Você está na página 1de 130

“O destino não é apenas uma questão de sorte e de

conhecimentos, é também uma questão de atitude perante o


presente e o futuro. O destino prepara-se todos os dias ao longo
da vida, aproveitando as oportunidades que vão surgindo ou
criando-as.”

William Bryan

2
 Orientação ao Longo da Vida – novo paradigma

 Referencial de Orientação ao Longo da Vida nos Centros Qualifica

 Centros Qualifica – públicos, equipas e atribuições

 Metodologia – instrumentos e técnicas

 Operacionalização do processo de Orientação – plataforma SIGO


e Passaporte Qualifica

3
 Orientação ao Longo da Vida
– novo paradigma

4
Sistemas de Educação e Formação Profissional NA EUROPA

Comunicado de Bruges sobre o Reforço da Cooperação Europeia, recomenda que:

“Em 2020 os sistemas europeus de educação e formação profissional sejam mais


atrativos, pertinentes, orientados para a carreira, acessíveis e flexíveis do que em 2010.
(…) Para isso, contribui também a existência de serviços de informação, orientação e
aconselhamento ao longo da vida, acessíveis e eficazes, que constituam uma rede
coerente e que permitam aos cidadãos europeus tomarem decisões conscientes e
realistas, gerindo os seus percursos de aprendizagem e de trabalho.”

http://ec.europa.eu/dgs/education_culture/repository/education/policy/vocational-policy/doc/brugescom_pt.pdf

5
Sistemas de Educação e Formação Profissional NA EUROPA

A Estratégia Europeia 2020, para a Educação e Formação Profissional, recomenda que:

“As atividades de orientação ao longo da vida sejam olhadas como um elemento chave
de apoio às políticas articuladas entre os sectores da educação, formação e o mercado
de trabalho, capacitando as pessoas para responderem a mudanças e desafios, ao
desenvolverem competências de gestão da carreira.”

http://ec.europa.eu/education/policy/strategic-framework_pt

6
Orientação ao Longo da Vida – para quê

 Investimento na educação e formação: contribuir para o aumento das taxas de


conclusão dos estudos e da formação, através de uma melhor adequação entre os interesses
e aptidões das pessoas e as oportunidades de aprendizagem.

 Aprendizagem ao longo da vida: motivar as pessoas para a educação e formação


contínuas, ajudando-as a encontrar o seu percurso de qualificação e a identificar as suas
competências transferíveis e as aprendizagens decorrentes das experiências de vida.

 Eficiência relativa ao mercado de trabalho: contribuir para elevar as taxas de


manutenção no mercado de trabalho e reduzir o tempo do desemprego, promovendo a
mobilidade e competências de gestão da carreira.

 Inclusão social: apoiar a inserção e reinserção das pessoas que têm dificuldade em
compreender a informação relativa à aprendizagem e em aceder ao mercado de trabalho.

OCDE e CE, 2004, Orientação Escolar e Profissional: Guia para Decisores:


http://iccdpp.org/wp-content/uploads/2014/03/CG-HB-PT-Orient.Escolar__guia_para_decisores.pdf

7
Orientação ao Longo da Vida – o conceito

Resolução do Conselho da UE, de 21 de Novembro de 2008, refere que

“A orientação é um processo contínuo que permite aos cidadãos, de qualquer idade e ao


longo de toda a sua vida, identificar as suas capacidades, competências e interesses,
tomar decisões em matéria de educação, de formação e emprego e gerir o seu percurso
de vida na educação, formação, trabalho e noutros contextos em que possam adquirir e
utilizar as suas capacidades e competências.”

http://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:32008G1216(01)&from=PT

8
Orientação ao Longo da Vida – princípios

 A centralidade do beneficiário: o respeito pela liberdade de escolha; a não


discriminação de género, idade, origem étnica,…; a garantia da confidencialidade sobre
informação pessoal; o desenvolvimento da autonomia, ié, a responsabilização do cidadão
na participação ativa da sua gestão da carreira.

 A melhoria do acesso: sendo de fácil acesso; próximos na relação com o cidadão; com
um ambiente acolhedor; flexíveis, utilizando métodos de abordagem adequados ao perfil
e situação do utente.

 A garantia da qualidade: utilizando estratégias de autoavaliação do desempenho; o


feedback regular dos cidadãos e a monitorização; a formação contínua dos profissionais
que prestam os serviços.

OCDE e CE, 2004, Orientação Escolar e Profissional: Guia para Decisores:


http://iccdpp.org/wp-content/uploads/2014/03/CG-HB-PT-Orient.Escolar__guia_para_decisores.pdf

9
Orientação ao Longo da Vida – a mudança de paradigma

10
Orientação ao Longo da Vida – a mudança de paradigma

 A carreira era linear

 Planeava-se para a vida

 Um curso para uma profissão

 Escolhas em determinados
momentos

11
Orientação ao Longo da Vida – a mudança de paradigma

 A carreira é intermitente

 Reformula-se ao longo da vida

 Competências transversais

 Preparam-se as transições

12
Referencial de Orientação ao Longo da Vida
nos Centros Qualifica

13
Referencial de Orientação ao Longo da Vida (OLV) – enquadramento

Porquê um Referencial e não um Programa?

 Os serviços de orientação desenvolvem-se em diversos contextos e destinam-se a


públicos variados.

 Não existe um sistema de orientação em Portugal, mas sim subsistemas: na educação


(SPO); nos serviços públicos de emprego (CEFP; GIP); na qualificação (CQ).

Quando e por quem?

