Você está na página 1de 8

DOSSIÊ DO PROFESSOR​ PALAVRAS 12

TESTE DE AVALIAÇÃO

TESTE DE 1
AVALIAÇÃO

GRUPO I
Educação literária
Apresenta​ as tuas respostas de forma bem estruturada.
A. Lê​ o texto.
Tenho tanto sentimento
Que é frequente persuadir-me
De que sou sentimental.
Mas reconheço, ao medir-me,
5 Que tudo isso é pensamento,
Que não senti afinal.
Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra que é pensada,
10
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.
Qual porém é verdadeira
E qual errada, ninguém
15
Não saberá explicar;
E vivemos de maneira
Que a vida que a gente tem
É a que tem que pensar.

Fernando Pessoa,​ Poesia 1931-1935,​ ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Freitas, Madalena Dina,
Lisboa: Assírio e Alvim, 2006, p. 162.

1. Explicita​ a imagem que o sujeito poético tem de si próprio.


2. De acordo com a análise do “eu” lírico, ​indica​ o que há de comum entre ele e os outros seres humanos.
3. Refere​ a dúvida que persiste no sujeito poético, indicando os versos que correspondem à sua opção.

B.
4. Tendo em conta o teu conhecimento global da poesia trovadoresca, numa ​exposição de 130 a 170 palavras,
demonstra que também ela segue um código poético. ​Ilustra​ a tua exposição com dois exemplos significativos.

1
© ​Areal Editores
DOSSIÊ DO PROFESSOR​ PALAVRAS 12
TESTE DE AVALIAÇÃO

GRUPO II
Leitura | Gramática
Nas respostas aos itens de escolha múltipla, ​seleciona​ a opção correta.
Escreve​, na folha de respostas, o número do item e a letra que identifica a opção escolhida.
Lê​ o texto.

De Manhufe​1​ a Paris
[Amadeo de Souza-Cardoso] partiu para Lisboa para estudar arquitetura, mas acabou por
descobrir o desenho e, sobretudo, a caricatura. (…) “O que explica fundamentalmente essa vontade
é uma energia e uma curiosidade que são difíceis de entender naquele contexto. Ele sente desde
sempre que tem um destino a cumprir e o destino dele não pode ser cumprido em Lisboa. É por isso
5 que vai para Paris, um centro das vanguardas internacionais do seu tempo”, defende Helena de
Freitas.
Com 19 anos, Amadeo foi para Paris com o objetivo de estudar arquitetura, mas um jantar no
restaurante Daumesnil, no Quartier Latin, trocou-lhe as voltas. Desenhou a ementa do restaurante
com todos os que estavam presentes na mesa e o resultado acabou publicado no jornal portuense
10 Primeiro de Janeiro.​ (…) Desistiu do curso para se dedicar à pintura e alugou um ateliê no n.º 21 da
Cité Falguière, onde acabou por reunir um grupo de artistas portugueses a viver em Paris, como
Manuel Bentes, Emmérico Nunes, Eduardo Viana, Domingos Rebelo e Francisco Smith. Quando
mudou de estúdio, para o n.º 27 da Rue des Fleurs, também mudou de companhias. Passou a
frequentar a Academia Viti, do pintor espanhol Anglada Camarasa, onde conhece outro Amadeo,
15 Modigliani. (…)
“Ele tem uma grande cultura visual e literária, junta as suas próprias referências, a sua
identidade e o seu local (que nunca rejeita e de que até tem muito orgulho). A capacidade de ter
feito um trabalho fulgurante e em grande solidão, quando estava em Manhufe, é admirável”, diz
Helena de Freitas. (…)
A exposição ​Amadeo de Souza-Cardoso 1887-1918 respeita a evolução do trabalho do artista,
que não é linear, nem corre a direito. “Era importante criar um percurso flexível e aberto em que se
pudessem ver os diferentes tipos de experimentação que o artista estava a desenvolver”, diz a
comissária.

Ágata Xavier, ​Sábado,​ abril de 2016, pp. 93-85​.

