve, com o novo governante mundial da União Européia, o Estado Católico Mundial do Vaticano]. Os grupos carismáticos, os neopentecostais e outros, além de ofenderem/roubarem os seus membros com pregações acerca de dinheiro, contribuem para a desonra do evangelho e é necessário repreendê-los por tal ofensa."

Como vemos, Júlio entende do assunto e estou transmitindo suas palavras aos amigos e irmãos em Cristo, a fim de que consultem a Bíblia e tomem sua decisão, quando forem importunados por algum pastor malandro, que, muitas vezes, até ganha da autoridade central de sua denominação uma comissão sobre o que consegue extorquir dos seus membros.

Sou membro de uma igreja batista desta cidade, há mais de seis anos, e não me lembro de ter ouvido qualquer dos três pastores da mesma ter ido ao púlpito falar sobre o dízimo. Conhecemos uma denominação séria pelo que ela exige, materialmente, dos seus membros. Se ela vive exigindo dinheiro, é duvidosa. Se prega, simplesmente, o legítimo evangelho da salvação, é séria. A escolha fica a critério dos leitores.

Capítulo 5 Abraão e o Dízimo

Não sou e jamais fui contra a entrega de dízimos e ofertas à igreja, pois quem tem dinheiro sobrando, em vez de ir gastar nos shoppings da cidade, deve entregar o dízimo à sua denominação – caso esta não tenha um pastor ambicioso, com salário de magnata, carro do ano e filhos estudando em colégios (jesuítas) de luxo, como já testemunhei algumas vezes, o que não é, que eu saiba, o caso do pastor da igreja que eu freqüento. Entreguei pontualmente o dízimo durante 20 anos, até que minha mãe teve um AVC, ficou paralítica e passei a mandar esse dinheiro e mais o que já lhe dava, em vez de o dar à minha igreja.

Garanto ainda, em o Nome do Senhor Jesus, que jamais fui tão abençoada, como depois de ter tomado essa decisão. E enquanto minha mãe não for para o céu, esse

dinheiro ser-lhe-á enviado, todos os meses. (Leiam Mateus 15:1-9 e Marcos 7:10-13)

Sou contra a exploração dos pastores “malaquianos”, que nunca pregam a Palavra Santa, usando o tempo em que ficam lá em cima, no púlpito, fazendo “comercial” em favor do dízimo e das ofertas, falando que o crente tem obrigação de dar o que tem, e até mesmo o que não tem, deixando de pagar o aluguel e as prestações que os brasileiros das classes média e pobre têm aos montes, obrigando-os, por medo de serem amaldiçoados, a dar 10% do seu ganho mensal à igreja. Como esclarece o teólogo Júlio Carrancho, vejamos o caso de Abraão.

Segundo Abraão, basta dar o dízimo UMA VEZ e está o

caso resolvido para a vida inteira!

Abraão não deu o

... dizimo à igreja! Nem era salvo tão-pouco! Não deu o dízimo em “cash”, nem do que tinha antes, apenas dos despojos da guerra. (Você, por acaso, já foi a alguma guerra aqui no Brasil, em favor de um parente ambicioso, como era o sobrinho de Abraão?]

Se Abraão aparecesse na igreja hoje iria ficar psicologicamente alterado por fazerem tanta “história” da única vez que ele [cuidadoso com o seu patrimônio, como a maioria dos judeus] dividiu alguma coisa com alguém! [Ele era tão rico que não tinha mais lugar para tanto gado, ouro e prata, podendo, desse modo, dispensar os despojos de guerra, com a maior generosidade!]

Provavelmente, ao ver as igrejas de hoje (até mesmo as

batistas, que estão entre as melhores e mais sérias e para as quais tenho encaminhado os descontentes com as

igrejas ceifeiras, Abrão diria:

“Mas...

o que é isso meu

Deus!”. Também, se ele soubesse o que se faz hoje com os

dízimos e as ofertas, ele teria dado o dízimo a

Melquisedeque, mas

...

às escondidas!

Sábado passado, chegaram aqui 3 obreiros de uma igreja “malaquiana” do Rio. Estavam muito angustiados, citando Malaquias 3:8-10 o tempo inteiro. Os pastores dessa denominação têm exigido cada vez mais a entrega dos dízimos e das ofertas, além da participação nas campanhas de “bênção”, o que lhes tem trazido sérios apertos financeiros.

Expliquei-lhes a situação dizendo:

Que Malaquias 3 foi escrito para os judeus (e não para os gentios), num contexto completamente diferente do nosso, quando havia apenas esse imposto, enquanto hoje temos mais de 50 impostos diferentes a pagar e somos obrigados a contribuir com pelo menos 37% do que ganhamos, mesmo que seja para sustentar os políticos ladrões do nosso país, etc.

Que as igrejas que exigem dízimos e ofertas são dirigidas por pastores ambiciosos, muitas vezes sem um curso teológico, os quais começam com uma igrejinha de fundo de quintal e cinco anos depois já possuem um belo templo, carro de luxo, casa bonita e se vestem com ternos de marca, uma coisa que meu marido (um químico alemão), depois de 38 anos no Brasil, trabalhando mais de 10 horas por dia, jamais pôde comprar.

Que sendo Deus o dono de toda a prata e de todo o ouro do universo (Ageu 2:8), Ele não precisa do dinheiro de ninguém.

Vamos ajudar os missionários que estão gastando suas vidas nos países insalubres, ganhando almas para Cristo. Vamos ajudar os irmãos carentes, que ganham salário mínimo para sustentar uma família e na maioria das vezes até estão desempregados ou sem aposentadoria.

Quando

se

fizer tudo

isso,

se

ainda

sobrar algum

dinheiro, que se dê o dízimo à igreja, que se dêem ofertas

para ser construído um novo templo e que se dêem até presentes caros ao pastor, porque “mais bem aventurado é dar que receber! (Atos 20:35).

Capítulo 6 Quem está roubando quem?

Tenho pesquisado bastante o assunto do Dízimo, o qual os pastores vivem cobrando dos membros de suas igrejas. Converti-me há 26 anos e durante 20 anos entreguei pontualmente 10% do meu rendimento bruto à denominação que freqüentava. Depois deixei de entregar, a fim de poder ajudar no sustento de minha mãe enferma, conforme a ordem do Senhor Jesus Cristo, em Mateus 15:1-9 e Marcos 7:10-13.

Vamos calcular quanto eu entreguei à igreja, nesses 20 anos de contribuição, na base de 12 salários anuais (ao valor de hoje), sem mencionar as ofertas que, muitas vezes, eram até bastante generosas. Em 20 anos, temos 240 salários, que ao valor atual dariam uma soma de

R$57.600,00.

Trabalhei durante 36 anos – de 1958 a 1994 – para no final de todo esse tempo possuir somente um galpão no valor de R$31.000 e um apartamento no valor de R$45.000, ou seja, consegui adquirir dois bens imóveis no valor total de R$76.000, em todos esses anos de luta constante.

Se em 20 anos entreguei 240 salários de dízimo, isto é, R$57.600, isso quer dizer que a igreja levou, proporcionalmente, muito mais do que consegui juntar para garantir a minha velhice. Se em 36 anos só consegui economizar R$2.110 anualmente, a fim de garantir a velhice e, por outro lado, entreguei à igreja uma média de R$2.880 anuais, isso quer dizer que dei mais do que deveria ter dado!

Para convencer os crentes de que Deus somente abençoa a quem entrega o Dízimo, os pastores costumam usar três versos do VT – Malaquias 3:8-10 – os quais nada têm a ver com o crente remido no sangue do Senhor Jesus Cristo. Malaquias é um livro do VT e os crentes vivem no contexto do NT. O Dízimo é obra e Jesus disse: “A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou.” (João 6:29). O Dízimo é sacrifício e em Hebreus 13:15, lemos “Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome”.

Isto sem falar que Malaquias 3:8-10 se refere ao Dízimo do Dízimo dos levitas (entregue em forma de mantimentos) e não a 10% do que os judeus ganhavam (Vejam o capítulo 1).

Se os pastores fossem mais honestos e cobrassem, digamos (mesmo que indevidamente), 3% do que os membros de suas igrejas ganham, isto até seria aceitável.

Primeiro, porque os crentes já pagam cerca de 37% ao governo, na forma de vários impostos. Se derem mais

10%

à igreja,

vão ficar sem

um mínimo

de

economia

para a velhice, num país onde os aposentados vivem quase a pão e água. Ou então vão passar fome, antes de chegarem à velhice. Segundo, porque na base de 3% todos poderiam contribuir (e não apenas os mais fanáticos) e a igreja poderia prosperar mais do que extorquindo 10% do bruto de uma minoria (cerca de 1/3) desavisada, que imagina ter um Deus quitandeiro, desejando abençoá-la, com algumas cenouras e repolhos de bênçãos, contanto que ele faça uma troca ...

Terceiro, mesmo que o Dízimo fosse uma doutrina constitucionalmente correta do NT, entregá-lo não nos acarretaria bênção alguma, além das que já recebemos quando nos tornamos filhos de Deus, através da

conversão ao Senhor Jesus Cristo. Efésios 1:3 diz o

seguinte: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos

espirituais nos lugares celestiais em Cristo.”

Vocês vão dizer que o dízimo é imprescindível, pois sem ele a igreja não poderia se manter. Ora, se uma igreja média, com 1.000 membros ganhando uma média de 3 salários cada um, recebesse 3% desses R$720 de cada um, teríamos uma renda bruta de R$ 720.000 e 3% desse valor daria R$21.600 mensais. Se o pastor ganhasse um salário menos nababesco, se as igrejas fossem menos suntuosas e se os crentes tivessem boa vontade (quem não é obrigado a coisa alguma sempre tem boa vontade), estes poderiam contribuir com outro tanto em ofertas para as despesas da igreja. Mesmo porque os crentes sempre trabalham de graça nas igrejas,

exceto o pastor

Então, porque ele também não arranja

... um empreguinho lá fora, já que tem tempo de sobra para trabalhar? Por que somente os membros são obrigados a trabalhar de graça?

Só é abençoado quem entrega o Dízimo? Que lorota boa!

Se Deus Pai já nos abençoou com todas as bênçãos espirituais através do Seu Filho amado, do que mais precisamos neste mundo? Para conseguirmos bênçãos materiais, devemos trabalhar arduamente, pois quando trabalhamos sempre conseguimos progredir, de um modo ou de outro. O crente sincero que não bebe, não fuma e nem gasta com outros vícios, obviamente vai prosperar mais do que um incrédulo que se permite todo tipo de vício, alguns achando que na hora da morte vão receber a “Extrema Unção” de um padre qualquer, ficando garantidos, para uma boa temporada no purgatório. Outros achando que vão reencarnar e, finalmente, outros que acham que não existe Deus nem inferno e, portanto,

podem pintar e bordar, pois tudo acaba na hora da morte, etc. Os crentes cometem dois graves pecados, que deveriam ser evitados: comer demais e comprar mais do que podem pagar.

O Dr. Paulo Breda, Presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil, certa vez me contou uma história interessante. Ele viajara entre o RJ e Fortaleza com Edson Queiroz, o homem mais rico do Ceará. Pregou o evangelho e Edson já ia aceitar Jesus, pois dizia ter a certeza de Sua divindade, quando se lembrou de perguntar: “Reverendo, se eu me tornar protestante, serei obrigado a dar 10% dos meus ganhos à igreja?” O Dr. Paulo confirmou, o homem desistiu e algum tempo depois pereceu num acidente de avião. Não deu o Dízimo, mas deixou uma excelente universidade para os jovens cearenses. Será que isso não vale mais do que o Dízimo que ele poderia ter entregado à igreja? Será que ele foi para o inferno, mesmo crendo na divindade do Senhor Jesus Cristo (verdade em que a maioria dos pastores modernos não crê)?

Meu irmão, os pastores inventaram a lorota de que nós, os crentes, somos o “Israel de Deus” e, portanto, temos algumas das obrigações da Lei de Moisés. Isso não é bíblico. Já perceberam como esses pastores quase nunca usam as Cartas de Paulo, preferindo os livros do VT? Nós somos a “Igreja do Senhor” e não o “Israel de Deus”. Com Israel Ele voltará a tratar na futura dispensação da Fé mais obras (após o arrebatamento dos crentes), enquanto agora vivemos na dispensação da graça da fé em Cristo Jesus e não temos obrigação nenhuma com a Lei, devendo apenas crer em Jesus Cristo como o nosso grande Deus e Salvador, o qual nos remiu pelo Seu sangue precioso. (Por que os pastores nunca pregam Atos 16:30-31, hem?)

Quem crê realmente no Senhor Jesus, lê a Sua Palavra diariamente e leva uma vida reta diante de Deus e dos homens, não precisa ficar tentando COMPRAR bênçãos nem favores de Deus, porque Ele já nos abençoou com todas as bênçãos espirituais em Cristo! E seremos julgados pela Palavra (João 12:48), não pelas obras que fizermos em benefício de organizações eclesiásticas.

No culto matinal

de hoje

– numa cidade

da África do

Norte - um pastor queria que os pobres negros dessem

tudo que haviam ganho na semana

em

troca de

bênçãos. E os infelizes,

que

... já passam

a mingau

de

farinha, água e sal, foram dando o que tinham e o que

não

tinham.

Isso

é

justo?

Ele

citou

Mateus

16:21,

dizendo que

o “jovem

rico” se

perdeu porque não deu

tudo que tinha a Jesus. Ele errou em dois pontos:

1. Jesus não disse que o jovem se perdeu, mas que “ele se tornaria perfeito” se vendesse o que tinha e desse...

2. “aos pobres”

Não a uma igreja arquimilionária em

... dólares, cujo líder tem apartamentos e casas de luxo nos

centros mais sofisticados do planeta.

A viúva pobre (Lucas 21:2-4) foi elogiada por Jesus porque deu tudo o que tinha ao templo como o Dízimo trienal que os judeus costumavam dar.

Quem pesquisa a Palavra Santa nunca se deixa enredar nas malhas dos pastores mencionados na 1 Timóteo 6:10, os quais, infelizmente, são maioria!

Uma igreja séria jamais fala em dinheiro durante o culto e se precisa fazê-lo, que seja durante uma reunião de líderes, os quais podem transmitir as “novidades” financeiras aos membros. Igreja que explora os membros é apenas uma entidade “financeira”, coisa muito comum entre as chamadas “igrejas neopentecostais”, onde a base

de tudo é a cobrança de dízimos e ofertas. Vejamos dois capítulos sobre esse tipo de “igreja”.

Capítulo 7 Igrejas Ocultistas

Minha amiga S.B.P. deixou de freqüentar uma dessas igrejas neopentecostais, cujos pastores costumam “ceifar” os crentes pelos “quatro ângulos”, porque ficou revoltada com a ganância dos pastores da mesma. Ela me enviou uma apostila (cheia de erros de português) em que um desses “pastores” cita sempre determinados versículos do Velho Testamento, a fim de convencer os membros de sua igreja a dar, não apenas os dízimos, mas ainda o que ele chama de “as primícias”, extorquindo dos pobres analfabetos bíblicos tudo que eles têm de valor, isto é, imóveis, carros, relógios, jóias, dinheiro, etc. Os versículos preferidos são: Êxodo 34:26; Levítico 23:10; Números 18:28-32; Deuteronômio 18:3-4 e 26:1-4,10; 1 Samuel 2:30; 2 Crônicas 31:5; Neemias 10:35-37 e 13:11-14,31. Isto para citar apenas alguns. O Novo Testamento nunca é mencionado. Isso porque a doutrina do dízimo pertence ao Velho Testamento e esses “pastores” são todos corruptamente arminianos, pregando a salvação pelas boas obras.

Vou citar algumas frases da carta de S.B.P., pois fiquei simplesmente chocada com a COMERCIALIZAÇÃO do evangelho do Senhor Jesus Cristo, que disse aos apóstolos: “De graça recebestes, de graça daí.” (Mateus 10:8-b). Vejamos algumas das informações de S.B.P.:

1. Esses “pastores” citam todos os versículos bíblicos que falam em primícias, doação de bens, dízimos, tudo que signifique “dar” para a obra deles, porém jamais citam pelo menos um versículo da Bíblia dizendo que o serviço

na Casa de Deus era feito com transferência, isto é, que o dinheiro era empregado para auxiliar órfãos e viúvas desamparados, e que se prestavam contas de tudo que era recebido nas igrejas primitivas, o que não acontece nas igrejas atuais.

  • 2. Certa vez a pastora de uma delas me disse, quando eu

era tesoureira, e insisti em que deveríamos prestar contas do dinheiro aos membros: “Nesta denominação não existe isso. Tudo tem que ser trazido à Casa de Deus, sem questionar o pastor!” Por isso entreguei o cargo. Não creio que Deus se agrade de trapaça, embuste, ou qualquer tipo de mentira, principalmente em Sua Casa.