 Em 2010, é criado um grupo de trabalho interministerial coordenado pela ANQEP, que


tomou em consideração recomendações de um grupo de peritos de orientação, nacionais
e internacionais.

Grupo de trabalho: IEFP, DGE (à data DGIDC), ANESPO e IOL/UL (extinto)


Grupo de peritos: Jean Guichard, Mark Savickas, Raol Van Esbroeck, Isabel Janeiro, Maria do Céu Taveira, Maria Paula Paixão e Eduarda Duarte

14
Referencial de OLV– enquadramento
Como?
 A construção do Referencial de OLV baseou-se numa prática internacional testada nos EUA,
Canadá e Austrália), tendo como referência o Australian Blueprint for Career Development.

Princípios do Blueprint

Mudança é constante e traz consigo novas oportunidades


Aprender é para toda a vida
Viagem foca-te nela e não no destino
Conhece-te acredita em ti e segue o teu coração
Aliados não estás sozinho

Australian Government, Department of Education and Training (site): https://www.education.gov.au/australian-blueprint-career-development


AUSTRALIAN BLUEPRINT FOR CAREER DEVELOPMENT (pdf): https://docs.education.gov.au/system/files/doc/other/australian_blueprint_for_career_development.pdf

15
Referencial de OLV nos Centros Qualifica – quem o aplica e para que serve

 É um instrumento de apoio à intervenção dos Técnicos de ORVC

 Sustenta o processo de orientação e estrutura as práticas em Objetivos e


Níveis de Realização

 Integra-se nas etapas de intervenção dos Centros Qualifica

 Visa apoiar o candidato a decidir sobre o percurso de qualificação e a refletir


sobre o projeto de vida e de carreira

16
Estrutura do Referencial de OLV – objetivos de gestão da carreira

DESENVOLVER O INTERAGIR EFICAZMENTE GERIR INFORMAÇÃO


AUTOCONCEITO relacionar-se com pessoas utilizar estratégias adequadas
adotar atitudes e diferentes, mantendo atitudes para explorar informação,
comportamentos que de comunicação e interação implicando-se na pesquisa da
traduzam uma perceção de si positivas e gerindo eventuais informação relevante para a
próprio mais realista conflitos carreira

ACEDER A PERCURSOS
GERIR A MUDANÇA DECIDIR QUALIFICANTES E
PREPARAR A (RE)INSERÇÃO
ajustar-se a novos desafios e analisar e avaliar as diferentes NO MERCADO DE EMPREGO
empenhar-se neles, alternativas existentes,
motivação para a
dominando estratégias ponderando as consequências
aprendizagem ao longo da
facilitadoras das transições das opções, no imediato e a
vida e dominar estratégias de
nos vários contextos de vida longo prazo (re)inserção no mercado de
emprego

17
Estrutura do Referencial de OLV – níveis de realização

• Pesquisar informação e adquirir conhecimentos necessários para a ação futura


[através do conhecimento e da compreensão, e da recetividade] [identificar,
1
Explorar descobrir, pesquisar, selecionar]

• Desenvolver a compreensão sobre a informação recolhida [através da análise e


2 da síntese, e da disposição para a resposta] [planear, comparar, distinguir, priorizar]
Analisar

• Demonstrar os conhecimentos, atitudes e capacidades previamente adquiridos


3 [através da aplicação da aprendizagem a novas situações, e da valorização pela
preferência e compromisso] [aplicar, produzir, demonstrar, solucionar]
Agir

• Aprofundar os conhecimentos, atitudes e capacidades, transformando-as em


4 novos processos de descoberta [através julgamento com base em critérios, e
Avaliar comportamento dirigido por valores] ] [relacionar, criticar, julgar, ponderar]

18
Estrutura do Referencial de OLV – objetivos e níveis de realização
1
1 - Explorar

desenvolver 2- Analisar 2
1
interagir
o
3- Agir 2 eficazmente
autoconceito gerir 3
4- Avaliar
informação
3 4
4

1
1
2
aceder a 1
gerir a 2
mudança
percursos decidir
3 qualificantes e 2 3
preparar a
reinserção no 4
4 3
mercado de
emprego 4

19
Níveis de realização para o objetivo DECIDIR- analisar e avaliar as diferentes alternativas
existentes, ponderando as consequências das opções, no imediato e a longo prazo

4 - AVALIAR: avaliar o processo pessoal de tomada de decisão e o impacto das decisões


nos objetivos da carreira; avaliar os diferentes tipos de decisões tomadas e os seus efeitos
no próprio e nos outros.

3 - AGIR: adotar estratégias positivas de tomada de decisão e de resolução de problemas,


refletindo sobre as vantagens e desvantagens das consequências de decisões antes de as
tomar.

2 - ANALISAR: refletir sobre estratégias de tomada de decisão e os fatores a ter em conta


quando se ponderam as oportunidades de qualificação e de trabalho (níveis de exigência,
custos, conhecimentos necessários, etc.) relacionadas com a carreira.

1 - EXPLORAR: identificar a importância e os princípios subjacentes à tomada de decisão;


descobrir como as nossas crenças, valores e motivações pessoais, assim como as
expectativas dos outros, influenciam o processo de tomada decisão.

20
Níveis de desempenho do objetivo ACEDER A PERCURSOS QUALIFICANTES E PREPARAR A
(RE)INSERÇÃO NO MERCADO DE EMPREGO - motivação para a aprendizagem ao longo da vida e
dominar estratégias de (re)inserção no mercado de emprego

4 - AVALIAR: avaliar competências/pontos fortes para assumir oportunidades de


aprendizagem e trabalho, para construir cenários de carreira e ser capaz de (re)formular
projetos ao longo da vida, adaptando-se a novas circunstâncias.

