Você está na página 1de 52

Belzebu: uma

história ​Por Baal

Kadmon

Informações sobre direitos autorais

Copyright © 2019 por Baal Kadmon

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida por qualquer processo mecânico, fotográfico ou elétrico, ou na

forma de uma gravação. Nem pode ser armazenado em um sistema de armazenamento / recuperação, nem transmitido ou de outra forma

copiado para uso privado ou público - exceto “uso justo” como citações em artigos ou avaliações - sem o consentimento prévio por escrito do

Autor.

As informações neste livro são apenas para fins educacionais e não para o tratamento, diagnóstico ou prescrição de quaisquer doenças. Este

texto não se destina a fornecer aconselhamento financeiro ou de saúde de qualquer tipo. O autor e o editor não são de forma alguma

responsáveis por qualquer uso ou mau uso do material. Nenhuma garantia de resultados está sendo feita neste texto.

Kadmon, Baal

Belzebu - Uma História

- 1ª ed

Impresso nos Estados Unidos da América Design da

capa do livro: Baal Kadmon

No melhor de nossa capacidade, creditamos aqueles que criaram as imagens com base nas pesquisas que realizamos. Se

houver imagens no livro que não tenham recebido o devido aviso de copyright, entre em contato conosco em

Resheph@baalkadmon.com , e iremos remediar a situação fornecendo o crédito de copyright adequado ou removeremos a (s)

imagem (ões) a seu pedido.

Índice

Belzebu: uma história


Informações sobre direitos autorais

Dedicação
Aviso Legal:
Introdução
O deus cananeu Baal
Belzebu - O que há em um nome? Zebub
ou Zebul?
Belzebu nos Manuscritos do Mar Morto
Belzebu no Novo Testamento
Belzebu na literatura apócrifa e gnóstica Belzebu na
literatura oculta e cristã Belzebu e os julgamentos das
bruxas de Salem
Belzebu na literatura popular do final do século 17 Introdução aos
rituais
Petição de Orientação e Proteção
Petição por força de vontade e acuidade intelectual nos negócios, apelando a
Belzebu para inspirar luxúria
Chamando Belzebu para Subjugar Seus Inimigos Mesclando-se
com Belzebu - Conclusão da Meditação

Cursos de ocultismo

Sobre Baal Kadmon


Outros livros do autor Bibliografia
Dedicação

Dedico este livro ao meu patrono Santo Expedito e Belzebu e seus múltiplos aspectos.
Aviso Legal:

Por lei, preciso adicionar esta declaração.

Este livro é apenas para fins educacionais e não pretende prevenir ou curar nenhuma doença. Os conselhos e métodos

neste livro não devem ser interpretados como tratamento financeiro, médico ou psicológico. Procure o conselho de um

profissional se tiver sérios problemas financeiros, médicos ou psicológicos.

Ao comprar, ler e ou ouvir este livro, você entende que os resultados não são garantidos. Diante disso, você entende

que, no caso de este livro ou áudio não funcionar ou causar danos em qualquer área de sua vida, você concorda que

não responsabiliza Baal Kadmon, Amazon, seus funcionários ou afiliados por quaisquer danos você pode

experimentar ou incorrer.

O texto e / ou áudio desta série são protegidos por direitos autorais em 2019.
Introdução
Belzebu é um dos mais populares de todos os “demônios” na tradição Oculta Ocidental. Ele, como muitos de seus colegas infernais,

tem raízes no passado antigo. Freqüentemente, sua história inicial é ignorada na tradição ocidental e substituída por informações

que podem retratá-lo de maneiras que não são justificadas. Até mesmo seu nome é enganoso, mas também é uma pista de suas

origens antigas.

Se você leu meu livro mais recente, Diabos, demônios e fantasmas na tradição hebraica, Excluo Belzebu como um nome

demoníaco porque, tecnicamente, no judaísmo propriamente dito, ele não é considerado um demônio, mas um Deus pagão.

Existe apenas uma fonte que o retrata como um demônio, e que está nos Manuscritos do Mar Morto, e mesmo lá, é muito vago.

Vou discutir isso mais tarde. No entanto, em todas as outras literaturas fora do judaísmo, ele é um demônio.

Neste livro, cobrirei muito terreno e, ao contrário do meu livro, Belial - Uma História, este livro TERÁ rituais. A razão

para isso é porque trabalhei com Belzebu e seus muitos aspectos. Considerando que, eu não trabalhei muito com

Belial. Só escrevo sobre coisas que conheço e experimento.

Neste livro, você aprenderá:

O nome de Belzebu e suas origens. Belzebu no

Antigo Testamento. Belzebu nos Manuscritos do

Mar Morto.

Belzebu nos textos pseudepígrafes, apócrifos e gnósticos.

Belzebu No Novo Testamento e na Septuaginta grega do Velho Testamento: No Novo Testamento, temos referência

a Belzebu usando um nome ligeiramente diferente. Vou examinar isso mais adiante E comparar as descrições

gregas de Belzebu no Novo Testamento e outras fontes gregas.

Belzebu na literatura ocultista. Belzebu

na obra de John Milton.

Também incluirei cinco rituais / meditações poderosos.

Com isso, vamos começar, temos cerca de três a quatro mil anos para cobrir.
O deus cananeu Baal

Você pode se perguntar por que estou começando este livro com o deus cananeu Baal. Superficialmente, faz pouco sentido.
Ficar comigo; tudo fará sentido em um momento.

Como eu disse em meus outros livros, os antigos israelitas tinham muitos inimigos. O mais notável foram os antigos egípcios

que os escravizaram por várias gerações, conforme lemos no livro de Êxodo. O próximo inimigo formidável foram os babilônios,

que enviaram os israelitas a um exílio cruel começando por volta de 586 aC, que teve efeitos duradouros que influenciaram o

judaísmo moderno. Esses dois períodos na antiga história hebraica / israelita foram duros, mas os verdadeiros inimigos dos

israelitas eram os cananeus, pessoas que não eram apenas seus vizinhos, mas, em muitos casos, seus parentes.

Os cananeus representavam uma ameaça espiritual ao novo culto dos hebreus. A religião cananéia era a religião
proto-israelita até que se fragmentou. Essa fusão do passado e a proximidade física com os cananeus e sua
religião deixaram uma cicatriz na alma israelita. Foi um desafio arrancar essa influência do coração dos israelitas.
Não há dúvida de que, enquanto oravam a Iavé, entre os sumos sacerdotes, eles mantinham secretamente um
esconderijo de ídolos de Asherah e Baal. As evidências sugerem que a adoração de Baal e Asherah se tornou a
religião popular clandestina dos israelitas. Não importa o que as autoridades religiosas hebraicas tentassem fazer,
os israelitas recaíam repetidamente para os deuses cananeus. Eles eram como mariposas para uma chama.
Quando eles se apostatam, o fogo quente e cegante de Yahweh os destrói ou pune.

Embora Baal fosse amplamente adorado em todo o Oriente Médio, ele é um Deus bastante misterioso. Seu culto era tão

difundido que alguns o chamavam de “O Deus das mil faces”. Muito foi descoberto sobre ele em antigos textos ugaríticos. Ele

tem muitos paralelos com o Deus do Antigo Testamento. Um assunto um pouco amplo para este livro.

O nome Baal significa "proprietário", "Senhor" ou "Mestre" em vários dialetos semitas. No hebraico moderno, Baal é frequentemente o

termo usado para "marido". Ele era comumente conhecido como um Deus da fertilidade, tempestades e, às vezes, um Deus solar.

Ele é o principal inimigo de Yahweh e é mencionado pelo menos 90 vezes em suas várias formas ao longo do Antigo

Testamento. Baal era um espinho para eles e aparecia em todos os lugares com vários nomes. Se você gostaria de saber

mais sobre Baal, por favor leia meu livro ​Baal: O Senhor dos Céus.

Um dos nomes que ele apareceu é Belzebu. Sim, Belzebu é um dos nomes do deus
Baal. Mais especificamente, é uma forma de Baal emprestada pelos filisteus, que também viviam em
Canaã. Aprofundarei o significado do nome no próximo capítulo.
Belzebu - O que há em um nome?
O nome Belzebu tem uma história de origem interessante e um tanto controversa. O próprio nome é irregular.

Em inglês, o nome Belzebu não parece ter muita relação com Baal, mas isso é porque não foi traduzido corretamente no

idioma original. Em hebraico, Belzebu não é um nome próprio, mas uma descrição do Deus Baal. Em hebraico, é

“Baal-Zevuv” ou “Senhor das Moscas”. Como mencionei, Baal significa "Senhor" e "Mestre" e "Zevuv" significa "moscas".

Em hebraico, é

renderizado como ‫ַעבּ‬


ַ‫ל‬ ‫בוּבז‬
ְ .​Se for escrito corretamente em inglês, seria ​BAALZEVUV. ​No
alguns casos, é apresentado como ​VAALZEVUV ​já que o som “B” em hebraico às vezes pode ser interpretado como um som “V”.

Veremos essa renderização em breve.

Belzebu - Baalzebu - No Antigo Testamento

Vemos Belzebu mencionado apenas quatro vezes no Antigo Testamento, e em todos os casos, eles estão dentro do mesmo livro.

2 Reis 1: 2-3 “Ora, Acazias havia caído da treliça de seu cenáculo em Samaria e feriu-se a si mesmo. Então ele enviou

mensageiros, dizendo-lhes: “Ide e consultai ​Baal-Zebub, ​o deus de Ekron, para ver se eu vou me recuperar dessa lesão. ”

3 Mas o anjo do Senhor disse a Elias, o tishbita: “Sobe e encontra os mensageiros do rei de Samaria e
pergunta-lhes: É porque não há Deus em Israel que vais consultar ​Baal-Zebub, ​o deus de Ekron? '”

Em hebraico:

​,‫ְזבוּב‬ ‫ֵהם ְלכוּ ִד ְרשׁוּ ְ​ב ְַבּ ַעל‬ֶ ‫ ֲאל‬, ‫ִשׁלַח ַמ ְלאָ ִכים‬ ַ ‫ וַיּ‬- ‫שׁר ְבּשֹׁ ְמרוֹן‬
ְ ‫ָחל ;וַיּ‬ ֶ ‫בּ ֲע ִליָּתוֹ ֲא‬, ְ ‫ֵמ ֳחלִי ֶזה וַיִּפֹּל ֲא ַחְזיָה ְבּ ַעד ַה‬
ַ ‫שּׂ ָב ָכה‬
ֶ ֹ‫בּ ֲע ִליָּתוֹ וַיּ‬,
‫אמר‬ ַ ‫שּׂ ָב ָכה‬ְ ‫מ ֳחלִי ֶזה וַיִּפֹּל ֲא ַחְזיָה ְבּ ַעד ַה‬,
ֵ ‫א ְחיֶה‬-‫ייאםה‬
ֶ

‫ ֱא‬-‫ ֲה ִמ ְבּלִי ֵאין‬- ‫ֵהם‬ ֵ ‫שֹׁ ְמרוֹן ; וְד‬- ‫ִקרַאת ַמ ְל ֲא ֵכי ֶמ ֶל‬
ֶ ‫ַבּר ֲאל‬ ְ ‫ל‬, ‫קוּם ֲעלֵה‬, ‫שׁ ִבּי‬
ְ ‫א ִליָּה ַה ִתּ‬-‫ל‬
ֵ ‫ִבּר ֶא‬
ֶ ‫דּ‬, ‫וּמ ְלאַ יְהוָה‬
ַ

‫אַתּם הְֹל ִכים ִל ְדרֹשׁ ְבּ ַב ַעל ְזבוּב‬,


ֶ ‫•שׂ ָר ֵאל‬
ְ ‫ִהים ְבּ‬

‫ֱא ֵהי ֶע ְקרוֹן‬

2 Reis 1: 6 “E disseram-lhe: 'Subiu um homem ao nosso encontro e disse-nos: Vai, volta ao rei que te enviou,
e dize-lhe: Assim diz o SENHOR: não há Deus em Israel, a quem enviaste para consultar ​Baal-zebub ​o deus
de Ekron? Portanto, tu não descerás da cama a que subiste, mas certamente morrerás. '”
Hebraico:

ַ ‫ִבּ ְר ֶתּם ֵא ָליו כֹּה‬


‫אָמר‬ ַ ‫וְד‬, ‫שׁלַח ֶא ְת ֶכם‬-‫ר‬
ָ ‫שׁ‬ ֶ ‫ה ֶמּ ֶל ֲא‬-‫ל‬ ֶ ֹ‫וַיּ‬, ‫אתנוּ‬
ַ ‫אמר ֵאלֵינוּ ְלכוּ שׁוּבוּ ֶא‬ ֵ ‫ִק ָר‬
ְ ‫אמרוּ ֵא ָליו ִאישׁ ָע ָלה ל‬ ַ ‫אַתּה שֹׁל‬
ְ ֹ‫ֵח וַיּ‬ ָ ‫•שׂ ָר ֵאל‬
ְ ‫ְבּ‬

‫ ֱא ִהים‬-‫ה ִמ ְבּלִי ֵאין‬,


ֲ ‫יְהוָה‬

‫מוֹת ָתּמוּת‬-‫ ִכּי‬- - ‫ת ֵרד ִמ ֶמּנָּה‬-‫א‬,


ֵ ‫שּׁם‬
ָ ‫ִית‬
ָ ‫על‬-‫ר‬
ָ ‫שׁ‬ֶ ‫ִדרֹשׁ ְבּ ַב ַעל ְזבוּב ֱא ֵהי ֶע ְקרוֹן ; ָל ֵכן ַה ִמּ ָטּה ֲא‬
ְ‫ל‬

E, finalmente, em 2 Reis 1: 16:

“E disse-lhe: 'Assim diz o SENHOR: Visto que enviaste mensageiros para inquirir de ​Baal-zebub ​o deus de
Ekron, é porque não há Deus em Israel para consultar Sua palavra? Portanto, tu não descerás da cama
quer tenhas subido, mas
certamente morrerá. '”

Hebraico:

‫ַח ָתּ ַמ ְלאָ ִכים ִל ְדרֹשׁ ְבּ ַב ַעל ְזבוּב ֱא ֵהי בבאלב לבילארו יילארוֹ ; ָל ֵכן‬
ְ ‫שׁל‬-‫ר‬
ָ ‫שׁ‬ ֶ ‫ַען ֲא‬
ַ ‫י‬, ‫אָמר יְהוָה‬-‫ה‬
ַ ֹ‫ַבּר ֵא ָליו כּ‬
ֵ ‫ִית וַיְד‬
ָ ‫על‬-‫ר‬
ָ ‫שׁ‬ֶ ‫ֲא‬

‫מוֹת ָתּמוּת‬-‫ ִכּי‬- ‫ת ֵרד ִמ ֶמּנָּה‬-‫א‬,


ֵ ‫אמֹר ָל ֵכן ַה ִמּ ָטּה ָשּׁם‬-‫ַבּר ֵא ָליו כֹּה‬
ֵ ‫ִית וַיְד‬
ָ ‫על‬-‫ר‬
ָ ‫שׁ‬ֶ ‫ַה ִמּ ָטּה ֲא‬

Como você pode ver, em todos os casos, ele menciona Belzebu, mas também o associa à cidade de Ekron. Isso ocorre porque

aquela forma de Baal era adorada lá, assim como Baal-Peor era adorado em Peor, e Baal-Hermon era adorado no Monte

Hermon, etc. O nome Baal costuma ser sufixado pelo local em que o culto está localizado. No entanto, no caso de Belzebu,

observe que eles não o estão chamando de Baal-Ekron, como você esperaria. Eu irei explicar o porquê em um momento.

