Você está na página 1de 7

A sociedade faraónica;

O Faraó tinha poder absoluto e era considerado um deus vivo na Terra. Ele
era dono de todo o Egito, chefe da administração, dos cultos religiosos e
também comandava o exército. Tinha como principais
funções/responsabilidades manter a ordem e a justiça na sociedade. Caso
não cumprisse com suas obrigações, teria como punição a morte
(desaparecimento) eterna.
A economia do antigo Egipto;
A agricultura era a principal atividade económica, por isso, dizemos que o
Egipto foi uma civilização agraria: os egípcios cultivavam cereais- trigo,
centeio e cevada (a partir do qual produziam a cerveja), o papiro era uma
planta cultivada em escala de onde se extraiam fibras vegetais para a
confeção de vestuário e a folha de papiro era utilizada para fabricar papel,
para além destes produtos destacam-se o cultivo de leguminas de frutas.
A origem do povo egípcio

A sociedade do antigo Egipto;


a sociedade faraónica era sociedade estratificada, ou seja, estava dividida
em diversos estratos (camadas) marcadas pela existência de profundas
diferenças entre si. À cabeça desta sociedade estava o rei que tinha o titulo
de faraó. O faraó, para além de ser rei era também considerado um deus
pelos antigos egípcios a que eram atribuídas características divinas. O faraó
era um deus vivo.

A religião dos antigos Egípcios;


os antigos egípcios eram politeístas, ou seja, adoravam vários deuses- eram
mais de mil os deuses adorados no Egito antigo. Os deuses assumiam
forma meio humano, meio animal (cabeça de animal em corpo humano). O
deus Rá (Amón-Rá) era considerado um deus mais importante da
civilização egípcia- era o deus dos deuses. Também destacamos o faraó
(deus vivo), Osíris (deus dos mortos), Hórus (filho de Osíris), Isis (esposa
de Osíris), Néftis (deusa da verdade), Thot (deusa daa escrita), etc. A
religião exerceu bastante influência na vida do povo do antigo Egito. É
ainda um dos aspetos dessa grande civilização antiga sob os quais os
arqueólogos talvez mais tenham conhecimento, devido às já famosas
pirâmides, lugar de descanso eterno de importantes faraós, além da grande
quantidade de múmias encontradas, textos mortuários e similares.

A arte egípcia.
a arte egípcia esta marcada pela sua monumentalidade, gigantismo: foram
construídos grandes palácios (moradas de palácios), templos (locais onde
se prestava culto aos deuses) e túmulos (locais onde os mortos eram
enterrados). Esta arte está intimamente ligada à religião do povo egípcio:
praticamente toda arte produzida era para homenagear os deuses e os
faraós. A par destas foram esculpidas estátuas gigantescas representando os
deuses e os faraós. A arte egípcia refere-se à arte desenvolvida e aplicada
pela civilização do Antigo Egito, localizada no vale do rio Nilo no
Nordeste da África. Esta manifestação artística teve a sua supremacia na
religião durante um longo período de tempo, estendendo-se
aproximadamente pelos últimos 3 000 a.C.
A civilização egípcia;
A Civilização Egípcia foi uma das mais importantes civilizações que se
desenvolveram na região do Crescente Fértil.
Instalada no extremo nordeste da África, numa região caracterizada pela
existência de desertos e pela vasta planície do rio Nilo.
A Civilização Egípcia formou-se a partir da mistura de diversos povos,
entre eles, os hamíticos, os semitas e os núbios, que surgiram no Período
Paleolítico.

Localização geográfica;
O Egito compreende a uma grande faixa de terra habitada ao longo de um
dos rios mais importantes da antiguidade, o rio Nilo. Está localizado na
parte superior ao nordeste do continente africano.

A geografia do local é de deserto estéril com trechos de vegetação verde e


viva, resultado do adubo natural advindo do próprio rio.
Condições naturais;
Condições naturais O Egito situa-se no nordeste de África. Fica a norte do
deserto da Núbia, a este do deserto da Líbia e a oeste do deserto Arábico.
Tem ainda como limites o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho. O
território é atravessado por um grande rio: o Rio Nilo. Com as suas cheias
anuais, os solos das suas margens tornam-se bastante férteis e, por isso,
propícios à agricultura.
Importância do rio nilo;
O Rio Nilo foi imprescindível para a existência e desenvolvimento de uma
das civilizações mais conhecidas do mundo, a egípcia. Ele corta metade do
continente africano, sendo o maior rio em extensão do mundo.

O Egito antigo se situava numa região árida e quente, próximo ao Deserto


do Saara, e que não oferecia condições favoráveis para a prosperidade
humana. A presença do Rio Nilo possibilitou isso e ainda tornou numa das
regiões mais ricas do mundo até os dias de hoje.