3 - AGIR: adotar as estratégias de (re)integração em percursos qualificantes, de educação e


ou de formação profissional e de inserção no mercado de emprego ou em outras
oportunidades de carreira (estágios profissionais, mobilidade,…).

2 - ANALISAR: ponderar sobre oportunidades de qualificação, seja através de vias formais


ou não formais, saídas profissionais e respetivos referenciais de qualificação do CNQ, níveis
de qualificação e condições de acesso e certificação.

1 - EXPLORAR: explorar os meios de abordagem do mundo do trabalho e os instrumentos


que lhe estão associados (curriculum vitae, carta de apresentação, portefólio, candidatura
espontânea, etc.), assim como atitudes empreendedoras.

21
Níveis de realização para o objetivo DESENVOLVER O AUTOCONCEITO - adotar atitudes e
comportamentos que traduzam uma perceção de si próprio mais realista

4 - AVALIAR: avaliar atitudes de comunicação adotados no relacionamento


interpessoal e selecionar as estratégias comunicacionais mais indicadas para
construir relações interpessoais positivas em diferentes contextos.

3 - AGIR: adotar comportamentos empreendedores e criativos de resolução de problemas.


Utilizar de forma flexível atitudes, tais como, persistência, controlo da situação, controlo
do significado do problema, gestão do stresse,…

2 - ANALISAR: analisar atitudes e comportamentos que contribuem positiva ou


negativamente para o autoconceito e analisar o impacto da consciência de si na
aprendizagem e no contexto profissional.

1 - EXPLORAR: identificar a importância e os princípios subjacentes à tomada de decisão;


descobrir como as nossas crenças, valores e motivações pessoais, assim como as
expectativas dos outros, influenciam o processo de tomada decisão.

22
Níveis de realização para o objetivo DESENVOLVER O AUTOCONCEITO - adotar atitudes e
comportamentos que traduzam uma perceção de si próprio mais realista

4 - AVALIAR: avaliar estratégias e comportamentos adotados em contextos diversos,


como o escolar ou formativo, no trabalho ou em família, que reflitam uma
representação positiva de si mesmo.

3 - AGIR: adotar estratégias promotoras de um autoconceito positivo, adotando atitudes e


comportamentos que reflitam uma representação positiva de si, com influência na
aprendizagem e no trabalho.

2 - ANALISAR: analisar atitudes e comportamentos que contribuem positiva ou


negativamente para o autoconceito e analisar o impacto da consciência de si na
aprendizagem e no contexto profissional.

1 - EXPLORAR: identificar como se vê e como os outros o veem nos diferentes papeis e os


pontos fortes comuns, e explorar características pessoais como interesses, valores,
capacidades, aspirações.

23
Níveis de realização para o objetivo INTERAGIR EFICAZMENTE - relacionar-se com pessoas
diferentes, mantendo uma atitude facilitadora da comunicação e da interação, gerindo eventuais
conflitos

4 - AVALIAR: avaliar os recursos pessoais, apoios e estratégias facilitadores da adaptação e


da gestão da mudança, bem como, avaliar os impactos de uma atitude inovadora, criativa e
empreendedora.

3 - AGIR: adotar estratégias de interação positiva que permitam estabelecer relações


eficazes em diferentes contextos de vida; adotar atitudes, comportamentos e estratégias
promotores do trabalho em equipa.

2 - ANALISAR: reconhecer a informação mais adequada para a sua situação de vida e


caracterizar as dinâmicas do mercado de trabalho a nível local, nacional e internacional,
relativamente às opções profissionais equacionadas.

1 - EXPLORAR: explorar os meios de abordagem do mundo do trabalho e os instrumentos


que lhe estão associados (curriculum vitae, carta de apresentação, portefólio, candidatura
espontânea, etc.), assim como atitudes empreendedoras.

24
Níveis de realização para o objetivo INTERAGIR EFICAZMENTE - relacionar-se com pessoas diferentes,
mantendo uma atitude facilitadora da comunicação e da interação, gerindo eventuais conflitos

4 - AVALIAR: avaliar atitudes de comunicação adotados no relacionamento interpessoal e


selecionar as estratégias comunicacionais mais indicadas para construir relações
interpessoais positivas em diferentes contextos.

3 - AGIR: adotar estratégias de interação positiva que permitam estabelecer relações


eficazes em diferentes contextos de vida; adotar atitudes, comportamentos e estratégias
promotores do trabalho em equipa.

2 - ANALISAR: analisar e interiorizar estratégias de comunicação que favorecem a


construção de relações interpessoais positivas e reconhecer atitudes adequadas para lidar
com a pressão e situações de conflito.

1 - EXPLORAR: identificar a importância da comunicação nos diferentes contextos de vida e


Descobrir as diferentes estratégias de comunicação para estabelecer e manter relações
interpessoais adequadas.

25
Níveis de realização para o objetivo GERIR INFORMAÇÃO - utilizar estratégias adequadas
para explorar informação, implicando-se na pesquisa da informação relevante para a
carreira

4 - AVALIAR: avaliar as estratégias e comportamentos adotados, verificando a relevância,


fiabilidade e qualidade da informação utilizada, bem como os mecanismos de recolha e de
aplicação da informação.

3 - AGIR: adotar estratégias de interação positiva que permitam estabelecer relações


eficazes em diferentes contextos de vida; adotar atitudes, comportamentos e estratégias
promotores do trabalho em equipa.

