Você está na página 1de 8

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

TEORIA DOS NÚMEROS


PARTE 05 – RESOLUÇÃO

TÓPICOS ABORDADOS: DIVISIBILIDADE E ALGORITMO DA DIVISÃO


TÓPICOS ABORDADOS “INDIRETAMENTE”:

Vamos “falar” sobre divisão no Conjunto dos Números inteiros, ℤ =


{… , −3, −2, −1,0, 1, 2, 3, 4, … }, dessa maneira estamos “pensando” em divisões com
quocientes e restos. Por exemplo, quando dividirmos 19 por 5, queremos pensar em
19
19 = 3 . 5 + 4 (quociente 3 e resto 4), e não em = 3,8 (3,8 é um número que não
5

pertence ao conjunto dos números inteiros, 3,8 pertence ao conjunto dos Números
Racionais).

A equação 𝑏𝑥 = 𝑎 (𝑎 e 𝑏 são números inteiros conhecidos e 𝑥 é a incógnita) pode ou


não ter solução no Conjuntos dos Números inteiros (ℤ = {… , −2, −1, 0, 1, 2, 3, … }).

DEFINIÇÃO – RELAÇÃO DE “DIVIDE”


D1) Sejam 𝑎 e 𝑏 números inteiros.
Diz-se que 𝑏 divide 𝑎 se existe um inteiro 𝑐 tal que 𝑏𝑐 = 𝑎.

Notação:
𝒃 | 𝒂 para indicar 𝒃 divide 𝒂
𝒃 ∤ 𝒂 para indicar 𝒃 não divide 𝒂

Observação 1) Podemos dizer que 𝑏 é um divisor de 𝑎, ou que 𝑎 é um múltiplo de 𝑏.


Observação 2) Temos que 0|𝑎, se e somente se, 𝑎 = 0. Como 0. 𝑐 = 0, não possui
solução única, vamos considerar que o divisor sempre será diferente de zero.
PROPOSIÇÕES
P9) Se 𝑏|𝑎, 𝑎 ≠ 0 e 𝑏 ≠ 0, então |𝑏| ≤ |𝑎|.
Queremos mostrar que: se 𝑏 divide 𝑎 e 𝑎 ≠ 0, então o módulo de 𝑏 é menor ou igual
ao módulo de 𝑎.
Hipótese: 𝑏|𝑎 e 𝑎 ≠ 0
Tese: |𝑏| ≤ |𝑎|
Demonstração:
Se 𝑏|𝑎, pela definição D1, existe um 𝑐 ∈ ℤ tal que 𝑏𝑐 = 𝑎. Como 𝑎 ≠ 0 e 𝑏 ≠ 0, temos
que 𝑐 ≠ 0.
Considerando a igualdade em módulo teremos |𝑏𝑐| = |𝑎|, e por propriedade dos
módulos obtemos |𝑏|. |𝑐| = |𝑎|.
Como |𝑐| é um inteiro positivo, podemos escrever 1 ≤ |𝑐| e, multiplicando ambos
os membros dessa igualdade por |𝑏|, temos que:
|𝑏|. 1 ≤ |𝑏|. |𝑐|
|𝑏| ≤ |𝑎|

P10) Seja os inteiros 𝑎 ≠ 0 e 𝑏 ≠ 0.


i) Os únicos divisores de 1 são 1 e −1.
Hipótese: 𝑎 ≠ 0 e 𝑏 ≠ 0, 𝑎 e 𝑏 números inteiros
Tese: Os únicos divisores de 1 são 1 e −1.
Demonstração:
Seja 𝑏 um divisor de 1, ou seja, 𝑏|1.
Pela proposição P10: se 𝑏|1, então |𝑏| ≤ 1.
Da proposição P7, sabemos que: se 0 ≤ |𝑏| ≤ 1, então |𝑏| = 0 ou |𝑏| = 1.
Como 𝑏 ≠ 0 teremos que |𝑏| ≠ 0.
Logo, |𝑏| = 1 e, portanto, 𝑏 = +1 ou 𝑏 = −1.

ii) Se 𝑎|𝑏 e 𝑏|𝑎, então 𝑎 = ±𝑏.


