Você está na página 1de 5

SHIRLEY PIMENTEL RAIMUNDO SILVA

(
DIREITOS PENAL I:
Norma Penal e Lei Penal no Tempo
Autor Rogério Greco
Orientadora prof. Francine

Santa Luzia - MG
2020
Norma Penal e Lei Penal no Tempo

07/04/2020

Ler os Capítulos 18 (Princípio da Territorialidade) e 19 (Princípio da


Extraterritorialidade) do livro Curso de Direito Penal – Parte Geral do Rogério
Greco e responder as questões abaixo elencadas.

1) Cite e explique as (03) três teorias criadas para determinar o lugar do crime.

1. teoria da atividade
– o lugar do crime é o da ação ou omissão, ainda que outro seja
o lugar da ocorrência do resultado.

2. teoria do resultado
– despreza o lugar da conduta e entende que lugar do crime será,
tão somente, aquele em que ocorrer o resultado.

3. teoria mista, ou da ubiquidade


– adota as duas posições anteriores e diz que lugar do crime será
o da ação ou omissão ou onde se produziu o resultado.

2) Qual destas teorias foi adotada pelo Código Penal?

Adotou a teoria da UBIQÜIDADE.

3) Qual artigo do Código Penal demonstra a adoção desta teoria?

De acordo com seu artigo Art. 6º.


“Considera-se praticado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou
omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria
produzir-se o resultado”.

4) Qual a regra estabelecida no art.5º do Código Penal brasileiro?

A regra da territorialidade.

5) O que é considerado como extensão do território nacional no §1º do Código


Penal brasileiro?

§ 1º. Para os efeitos penais, consideram-se como extensão do território


nacional: as embarcações e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a
serviço do governo brasileiro onde quer que se encontrem, bem como as
aeronaves e as embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade
privada, que se achem, respectivamente, no espaço aéreo correspondente
ou em alto-mar.

6) Qual a regra prevista no §2º do Código Penal brasileiro?

§ 2º. É também aplicável a lei brasileira aos crimes praticados a bordo de


aeronaves ou embarcações estrangeiras de propriedade privada, achando-se
aquelas em pouso no território nacional ou em vôo no espaço aéreo
correspondente, e estas em porto ou mar territorial do Brasil.

7) O que determina o princípio da extraterritorialidade?

O Princípio da Extraterritorialidade se preocupa com a aplicação da lei


brasileira fora dos limites territoriais do país, ou seja, às infrações penais
cometidas além de nossas fronteiras, em países estrangeiros. A
extraterritorialidade pode ser incondicionada (inciso I do artigo 7o) ou
condicionada (inciso II, do mesmo artigo):

8) O princípio da extraterritorialidade deve ser adotado como uma regra geral


ou com uma exceção no âmbito do Direito Penal brasileiro? Por quê?

Nessas hipóteses, o agente será punido segundo a lei brasileira, ainda que
tenha sido condenado ou absolvido no estrangeiro. Vale dizer que, caso
houver condenação no estrangeiro, deverá ser observado o artigo 8o do
Código Penal:

Art. 8º. A pena cumprida no estrangeiro atenua a pena crime, quando


diversas, ou nela é computada imposta no Brasil pelo mesmo ,
quando idênticas.

9) Diferencie a extraterritorialidade condicionada da extraterritorialidade


incondicionada.

INCONDICIONADA – traduz a possibilidade de aplicação da lei penal


brasileira a fatos ocorridos no estrangeiro, sem que, para tanto, seja
necessário o concurso de qualquer condição.

Art. 7º. Ficam sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro:


I - os crimes:
A. contra a vida ou a liberdade do Presidente da República;
B. contra o patrimônio ou a fé pública da União, do Distrito Federal, de
Estado, de Território, de Município, de empresa pública, sociedade de
economia mista, autarquia ou fundação instituída pelo Poder Público;
C. contra a administração pública, por quem está a seu serviço;
D. de genocídio, quando o agente for brasileiro ou domiciliado no Brasil;
CONDICIONADA – algumas condições têm de ser admitidos para que o
agente possa sujeitar-se à lei brasileira.

Art. 7º. Ficam sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro:


II - os crimes:
A. que, por tratado ou convenção, o Brasil se obrigou a reprimir;
B. praticados por brasileiros;
C. praticados em aeronaves ou embarcações brasileiras, mercante ou de
propriedade privada, quando em território estrangeiro e aí não sejam
julgados.

Conclusão: INCONDICIONADA aplica-se a lei brasileira independentemente de


condições e a CONDICIONADA a lei brasileira será aplicada desde que
preenchidos as condições legais.

10) O que prevê o art.7º do Código Penal brasileiro?

§ 2º. Nos casos do inciso II, a aplicação da lei brasileira depende do


concurso das seguintes condições:

A. entrar o agente no território nacional;


B. ser o fato punível também no país em que foi praticado;
C. estar o crime incluído entre aqueles pelos quais a lei brasileira
autoriza a extradição;
D. não ter sido o agente absolvido no estrangeiro ou não ter aí cumprido
a pena;
E. não ter sido o agente perdoado no estrangeiro ou, por outro motivo,
não estar extinta a punibilidade, segundo a lei mais favorável.

REFERÊNCIA
GRECO, Rogério. Curso de Direito Penal: Parte Geral. Vol. 1. Ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2013, p.30, e-book.
GRECO, Rogério. Curso de Direito Penal: Parte Geral. Vol. 1. 18ª Ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2016, Art.1 a 120.