2 - ANALISAR: reconhecer a informação mais adequada para a sua situação de vida e


caracterizar as dinâmicas do mercado de trabalho a nível local, nacional e internacional,
relativamente às opções profissionais equacionadas.

1 - EXPLORAR: explorar as diferentes fontes, suportes e meios de informação; pesquisar


informação, nomeadamente ,sobre educação, formação, saídas profissionais, profissões e
economias emergentes, modalidades de trabalho,…

26
Níveis de realização para o objetivo GERIR INFORMAÇÃO - utilizar estratégias adequadas para
explorar informação, implicando-se na pesquisa da informação relevante para a carreira

4 - AVALIAR: avaliar as estratégias e comportamentos adotados, verificando a relevância,


fiabilidade e qualidade da informação utilizada, bem como os mecanismos de recolha e de
aplicação da informação.

3 - AGIR: adotar estratégias de gestão autónoma de informação sobre oportunidades de


aprendizagem, de mobilidade e de trabalho; a partir da informação analisada, utilizá-la face
às oportunidades de aprendizagem e de trabalho mais adequadas para si.

2 - ANALISAR: reconhecer a informação mais adequada para a sua situação de vida e


caracterizar as dinâmicas do mercado de trabalho a nível local, nacional e internacional,
relativamente às opções profissionais equacionadas.

1 - EXPLORAR: explorar as diferentes fontes, suportes e meios de informação; pesquisar


informação, nomeadamente ,sobre educação, formação, saídas profissionais, profissões e
economias emergentes, modalidades de trabalho,…

27
Níveis de realização para o objetivo GERIR A MUDANÇA - ajustar-se a novos desafios e
empenhar-se no seu desenvolvimento, dominando estratégias facilitadoras das transições
ao longo da vida

4 - AVALIAR: avaliar os recursos pessoais, apoios e estratégias facilitadores da adaptação e


da gestão da mudança, bem como, avaliar os impactos de uma atitude inovadora, criativa e
empreendedora.

3 - AGIR: adotar estratégias positivas de tomada de decisão e de resolução de problemas,


refletindo sobre as vantagens e desvantagens das consequências de decisões antes de as
tomar.

2 - ANALISAR: analisar atitudes e comportamentos que contribuem positiva ou


negativamente para o autoconceito e analisar o impacto da consciência de si na
aprendizagem e no contexto profissional.

1 - EXPLORAR: explorar as diferentes fontes, suportes e meios de informação; pesquisar


informação, nomeadamente ,sobre educação, formação, saídas profissionais, profissões e
economias emergentes, modalidades de trabalho,…

28
Níveis de realização para o objetivo GERIR A MUDANÇA - ajustar-se a novos desafios e empenhar-
se no seu desenvolvimento, dominando estratégias facilitadoras das transições ao longo da vida

4 - AVALIAR: avaliar os recursos pessoais, apoios e estratégias facilitadores da adaptação e


da gestão da mudança, bem como, avaliar os impactos de uma atitude inovadora, criativa e
empreendedora.

3 - AGIR: adotar comportamentos empreendedores e criativos de resolução de problemas.


Utilizar de forma flexível atitudes, tais como, persistência, controlo da situação, controlo
do significado do problema, gestão do stresse,…

2 - ANALISAR: analisar os processos de mudança /transição e as vantagens da


proatividade. Debater estratégias de adaptação e resposta às mudanças e analisar as
vantagens de um perfil criativo e empreendedor.

1 - EXPLORAR: identificar diferentes transições ao longo da vida e as formas de as


vivenciar; explorar diferentes atitudes face à mudança, da atitude passiva à atitude
empreendedora.

29
Centros Qualifica –
públicos, equipas e atribuições

30
Centros Qualifica – público-alvo

• Identificar projetos individuais de qualificação

Adultos com idade igual ao • Manutenção do emprego


superior a 18 anos, que • Progredir na carreira profissional
procurem uma qualificação. • (Re)inserção no mercado de emprego.

• Reconversão profissional.

Jovens entre os 15 e os 29 • Motivar para a aprendizagem e o trabalho.


anos (*), que não se • Reorientar o percurso educativo/formativo.
encontrem a estudar, em
• Integrar um estágio profissional.
formação, nem estejam
inseridos no mercado de • Preparar a integração no mercado de trabalho.
trabalho. • Integrar numa qualificação.

(*) Plano Nacional de Implementação de uma Garantia Jovem: (site) https://www.garantiajovem.pt/;


(Resolução CM 104/2013, 31/12)
https://dre.pt/application/dir/pdf1sdip/2013/12/25300/0704907055.pdf

31
Centros Qualifica – atribuições e competências do Técnico ORVC

Desenvolver processos de Reconhecimento,


Desenvolver as etapas de Acolhimento,
Validação e Certificação de Competências
Diagnóstico, Informação e Orientação e (RVCC), escolar, profissional ou de dupla
Encaminhamento certificação

Monitorização do percurso dos


candidatos encaminhados

Estabelecer parcerias com outras


Desenvolver ações de informação e
entidades do território, que contribuam
divulgação sobre as ofertas de educação e
para a identificação de necessidades de
formação profissional disponíveis
qualificação

32
Centros Qualifica – perfil do Técnico – conhecimentos e saberes

Programas de
mobilidade, medidas de
estágios profissionais

Referenciais de
Rede de oferta educativa
Qualificação constantes
e formativa da região
do CNQ