Vamos prosseguir para a Septuaginta e sua tradução de Belzebu.

A Septuaginta é a primeira tradução grega do Antigo Testamento encomendada pelo grego, rei do Egito, Ptolomeu o segundo,

Filadélfia, um ancestral da rainha grega / egípcia Cleópatra. A tradução é chamada de Septuaginta, após a palavra latina

“Septuaginta”, que significa 70. Supostamente, foram necessários 70 estudiosos para criar esta tradução, e alguns dizem que

talvez 72. Em ambos os casos, é um bom ponto de referência para ver como é judeu estudiosos no 3 ​rd ​e 2 ​nd ​séculos

BC entendeu os versos do Antigo Testamento. Como mencionei antes, acho que há muitos problemas com isso. Felizmente, para

este livro, essas questões não se aplicam.

A Septuaginta está em grande parte de acordo com a Bíblia Hebraica no que se refere à descrição de Baal como "Senhor das Moscas".

MAS, eles estão corretos em sua tradução de Belzebu? Eu argumento que eles não são. Deixe-nos olhar.
Observe que, devido à forma como a Septuaginta é compilada, os versículos abaixo não estão alinhados da mesma

forma que nas versões em hebraico e inglês. Por exemplo, os versículos de 2 Reis 1: 2-3 estão no mesmo local nas

versões hebraica e inglesa. No entanto, na Septuaginta, é 4 Reis 2. Farei uma anotação sobre isso ao citá-los.

Hebraico / Inglês 2 Reis 1: 2-3 - Septuaginta 4 Reis 1: 2:

… Δεῦτε καὶ ἐπιζητήσατε ἐν τῷ Βάαλ μυῖαν θεὸν ᾿Ἀκκαρών, εἰ ζήσομαι ἐκ τῆς ἀρρωστίας μου ταύτης ·

καὶ ἐπορεύθησαν ἐπερωτῆσαι δἰ αὐτοῦ. ”

As palavras em amarelo ​Βάαλ μυῖαν θεὸν ᾿Ἀκκαρών diz: “Mosca de Baal, Deus de Ekron”. Essa é a tradução literal.
Este mesmo uso ​“Βάαλ μυῖαν θεὸν ᾿Ἀκκαρών ”É usado em todos os outros versos também. Hebraico / Inglês 2

Reis 1: 3 - Septuaginta 4 Reis 1: 3

Hebraico / Inglês 2 Reis 1: 6 - Septuaginta 4 Reis 1: 6 Hebraico / Inglês

2 Reis 1: 16 - Septuaginta 4 Reis 1: 16

Em ambos os textos hebraico e grego, Zevuv em hebraico e μυῖαν em grego parecem suspeitos. Havia um lugar em Ekron chamado

“Moscas?” Não, o termo “voa” não é um indicador de localização. Alguns estudiosos que adotam uma abordagem mais literal do

nome sugerem que essa forma de Baal era, literalmente, um repelente de moscas. Alguns dizem que até encontraram pequenas

estátuas de moscas em escavações arqueológicas na região. Superficialmente, isso parece tolice, mas há alguma sugestão de que

eles já sabiam que as moscas eram vetores de doenças e estavam associadas à morte. Talvez essa forma de Baal fosse um

protetor contra as moscas e, portanto, um repelente de doenças. Isso não é inédito na história antiga. Na tradição grega, um dos

epítetos de Zeus era Zeus-Apomyius (Ἀπόμυιος) ou “Zeus que afasta as moscas”. Ou o deus grego Myiagrus, cujo nome significa

"flycatcher ou aquele que persegue moscas." Ele é saudado como um herói porque repeliu moscas durante o festival de Atenas.

Apesar da precedência histórica para tal uso, não concordo com ela quando se trata de Belzebu. Eu entrarei

nisso no próximo capítulo.

Zebub ou Zebul?

Estou do lado de outro grupo de estudiosos que acreditam que "Zebub" foi uma distorção deliberada

do ​Palavra hebraica ‫ ”בוּ ְלז‬Zebul” Ou “Zevul” que significa “exaltado” em hebraico, e “Príncipe” em

Cananeu / ugarítico. Essa distorção para “Zevuv” ou “moscas” era uma demonstração de desprezo por Baal, tornando-o inútil
além de atrair moscas. O que, por implicação, está afirmando que ele era inútil ou pior, o portador da doença.

Há outra teoria de que "Zebul" era apenas um erro de ortografia para a palavra para esterco ou lixo "Zevel". Essencialmente

"Senhor do estrume ou lixo". Posso ver porque alguns pensariam isso, mas é difícil provar e, portanto, não irei por esse

caminho.

Baseado em tudo que li, o nome original era Baal-Zebul ou Baal-Zevul ou “Senhor exaltado”, e não “Senhor das Moscas” ou

Belzebu. Isso simplesmente faz sentido. Deixe-me apresentar algumas razões pelas quais penso assim.

Se você se lembrar da passagem bíblica que apresentei no último capítulo, vemos que o rei Acazias cai e fica ferido. Ele pede

que Belzebu seja chamado para adivinhar seu destino. Faz pouco sentido que ele chame Baal de “repelente de mosca” para

obter ajuda, mas sim o exaltado Baal / Senhor, “BaalZebul” para propósitos divinatórios. Isso não faz mais sentido?

Nos textos ugaríticos, onde temos a maioria das referências a Baal fora da Bíblia, freqüentemente afirmamos isso ao

mencionar seu nome “Baal ZBL”. Você vê? “ZBL” é “Zebul”, que em ugarítico significa “Príncipe”. Em essência,

"exaltado". Eles fizeram isso por outros deuses também.

No livro dos Reis, entramos em contato com uma princesa chamada Jezabel. Ela era uma extraordinária adoradora de Baal e era

totalmente contra o deus hebreu. O nome dela em hebraico é ‫ ֶל ֶביזִא‬observe as últimas três letras ‫ ֶל ֶבז‬.No ugarítico, significa

"Príncipe". Seu nome completo significa "Onde está o Príncipe?" O nome de seu pai era Etbaal; ele é nomeado após Baal. O

nome de seu filho é Baal-Eser. Como você vê, Baal está embutido em todos os nomes, e Jezabel também é nomeada em

homenagem a ele; “Baal, o Príncipe”. Corria em sua família.

E aqui está o chute, a evidência para reforçar ainda mais essa afirmação de que “Zevul” é a palavra correta. No Novo

Testamento, eles usam o sufixo “Zebul” ao se referir a ele. Como em um ponto anterior em que ele é chamado de "Príncipe" em

ugarítico, em Mateus 12:24, ele afirma que Belzebu é o "Príncipe dos Demônios". Isso torna o argumento a favor de Zebul mais

provável. Também é interessante notar que o Novo Testamento, que geralmente está em alinhamento com a Septuaginta, rompe

com a noção de que significa "voar". Entrarei no uso do Novo Testamento um pouco mais tarde.

Levando tudo isso em consideração, faz sentido que seja uma distorção de Zebul. A evidência pesa nessa direção.

Quando você olha no tempo, o Zebul aparece com mais destaque em quase todos os textos.

Eu poderia deixar por isso mesmo, mas também queria ilustrar que os israelitas distorciam os nomes das pessoas quando queriam

insultá-las. Curiosamente, eles fazem isso com duas pessoas que têm o nome de Baal em seu nome. Não é por acaso que eles

fazem isso com seus nomes e reforça ainda mais o motivo pelo qual eles usaram "Zebub" em vez de "Zevul".
Vamos olhar.

Em meu livro sobre Baal, menciono duas pessoas que tinham o nome Baal como sufixo do nome.

O filho de Saul chamava-se Esh-Baal (“Homem do Senhor”, 1 Crônicas 8:33.)

33 ”E Ner gerou a Quis, e Quis gerou a Saul; e Saul gerou Jônatas, e Malqui-Shua, e Abinadabe, e ​Esh-Baal. ” ​O
filho de Jônatas tin​ha o nome de​ Meriv-Baal (“O Senhor contende ou luta”, 1 Crônicas 8:34.)

34 “E o filho de Jônatas era ​Meriv-Baa​l, ​e ​Meriv-Ba​al ​gero​u Micah. ”


A razão pela qual apresento isso é que no livro de 2 Samuel, esses mesmos nomes têm o "Baal"

removido ​deles e substituída pela palavra "Boshet" que significa ​vergonha.

Aqui, vamos dar uma olhada. 2

Samuel 2: 8:

8 ​“Agora Abner, filho de Ner, capitão do exército de Saul, tinha tomado ​Esh-boshet ​o filho de Saul, e o trouxe para Maanaim ... ”

Achei que o filho de Saul se chamasse Esh-Baal, mas aqui está Esh-Boshet. O que significa "homem de vergonha".

2 Samuel 4: 4:

4 ​“Ora, Jônatas, filho de Saul, tinha um filho coxo. Ele tinha cinco anos quando veio a notícia de Saul e Jônatas de Jizreel; sua babá o

acolheu e fugiu; e aconteceu que, quando ela se apressou em fugir, ele caiu e tornou-se coxo. E o nome dele era ​Mephi-boshet. ​”

Seu hame era Meriv-Baal, agora seu nome Mephiboshet, que significa "Da minha boca vem a vergonha". Acho essa mudança

um pouco suspeita. Por que a palavra vergonha? Foi por dois motivos:

1. Os nomes eram centrados em Baal, E ELES OS ESTAVAM VISUALIZANDO.


2. Para degradar e insultar aqueles dois homens, assim como fizeram com Baal, tirando o “Zevul”, que significa

“exaltado”, e substituindo-o por “Zebub”, que significa moscas. É um insulto.

Como você pode ver, há um precedente para o uso de “Zevul”. E não foi a primeira vez que fizeram isso quando o nome de Baal

foi usado como você acabou de ver.

Apesar do acima, ainda vou me referir a ele como Belzebu ou Baalzevuv ao longo deste texto SOMENTE para

consistência. E, bem, Senhor das moscas parece muito mais legal do que o milquetoast "Senhor Exaltado". Não é?

Em resumo, o Antigo Testamento o reconhece como um aspecto do deus Baal, e é assim que o vejo. Sua demonização vem depois.

No entanto, para fins de consistência, vou me referir a ele como um demônio, mesmo que eu não ache que ele seja um no verdadeiro

sentido da palavra.

Belzebu nos Manuscritos do Mar Morto

Como você deve ter adivinhado, estou tentando ao máximo manter este texto fluindo em ordem cronológica. Eu faço isso porque há

uma progressão que é aparente no que diz respeito a Belzebu. Quase todas as entidades espirituais, exceto Yahweh, e talvez algumas

outras já foram apenas deuses de religiões antigas ou meros adjetivos transformados em substantivos por tradutores excessivamente

zelosos e incompetentes do Antigo Testamento. Traduções ruins me agitam e me mantêm acordado à noite. Em qualquer dos casos, a

maioria deles progride no tempo para se tornar o que agora sabemos que são.

Deixe-me examinar Belzebu conforme ele aparece nos Manuscritos do Mar Morto. É aqui que temos o primeiro indício de sua

transformação de uma emanação do deus Baal, que já foi adorado, em um demônio. Até mesmo usar o termo demônio é um

pouco incerto, já que o texto está danificado e há apenas uma aparência de Belzebu nele.

Como um todo, os judeus não o consideravam um demônio no verdadeiro sentido da palavra. É apenas nos Manuscritos do Mar Morto que

PODEMOS, e eu enfatizo, PODEMOS encontrar Belzebu como uma “verdadeira” entidade demoníaca entre os judeus, ou melhor, judeus de

uma seita específica.

Depois desse ponto, os únicos outros textos que tratarão Belzebu como um demônio são os textos de base cristã, que incluem

textos apócrifos e gnósticos, que discutiremos mais tarde.

Os Manuscritos do Mar Morto são fascinantes. Infelizmente, os estudos modernos tornam seu estudo mais complicado do que

deveria ser. Esses manuscritos foram encontrados em um lugar chamado Qumran, perto do Mar Morto. Muitos foram escritos

durante a ocupação romana da Judéia e no período em que Jesus supostamente pregou lá. Os pergaminhos contêm vários livros
do Antigo Testamento com algumas alterações e escritos bíblicos e apócrifos adicionais. Entre esses pergaminhos também incluem

textos exclusivos da comunidade que os compôs. Muitos acreditam que as pessoas que os escreveram eram um grupo ascético de

judeus chamados essênios. A corrupção do judaísmo do templo os enojou, e eles decidiram seguir por conta própria. Eles eram

igualmente desprezados pelos judeus que tinham uma visão mais ortodoxa do judaísmo.

Esses textos teriam se perdido na história se um pastor de cabras não os descobrisse em meados dos anos 1940. É uma longa história,

que não posso contar aqui. Apenas saiba que esses textos nos dão um vislumbre do Judaísmo do primeiro século aC e do primeiro

século dC

Antes de continuarmos, gostaria de discutir algumas abreviações que usarei, e que são usadas nos estudos do Pergaminho do Mar Morto

e de Qumran. Abordarei apenas as convenções de nomenclatura pertinentes a este texto.

Uma vez que os Manuscritos do Mar Morto foram encontrados em cavernas em um lugar chamado Qumran, e são temáticos, os
as seguintes abreviaturas são usadas ao citá-los.

Se você vir uma citação seguida por uma sequência de símbolos alfanuméricos, como, por exemplo,

4Q560, ​isto significa:

4 = ​é o número da caverna. São 11 cavernas ao todo.

Q = ​Indica a localização da caverna, neste caso, Qumran.

560 = ​O número desse pergaminho específico.

Se você quiser aprender a divisão de todos os diferentes tipos de pergaminho, poderá encontrá-los facilmente online. Eventualmente,

escreverei um livro introdutório aos Manuscritos do Mar Morto. Eu não tenho uma data de vencimento para isso ainda.