  • 3. Uma parcela insignificante, aliás mínima, é empregada

na igreja, visto como tudo tem que ser doado pelos

membros, inclusive o vinho da Santa Ceia. Os pastores fazem campanha para tudo: material de limpeza, pintura do templo, água, luz, etc.

  • 4. O dinheiro arrecadado vai, quase todo, para os bolsos

dos “pastores”, a fim de manter o conforto destes, enquanto o povo continua sendo cada vez mais explorado. Os filhos adolescentes desses pastores estudam em bons colégios, não prestam qualquer serviço à igreja e ainda ficam se divertindo à custa dos pobres crentes que são ludibriados pelas pregações antibíblicas desses “filhos de Eli”.

S.B.P. continua dizendo:

Quero falar ainda de outra igreja em que o “pastor”, vindo de Belo Horizonte, criou a chamada “Campanha da Revolta”. Ele iniciava os cultos gritando e incitando os membros a gritar: “Estou revoltado!”, ao mesmo tempo em que esmurravam três vezes o ar, ritual (ocultista pagão) que se repetia várias vezes durante o “culto”. Os membros da “igreja” ganhavam um lencinho ungido, em

cada culto, no qual deveriam ser escritos todos os seus problemas. No final da campanha, cada lenço era queimado, enquanto as cinzas, depois de ungidas novamente, eram sopradas para dentro de suas casas, a fim de que todos os problemas fossem solucionados (isso é catolicismo da pior espécie, muito pior do que paganismo romano! Lutero morreria de vergonha desses seus “colegas”).

Além da

história

do

lenço,

havia

ainda aquela

“experiência” de chamar as pessoas

à frente, soprar

fortemente

sobre

as

mesmas,

a

fim

de

que

fossem

forçadas a “cair para trás”, o que era explicado como a

“posse do Espírito Santo” nessas pessoas. Para tanto, um

diácono

ficava atrás

de

cada

“vítima”

do

tombo,

aguardando, a fim de ampará-la quando caísse “pelo poder”.

Outra manobra usada com freqüência era o pastor apontar certas pessoas no auditório, dizendo que Deus estava revelando algo a respeito delas. Geralmente essas pessoas já haviam conversado antes com algum obreiro, relatando os seus problemas, o que facilitava grandemente as “revelações” do referido pastor.

No final dos “cultos”,

frases como:

“Não

aceito

...

Eu

declaro

...

Eu

determino

...

Estou

revoltado

continuavam a

ser

repetidas

aos

berros,

a

fim

de

despertar o “deus” surdo dessas “igrejas”, porque ele

poderia estar dormindo, viajando ou, até mesmo, no

banheiro e, portanto, os pastores e membros da igreja

tinham de

gritar bem

alto,

a fim de

chamar a atenção

dele (1 Reis 18:17-38). Esses pastores gostam muito de citar Deuteronômio

29:29: “As coisas encobertas pertencem ao Senhor, nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que cumpramos

todas as palavras da lei”, cuja significação desconhecem totalmente.

Outro expediente (muito usado numa “igreja” de Juiz de Fora, MG) foi a venda de “tapetes ungidos”, sobre os quais o crente deveria orar fervorosamente pelos problemas familiares, para que estes fossem depressa resolvidos. (Vejam que belo exemplo de simonia!)

Como vemos, minha amiga S.B.P. teve de sair correndo

desse tipo de igreja ocultista, onde não é o Espírito Santo quem age, no sentido de louvar e glorificar o Nome de Jesus (mas o “espírito profano”, aquele que jamais convence pessoa alguma do pecado, da justiça e do juízo, dando respaldo a esses pastores que atacam pelos quatro ângulos) Esses pastores malaquianos terão de enfrentar o julgamento do Senhor Jesus Cristo, de cujo Nome têm abusado iniqüamente. Nessa hora, sem dúvida alguma, eles irão escutar do nosso Senhor Jesus esta

sentença eterna:

“...Nunca

vos conheci, apartai-vos de

mim, vós que praticais a iniqüidade” (Mateus 7:23).

Nota: Segundo informação colhida na Internet, esta

denominação foi fundada por Aimée McPherson, uma

americana que morreu de overdose de drogas

...

frutos conhecereis a árvore ...

Pelos

Capítulo 8 As Igrejas Ceifeiras (Sátira evangélica)

D. Mariquinha foi convidada por uma jovem simpática para ir a um culto na “igreja” que ela freqüenta. Essa é uma das igrejas “ceifeiras”, entre as dezenas de outras que existem nesta cidade. Mal o culto começou, depois de uma oração decorada e feita em voz altíssima, a fim de impressionar os analfabetos bíblicos que ali se encontravam, o pastor da “igreja”, um “afro” gordo e suado, foi gritando:

“Quem quiser ficar rico, venha congregar nesta igreja porque aqui Deus é mais generoso do que em qualquer outra dessas que existem por aí...”

A maioria dos presentes estava, de um certo modo, acreditando nos méritos daquele pastor, diante de Deus. O homem orava em voz alta, pedindo que o Senhor abençoasse todos os que ali estavam e, principalmente, os que fossem “generosos”, dando o que podiam e até o que não podiam dar. Curioso é que ele falou que Deus é o “dono de todo o ouro e de toda a prata do universo” e que é um absurdo o seu povo não usufruir plenamente desse tesouro. Ele só esqueceu de acrescentar que, como Deus

é dono de toda a riqueza do universo, Ele não precisa do dinheiro dos crentes e, portanto, ninguém deve fazer sacrifício financeiro para agradar a Deus. Quem quiser pode ler em Hebreus 13:15 que “o sacrifício de louvor a Deus é o dos lábios que confessam o seu nome”. Aqui não se lê que o crente precisa dar sequer um centavo para agradar a Deus.

Quando ele disse que a miséria é obra do diabo, até que não mentiu tanto. Realmente, o diabo (da cobiça) é quem promove no coração dos políticos e dos empresários a desmedida ambição de lucros, impedindo-os de serem honestos nas Casas do governo e nas empresas que pagam mal os seus empregados. Para afastar o poder do diabo, o pastor conclamou os presentes a formar um “túnel de fogo”. Imediatamente, os obreiros de ambos os sexos, vestidos a caráter, dispuseram-se em duas filas, uma de frente para a outra, entrelaçando as mãos, como numa quadrilha junina. Os crédulos presentes, na esperança de dias melhores, começaram a atravessar o túnel de fogo, enquanto o pastor, acompanhado por um órgão eletrônico, gritava, na maior exaltação: "Senhor, manda logo uma resposta. Lembra que nós não estamos invocando Baal aqui, não! Estamos Te invocando para receber saúde e prosperidade para essa gente boa, que está dando o seu último Real pra tua glória!”

Aqui ele esqueceu que esse dinheiro não será empregado para a glória de Deus, mas na conta dele, pois as obras de sua mansão, num bairro de luxo da cidade, estão inacabadas e ele está precisando ainda de uns 100 mil Reais para o acabamento final.

“Senhor, tu tens obrigação de dar tudo que a gente pedir porque Tu és Deus e Deus pode tudo!”

Aqui ele esqueceu que Deus não tem obrigação de dar-

nos coisa alguma. Ele

nos deu

o maior presente do

universo, que é a salvação em Cristo. O resto a gente tem de fazer por onde conseguir. Quem leva uma vida reta diante de Deus e da comunidade, claro que prospera mais do que quem anda gastando dinheiro com futilidades. Quem não bebe, não fuma e nem freqüenta discotecas e outros antros de perdição, não gasta o dinheiro da comida com os vícios e, por isso, prospera, mesmo que seja em câmera lenta.

Após a “dança macabra” dentro do túnel, os crédulos presentes foram comandados a escrever setenta vezes o próprio nome numa folha de papel. Depois os obreiros passaram pelos bancos, “ungindo” a testa de cada membro da “igreja” com óleo de soja barato. O pastor garante que esse óleo é de oliva, é ungido e veio diretamente de Jerusalém. A “festa” de baboseiras prosseguiu com o pastor gritando:

“Quando vocês passarem em frente a uma casa bonita, olhem para ela e digam: Deus vai me dar uma casa melhor do que essa!”

Em seguida, para convencer os presentes, ele contou uma história mais melosa dos que as histórias de santos católicos, tipo a de Sta. Tereza, que conversava com Deus, quando estava em êxtase, etc. Só que ele não sabe, ou faz que não sabe, que crente nenhum pode entrar em êxtase, pois isso é doutrina do ocultismo e a Bíblia proíbe totalmente qualquer envolvimento com o mesmo.

Uma coisa é certa. Pode ser que os pobres membros daquela “igreja” não tenham conseguido melhorar de

vida

Mas o pastor da “igreja”, sim. Apurou uma nota

... preta, naquela noite, e comprou logo uma cozinha americana na loja de material mais próxima de sua casa.

E ficou pensando: “Como Deus é bom! Há cinco anos eu não tinha onde cair morto. Hoje tenho um carro de luxo, um apartamento de dois quartos, uma boa grana no banco e

agora estou quase terminando uma casa maravilhosa, pois um pastor não pode viver na pobreza, senão desabona o nome de Deus!”

O próximo passo desse pastor vigarista vai ser uma viagem a Miami, pois pastor que nunca foi a Miami não é muito respeitado pelos “confrades”. De Miami poderá trazer umas torneiras de inox douradas, iguais àquelas de outros pastores (estes abriram suas “igrejas” há mais de vinte anos), que vivem no maior luxo na Flórida, à custa dos analfabetos bíblicos, que acreditam mais em lorotas de pastor “evangélico” do que nas verdades bíblicas. Eles pensam ingenuamente: “Ora, se o pastor falou então é porque Deus disse. A Bíblia é muito complicada. Melhor a gente não ler para não se confundir”.

Essa tem sido a maneira pela qual, durante dezesseis séculos, a Igreja de Roma engana o seu povo. Ela ensina que somente a hierarquia romana pode interpretar a Palavra de Deus. Por isso os seus hierarcas deitam e rolam sobre as verdades divinas, acrescentando, subtraindo, “interpretando” e fazendo tudo que for proveitoso para explicar os seus dogmas fraudulentos. Os papas romanos são, de fato, infalíveis na disseminação da mentira religiosa. Por outro lado, os tais “evangelhos” da fé e da prosperidade são um vômito aos olhos de Deus e é provável que, brevemente, Ele dê um basta na exploração que esses “legionários” estão fazendo em o Seu Santo Nome!

(Inspirado em artigo da revista “Veja”, edição 1.794, de

19/03/03).

Capítulo 9

Igrejas “Malaquianas”

Ontem

à

noite

resolvi

visitar

uma

dessas

igrejas

“malaquianas”, em vez de ir escutar os belos hinos clássicos e a pregação do pastor da minha PIB, o qual, mesmo tendo me comparado a um dos diabinhos do livro “Cartas do Inferno” de C.S. Lewis, continua sendo considerado por mim como o melhor pregador da cidade.

Dirigi-me a uma dessas igrejas “malaquianas”, que costumam ceifar os bolsos e as bolsas dos crentes, cujos pastores se engajam em movimentos celulares espúrios, fazendo lavagem cerebral nas pobres ovelhas bem intencionadas, porém semi-analfabetas em Bíblia, as quais para ali se dirigem em busca de salvação, prosperidade e gozo emocional.

Quando lá cheguei, estava orando uma pastora, a qual levou uns 10 minutos intercedendo pelos presentes, numa oração até bem formulada. Em seguida um jovem diácono ocupou o púlpito e falou 15 minutos sobre o movimento de células, convidando os membros a se

inscreverem no próximo congresso, ou coisa parecida, a fim de se habilitarem a um cargo no Movimento G-12. Essa igreja é a mais engajada da cidade no tal movimento gerado, em 4 a . dimensão, pelo evangelho cristão-budista de Paul Young Cho, o qual foi plagiado pelo Caçalhamas, um “vidente” colombiano espertíssimo!

Lá pelas 8,30 hs. da noite, o pastor da igreja assumiu o púlpito. Ele é um moreno chocolate, na casa dos 30 anos, o qual chamaremos de H3AsO4, pois não conseguimos gravar o seu nome, o qual é mais ou menos parecido com essa fórmula química.

Ele saudou os presentes e mandou que todos abrissem

as suas Bíblias

Imaginem onde? Em Malaquias 3:1-12,

... com ênfase no verso 8, tendo lido e “explicado” a leitura

dentro de sua conveniência, no que levou cerca de meia hora. Em seguida, todo mundo começou a cantar e dançar uma canção bem moderninha, falando da obrigação de entregar os dízimos e as ofertas, que H3As04 havia dito que deveriam ser MAIORES que o dízimo. Chamou seis membros da igreja para darem testemunho de como, após terem dado o seu último centavo, logo conseguiram que suas dívidas bancárias fossem zeradas, enquanto outros logo conseguiram um ótimo emprego, etc. Todos eles receberam uma chuva de palmas, tornando-se estrelas naquele show religioso!

Depois H3AsO4 convocou todos os presentes a fazerem uma fila no corredor central, devendo estes depositar os seus valores e em seguida saírem pelas laterais. Fiquei observando as centenas – muitas centenas – de pessoas que iam entregar o seu dinheiro. A moça à minha direita, além do envelope do dízimo semanal (fechado), separou 20 Reais, como oferta. A jovem à esquerda, que me parecia ser uma diaconisa, separou uma fábula de dinheiro e foi também entregar. E quando viu que eu não me mexia, ficou me observando com suspeita e mais

tarde até me deu uma lição de moral. Essa morena gorda, usando calças e blusão brancos bem justos, sapatos de salto altíssimo e meias finíssimas, parecia ser uma das mais abastadas do harém religioso ...

Depois da coleta gigantesca, uma pastora orou em favor dos “inocentes” doadores, pedindo a Deus que o dinheiro fosse bem empregado, etc. Eu já estava cansada de tanto show malaquiano, quando, de repente, após algumas

canções (de agradecimento pelas doações feitas), que as centenas de pessoas gritavam a todo pulmão, dançando freneticamente, como num show de Chitãozinho e Chororó, o pastor começou a ler a Bíblia, novamente. Dessa vez, ele usou Gênesis 6:9, dizendo que “Noé era

homem justo e perfeito

..

e andava com Deus”. A partir

daí, mesmo com os erros de concordância e de linguagem

(por exemplo: havia muitas pessoas

),

o

pastor

... “desabrochou” numa boa pregação, citando algumas passagens do NT, como a 2 Ts 3:11, 1 João 5:20, 2 João 7 e outras, comprovando a divindade do Senhor e criticando as seitas falsas, tipo TJ e Mormonismo. Houve uma hora em que ele garantiu que “todos os crentes que ali se encontravam iriam ficar à direita do Rei, no Julgamento Final”, deletando, sem piedade, o Arrebatamento e a 2 Coríntios 5:10. (Imaginem se o Dr. Peter Ruckman, teólogo americano com seis graus de doutorado em Teologia, estivesse ali presente, hem? Ach, Du Mein Gott!)

Também, o tempo inteiro, durante a pregação, H3AsO4 fazia algumas pausas, comandando a igreja inteira a repetir - várias vezes - certas frases construídas por ele, numa espécie de lavagem cerebral dos membros. No final da pregação, ele citou de cor alguns versos bíblicos do VT, coroando, assim, a sua mensagem malaquiana.

Para ser justa e franca, a pregação do homem não foi tão ruim! Eu quase me “converti” à igreja dele! Só que, após

ter concluído a mesma, após 40 minutos, ele mandou que os membros dessem um “grito de guerra”, com toda a força dos pulmões, quando ele contasse até 3. O barulho foi tão ensurdecedor, que a tenda da congregação quase desabou e meus tímpanos não suportaram a avalanche de decibéis. Logo comecei a sentir náuseas, tonturas, e não mais consegui me levantar da cadeira, embriagada ... de som!

Aproveitei uma pausa no barulho “guerreiro” e pedi que um jovem diácono entregasse a H3AsO4 a apostila de 40 ps., que o Júlio Carrancho e eu preparamos sobre o Dízimo. Saí apressadamente, ainda meio tonta, e tive de tomar um comprimido para dor de cabeça, quando cheguei em casa. Mesmo assim, não consegui dormir antes das 5hs. da manhã e vim escrever.

Uma coisa é certa. Ali as pessoas se alegraram muito, dançaram à beça, se abraçaram, se beijaram, todas elas tomadas de incontrolável emoção. O Espírito Santo era invocado aos gritos, de tal maneira que, mesmo que Ele fosse surdo, iria escutar as invocações daqueles crentes cheios de “poder”.