Dinâmicas do mercado
de trabalho e Informática na ótica do
necessidades de utilizador
formação

33
Centros Qualifica – perfil do Técnico – conhecimentos e saberes

Sistema Educativo Técnicas e instrumentos Programas de


Português, incluindo o de procura de emprego e
mobilidade, medidas de
SNQ e legislação de apoio à criação de
emprego estágios profissionais
inerente

Referenciais de Oportunidades de
Rede de oferta educativa
Qualificação constantes formação em contexto
e formativa da região
do CNQ de trabalho

Perfis profissionais e Dinâmicas do mercado


respetivas competências de trabalho e Informática na ótica do
ao exercício de algumas necessidades de utilizador
profissões formação

34
Centros Qualifica – perfil do Técnico – saberes técnicos

Explorar e interpretar
informação produzida,
facilitando a sua síntese na
construção de Portefólios

Métodos e técnicas de
Metodologias de trabalho
recolha de informação
adequadas a pessoas com
(entrevistas, questionários,
dinâmica de grupos….) deficiência e incapacidade

Mediar momentos de
reflexão individual e
discussão em grupo

35
Centros Qualifica – perfil do Técnico – saberes técnicos

Explorar e interpretar
Metodologias biográficas Construção, organização e
informação produzida,
(narrativa autobiográfica, análise de portefólios à luz
facilitando a sua síntese na
balanço de competências) dos referenciais
construção de Portefólios

Análise, organização e
Métodos e técnicas de
interpretação de informação, Metodologias de trabalho
recolha de informação
para procura de soluções de adequadas a pessoas com
(entrevistas, questionários,
negociação em termos de deficiência e incapacidade
dinâmica de grupos….)
percurso

Conceção e adaptação de
Mediar momentos de Inserção e interpretação
instrumentos/ atividades à
reflexão individual e da informação na
recolha de informação
individual discussão em grupo Plataforma SIGO

36
Centros Qualifica – perfil do Técnico – saberes técnicos e relacionais

Capacidades reflexivas e Adaptar-se às diferenças


de flexibilidade na individuais, situacionais e
intervenção socioculturais

Comunicar de forma
clara, precisa e assertiva

Motivar, mostrar Capacidade de


empatia e gerar interpretação e de
confiança persuasão

37
Centros Qualifica – perfil do Técnico – saberes técnicos e relacionais

Capacidades reflexivas e Adaptar-se às diferenças


Dialogar e saber ouvir
de flexibilidade na individuais, situacionais e
(escuta ativa) intervenção socioculturais

Autonomia e criatividade Capacidade para


Comunicar de forma
na resolução de estabelecer relações
clara, precisa e assertiva
situações interpessoais

Motivar, mostrar Capacidade de


Capacidade de trabalho
empatia e gerar interpretação e de
em equipa
confiança persuasão

38
Centros Qualifica – etapas de intervenção
ACOLHIMENTO

DIAGNÓSTICO

INFORMAÇÃO E ORIENTAÇÃO

ENCAMINHAMENTO

RECONHECIMENTO, VALIDAÇÃO E Oferta Externa


CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

Encaminhamento para entidade


Certificação Total Certificação Parcial formativa

Plano Pessoal de Qualificação Certificação

39
Articulação das Etapas com o Referencial OLV – flexibilidade do processo

ACOLHIMENTO 1 Sessão – 1 a 4 horas

DIAGNÓSTICO
1 a 6 Sessões – 1 a 2 horas
 Desenvolver o autoconceito cada [entre 1 e 12 horas]
 Interagir eficazmente

INFORMAÇÃO E ORIENTAÇÃO
 Gerir informação
 Gerir a mudança 1 a 8 Sessões – 1 a 2 horas
cada [entre 1 e 16 horas]
 Decidir
 Aceder a percursos qualificantes e preparar
a (re)inserção no mercado de emprego

ENCAMINHAMENTO 1 Sessão – 1 a 2 horas

40
O processo de Orientação - Articulação das Etapas de intervenção com o
Referencial OLV

 Todos os candidatos devem passar por todas as Etapas.

 Os candidatos não têm que desenvolver todos os Objetivos do Referencial de OLV.

 O número de horas e de sessões do processo pode variar entre 4 horas / 4 sessões, no


mínimo, e 34 horas / 16 sessões, no máximo.

 Todas as etapas implicam registos na plataforma SIGO.

O candidato deve concretizar todas as etapas de intervenção e desenvolver os


objetivos considerados necessários para a gestão da carreira e a decisão sobre a
qualificação, evitando-se o encaminhamento inadequado com custos para o próprio e
para o sistema.

41
Compete ao técnico de ORVC desenhar e calendarizar um
programa de intervenção para cada candidato ou grupo de
candidatos com características semelhantes

Após construir o Se o candidato Que objetivos


perfil do já realizou, ou de gestão da
candidato e de
não, um carreira tem que
considerar a
processo de adquirir e
situação no seu
orientação, e se desenvolver
percurso de
carreira o realizou
recentemente

42
Metodologia – Instrumentos e Técnicas

43
44
Orientação nos Centros Qualifica – etapas de intervenção e instrumentos

45
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas

Entrevista
O intuito da entrevista é explorar com o candidato o seu percurso de vida, de modo a compreender
as suas motivações e apoiá-lo nos seus objetivos.

