Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MOÇAMBIQUE

EXTENSAO GURUÉ

Curso: Mestrado em psicopedagogia

Disciplina: Pedagogia

Discente: Docente:
Pelcida Bongisse Gando Francisco Jacinto Musica (Msc)

Gurué, Outubro de 2020


6. Métodos de ensino e aprendizagem
6.3 Estratégias de ensino e aprendizagem

Conceito

As estratégias de ensino-aprendizagem são técnicas utilizadas pelos professores com o


objetivo ajudar o aluno a construir seu conhecimento. Essas técnicas são essenciais para
extrair o melhor aproveitamento do aluno, ajudando-o a adquirir e a fixar o conteúdo
que foi ministrado.

Já na introdução de seu livro, Bordenave e Pereira (1998) consideram “estratégias de


ensino” como sendo um caminho escolhido ou criado pelo professor para direcionar o
aluno, pautado numa teorização a ser aplicada na sua prática educativa.

Partindo desse pressuposto, Masetto (2003) amplia o conceito de estratégia de ensino e


aprendizagem, considerando-as como os meios utilizados pelo professor para facilitar o
processo de aprendizagem dos alunos. Nesta definição, entram a organização do espaço
utilizado enquanto sala de aula,. os materiais necessários, os recursos audiovisuais, as
visitas técnicas, os estudos de casos, as discussões em grupos, o uso da Internet e de
programas educacionais para computadores, dentre inúmeras outras opções
Compreende-se, então, que as estratégias e técnicas são recursos que podem agregar
valores nos processos de ensino e aprendizagem e que só terão importância se estiverem
ligados diretamente aos objetivos pretendidos.
Assim, em relação à escolha de estratégias de ensino e aprendizagem, Masetto (2003)
sintetiza em três pontos, a serem considerados pelo professor, para que este possa
alcançar seus objetivos:
1. Utilizar estratégias adequadas para cada objetivo pretendido;
2. Dispor de estratégias adequadas para cada grupo de alunos, ou para cada turma ou
classe;
3. Variá-las no decorrer do curso.
Em geral, as estratégias mais adequadas são as que ajudam o professor e o aluno a
alcançarem os objetivos propostos. É possível afirmar, então, que o ponto central, na
escolha de uma estratégia, é o conhecimento dos objetivos que se deseja alcançar.

Para adotar uma estratégia de ensino, é importante conhecer os alunos e suas


peculiaridades. Nesse caso, deve-se realizar avaliações diagnósticas, as quais visam à
análise dos conhecimentos prévios dos alunos antes do início de qualquer atividade. Se
um aluno não possui nenhum conhecimento a respeito de um determinado assunto, não
podemos, por exemplo, exigir que ele seja capaz de resolver um problema sobre o tema.

Domínio de conteúdo, interação entre professor e aluno, explicação clara e objetiva,


relação entre teoria e prática, uso de recursos didáticos e tecnológicos, são apenas
algumas das estratégias citadas por alunos e professores que facilitam o processo
de ensino e aprendizagem.

Exemplos de estratégias de ensino-aprendizagem

Existem diferentes estratégias de ensino-aprendizagem, as quais devem ser adotas de


acordo com a realidade de cada sala de aula. Não podemos nos esquecer de que muitas
estratégias podem ser efetivas para algumas disciplinas, porém pouco proveitosas para
outras. Desse modo, o professor deve ter bastante cuidado ao adotar uma técnica.

Entre as diferentes estratégias de ensino-aprendizagem, podemos citar:

 Estudo de caso: o professor e os alunos analisam criteriosamente uma situação


real ou não e tentam encontrar a solução para o problema apresentado.
 Aulas práticas: permitem que os alunos visualizem estruturas e fenômenos
conhecidos, muitas vezes, somente na teoria. Essas aulas funcionam, portanto,
como uma forma de vivenciar um conhecimento teórico.
 Aulas lúdicas: consiste na utilização de brincadeiras e jogos para fixar o
conteúdo. Nessas aulas, observam-se momentos de descontração e felicidade, os
quais aliviam a tensão e favorecem o aprendizado.
 Técnica de Philips 66: consiste em dividir a sala em grupos de seis alunos, os
quais irão discutir, durante 6 minutos, sobre um determinado tema. No final desse
período, os alunos devem ter produzido uma síntese do assunto ou ter chegado a
uma solução para o problema.
 Tempestade cerebral: o professor lança uma palavra ou um problema
relacionado ao conteúdo e pede para que os alunos expressem uma palavra ou
ideia sobre aquilo que foi proposto. O professor pode, então, anotar no quadro
essas palavras e, posteriormente, relacioná-las com o conteúdo

Estratégias de ensino e aprendizagem do ensino superior


Estratégias de ensino que podem ser aplicadas no âmbito do ensino superior segundo
MALHEIROS, 2012; VEIGA, 2011; GIL, 2015) podem ser classificadas em três
categorias, segundo o parâmetro de envolvimento e relação dos alunos: métodos e
técnicas individuais (aula expositiva, perguntas e respostas, estudo dirigido e fichas
didáticas); métodos e técnicas coletivas (método de solução de problemas, método de
projetos, trabalho em grupo, estudo de meio, jogos, dramatização, seminário e debate);
métodos e técnicas mistas (método da descoberta e unidades didáticas).