1. O texto tem como tema


A.​ o pintor Amadeo de Souza-Cardoso.
B.​ a exposição intitulada ​Amadeo de Souza-Cardoso 1887-1918​.
C.​ a pintura de Amadeo de Souza-Cardoso.
D.​ o percurso artístico de Amadeo de Souza-Cardoso.

2. Amadeo de Souza-Cardoso foi, no seu tempo,


A.​ um artista à frente do seu tempo.
B.​ um artista incompreendido.
C.​ um artista rejeitado.
D.​ um artista exilado.

3. A expressão “trocou-lhe as voltas” (l. 8) significa


A.​ resolveu o que o preocupava.
2
© ​Areal Editores
DOSSIÊ DO PROFESSOR​ PALAVRAS 12
TESTE DE AVALIAÇÃO

B.​ fê-lo mudar de opinião.


C.​ levou-o a mudar os seus projetos.
D.​ tentou resolver um problema.

1​
Aldeia do concelho de Amarante.

3
© ​Areal Editores
DOSSIÊ DO PROFESSOR​ PALAVRAS 12
TESTE DE AVALIAÇÃO

4. Amadeo de Souza-Cardoso revela-se


A.​ um português famoso.
B.​ um artista incoerente.
C.​ um artista eclético.
D.​ um artista instável.

5. A exposição ​Amadeo de Souza-Cardoso 1887-1918


A. ​vai ao encontro do gosto do público.
B. ​reflete o percurso artístico de Amadeo de Souza-Cardoso.
C. ​exprime a vida inconstante do artista.
D. ​segue as opções da comissária Helena de Freitas.

6. O antecedente do pronome relativo presente em “que não é linear, nem corre a direito” (l. 21) é
A. ​a evolução do trabalho do artista.
B. ​a exposição ​Amadeo de Souza-Cardoso 1887-1918.​
C. ​o artista.
D. ​o trabalho do artista.

7. Entre “ter feito” (l. 17) e “estava em Manhufe” (l. 18) estabelece-se uma relação de ordem cronológica de
A. ​anterioridade.
B. ​posterioridade.
C. ​simultaneidade.
D. ​indefinida.

8. Indica​ a função sintática da expressão sublinhada em “são difíceis ​de entender​ naquele contexto.” (l. 3).

9. Refere​ o tipo de coesão estabelecido por “Amadeo de Souza-Cardoso” (l. 1), “Amadeo” (l. 7) e “artista” (l. 20).

10. Divide e ​classifica as orações presentes em “A exposição ​Amadeo de Souza-Cardoso 1887-1918 respeita a
evolução do trabalho do artista, que não é linear, nem corre a direito.” (ll. 20-21).

GRUPO III
Escrita
A “Arte Urbana” dispensa museus e galerias, é marginal, mas criativa e surpreendente. Vista por muitos como
um ato de rebeldia, é também considerada uma expressão de arte alternativa.
Redige um ​texto de opinião bem estruturado, com um mínimo de 180 e um máximo de 240 palavras, em que
defendas o teu ponto de vista sobre a ideia exposta.
Para fundamentares o teu ponto de vista, ​recorre a dois argumentos, ilustrando cada um deles com um
exemplo significativo.

4
© ​Areal Editores
DOSSIÊ DO PROFESSOR​ PALAVRAS 12
TESTE DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE CLASSIFICAÇÃO

GRUPO I 100 pontos traços idênticos, reconhecendo que experienciam uma dualidade entre
EDUCAÇÃO LITERÁRIA uma vida vivida e uma vida pensada, entre o sentimento e a razão,
A. mas que “a única vida que temos/É essa que é dividida/Entre a
1. ​20 pontos verdadeira e a errada”. Assim, o ser humano só consegue viver de
• Aspetos de conteúdo (C) 12 pontos forma dupla.