Hipótese: 𝑎|𝑏 e 𝑏|𝑎, com 𝑎 ≠ 0 e 𝑏 ≠ 0
Tese: 𝑎 = 𝑏 ou 𝑎 = −𝑏
Se 𝑎|𝑏 e 𝑏|𝑎, então existem 𝑐 e 𝑑 tais que:
𝑎𝑐 = 𝑏 e 𝑏𝑑 = 𝑎
Substituindo a primeira igualdade na segunda:
𝑏𝑑 = 𝑎
𝑎𝑐𝑑 = 𝑎
Pelo axioma A7 (cancelativa da multiplicação):
𝑐𝑑 = 1
Assim, pela definição D1, temos que 𝑑 divide 1, ou seja, 𝑑|1.
Pela proposição P11i, teremos que 𝑑 = ±1.
Substituindo na equação 𝑏𝑑 = 𝑎:
𝑏𝑑 = 𝑎
𝑏(±1) = 𝑎
𝑎 = ±𝑏

Na proposição P11 abaixo, vamos “apresentar” uma sequência de propriedades


relativas a relação de “divide” no Conjunto dos Números Inteiros.
P11) Quaisquer que sejam os números inteiros 𝑎, 𝑏, 𝑐 e 𝑑 (com 𝑎 ≠ 0, 𝑏 ≠ 0, 𝑐 ≠ 0).
i) 𝑎|𝑎.
Hipótese: 𝑎 ∈ ℤ e 𝑎 ≠ 0
Tese: 𝑎|𝑎
ii) Se 𝑎|𝑏 e 𝑏|𝑐, então 𝑎|𝑐.
iii) Se 𝑎|𝑏 e 𝑐|𝑑, então 𝑎𝑐|𝑏𝑑.
iv) Se 𝑎|𝑏 e 𝑎|𝑐, então 𝑎|(𝑏 + 𝑐).
Hipótese: 𝑎|𝑏 e 𝑎|𝑐, com 𝑎 ≠ 0
Tese: 𝑎|(𝑏 + 𝑐)
v) Se 𝑎|𝑏, então para todo 𝑚 ∈ ℤ, tem-se que 𝑎|𝑚𝑏.
vi) Se 𝑎|𝑏 e 𝑎|𝑐, então, para todos 𝑚, 𝑛 ∈ ℤ, tem-se que 𝑎|(𝑚𝑏 + 𝑛𝑐).