No ​4Q560 ​dos Manuscritos do Mar Morto, encontramos algo estranho. Encontramos linguagem mágica que é mais provável de aparecer em

uma tigela de encantamento aramaico e não em um corpo de texto como os manuscritos do mar morto. Também digo isso por causa da

posição do texto nos pergaminhos. É altamente problemático porque as passagens anteriores e posteriores são muito posteriores ou até

muito anteriores em alguns casos. Ele se destaca como um polegar dolorido para aqueles que estudam os Manuscritos do Mar Morto.

O próprio texto é parte de um feitiço de exorcismo mais considerável. O aramaico e o inglês abaixo são de 'Descobertas no

deserto da Judéia XXXVII', de Emile Puech.


A palavra destacada em inglês é Belzebu, como você pode ver. No entanto, aquele em aramaico é
não é a grafia usual para Belzebu. Lê ​Baal-Dabab ​ou ​Davav.

Vamos cavar mais fundo aqui.

Conforme afirmei no início do capítulo, deixei um pouco de margem para dúvidas se o texto se refere a Belzebu. Diz isso

em inglês, mas o aramaico é menos certo.

Embora vejamos a palavra Baal ‫ בעל‬no início da passagem, é a segunda parte do nome, “Davav” ou “Dabab” que está em

questão. Esse tipo de palavra causa noites sem dormir para pessoas como eu, que estudam esses textos quase todos os dias.

O que diabos é Davav? Isso pode significar várias coisas.

Em acadiano, há uma palavra Dababu, que significa "importunar", "falar e recitar" e também "murmurar e

sussurrar". Vemos esta frase em um antigo texto acadiano que afirma: “Kassaptum Sa ​UDABBABU E
​ tlam. ” Ou “a

bruxa ​que incomoda ​o jovem”. - CAD sv Dababu.

Uma variante da palavra Dabab em aramaico é “Davavo”. Encontramos a palavra na versão aramaica, ou o "Targum"

do livro de Gênesis 3:15, que afirma: "E eu colocarei ​inimizade ​entre ti e

a mulher. ” - Targum Jonathan. A palavra para inimizade é “Davavo”. ‫ָבד וּ‬


ְ ‫ַישׁא בוּ‬
ֵ ‫יֵו‬
Portanto, neste sentido, Davav pode significar inimizade. Isso faz sentido para mim porque Belzebu é conhecido por causar inimizade. Ele

também é conhecido por ser útil em rituais de exorcismo. Como faço para reunir isso? Além dos Manuscritos do Mar Morto mencionando
“Baal-Davav” em um rito de exorcismo, vemos que os Rabinos o conheciam como um demônio envolvido em exorcismos.

Mateus 12: 23-24 “E todo o povo se maravilhou e disse:“ Será este o Filho de Davi? ” 24 Mas quando os fariseus

ouviram isso, disseram: “ ​É apenas por Belzebu, o príncipe dos demônios,

que este homem expulsa demônios. ”

Eles poderiam ter usado qualquer outro demônio, mas usaram Belzebu porque havia uma tradição que dizia que as pessoas usavam

Belzebu em ritos de exorcismo. Vemos isso nos Manuscritos do Mar Morto, que coincidem com o tempo dos fariseus e este evento que

envolve Jesus. Não deveria ser surpreendente; sabemos que na Mesopotâmia, eles usaram demônios para repelir outros demônios, ou

seja, Pazuzu, um demônio perto do meu coração.

Embora esta não seja uma prova conclusiva de que Baal-Davav seja Belzebu nos Manuscritos do Mar Morto, há algumas

evidências que sugerem que pode muito bem ser. Quem traduziu esses textos em inglês acha que sim. Aceitarei provisoriamente

sua tradução.

Belzebu no Novo Testamento

Vimos no capítulo anterior, um ser, presumivelmente, Belzebu contido em um rito de exorcismo. Isso se encaixa perfeitamente

neste capítulo, pois é no Novo Testamento que temos evidências claras de que Belzebu é um demônio.

Belzebu aparece algumas vezes no Novo Testamento e, em todos os casos, o apresenta sob a mesma luz. Não vou apenas

fornecer os versos aqui, mas também quero discutir algumas nuances nos versos.

Vejamos alguns:

Também vou traduzi-lo em grego para que você possa ver como o nome dele é usado.

Mateus 9:34, “Mas os fariseus disseram:“ É pelo Príncipe dos demônios que ele expulsa os demônios. ”

Grego:

οἱ δὲ Φαρισαῖοι ἔλεγον Ἐν τῷ ἄρχοντι τῶν δαιμονίων ἐκβάλλει τὰ δαιμόνια.

Não vemos o nome Belzebu aqui, mas dois capítulos depois, sabemos quem é o Príncipe dos demônios.
Mateus 12:24:

No entanto, quando os fariseus ouviram isso, eles disseram: “É somente por Belzebu, o Príncipe dos demônios, que este

sujeito expulsa os demônios”.

οἱ δὲ Φαρισαῖοι ἀκούσαντες εἶπον Οὗτος οὐκ ἐκβάλλει τὰ δαιμόνια εἰ μὴ ἐν

τῷ Βεελζεβοὺλ ἄρχοντι τῶν δαιμονίων.

Marcos 3: 22:

E os mestres da lei que desceram de Jerusalém disseram: “Ele está possuído por Belzebu! Pelo príncipe dos

demônios, ele está expulsando demônios. ”

καὶ οἱ γραμματεῖς οἱ ἀπὸ Ἱεροσολύμων καταβάντες ἔλεγον ὅτι Βεελζεβοὺλ ἔχει καὶ ὅτι ἐν τῷ
ἄρχοντι τῶν δαιμονίων ἐκβάλλει τὰ δαιμόνια.

Lucas 11:15:
No entanto, alguns deles disseram: “Por Belzebu, o Príncipe dos demônios, ele está expulsando demônios”. τ
​ ινὲς

δὲ ἐξ αὐτῶν εἶπον · Ἐν Βεελζεβοὺλ τῷ ἄρχοντι τῶν δαιμονίων ἐκβάλλει τὰ δαιμόνια ·

Nessas três passagens, vemos que eles se referem a ele como Belzebu, Príncipe dos demônios. E como apresentei anteriormente, este é

seu nome verdadeiro.

Até este ponto, nós o vimos como um demônio distintamente individualizado. No próximo conjunto de versículos, temos um vislumbre de um

livro do Novo Testamento onde ele talvez não seja apenas um Príncipe dos demônios, mas o próprio Satanás.

Mateus 10:25:

“Todo reino dividido contra si mesmo será arruinado, e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá. Se

Satanás expulsar Satanás, ele estará dividido contra si mesmo. Como então seu reino pode permanecer? E se eu expulso os

demônios por Belzebu, por quem seu povo os expulsa? Então, eles serão seus juízes. Mas se eu expulso os demônios pelo

Espírito de Deus, então o reino de Deus veio sobre você. “

Aqui vemos um indício de que talvez ele seja o próprio Satanás; a primeira vez que vemos isso, mas não será a última. Veremos isso
novamente no próximo capítulo.

Os versículos acima são diretos no que dizem, mas há algumas nuances aqui, e trata principalmente de COMO
os fariseus se referem a Jesus em relação a Belzebu.

Deixe-nos olhar:

Tanto em Mateus quanto em Lucas, os fariseus retratam esse relacionamento entre Jesus e Belzebu como Jesus realizando

exorcismos USANDO BEELZEBUL como agente exorcizador.

Mateus 9:34, “Mas os fariseus disseram:“ É pelo príncipe dos demônios que ele expulsa os demônios. ”

Grego:

οἱ δὲ Φαρισαῖοι ἔλεγον Ἐν τῷ ἄρχοντι τῶν δαιμονίων ἐκβάλλει τὰ δαιμόνια.

Lucas 11:15:

No entanto, alguns deles disseram: “Por Belzebu, o Príncipe dos demônios, ele está expulsando demônios”. τ
​ ινὲς

δὲ ἐξ αὐτῶν εἶπον · Ἐν Βεελζεβοὺλ τῷ ἄρχοντι τῶν δαιμονίων ἐκβάλλει τὰ δαιμόνια ·

A palavra-chave do grego é Ἐν, 'que significa “IN”. Então

temos isso:

Marcos 3: 22:
“E os mestres da lei que desceram de Jerusalém disseram:“ ​Ele está possuído por Belzebu! ​Pelo príncipe dos

demônios, ele está expulsando demônios. ”

καὶ οἱ γραμματεῖς οἱ ἀπὸ Ἱεροσολύμων καταβάντες ἔλεγον ὅτι Βεελζεβοὺλ ἔχει καὶ ὅτι ἐν τῷ ἄρχοντι
τῶν δαιμονίων ἐκβάλλει τὰ δαιμόνια.
Aqui temos os fariseus, dizendo que Jesus foi “POSSUÍDO” por Belzebu.

Expulsar demônios e ser possuído por um demônio são coisas muito diferentes. A primeira instância em que Jesus está

expulsando demônios em nome de Belzebu é a maneira do fariseu de dizer que ele é um falso profeta e não vem em nome

de Deus, mas em nome de Belzebu. Considerando que a referência de possesso mostra que o próprio Jesus estava

possuído e era um louco.

Posse e milagres que vieram de seres espirituais eram ocorrências comuns, pelo menos pelo que podemos dizer a partir dos

vários textos. Por exemplo, Jesus mencionou em várias ocorrências que ele realizou milagres pelo “Dedo de Deus” e pelo
“Espírito Santo”. Vemos isso em Mateus 12:28 e Lucas 11:20, como exemplos. E como vimos acima, os fariseus não viam

dessa forma. Em suas mentes, os espíritos malignos possuíam qualquer fazedor de milagres desse tipo, especialmente

aqueles que não se conformavam com o entendimento “ortodoxo” do Judaísmo. Jesus, é claro, não foi o único que eles

acusaram disso. Também vemos isso com João Batista. Como Jesus relata em Mateus 11:18 “Porque João veio, não

comendo nem bebendo, e dizem: 'ele tem demônio.'” Ele disse a mesma coisa em Lucas 7:33.

É claro que desde o capítulo anterior, e deste aqui, Belzebu tem um forte vínculo com os ritos exorcistas. Ou pelo menos um

que era conhecido na época.

Outra coisa que gostaria de mencionar e algo a que aludi anteriormente no livro é que o Novo Testamento obtém quase todo o seu

material bíblico da tradução grega do Antigo Testamento, também conhecida como Septuaginta. Na maioria dos casos, palavra

por palavra. No entanto, quando se tratou de Belzebu, isso não aconteceu. Vamos revisitar isso por um momento.

Hebraico / Inglês 2 Reis 1: 2-3 - Septuaginta 4 Reis 1: 2:

… Δεῦτε καὶ ἐπιζητήσατε ἐν τῷ Βάαλ μυῖαν θεὸν ᾿Ἀκκαρών, εἰ ζήσομαι ἐκ τῆς ἀρρωστίας μου ταύτης ·

καὶ ἐπορεύθησαν ἐπερωτῆσαι δἰ αὐτοῦ. ”

​ άαλ μυῖαν θεὸν ᾿Ἀκκαρών quer dizer, “Mosca de Baal, Deus de Ekron”. Essa é a tradução literal.
As palavras em negrito Β

​ άαλ μυῖαν. Em hebraico e inglês, é traduzido como Belzebu.


Observe no grego que diz "Mosca de Baal", Β

Mas, como acabamos de ver no Novo Testamento, eles soletram o nome como Βεελζεβοὺλ ou Beelzevul. Como você pode ver, eles

não concordam com a tradução, e eu expliquei que era porque o Novo Testamento está traduzindo o nome corretamente, e o

hebraico e a Septuaginta estão insultando Baal. Agora, alguns podem dizer, talvez eles não estejam se referindo ao mesmo ser. No

oculto, vemos isso com frequência. Temos Belzebu e Belzebu; alguns ocultistas acham que são dois seres diferentes.

No entanto, quando você olha como esses versículos foram traduzidos ao longo dos anos, você pode ver que a maioria

concorda que eles se referem ao mesmo ser.

Vejamos o latim, por exemplo:

Vejamos os versículos do Antigo e do Novo Testamento que acabei de mencionar acima. 2 Reis 1: 2:

“Ceciditque Ohozias per cancellos cenaculi sui quod habebat em Samaria et aegrotavit misitque nuntios dicens ad eos ite
consulite ​Belzebu ​deum Accaron utrum vivere queam de infirmitate mea hac. ”

Como você vê, Belzebu é traduzido como Belzebu em latim, no que diz respeito ao Antigo Testamento.

Marcos 3:22:

“Et scribae qui ab Hierosolymis descenderant dicebant quoniam ​Belzebu ​habet et quia in principe daemonum

eicit daemonia. ”

Como você pode ver, em ambos os casos, eles concordam que este é o mesmo Belzebu. No entanto, fora do latim e de muitas

outras traduções, as traduções são diferentes e, como mencionei, sabemos que o Novo Testamento está correto em sua

tradução de Belzebu. Sei que deveria ter acrescentado isso no início do livro, mas sinto que não teria cabimento ali. Espero que

não tenha sido um inconveniente.

No próximo capítulo, discutirei Belzebu como ele aparece nos textos apócrifos e gnósticos. É aqui que seu status demoníaco é

ainda mais solidificado de uma forma que eventualmente se fixa e é propagado por todos os textos futuros, incluindo aqueles do

ocultismo.

Belzebu na literatura apócrifa e gnóstica

Você pensaria que Belzebu seria encontrado em muito mais textos do que ele. Se olharmos para a Igreja e as doutrinas ocultas, ele

aparece com mais regularidade. No entanto, em escritos bíblicos e textos rabínicos, ele não aparece quase tão frequentemente

como dizem, Lilith, Asmodeus, Samael e Belial aparecem. Você descobrirá que a mesma coisa se aplica aos textos apócrifos e

gnósticos. Existem apenas dois textos que eu conheço do atual Belzebu. Eles são o Testamento de Salomão e o Evangelho de

Nicodemos, também conhecido como Atos de Pilatos. Discutirei ambos neste capítulo.

Belzebu no Testamento de Salomão

O Testamento do Rei Salomão tem uma vibração muito “escriturística” e é considerado a base de grande parte do ocultismo ocidental.

Eu vejo por que isso acontece; é quase inteiramente dedicado aos poderes mágicos de Salomão sobre os demônios. É a base da

Magia Goética. Alguns demônios na Goetia aparecem pela primeira vez no Testamento de Salomão.

O Testamento do Rei Salomão foi originalmente escrito em grego coinê, o mesmo que o Novo Testamento. Este

Testamento é complexo porque, apesar de ter sido atribuído ao próprio Rei Salomão, que teria vivido por volta de 970 AC,

parece ser um texto muito mais recente, talvez escrito por volta do século I DC. Será a isso que Jesus se referia quando
ele menciona o poder de Salomão? Talvez, eu acho que depende de quão cedo no primeiro século foi escrito. Alguns

também dizem que poderia ter sido escrito no século V. Estou do lado desta avaliação. Suspeito que este texto não foi

concluído até o início do período medieval. Digo isso por alguns motivos. Parece suspeito que muitos elementos do livro

contenham temas mitológicos cristãos e gregos. Vou discutir isso em um momento.