Dezenas de pessoas foram à frente, aceitando Jesus como Salvador. Isso quer dizer que, mesmo pregando um evangelho espúrio, o pastor H3AsO4 não é dos piores, como eu sempre havia imaginado. Ele é carismático, prega relativamente bem, é amado e respeitado pelas suas ovelhas e tem conseguido arrecadar uma fábula em Reais, sob a sua tenda milagrosa! Só não sei se ele o conseguiu na Europa Oriental e na Argentina, lugares que ele se gabou de ter visitado, esclarecendo que não sabe falar Inglês ...

Obviamente, é bem melhor fazer parte

de uma Igreja

malaquiana, que prega Jesus como Deus e Salvador, do

que

ser

um

TJ

ou

Mórmon,

ou

viver

metido em

discotecas e boates, fumando, ingerindo álcool e drogas, fazendo sexo ilícito e espalhando AIDS pela cidade. Por isso, se não posso dar uma nota DEZ ao H3AsO4, pelo menos vou dar-lhe nota SETE, pois ele não foi totalmente reprovado no teste de pesquisa religiosa, que fiz nesse domingo 20/07/2003.

Capítulo 10

Igrejas Malaquianas II

Igrejas malaquianas são as que sempre usam Malaquias 3:1-10 para convencer os iletrados membros a entregar o Dízimo do seu rendimento bruto. Os pastores sabem que Malaquias é um livro do Velho Testamento, quando havia apenas um imposto a ser pago, numa nação teocrática (Hoje temos mais de 50 impostos a pagar). A partir do Pentecostes, entramos na Dispensação da Graça, no Novo Testamento. Portanto, toda a lei e os profetas, como Jesus falou, vigoraram até João Batista, e já não somos obrigados a coisa alguma, além de crer em Jesus como o nosso Grande Deus e Salvador, confiando

no Seu Sacrifício Vicário na cruz, para sermos salvos. O que disso passar é Catolicismo barato. Quando um pastor afirma que “se o crente não der o Dízimo ele não será abençoado”, está chamando Deus de quitandeiro, o qual só entrega as frutas e verduras se o pagamento for garantido.

Conforme Efésios 1:3, “Deus já nos abençoou com TODAS

as bênçãos

espirituais...

em Cristo”. Quem quiser ser

abençoado na parte material, deve trabalhar arduamente e levar uma vida reta, sem vícios e sem “cheque especial” estourado por causa da inadimplência. Leia Romanos 13:8-a. Quando você entrar numa igreja e o pastor citar Malaquias, dê o fora. Vá para casa ver o Fantástico, onde o Cid Moreira e o seu companheiro de apresentação não ficam pedindo dinheiro algum e, portanto, são mais sérios. Ou vá para uma Igreja Batista. Se o pastor ali começar a pedir dinheiro, desista da igreja!

Quem desejar saber TUDO sobre o Dízimo, num estudo de 50 ps. de apostila, pode me telefonar (2643-3904). Com apenas um capítulo, embasada na Bíblia, eu poderia provar que o Dízimo é ILEGAL, mas como o assunto é delicado, resolvi preparar essas 50 ps. Ofício A- 4, a fim de não deixar dúvida alguma. Dos 16 artigos, dez são meus e seis, do teólogo Júlio Carrancho (Joanesburgo), grande erudito na Bíblia King James e em leis eclesiásticas.

A princípio eu estava apenas traduzindo os artigos para o

site do Júlio. Aí me animei, comecei a escrever os meus e o resultado tem sido uma BOMBA! Claro que TODOS os

padres e pastores da cidade me detestam

Mas não

... tenho medo de coisa alguma, pois não estou falando heresias contra a Palavra Santa, o que eles costumam fazer, quando exigem o Dízimo. Dar oferta, sim. Como e quando pudermos, mas o Dízimo, NÃO! Que se dêem quilos e mais quilos para ajudar os irmãos carentes. Que

se dêem ofertas e mais ofertas para ajudar os missionários, mas o Dízimo, NÃO! Vamos acabar com a vida fácil desses pastores espertos, os quais, em apenas cinco anos de carreira em suas igrejas malaquianas, faturam milhões, à custa dos pais e mães de família, que trabalham para manter os seus lares. Deus não abençoa quem dá o Dízimo. Ele abençoa quem crê firmemente em Jesus Cristo. Quem lê a Bíblia, quem trabalha, quem anda na linha. Que adianta entregar o Dízimo e ainda entregar “o que tem e o que não tem”, e viver em pecado? A maioria dos pastores (alguns vivendo em pecado) garante que se o crente der o Dízimo, vai ser abençoado de qualquer maneira. Esses homens estão corrompendo vocês. Cuidado com eles. Creiam na Palavra Santa, que prega Jesus como único Salvador e Senhor. Andem na linha, sejam bons pais e mães de família, evitem dívidas impagáveis e nunca, nunca se deixem engodar nessa onda de experiência ocultista que tem entrado nas igrejas malaquianas. Porque Deus não é de confusão e nem vende coisa alguma ...

Capítulo 11 A Igreja Malaquiana e o Meu Guarda-Chuva

Ontem, domingo 27/07/2003, assisti ao culto matinal em minha PIB, onde pregou o Pr. Daniel, o qual se saiu muito bem, com uma mensagem de bom conteúdo bíblico, entregue em excelente vernáculo.

À noite fui com o meu neto Mário assistir ao culto vespertino, na mesma igreja malaquiana onde estive no domingo passado. Queria saber o que o Pr. H3As04 iria falar, na hora da cobrança dos dízimos e ofertas, após ter lido a minha apostila de 42 ps. sobre o assunto.

Sua maneira de falar em dinheiro foi bem mais moderada. Só que, antes de pedir que os congregados abrissem as suas Bíblias em Malaquias 3:6-10, ele fez uma observação interessante: “Meus irmãos, vamos abrir nossas Bíblias em Malaquias, capítulo 3, versos 6-10. O Diabo odeia esse trecho da Bíblia porque ele não quer que os crentes colaborem com a obra de Deus, nem que eles sejam abençoados”. Depois ele repetiu essa observação, naturalmente para o caso do Diabo estar ali presente, o que, realmente, acontecia, pois o Diabo, nesse caso, era eu!

Meu neto gostou do culto. As pessoas que estavam ao nosso lado mostravam-se curiosas porque não batíamos palmas, não gritávamos, não pulávamos e nem repetíamos as frases que H3As04 mandava repetir e nem contribuíamos. Contudo, enquanto nós, diligentemente, consultávamos a Bíblia, a maioria ficava parada, pois não sabia manejar a mesma. Claro que o pastor só mandava que se lessem versos do VT, pois esses ministros malaquianos são fanáticos pela velha dispensação. Eles acham que os seus congregados são judeus e, portanto, estão obrigados a cumprir toda a lei e os profetas.

Quando fomos à tal igreja malaquiana, tive o cuidado de não levar dinheiro nem jóias, a fim de que os cobradores de dízimos e ofertas não pusessem os olhos em cima de mim e me deixassem constrangida. Infelizmente, porém, estava chovendo e tivemos de levar dois guarda-chuvas – um nacional (o mais caro) e um do tipo chinês (mais barato). Meu guarda-chuva nacional, na cor vinho, novo e lindo, não teve muita sorte. Um simpático diácono

chamado Eliandro (ou será Heliandro?) pediu-o emprestado para ajudar as pessoas que iam chegando de carro no pátio da igreja, debaixo de chuva. Claro que emprestei minha linda peça protetora, só que, na hora da

saída, o diácono havia desaparecido

e...

onde estava o

meu guarda-chuva? Finalmente, Eliandro reapareceu, todo sorridente, cheio de mesuras e desculpas, e me devolveu o guarda-chuva, esquecendo de agradecer o empréstimo. Como a chuva havia passado, Mário e eu viemos para casa e só mais tarde, quando fui abrir o guarda-chuva para evitar que mofasse, notei que o dito estava quebrado!!! Ach, Du Mein Gott! Não dei Dízimo nem oferta, mas perdi meu guarda-chuva, pois o conserto é tão caro que é melhor comprar um novo.

Cabe aqui uma pergunta ao H3As04: Por que uma igreja tão rica e próspera, coletora de tanto dinheiro em cada culto dominical, não compra um guarda-chuva para ajudar os contribuintes que chegam debaixo de chuva? Contudo, Romanos 8:28! O prejuízo me valeu este artigo, o qual deve sair no “O Diário”, a fim de alegrar alguns amigos leitores!!!

Capítulo 12 Ser dizimista, Não Senhor!

Em nossa PIBT o pastor nunca fala em dinheiro. Ele é

culto e inteligente demais

para se

expor, da mesma

maneira que os pastores malaquianos costumam fazer, mostrando o seu lado ambicioso, pensando em aumentar suas contas bancárias, sem o menor interesse em ganhar almas para o Senhor Jesus Cristo.

Pelo fato de jamais mencionar dinheiro no púlpito, de pregar mensagens totalmente bíblicas, de ser carismático e até charmoso, o nosso pastor tem agradado os membros e muito mais os visitantes, que chegam à nossa PIBT, amam a igreja e acabam deixando as suas igrejas malaquianas para se filiar à nossa. Assim o rol de membros tem aumentado bastante e logo teremos um novo templo para acomodar tanta gente que vai chegando

e ficando

maravilhada com uma igreja que nada tem

... de “propositada”, de “emergente” e de “panenteísta”, uma igreja onde raramente são cantados corinhos heréticos (na Bíblia e no vernáculo), uma igreja na qual se pode realmente confiar, para ali se congregar, até o dia em que o Senhor Jesus Cristo nos arrebatar, ou então nos chamar para um encontro pessoal com Ele.

Infelizmente, como nem tudo é perfeito, alguns líderes da igreja acharam por bem coletar mais dízimos e bolaram um meio de fazer isso, escolhendo alguns membros (em geral novatos) para irem até o microfone, dizendo como são abençoados porque têm sido fiéis na entrega do dízimo, etc.

Uma irmã, que sempre fala articuladamente, esteve dando o seu testemunho de como Deus a tem abençoado por ser dizimista. Criada num lar evangélico, essa irmã se habituou a ouvir louvores a quem entrega o dízimo, foi educada nessa mentalidade e agora é capaz de morrer, jurando que quem não entrega o dízimo não é abençoado. Ela chegou a ponto de citar Malaquias 3:8-10. Ora, essa irmã, que é tão bajulada na Igreja, sendo muitas vezes convidada a orar, sentindo-se uma VIP ali dentro, provou o seu total desconhecimento da Bíblia, ao citar

Malaquias,

um

livro

do

Velho

Testamento,

para

corroborar a sua reivindicação do dízimo.

Digamos que essa irmã, que já vai no terceiro ou quarto marido (ficou viúva de dois ou três maridos anteriores) não fosse tão abençoada assim, a ponto de ficar viúva tantas vezes! Fiquei viúva apenas uma vez e isso foi tão doloroso que nunca mais me casei, embora tivessem aparecido alguns candidatos (inclusive um pastor, também viúvo).

Vamos fazer um balanço, para ver qual de nós duas é mais abençoada, se ela, que é tão pontual no dízimo, ou eu, que não o entrego:

1. - Só tive um marido e fui muito feliz no casamento, durante 26 anos.

  • 2. - Tenho duas filhas bonitas e inteligentes e cinco netos

saudáveis e lindíssimos.

  • 3. - Nunca fui pobre, sempre tive o essencial para viver e

viajei por 15 países ocidentais, muitas vezes me hospedando em excelentes hotéis cinco estrelas.

  • 4. - Fui empresária durante 36 anos e nunca precisei

pagar uma conta com atraso e nem fazer qualquer

empréstimo bancário, o que ainda hoje me acontece, nesta fase da terceira idade.

5.

-

Tenho uma

saúde de

ferro, sem nenhum dos

achaques da idade

...

8?

Será que ela tem uma pressão 12 X

6.

-

Tenho

75

anos

e

nunca

engordei

-

o

que,

obviamente, não é o caso dessa “dizimista abençoada”.

  • 7. - Traduzi mais de 6 mil páginas do Inglês, sou autora

de 15 livros (dez já publicados) e de mais de mil artigos,

todos eles louvando

e glorificando o

Nome

Santo do

Senhor Jesus Cristo, o que vale mais do que ter

entregado mil dízimos ...

  • 8. - Tenho um grupo na Internet, correspondo-me com

dezenas de amigos e irmãos na fé (em Português e inglês) e sou conhecida até no exterior, de onde recebo cartas de personalidades importantes, elogiando o trabalho que faço, desejando vir ao Brasil para me conhecer

pessoalmente. Exemplos: o Diretor do Centro de Pesquisas Bíblicas de Jerusalém, chegando ao Brasil, veio a Teresópolis, simplesmente para almoçar e passar um dia comigo. O Dr. Thomas Gilmer, Presidente da Editora Trinitariana no Brasil, veio de São Paulo para me conhecer e almoçar comigo.

  • 9. - Sou amada e respeitada pelos vizinhos, no prédio

onde tenho um apartamento comprado com muitos anos de trabalho honesto. Não freqüento a casa de pessoa alguma, mas elas sempre me vêm pedir conselhos e até o síndico me pede aprovação sobre os projetos que pretende colocar em prática no prédio.

10. Minha filha alemã ontem me telefonou para dizer que me ama, que eu sou o seu modelo de vida, que sente a maior alegria em me ter como mãe. Eu havia acabado de receber um presente e um cartão com os seguintes dizeres: “Querida mamãe: os dizeres deste cartão [um pensamento de Pascal] me fizeram lembrar da nossa última conversa por telefone. Como é bom saber que a Sra. é tão feliz!

Também me vem à cabeça um trecho do livro de Kenn Follet, ”Pilares da Terra”, que diz: ‘Ter fé em Deus não significa ficar sentado sem fazer nada. Significa ver que se terá sucesso, quando se fizer o melhor possível, sincera e inteligentemente.'

Pois é isso que a Senhora é, Mãe! Uma expert na língua, na Bíblia e na VIDA! Feliz Dia das Mães! - Margarete.

Ora, com tantas bênçãos materiais, familiares e espirituais me cobrindo a vida, do amanhecer ao por do sol, se eu precisasse de mais alguma bênção, iria correndo até o gazofilácio da igreja e ali colocaria, não somente 10% do meu salário, mas até muito mais. Contudo, já tenho Filipenses 4:7, 19 e Efésios 3:19-20 me

abarrotando a existência! Então, Louvado seja Deus, que eu não seja dizimista! Realmente, gosto de contribuir com missões e com a construção do novo templo. Mas ... ser dizimista, não senhor! Se não houvesse dizimistas tão fanáticos na igreja eu até contribuiria, digamos, com 5% do que recebo do INSS, para ajudar nas despesas da mesma e pagar o salário do pastor. Mas dar 10% do bruto de minha pensão, depois de ter trabalhado durante

45 anos

E ver gente deixando de se alimentar

... corretamente para entregar 10% de sua renda bruta, levando tantos pastores (principalmente os das igrejas

malaquianas) a engordar as suas contas bancárias no

exterior

...

Essa não!

Se os “abençoados dizimistas” da nossa PIBT acham que estou errada e querem falar biblicamente sobre o assunto, podem me procurar. Tenho um livro prontinho para entregar-lhes, mesmo sabendo que os líderes da Igreja vão me detonar por causa disso!!! Nesse caso, como não coloco a menor fé no dízimo, eu citaria Romanos 14:23 e 12: “tudo o que não é de fé é pecado” e “cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus”.

Capítulo 13 Que culpa tenho eu?

Para alguns irmãos (principalmente mulheres) que me enviam mensagens contundentes, achando que vão me deixar deprimida, ou com um enorme complexo de culpa, respondo simplesmente.

Que culpa tenho eu

que Deus tenha sido maravilhoso

... demais para mim, desde o dia do meu nascimento, até o dia de hoje? Ele me tem cumulado de bênçãos (mesmo eu não sendo dizimista) e essas bênçãos são tantas que resolvi fazer um ligeiro resumo de algumas delas ...

Nasci num lar católico, onde havia muita generosidade com os empregados, meus pais me amavam muito e me deram tudo de que eu precisava para ser uma criança feliz. Fui educada na fé em Cristo, honrando-O como Deus e Salvador, embora com a falsa noção de que Maria tinha quase tanto poder como Ele e que eu era tão abençoada, por ter nascido no dia da Imaculada Conceição.

Na escola nunca tirei o segundo lugar, sempre era a melhor aluna da classe e quando terminei o curso ginasial falava Inglês fluentemente, tendo aprendido essa língua sozinha, porque sempre me dediquei ao estudo da mesma, além do Português e do Latim, que eu também apreciava muito. Por isso hoje consigo escrever as duas primeiras línguas sem problema algum de redação e ainda entendo um pouco da terceira. Do Alemão aprenderia o básico, no futuro ...