Na proposição P12 abaixo, vamos apresentar uma proposição que introduz a “ideia”
de divisão de dois números inteiros positivos.
P12) Sejam 𝑎 e 𝑏 inteiros. Se 𝑎 ≥ 0 e 𝑏 > 0, então existem 𝑞 e 𝑟, tais que 𝑎 = 𝑏𝑞 + 𝑟 e
0 ≤ 𝑟 < 𝑏.
Hipótese: 𝑎 ≥ 0 e 𝑏 > 0
Tese: Existem 𝑞 e 𝑟, tais que 𝑎 = 𝑏𝑞 + 𝑟, com 0 ≤ 𝑟 < 𝑏
Consideremos o conjunto 𝑆 de números inteiros:
𝑆 = {𝑎 − 𝑏𝑥 / 𝑥 ∈ ℤ , 𝑎 − 𝑏𝑥 ≥ 0}
Escolhendo 𝑥 = 0, temos que 𝑎 − 𝑏𝑥 = 𝑎 − 𝑏. 0 = 𝑎 − 0 = 𝑎.
Logo, se 𝑥 = 0, temos que 𝑎 − 𝑏𝑥 = 𝑎 ≥ 0 (𝑎 ≥ 0 por hipótese), portanto 𝑆 ≠ ∅. (𝑆 não
é vazio).
Como 𝑆 ≠ ∅ e 𝑆 é formado por inteiros não negativos (dado pela construção de 𝑆,
𝑎 − 𝑏𝑥 ≥ 0), pelo axioma A16 (Princípio da Boa Ordem), 𝑆 possui um elemento
mínimo. Chamamos de 𝑟 o elemento mínimo de 𝑆: 𝑟 = min 𝑆
Como 𝑟 ∈ 𝑆, ele é da forma 𝑟 = 𝑎 − 𝑏𝑞 ≥ 0, para algum 𝑞 ∈ ℤ.
Da afirmação anterior:
𝑟 = 𝑎 − 𝑏𝑞 ≥ 0, já temos que 𝑟 ≥ 0
𝑟 = 𝑎 − 𝑏𝑞
𝑟 + 𝑏𝑞 = 𝑎
𝑎 = 𝑏𝑞 + 𝑟
Ainda falta mostrar que 𝑟 < 𝑏. Vamos demonstrar por absurdo.
Suponha, por absurdo, que 𝑟 ≥ 𝑏.
Considere o número 𝑎 − 𝑏(𝑞 + 1):
𝑎 − 𝑏(𝑞 + 1)
𝑎 − 𝑏𝑞 − 𝑏
(𝑎 − 𝑏𝑞) − 𝑏
𝑟−𝑏
𝑟 − 𝑏 ≥ 0 (Pois pela hipótese 𝑟 ≥ 𝑏, e assim 𝑟 − 𝑏 ≥ 0)
Acabamos de demonstrar que:
𝑎 − 𝑏(𝑞 + 1) = 𝑟 − 𝑏 ≥ 0
E assim, temos que 𝑎 − 𝑏(𝑞 + 1) ∈ 𝑆.
Mas, 𝑎 − 𝑏(𝑞 + 1) = 𝑟 − 𝑏 < 𝑟 (Pois 𝑏 > 0 por hipótese, e assim −𝑏 < 0, e 𝑟 − 𝑏 < 𝑟)
O que é uma contradição, pois teríamos um elemento de 𝑆, menor que o elemento
mínimo de 𝑆. Portanto, teríamos que 𝑟 < 𝑏.
Mostramos assim, que existem inteiros 𝑞 e 𝑟, tais que:
𝑎 = 𝑏𝑞 + 𝑟, com 0 ≤ 𝑟 < 𝑏

TEOREMA - Algoritmo da divisão


T2) Sejam 𝑎 e 𝑏 inteiros, com 𝑏 ≠ 0. Então, existem inteiros 𝑞 e 𝑟, únicos, tais que
𝑎 = 𝑏𝑞 + 𝑟 e 0 ≤ 𝑟 < |𝑏|.
Hipótese: 𝑎 ∈ ℤ, 𝑏 ∈ ℤ e 𝑏 ≠ 0
Tese: Existem 𝑞 e 𝑟, únicos, tais que 𝑎 = 𝑏𝑞 + 𝑟 e 0 ≤ 𝑟 < |𝑏|