 Aula expositiva e dialogada: Apesar do advento das novas tecnologias de


comunicação aplicadas à educação, as aulas expositivas continuam sendo a
técnica mais tradicional, a mais popular, e a mais usada pelo docente
universitário do nosso pais. Nessa estratégia docente explica seu conteúdo de
modo a garantir a participação ativa dos alunos. Os mesmos são questionados e
estimulados a discutir a respeito do tema da aula, citando, por exemplo, casos
que tenham vivenciado.
 A técnica de perguntas e respostas: é uma alternativa para enriquecer a aula
expositiva. O docente dirigir perguntas aos estudantes sobre algo que estudaram,
estimulando a participação da turma, sem fazer julgamentos ou atribuições de
notas (PILETTI, 2010).
 Estudo dirigido: A técnica de estudo dirigido se fundamenta no princípio
didático de que o docente não ensina, mas sim, ajuda o aluno a aprender
(PILETTI, 2010). Desse modo, essa técnica consiste em fazer o estudante
estudar um assunto a partir de um roteiro elaborado pelo docente. Este roteiro
estabelece a extensão e a profundidade do estudo (HAYDT, 2006).
 Ficha didáticas: Esta técnica consiste em colocar à disposição dos alunos,
fichas didáticas essenciais ao estudo de um determinado conteúdo. Nessa
técnica, cabe ao docente organizar as fichas, explicar o funcionamento da
técnica e controlar o desenvolvimento do trabalho. Já os estudantes, devem
estudar o conteúdo apresentado nas fichas, responder às questões propostas e
comparar suas respostas com a correção (PILETTI, 2010).
 Debate: É caracterizado como uma troca de ideias entre dois ou mais estudantes
sobre um determinado conteúdo. Nesse método, o docente propõe um
determinado tema e separa a turma em grupos de modo que estes possam expor
sua opinião (MALHEIROS, 2012).
 Seminários: os alunos são divididos em grupos, que deverão apresentar
trabalhos sobre um determinado tema. O docente, nesse contexto, atua na
orientação de como a pesquisa poderá ser realizada e na organização do
ambiente escolar para a apresentação dos seminários.
 Método da descoberta: Consiste em propor uma situação de experiência e
observação, para que os estudantes elaborem por si só e levantem princípios
utilizando o raciocínio indutivo. Assim, valoriza-se a experiência concreta do
estudante e enfatiza a necessidade de um ensino para a descoberta de problemas
(HAYDT, 2006).
 Método de solução de problemas: O método de solução de problemas
corresponde à apresentação de situações problemáticas aos estudantes. Isto
posto, apresenta-se ao aluno uma situação para que ele proponha uma solução
satisfatória, utilizando os conhecimentos que já dispõe ou buscando novas
informações por meio de uma pesquisa (HAYDT, 2006; BELTHER, 2014). Em
suma, ensinar é apresentar problemas e aprender é resolver problemas
(PILETTI, 2010).
Quando escolhemos uma estratégia de ensino, devemos analisar se ela é realmente
adequada para aquele conteúdo e se consegue atingir, de maneira positiva, a maioria dos
alunos/estudantes em sala. Devemos considerar também a idade dos alunos e a série na
qual eles se encontram. Isso significa que uma estratégia adequada para o ensino
fundamental nem sempre é adequada para o ensino médio, por exemplo.
As estratégias de ensino no processo de aprendizagem são aspecto fundamental na
atuação do docente. Porém o sucesso de uma estratégia de ensino-aprendizagem irá
depender da integração de fatores relacionados tanto ao professor quanto ao aluno,
fatores estes que implicam motivação, conhecimento e principalmente persistência.
Referências bibliográficas
ABREU, M. C; MASETTO, M. T. O professor universitário em aula: prática e
princípios teóricos. São Paulo: MG Ed. Associados, 1985.
BAGNO, M. Pesquisa na escola: o que é, como se faz. São Paulo: Edições Loyola,
1998.
BORDENAVE, J. D.; PEREIRA, A. M. Estratégias de ensino-aprendizagem.
Petrópolis: Vozes, 1998.
HANNA, D. E.; GLOWACKI-DUDKA, M.; CONCEIÇÃO-RUNLEE, S. 147 practical
tips for teaching online groups: essentials of Web-based education. Madison, Wisconsin
-EUA: Atwood Publishing, 2000.
HERNÁNDEZ, F. Cultura visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto
Alegre: Artes Médicas, 2000.
MASETTO, M. T. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo:
Summus, 2003.
MASETTO, M. T.; MORAN, J. M.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação
pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.
PALLOFF, R. M.; PRAT, K. Construindo comunidades de aprendi zagem no
ciberespaço. Porto Alegre: Artmed, 2002.
RODRIGUES, R. C. Educação a distância em cursos presenciais do ensino superior:
Uma análise de estratégias pedagógicas não presenciais. Dissertação de Mestrado.
Disponível em: <http://www.rieli.com.br/ead.htm>. Acesso em: 28 out. 2004.
RODRIGUES, R. C. Trabalho por projetos com ferramentas de cursos à distância em
cursos presenciais. Disponível em:
<http://www.abed.org.br/seminario2003/texto01.htm>. Acesso em: 13 out. 2003.

Você também pode gostar