Meu pai me adorava. Quando completei 15 anos, ele me deu de presente um colar com 15 gramas de ouro 18 K, com uma medalha de Nossa Senhora. Quando completei

18 anos, ele, que sempre desejou me ver formada em Medicina, deu-me de presente uma caneta de ouro 18 K com duas esmeraldas formando os olhos da cobra que adornava a peça. Nos anos seguintes, eu escreveria

sempre com essa caneta de ouro!!! Até que um dia perdi a

peça

...

Mas não chorei, pois nunca me apeguei a coisas

materiais.

Meu pai sempre me cumulava de mimos. De brincos e pulseiras, de roupas lindas, dizendo que eu era uma princesa, que era linda e que um dia ainda seria uma grande médica. Nisso ele errou, pois me tornei uma secretária bilíngüe, depois empresária em cosméticos e, finalmente, uma escritora evangélica, pelo que agradeço imensamente a Deus, pois não gosto de ver sangue...

Por não ter seguido a carreira que meu pai escolhera, ele rompeu comigo e me cortou a mesada (que era a maior do colégio), mas logo arranjei um bom emprego e até o dia do casamento nunca me faltou coisa alguma. Dou graças a Deus por esse rompimento com meu pai, visto como aprendi a me “virar” sozinha” e, assim, cresci na vida. Romanos 8:28!!!

Casei-me com um alemão de Berlim e não poderia ter escolhido um marido mais honesto, mais trabalhador, amoroso e apaixonado do que este. Ele continuou me cumulando de jóias, roupas finas e livros, viajamos por 13 países (depois viajei por mais dois), ele sempre me dando amor, apoio e dizendo que eu era maravilhosa! Trabalhamos muito e fizemos uma pequena fortuna (nunca recebi nada de meus pais, porque minha mãe ficou com tudo e como esta morreu recentemente e meus 4 irmãos estão se desentendendo por causa da herança, preferi ficar neutra, pois brigar por dinheiro não é exatamente o meu forte).

Converti-me aos 48 anos de idade, lendo em duas línguas a Bíblia King James/Trinitariana, e, quando me filiei a uma igreja presbiteriana, já havia lido o Novo Testamento 50 vezes, portanto não deixei que pastor ou presbítero algum me fizesse a cabeça, impondo-me leis humanas (como o Dizimo, por exemplo). Hoje leio a Bíblia em três idiomas e fiz um bom curso teológico, portanto os pastores sempre pensam bastante, antes de virem me expor doutrinas humanas, tentando me convencer de coisas que são do interesse deles e não do Reino ...

Não posso reclamar da vida. Tenho o suficiente para viver, sou amparada por um bom plano de saúde, tenho boa saúde, o mesmo peso dos vinte anos, congrego numa igreja excelente e minha cabeça ainda está funcionando muito bem. Ultimamente, quando traduzi dois livros de Teologia Bíblica (O Senhor do Céu e A Glória do Seu Nome), num total de 120 páginas, consultei o dicionário apenas 12 vezes, o que deu uma consulta para cada dez páginas. Esses livros escritos por Sir Robert Anderson são maravilhosos e me fizeram crescer na fé, pois versam sobre a Divindade e o Nome de Jesus Cristo, nosso grande Deus e Salvador.

Gastei seis semanas nas duas traduções e como não aceitei pagamento algum (enquanto um irmão que traduziu um outro livro de 120 ps., do mesmo autor, pediu R$1.800 à pessoa interessada na tradução), ganhei de presente um monitor de cristal líquido, que há tanto tempo eu desejava possuir.

Que culpa tenho eu se Deus é tão maravilhoso assim comigo, provando a veracidade de Efésios 3:19-21? “E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus. Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em

nós opera, a esse glória na igreja, por Jesus Cristo, em todas as gerações, para todo o sempre. Amém”.

Aos invejosos aconselho que façam a seguinte oração:

Senhor, tu tens sido bom demais com a Mary, que é tão má, tão orgulhosa, tão vaidosa, tão deficiente no amor ao

próximo

...

Castiga a Mary e me dá tudo que tens dado a

ela”.

Se Ele escutar esta oração, tudo bem. Ele é SOBERANO e JUSTO. Tem todo o direito de fazer o que bem desejar ... com o fariseu invejoso que fizer esta oração.

Capítulo 14 O Diabo Era Eu ...

No Seminário onde estudei Teologia, nos anos 1980, tive um professor que já está na glória e se chamava Valdomiro. Ele nos dava aulas de Novo Testamento e era bom demais no assunto. Com ele aprendi muitas coisas importantes e uma delas jamais irei esquecer em minha vida cristã: “Irmãos, nunca usem o Velho Testamento, a não ser para ilustração, pois estamos na Dispensação da Graça e temos o Novo Testamento para nos orientar em

tudo. Especializem-se em Paulo e usem as doutrinas do VT apenas para comparação com o NT, e os profetas antigos, apenas para conhecer as profecias e aguardar o seu cumprimento, vivendo uma vida reta diante de Deus e dos homens”. Procurei seguir o conselho do meu professor e

só tenho que me alegrar. Adoro os salmos lírica e edificante!

...

como poesia

Após doze anos, seguindo literalmente essa regra, conheci outro pastor - Paul Pimentel - que estudou no mesmo seminário e é um mestre em Apologética. Com ele trabalhei 3 anos no CPR (Centro de Pesquisas Religiosas) e aprendi tanto ou mais do que aprendi de Bíblia no seminário. Lendo um livro por dia, traduzindo vários livros teológicos e apologéticos do Inglês e respondendo cartas dos associados do CPR, aprendi muita coisa importante e uma delas é que o Novo Testamento deve ser a nossa MAIOR regra de fé e prática na vida cristã.

Infelizmente, a maioria dos pastores hoje em dia se apega fervorosamente ao Velho Testamento, por dois motivos:

Primeiro, porque esses pastores medíocres podem usar e

abusar das histórias antigas, fantasiando os seus enredos, a seu bel prazer. Segundo, porque podem impor muitas leis do VT aos pobres membros de suas igrejas, para os escravizar, como por exemplo, usando Malaquias para extorquir o dízimo dos que não conhecem bem a Palavra de Deus.

Vamos dar um exemplo: Em certa igreja neopentecostal, que adora ceifar os bolsos dos seus membros, foram lidas há alguns domingos, num culto vespertino, as seguintes

passagens bíblicas de Jeremias 35:1,2,8,10,16: “A PALAVRA que do SENHOR veio a Jeremias, nos dias de Jeoiaquim, filho de Josias, rei de Judá, dizendo:

Vai à casa dos recabitas, e fala com eles, e leva-os à

casa do SENHOR, a uma das câmaras e dá-lhes vinho a beber. Obedecemos, pois, à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, em tudo quanto nos ordenou; de maneira que não bebemos vinho em todos os nossos dias, nem nós, nem nossas mulheres, nem nossos filhos, nem nossas filhas; mas habitamos em tendas, e assim obedecemos e fazemos conforme tudo quanto nos ordenou Jonadabe, nosso pai. Visto que os filhos de Jonadabe, filho de Recabe, guardaram o mandamento de seu pai que ele lhes ordenou, mas

este povo não me obedeceu

...

Ao contrário do pastor da PIBT, que usaria depois essas mesmas passagens apenas para aconselhar que os membros vivam conforme os ditames da Palavra Santa, esse pastor “ceifeiro” pregou mais ou menos o seguinte:

Meus irmãos: Recabitas eram homens de Israel que não

bebiam vinho

nem cerveja, nem conhaque, é claro! Todo

... o dinheiro que eles ganhavam consertando objetos de metal era para entregar no templo, para sustentar a obra do Senhor. Não vou condenar quem dá um cheque sem cobertura, pois ninguém consegue mais ganhar o suficiente para pagar tantos impostos e comprar tudo que é preciso

nos supermercados, que só sabem explorar o bolso da gente. Não vou condenar quem atrasa o pagamento do aluguel, da luz e do telefone, pois as companhias

multinacionais exploram tanto que o dinheiro acaba depressa e não dá para a gente cumprir todos os compromissos do mês. Não vou condenar quem vive com

uma mulher sem casar

Pois nem sempre é possível se

O

que eu

condeno , sim,

é

... casar, por vários motivos...

crente que bebe vinho, mas se atrasa na entrega do dízimo e das ofertas, porque roubar o governo, tudo bem, mas ‘roubar a Deus’ é um caso muito mais sério e isso causa maldição de vida!”

Depois de ter lido Malaquias 3:6-8, tendo olhado para a

terceira fila e me visto de cara amarrada, o pastor falou com voz trovejante: “Meus irmãos, o diabo odeia esses versículos de Malaquias e ele está aqui presente, podem ”

crer

...

(Pelo visto, o diabo era eu!)

E foi por aí a fora o tal pastor malaquiano, pregando (os pobres analfabetos bíblicos na cruz de sua ambição), até ficar rouco e ver a uma fila enorme de ovelhas se dirigindo ao gazofilácio, enquanto “o diabo” permanecia quietinho em sua cadeira de plástico barato ...

Amados: Tenham cuidado com os pastores que usam e abusam do Velho Testamento. Eles não são sérios. Quando não são embromadores de primeira, fantasiando as histórias do Velho Testamento para preencher o tempo e engabelar os crentes, são uns irresponsáveis e abusivos extorquidores dos membros de suas igrejas.

Leiam e meditem o Novo Testamento. Procurem igrejas que preguem o NT. Vivemos na Dispensação da Graça. Não temos obrigação alguma, a não ser crer realmente na validade do sacrifício vicário do nosso Divino Salvador, procurando seguir os ensinamentos do Apóstolo Paulo. Os recabitas não bebiam vinho? Tudo bem, eles viviam

na era do VT! Eu bebo uma taça de vinho suave, sempre que recebo uma visita e ela aprecia vinho. Jesus tomava

vinho com os fariseus

...

Serei melhor do que Ele? Paulo

nos diz em Efésios 5:18: “E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito”. Ele não proíbe que se beba vinho, proíbe apenas que o crente se embriague. Quem toma uma taça, em ocasiões especiais, até pode estar cumprindo Efésios 5:17 : “Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor”.

E qual é vontade do Senhor? Que eu seja uma cristã autêntica, pois a maioria dos

crentes é hipócrita demais, sempre se comportando de um modo na igreja e de outro, no mundo. A maioria dos

crentes quer parecer melhor do que realmente

é...

Crente

que atrasa os seus pagamentos, que dá cheque sem fundo, que vive na imoralidade, que se esconde atrás de

uma capa de santidade, esse merece a condenação de

Paulo. Leiam Romanos 13:7-8: “Dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra. A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei”.

Leiam ainda: “GERALMENTE se ouve que há entre vós fornicação, e fornicação tal, que nem ainda entre os

gentios se nomeia

...

Mas agora vos escrevi que não

vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou

beberrão...”

(1 Coríntios 5:1, 11). Paulo fala de

“beberrão”. Os pastores malaquianos proíbem que se

tome uma taça de vinho em diais de festa, mas fecham os olhos aos membros que atrasam suas contas, que viverem maritalmente, contanto que estes entreguem

pontualmente o dízimo e as ofertas.

Por que será?

Resposta: Porque estão mais interessados em suas contas bancárias do que na edificação dos membros de suas “igrejas”.

Capítulo 15 Vamos comprar a boa vontade divina!

Os pastores das igrejas malaquianas (neopentecostais) fazem tudo que lhes vem à cabeça, a fim de agradar aos freqüentadores, mesmo que isso vá de encontro (em vez de ao encontro) à Palavra de Deus. O jornal americano ”The Christian Science Monitor” publica sobre este assunto um artigo de Kris Axtman:

“Depois de propalar o jargão “Cristo é melhor do que a vida” certo pastor dirige-se aos 16.000 freqüentadores da igreja e proclama: “Hoje vamos ter muito rock. Neste local já se ouviu muito rock, antigamente, portanto agora vamos

cantar rock para Jesus

Os órgãos há muito foram

... substituídos por guitarras elétricas e os hinos pelas músicas mundanas. Assim são tocados e cantados os últimos sucessos do rock, aplaudidos em jogos e eventos seculares mais recentes.

A maior entre as mega-igrejas dos USA é a Igreja de Lakewood, com 25.000 membros. Essa “moda” de mega- igreja foi criada por Paul Young Cho, na Coréia do Sul, e adotada no Ocidente. O que importa não é a qualidade

dos freqüentadores, mas a quantidade dos mesmos. Já não se dá atenção aos dogmas tradicionais, os quais foram substituídos por símbolos e sermões de pensamento positivo, que levantam a auto-estima dos membros. Eles aprendem que “através de Deus são sempre vencedores e jamais vítimas”. As mensagens são de encorajamento, fáceis de serem digeridas, pois ninguém é chamado de “pecador”. A palavra “arrependimento” é muito forte! O “Jesus” dos pastores modernos é apenas um sinônimo de pensamento positivo, de poder e de vitória. Ninguém é aconselhado a

tomar a sua cruz e seguir ao Senhor, pois isso está fora

de moda

Não se fala mais de “condenação eterna”, nem

... de “lago de fogo e enxofre”, pois isso é coisa da religião

obsoleta. A mensagem deve ser de encorajamento porque é assim que o “evangelho” moderno funciona, tanto que essas igrejas estão sempre lotadas. A pregação é cheia de motivação do ego, como: “Mantenha sempre uma atitude positiva! Deixe todo pensamento negativo de lado. Seja determinado! Deus tem obrigação de dar tudo que você pedir”. O Espírito Santo há muito se transformou num “office boy” desses pastores malaquianos.

Esse tipo de sermão é incrementado com um “coral” bem moderno de até 300 vozes. O barulho é ensurdecedor, todos imaginando que Deus é surdo e, portanto, os crentes precisam gritar para serem ouvidos. Claro que essa gente não conhece Habacuque 2:20: “Mas o SENHOR está no seu santo templo; cale-se diante dele toda a terra”.

As moças, vestidas quase exclusivamente de mini-saias, exibindo decotes escandalosos, se gabam: “É bom demais. Não perdemos um culto sequer, pois nos sentimos realizadas, lá dentro, e ainda compramos os vídeos e levamos para casa. A mensagem é sempre positiva demais e a música é grande!”.

Esse tipo de instituição se expande assustadoramente. A “operação do erro” está em franco andamento, a fim de que o Anticristo encontre a igreja estabelecida pronta para receber os sinais e maravilhas que enganarão a maioria dos cristãos da atualidade. Todos esperam ser arrebatados - esperando, contudo, que isso aconteça daqui a uns 30 anos, não agora, pois a vida é tão boa!

Nos anos 1970, havia apenas 10 mega-igrejas nos USA, mas hoje elas passam de 740. Aqui no Brasil elas também se multiplicam, principalmente nas chamadas “tendas”, que abrigam milhares de iludidos analfabetos bíblicos, os quais entregam aos falsos pastores o que têm e o que não têm, tentando comprar a boa vontade de Deus, a fim de ganhar bênçãos e mais bênçãos. Não se fala em santidade de vida, pois a suposição é que os dízimos e ofertas cobrem todo tipo de pecado e, assim, todos se sentem felizes e realizados, contanto que dêem bastante dinheiro aos falsos pastores (Os dízimos e ofertas exigidos por esses falsos pastores equivalem às indulgências da Igreja de Roma). Entre os analfabetos bíblicos, que escutam o tempo inteiro textos fora do contexto, encontram-se pessoas da classe média, pobres e até os miseráveis, que deixam de pagar a passagem de volta para casa, a fim de darem o dinheiro da passagem

Esse tipo de instituição se expande assustadoramente. A “operação do erro” está em franco andamento, a

de ônibus ao “Senhor”, pois assim Ele vai lhes conceder um bom emprego, uma boa casa, um carro e tudo com que essa gente sonha. Sim, porque com a falta de empregos no país, só mesmo um milagre para se

conseguir trabalhar e ganhar dinheiro

E como o

... “pastor” promete conseguir tudo que desejamos, vamos encher os seus bolsos e suas contas bancárias, esperando que em breve todos os nossos problema sejam resolvidos!

Mary Schultze – Julho 2005 (Informações colhidas no “TBC This Week”, 12/01/04).