DEFINIÇÃO – QUOCIENTE E RESTO


D2) Os números 𝑞 e 𝑟 determinados no teorema anterior chamam-se,
respectivamente, quociente e resto da divisão de 𝑎 por 𝑏.
EXEMPLOS
E05) Prove que: Todo número inteiro ímpar é da forma 4𝑘 + 1 ou 4𝑘 + 3, com 𝑘 ∈ ℤ.
Hipótese: Seja 𝑎 um número inteiro ímpar.
Tese: O número inteiro 𝑎 é da forma 4𝑘 + 1 ou 4𝐾 + 3.
Seja 𝑎 um inteiro qualquer. Dados os inteiros 𝑎 e 2, pelo teorema do algoritmo da
divisão, existem inteiros 𝑞 e 𝑟, únicos, tais que 𝑎 = 𝑏𝑞 + 𝑟 e 0 ≤ 𝑟 < 2.
Assim, temos duas possibilidades 𝑎 = 2𝑞 ou 𝑎 = 2𝑞 + 1. Vamos analisar apenas o
caso 𝑎 = 2𝑞 + 1, por se tratar de um inteiro ímpar.
Dados os inteiros 𝑞 e 2, pelo teorema do algoritmo da divisão, existem inteiros 𝑞´
e 𝑟´, únicos, tais que 𝑞 = 2𝑞´ + 𝑟 e 0 ≤ 𝑟´ < 2. Temos dois casos para analisar:
1) Caso 𝑟´ = 0, teremos 𝑞 = 2𝑞´:
𝑎 = 2𝑞 + 1 = 2(2𝑞´) + 1 = 4𝑞´ + 1
Nesse caso, o inteiro ímpar 𝑎 é da forma 4𝑘 + 1.
2) Caso 𝑟´ = 1, teremos 𝑞 = 2𝑞´ + 1:
𝑎 = 2𝑞 + 1 = 2(2𝑞´ + 1) + 1 = 4𝑞´ + 2 + 1 = 4𝑞´ + 3
Nesse caso, o inteiro ímpar 𝑎 é da forma 4𝑘 + 3.
E06) Prove que: O quadrado de um número inteiro é da forma 3𝑘 ou 3𝑘 + 1.
Hipótese: Seja 𝑎 um número inteiro.
Tese: O número inteiro 𝑎2 é da forma 3𝑘 ou 3𝑘 + 1.
Seja o número inteiro 𝑎. Dados os inteiros 𝑎 e 3, pelo Teorema do Algoritmo da
Divisão (T2) existem inteiros 𝑞 e 𝑟, tais que 𝑎 = 3𝑞 + 𝑟 e 0 ≤ 𝑟 < 3. Assim, temos
três casos para considerar 𝑟 = 0, 𝑟 = 1 e 𝑟 = 2.
1) Caso 𝑟 = 0 ∴ 𝑎 = 3𝑞
𝑎 = 3𝑞
𝑎2 = (3𝑞)2
𝑎2 = 9𝑞 2
𝑎2 = 3(3𝑞 2 ), com 𝑥 = 3𝑞 2 ∈ ℤ
𝑎2 = 3𝑥
Nesse caso, 𝑎2 é da forma 3𝑘.
2) Caso 𝑟 = 1 ∴ 𝑎 = 3𝑞 + 1
𝑎 = 3𝑞 + 1
𝑎2 = (3𝑞 + 1)2
𝑎2 = 9𝑞 2 + 6𝑞 + 1
𝑎2 = 3(3𝑞 2 + 2𝑞) + 1, com y= (3𝑞 2 + 2𝑞) ∈ ℤ
𝑎2 = 3𝑦 + 1
Nesse caso, 𝑎2 é da forma 3𝑘 + 1.
3) Caso 𝑟 = 2 ∴ 𝑎 = 3𝑞 + 2
𝑎 = 3𝑞 + 2
𝑎2 = (3𝑞 + 2)2
𝑎2 = 9𝑞 2 + 12𝑞 + 4
𝑎2 = 9𝑞 2 + 12𝑞 + 3 + 1
𝑎2 = 3(3𝑞 2 + 4𝑞 + 1) + 1,
com 𝑧 = (3𝑞 2 + 4𝑞 + 1) ∈ ℤ
𝑎2 = 3𝑧 + 1
Nesse caso, 𝑎2 é da forma 3𝑘 + 1.
Portanto, analisamos todas as possibilidades e mostramos que o quadrado de um
número inteiro será da forma 3𝑘 ou 3𝑘 + 1.

E07) Seja 𝑎 um inteiro. Provar que um dos inteiros 𝑎, 𝑎 + 2, 𝑎 + 4 é múltiplo de 3.