Apesar deste período de tempo mais recente, algumas pessoas dizem que Salomão teve acesso a informações do futuro. A

tradição rabínica afirma que ele teve acesso especial ao conhecimento, incluindo conhecimento futuro. O livro etíope “Glory of

Kings” relata que ele tinha um objeto voador, como um avião, acho que se poderia dizer. Referindo-se a uma viagem pelo Mar

Vermelho, afirma: " cada um foi erguido sobre o Mar Vermelho viajando como uma águia quando seu corpo des​liza sobre o v​ento.

" Acho tudo isso improvável, mas ouvi falar de coisas estranhas. Talvez os rabinos estejam certos. Deixo isso para​ você, leitor,

decidir.

O Testamento, devo admitir, não é uma leitura emocionante, pelo menos não para mim.

Aqui está uma rápida sinopse deste texto. Tudo começa rapidamente com os demônios. Um demônio chamado Ornias estava

assediando esse jovem que era querido pelo rei Salomão. O demônio roubou metade de seu dinheiro e lentamente, através dos

polegares do jovem, sugou sua energia para fora dele.

O rei Salomão fica sabendo disso e, em sua oração, o arcanjo Miguel aparece para ele e lhe dá um anel. O anel é o

famoso “Selo de Salomão” de que tanto ouvimos falar. Salomão deu este anel ao jovem e ele começou a jogar o anel

no demônio que o estava incomodando. Este ato coloca o demônio sob seu controle. É nesta cena que vemos Belzebu.

Em uma reviravolta interessante, Salomão ordena ao demônio Ornias que imprima o anel no príncipe de todos os

demônios, “Belzebu”.

Agora que o príncipe dos demônios está sob o controle de Salomão, ele força Belzebul a convocar toda a sua raça de

demônios para construir o primeiro templo para ele. Esta é a única coisa que pode ter algum elemento judaico, mas apenas

no tema. No Talmud, afirma que Asmodeus ajudou na construção do templo, não Belzebu.

Deixe-me mostrar rapidamente um trecho grego do texto para que você possa ver como seu nome é traduzido. ​Foi difícil

para mim encontrar uma boa versão em grego, então desculpem a imagem do grego; não é tão claro.

Testamento de Salomão 1:13:


Inglês:

" Então Ornias pegou o anel de dedo e foi para Belzebu, quem tem reinado sobre os demônios. Ele disse-lhe:
"Aqui! Salomão te chama." Mas Belzebu, tendo ouvido, disse-lhe: "Dize-me, quem é este Salomão de quem me
falas?"

Como você vê, mesmo no Testamento de Salomão, ele não é apenas referido como Belzebu, ele é o Príncipe dos Demônios.

É interessante notar que Belzebul dá alguns detalhes sobre sua história no texto. Beelzebul menciona que ele já foi um anjo no

céu e foi associado a uma estrela chamada Hesperus. Em grego, associa Hesperus a Vênus, mas não tanto quanto a Estrela

da Manhã, mas a Estrela Vespertina. Na mitologia grega, Hesperus é o meio-irmão de Fósforo ou Estrela da Manhã. Eu

acredito que os escritores deste texto intencionalmente associaram Belzebu como a Estrela Vespertina, já que “Lúcifer” é a

Estrela da Manhã. Essencialmente, relaciona os dois. Não acredito que Lúcifer fosse um anjo caído, mas os escritores deste

texto sim. O fato de Belzebu estar associado a Vênus e, portanto, indiretamente a Lúcifer, me faz pensar que este texto foi

concluído por volta do século V. Outra razão pela qual digo isso é que a Vulgata Latina é o único lugar onde encontramos a

palavra / nome Lúcifer no que diz respeito à Bíblia. Portanto, esta tradição de Lúcifer ser um anjo caído já estava em

andamento, e Belzebu está relacionado a ele, assim como Hesperus está associado à Estrela da Manhã. Duas ervilhas em uma

vagem.

Considerando isso, minha opinião de que este não é um texto judaico, mas cristão, é verdadeira. Outra razão pela qual este é

um texto cristão é que no Testamento de Salomão, Salomão pergunta ao demônio Ephippas por qual anjo ele é repelido. O

demônio diz que o único que pode enfraquecer seus poderes e derrotá-lo é um homem que nascerá de uma virgem e será

crucificado na cruz pelos judeus.

Vamos dar uma olhada no Testamento de Salomão 122:


“E eu disse-lhe:" Por que anjo te frustraste? " E ele respondeu: "Pelo único Deus governante, que tem autoridade sobre
mim para ser ouvido. Aquele que há de nascer de uma virgem e ser crucificado pelos judeus na cruz ..."

Isso é cristão. A única coisa remotamente judaica neste Testamento é o fato de Salomão ter usado demônios para

construir o templo, mas isso é tudo.

Concluindo, vemos que Belzebu tem sua primeira aparição como personagem principal em uma narrativa significativa. Em textos

anteriores, nós o vemos mencionado de passagem, mas é neste texto que seu personagem está mais carnudo.

Belzebu no Evangelho de Nicodemos, também conhecido como Atos de Pilatos

O Evangelho de Nicodemos é um texto gnóstico atribuído a um homem pelo nome de Nicodemos. Ele é mencionado no Novo

Testamento como um homem que visitou Jesus no Evangelho de João.

Deixe-nos olhar:

João 3: 1-10 “Havia um fariseu, um homem chamado Nicodemos, que era membro do conselho governante judeu. 2 Ele

veio ter com Jesus à noite e disse: “Rabi, sabemos que és um mestre vindo de Deus. Pois ninguém poderia realizar os

sinais que você está fazendo se Deus não estivesse com ele. ”

3 Jesus respondeu: “Em verdade, eu te digo, ninguém pode ver o reino de Deus a menos que nasça de novo.”

4 “Como alguém pode nascer quando é velho?” Nicodemos perguntou. “Certamente eles não podem entrar uma segunda vez no

ventre de sua mãe para nascer!”

5 Jesus respondeu: “Em verdade vos digo que ninguém pode entrar no reino de Deus se não nascer da água e do Espírito.

6 A carne dá à luz a carne, mas o Espírito dá à luz o espírito. 7 Você não deve se surpreender com o que eu digo: 'Você

deve nascer de novo'. 8 O vento sopra onde quer. Você ouve seu som, mas não consegue dizer de onde vem ou para onde

está indo. Assim é com todos os nascidos do Espírito. ”

9 “Como pode ser isso?” Nicodemos perguntou.

10 “Você é o mestre de Israel”, disse Jesus, “e não entende estas coisas?”

Como você vê, Nicodemos era um fariseu que fazia perguntas a Jesus.
O próprio texto é uma combinação de vários documentos juntos. Pesquisadores e estudiosos desses textos dizem que isso é

mais medieval, mais ou menos em meados do século IV.

O “Evangelho” está dividido em duas partes.

A primeira parte é chamada de “Atos de Pilatos”. Esta parte trata da narrativa da paixão de Jesus, que significa o sofrimento e a

morte de Jesus. Nesta seção, Pilatos é testemunha dos argumentos a favor e contra Jesus. É aqui que Pilatos concorda com o

pedido dos rabinos judeus de que ele, Jesus, seja executado. É aqui que Pilatos entra em contato novamente com informações

sobre Jesus e sua ressurreição. No início, os rabinos tentaram encobrir o fato de que Jesus ressuscitou, mas Pilatos já

descobriu.

A segunda parte do texto trata dos dias em que Jesus desapareceu. Foi nessa época que ele supostamente foi para o inferno após

sua morte. Na parte dois, vemos o texto sendo narrado por duas pessoas que supostamente ressuscitaram dos mortos. Leucius e

Karinus. Ambos os homens serviram como testemunhas de Jesus enquanto ele estava no Inferno.

É uma bela história, mas o evangelho não é autêntico de nenhuma maneira real. Os primeiros cristãos nunca fizeram menção a isso. No

entanto, era bem conhecido na Idade Média. A razão pela qual podemos dizer isso com segurança é porque as imagens usadas são muito

medievais. Por exemplo, a menção de Jesus ir para o inferno entre a hora de sua morte e a ressurreição é uma ideia medieval e nunca foi

mencionada em nenhum lugar antes dessa época. Pelo menos não em textos bíblicos.

Em ambos os casos, no texto, encontramos Belzebu, e isso está muito de acordo com a tradução que o Novo Testamento

faz dele. Pelo menos, parece assim até que você se aprofunde no texto.

Nas passagens a seguir, os rabinos, como fizeram no Novo Testamento, afirmam que Jesus está realizando obras que são

proibidas e são feitas pelas mãos de Belzebu. A diferença é que, em vez de eles falarem para a multidão, neste evangelho, eles

estão dizendo isso especificamente para Pôncio Pilatos.

Evangelho de Nicodemos:

“Ele contamina o sábado da Lei de nossos pais, com a intenção de derrubar nossa Lei.” Os judeus também disseram: “Nossa

Lei proíbe a prática de medicina a qualquer pessoa no sábado. Mas Ele Jesus, o coxo, o leproso, todo aquele que estava

doente ou possesso por demônios, o surdo e o mudo, Ele os curava no sábado ​através de Belzebu, príncipe dos demônios.

" ​Pilatos disse: "Mas quais são as suas más ações?" Os judeus responderam: "Ele fez essas coisas por meio de Belzebu,

príncipe dos demônios, e tudo se submeteu a Ele." Pilatos disse: "Um demônio nunca foi expulso por um espírito impuro.

Demônios são expulsos em nome de Deus."


Aqui está parte da passagem em grego:

A palavra entre as duas linhas vermelhas é "Belzebu". O texto o chama de Príncipe dos demônios, assim como quase todo

texto faz. O que acho interessante sobre a passagem grega acima é o último segmento. Vemos Pilatos combatendo os rabinos

da mesma forma que Jesus fez no Novo Testamento. Não se pode expulsar demônios com demônios. Mas ainda mais

interessante é o nome de Deus que ele usa.

Ele usou a palavra Ασϰληπιώ – ASCELPIO, que significa Asclépio, que era um semideus. Seu pai era Apolo e sua mãe era de

origem terrestre chamada Coronis. Ele era a personificação e a personificação do curador divino. À parte, é por isso que adoro

ver os textos originais. Em inglês, você nunca saberia que eles usaram o termo Asclepio; eles traduzem como "Deus". Para ser

claro, duvido que os escritores estejam dizendo que Pilatos está falando especificamente do semideus Asclépio, imagino que

eles estejam usando a palavra para significar a personificação da cura de uma natureza divina. Faz sentido, já que os rabinos

estavam discutindo questões relacionadas à saúde no que diz respeito a Jesus.

Belzebu é mencionado novamente em uma parte muito peculiar do livro. Há uma cena em que Jesus está para descer ao

inferno. O estranho sobre o texto é que o Deus Hades aparece. Não só isso, ele aparece COM Satanás.

O Evangelho de Nicodemos, capítulo 5: “Enquanto Satanás e o Hades falavam assim entre si, ouviu-se uma grande voz

como um trovão, dizendo: Levantai as vossas portas, ó governantes; e levantai vós, portões eternos, e o Rei da glória

entrará. ”
No texto, Hades é mais proeminente do que Satanás. Na verdade, conforme você se aprofunda no Capítulo 5 e no 7, você verá

isso. Nesses capítulos, Satanás foi derrotado por Jesus. Ele está acorrentado até a segunda vinda. Vamos dar uma olhada.

Capítulo 6: “Quando o Rei da glória agarrou o chefe sátrapa Satanás pela cabeça, e o entregou aos seus anjos, e disse:

Com correntes de ferro ata suas mãos e seus pés, e seu pescoço, e sua boca. Então Ele o entregou ao Hades, e disse:

Pegue-o e mantenha-o seguro até a minha segunda vinda ”.


Como vemos, o Rei da Glória, que é Jesus, amarra Satanás e o entrega ao Hades. No capítulo 7 está escrito:
“E Hades recebendo Satanás, disse-lhe: Belzebu, herdeiro do fogo e da punição, o inimigo dos santos, por que
necessidade fizeste que o Rei da Glória fosse crucificado para que viesse aqui e nos privar do nosso poder? ”

Então, vemos aqui que Hades é o diretor da prisão do submundo, e Satanás é um de seus prisioneiros. Também vemos

que Hades considerou Belzebu outro nome para Satanás, como Jesus sugeriu no Novo Testamento no capítulo

anterior.

É essencialmente isso em relação a Belzebu no que diz respeito aos textos apócrifos e gnósticos. Como você pode ver, todos

eles são cristãos e todos concordam, em sua maior parte, que ele é o Príncipe dos demônios e que seu nome correto é Belzebu.

Deixe-nos seguir em frente.


Belzebu na literatura oculta e cristã

Este foi um capítulo difícil de escrever porque era difícil separar a tradição cristã da tradição Oculta, uma vez que quase toda a

literatura Oculta obtém seus motivos e idéias ocultistas de fontes cristãs e, em alguns casos, vice-versa. Sei que é difícil de

ouvir, mas como mostrei antes, Belzebu é considerado um demônio apenas porque a religião ocidental o enquadrou dessa

forma. Seu passado antigo não tem nada a ver com demônios.

Observe que as datas em alguns desses textos podem não ser totalmente precisas, portanto, desculpe quaisquer erros a esse

respeito. Fiz o possível para determinar as datas com base nas informações que tinha. Também gostaria de observar que não me

aprofundo nesses textos. Estou apenas ilustrando que Belzebu é mencionado neles. E na maioria dos casos, ele está incluído

porque muitos desses textos são copiados uns dos outros. Muitos compartilham o mesmo reservatório de documentos.

Belzebu na literatura ocultista - textos selecionados

Higromanteia (1400):

Também conhecido como O Tratado Mágico de Salomão é pouco conhecido nos círculos ocultistas em geral, mas contém muito do

material da Chave de Salomão, bem como do Grimorium Verum. No texto, ele contém muitos nomes de anjos e demônios. Muito

disso lida com astrologia e quais demônios e anjos correspondem a quais planetas. Este texto também inclui as horas planetárias.