Capítulo 16

O dízimo do Velho Testamento, versus o dadivar do Novo Testamento

Introdução

A idéia de que todo crente é obrigado a dizimar (dar 10% da sua renda para a obra do Senhor) é largamente difundida nas igrejas evangélicas de hoje. Já bem cedo na vida espiritual, praticamente todo crente é ensinado que tem que dizimar. Algumas igrejas crêem tão fortemente em dizimar que seus membros regularmente recitam o Credo do Dizimista -- "O dízimo é do Senhor. Em a verdade, o aprendemos. Em a fé, o cremos. Em a alegria, o damos. O dízimo!" Outros [muitos] pregadores têm clamado que qualquer crente que não dá o dízimo para o trabalho do Senhor está roubando Deus e está sob maldição, de acordo com Malaquias 3:8-10.

Neste livrinho, examinaremos o que a [própria] Bíblia ensina sobre o assunto do dízimo, sendo nosso propósito entendermos [somente pela Bíblia] qual a [real] relevância que o dízimo tem para os crentes no Senhor Jesus Cristo, vivendo sob o Novo Pacto. Faremos isto examinando o que a [própria] Bíblia tem a dizer sobre o dízimo: 1) antes da Lei ser dada; 2) sob a Lei Mosaica; 3) nas Escrituras do Novo Testamento. [0]

1 - O dízimo, antes da Lei

Há duas passagens Bíblicas que falam de um dízimo sendo dado antes que a Lei fosse instituída no Sinai. As passagens envolvem Abraão e Jacó, dois dos patriarcas de Israel.

Gênesis 14:17-20: "E o rei de Sodoma saiu-lhe ao encontro (depois que voltou de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele) até ao Vale de Savé, que é o vale do rei. 18 E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e era este sacerdote do Deus Altíssimo. 19 E abençoou-o, e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra; 20 E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo. [Todas as citações são da Almeida Corrigida Fiel]"

Nesta passagem, somos ditos que Abraão deu um dízimo a Melquisedeque, presumivelmente como uma expressão de gratidão a Deus por capacitar-lhe e conceder-lhe resgatar seu sobrinho Ló, que tinha sido levado cativo. Aqueles que crêem que o dízimo é mandatório para os crentes do Novo Testamento argumentam que, uma vez que o dízimo foi praticado antes que a Lei Mosaica fosse dada, ele forçosamente também tem que ser praticado depois da Lei Mosaica (que tem sido feita obsoleta pelo estabelecimento do Novo Pacto, através do sacrifício de Cristo) (He 8:13). No entanto, antes que cheguemos a qualquer decisão dura e apressada, olhemos de mais perto o texto [acima] e façamos algumas observações pertinentes.

- Não há nenhuma evidência neste texto de que dizimar foi ordenado por Deus. De fato, tudo no texto nos leva a crer que dar o dízimo foi, completamente, uma decisão e [livre] escolha de Abraão. Como tal, foi completamente voluntária. Como veremos pouco depois em nosso estudo, o dízimo, na Lei, de modo algum era voluntário, mas sim obrigatório a todo o povo de Deus.

- Ademais, este é o único dízimo que as Escrituras mencionam que Abraão deu [em toda a sua vida]. Não temos nenhuma evidência de que dizimar era sua prática geral [habitual, constante].

- Ainda mais, este dízimo proveio do despojo da vitória que Abraão adquiriu por poderio militar. Como notaremos depois em nosso estudo, o dízimo exigido sob a Lei Mosaica era sobre o lucro da colheita, dos frutos e dos rebanhos, e para ser dado em uma base anual -- não o despojo de uma vitória militar!

Gênesis 28:20-22: E Jacó fez um voto, dizendo: Se Deus for comigo, e me guardar nesta viagem que faço, e me der pão para comer, e vestes para vestir; 21 E eu em paz tornar à casa de meu pai, o SENHOR me será por Deus; 22 E esta pedra que tenho posto por coluna será casa de Deus; e de tudo quanto me deres, certamente te darei o dízimo.

Jacó, nesta passagem, está fazendo um voto em resposta a uma visitação que recebeu de Deus, em um sonho. Neste sonho, Jacó viu uma escada alcançando o céu, com os anjos de Deus subindo e descendo por ela. No sonho, Deus estava de pé, acima da escada, e disse a Jacó " ... Eu sou o SENHOR Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque; esta terra, em que estás deitado, darei a ti e à tua descendência; 14 E a tua descendência será como o pó da terra, e estender-se-á ao ocidente, e ao oriente, e ao norte, e ao sul, e em ti e na tua descendência serão benditas todas as famílias da terra; 15 E eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta terra; porque não te deixarei, até que haja cumprido o que te tenho falado." (v. 13-15). Em resposta, Jacó fez o voto que, se Deus guardasse Sua promessa, ele, por sua vez, daria a Deus um dízimo. Novamente, em semelhança ao exemplo de Abraão, parece que este dízimo foi voluntário da parte de Jacó. Se ele de fato começou a dizimar [a Bíblia não o registra] depois que Deus cumpriu a promessa que lhe fez, Jacó ainda adiou o dizimar por 20 anos! [até depois da volta a Canaã.]

Estes dois são os únicos exemplos de dizimar que podem ser encontrados no Velho Testamento antes da Lei ser dada. Ambos são exemplos de algo voluntário, e nenhum desses dois dizimos foi pedido por Deus. Em nenhum dos personagens [Abraão e Jacó, que deram estes dois dízimos,] vemos um exemplo de dizimar como uma prática geral [habitual, constante] das suas vidas. De fato, na vida de Abraão, parece que temos um dízimo como algo que ele só deu uma única vez em sua vida, e foi [um dízimo] dos despojos de uma vitória militar, dado a um sacerdote de Deus [1]. Se nossa única evidência para obrigar crentes sob o Novo Pacto a dizimarem se apóia nestas duas passagens de Gênesis, parece-me que estamos nos apoiando em um fundamento muitíssimo inseguro!

2 - Dizimando, sob a Lei Mosaica

Que ensina a Bíblia sobre o dízimo sob a Lei Mosaica? Nesta seção do nosso estudo, examinaremos todas as passagens significantes que descrevam o dízimo sob a Lei, nas Escrituras.

Levítico 27:30-33: "Também todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do SENHOR; santas são ao SENHOR. 31 Porém, se alguém das suas dízimas resgatar alguma coisa, acrescentará a sua quinta parte sobre ela. 32 No tocante a todas as dízimas do gado e do rebanho, tudo o que passar debaixo da vara, o dízimo será santo ao SENHOR. 33 Não se investigará entre o bom e o mau, nem o trocará; mas, se de alguma maneira o trocar, tanto um como o outro será santo; não serão resgatados."

Note que, nesta passagem,

o dízimo

é descrito

como

sendo parte do produto da terra, da semente do campo, do fruto das árvores, do gado, e do rebanho. O dízimo

não era o dar dinheiro. Em local algum das Escrituras

você encontrará

que dizimar

era o dar dinheiro para

Deus. Ademais, o dízimo era provavelmente dado em uma

base anual.

Cada ano, depois que

a terra tinha sido

colhida,

as

pessoas

traziam

para os sacerdotes as

décimas partes de

suas colheitas

e do aumento na

manada e no rebanho [2]. Daí, penso que podemos imediatamente ver que nossa contribuição semanal (ou mensal) de dez por cento de nossa renda monetária difere muito da prática do dízimo que encontramos na Bíblia.

Números 18:21-24 ["O Dízimo para os Levitas"]: E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo ministério que executam, o ministério da tenda da congregação. 22 E nunca mais os filhos de Israel se chegarão à tenda da congregação, para que não levem sobre si o pecado e morram. 23 Mas os levitas executarão o ministério da tenda da congregação, e eles levarão sobre si a sua iniqüidade; pelas vossas gerações estatuto perpétuo será; e no meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão, 24 Porque os dízimos dos filhos de Israel, que oferecerem ao SENHOR em oferta alçada, tenho dado por herança aos levitas; porquanto eu lhes disse: No meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão”.

Note, neste texto, que o dízimo foi planejado para ser o sustento dos levitas. Uma vez que estes não tinham nenhuma herança [terra para atividade agro-pastoril] na Terra Prometida, tal como a tinham as outras tribos, Deus fez provisão para o sustento deles através do dízimo das outras famílias de Israel. De fato, em Números 18:31 somos ditos "E o comereis em todo o lugar, vós e as vossas famílias, porque vosso galardão é pelo vosso ministério na tenda da congregação." O dízimo foi o pagamento- recompensa que Deus supriu para os levitas, pelos seus serviços sacerdotais. Isto é similar ao sustento

que os funcionários do governo recebem hoje no nosso país, através dos impostos e taxas pagos pelo trabalhador comum.

Deuteronômio 14:22-27 ["O Dízimo para o Festival"]:

Certamente darás os dízimos de todo o fruto da tua

semente, que cada ano se recolher do campo. 23 E,

perante o SENHOR teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos

do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao SENHOR teu Deus todos os dias. 24 E quando o caminho te for tão comprido que os não possas levar, por estar longe de ti o lugar que escolher o SENHOR teu Deus para ali pôr o seu nome, quando o SENHOR teu Deus te tiver abençoado; 25

Então vende-os, e ata o dinheiro na tua mão, e vai ao lugar que escolher o SENHOR teu Deus; 26 E aquele dinheiro darás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante o SENHOR teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa; 27 Porém não desampararás o levita que está dentro das tuas portas; pois não tem parte nem herança contigo”.

Este texto fala de um dízimo sendo usado para prover as festas e festivais religiosos de Israel. Números 18:21 nos diz que Deus deu todo o dízimo em Israel para ser a herança para os Levitas. Se todo o dízimo foi dado aos Levitas, então como é que este dízimo (em Dt 14) é dito para ser usado para as festas e festivais religiosos de Israel? A resposta tem que ser que este é um segundo dízimo. O primeiro era usado para o sustento dos Levitas e o segundo para prover para os festivais religiosos, tanto assim que chegou a ser referido como "O Dízimo para o Festival". O povo de Israel devia usar este dízimo para

comer na presença do Senhor, em Jerusalém (o local que Ele escolheu para estabelecer seu nome). Se fosse demasiadamente incômodo para as pessoas de longe trazerem seus dízimos todo o caminho até Jerusalém, seria permitido que elas o vendessem e trouxessem o dinheiro [apurado] até Jerusalém, onde poderiam comprar aquilo de necessidade para os festivais. Deus expressamente encoraja as pessoas a gastarem o dinheiro deles em "tudo o que deseja a tua alma," incluindo bebida forte! ! [3] O propósito era que o povo de Israel pudesse aprender [ambas as coisas:] a temer o Senhor e a regozijar ante Ele. Note que ter um sentimento de temor do Senhor, e regozijar ante Ele, não são mutuamente exclusivos, mas, na realidade, são complementares, deveriam acompanhar um ao outro! Este "Dízimo Para o Festival" tornou possível ao povo de Israel ter toda a comida e bebida necessárias para que pudesse usufruir prazerosamente das festas religiosas de Israel, e adorar ante o Senhor.

Deuteronômio 14:28-29 ["O Dízimo para os Pobres"]:

Ao fim de três anos tirarás todos os dízimos da tua colheita no mesmo ano, e os recolherás dentro das

tuas portas;

29 Então virá o levita (pois

nem parte

nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão,

e

a viúva,

que estão dentro das tuas portas, e

comerão, e fartar-se-ão; para que o SENHOR teu Deus te abençoe em toda a obra que as tuas mãos fizerem”.

Aqui, somos ensinados a respeito de um terceiro dízimo que é coletado a cada terceiro ano. Os comentaristas Bíblicos estão divididos quanto a se este é realmente um terceiro dízimo, em separado, ou apenas é o segundo dízimo usado de um modo diferente, no terceiro ano. O historiador judeu Josephus apóia o ponto de vista de que este foi um terceiro dízimo, em separado. Outros antigos

comentaristas judeus têm escrito em apoio a que é [apenas] o segundo [tipo de] dízimo que, a cada três anos, era coletado e usado com outro fim. É impossível se determinar com absoluta certeza quem está certo. De

qualquer modo, o povo judeu tinha sido ordenado a dar pelo menos [10 + 10 =] 20 por cento das suas colheitas e rebanhos, e talvez tanto quanto [10 + 10 + 10/3] = 23.3

por cento!

Este

dízimo

particular

bem

poderia

ser

chamado "O Dízimo para os Pobres". Não devia ser ajuntado em Jerusalém, mas nas aldeias. As pessoas de cada aldeia deviam trazer uma décima parte de suas colheitas e rebanhos e ajuntar tudo, para prover os pobres da aldeia, incluindo os estrangeiros, os órfãos, e as viúvas.

Em muitos aspectos, parece que o dízimo exigido sob a Lei é hoje similar à taxação que o governo impõe sobre nós. Israel era governado por uma teocracia. Sob ela, o povo era responsável por prover para os trabalhadores do governo (os sacerdotes e os levitas em geral), para os dias santificados (festas de alegria ao Senhor), e para os pobres (estrangeiros, viúvas e órfãos).

Neemias 12:44: “Também no mesmo dia se nomearam homens sobre as câmaras, dos tesouros, das ofertas alçadas, das primícias, dos dízimos, para ajuntarem nelas, dos campos das cidades, as partes da lei para

os sacerdotes e para os levitas;” porque Judá estava alegre por causa dos sacerdotes e dos levitas que assistiam ali. Note que o texto diz que os dízimos eram exigências "da Lei".

Estes dízimos não eram voluntários como o foi nas vidas de Abraão e Jacó. Similarmente, lemos em Hebreus 7:5 "E os que dentre os filhos de Levi recebem o

sacerdócio

têm

ordem, segundo a lei,

de

tomar o

dízimo

do

é,

de seus

irmãos, ainda que

tenham

povo, isto saído

dos

lombos

de

Abraão."

[Indiscutivelmente] o dízimo nunca foi voluntário, sob a Lei de Moisés. Note, aqui, que, nos dias de Neemias, homens eram indicados para ajuntarem as ofertas e os dízimos em câmaras designadas para aquele propósito particular. Estas câmaras eram para os bens armazenados, e depois se tornaram conhecidas como "casas do tesouro". Isto se tornará importante quando olharmos para o nosso próximo texto, em Malaquias 3.

Malaquias 3:8-12:

“Roubará

o

homem

a

Deus?

Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te

roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. 9 Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me

roubais, sim, toda esta nação.

10 Trazei

todos os

dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento

na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz

o SENHOR dos Exércitos,

se

eu

não

vos abrir

as

janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção

tal até que não haja lugar suficiente para a

recolherdes.

11

E

por causa

de vós repreenderei o

devorador, e ele não destruirá

os frutos

da vossa

terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o

SENHOR dos Exércitos. 12 E todas

as nações vos

chamarão bem-aventurados; porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o SENHOR dos Exércitos”.

Examinemos esta passagem verso por verso, para que dela possamos extrair algumas importantes verdades.

3:8 Este

verso nos diz que quando um homem retém

seus dízimos ele está roubando, na realidade, a Deus. Isto porque ele está retendo algo que não lhe pertence, antes é propriedade de Deus. [4] Sob o Velho Pacto, o dízimo era mandatório, portanto retê-lo era se tornar um ladrão. Note também que Deus diz que o povo o estava roubando em dízimoS. Ele não disse no "dízimo", mas sim nos "dízimoS" (plural). Estes "dízimos" têm que se referir aos diferentes dízimos requeridos do povo de Deus

(o Dízimo para o Levita, o Dízimo para as Festas ao Senhor, e o Dízimo para os Pobres). Adicionalmente, observe que Deus não está condenando o reter apenas

dos dízimos, mas também das ofertas. Estas, sem dúvida, referem-se às ofertas especificadas em Levíticos 1-5, tais como a oferta queimada [holocausto], a oferta dos manjares, a oferta de paz, a oferta pelos pecados, e a oferta pelas culpas. Todas estas ofertas eram constituídas, principalmente, de sacrifícios de animais. O suprimento de comida e mantimento para os Levitas era provido, em grande parte, através destes sacrifícios de animais, dos quais os Levitas eram permitidos participar [comendo-os], em certos casos. Uma importante pergunta emerge a este ponto. Por que é que reconhecemos que o sacrifício de animais não é coisa para o Novo Pacto, mas

dizemos que

o

dízimo

o

é?

Se

estivéssemos

sob

a

obrigação

de

pagar dízimos

hoje,

então, certamente,

 

ainda

estaríamos obrigados a oferecer sacrifícios de

 

animais. Deus amarrou um ao outro (os dízimos e os sacrifícios), e disse que Seu povo O estava roubando por reter a ambos. Não podemos decidir "pegar e escolher" qual dos dois ofereceremos a Deus, hoje. Das duas uma:

[a] estamos sob a obrigação de oferecer ambos, tanto dízimos como ofertas de animais (sacrifícios), ou [b] ambos [dízimo e sacrifício] têm sido abolidos pela ab- rogação da Lei Mosaica.