Hipótese: Seja 𝑎 um número inteiro.
Tese: Um dos três números inteiros 𝑎, 𝑎 + 2 e 𝑎 + 4 é múltiplo de 3.
Sejam os números inteiros 𝑎 e 3. Pelo Teorema do Algoritmo da Divisão (T2),
existem inteiros 𝑞 e 𝑟, tais quw 𝑎 = 3𝑞 + 𝑟 e 0 ≤ 𝑟 < 3.
Assim, temos três casos para considerar 𝑟 = 0, 𝑟 = 1 e 𝑟 = 2.
1) Caso 𝑟 = 0 ∴ 𝑎 = 3𝑞
𝑎 = 3𝑞
𝑎 + 2 = 3𝑞 + 2
𝑎 + 4 = 3𝑞 + 4
Nesse caso, 𝑎 é múltiplo de 3.
2) Caso 𝑟 = 1 ∴ 𝑎 = 3𝑞 + 1
𝑎 = 3𝑞 + 1
𝑎 + 2 = (3𝑞 + 1) + 2 = 3𝑞 + 1 + 2 = 3𝑞 + 3 = 3(𝑞 + 1) = 3𝑥, com 𝑥 = (𝑞 + 1) ∈ ℤ
𝑎 + 4 = (3𝑞 + 1) + 4 = 3𝑞 + 1 + 4 = 3𝑞 + 5 = 3𝑞 + 3 + 2 = 3(𝑞 + 1) + 2
Nesse caso, 𝑎 + 2 é múltiplo de 3.
3) Caso 𝑟 = 2 ∴ 𝑎 = 3𝑞 + 2
𝑎 = 3𝑞 + 2
𝑎 + 2 = (3𝑞 + 2) + 2 = 3𝑞 + 4 = 3𝑞 + 3 + 1 = 3(𝑞 + 1) + 1
𝑎 + 4 = (3𝑞 + 2) + 4 = 3𝑞 + 6 = 3(𝑞 + 2) = 3𝑦, com 𝑦 = (𝑞 + 2) ∈ ℤ
Nesse caso, 𝑎 + 4 é múltiplo de 3.
Portanto, dado um inteiro 𝑎, um dos inteiros 𝑎, 𝑎 + 2 e 𝑎 + 4 é múltiplo de 3.

E08) Seja o número inteiro 𝑛 ≥ 1. Provar que 7|(23𝑛 − 1). Sugestão: Utilize a Indução
completa.
Hipótese: Seja 𝑛 ≥ 1 um número inteiro.
Tese: 7|(23𝑛 − 1).
Vamos usar indução sobre 𝑛 ∈ ℤ, para provar que 7 | (23𝑛 − 1).
1) Caso inicial: Para 𝑛 = 1
7 | (23.1 − 1)
7| (23 − 1)
7 | (8 − 1)
7|7
2) Hipótese de Indução: Suponhamos que a afirmação é válida para o inteiro 𝑘,
com 𝑘 ≥ 1
7 | (23𝑘 − 1)
3) Queremos mostrar que a afirmação é válida para o inteiro 𝑘 + 1, ou seja,
7 | (23(𝑘+1) − 1).
Pela Hipótese de Indução, temos que 7 | (23𝑘 − 1), e pela definição D1, existe 𝑐 ∈ ℤ
tal que:
7𝑐 = 23𝑘 − 1
(7𝑐). 8 = (23𝑘 − 1). 8
7(8𝑐) = 8. 23𝑘 − 8
7(8𝑐) = 23 . 23𝑘 − 8
7(8𝑐) = 23𝑘+3 − 8
7(8𝑐) = 23(𝑘+1) − 8
7(8𝑐) = 23(𝑘+1) − 1 − 7
7(8𝑐) + 7 = 23(𝑘+1) − 1
7(8𝑐 + 1) = 23(𝑘+1) − 1
Fazendo 𝑥 = (8𝑐 + 1) ∈ ℤ:
7𝑥 = 23(𝑘+1) − 1
E pela definição D1, podemos escrever que 7 | 23(𝑘+1) − 1.
Resumindo, supondo a validade da afirmação para o inteiro 𝑘, mostramos a
validade para o inteiro 𝑘 + 1. Então, pela proposição P8 (Princípio de Indução
Completa), a afirmação será válida para 𝑛 ≥ 1.
7 | 23𝑛 − 1, para 𝑛 ≥ 1

Você também pode gostar