Tem muito da mesma sensação que outros Grimórios deste período. Embora certamente tenha a sensação de mais 14 ​º ​e 15 ​º-

século Grimórios, alguns dizem que seu conteúdo pode ser ainda mais antigo. Não tenho certeza se temos provas disso. Não é

diferente do que outras afirmações de Grimoire que eles datam de muitos séculos antes disso. Isso dá um ar de legitimidade.
Em ambos os casos, encontramos Belzebu mencionado aqui em um lugar razoavelmente proeminente. Como eu disse, este

texto contém horas planetárias, com atribuições demoníacas e angelicais. Além disso, eles o dividem não só de hora em hora,

mas também de forma direcional. Por exemplo, a primeira hora do dia, na direção do leste, é Lúcifer; a primeira hora do Norte

é Asmodai; a primeira hora do oeste é Astaroth e, finalmente, a primeira hora do sul é Belzebu. Há outro local que

possivelmente se refere a ele, e é como o demônio Zeboul que governa no sábado. Eu acredito que esta é apenas outra

referência a ele, já que ele é o único demônio que eu conheço que tem o sufixo Zeboul a este nome na tradição mágica.

Manual de magia demoníaca de Munique (1400):

Este texto trata principalmente de necromancia e demonologia e é considerado por muitos como avançado. Não está claro

quem escreveu isso, mas algumas evidências sugerem que foi escrito por um padre ou, pelo menos, um clérigo da igreja.

Isso é compreensível, considerando que muitos dos feitiços estão em latim E contêm declarações como "In Nomine, Patris

Filij et Spiritus Sancti Amen." Em inglês, "Em nome do pai e do Filho e do Espírito Santo Amém." Também menciona Jesus

Cristo inúmeras vezes, um sentimento decididamente cristão. Uma coisa que sabemos é que não se destina ao consumo

cristão e, portanto, não o acrescentei à seção seguinte a esta que trata dos textos cristãos.

Apesar de sua obscuridade, no livro Ritos Proibidos: Um Manual dos Necromantes dos 15 ​º

Século, ​entra em muitos detalhes sobre o conteúdo do manual.

Quase todos os feitiços neste livro são em latim e pertencem à aquisição de várias coisas que
alguém encontraria em um Grimoire. Alguns humorísticos são encontrados como o feitiço para obter um castelo ou um feitiço para obter um

cavalo. Caso contrário, é uma coisa bastante normal. Ele tem um ritual envolvendo Lilith que parece interessante, chamado “O Primeiro

Espelho de Lilith”.

Belzebu é mencionado algumas vezes no texto e é considerado o mesmo nível de Lúcifer. Seu nome também aparece

em alguns rituais. Sua aparência não é diferente dos outros Grimórios que discutiremos.

Fasciculus Rerum Geomanticarum (1494):

Este Grimoire foi composto em 1494 e contém uma lista de 37 demônios. Está escrito em latim e italiano. Inclui extensas

informações sobre espíritos e seus atributos astrológicos. Muitos desses nomes também podem ser encontrados na Goetia. A

hierarquia dos demônios é conforme pertence a este livro.


Quatro reis:

Oriens

Amaymon

Egyn

Paimon

E sob eles estão os suspeitos de sempre, incluindo Belzebu.

Como você pode ver, ele também é bastante proeminente neste Grimoire.
O Livro da Magia de Cambridge (1530?)

Como o nome sugere, este é um Grimório escrito na Inglaterra por volta de 1532. É frequentemente atribuído a um homem chamado Paul

Fireman. É, como os outros, um texto ritual mágico que inclui vários experimentos, conjurações de anjos e demônios e assim por diante.

Tal como acontece com os outros Grimórios, tem rituais que envolvem todos os aspectos da vida. Este texto também contém magia

Médica e Natural, que não é encontrada em todos os Grimórios deste tipo. Por exemplo, existe um ritual para uma dor de dente, etc. Existe

um ritual divertido que faz com que as mulheres, como é chamado, “Que eles deveriam levantar as saias enquanto dançavam.”

Pelo que eu posso dizer, há apenas um ritual que eu posso ver que envolve Belzebu, e é chamado A forma do

hospedeiro de Belzebub.

Não estou 100% certo do que isso significa, mas talvez seja apenas uma ilustração dos demônios sob o domínio de

Belzebu. O júri ainda está fora disso.

Livro dos Espíritos (1563?):


Este é um Grimoire francês que influenciou muito as obras que o seguiram. Como o livro de Johann Weyers, discutiremos em um

momento e o Chave Menor de Salomão. Como a maioria desses livros, isso também é atribuído ao rei Salomão. Isso ocorre

principalmente porque há uma tradição tão rica envolvendo Salomão e seus poderes ocultos sobre os demônios. Ao contrário dos

outros livros do gênero, este não é tão robusto quanto outros textos. O texto contém apenas os nomes dos demônios, sua estrutura

hierárquica e suas descrições. Essas descrições servem como modelo para todos os livros futuros com descrições demoníacas. Em

alguns casos, literalmente.

Neste livro, descobrimos que Belzebu está lá em cima. Os três principais

demônios são:

Lúcifer

Belzebu ou Bezlebuth, como é escrito no livro Satanás

Portanto, vemos aqui mais uma vez que Belzebu é da maior estima na estrutura demonológica.
Johann Weyer 1515-1588:

Johann Weyer foi um ocultista e médico holandês muito influente. Seu professor foi ninguém menos que Cornelis Agrippa,

cujo trabalho ainda é citado até hoje.

Em 1577, ele publicou o texto muito influente, Pseudomonarchia Daemonum, ou Falsa Monarquia de Demônios. Nele,

ele descreve as várias maneiras de invocar demônios, incluindo a hora correta do dia para chamá-los, etc. Acreditava-se

que sua compreensão dos demônios e os nomes dos vários demônios que incluiu no livro vieram do Ars Goetia. No

entanto, foi determinado que seu trabalho influenciou a Ars Goetia através da tradução de Reginald Scot (1538 - 1599).

Reginald foi uma das primeiras vozes contra os julgamentos das bruxas. Em seu livro, A descoberta das bruxas, ele

aprofunda seu ceticismo sobre a existência de bruxas e feitiçaria. Foi também neste livro que ele citou o trabalho de

Johan Weyer.

Em ambos os casos, Weyer acreditava que Belzebu, atrás apenas de Lúcifer, liderou a rebelião contra Deus. Veremos o

acasalamento de Belzebu e Lúcifer novamente ao longo deste capítulo, e eles são frequentemente descritos como o nível superior da

hierarquia demoníaca.

O Livro de Oberon (16 ​º ​Século):

Este clássico da magia elisabetana é obrigatório para todos os que estão interessados em magia ritual. É bastante

abrangente. Contém, como muitos desse gênero, rituais para diversas situações da vida. A autoria do livro é
desconhecida, mas muitas vezes é atribuída a vários autores, como o apóstolo Paulo, Cipriano, o rei Salomão e outros.

Isso, é claro, é improvável com base em seu conteúdo. O latim contido no livro é de baixa qualidade e, portanto, indica que

quem o construiu não era muito fluente nele.

No texto, Belzebu é encontrado em diversos rituais. Freqüentemente como testemunha de outras conjurações. Como invocar o

Espírito “Barana”. O livro afirma que ele é invocado em conjunto com Belzebu, Satanás e Leviatã. Ele também é usado em um

ritual que chama um espírito à aparência física. Ele é usado como uma forma de chantagem, por assim dizer. O texto afirma que

se um determinado espírito não aparecer, Lúcifer, Satanás e Belzebu serão queimados com fogo e enxofre até que o espírito

apareça diante do mago. E, finalmente, no livro, ele afirma que Ele está entre outros demônios que são os principais

governantes do inferno.

O livro em si não é diferente dos outros, pois contém elementos cristãos pesados. Jesus está atraindo quase todos os demônios que

estão sendo invocados. Então, sim, não exatamente um texto puramente oculto.

O Livro de Abramelin (1608?):

Este foi um dos primeiros livros que comprei quando estava aprendendo magia. Eu não consegui parar. O texto tem uma história

de origem um tanto superficial. O próprio livro fala sobre esse homem egípcio de nome Abraão ou Abra-melin, que possui vasto

conhecimento oculto. Ele supostamente ensinou tudo o que sabia sobre magia a um rabino judeu do século 14 chamado Abraão

de Worms, na Alemanha. Claro, isso não pode ser provado. A autoria do livro também está em questão. Ninguém sabe. Alguns

sugerem que um talmudista alemão o escreveu com o nome de Rabino Yaakov Moelin. O livro teve e ainda tem um grande número

de leitores na comunidade ocultista. Não vou entrar em detalhes sobre este texto; é um tópico muito extenso para este livro.

No Abramelin, existe uma hierarquia demoníaca. Temos os quatro

principais príncipes:

Lúcifer

Leviatã

Satanás

Belial

Abaixo deles estão outros oito príncipes.

Astaroth
maggot

Asmodee

Belzebu

Oriens

Paimon

Ariton

Amaymon

Como você pode ver, Belzebu é um príncipe, mas não muito alto lá.

Para mim, pessoalmente, a autenticidade deste livro deve ser questionada. Como mencionei, e se você pesquisar o livro, há

muito que se falar sobre este livro ter origem judaica. Posso dizer, sem sombra de dúvida, que não é nem um pouco judeu e,

portanto, atribuí-lo a qualquer rabino é falso. Existe uma grande pista. Você consegue adivinhar?

Observe os quatro principais príncipes demoníacos. O primeiro é Lúcifer. ​Os judeus não acreditam e NUNCA acreditaram na existência de

Lúcifer. ​Este fato por si só deveria fazer alguém questionar a fonte deste texto. Alguns elementos são judeus, mas o núcleo não é, e isso

levanta uma bandeira vermelha para mim. Novamente, é um tópico muito extenso para discutir aqui.

Grimório de Arthur Gauntlet (1608?):

Este Grimoire é uma compilação de obras e supostamente por um homem chamado Arthur Gauntlet. Não se sabe muito sobre

ele. Ele é mencionado em alguns textos, mas é só isso.

Neste Grimoire estão algumas de suas observações, bem como cópias de outros Grimórios que já foram discutidos. Este

texto contém uma vasta gama de diferentes trabalhos mágicos. Além dos feitiços usuais para dinheiro e amor, etc., você

encontrará orações e rituais baseados na Bíblia, bem como vários remédios de ervas. É uma espécie de balcão único para

ritos mágicos.

Neste texto, como nos outros, Belzebu é mencionado ao lado de Lúcifer, Satanás e semelhantes.

O Grimório do Papa Honório (18 ​º ​Século?)

Esse texto é atribuído ao Papa Honório III, que viveu entre 1150 e 1227. Claro, não há como provar isso. Este Grimoire é único em muitos

aspectos. Tem um sentimento muito católico. Foi escrito como se fosse para o clero, mas duvido muito que tenha sido escrito por um católico.

Alguns dos primeiros escritores afirmam que isso é provavelmente uma falsificação, com o objetivo de enganar as pessoas.
No texto, Belzebu tem destaque. Ele é um dos demônios que, se alguém domina seus nomes e natureza, terá todos os

desejos atendidos. Como afirma o texto, “Cada Espírito deve ser chamado pelo seu nome, e então eles cumprirão todos os

desejos. Eles são chamados de Lúcifer, Belzebu, Ashtaroth, Asmodai, Leviathan, Barbuit, Berbigot, Genap, Darison, Aeol. “

Existem cerca de quatro outras menções de seu nome no livro. Principalmente como testemunha de outros rituais.
The Black Books of Elverum (1790/1820?):

Este Grimoire de dois volumes foi encontrado na Noruega. A história conta que foi encontrado em um sótão. Pelo que pude

constatar, este era um manual de um médico particular. Eu sempre acho esses um pouco mais interessantes do que os Grimórios

mais populares que têm um apelo mais de massa. Este Grimório mistura diferentes tipos de Magick; de pagão a cristão. Esse

também é um aspecto que achei atraente. No entanto, quando você olha o texto com atenção, isso é, sem dúvida, um pouco mais

hostil ao Cristianismo, uma vez que há referências a jurar lealdade a Lúcifer.

Alguns dos rituais são estranhos. Por exemplo, “Como fazer alguém dormir 24 horas. “Não é algo que você vê em todos os

Grimórios. Uma coisa que eu gosto é que os rituais são super curtos.

Belzebu aparece esporadicamente ao longo do texto. Por exemplo, no ritual “Para invocar os espíritos malignos para forçar um

ladrão a devolver o que ele roubou,” ele é citado como um dos “demônios” que devem ser chamados para fazer esse ritual

funcionar. No texto, a grafia de seu nome é “Belsebub”. Nesse sentido, ele é testemunha de muitos dos rituais que vimos até

agora. Uma coisa é certa: ele é visto com muita consideração.

Francis Barret - O Magus (1801?):

Francis Barret teve muita influência nos meus primeiros dias no ocultismo. Eu encontrei o livro dele O mago

incrivelmente emocionante e cheio de informações proibidas.

No Magus, ele fornece a seguinte hierarquia demoníaca. Cito diretamente do texto:


-AZUS:PORTADOR DAS TREVAS

BELZEBU: FALSOS DEUSES IDOLATRAS

PYTHO :ESPIRITOS DA MENTIRA ,MENTIROSOS

BELIAL: INVENTORES DE COISAS MÁS

ASMODEUS: VINGADORES DA MALDADE

SATANAS: BRUXAS MALVADAS E FEITICEIROS

MERIHEM: FORNECEDORES DE PESTILENCIA

ABADDON: SEMEADORES DE DISCORDIA

ASTAROTH: CALUNIADORES E INQUISITORES


MAMMON: TENTADORES E ENREDADORES

Como você pode ver, Belzebu está bem ali perto do topo e é supostamente o instigador de
idolatria.

Eu recomendo altamente o Magus. É um daqueles livros que tem de tudo um pouco para o mago cerimonial
inquiridor.

Grimorium Verum (1817?):

Este é um Grimoire francês, não muito diferente de um que mencionarei em breve. Tem muitas das mesmas características dos

Grimórios anteriores. Eu sinto que é um pouco mais refinado do que muitos dos Grimórios que relacionei até este ponto. Tanto

quanto posso ver, é mais original em seu conteúdo também.

Como Abramelin, o Mago, isso é atribuído a um personagem egípcio evasivo. Desta vez, a pessoa se chama
“Alibeck”. Pesquisei esse nome e, além de “Ali”, não parece haver nada de egípcio nele. É aqui que algum
discernimento é necessário sempre que um texto afirma ter sido escrito por personagens misteriosos e evasivos.
Lembra-me de alguma forma do Necronomicon e sua suposta autoria do "Mad Arab". Há, sem dúvida, um forte tom
mítico em tudo isso.

É no livro um que vemos nosso amigo Belzebu, e como outros Grimórios, ele está em uma posição de destaque.
O texto afirma. “Em relação aos Espíritos, existem os superiores e os inferiores. Os nomes dos superiores são Lúcifer, Beelzebuth,

Astaroth. Os inferiores de Lúcifer estão na Europa e na Ásia e obedecem a ele. Beelzebuth vive na África, e Astaroth habita a América

... Beelzebuth às vezes aparece em formas monstruosas, às vezes como uma vaca gigante, às vezes como um bode, com uma longa

cauda. Quando zangado, ele vomita fogo ... ”

Como você pode ver, esse Grimório dá mais brilho à aparência física de Belzebu, mas também atribui a ele uma região

na Terra que considero interessante.