3:9 Aqui, somos ditos que, como o povo de Israel estava retendo os dízimos e ofertas, conseqüentemente estava amaldiçoado com uma maldição. Note que o verso não diz "Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda a humanidade." Ao contrário, diz "Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me

roubais, sim, toda esta nação." Se dizimar fosse um mandamento moral e eterno para todos os povos de todos os tempos, então todos estes estariam sob maldição. Mas nosso texto somente diz que é toda nação de Israel que

(o Dízimo para o Levita, o Dízimo para as Festas ao Senhor, e o Dízimo para

estava sob a maldição. Agora, o que é interessante sobre esta "maldição" é que, em Deuteronômio 28, somos ditos que se Israel, sob a Lei Judaica, desobedecesse os mandamentos de Deus, então a nação seria amaldiçoada.

Note os seguintes textos: Deuteronômio 28:18 "Maldito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e as crias das tuas vacas, e das tuas ovelhas. 23 E os teus céus, que estão sobre a cabeça, serão de bronze; e a terra

que está debaixo de ti, será de ferro. 24 O SENHOR dará por chuva sobre a tua terra, pó e poeira; dos céus descerá sobre ti, até que pereças. 38 Lançarás muita semente ao campo; porém colherás pouco, porque o gafanhoto a consumirá. 39 Plantarás vinhas, e cultivarás; porém não beberás vinho, nem colherás as uvas; porque o bicho as colherá. 40 Em todos os termos terás oliveiras; porém não te ungirás com azeite; porque a azeitona cairá da tua oliveira. E todas estas maldições virão sobre ti, e te perseguirão, e te alcançarão, até que sejas destruído; porquanto não ouviste à voz do SENHOR teu Deus, para guardares os seus mandamentos, e os seus estatutos, que te tem ordenado;" (Dt 28:18, 23-24, 38-40, 45). Nestes versos, Deus adverte que, se o Seu povo desobedecesse os Seus mandamentos e estatutos, então as ceifas dele falhariam, as chuvas não viriam, as colheitas seriam pequenas, a locusta [tipo de grilos ou gafanhotos] consumiria a comida, e o fruto das árvores falharia.

3:10 Nesta passagem, Deus fala da "casa do tesouro". Com base em Neemias 12:44, sabemos que isto se refere às câmaras no Templo, postas à parte e designadas para guardar os dízimos dados pelo povo para o sustento dos sacerdotes [e a todos os demais levitas]. Não existe sequer um fiapo de evidência de que devemos associar estas "casas do tesouro" aos prédios das igrejas para os quais os crentes do Novo Pacto devem trazer seus dinheiros.

Ademais, a razão pela qual Israel devia trazer todos os dízimos para dentro da casa do tesouro era que houvesse [bastante] alimento na casa de Deus. Deus estava interessado em que os levitas tivessem comida para comer. Este era o propósito daqueles dízimos que eram trazidos para o Templo de Deus. Somos ditos, também, que se o povo de Deus fosse fiel em trazer seus dízimos para a casa do tesouro, Deus abriria as janelas do céu e derramaria para eles uma bênção até que transbordasse. Isto sem dúvidas refere-se à promessa de Deus de trazer abundantes chuvas para produzir a bênção de uma transbordante ceifa.

3:11 Neste verso, Deus promete que se Israel trouxer os dízimoS [e as ofertaS], Ele repreenderá o devorador para que não destrua o fruto da terra. Sem dúvidas, o "devorador" é uma referência às locustas que Deus

adverte que virão sobre

os campos de

Israel se

o povo

falhar em trazer o dízimo (Dt 28:38; vide acima).

3:12 Neste verso, Deus graciosamente promete que, se Israel for obediente no dar os seus dízimoS e ofertaS, todas as nações a chamarão abençoada. É interessante que Deus não apenas advertiu Israel de que seria amaldiçoada se desobedecesse a Lei Mosaica, mas também prometeu que seria abençoada se a obedecesse.

Note estes textos, "1 ¶ E será que, se ouvires a voz do SENHOR teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que eu hoje te ordeno, o SENHOR teu Deus te exaltará sobre todas as nações da terra. 2 E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a voz do SENHOR teu Deus;” (Dt 28:1- 2). 4 Bendito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e o fruto dos teus animais; e as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas. 8 O SENHOR mandará que a bênção [esteja] contigo nos teus celeiros, e em tudo o que puseres a tua mão; e te abençoará na terra que te

der o SENHOR teu Deus. 11 E o SENHOR te dará abundância de bens no fruto do teu ventre, e no fruto dos teus animais, e no fruto do teu solo, sobre a terra que o SENHOR jurou a teus pais te dar. 12 O SENHOR te abrirá o seu bom tesouro, o céu, para dar chuva à tua terra no seu tempo, e para abençoar toda a obra das tuas mãos; e emprestarás a muitas nações, porém tu não tomarás emprestado." (Dt 28:1-2, 4, 8, 11-12).

Aqui, Deus prometeu abençoar Israel materialmente, se ela fosse obediente. A promessa inclui abundantes colheitas, copiosas chuvas, e grandes aumentos nas manadas e nos rebanhos.

Portanto, é minha convicção que as bênçãos e maldições escritas em Malaquias 3:8-12 referem-se às bênçãos materiais que Deus prometeu a Israel, se ela obedecesse seus mandamentos e estatutos. Dizimar foi um destes mandamentos.

Portanto, que podemos concluir sobre o dízimo, sob a Lei Mosaica? Penso que, com segurança, podemos concluir que o dízimo não tinha nada a ver com o dar dinheiro regularmente, numa base semanal ou mensal, mas, ao contrário, tinha a ver com a adoração a Deus conforme ordenada no tempo do Velho Pacto. O mandamento para dizimar, tal como os mandamentos para não comer camarão nem ostras, tornou-se obsoleto e foi colocado de lado, pela inauguração do Novo Pacto, na morte de Cristo. O dízimo foi o sistema de impostos e taxas ordenado por Deus sob o sistema teocrático do Velho Testamento.

Se alguém deseja dizimar realmente [literalmente] de acordo com as Escrituras, teria que fazer o seguinte:

1) Deixar seu trabalho e comprar uma terrinha, de modo que possa criar seu gado e plantar e colher [grãos, verduras e frutas].

2) Encontrar algum descendente de Leví, para sustentá- lo [e este a um descendente do levita Arão (que realmente seja sacerdote, no Templo, em Jerusalém)].

3) Usar suas colheitas para observar as festas religiosos do Velho Testamento (tais como Páscoa, Pães Asmos, Pentecostes, Tabernáculos) [quando, como e onde Deus

ordenou.

Literalmente];

4) Começar por dar pelo menos 20 por cento de todas as

suas colheitas e rebanhos a Deus; e

5) Esperar que [com toda certeza] Deus amaldiçoe sua nação [em oposição ao próprio crente] com [grande] insuficiência material, se ela for infiel, ou a abençoe com [grande] abundância material, se for fiel.

Penso que

todos

nós

concluiríamos

que

isto

é

completamente absurdo! Todos reconhecemos que Cristo tem abolido o sacerdócio levítico, os sacrifícios de animais, e as festas religiosas, em Cristo. Bem, se isto é verdade, por que estamos tentando segurar [i.é manter] o dízimo, que foi parte e parcela de todas essas ordenanças do Velho Testamento?

3 - Dizimando, no Novo Testamento

A coisa mais interessante sobre o conceito de dizimar,

debaixo do Novo Testamento,

é

que

é

quase

que

virtualmente

ausente.

No

NT

[somente] quatro

diferentes passagens

que

fazem

alguma

menção

ao

dízimo. [Examinemo-las.]

 

Mateus 23:23:

"Ai

de

vós,

escribas

e fariseus,

hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas."

Esta passagem em Mateus é também repetida de uma forma similar em Lc 11:42. Em ambos os casos é importante notar que o dízimo tinha a ver com ervas que serviam de condimentos e eram cultivadas no quintal (o produto do campo), ao invés de ter a ver com dinheiro. Adicionalmente, Jesus falou estas palavras aos fariseus, que eram muito religiosos e guardadores da Lei, e o fez enquanto a Lei ainda estava em vigor. Dizer que, uma vez que Jesus falou a estes fariseus que deviam dizimar, isto força que também nós devemos dizimar, ignora o fato que aqueles fariseus viviam sob pacto e leis diferentes daqueles de um salvo do Novo Testamento. Cristo, através da sua morte, inaugurou o Novo Pacto, assim efetivando uma mudança na Lei (Lc 22:20; He 7:12) [Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós. (Lucas 22:20) Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. (Hebreus 7:12)]. Finalmente, notemos que o dízimo aqui mencionado não foi voluntário em nenhum sentido da palavra. Jesus lhes diz que "deveis" [tendes o dever de] dizimar. [O dízimo] era mandamento, ordem para todos os judeus e, assim, era obrigatório.

Lucas 18:12: "Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo."

Jesus, nesta passagem, está ensinando a parábola acerca do fariseu e do cobrador de impostos. Cristo põe estas palavras na boca do fariseu que se via a si mesmo como justo: "dou os dízimos de tudo quanto possuo." Cristo está enfatizando [não o dever do crente neo-testamentário pagar o dízimo mosaico aos levitas, mas] que o homem se vê a si mesmo como justo, confia em suas obras para ser aceitável ante Deus, todavia, a despeito do melhor que faça, não é justificado ao olhos de Deus. Repetimos:

Cristo está falando acerca de um fariseu que dá o dízimo, ao tempo em que vivia sob a Lei Mosaica, não de um crente [da Dispensação da Igreja] dizimando sob o Novo Pacto.

Hebreus 7:1-10: "1 ¶ Porque este Melquisedeque, que era rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou; 2 A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz; 3 Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre. 4 Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos. 5 E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão. 6 Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas. 7 Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. 8 E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive. 9 E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. 10 Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro."

Nesta longa passagem, o objetivo do autor é mostrar a superioridade do sacerdócio de Cristo sobre o sacerdócio levítico e, portanto, exortar seus leitores para não retornarem às suas formas judaicas de adorar, repletas com seus sacerdócio, Templo e sacrifícios. O autor menciona o relato de Abraão pagando dízimos a

Melquisedeque, [somente para o autor] mostrar que, desde que Levi estava nos lombos do patriarca Abraão, na realidade Levi pagou dízimos a Melquisedeque e foi

abençoado por ele. Uma vez que é óbvio que o menor é

sempre abençoado pelo maior, Melquisedeque e seu

sacerdócio são maiores que os levitas

e o sacerdócio

deles. Aqui, o autor de Hebreus não está mais que

reafirmando o fato que Abraão pagou dízimos a

Melquisedeque, um fato que já temos analisado [acima].

Esta passagem

não

está

exortando

os

crentes

[neo

 
 

testamentários] a darem [o dízimo] como Abraão o fez

 

[mesmo que só do despojo de guerra

e só uma vez na

 

vida]. Ao contrário,

 

está

instruindo

os

crentes

a

 

perceberem a excelência de Cristo, o qual ministra como

 

um sacerdote muitíssimo superior aos levitas. Portanto, esta passagem não pode ser usada para forçar o dízimo sobre os cristãos. Simplesmente, ela não foi escrita para

tratar deste

assunto. Ela não

tem nada

a

ver

com

cristãos dadivando das suas

rendas para

Deus

e

sua

 
 

com

a

obra, mas, ao contrário, tem tudo a ver superioridade de Cristo.

 

Bem,

você

tem

a

totalidade

do

ensino

do

Novo

 

Testamento sobre o dízimo. Não há nem sequer uma, uma só palavra em todo o Novo Testamento que ordene ou mesmo sugira que se espera que crentes, dentro do Novo Pacto, dizimem. Mas, enquanto o Novo Testamento fica em total silêncio sobre o dever dos cristãos dizimarem, não o fica sobre o assunto de dadivar, sobre isto o NT fala muito e muito alto.

O Novo Testamento nunca estipula um certo valor percentual como um padrão obrigatório e exigido para nossas contribuições. Ao contrário, as Escrituras declaram: "Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria." (2Cor 9:7). O dízimo

do Velho Testamento foi exigência legal. Os judeus estavam sob obrigação de dá-lo. O ensino do Novo Testamento sobre o contribuir focaliza o seu caráter voluntário "Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram

voluntariamente." (2Co 8:3). Esta contribuição voluntária é exatamente o que Abraão e Jacó estavam praticando antes da instituição da Lei, e é o que todos os

cristãos devem estar praticando hoje. Os crentes de hoje têm a liberdade de dadivar tanto quanto decidam. Se quiserem dar dez por cento como Abraão e Jacó o fizeram [já vimos a ocasião e através de quem o fizeram], eles estão perfeitamente livres para tal. No entanto, se decidirem dar 9 por cento ou 11 por cento ou 20 por cento ou 50 por cento, então podem muito bem fazê-lo. O padrão de suas contribuições não é uma percentagem fixa, mas o exemplo de um maravilhoso Salvador --

"Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre;

para que pela sua pobreza enriquecêsseis." (2Co 8:9). Nosso [exemplo-] padrão de contribuir é o próprio Cristo, o qual não deu 10 por cento nem 20 por cento nem mesmo 50 por cento, mas 100 por cento! Ele deu tudo que tinha, inclusive sua própria vida, para redimir homens e mulheres pecadores como eu e como você!

Algumas vezes aqueles que são ricos sentem que, se pagarem apenas seus dez por cento, Deus estará alegre com eles. No entanto, um rico que dá [apenas] dez por cento de seus rendimentos pode na verdade desagradar a Deus, se estiver vivendo uma vida de luxo extravagante enquanto dá [talvez mesmo de má vontade] uma mera "ração de fome" para a obra de Deus e para as necessidades dos outros. A vontade de Deus em relação a este homem pode ser que dadive de 50 a 80 por cento de seus rendimentos, ao invés de 10 por cento. Cada pessoa

deve buscar a Deus sobre o [quanto e o] como ela deve dadivar.

Ademais, aqueles que são pobres não devem se sentir culpados se não forem capazes de dar dez por cento de seus rendimentos. É verdade que Deus honrará o homem que dá sacrificialmente, mas se uma pessoa decide que não pode dar dez por cento dos seus rendimentos e ainda assim satisfazer as necessidades mais básicas [suas e de sua família], nós temos que permiti-lo aquela liberdade, sem julgá-lo. Afinal, em lugar nenhum Deus falou aos cristãos que é dever deles dar qualquer percentagem fixa.

deve buscar a Deus sobre o [quanto e o] como ela deve dadivar. Ademais, aqueles que

Que o efeito deste estudo seja libertar-nos dos grilhões das tradições dos homens que não possam ser

substanciadas pela Palavra de Deus (Mar 7:1-13) [

...

7

Em vão, porém, me honram, Ensinando doutrinas que são mandamentos de homens. 8 Porque, deixando o mandamento de Deus, retendes a tradição dos

homens; como o lavar dos jarros e dos copos;

9 E

... dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus

para guardardes a vossa

tradição. ...

13 Invalidando

assim a palavra de Deus pela vossa tradição, que vós

ordenastes.

...

].

Olhai para Jesus como o padrão e

exemplo do vosso contribuir. Procurai a Deus diligentemente, sede generosos e prontos a compartilhar, para que entesoureis para vós mesmos o tesouro de uma boa fundação para o futuro, de modo que alcanceis aquela que é a verdadeira vida! (1 Tim 6:18-19) [18 Que façam bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis; 19 Que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam alcançar a vida eterna].

4 - Dadivando, no Novo Testamento

Se é verdade que dizimar foi parte da adoração de Israel no Velho Testamento, e que não tem nenhuma injunção

prática sobre os crentes do Novo Testamento, então vem à tona, naturalmente, a pergunta "Que é que o Novo Testamento realmente ensina sobre o dar das nossas rendas [a Deus]?" Seguramente, o local de partida para os crentes do Novo Pacto começarem a entender qual é a revelada vontade de Deus para o dadivar deles, está nas Escrituras do Novo Testamento. É exatamente para lá que eu gostaria de lhe levar, para juntos examinarmos a vontade de Deus para o dadivar do [verdadeiro] cristão.

4.1 - o quanto do nosso dadivar

Uma vez que já temos estabelecido que o dízimo não é o padrão para crentes na Nova Aliança, como então determinarmos quanto os [verdadeiros] cristãos devem contribuir? Examinemos três diferentes textos, para colhermos, com esforço e cuidado, algum [real e profundo] entendimento sobre este importante assunto.

1 Coríntios 16:1-2: "1 ¶ Ora, quanto à coleta que se faz para os santos, fazei vós também o mesmo que ordenei às igrejas da Galácia. 2 No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder ajuntar, conforme a sua prosperidade, para que não se façam as coletas quando eu chegar."