Atividades económicas;
A agricultura foi a principal atividade econômica do Egito Antigo. Porém,
os egípcios também se dedicaram ao artesanato, pecuária, pesca, caça e
extração mineral. Praticaram também o comércio exterior com outros
povos.
Formas de organização politica;
O Egito, localizado na região nordeste do continente africano, foi uma
civilização que floresceu graças à fertilidade de suas terras e a disposição
de recursos hídricos oferecidos pelo Rio Nilo. As condições favoráveis de
vida daquela região foram responsáveis pelo crescimento da população que
logo passou a se organizar em diversas comunidades descentralizadas
chamadas nomos.

Características da sociedade do antigo Egipto;


O antigo Egito era composto por classes de pessoas que iam desde o
soberano Faraó até escravos capturados em guerra. Vivia-se em uma
Monarquia Teocrática. Se comparada com a maioria das culturas da época,
a sociedade egípcia era mais liberal. Um homem que nascia em uma
camada inferior, apesar de raro, poderia alcançar grandes postos em sua
vida.
Características os poderes do faraó;
Na civilização egípcia, os faraós eram considerados deuses vivos. Os
egípcios acreditavam que estes governantes eram filhos diretos do
deus Osíris, portanto agiam como intermediários entre os deuses e a
população egípcia.
Os impostos arrecadados no Egito concentravam-se nas mãos do faraó,
sendo que era ele quem decidia a forma que os tributos seriam utilizados.
Grande parte deste valor arrecadado ficava com a própria família do faraó,
sendo usado para a construção de palácios, monumentos, compra de joias,
etc. Outra parte era utilizada para pagar funcionários (escribas, militares,
sacerdotes, administradores, etc.) e fazer a manutenção do reino.
‘’-----------------------------‘’-----------------------------‘’---------------------------
--‘’-----------------------------‘’-----------------------------‘’
A metalurgia;
A metalurgia é um ramo da engenharia relacionado com a produção de
metais e ligas metálicas, com a forma e com as propriedades convenientes à
sua utilização prática. Atualmente, constitui uma ciência aplicada, a qual
pode ser interpretada como um ramo de uma disciplina mais vasta,
conhecida por Ciência e Tecnologia dos Materiais.
A importância da descoberta dos metais;
Importância dos metais na evolução do homem pensa-se que a primeira
obtenção de metais pelo homem se terá devido a um acaso. É possível que
se tenha construído um forno com pedras que contivessem cobre e que, na
parte inferior do forno, onde ardia o combustível, o cobre tenha fundido. A
descoberta do cobre permitiu, por exemplo, a construção de setas que
permitiram caçar mais facilmente animais. Em 2000 a.C., após a obtenção
do cobre, veio a vez do estanho que era de obtenção muito mais fácil. Este
metal, ligado ao cobre, forma o bronze que é mais resistente que o cobre e
de mais fácil fundição. Com o bronze construíra-se, por exemplo, armas,
ferramentas e espelhos em 1500 a.C., descobriu-se a técnica de forjar o
Ferro. É provável que o ferro (metal) tenha sido obtido pela primeira vez
como resultado de lareiras a carvão sobre rochas com óxidos de ferro na
sua composição. Sem o perceber, o Homem terá, assim, feito a primeira
extração de ferro a partir do minério, como poderá ter acontecido antes com
o cobre. Com o ferro, os romanos construíram aquedutos que
transportavam água a quilómetros de distância e uma rede de esgotos O
ferro e o cobre fizeram com que o homem evoluísse da idade da pedra e
ainda hoje são metais com enorme importância industrial. Só mais
recentemente se começaram a utilizar metais como o titânio e o vanádio,
especialmente misturados com outros formando ligas. Por exemplo, o
titânio é utilizado na construção de naves espaciais e aviões devido à sua
baixa densidade e elevada resistência no final do século XIX, com o
aumento da produção de energia elétrica, a procura do cobre intensificou-se
novamente. Outro material importante relacionado com o uso da
eletricidade, era o tungsténio, que era usado no filamento das lâmpadas
incandescentes
A utilização dos metais;
A economia do mercado;
Economia de Mercado é um sistema em que a economia é controlada por
agentes econômicos de iniciativa privada.
Além de a maior parte das empresas ser privada, são elas próprias que
definem o seu funcionamento e a sua estratégia financeira. Na economia
planificada, essa é uma função do Estado.
A intervenção do Estado nesse modelo econômico respeita apenas à criação
de leis e fiscalização do seu cumprimento.
Esse modelo tem como base os princípios do liberalismo econômico:
propriedade privada, liberdade de comércio e produção, livre concorrência.
Origem e formação do estado;
A passagem à sedentarização e à economia produtora conduziu ao
desenvolvimento das comunidades que se foram tornados cada vez mais
complexas. Num primeiro momento temos uma comunidade a viver num
território e que partilham elementos como: a língua, a religião, as tradições,
os hábitos. Surgiu então a nação. Complexificação das sociedades e o
aparecimento de riquezas houve necessidade de criar um sistema de defesa
e proteção das comunidades e dos seus bens. Era necessário um poder
politico organizado responsável pela defesa e manutenção da ordem na
sociedade. Surgiu desta maneira o estado.
Invenção da escrita e do calculo;
A escrita consiste na utilização de sinais (símbolos) para exprimir as ideias
humanas. A grafia é uma tecnologia de comunicação, historicamente criada
e desenvolvida na sociedade humana, e basicamente consiste em registrar
marcas em um suporte. O(s) instrumento(s) usados para se escrever e os
suportes em que ela é registrada podem, em princípio, ser infinitos.
Contexto do aparecimento da escrita e do calculo;
Desde sempre que a comunicação se traduziu num elemento central no
âmbito das relações humanas. A comunicação é uma necessidade do
homem social, que enfrenta desafios e que através da sua forma de
comunicar pode ultrapassa-los mais facilmente.
Importância da escrita e do calculo;
A escrita é um processo simbólico que possibilitou o homem expandir suas
mensagens para muito além do seu próprio tempo e espaço. A princípio a
escrita era utilizada somente para o registro de informações importantes e
era reservada a uma elite seleta, nos dias de hoje é completamente diferente
e é pré-requisito básico para a formação do ser humano. O papel da escrita
na formação do ser humano é muito mais profundo do que se pensa, é a
porta de entrada para a cultura, saber tecnológico, científico, etc.
Localização geográfica;
O Egito compreende a uma grande faixa de terra habitada ao longo de um
dos rios mais importantes da antiguidade, o rio Nilo. Está localizado na
parte superior ao nordeste do continente africano.