Gosto de ler o Grimorium Verum porque contém informações interessantes sobre demônios e a estrutura do texto
é limpa.

Le Dragon Rouge - O Grande Grimoire (19 ​º ​século?)

Este Grimoire é um dos mais populares no espaço oculto. Está dividido em dois livros. O primeiro é sobre como chamar

demônios e os vários instrumentos necessários para a magia ritual. O livro dois contém a maioria dos rituais e textos mais
intensos sobre como fazer pactos com demônios etc.

Como quase todo esse gênero, o livro é atribuído a uma data muito anterior. No entanto, o consenso parece que não é

tanto medieval quanto é 19 ​º ​século.

Duas pessoas que conheço publicarão em breve uma nova tradução deste Grimório. Meu amigo Aaman Lamba traduziu

do francês para o inglês e Arundell Overman escreveu a introdução. Arundell é o autor de O Compêndio Al-Ghoul, um

texto oculto fascinante. Você pode encontrá-lo na Amazon.

Vou citar diretamente do texto que estão publicando sobre Belzebu. Algumas delas podem incluir
comentários também.

“Belzebuth ou Belzebu ou Belzebuth, príncipe dos demônios, de acordo com alguns escritores, e de acordo com Milton," o

primeiro em poder e crime depois de Satanás, e de acordo com a maioria dos demonógrafos, líder supremo do império infernal.

Seu nome significa 'Senhor das Moscas.' Bodin afirma que não se vê nada em seu templo. Esta era a divindade mais

reverenciada pelo povo de Canaã, que o representava na forma de uma mosca, muitas vezes com os atributos de poder

soberano. Era um oráculo notável, e o rei Ophozias o consultou com uma doença preocupante, pela qual o profeta Elias o

censurou.

Ele tinha o poder de infligir uma praga de moscas aos homens, o que arruinaria suas colheitas. Quase todos os demógrafos o

consideram o governante do império das trevas, e cada um o descreve de acordo com sua imaginação. Milton lhe dá uma

presença imponente e o descreve com uma atitude sábia. Um autor o descreve tão alto quanto uma torre, outro tem dimensões

semelhantes, alguns

apresentá-lo na forma de uma serpente, há até mesmo alguns que o vêem sob a forma de uma mulher.

O monarca do submundo, diz Palingene em Lives of the Zodiac, sentado em um imenso trono, sua testa cingida com uma faixa de

fogo, peito inchado, rosto inchado, olhos penetrantes e um ar ameaçador. Ele tem narinas extremamente largas e dois grandes

chifres na cabeça. Ele é negro como um mouro, com duas enormes asas de morcego presas ao ombro. Ele tem duas largas patas

de pato, cauda de leão e cabelos longos da cabeça aos pés.

Alguns dizem que Belzebu é como Príapo. Outros, como Porfírio, o confundem com Baco. Pode-se encontrar vestígios

dele no Belbog ou Belbach (deus branco) dos eslavos, porque sua imagem sangrenta estava sempre coberta de moscas,

como a de Belzebu entre os sírios. Também se pode considerá-lo igual a Plutão. É mais crível que ele seja o mesmo que

Baël, que Wierus fez de imperador do Inferno, especialmente porque Belzebuth não aparece com esse nome em seu
inventário da Monarquia Infernal.

Vemos nas Chaves de Salomão que Belzebuth aparece às vezes em formas monstruosas, como a de um enorme bezerro ou cabra

com uma longa cauda, muitas vezes, porém, ele é mostrado na figura de uma mosca de tamanho extremo. Mostrou-se a Fausto

"vestido de boi, com duas orelhas assustadoras, cabelos pintados de todas as cores e com cauda de dragão". O marechal Retz o

viu na forma de um leopardo. Quando está com raiva, segundo o marechal, ele vomita chamas e uiva como um lobo. Às vezes

Astaroth aparece ao seu lado, na forma de um burro. ”

O acima se explica. Isso dá muito mais informações sobre como ele evoluiu ao longo dos Grimórios.
Dictionnaire Infernal - (1818?)

Este é de longe um dos mais, senão o mais popular, “dicionário” de demonologia. Escrito por Jacques Auguste Simon

Collin de Plancy em 1818, o livro serve a vários propósitos. É como o nome sugere uma espécie de dicionário de

demônios. Cada entrada contém imagens; quase todas essas imagens foram usadas em livros subsequentes. O livro

também inclui descrições e outros detalhes de vários demônios. Informações como hierarquia e similares. Seu outro

propósito é ser um relato abrangente de todas as coisas demonológicas. Muitos ocultistas renomados citam o livro.

Fiquei indeciso quanto a colocar isso em livros escritos por ocultistas ou em livros escritos por escritores cristãos. Digo isso

porque, com o tempo, Jacques repudiou grande parte do trabalho e aderiu estritamente ao catolicismo. Eu o mantive aqui nesta

seção, pois foi escrito pela primeira vez como um texto oculto fora da igreja.

Em ambos os casos, muitos dos demônios do livro são deuses demonizados de outras religiões. Por exemplo, e apenas para

citar alguns. Bhairava; uma forma do deus Shiva no hinduísmo. Garuda, uma criatura parecida com um pássaro encontrada

em textos hindus e budistas. Ganga; a personificação feminina do rio Ganges e alguns mais. E, claro, temos Belzebuth

chegando em 18º lugar em 65º na lista de demônios.

Embora o livro tenha alguns detalhes maravilhosos, acho que muitos deles são um tanto suspeitos, porque muitos dos demônios

são deuses de outras nações. Apenas o judaico-cristianismo os demonizou e, portanto, o livro está contaminado com o fedor do

preconceito católico. No entanto, é uma leitura divertida, no entanto.

Belzebu na literatura cristã - textos selecionados


Os sete pecados mortais:

Antes de discutirmos sobre Belzebu na literatura cristã fora do Novo Testamento, precisamos discutir a ideia dos sete

pecados capitais. Fique comigo aqui. Isso fará sentido em um momento. Vou apenas discutir a evolução do conceito

dos sete pecados capitais em termos do Cristianismo e não vou discutir as raízes antigas da ideia.

Temos um monge do quarto século chamado Evagrius Ponticus (345-399 DC), que surgiu com uma forma inicial dos Sete

Pecados Capitais que ele chamou de “os oito pensamentos maus”.

Eles são:

1. Gula
2. Fornicação
3. Ganância

4. Orgulho

5. Tristeza
6. Ira
7. Ostentando

8. Desânimo

Eles foram então refinados por John Cassain (360-435 DC), um teólogo cristão e monge para se parecerem com:

1. Gula
2. Fornicação
3. Ganância

4. Orgulho

5. Tristeza
6. Ira
7. Orgulho ou vanglória
8. Preguiça

Então, finalmente, em 590 DC, o Papa Gregório I padronizou a lista com o que temos hoje:

1. Orgulho

2. Inveja
3. Gula
4-LUXURIA
5-RAIVA
6-GANANCIA
7-PREGUIÇA

Isso se tornou amplamente aceito e ainda é usado hoje. Não necessariamente nesta ordem.

Por serem considerados pecados, entendeu-se que cada pecado corresponderia a um demônio que incitaria esses

pecados, por isso mencionei isso. Belzebu, em algumas listas de demônios, é atribuído a um ou mais desses pecados.

Vamos ver como ele está ligado a eles.

John Wycliffe? - (1320-1384):

O primeiro texto que discutiremos é O Lanterne da Luz, é uma obra literária anônima, mas muitas vezes atribuída a John

Wycliffe 1320-1384, um teólogo, tradutor da Bíblia, sacerdote e filósofo. Não está totalmente claro se foi ele, já que o texto foi

publicado após seu falecimento, mas por enquanto, vamos supor que ele o tenha escrito.

Nele, ele criou uma lista de hierarquia demonológica com demônios, pois eles correspondem aos sete pecados capitais. Eles são

como tais:

1. Lúcifer - Preço
2. Belzebu - Gula
3. Satanás - Ira
4. Leviathan - Inveja
5. Mammon - ganância

6. Belphegor - Preguiça
7. Lilith - Luxuria

Como você pode ver, nosso amigo Belzebu está associado à Gula. É interessante notar que ele lista Lúcifer e Satanás

separadamente. Embora eu concorde, eles são totalmente separados, a doutrina da igreja ligava Lúcifer e Satanás como um só

ser, então é interessante vê-los separados nesta lista. Vemos isso na próxima lista também.

Peter Binsfeld - (1540-1598):

Peter Binsfeld, foi um bispo e teólogo alemão, 1540-1598. Embora tenha vivido uma vida curta, ele foi muito influente na caça

às bruxas de sua época. Ele era, eu acho que você poderia dizer, um fanático por essas coisas. Em seu trabalho, De
confessionibus maleficorum et sagarum ('Das Confissões de Feiticeiros e Bruxas'), ele discute com bastante profundidade

sobre as confissões de supostas bruxas e feiticeiros. Agora, por favor, lembre-se, durante esse tempo, se você olhasse para

alguém da maneira errada, poderia ser considerada uma bruxa ... mais ou menos. Digamos apenas, em uma atmosfera

religiosa tão elevada, não era difícil ter problemas com os caçadores de bruxas. Neste livro, ele relata várias confissões, todas

extraídas dessas pessoas por meio de tortura. Por volta de 1589, ele publicou um trabalho que listava os principais demônios

e os ligava a um pecado particularmente mortal,

Eles são:

Orgulho - Lúcifer

Ganância - Mammon

Luxúria - Asmodeus

Inveja - Leviatã

Gula - Belzebu

Ira - Satanás

Preguiça - Belphegor

Assim, vemos que nosso amigo Belzebu está associado à gula, assim como estava na lista anterior.
Sebastian Michaelis - (Final de 16 ​º ​Século):

Sebastian Michaelis, um inquisidor francês do final de 16 ​º ​século, associado Belzebu com o pecado do orgulho. Ele escreveu

extensivamente sobre demônios. Em 1613 ele publicou um livro chamado

História Admirável. Nele, ele criou uma lista extensa classificando os vários demônios no inferno. Sua fonte de informação

era de um demônio que ele exorcizou de alguém. O demônio que ele exorcizou foi “Baal Berith”. Que, aliás, é simplesmente

outra forma de Baal, como mencionei em meu livro sobre o Baal. A própria hierarquia é suspeitamente semelhante a uma

das 5 ​º ​século chamado De Coelesti Hierarchia; uma obra pseudo-dionisíaca. Na obra de Sebastian, ele classificou Belzebu

como estando na primeira hierarquia do que fazia parte de classificações mais amplas de anjos, como Querubins, Serafins

e Tronos.

Ele tinha três hierarquias principais; nos preocuparemos apenas com o primeiro, pois é nele que vemos todos os

números prováveis. Ele não os divide pelos pecados capitais, embora os mencione às vezes. Belzebu, por exemplo,

é o demônio do orgulho.

Primeira hierarquia:
1. Belzebu - Príncipe dos Serafins
2. Leviatã - Também Príncipe dos Serafins
3. Asmodeus - Também Príncipe dos Serafins

4. Berith - Príncipe dos Querubins


5. Astaroth - Príncipe dos Tronos
6. Verrine - Também Príncipe dos Tronos

7. Gressil - O Terceiro Príncipe dos Tronos

8. Soneillion - Quarto Príncipe dos Tronos

Como você vê, ele lista Belzebu como o Príncipe dos Serafins. De acordo com Sebastien, ele perde apenas para Lúcifer.

Foram ele, Lúcifer e Leviatã que caíram do céu primeiro. Lamento dizer, mas muito disso foi desmascarado. Lúcifer não é

um anjo caído, e Leviatã era uma criatura marinha, talvez até Tiamat, mas nunca classificado como um demônio fora da

influência cristã.

Todas essas listas demoníacas foram inventadas, criadas do nada. Digo isso porque, como você viu, diferentes autores criaram

listas diferentes e as reorganizaram. Isso significa que não houve um consenso real aqui e foi inventado. Ou seja, provavelmente

não existe uma hierarquia real de demônios, mas, em vez disso, atribuímos hierarquia para torná-los mais fáceis de entender.

Tentei tocar em todos os textos significativos. Peço desculpas se perdi algum livro. Se movendo!
Belzebu e os julgamentos das bruxas de Salem

Os julgamentos das bruxas em Salem Massachusetts são uma mancha na história americana. Muitas pessoas inocentes foram

perseguidas e processadas sob a suspeita de serem bruxas. A maioria dos acusados eram mulheres e adolescentes. A razão para

isso é que os puritanos pensavam que as mulheres eram inerentemente pecadoras. Isso, sem dúvida, foi devido a uma interpretação

literal da história em Gênesis, na qual Eva comeu do fruto proibido. Achava-se que as mulheres deviam estar preparadas quando o

diabo viesse tentá-las. Uma dessas tentações era seduzir uma mulher a praticar atos de bruxaria.

Quase 100% dos acusados eram inocentes; a maioria foi acusada porque foi proscrita em suas sociedades ou por outras

razões que hoje seriam consideradas mesquinhas. Se o seu vizinho não gostasse de você ou se você tivesse uma crença

política diferente, eles poderiam espalhar rumores de que você era uma bruxa, e você poderia muito bem ser julgado. A

preponderância da evidência era falsa ou inexistente, mas em uma era de medo intensificado, isso não importava, a simples

acusação era tudo o que era necessário para condená-lo.

Dizia-se que essa histeria em massa em torno da bruxaria foi gerada pelo próprio Belzebu. Eu, é claro, não acredito nisso,
mas foi imaginado que ele essencialmente assumiu o controle da cidade de Salem, Massachusetts, e causou esse evento

horrível.

Um reverendo na época com o nome de Cotton Mather, até escreveu um panfleto chamado, De Belzebu e Sua Conspiração. Nele, ele

prossegue dizendo que a Nova Inglaterra estava anteriormente nas mãos do diabo até que eles vieram para espalhar o Cristianismo.

Ele afirma ​“Os New-Englanders são um

o povo de Deus se estabeleceu naqueles, que antes eram os territórios do diabo; e pode-se facilmente supor

que o diabo ficou extremamente perturbado quando percebeu tal povo aqui cumprindo a antiga promessa feita

ao nosso bendito Jesus, de que ele teria as partes confins da terra para sua posse ... ”

É uma leitura interessante. Se você deseja ler o texto na íntegra, acesse o seguinte link:
https://www.bartleby.com/400/prose/2

Como você pode ver, seu texto implica que Belzebu não é apenas o diabo, mas também o culpado pelas atrocidades subsequentes em

Salém. Isso, em minha mente, era simplesmente histeria e um bode expiatório. Foi realmente uma mancha na história americana.