Em nosso texto, o apóstolo Paulo dá direções à igreja de Corinto: é em proporção ao quanto [cada um] tem prosperado que eles devem dar na coleta para os santos em Jerusalém, [os quais estão] em grande pobreza [e passando por enormes aflições]. Embora não exista nenhuma menção dos santos em Corinto darem um dízimo [ou qualquer outra percentagem imposta], eles são instruídos a darem proporcionalmente à sua prosperidade. O ponto em foco é simples -- aqueles com

mais dinheiro dêem mais, aqueles com menos dinheiro, podem dar menos. Nada mais claro nem mais simples.

Atos 11:27-30: "

...

29 E os discípulos determinaram

mandar, cada um conforme o que pudesse, socorro "

aos irmãos que habitavam na

Judéia. ...

Note, na narrativa, que foi proporcionalmente aos seus meios que os irmãos em Antioquia dadivaram para os irmãos que sofriam na Judéia. Em outras palavras, deram de acordo com suas capacidades. Aqueles com mais dinheiro deram mais, aqueles com menos dinheiro deram menos. Nada mais claro nem mais simples.

2 Coríntios 9:7: "Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria."

Aqui, Paulo dá direções à igreja, para que dêem aquilo que têm proposto em seus corações. Note que o apóstolo não lhes diz quanto dar, nem lhes impõe uma percentagem fixa como padrão. Ele simplesmente lhes diz que, o que quer que tenham decidido dadivar, devem ir em frente e [efetivarem o] dadivar. Muitas vezes, no instante em que vemos uma necessidade, determinamo- nos a dar uma certa quantia, mas depois, quando o tempo de dar nos alcança, somos tentados a voltar atrás [ou ficar aquém]. Paulo ensina que devemos ser fiéis em fazer o bem segundo o que já tínhamos proposto em nosso coração. Mas note igualmente que o apóstolo Paulo deixa o valor a critério dos Coríntios. Não devemos permitir que outras pessoas [indevidamente] nos manipulem ou nos intimidem [psicologicamente ou de qualquer outra forma, levando-nos] a dar por um sentimento de culpa ou de pressão. Tem que não haver nenhuma compulsão [externa] em nosso dar; o valor tem que ser nossa própria decisão.

Estes textos do Novo Testamento nos ensinam que Deus

deixa

a

nós o decidirmos

sobre

o

valor

das nossas

contribuições. [Sim,] devemos dar em proporção aos

nossos meios

e

a

como

Deus

nos tem

prosperado;

...

mas, ao final, somos livres para darmos aquilo que temos

 

o desejo de dar. Quão libertador isto é, quando

consideramos

as

táticas

manipulativas

de

arrancar

dinheiro que muitas igrejas de hoje tão freqüentemente

 

usam. Tenho estado em igrejas

onde os líderes são

induzidos a tomar empréstimos de mil ou dois mil dólares [22 a 44 salários mínimos brasileiros] [cada líder,] [para dar oferta extra à igreja, em certas campanhas]. Foram ditos que, se não derem [o estipulado], a obra de Deus fracassará. Os membros da congregação são pressionados a escrever e telefonar para parentes, pedindo dinheiro. Há campanhas pressionando para promessas [assinaturas de carnês, notas promissórias e outros documentos morais e legais] e para o fundo de construção, com grandes gráficos coloridos. À medida que o tempo passa, [todos] são pressionados a dar mais e mais. Permita-me submeter-lhe que tudo isto corre em direção contrária aos ensinos do Apóstolo em 2Co 9:7 [ver acima]. A vontade de Deus é que, quando vemos uma necessidade, oremos ferventemente por direção sobre como podemos satisfazer aquela necessidade. Então, com base na nossa situação financeira, dadivamos com um coração prazeroso e alegre.

4.2 - o propósito do nosso dadivar

A quais tipos de necessidades devemos usar nosso dinheiro para satisfazer? Será que o Novo Testamento nos dá alguma luz sobre este importante assunto? Creio que as Escrituras são muito claras nesta área. O Novo Testamento ensina que há três propósitos para nosso dadivar:

1. Satisfazer as necessidades dos santos:

Este tema é como um fio que

vai através de

[toda] a

Escritura. Consideremos alguns textos:

Atos 2:44-45 "44 E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. 45 E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister." O espírito de amor e generosidade era tão grande, na igreja primitiva, que os crentes, de própria vontade e alegremente, abriram mão de suas próprias propriedades e possessões, para ministrarem às necessidades dos outros santos. Eles chegaram mesmo ao ponto de vender suas terras e casas para tomarem conta um do outro” (Atos 4:34).

1

João 3:17

"Quem, pois,

tiver

bens

do mundo, e,

vendo o seu irmão necessitado, lhe cerrar as suas entranhas, como estará nele o amor de Deus?"

Gálatas 6:9-10 "9 E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido. 10 Então, enquanto temos tempo, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé." Embora o "façamos bem" não seja claramente definido, seguramente incluiria o dadivar para satisfazer as necessidades dos domésticos da fé.

Em adição a estes claros textos, lemos também, em Mt 25:31-40, que, quando Cristo voltar, separará as ovelhas dos bodes. As ovelhas são descritas como aqueles que alimentaram Cristo quando ele estava faminto, deram-lhe de beber quando estava sedento, vestiram-no quando estava nu. Quando as ovelhas replicam: "Senhor, quando

e te demos de comer?

e te demos de beber? 38

e

... te hospedamos?

... e te vestimos? 39

... e fomos ver-te?"

... Cristo responde " Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes." Aqui, Jesus nos diz claramente que quando

...

usamos nosso dinheiro para vestir e alimentar os irmãos

de Cristo (crentes, de acordo com Mt 12:50 ["

...

qualquer

que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é

meu irmão, e irmã e mãe."]), estamos ministrando a ele.

Ademais, 1Tm 5:16 ["

para que se possam sustentar

... as que deveras são viúvas."] dá instruções sobre como a

igreja deve sustentar viúvas desvalidas. Ainda mais, temos visto, nos textos já citados, as muitas exortações do apóstolo Paulo para dadivar aos santos pobres em Jerusalém. Portanto, é bastante claro que uma das prioridades do dadivar no Novo Testamento é satisfazer as necessidades dos santos.

2. Satisfazer as necessidades dos obreiros cristãos:

Além de usarmos nosso dinheiro para satisfazer as necessidades dos nossos irmãos e irmãs em Cristo, as Escrituras também nos levam a usar nosso dinheiro para sustentar os que trabalham na obra do Senhor. Consideremos as seguintes passagens:

1 Timóteo 5:17-18: "17 ¶ Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina; 18 Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário."

Neste texto, "honra" tem que significar mais que [meras]

estima e respeito, pois, no verso 3 do mesmo capítulo, Paulo manda a Timóteo "Honra as viúvas que

verdadeiramente

são

viúvas."

Honrar

estas

viúvas

é

prover

para elas (v. 8) e assisti-las (v. 16). Portanto,

quando Paulo menciona "honrar"

os

anciãos

que

trabalham duramente na pregação e ensino [da Palavra],

imediatamente

depois

que

ele

mencionou

honrar

as

viúvas, Paulo tem que

ter a mesma coisa em mente

-- prover e assistir aos anciãos financeiramente, de modo

que possam se dedicar ao trabalho de labutarem na Palavra. Um ancião ensinador é como um boi que deve ser permitido comer enquanto está debulhando. Em outras palavras, deve ser sustentado e cuidado enquanto está trabalhando com todo esforço. Ele também é como um operário, o qual é digno de seu salário. A uniforme prática apostólica do Novo Testamento foi a de apontar anciãos para superintenderem as igrejas que os apóstolos plantavam. Paulo simplesmente está dirigindo as igrejas a proverem e assistirem financeiramente estes anciãos, de modo que possam dar seu tempo à tarefa de ministrarem ao rebanho.

1 Coríntios 9:6-14 "6 Ou só eu e Barnabé não temos direito de deixar de trabalhar? 7 Quem jamais milita à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta o gado e não se alimenta do leite do gado? 8 Digo eu isto segundo os homens? Ou não diz a lei também o mesmo? 9 Porque na lei de Moisés está escrito: Não atarás a boca ao boi que trilha o grão. Porventura tem Deus cuidado dos bois? 10 Ou não o diz certamente por nós? Certamente que por nós está escrito; porque o que lavra deve lavrar com esperança e o que debulha deve debulhar com esperança de ser participante. 11 Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito que de vós recolhamos as carnais? 12 Se outros participam deste poder sobre vós, por que não, e mais justamente, nós? Mas nós não usamos deste direito; antes suportamos tudo, para não pormos impedimento algum ao evangelho de Cristo. 13 Não sabeis vós que os que administram o que é sagrado comem do que é do templo? E que os que de contínuo estão junto ao altar, participam do altar? 14 Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho."

Nesta passagem Paulo está clamando que os apóstolos

tinham

todo

o

direito

de

trabalhos seculares

e

todo

abster-se

o

direito

de

de

[viverem

de]

receberem o

sustento material daqueles a quem serviam. De fato, Paulo assevera que o Senhor mandou àqueles que proclamam o evangelho que obtenham seu viver do evangelho.

Filipenses 4:15-18 "15 E bem sabeis também, ó filipenses, que, no princípio do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja comunicou comigo com respeito a dar e a receber, senão vós somente; 16 Porque também uma e outra vez me mandastes o necessário a Tessalônica. 17 Não que procure dádivas, mas procuro o fruto que cresça para a vossa conta. 18 Mas bastante tenho recebido, e tenho abundância. Cheio estou, depois que recebi de Epafrodito o que da vossa parte me foi enviado, como cheiro de suavidade e sacrifício agradável e aprazível a Deus."

Neste texto o apóstolo declara expressamente que a dádiva que os filipenses lhe haviam enviado foi um fragrante aroma, um sacrifício aceitável, e foi agradável a Deus. O próprio Deus nos tem dado sua aprovação para usarmos nosso dinheiro para sustento de fiéis obreiros cristãos. Portanto, é importante que o povo de Deus utilize seus recursos financeiros para sustentar obreiros cristãos, quer sejam anciãos de uma igreja local, ou evangelistas itinerantes, ou missionários.

3. Satisfazer as necessidades dos pobres:

Em adição ao uso do nosso dinheiro para satisfazer às necessidades dos santos e dos obreiros cristãos, as Escrituras também nos mandam usar nosso dinheiro na satisfação das necessidades dos pobres. Considere os seguintes textos:

Lucas

12:33-34

"33

Vendei

o

que

tendes,

e

dai

esmolas. Fazei

para

vós

bolsas

que

não

se

envelheçam;

tesouro

nos

céus

que

nunca

acabe,

aonde não chega ladrão e a traça não rói. 34 Porque,

onde estiver o vosso tesouro, ali estará vosso coração."

também o

Efésios 4:28 "Aquele que furtava, não furte mais;

antes trabalhe, fazendo com as mãos o que

é bom,

para

que tenha

o

necessidade."

que repartir

com

o

que tiver

Aqui a pessoa que sofre a necessidade não é identificada como crente, mas presumivelmente pode ser qualquer um padecendo privação.

Tiago 1:27 "A religião

pura e imaculada para com

Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas

suas tribulações, e guardar-se mundo."

da

corrupção

do

Visitar órfãos e viúvas em suas necessidades tem que significar mais que fazer-lhes uma mera visitinha social. Está implícita, na declaração, a idéia de ajudar estes órfãos e viúvas, o que, sem dúvidas, requereria dadivar sacrificalmente.

Como temos visto, podemos desta maneira sumariar o ensino do Novo Testamento sobre o propósito do dadivar –

  • [a] satisfazer as necessidades dos santos,

  • [b] satisfazer as necessidades dos obreiros cristãos, e

  • [c] satisfazer as necessidades dos pobres.

Note que o dadivar, no Novo Testamento, é sempre para satisfazer as necessidades das pessoas. É interessante

que aquela coisa na qual a igreja na América gasta a maior parte do seu dinheiro, depois de pagar o salário do seu pessoal, não é de modo algum mencionada [no Novo Testamento] -- prédios da igreja! A Bíblia simplesmente não fala de [nenhuma] igreja entrando em débito para comprar [ou construir] caros prédios, pela simples razão de que a igreja primitiva não se reunia em prédios especiais. Eles se reuniam em casas. Assim, não havia despesa "não estrita e diretamente com o evangelho e com pessoas" [tal despesa], só faria drenar a energia e as finanças da igreja. Desta maneira, todas as dádivas do povo de Deus podiam ir diretamente para satisfazer as necessidades de pessoas.

Incidentalmente, não há nas Escrituras nada de que eu tenha conhecimento e que exija que todo nosso dadivar ao Senhor tem que ser primeiramente entregue aos líderes da igreja, e depois distribuídos por eles [conforme eles o prefiram]. De fato, creio que algumas das nossas dádivas devem ser feitas diretamente de pessoa para pessoa, para preservarmos o anonimato (Mt 6:1-4). É, razoável, portanto, colocar de lado (em casa ou numa conta bancária separada e especial) uma parte da sua dádiva total, de modo que, quando uma necessidade especial ou uma emergência surgir, tenhamos alguns recursos financeiros de que possamos sacar para satisfazer aquela necessidade.

4.3 - o modo do nosso dadivar

Além de nos iluminar sobre

o propósito do nosso dadivar, as Escrituras nos ensinam

e

o

valor

total

sobre

diversas coisas sobre como devemos dadivar. 1. Devemos dadivar anonimamente:

Em Mateus

6:1-4 [1 ¶ Guardai-vos

de

fazer a vossa

esmola diante dos homens, para serdes vistos por

eles; aliás, não tereis galardão junto de vosso Pai, que está nos céus. 2 Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. 3 Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita; 4 Para que a tua esmola seja dada em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, ele mesmo te recompensará publicamente.

Jesus nos ensina a dadivar em segredo, para que aquele que vê em segredo nos recompense. Este tipo de dadivar é preferível pois protege o dadivador de orgulho espiritual. Quando você quiser dar uma dádiva a alguém, procure maneiras de satisfazer a necessidade que você percebeu, sem que o beneficiário jamais saiba quem deu o dinheiro [5].

2. Devemos dadivar voluntariamente (por nossa vontade, com amor):

2 Coríntios 8:3-4 diz "3 Porque, segundo o seu poder

(o que eu mesmo testifico)

e ainda acima

do seu

poder, deram voluntariamente. 4 Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos."

Somos aqui ensinados que as igrejas da Macedônia deram de suas próprias vontades. Ninguém os estava

manipulando [emocional e psicologicamente], nem lhes torcendo o braço [obrigando-os]. Em 2Cor 9:7 Paulo diz "Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus

ama ao que dá com alegria." Se não devemos dadivar com tristeza ou sob compulsão [externa], então devemos dadivar voluntariamente [de ânimo pronto, com prazer e

alegria]. Deus quer que nosso dadivar provenha do nosso coração. Ele quer que dadivemos porque temos todo o desejo de fazê-lo.

3. Devemos dadivar expectativamente:

Quando dadivamos, devemos esperar que Deus nos abençoe nesta presente vida. Consideremos os ensinos do apóstolo Paulo.

2 Coríntios 9:6 "E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará."

Quando alguém semeia por girar seu braço e espalhando abundantemente as sementes com a mão aberta, parece que está apenas jogando fora bom grão. Mas, se ele firmemente prendesse as sementes na sua mão [não

deixando nenhuma escapar], ou se apenas jogasse uma ou duas sementes, teria uma ceifa muito pequena. Assim também com o dadivar do crente. Se não dermos nada ou se dermos muito pouco, só podemos esperar muito poucas bênçãos. Mas, se dermos com uma mão aberta e generosa, podemos esperar que colhamos abundantemente. John Bunyan disse uma certa vez: "Um santo nunca dizia 'esta moeda é minha', e, quanto mais ele dadivava, mais ele tinha." Muitos têm torcido 2Cor 9:9 como se ensinasse que Deus quer que dadivemos tendo, dentro de nós mesmos, o objetivo de recebermos. Este tipo de ensino apela para a carne, e faz crescer um espírito de avareza e cobiça nos crentes. Mas, ao contrário disto, Paulo nesta passagem está ensinando que devemos dadivar com o objetivo de recebermos mais para podermos dadivar [ainda] mais. Vejamos como Paulo expressa isto, nos versos 8-11: "8 E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, A FIM DE QUE, tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a boa obra; 9 Conforme está

escrito: Espalhou, deu aos pobres; A sua justiça permanece para sempre. 10 Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça; 11 Para que em tudo enriqueçais PARA toda a beneficência, a qual faz que

por nós se dêem graças a Deus." Notemos, nesta passagem, que Paulo está asseverando que Deus abençoará o dadivador generoso fazendo toda a graça abundar sobre ele, para que, em conseqüência, este tenha uma abundância para toda boa obra. Ademais, Deus promete multiplicar a semente do dadivador para semear e [promete] aumentar a colheita de sua retidão. Estas passagens sem dúvida alguma apontam para o fato de que Deus abençoa aqueles que dadivam, de modo que possam dar ainda mais. Uma vez que Deus é o maior dadivador de todos, devemos nos esforçar para sermos na semelhança dele. E a única maneira de podermos ser maiores dadivadores no futuro é começarmos a dar generosamente agora! É muito interessante que isto seja exatamente o que os Provérbios de Salomão nos ensinam, embora tenham sido escritos centenas de anos antes.