A geografia do local é de deserto estéril com trechos de vegetação verde e


viva, resultado do adubo natural advindo do próprio rio.

Atividades económicas;
A agricultura foi a principal atividade econômica do Egito Antigo. Porém,
os egípcios também se dedicaram ao artesanato, pecuária, pesca, caça e
extração mineral. Praticaram também o comércio exterior com outros
povos.
Formas de organização politica;
O Egito, localizado na região nordeste do continente africano, foi uma
civilização que floresceu graças à fertilidade de suas terras e a disposição
de recursos hídricos oferecidos pelo Rio Nilo. As condições favoráveis de
vida daquela região foram responsáveis pelo crescimento da população que
logo passou a se organizar em diversas comunidades descentralizadas
chamadas nomos.

Características da sociedade do antigo Egipto;


O antigo Egito era composto por classes de pessoas que iam desde o
soberano Faraó até escravos capturados em guerra. Vivia-se em uma
Monarquia Teocrática. Se comparada com a maioria das culturas da época,
a sociedade egípcia era mais liberal. Um homem que nascia em uma
camada inferior, apesar de raro, poderia alcançar grandes postos em sua
vida.
A religião egípcia;
A religião exerceu bastante influência na vida do povo do antigo Egito. É
ainda um dos aspetos dessa grande civilização antiga sob os quais os
arqueólogos talvez mais tenham conhecimento, devido às já famosas
pirâmides, lugar de descanso eterno de importantes faraós, além da grande
quantidade de múmias encontradas, textos mortuários e similares.
A arte egípcia;
A arte egípcia refere-se à arte desenvolvida e aplicada pela civilização do
Antigo Egito, localizada no vale do rio Nilo no Nordeste da África. Esta
manifestação artística teve a sua supremacia na religião durante um longo
período de tempo, estendendo-se aproximadamente pelos últimos 3 000
a.C.
Características os poderes do faraó;
Na civilização egípcia, os faraós eram considerados deuses vivos. Os
egípcios acreditavam que estes governantes eram filhos diretos do
deus Osíris, portanto agiam como intermediários entre os deuses e a
população egípcia.
Os impostos arrecadados no Egito concentravam-se nas mãos do faraó,
sendo que era ele quem decidia a forma que os tributos seriam utilizados.
Grande parte deste valor arrecadado ficava com a própria família do faraó,
sendo usado para a construção de palácios, monumentos, compra de joias,
etc. Outra parte era utilizada para pagar funcionários (escribas, militares,
sacerdotes, administradores, etc.) e fazer a manutenção do reino.
O que é um estado teocrático;
Estado teocrático é um país ou nação que possui um sistema de governo
que se submete às normas de uma religião específica. As regras que gerem
as ações políticas, jurídicas, de conduta moral e ética, além da força policial
deste modelo de governo estão baseadas em doutrinas religiosas.