Nívei Pontuaçã 3. ​20 pontos


Descritores do nível de desempenho • Aspetos de conteúdo (C) 12 pontos
s o
4 Explicita, adequadamente, a imagem que o sujeito 12
poético tem de si próprio, apresentando
transcrições que comprovam a resposta.
3 Explicita, de modo não totalmente completo ​ou​ com 9
imprecisões, a imagem que o sujeito poético tem de Nívei Pontuaçã
Descritores do nível de desempenho
s o
si próprio, apresentando transcrições que
comprovam a resposta. 4 Refere, adequadamente, a dúvida que persiste no 12
2 Explicita, de modo incompleto, a imagem que o 6 sujeito poético, indicando os versos que
correspondem à sua opção.
sujeito poético tem de si próprio, apresentando
transcrições que comprovam a resposta. 3 Refere, de modo não totalmente completo ou com 9
imprecisões, a dúvida que persiste no sujeito
1 Explicita, de modo incompleto, a imagem que o 3
sujeito poético tem de si próprio, não apresentando poético, indicando os versos que correspondem à
sua opção.
transcrições que comprovam a resposta.
2 Refere, com imprecisões, a dúvida que persiste no 6
• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) 8 sujeito poético, indicando um verso que
pontos corresponde à sua opção.
Estruturação do discurso (E) 8 pontos
Correção linguística (CL) 8 pontos 1 Refere, de modo incompleto, a dúvida que persiste 3
no sujeito poético, não indicando os versos que
Cenário de resposta correspondem à sua opção.
O sujeito poético tem uma imagem de si que não corresponde à
realidade. De facto, admite que chega a convencer-se de que é
• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) 8
sentimental, mas acaba por afirmar que esse sentimento não é nada
pontos
mais do que imaginação, emoção que não sentiu na realidade (“Mas
reconheço, ao medir-me,/Que tudo isso é pensamento,”). Conclui-se Estruturação do discurso (E) 4 pontos
Correção linguística (CL) 4 pontos
que se trata de uma emoção racionalizada.
Cenário de resposta
2. ​20 pontos O sujeito poético é interpelado por uma dúvida constante. De facto, não
• Aspetos de conteúdo (C) 12 pontos sabe explicar qual das duas vidas é a verdadeira ou a errada, mas
opta, nos dois últimos versos, por admitir que a nossa verdadeira vida
Nívei Pontuaçã “É a que tem que pensar”, isto é, a vida é sempre uma racionalização
Descritores do nível de desempenho do que somos. Em suma, o “eu” acaba por apresentar uma resposta
s o
para tentar eliminar a sua incerteza, transfigurando a emoção através
4 Indica, adequadamente, o que há de comum entre 12 da razão.
o “eu” e os outros seres humanos, apresentando 4. ​40 pontos
transcrições que comprovam a resposta. • Aspetos de conteúdo (C) 28 pontos
3 Indica, de forma não totalmente completa, o que há 9
de comum entre o “eu” e os outros seres humanos, Nívei Pontuaçã
Descritores do nível de desempenho
apresentando transcrições que comprovam a s o
resposta.
4 Redige corretamente uma exposição e apresenta, 28
2 Indica, com imprecisões, o que há de comum entre 6 adequadamente, o caráter normativo da poesia
o “eu” e os outros seres humanos apresentando trovadoresca, selecionando dois exemplos
transcrições que comprovam a resposta. significativos.

1 Indica, de forma incompleta, o que há de comum 3 3 Redige corretamente uma exposição e apresenta, 22
entre o “eu” e os outros seres humanos, sem com imprecisões, o caráter normativo da poesia
apresentar transcrições que comprovem a trovadoresca, apresentando dois exemplos
resposta. significativos.
2 Redige uma exposição e apresenta, de forma 16
• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) 8 incompleta, o caráter normativo da poesia
pontos trovadoresca, apresentando dois exemplos
Estruturação do discurso (E) 4 pontos significativos.
Correção linguística (CL) 4 pontos
1 Redige uma exposição e apresenta, 7
Cenário de resposta adequadamente, o caráter normativo da poesia
O eu lírico estabelece uma comparação entre si e os outros seres
humanos. Efetivamente, considera que ele e os outros apresentam
5
© ​Areal Editores
DOSSIÊ DO PROFESSOR​ PALAVRAS 12
TESTE DE AVALIAÇÃO