Provérbios 19:17 "Ao SENHOR empresta o que se compadece do pobre, Ele lhe pagará o seu benefício."

Provérbios 11:24-25 "24 ¶ Ao que distribui mais se lhe acrescenta, e ao que retém mais do que é justo, é para a sua perda. 25 ¶ A alma generosa prosperará e aquele que atende também será atendido."

Em adição, também devemos esperar que Deus nos abençoará na vida futura. Se há uma coisa que a Bíblia deixa muito clara é que, quando dadivamos, estamos entesourando para nós mesmos tesouros no céu. Note a ênfase nos tesouros celestiais, futuros, nas seguintes passagens:

Mateus 6:19-21 "19 ¶ Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; 20 Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. 21 Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração."

Lucas 12:33 "Vendei o que tendes, e dai esmolas. Fazei para vós bolsas que não se envelheçam; tesouro nos céus que nunca acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói."

1 Timóteo 6:18-19 "18 Que façam bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis; 19 Que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam alcançar a vida eterna."

Em todas estas passagens (quer dirigidas aos discípulos, ao rico jovem proprietário, ou aos opulentos crentes de Éfeso) a mensagem é a mesma -- o generoso dadivar será recompensado por tesouros celestiais. Preferirias tu ter o teu tesouro na terra, onde perecerá, ou no céu, onde o gozarás eternamente? Tua resposta a esta pergunta terá muito a ver com o como verás e usarás tuas riquezas.

4.

Devemos

alegria):

dadivar

animadamente

(com

ânimo,

Em

2Coríntios

9:7

nós

aprendemos

qual

espírito

devemos ter ao dadivarmos "Cada um contribua segundo propós no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria."

Se cada crente soubesse quão grande chuva de bênçãos gozaríamos através do dadivar, seríamos como os crentes

da Macedônia, que imploraram a Paulo para terem a oportunidade de dadivar (2Cor 8:3-4)! Dadivar deveria ser visto como um grande privilégio, não como uma pesada carga ou um doloroso dever. Deus não deseja que seu povo dadive movido por um sentimento de compulsão [ser empurrado à força e contra a vontade], mas sim movido por uma atitude de alegria e animação. A suprema e definitiva passagem no NT que declara a atitude com a qual devemos dadivar, descrevê-a como "com alegria". Que Deus nos ajude a dadivar em um espírito que O honre!

5. Devemos dadivar sacrificialmente:

Nas Escrituras temos vários exemplos onde Deus olha com aprovação para o nosso dadivar sacrificial:

2 Coríntios 8:1-5 "1 ¶ Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus dada às igrejas da Macedónia; 2 Como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade. 3 Porque, segundo o seu poder (o que eu mesmo testifico) e ainda acima do seu poder, deram voluntariamente. 4 Pedindo-nos com muitos rogos que aceitássemos a graça e a comunicação deste serviço, que se fazia para com os santos. 5 E não somente fizeram como nós esperávamos, mas a si mesmos se deram primeiramente ao Senhor, e depois a nós, pela vontade de Deus."

Logo de partida, notemos que os crentes macedônicos tinham pouquíssimos dinheiro e bens. São descritos como estando suportando muita aflição e experimentando profunda pobreza. Apesar de tudo, também é dito que tinham dadivado além das suas possibilidades! Que Deus nos habilite a os imitarmos em nossas próprias vidas!

Marcos 12:41-44 "41 ¶ E, estando Jesus assentado defronte da arca do tesouro, observava a maneira como a multidão lançava o dinheiro na arca do tesouro; e muitos ricos deitavam muito. 42 Vindo,

porém, uma pobre viúva, deitou duas pequenas moedas, que valiam meio centavo. 43 E, chamando os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que

esta pobre

viúva

deitou mais

do que todos

os que

deitaram na arca do tesouro;

44 Porque

todos ali

deitaram

do

que lhes

sobejava, mas esta,

da

sua

pobreza, deitou tudo o que tinha, todo o seu sustento."

Jesus escolheu esta mulher para servir aos seus discípulos de maravilhoso exemplo do dadivar. Quando Cristo viu o espírito sacrificial dela [amoroso e de vontade livre e boa], Ele chamou os Seus discípulos para se aproximarem, observarem, e aprenderem uma lição, através da vida dela. Que também aprendamos, e saiamos, e façamos semelhantemente!

Podes tu afirmar que teu dadivar é caracterizado por um espírito de sacrifício [com felicidade]? Teu dadivar realmente te é custoso? [Realmente representa um sacrifício?] Na realidade, não é quanto dadivamos que é tão importante, mas sim quanto [é que resta e] guardamos para nós mesmos, depois de dadivarmos. Que nosso grande e glorioso Deus nos habilite a praticarmos um gozoso e sacrificial dadivar!

4.4 - a motivação do nosso dadivar

Agora que já temos visto os que as Escrituras nos ensinam com referência ao total, ao propósito, e à maneira de dadivarmos, voltemo-nos para examinar o que a Bíblia nos ensina sobre qual deve ser a motivação do nosso dadivar.

1. O exemplo de Cristo:

Justo na metade da mais extensa exposição do Novo Testamento sobre o dadivar (2Cor 8-9), o apóstolo Paulo lança mão do exemplo de Jesus Cristo para estabelecer qual deve ser nossa maior motivação. Considere as

palavras de Paulo em 2Cor 8:9, "Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre; para que pela sua

pobreza enriquecêsseis." Cristo era infinitamente rico em sua existência pré-encarnação, no céu. Era incessantemente adorado por uma grande hoste de seres angelicais. Sendo Deus, exercia onipotência, onisciência e onipotência. Juntamente com o Pai e o Espírito Santo, reinava sobre todo o universo que tinham criado. Todavia, Cristo de livre vontade escolheu se tornar pobre. Jogou no chão seu direito ao exercício independente de seus atributos. Nasceu em um estábulo e foi criado por pais muito pobres. Viveu uma vida obscura e simples. Dependeu do [Deus-] Pai para toda a sua sobrevivência. Nunca acumulou possessões durante [todo o] tempo de sua vida; na verdade, parece que as únicas possessões que ele podia chamar de suas foram as roupas sobre suas costas. Ao final de sua vida, [pela própria vontade] ele entregou a única coisa que ainda lhe restava, sua própria vida. Ao depor sua vida Jesus estava dando tudo, para nos livrar dos nossos pecados. Embora fosse rico, tornou-se pobre. E qual foi o propósito deste grande ato de sacrifício? Foi que, através de sua pobreza, nós nos tornássemos ricos. Nós, aqueles que cremos nele, temos herdado grandes riquezas: perdão, adoção, justificação, Deus o Espírito Santo habitando em nós, paz com Deus, acesso a Deus, santificação, e a glória eterna que em breve virá! Note que Cristo não nos deu apenas dez por cento dos seus recursos ao nos comprar e presentear tamanhos tesouros! Ele deu 100%! Um discípulo naturalmente deseja ser como seu senhor. Portanto,

empenhemo-nos esforçadamente para imitar nosso Senhor. Não nos contentemos em dar uma pequena fração de nossa renda. Oremos que Deus nos habilite a dar mais e mais, para ajudar pessoas sofrendo e para expandir o reino de Deus através do mundo!

2. A ordem de Cristo:

Não apenas temos o exemplo de Cristo para nos motivar, como também temos sua ordem. Jesus expressou-se muito claramente em João 15:12-13, "12 O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. 13 Ninguém tem maior

amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos." Jesus, nesta passagem, está ordenando aos seus seguidores que amem um ao outro de modo idêntico àquele com que Ele os amou -- a saber, sendo totalmente dedicado a eles. Este tipo de dedicação tem que, pela própria natureza do caso, incluir a vontade de darmos dos nossos recursos para ajudarmos um ao outro. Jesus deu tudo, inclusive sua própria vida, por nós. É deste modo que somos ordenados amar um ao outro. Saberemos se realmente amamos nossos irmãos e irmãs quando estivermos desejosos de abrir nossa carteiras ou talões de cheque e dar para satisfazer suas [reais] necessidades. Que Deus nos habilite a seguirmos seu Filho em obediência!

5 - Conclusão

As Escrituras não ensinam que o dízimo é obrigatório sobre os crentes durante [a dispensação de] o Novo

Testamento. No entanto,

as

mesmas

Escrituras

[decididamente] ensinam que

os

crentes

devem ser

dadivadores

generosos,

sacrificiais,

expectantes, e

prazerosamente animados! Será que isto descreve você?

É minha sincera oração que o Espírito Santo use este escrito para o desafiar a repensar os seus padrões de dadivar, e para verificar se eles se alinham com a vontade de Deus, conforme expressa no Novo Testamento. Se não estiverem, vá ao Senhor em oração e peça-lhe o poder e a graça para lhe obedecer plenamente em todas as coisas.

Brian Anderson - Milpitas Bible Fellowship, 1715 E.

Calaveras

Blvd,

 

Milpitas,

Ca

95035,

 

Traduzido

por

Hélio

de

Menezes

Silva,

visite

[0] Nota do Tradutor: Ninguém pode deixar de se impressionar com a perfeita semelhança entre os argumentos dos maiores defensores (e rebatedores) da extensão da obrigatoriedade da guarda do sétimo dia para os crentes da dispensação da igreja (tão literalmente como se estivéssemos sob a Lei) e os argumentos dos maiores defensores (e rebatedores) da obrigatoriedade dos 10% para os crentes da dispensação da igreja (tão literalmente como se estivéssemos sob a Lei)! ...

[1] Nota do Tradutor: Melquisedeque foi especialíssimo, nem mesmo nenhum outro sacerdote pode ser comparado a ele, e parece ter sido uma Cristofania, isto é, uma manifestação do Verbo antes de Sua encarnação. No Novo Testamento, todos os crentes são sacerdotes.

[2]

Nota

do Tradutor:

A questão

não

é

esta. Se,

no

contexto tecnológico e econômico de hoje, fôssemos o mesmo povo [Israelitas] sob a mesma dispensação [da Lei] em que viveu Davi, então o mesmo princípio que vigorava quando quase todos viviam da agricultura, com renda anual, estender-se-ia a nós, quando quase todos

têm renda em períodos

menores que anuais

e

não

oriundas do praticarem a agricultura ...

[3] Nota do Tradutor: Lembremos que:

  • (a) nós, os crentes desta dispensação, somos sacerdotes e

reis;

  • (b) estes não podiam beber nada alcoólico;

  • (c) Deus (talvez por ironia, ou com desgosto, ou para nos

testar) às vezes, por certo tempo, expressou TOLERAR- nos certos erros (esta é Sua vontade PERMISSIVA), mas, depois, ORDENOU-nos Sua vontade PERFEITA. Compare com o divórcio, a poligamia, etc. !!! ...

[4] Nota do Tradutor: Arrisquemo-nos a ser repetitivos, para que ninguém perca algum aspecto da verdade -- O Velho Testamento fala de vários tipos dízimos:

- Todos os israelitas davam um dízimo de suas rendas anuais, aos levitas (Lev 27:30-33; Nu 18:21-24; 2Cr 31:4- 12; Ne 10:37; 12:44; 13:5; Ml 3:8-12), para alimentação e sustento deles (não para o Templo!); davam a si mesmos outro dízimo das suas rendas anuais, deleitando-se ao comerem e descansarem e alegrarem-se, em gozoso "acampamento - férias - festa - adoração", que só podia ser em Jerusalém (Dt 12:6-7,11-21; 14:22-27); e, a cada 3 anos, davam aos pobres outro dízimo das suas rendas, para que se deleitassem ao comerem e descansarem e alegrarem-se aonde quer que morassem (Dt 14:28-29;

26:12).

 

-

Os

levitas davam aos sacerdotes (que

eram levitas

descendentes de Arão) o dízimo do dízimo que tinham recebido (Nu 18:26-29; Ne 10:38-39; 12:44; 13:5,12; Ml

3:8-12).

 

- Ag 2:9-11 não tem nada a ver com nenhum destes tipos de dízimo e sim com ofertas para a reconstrução do

Templo. Há analogia entre cada crente neotestamentário e o Templo, mas não há nenhuma analogia entre o Templo e os prédios de uma igreja local.

[5]

Nota

do Tradutor:

ninguém mais o saiba!

Muito mais

importante é que

Para ajudar necessidade:

um pastor ou missionário ou irmão em

Pôr um envelope com dinheiro e anônimo por baixo da porta dele [0 pessoas lhe glorificarão] é melhor que

Dar-lhe pessoalmente, pedindo-lhe segredo [1 pessoa glorificará a você] é melhor que

Pedir a um irmão (de outra igreja?) que leve sua oferta a ele, sem lhe revelar a fonte [1 pessoa glorificará a você] é melhor que

Pedir seu pastor ou 1 oficial que leve sua oferta a ele, sem lhe revelar a fonte [1 pessoa glorificará a você] é melhor que

Pedir a todo o corpo de oficiais que leve sua oferta a ele, sem lhe revelar a fonte [8 pessoas glorificarão a você] é melhor que

Dar-lhe ante

toda

a igreja,

fazendo-o anunciar

pelo

microfone [1000 pessoas glorificarão a você]. [Que coisa

horrível!

Mesmo

alguns

descrentes

dadivam

anonimamente]

[6] Nota do Tradutor: Por causa da presente ênfase em

"riquezas e

todo

tipo

de

prosperidade,

já",

dos

pentecostais, é bom notarmos que o autor não necessariamente está enfatizando bênçãos materiais ...

P.S. - Amigos leitores: Esta apostila - contendo artigos de 2000 a 2004 - era bem mais extensa, pois continha artigos de um teólogo de Joanesburgo. Infelizmente, não

posso mais usar o seu nome neste trabalho, pois ele mudou suas convicções, não com respeito ao dízimo, mas à própria fé religiosa. Isso me faz lembrar a 1 Coríntios 10:12: “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia” e então peço que Deus tenha misericórdia de mim, para que jamais venha a perder a minha fé no Senhor JESUS CRISTO. Por isso, toda noite, antes de deitar-me, faço esta oração: “Pai amado: se eu tiver de perder a minha fé no Teu Filho Jesus Cristo amanhã, por favor me leva esta noite!”

Mary Schultze, Julho 2005

Para ajudar um pastor ou missionário ou irmão em necessidade:

Pôr um envelope com dinheiro e anônimo por baixo da porta dele [0 pessoas lhe glorificarão] é melhor que

Dar-lhe pessoalmente, pedindo-lhe segredo [1 pessoa glorificará a você] é melhor que

Pedir a um irmão (de outra igreja?) que leve sua oferta a ele, sem lhe revelar a fonte [1 pessoa glorificará a você] é melhor que

Pedir seu pastor ou 1 oficial que leve sua oferta a ele, sem lhe revelar a fonte [1 pessoa glorificará a você] é melhor que

Pedir a todo o corpo de oficiais que leve sua oferta a ele, sem lhe revelar a fonte [8 pessoas glorificarão a você] é melhor que

Dar-lhe ante toda a igreja, fazendo-o anunciar pelo microfone [1000 pessoas glorificarão a você]. [Que coisa

horrível!

Mesmo

alguns

descrentes

dadivam

anonimamente]

[6] Nota do Tradutor: Por causa da presente ênfase em

"riquezas e

todo

tipo

de

prosperidade,

já",

dos

pentecostais, é bom notarmos que o autor não

necessariamente está enfatizando bênçãos materiais ...

P.S. - Amigos leitores: Esta apostila - contendo artigos de 2000 a 2004 - era bem mais extensa, pois continha artigos de um teólogo de Joanesburgo. Infelizmente, não posso mais usar o seu nome neste trabalho, pois ele mudou suas convicções, não com respeito ao dízimo, mas à própria fé religiosa. Isso me faz lembrar a 1 Coríntios

10:12: “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia” e então peço que Deus tenha misericórdia de mim, para que jamais venha a perder a minha fé no Senhor JESUS CRISTO. Por isso, toda noite, antes de deitar-me, faço esta oração: “Pai amado: se eu tiver de perder a minha fé no Teu Filho Jesus Cristo amanhã, por favor me leva esta noite!”

Mary Schultze, Julho 2005