Tópicos para exploração de uma entrevista de cariz directivo:


 Percurso(s) pessoal, escolar, formativo e profissional
 Situação profissional atual
 Contextos de vida em geral
 Interesses, ocupações e tempos livres
 Disciplinas escolares / Matérias de interesse
 Competências Expetativas e ambições
 Disponibilidade para aprendizagem, para empreender relativamente ao mercado de
trabalho ou reconversão profissional
 Avaliação das acessibilidades

“Metodologia de acolhimento, diagnóstico e encaminhamento de


adultos, CENTROS NOVAS OPORTUNIDADES

46
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas

Entrevista e Questionário de temas de carreira

Apresentação sequencial de questões, previamente definidas, para dar a conhecer


episódios, histórias e referências de vida com significado pessoal.

OBJETIVOS:

 Promover a identificação de temas que emergem como padrões, fornecendo


informação para a elaboração de uma narrativa de vida que expresse o problema
central/tema do indivíduo.

 Promover o desenvolvimento do conhecimento de si próprio, reconhecer linhas de


resolução do problema, formular objetivos e planear meios para os atingir,
estabelecer um projeto de vida.

Career Style Interview, Mark Savickas

47
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas

Entrevista / Questionário (career style interview / a minha história de carreira)

QUESTÕES:
 Modelos
 Histórias
 Livros
 Programas de televisão/ Revistas
 Tempos livres
 Disciplinas escolares / Matérias de interesse
 Lema de vida
 Ambições
 Decisões

48
Orientação nos Centros Qualifica – instrumentos e técnicas

Questionário de temas de carreira (a minha história de carreira)

Ao refletir sobre as respostas, o indivíduo sente-se mais capaz de contar e interpretar a


sua história de carreira em termos de quem é, onde deseja estar e como irá ligar-se às
atividades profissionais que poderá vir a gostar de realizar.

 PARTE I – contar a minha história: responder às questões acerca de si próprio.

 PARTE II – ouvir a minha história: contar a sua história de carreira com maior clareza
e compreensão.

 PARTE III – realizar a minha história: elaborar um plano realista para por a história
em ação.

49
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas
Questionário: PARTE I – contar a minha história

A. Escreva uma breve descrição sobre a mudança que enfrenta presentemente.


B. Faça uma lista de todas as atividades profissionais em que tem pensado.

C. Responda às seguintes questões:

1. Quem admirava quando tinha oito anos de idade? Quem eram os seus heróis ou
heroínas? Refira três pessoas, reais ou imaginárias e descreva-os assinalando o que
admira neles.

2. Quais são as suas três revistas ou programas de televisão preferidos e porquê?

3. Atualmente qual é a sua história favorita (livro, filme)? Conte-a e descreva a


personagem.

4. Qual é a sua expressão favorita? Pense num lema pelo qual se guie ou numa
expressão que tenha ouvido ou lido e que goste. Se não se lembrar, crie uma.

50
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas

Questionário: PARTE II – ouvir a minha história

 EU: eu sou/eu estou a tornar-me: _____________________________________________

 CONTEXTO: gosto de estar em lugares onde se realizam atividades como: _____________

 GUIÃO: o enredo do meu livro (ou filme) favorito é: _____________, portanto, nestes
lugares, eu quero: _________________________________________________________

 ESTRATÉGIA PARA O SUCESSO: serei mais feliz e bem-sucedido quando for capaz de ser a
pessoa que ____________________, em locais onde as pessoas _________________, de
modo a poder ____________________________________________________________.

51
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas

Questionário: PARTE II – ouvir a minha história (cont.)

 CONSELHO PARA MIM PRÓPRIO: o meu lema contém o melhor conselho para mim próprio,
para lidar com as minhas preocupações de carreira. Para ter sucesso vou pensar e utilizar o
meu lema: _________________________________________________________________

 REESCREVER A MINHA HISTÓRIA: utilize a sua fórmula de sucesso e conselho pessoal para
reescrever a sua história, de modo a contar como irá realizar esta transição e
escolhas:___________________________________________________________________

 EXPLORAR ATIVIDADES PROFISSIONAIS: baseando-se no seu retrato-síntese, olhe para as


atividades profissionais que listou e identifique aquelas que agora vê como escolhas
potenciais, podendo acrescentar outras a essa lista: ________________________________

52
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas

Questionário: PARTE III – realizar a minha história


Está agora pronto para preparar um plano para por a sua história em ação (PIC).

 REFLITA sobre a sua história de carreira: para estabelecer objetivos para o próximo capítulo
da sua vida. Escolha um objetivo que seja alcançável (ter tempo, recursos e energia
suficientes), concreto (ser específico e mensurável) e desejável (querer fazê-lo). Os meus
objetivos são: ______________________________________________________________

 CONTE a sua história e as conclusões a que chegou: Quanto mais contar a sua história a
outras pessoas, mais real e clara se torna para si e mais confiante se sente em vivê-la. Para
tornar a minha história mais clara e real irei contá-la e discutir com estas pessoas que eu
valorizo: __________________________________________________________________

 CONCRETIZE a sua história agindo: Para concretizar os meus objetivos irei: _____________

53
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas

Questionário: PARTE III – realizar a minha história (cont.)

Para me comprometer com uma decisão que tomei, irei:


__ Falar com alguém que trabalhe nas atividades profissionais que me interessam.
__ Ler sobre a minha profissão de interesse.
__ Pesquisar na internet mais informação sobre esta profissão.
__ Observar pessoas a trabalhar nesta profissão.

