Você está na página 1de 10

Filosofia Moral

A ética trata de problemas relacionados com o bem e o


mal, o certo e o errado: p. ex., saber em que consiste
agir moralmente. Nem sempre as pessoas estão de
acordo sobre estas questões. Perguntar como devemos
conduzir a nossa vida pode dar origem a respostas
muito diferentes e até inconciliáveis.
Filosofia Moral

O estudo das sociedades humanas mostra que existem


diferentes opiniões sobre o que são ações boas ou más,
ações certas ou erradas. Uma ação pode ser
considerada moralmente certa numa sociedade mas
moralmente errada noutra: o infanticídio, o adultério, o
aborto ou o sexo antes do casamento são ações que são
avaliadas de maneira muito diferente consoante se viva
em Portugal, no Irão ou na Roma Antiga.
Será que o bem e o mal, o certo e o errado, dependem
APENAS do ponto de vista de cada sociedade?
Vários autores determinaram que para solucionar este
problema (variabilidade de critérios morais) seria
necessário questionar a própria possibilidade de
fundamentar esses critérios morais.

Que autores é que conhecem que tenha trabalhado


diretamente esta questão?!

Stuart Mill e Immanuel Kant

O problema da fundamentação da moral é adequadamente


formulado como se segue:

a)Como devemos agir?


b)O que é a moral?
c)Como justificar adequadamente convicções morais?
d)Como fazer para agir bem?

R: c)
Kant

Kant, um filósofo alemão que viveu no século XVIII,


argumentou que é possível justificar a existência de
regras morais universais apelando à sua origem
racional. Se quisermos defender a universalidade das
regras de conduta moral, precisamos de as fundamentar
em algo que todos os seres humanos tenham em
comum, algo que vá além de cada cultura ou
sensibilidade.
Esse algo, pensava Kant, é a razão.
O valor moral das ações depende das
intenções

• A mesma ação pode ser praticada com diferentes intenções.

• Ajudo alguém porque espero ser recompensado ou porque sinto ter o


dever de o fazer.

• No primeiro caso, a minha ação é motivada pelo interesse pessoal e


não tem valor moral. No segundo, a minha ação tem valor moral.

• Uma ação tem valor moral se for motivada apenas pelo sentimento do
dever.

• Para determinar o valor moral de uma ação é necessário conhecer a


Obrigações particulares e a lei moral

Uma ação é moralmente permissível quando pode ser universalizada.


Obrigações morais particulares como não mentir ou não roubar, têm em
comum o facto de serem universalizáveis.

Esta característica comum reflete a nossa obrigação moral básica: agir


segundo máximas que todos possam seguir.

Esta obrigação moral básica é o fundamento de todas as obrigações morais


particulares.
O imperativo categórico (1)

Age apenas segundo intenções


que possas ao mesmo tempo querer que se tornem
regras universais.

O imperativo categórico diz-nos apenas que característica deve ter a


máxima (ou a intenção) em nome da qual praticamos uma ação para que
essa ação seja moralmente permissível: ser universalizável.

Este princípio é completamente geral e, por isso, aplica-se a todas as


ações, podendo ser usado para determinar a permissibilidade de cada
uma.
O imperativo categórico (2)

Age de modo a nunca usares as pessoas apenas como


um meio mas sempre como um fim em si.

Que quer isto dizer?

Basicamente o seguinte. É proibido usar as pessoas unicamente como


instrumentos para satisfazer as nossas necessidades e interesses; é
nosso dever respeitá-las enquanto seres racionais e autónomos.
O imperativo categórico (2)

Age de modo a nunca usares as pessoas apenas como


um meio mas sempre como um fim em si.

Kant pensava que os seres humanos detêm uma posição única no


conjunto da natureza.

Ao contrário dos restantes seres vivos, que apenas possuem um valor


instrumental – resultante da sua utilidade para nós – os seres humanos
são valiosos enquanto tais: têm valor intrínseco e não podem ser usados
apenas em função da utilidade que tenham para os nossos projetos.
A ética é um sistema de regras
absolutas

O valor moral de uma ação


decorre da intenção com que é
praticada

As regras morais devem ser


respeitadas independentemente
das consequências (boas ou más)

As regras morais são leis que a


A ética de Kant razão estabelece e valem para
todos os seres racionais

Você também pode gostar