Belzebu na literatura popular do final do século 17

Como você pode imaginar, Belzebu, sendo tão popular quanto era, acabaria entrando na literatura popular. Neste capítulo,

apresentarei duas grandes obras que o apresentam. Esses textos tiveram amplo público leitor. Vamos primeiro discutir o progresso

do peregrino.

John Bunyan - o progresso do peregrino

John Bunyan, um pregador puritano, em sua obra, O progresso do peregrino (1678), personifica Belzebu como sendo o

próprio diabo. Este texto é uma alegoria cristã que ganhou muita popularidade por descrever a jornada de um cristão pela

vida. João usa o termo “portão de torcida” como uma representação de Cristo. Sabemos disso porque Jesus se associou ao

portão estreito. Se alguém passasse por ele, estaria com Cristo. No entanto, o caminho para este portão não é fácil; a

tentação está em toda parte. Quando um bom cristão se aproxima do Portão de Wicket, Belzebu e seus arqueiros atiram

flechas neles, na esperança de acertá-los antes que entrem. Isso significa que Belzebu tentará, com suas fundas e flechas,

tentar o bom cristão, para que ele se desvie e nunca passe pelo portão, causando, assim, para todos os efeitos, a morte

espiritual. O texto afirma: “Então, quando Christian estava intervindo, o outro o puxou. Então disse Cristão: O que significa

isso? O outro lhe disse: A pouca distância deste portão está erguido um castelo forte, do qual Belzebu é o capitão: de lá

tanto ele como os que estão com ele, atiram flechas nos que vêm até este portão, se por acaso eles podem morrer antes

de poderem entrar. Então disse Cristão, Eu me regozijo e tremo. Então, quando ele entrou, o homem do Portão

perguntou-lhe quem o dirigia para lá.


Portanto, aqui temos uma ideia de que Belzebu é essencialmente o próprio Satanás, tentando impedir os cristãos de entrar no

céu. É uma história curiosa, mas ilustra como Belzebu era proeminente na mente dos puritanos.

John Milton - paraíso perdido

John Milton's Paraíso Perdido é um texto muito influente na igreja e nas comunidades ocultas. O que é estranho é que muitos não

percebem isso. Alguns citam ideias deste trabalho como se fossem de algum modo textos antigos, mas, infelizmente, não são.

Paradise Lost é um poema épico que descreve a queda da humanidade do Éden, mas também serve como um texto que reflete os

tempos políticos em que John Milton se viu vivendo. O próprio poema foi publicado por volta de 1667.

Apesar de sua versão ficcional da Queda da Humanidade, ele lida com os personagens de Belzebu e Satanás de

maneiras bastante complexas.

No poema, Satanás é a cabeça dos anjos caídos e Belzebu é seu tenente de confiança. Satanás no início é visto no texto como uma

figura extremamente heróica enfrentando a Tirania do Senhor, mas mais tarde, à medida que o texto avança, seu caráter fica cada vez

mais oprimido à medida que ele percebe que, de muitas maneiras, ele está mais fraco agora que ele foi expulso do céu. No entanto, ele

mantém a esperança de que um dia, ele irá realmente voltar para o céu e derrotar o Senhor. Ele está essencialmente esperando contra

a esperança.

É neste ponto que Belzebu entra em cena. Belzebu é retratado como um personagem mais estável,
governado pela razão e menos vitríolo e vanglória.

Ele afirma: “Acredite no Todo-Poderoso da força, pois nada menos que tal poderia ter dominado uma força como a nossa”.

Aqui, Belzebu reconhece que Deus é realmente todo-poderoso, algo que Satanás não quer ou deixa de ver. Satanás se fixa

na ideia de que Deus é apenas um tirano irado e irracional. Ele afirma:

"Mas e se ele nosso Conquistador ... Nos deixou este nosso espírito e força inteiros Fortemente para sofrer e apoiar nossas dores, Para que

possamos assim bastar sua ira vingativa, Ou prestar-lhe um serviço mais poderoso como seus escravos Por direito de guerra, o que 'er seu

negócio estar aqui no coração do inferno para trabalhar no fogo, ou fazer suas tarefas no abismo sombrio .. "

Belzebu tenta ser mais razoável, mas não há muito que ele possa fazer sobre Satanás. Posteriormente, Belzebu disse

algo doloroso. Ele declara: "O que pode valer então, embora ainda sintamos a Força intacta, ou o ser eterno Para
sofrer o castigo eterno?"

O que ele está dizendo é que não há benefício ou vantagem para eles terem todo esse poder se, no final, Deus for

mais forte e puder fazer o que quiser.

Há muitas idas e vindas no texto, mas o que ele mostra é que Belzebu é o mais sóbrio e lógico. Eu
recomendo o Paradise Lost. Acrescenta uma complexidade à narrativa do outono, embora fictícia.

Introdução aos Rituais

Chegamos à parte ritual do livro. Há um total de cinco rituais / meditação. Um de meus queridos amigos, Soror

Zaynab, apresentará dois rituais neste livro. Eu acho que você vai gostar deles.

Os cinco rituais cobrirão o seguinte: Uma Petição

para Orientação e Proteção. Convocando Belzebu

para inspirar a luxúria.

Convocando Belzebu para subjugar seus inimigos.

Invocando Belzebu para Fins Divinatórios.

Elevando sua consciência com os nomes de Belzebu. Esta meditação ajudará você a se alinhar com ele. Eu sugeriria

este antes de qualquer ritual importante ou quando você simplesmente deseja sentir seu poder. É baseado em uma

técnica de Meditação Cabalística.

Comecemos.
Petição de Orientação e Proteção

O seguinte ritual foi elaborado por meu querido amigo Soror Zaynab. O ritual a seguir é protegido por direitos autorais de 2019 por

Soror Zaynab.

Este é um ritual que construí para homenagear Belzebu e pedir Sua misericordiosa proteção e

orientação. ​Ferramentas para acelerar e aumentar a energia que está sendo criada:

·
Duas velas pretas

·
Pedras de obsidiana (por causa da história de Belzebu, eu uso meus cristais de obsidiana) Sigilo de Belzebu ​·
·
Olíbano (eu prefiro enxofre)

·
Porta-incenso com carvão e cartas de tarô mais leves

·
(qualquer baralho)

·
Altar

·
Diário
Desenhe o sigilo no próprio altar ou em um pedaço de papel. O sigilo está no centro do altar. Normalmente, o sigilo é

desenhado dentro de um triângulo, e isso é para centralizar e focar a intenção.

http://www.kinozavr.info/imagebdata-beelzebub-sigil.htm ​)
Coloque as velas em cada lado do sigilo. (Dica: acenda uma vela . Use a cera da vela para definir uma base para as

velas em seu ritual. Isso evitará que você tenha que comprar muitos castiçais pequenos.)

Cuidadosamente, coloque o cristal no altar.

Configure sua bandeja de incenso com o carvão. (Dica: dependendo do gravador de carvão que você tem,

você pode reduzir o calor do metal colocando sal primeiro na parte inferior e, em seguida, colocando o

carvão em cima.)

Limpe a energia da sala (e de você mesmo) antes de começar. Isso pode ser feito com o Ritual Menor de Banimento do Pentagrama

(LBRP). Pessoalmente, evito usar anéis de sal enquanto estou construindo um relacionamento porque isso pode ser um insulto ao

Espírito. No entanto, se o anel de sal for mais acessível para você, use-o, especialmente se não estiver confortável com o LBRP. Se

você tiver carpete e não quiser passar o aspirador, coloque um lençol e pode adicionar um anel de sal no lençol. Depois que a energia

for removida, faça três círculos no sentido horário ao redor do altar. Este será seu espaço de trabalho, portanto, certifique-se de que

todas as ferramentas estejam dentro do círculo.

Assim que o círculo for criado, você começará com a invocação. Isso vai começar a ajustar você e a sala para
Belzebu. Aqui está a invocação que uso:

Invocação:

Belzebu - eu te invoco
Belzebu - Príncipe do Abismo - Eu te invoco Belzebu -
Rei Rei da Terra - Eu te invoco
Esta invocação deve ser repetida três vezes (3x) e no ritmo de sua respiração. Significado, leve o seu tempo - permita que as

palavras ressoem através de sua respiração em seu corpo. Você quer que seu corpo se sintonize com o som.

Reserve de 5 a 10 minutos para meditar e acalme sua mente.

Acenda as velas e o incenso. Agradeça a Belzebu por ouvir sua invocação.


Recite a petição:

Sombra da noite, Belzebu Guerreiro


do dia, Belzebu Rei das Qliphoth,
Belzebu
Ouça meu chamado enquanto oro

Gotas de sangue cheias de gratidão

Eu honro o que você concede

Para sempre em admiração com um coração agradecido

Guie minha luz para alturas maiores para que eu possa

ascender meus arquétipos falíveis

Caro rei Belzebu


Nunca vou me desviar

Do caminho que você revela

Eu exijo que você me proteja enquanto eu curo

Dê-me uma visão clara da estrada a seguir Faça-me invisível

para aqueles com corações impuros

E todo o meu amor vou transmitir

Devotarei um lar em sua veneração Eternamente

endividado com cada geração


Selado com um voto de devoção

Por favor, coloque essas rodas em movimento rápido.

assim seja!
Coloque sua oferta no altar. A forma de sangue ou de uma fonte de carne é o melhor. Álcool é outra

escolha esplêndida.

Embaralhe suas cartas de tarô e retire uma única carta. Esta será sua mensagem principal para o ritual. Agradeça a Belzebu

por sua gentileza na atenção. Pergunte a ele se há algo que ele gostaria de comunicar. Depois que as comunicações forem

concluídas, libere-O com outro agradecimento - isto é "Obrigado pelo seu tempo, REI."

Feche o círculo caminhando no sentido anti-horário ao redor do altar.

Se você executou o LBRP no início. Execute novamente para dispensar qualquer energia que possa ter sido "associada".

O RITUAL ESTÁ CONCLUÍDO.

Deixe as velas acenderem, contanto que sejam supervisionadas.

Deixe o altar intacto até o dia seguinte. Jogue fora a carne. Desmonte seu altar com bondade.

Se o seu sigilo foi desenhado em um pedaço de papel, sinta-se à vontade para carregá-lo consigo, como um talismã. Escreva, .

Documento, Rito. :)

Soror Zaynab pode ser encontrado no Instagram. Siga-a em:

https://www.instagram.com/soror_zaynab/
Petição por força de vontade e acuidade intelectual nos negócios

O seguinte ritual foi construído por Soror Zaynab. O ritual a seguir é protegido por direitos autorais de 2019 por Soror Zaynab.

Este é um ritual que construí para homenagear Baal-Zebul. Estamos pedindo a Ele que nos ensine como nos comunicar melhor em

empreendimentos comerciais, aplicar nossa Vontade nesses empreendimentos e estimular nossos esforços criativos.

Ferramentas para acelerar e aumentar a energia que está sendo criada:

·
Seis velas azuis
·
Uma vela de ouro
·
Pedra Obsidiana
·
Pedra Citrina
·
Pedra Lápis Lazuli
·
Beelzebub Sigil
·
Incenso
·
Porta-incenso com carvão e cartas de tarô mais leves
·
(qualquer baralho)
·
Altar
· ​Diário

Este ritual é executado melhor ao amanhecer da manhã de quinta-feira.


Desenhe o sigilo no próprio altar ou em um pedaço de papel. O sigilo está no centro do altar. Normalmente, o sigilo é

desenhado dentro de um triângulo. Isso ajudará a focalizar sua intenção.

http://www.kinozavr.info/imagebdata-beelzebub-sigil.htm ​)
Desenhe um círculo ao redor do triângulo. Será assim:

Coloque três velas azuis em cada ponto dentro do triângulo. Coloque as três velas azuis restantes do lado de fora do

triângulo, uma de cada lado. (Dica: acenda uma vela. Use a cera da vela para definir uma base para as velas em seu

ritual. Isso evitará que você tenha que comprar muitos castiçais pequenos.)
A vela dourada fica no meio do triângulo. No topo do sigilo ou próximo a.

(Para sua informação - as velas azuis agora formaram dois triângulos equiláteros. Isso remete a “Belzebu Acima - Belzebu

Abaixo.”)

Cuidadosamente, coloque as pedras no altar.

Configure sua bandeja de incenso com o carvão. (Dica: dependendo do gravador de carvão que você tem, você pode reduzir o

calor do metal colocando sal primeiro na parte inferior e, em seguida, colocando o carvão em cima.)

Limpe a energia da sala (e de você mesmo) antes de começar. Isso pode ser feito com o Ritual Menor de Banimento do

Pentagrama (LBRP). Pessoalmente, evito usar anéis de sal enquanto estou construindo um relacionamento porque isso pode ser

um insulto ao Espírito. No entanto, se o anel de sal for mais acessível para você, use-o, especialmente se não estiver confortável

com o LBRP. Se você tiver carpete e não quiser passar o aspirador, coloque um lençol e pode adicionar um anel de sal no lençol.

Depois que a energia for removida, faça três círculos no sentido horário ao redor do altar. Este será seu espaço de trabalho, portanto,

certifique-se de que todas as ferramentas estejam dentro do círculo.

Assim que o círculo for criado, você começará com uma invocação. Isso começará a sintonizar você e a sala com

Belzebu. Aqui está a invocação que uso:

Invocação inicial:

Rei Belzebu - Proprietário do Domínio - Entre neste Domínio.

Lorde Belzebu - Guardião e Supervisor - Aceite minha humilde comunhão.

Belzebu Exaltado - Misericordioso e Gracioso - Estabeleça-se neste Templo.

Esta invocação deve ser repetida três vezes (3x) e no ritmo de sua respiração. Significado, leve o seu tempo - permita que as

palavras ressoem através de sua respiração em seu corpo. Você quer que seu corpo se sintonize com o som.

Reserve de 5 a 10 minutos para meditar e acalme sua mente.

Acenda as velas e o incenso. Agradeça a Belzebu por ouvir sua invocação.


Invocação com Petição:

Eu invoco a Ti - Rei Belzebu - Aquele do Altíssimo, entre neste Templo, conceda seus poderes a mim. Ensine-me como

comunicar-me com eficácia em atividades empresariais, sociais e intelectuais. Mostre-me, Majestade, como aplicar a força de

Vontade para me conformar e manifestar a vida que desejo.


Eu invoco a Ti - Senhor Belzebu - Protetor de Seu povo, entre neste Vaso. Ensine-me como destruir as ilusões da minha mente, para

que eu possa tomar decisões acertadas. Dê-me força de intelecto para reconhecer as melhores oportunidades de negócios para o

propósito da minha vida e a vontade de vê-las até a criação.

Eu invoco a Ti - Exaltado Belzebu - Deus dos Céus, para permear minha Mente. Abasteça meus esforços criativos com

uma imaginação desinibida. Um que irá manifestar o que atrairá sustentabilidade duradoura em questões financeiras,

sociais e de negócios.