trovadoresca, apresentando um exemplo Parâmetr Pontuaçã


Descritores do nível de desempenho (ETD)
significativo. o o

– Trata, sem desvios, o tema proposto. 15


• Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) 12 – Mobiliza informação ampla e diversificada
pontos com eficácia argumentativa, de acordo com a
Estruturação do discurso (E) 6 pontos tipologia solicitada:
Correção linguística (CL) 6 pontos • produz um discurso coerente e sem qualquer
Cenário de resposta tipo de ambiguidade;
Tópicos sugeridos: • define com clareza o seu ponto de vista;
• Poesia trovadoresca como código poético: • fundamenta a perspetiva adotada em, pelo
– Cantiga de amigo: perspetiva feminina do amor, relações entre menos, dois argumentos, distintos e
personagens, expressão de sentimentos, retrato social do quotidiano pertinentes, cada um deles ilustrado com, pelo
rural (“Ai flores, ai flores do verde pino”); menos, um exemplo significativo.
– Cantiga de amor: linguagem elaborada, perspetiva masculina do NÍVEL INTERCALAR 12
amor, descrição hiperbolizada da mulher amada, expressão da coita de
amor, hiperbolização do sofrimento de amor (“Proençaes soem mui – Trata o tema proposto, embora com alguns 9
bem trobar”); desvios.
– Cantiga de escárnio e maldizer: paródia do amor cortês, crítica de – Mobiliza informação suficiente, com eficácia
costumes, (“Ai dona fea, fostes-vos queixar”). argumentativa:
No Grupo I, nos casos em que a classificação referente aos aspetos de • produz um discurso globalmente coerente,
conteúdo (C) for igual ou inferior a um terço do previsto para este apesar de algumas ambiguidades;
parâmetro, a pontuação máxima dos aspetos de estruturação do A
• define o seu ponto de vista, eventualmente
discurso e correção linguística (F) é desvalorizada, de acordo com o Tema e
tipologia com lacunas que não afetam, porém, a
quadro apresentado. Sobre esse valor aplicam-se ainda os eventuais inteligibilidade;
descontos relativos aos fatores de desvalorização previstos no quadro • fundamenta a perspetiva adotada em, pelo
da página 7. menos, dois argumentos adequados,
apresentando um único exemplo significativo
(ou dois exemplos pouco adequados), ou
fundamenta a perspetiva adotada em apenas
um argumento, ilustrado com, pelo menos, dois
exemplos significativos.
Pontuação máxima dos aspetos de
Pontuação atribuída aos NÍVEL INTERCALAR 6
estruturação do discurso e correção
aspetos de conteúdo (C)
linguística (F) – Aborda lateralmente o tema proposto. 3
– Mobiliza muito pouca informação e com
3 pontos 3 pontos
eficácia argumentativa reduzida:
• produz um discurso geralmente inconsistente
GRUPO II ​50 pontos e, por vezes, ininteligível;
LEITURA / GRAMÁTICA • não define um ponto de vista concreto;
Chave • apresenta um texto em que traços do tipo
Ite Pontuaçã solicitado se misturam, sem critério, com os de
Versão 1 Versão 2 outros tipos textuais.
m o

1. (D) 5 Parâmetr Pontuaçã


Descritores do nível de desempenho (ETD)
o o
2. (A) 5
– Redige um texto bem estruturado, refletindo 10
3. (C) 5 uma planificação adequada e evidenciando um
bom domínio dos mecanismos de coesão
4. (C) 5 textual:
• apresenta um texto constituído por três partes
5. (B) 5 (introdução, desenvolvimento, conclusão),
6. (D) 5 individualizadas, devidamente proporcionadas e
articuladas entre si de modo consistente;
7. (C) 5 • marca corretamente os parágrafos;
•utiliza, adequadamente, Conectores
8. Complemento do adjetivo. 5 B diversificados e outros mecanismos de coesão
9. Coesão lexical. 5 Estrutura textual.
e
NÍVEL INTERCALAR 8
Oração subordinante – “A exposição Amadeo de coesão
Souza-Cardoso 1887-1918 respeita a evolução do – Redige um texto satisfatoriamente 6
10. trabalho do artista”; oração subordinada adjetiva 5 estruturado, refletindo uma planificação com
relativa explicativa – “ que não é linear”; oração algumas insuficiências e evidenciando um
coordenada copulativa – “nem corre a direito”. domínio suficiente dos mecanismos de coesão
textual:
GRUPO III ​50 pontos • apresenta um texto constituído por três partes
ESCRITA (introdução, desenvolvimento, conclusão), nem
• Estruturação temática e discursiva (ETD) 30 pontos sempre devidamente articuladas entre si ou
• Correção linguística (CL) 20 pontos com desequilíbrios de proporção mais ou
menos notórios;