Para experimentar e aceder à profissão escolhida, irei:


__ Candidatar-me, respondendo a anúncios e/ou enviando cartas com o meu CV.
__ Estudar e aprofundar os meus conhecimentos nessa área de estudo e formação.
__ Fazer uma formação de nível e área adequados.
__ Fazer voluntariado.
__ Outro ____________________________________________________________

54
Orientação nos Centros Qualifica – outras técnicas

Checklists e escalas informais de interesses, valores e capacidades,…

Promovem a discussão e a consideração estruturada de atributos pessoais, têm baixo


custo, causam menos ansiedade nos indivíduos (adultos). Caracteriza-se também pela
ausência de índices de validade/aferição, sendo interpretativos.

Escolha de cartões

Atividade com enfoque em tópicos como profissões, valores, aptidões, interesses,


motivações. É uma técnica estruturada que implica manipulação e ação por parte do
indivíduo, facilitando o processo de comunicação e feedback.

55
Orientação nos Centros Qualifica – outras técnicas

Retratos escritos ou gráficos como ponto de partida para analisar forças e fraquezas, refletir
sobre a experiência passada, revelar temas, pessoas e acontecimentos percebidos como
significativos, e definir objetivos para o futuro.

 Retratos em texto escrito: através da proposta de temas como: “o que procura alcançar na
vida e o que procura evitar”, “o que gostaria de estar a fazer daqui a cinco anos”.

 Retratos em representação gráfica: construção de um esquema visual da história de vida


através do desenho de uma linha onde são representados acontecimentos, experiências ou
períodos de vida que tiveram e/ou têm particular interesse para o indivíduo, que revelem o
impacto positivo ou negativo na vida da pessoa. Numa fase posterior desenha-se uma linha
que represente a perspectiva de futuro.

56
Orientação nos Centros Qualifica – instrumentos e técnicas

Bolsa de Atividades

 Documento onde estão organizadas atividades de acordo com a matriz do Referencial de


Orientação ao Longo da Vida, por Objetivos e Níveis de Realização.

 Estas atividades podem ser aplicadas segundo metodologias diversas, tais como, a utilização
de questionários, atividades de dinâmicas de grupo e estudos de caso, entre outras.

 As atividades são de caráter facultativo e deverão ser adaptadas às caraterísticas,


necessidades, expectativas e objetivos do candidato.

 Sustentam o processo e têm como finalidade apoiar o candidato na escolha da qualificação a


escolher, bem como a ser capaz de gerir a carreira no âmbito da formação e do trabalho.

57
Orientação nos Centros Qualifica – Bolsa de Atividades

58
Orientação nos Centros Qualifica – Bolsa de Atividades

59
Orientação nos Centros Qualifica – Bolsa de Atividades

60
Orientação nos Centros Qualifica – Bolsa de Atividades

61
Orientação nos Centros Qualifica – instrumentos e técnicas

Portefólio de Desenvolvimento Vocacional (PDV) - Objetivos

 Documentar as atividades do processo de orientação.

 Organizar e colecionar evidências resultantes das atividades do processo de orientação


ou outras decorrentes das aprendizagens e experiências de trabalho ou ocupacionais.

 Estimular a reflexão e partilha de ideias.

 Identificar e analisar conhecimentos e competências adquiridos em diversos


contextos, ao longo da vida, bem como os interesses, expectativas e valores.

 Integrar o balanço de competências, estabelecendo correspondência entre os pontos


fortes pessoais e as exigências de qualificação e profissionais.

62
Orientação nos Centros Qualifica – instrumentos e técnicas

Portefólio de desenvolvimento Vocacional – TÓPICOS A EXPLORAR

Dados pessoais

Identificação de características pessoais

Motivos, expectativas e aspirações

Balanço do percurso de educação/formação

Balanço do percurso profissional

Balanço de experiências ocupacionais

63
Orientação nos Centros Qualifica – instrumentos e técnicas

Portefólio de desenvolvimento Vocacional – TÓPICOS A EXPLORAR

Competências

Projetos para a aprendizagem

Projetos profissionais

Áreas de desenvolvimento pessoal a desenvolver para atingir os objetivos

Avaliação das acessibilidades necessárias ao desenvolvimento do projeto

64
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas

Balanço de competências

Deve ser utilizado nas etapas de Diagnóstico e de Informação e Orientação e é uma


metodologia que, através da utilização de vários instrumentos, visa a exploração e o
desenvolvimento do autoconhecimento pelo candidato, relativamente aos
interesses, valores e competências. Este autoconhecimento vai permitir-lhe adotar
atitudes e comportamentos que traduzam uma perceção de si próprio mais realista.

O balanço de competências poderá ser realizado através de checklists, testes,


inventários de interesses e valores ou atividades de autoconhecimento, como a
construção de narrativas autobiográficas.

65
Orientação nos Centros Qualifica – metododologias e técnicas

Articulação com o Processo de RVCC

 O trabalho realizado nas etapas de Diagnóstico e de Informação e Orientação


constitui-se como uma importante base de trabalho e de reflexão na intervenção
inicial nos processos de RVCC.

 O Portefólio de Desenvolvimento Vocacional (PDV), que integra documentação


relativa a interesses, expectativas, motivações, aptidões e informação, e relativa à
experiência sobre o percurso educativo, formativo, profissional e de competências
do candidato, pode ser um dos recursos a ser capitalizado para RVCC (no caso de
candidatos encaminhados para esse processo).

66
Orientação nos Centros Qualifica – metodologias e técnicas

“Os recursos, os projetos, os desejos (que) são portadores de futuro.

No passado não há somente as coisas que ocorreram, há também

todo o potencial que cada indivíduo tem para prosseguir a sua

existência de futuro.”