Eu invoco a Ti - Príncipe Belzebu - Doador de Justiça, para entrar em meu corpo com toda a sua essência. Permitindo-se desfrutar dos

prazeres e dores da existência humana. Deleitando-se em todas as formas de êxtase. Desfrutando como você deseja.

assim seja!
Coloque sua oferta no altar. O sangue se forma você mesmo, ou uma fonte de carne é melhor. O álcool é outra escolha

esplêndida.

Baralhe suas cartas de tarô e retire uma única carta. Esta será sua mensagem principal para o ritual.

Agradeça a Belzebu por sua gentileza na atenção. Medite - pergunte ao Rei se há algo que Ele gostaria de comunicar.

Depois que as comunicações forem concluídas, libere-O com outro agradecimento - ou seja, "Obrigado pelo seu tempo,

."

Feche o círculo caminhando no sentido anti-horário ao redor do altar.

Se você executou o LBRP no início. Execute novamente para dispensar qualquer energia que possa ter sido "associada".

O RITUAL ESTÁ CONCLUÍDO.

Deixe as velas acenderem, contanto que sejam supervisionadas.

Deixe o altar intacto até o dia seguinte. Jogue fora a carne. Desmonte seu altar com bondade.

Se o seu sigilo foi desenhado em um pedaço de papel, sinta-se à vontade para carregá-lo consigo, como um talismã.

Soror Zaynab pode ser encontrado no Instagram. Siga-a em:

https://www.instagram.com/soror_zaynab/
Invocando Belzebu para inspirar luxúria
Neste ritual, vamos invocar Belzebu para inspirar luxúria em outra pessoa.

Observe ​que este ritual pode não ser adequado para todos os públicos, uma vez que contém
material sexual.

Este foi um dos rituais que usei muitos anos atrás. Na verdade, foi um dos primeiros que fiz envolvendo Belzebu. Fiz

apenas um ajuste com os nomes, mas fora isso, é o mesmo. Eu espero que você goste.

Do que você precisa:

Duas velas pretas.

Incenso, qualquer um serve. No entanto, eu recomendaria olíbano, que é sempre meu perfume favorito.

Se você tiver uma foto daquele que você deseja, tenha-a em mãos. Caso contrário, escreva o nome em
um pedaço de papel.

Uma imagem do sigilo de Belzebu ou qualquer imagem que o represente em sua mente. Na época, usei o sigilo.

Você pode fazer isso no dia que escolher. No entanto, depois de escolher o dia, pense na pessoa que
deseja. Pense neles vários dias antes. Isso permitirá que sua paixão cresça dentro de você. Se você
pode se abster do prazer próprio, faça-o durante os dias que antecedem o ritual.
Comecemos:

Antes de começar, certifique-se de que vários dias se passaram nos quais aquele que você deseja está em sua mente. Você quer ter

a luxúria agitando dentro de você.

Acenda as duas velas pretas e coloque-as onde quiser no altar. Acenda o incenso e

coloque-o onde quiser.

Segure o símbolo ou imagem de Belzebu em suas mãos.

Sente-se diante de seu altar e pense na pessoa em quem deseja inspirar amor ou desejo.

Agora diga o seguinte encantamento:

"Eu convoco você ​BAAL-ZEVUV, ​Eu convido você em minha morada. Eu convoco

você ​BAAL-ZEVUL, ​Lorde das Trevas, Primordial. Me ouça!


Pai do Reino da Profanação! Inimigo de

Yahweh, eu convido você aqui!

Eu sinto a agitação da Luxúria, uma luxúria tão profunda que me abala até a minha própria essência. Eu ofereço a

você, esta noite, minha devoção.

Eu ofereço a você, esta noite, minha luxúria.

Sinto sua presença, seu calor, sua onda sexual dentro de mim. Com poder, que

minha luxúria entre no coração de ______.

Quando eu me aproximar ________, deixe seu coração disparar de ansiedade quando me virem. “

Coloque o sigilo ou imagem de Belzebu no altar.

Agora vá sentar-se em uma cadeira ou deite-se em uma posição confortável. Posicione-se de forma que você seja capaz de explorar

sua luxúria da maneira que mais gosta.

Quando você estiver confortável e pronto para explorar sua luxúria sexual. Diga o seguinte e mantenha a imagem

da pessoa em mente. As palavras a seguir serão dirigidas àquele que você deseja.

“Minha luxúria está em chamas; Eu não posso mais me conter.

Quando meu corpo convulsionar com seus pensamentos, sinta minha luxúria explodir.
Sinta o prazer profundo e inabalável que flui de mim para você. Minha luxúria é sua

oferta e você olha para mim com igual luxúria.

Que minha luxúria seja satisfeita; que você sinta por mim o mesmo desejo que eu sinto por você. Que sua

luxúria seja satisfeita por minha vontade e pelo poder do Príncipe Baalzebub. Glória a você Baalzevuv, Glória

a você Baalzevul, Glória a você Baaldabbab.

Se você tiver uma foto da pessoa ou seu nome escrito, certifique-se de que um pouco de sua essência sexual possa

ser colocada nela.

Depois de se recompor, coloque a imagem ou papel com o nome da pessoa que você deseja
longe de olhos curiosos.

Agradeça a Belzebu da maneira que você se sentir mais confortável.


Assim conclui este ritual.

Você pode realizar este ritual quantas vezes precisar. Na verdade, quanto mais desejo você adicionar à imagem ou ao nome

da pessoa, melhor.

Convocando Belzebu para subjugar seus inimigos

Lembro-me de quando tinha cerca de 18/19 anos, trabalhava em um negócio que meu pai deixou para trás depois que morreu. Era

um negócio sujo; um cheio de muitas pessoas desagradáveis. Não que o próprio negócio fosse ilegal, apenas tinha jogadores

desagradáveis e, infelizmente, tive que trabalhar com eles. Muitas pessoas me olhavam como alguém de quem poderiam tirar

vantagem. Muitos sabiam, eu era ingênuo e não conhecia bem o negócio. Eu era um alvo fácil.

Eu tinha apenas cerca de quatro anos em minha prática de magia, e resisti em usar a magia para prejudicar ou subjugar as pessoas. No

entanto, naquele ponto da minha vida, eu estava desesperado. Não tinha ninguém para me ajudar ou me defender, precisava fazer algo. Decidi

pedir ajuda a Belzebu. Eu admito, estava com medo porque não sabia tanto quanto sei agora. Em qualquer dos casos, realizei um ritual com

Belzebu para subjugar meus inimigos. Basta dizer que essas pessoas em particular pararam de me incomodar. Muitas coisas estranhas iriam

dar errado para eles. Não estou falando uma ou duas coisas; Quero dizer grandes problemas com seus negócios. Foi tão ruim para eles que se

esqueceram completamente de mim. Eu me senti um pouco culpado, mas também fiquei emocionado por tê-los tirado de minhas costas.

Isso é o que eu usei e fiz:

Uma vela de figura: ​No meu caso, a pessoa que me incomodava era um homem, então ganhei uma vela de figura masculina. A

vela era branca porque era a única cor que possuíam. Funcionou bem, então você pode usar qualquer cor que puder.

Incenso: ​O incenso que usei era feito de cedro; veio como um cone. Eu escolho o cedro porque é freqüentemente usado em rituais

para limpar uma sala de energia indesejada. Também funciona quando você deseja se livrar de pessoas indesejadas.

Alfinetes: ​Qualquer tipo de alfinete forte o suficiente para perfurar uma vela. Eu usei tachinhas. Achei que eram melhores, já que

não se projetavam muito para fora da vela.

Sigil: ​Na época, usei o sigilo de Belzebu. Você pode encontrá-lo facilmente online.

Uma tigela ou prato: ​Isso será usado para queimar sua vela com segurança. Você verá por que recomendo uma tigela ou prato

seguro em instantes. Você também pode usar um castiçal, mas precisará acomodar o abaixo.

O método:

O ritual deve ser realizado em um sábado. Este é um bom dia para banir a magia, assim como a magia dessa

natureza.
No centro do altar, coloque o prato ou tigela que você pode usar para acender uma vela com segurança. Gosto da tigela

porque, se a vela tombar, ela não cairá diretamente no altar. Por favor, certifique-se de queimar velas e incensos com

segurança.

Acenda o incenso. Você pode colocá-lo em qualquer lugar do altar.

Enquanto segura a vela e o sigilo da figura em uma ou ambas as mãos, diga o seguinte:

“Baalzevuv, destruidor de inimigos, Baaldabbab, poderoso e poderoso. Eu te invoco! Peço que você ouça e atenda ao meu pedido,

pois você é um poderoso matador de inimigos. Seus inimigos tremem em sua presença e imploram por misericórdia, mas você não

lhes mostra nenhuma. Onde quer que você esteja, venha e subjugue meu inimigo com o nome de __________. Eles me irritam e

desejam o mal para mim. Em sua escuridão, submeta-os para que não me machuquem mais. A cada corte e picada dessas agulhas,

enfraquece meus inimigos, pois esta vela é _________. Faça isso por mim e louvarei seu nome para que todos ouçam. Assim seja! ”

Agora coloque o símbolo de Belzebu bem no centro do prato ou tigela.

Com grande intenção, pegue as tachinhas ou alfinetes e arranhe a superfície da vela da figura enquanto imagina seu

inimigo. Sinta a raiva em você. Raspe e golpeie quantas vezes você precisar.

Agora coloque os alfinetes ou tachinhas na vela e deixe-os lá. Por favor, a vela no topo do sigilo e acenda

a vela. Certifique-se de que a vela esteja firme.

Faça a seguinte oração de encerramento:

“Obrigado Baalzevul, grande e exaltado senhor, destruidor de inimigos. Eu conheço o seu poder e sei que você vai me

ajudar. Assim seja! ”

Agora deixe a vela queimar até o fim com o (s) alfinete (s) nela e o sigilo abaixo dela. POR FAVOR,

CERTIFIQUE-SE DE FAZER ISSO COM SEGURANÇA. NÃO EXECUTE ESTE RITUAL SE NÃO CONSEGUIR

PROTEGER SUA VELA COM SEGURANÇA. SE VOCÊ PRECISAR DE SAIR DE CASA, PODE APAGAR A VELA E

ACENDER QUANDO VOLTAR. SEGURANÇA PRIMEIRO!

Assim que derreter completamente, você deve pegar tudo, cobrir e enterrar em algum lugar onde não possa ser encontrado.
Este ritual é muito poderoso, incorpora uma espécie de elementos vodu que é muito eficaz. A vela se fundindo com o​sigilo

também é um elemento poderoso, pois o inimigo está sendo essencialmente demolido lentamente pelo poder do fogo e do

símbolo.

Fundindo-se com Belzebu - Meditação


O grande Cabalista e sábio Rabino Isaac Luria ensinou que a meditação é de vital importância para qualquer pessoa que esteja no

caminho da Gnose Pessoal e Espiritual. Pode-se realizar rituais dia após dia, mas é somente na meditação que realmente nos

aproximamos das entidades com as quais trabalhamos.

Embora o Rabino Isaac Luria não tenha sido o criador desse tipo de meditação que discutirei aqui, ele usou esse tipo de

meditação e o revolucionou de várias maneiras. Na verdade, era o cerne de sua prática.

O método envolve algo chamado Yichudim. O nome Yichud significa unificar. Este método requer que certos nomes de

Deus e / ou do anjo se fundam para formar um único nome. Por mais simples que possa parecer, é bastante poderoso. O

objetivo desse tipo de meditação é reunir os dois poderes. A visualização das letras se fundindo causa certas mudanças na

mente e na alma. Além de os nomes serem poderosos, as letras hebraicas que compõem os nomes são de extrema

importância. São verdadeiramente as letras hebraicas que transmitem o poder.

Nesta meditação, mesclaremos as duas versões do nome de Belzebu. Vamos fundir Baalzevul e Baaldabbab
juntos. O objetivo desta meditação é explorar o antigo poder desse aspecto de Baal. Há infinitos benefícios em
fazer isso. Eu sugiro fazer isso com frequência. Este é um processo visual. Vou exibir os nomes aqui. No entanto,
sugiro assistir ao vídeo aqui: ​http://www.baalkadmon.com/baalmeditation ​.

Observe que a música de fundo nesta meditação contém frequências de ondas cerebrais de arrasto. É altamente

recomendável que você use fones de ouvido ao assistir e ouvir este vídeo.

Vamos começar esta meditação.

Por favor, reserve um tempo para fazer esta meditação quando você for capaz de se concentrar inteiramente nela. Não realize esta

meditação enquanto dirige um carro ou faz qualquer coisa que requeira sua atenção total.

Certifique-se de que está sentado confortavelmente. Você quer estar o mais confortável possível.

Para começar, feche os olhos e inspire lentamente e expire profundamente por cinco respirações. Não se apresse, relaxe neste

processo.

Uma vez relaxado, repita estas palavras:

"Baalzevuv, você é o Príncipe dos Demônios, por favor, conceda sua presença a mim enquanto eu entro neste espaço interior

com você."
"Baaldabbab, você é o Príncipe dos Demônios, por favor, conceda sua presença a mim enquanto eu entro neste espaço interior

com você."

Abra seus olhos, em um momento você verá cada letra hebraica de seu nome aparecer, uma após a outra.

Assim que o nome Baalzevul estiver completo. Basta olhar para ele, observar as formas das letras, a intensidade das

letras. Faça isso até ouvir o som de um sino.

‫בעלזבול‬
Agora feche os olhos mais uma vez, deixe a pós-imagem brincar em sua mente até ouvir o som do sino.

Abra seus olhos, em um momento você verá cada letra hebraica de Baaldabbab aparecer, uma após a outra.

Assim que o nome Baaldabbab estiver completo. Basta olhar para ele, observar as formas das letras. Faça isso até

ouvir o som de um sino.

‫בעלדבב‬
Agora feche os olhos mais uma vez, deixe a pós-imagem brincar em sua mente até ouvir o som do sino.

Agora abra os olhos, em um momento você verá os dois nomes se combinarem. Deixe sua mente se concentrar neste processo à

medida que os nomes se desdobram.

Depois de concluídos, olhe para o nome. Deixe-o preencher todo o seu campo visual. Sente-se com isso por um momento.

‫בב ע ע ל ל ז ד ב ב ו ב ל‬

Agora repita essas palavras enquanto olha para o nome.


“Baalzevul, Príncipe dos Demônios, o próprio Baal, abra meus olhos para que eu possa ver como você vê, abra meus ouvidos para que

eu possa ouvir como você ouve, abra minha Mente como sua Mente. Neste momento, eu sou você e você sou eu, abra-me. ”

Fique de olho no nome até que ele desapareça de sua vista. Uma vez dissolvido, tome um profundo