6
© ​Areal Editores
DOSSIÊ DO PROFESSOR​ PALAVRAS 12
TESTE DE AVALIAÇÃO

• marca parágrafos, mas com algumas falhas; • Erro inequívoco de pontuação. 1


• utiliza apenas os conectores e os mecanismos • Erro de ortografia.
de coesão textual mais comuns, embora sem • Erro de morfologia.
incorreções graves. • Incumprimento das regras de citação de texto ou
de referência a título de uma obra.
NÍVEL INTERCALAR 4
• Erro de sintaxe. 2
– Redige um texto com estruturação muito 2 • Impropriedade lexical.
deficiente e com insuficientes mecanismos de
coesão textual:
• apresenta um texto em que não se
conseguem identificar claramente três partes • Limites de extensão
(introdução, desenvolvimento e conclusão) ou Sempre que não sejam respeitados os limites relativos ao número de
em que estas estão insuficientemente palavras indicados na instrução do item, deve ser descontado um
articuladas; ponto por cada palavra a mais ou a menos, até cinco (1 x 5) pontos,
• raramente marca parágrafos de forma correta; depois de aplicados todos os critérios definidos para o item. Se da
• raramente utiliza conectores e mecanismos de aplicação deste fator de desvalorização resultar uma classificação
coesão textual ou utiliza-os de forma inferior a zero pontos, é atribuída à resposta a classificação de zero
inadequada. pontos.
No Grupo III, a um texto com extensão inferior a oitenta palavras é
atribuída a classificação de zero pontos.

Parâmetr Pontuaçã
Descritores do nível de desempenho (ETD)
o o
– Mobiliza, com intencionalidade, recursos da 5
língua expressivos e adequados (repertório
lexical variado e pertinente, figuras de retórica e
tropos, procedimentos de modalização,
pontuação…).
– Utiliza o registo de língua adequado ao texto,
eventualmente com esporádicos afastamentos,
que se encontram, no entanto, justificados pela
intencionalidade do discurso e assinalados
graficamente (com aspas ou sublinhados).

C NÍVEL INTERCALAR 4
Léxico e
– Mobiliza um repertório lexical adequado, mas 3
adequaçã
pouco variado.
o
discursiva – Utiliza, em geral, o registo de língua
adequado ao texto, mas apresentando alguns
afastamentos que afetam pontualmente a
adequação global.
NÍVEL INTERCALAR 2
– Utiliza vocabulário elementar e restrito, 1
frequentemente redundante e/ou inadequado.
– Utiliza indiferenciadamente registos de língua,
sem manifestar consciência
do registo adequado ao texto, ou recorre a um
único registo inadequado.

Fatores de desvalorização
• Domínio da correção linguística
A repetição de um erro de ortografia na mesma resposta (incluindo erro
de acentuação, uso indevido de letra minúscula ou de letra maiúscula
inicial e erro de translineação) deve ser contabilizada como uma única
ocorrência.

Desvalorização
Fatores de desvalorização
(pontos)

7
© ​Areal Editores
DOSSIÊ DO PROFESSOR​ PALAVRAS 12
TESTE DE AVALIAÇÃO

GRELHA DE CORREÇÃO – TESTE DE AVALIAÇÃO 1


Grupo I Grupo II
N.º Nome A1=20 A2=20 A3=20 B4=40 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8.
C=12 E=4 CL=4 C=12 E=4 CL=4 C=12 E=4 CL=4 C=28 E=6 CL=6 5 5 5 5 5 5 5 5
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
32
33

8
© ​Areal Editores