( Marie Christine Josso (2004) in Experiência de vida e formação)

67
Operacionalização do processo de Orientação –
plataforma SIGO e Passaporte Qualifica

68
Centros Qualifica – etapas de intervenção no processo de orientação

ACOLHIMENTO

DIAGNÓSTICO

INFORMAÇÃO E ORIENTAÇÃO

ENCAMINHAMENTO

69
Formandos e
Inscrições:
Pesquisa

70
Formandos e Inscrições:
Pesquisa

71
Formandos e Inscrições:
Pesquisa
Formandos e Inscrições:
Pesquisa

73
Formandos e Inscrições:
Pesquisa

74
Formandos e Inscrições:
Pesquisa

Para que seja permitida uma nova inscrição, o candidato não poderá estar em qualquer um
dos seguintes estados:

*Caso o candidato ainda não tenha concluído o percurso. Se o percurso for de registo no SIGO, a inscrição ficará
desbloqueada após a respetiva certificação. Se o percurso não for de registo no SIGO a sua inscrição terá de ser
desbloqueada pela ANQEP, I.P., mediante solicitação do Centro Qualifica e envio do respetivo Certificado de
conclusão do percurso.
**Caso tenha existido, previamente, um encaminhamento por parte de um CNO, de CQEP ou de um Centro Qualifica.

75
O Passaporte Qualifica

76
Formandos e Inscrições:
Pesquisa

77
Acolhimento
Registo das etapas: ACOLHIMENTO

Atender e inscrever o(s) candidato(s)


Informar e esclarecer sobre a missão e o âmbito de intervenção
do CQ

78
Acolhimento
Registo das etapas: ACOLHIMENTO

79
Acolhimento
Registo das etapas: ACOLHIMENTO

80
Passaporte Qualifica

81
Processos e Ações: código de registo para acesso ao
Passaporte Qualifica

Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

82
Processos e Ações: código de registo para acesso ao Passaporte Qualifica

Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

83
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

84
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

85
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

86
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

Como se regista um utilizador no Passaporte Qualifica?

Aceder ao site www.qualifica.gov.pt


e selecionar Passaporte Qualifica ou
aceder diretamente ao link:
www.passaportequalifica.gov.pt.

Ao efetuar “Novo Registo” será


solicitado o preenchimento da
ficha Registo de Utilizador, com
introdução do código de registo.
Ao preencher a ficha Registo de
Utilizador, o utilizador irá criar um
nome de utilizador e a respetiva
palavra-chave a usar depois na
“Ficha de Autenticação” sempre
que pretender “Entrar” no
Passaporte do utilizador.

87
Registo das etapas: Diagnóstico

Proceder à análise do perfil individual do candidato


Iniciar a compilação de comprovativos oficiais e outra
documentação relevante

88
Registo das etapas: Diagnóstico

89
Registo das etapas: Diagnóstico

90
Registo das etapas: Diagnóstico

91
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

92
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

Caso surjam dificuldades no acesso


ao seu Passaporte Qualifica, o
adulto deverá ser informado que o
apoio é assegurado única e
exclusivamente por e-mail para a
caixa de correio:
info@passaportequalifica.pt

93
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

I. PASSAPORTE QUALIFICA

O Passaporte Qualifica está estruturado como um assistente que guia o utilizador


ao longo de 5 etapas:

1. Registo
2. Diagnóstico
3. Percursos Possíveis
4. Seleção de Percurso
5. Pesquisa de Oferta Educativa e Formativa/ Pesquisa de Centro Qualifica

94
Como se organiza o Passaporte Qualifica?

95
Etapa 1. Registo
Informação referente à identificação, escolaridade e percurso efetuado pelo utilizador até ao momento da simulação.

96
Etapa 1. Registo 3 separadores

97
Exemplo

98
1. Registo: Resumo de Competências

99
100
1. Registo: Modalidades de Qualificação

101
102
1. Registo: Outras Formações

103
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

2. Diagnóstico

104
105
106
107
Registo das etapas: Informação e Orientação
 Apoiar na identificação do projeto individual de carreira (educação,
formação, trabalho, ocupação)
 Disponibilizar informação sobre:
- o Sistema Nacional de Qualificações, suas estruturas e instrumentos;
- oportunidades de qualificação e carreira;
- oportunidades de mobilidade transnacional

108
Registo das etapas: Informação e Orientação

109
Registo das etapas: Informação e Orientação

Também é possível realizar mais do que uma atividade na mesma


sessão/objetivo.
 Escolher um “Tipo de sessão” e o ou os outros tipos deverão ser
registados no campo “Descrição”.

110
Registo das etapas: Informação e Orientação
Projeto Individual de Carreira (PIC)
 Base do Plano Individual de Encaminhamento (PIE)
 Integra o Portefólio de Desenvolvimento Vocacional (PDV)

111
Registo das etapas: Informação e Orientação

112
Registo das etapas: Informação e Orientação
O PIC é sempre editável enquanto permanecer na etapa “Informação e Orientação”:
Criar mais uma sessão “Preparação do PIC”
 Registo automático da alteração no documento final

113
Registo das etapas: Informação e Orientação

114
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

115
116
Meta 1: 12.º ano - Certificação Escolar (Nível 3 do QNQ)

117
118
119
Meta 2: 12.º ano e Certificação Profissional N4 - Dupla
Certificação (Nível 4 do QNQ)

120
Meta 2: 12.º ano e Certificação Profissional N4 - Dupla Certificação (Nível 4 do QNQ)

121
122
Técnico/a Auxiliar de Saúde

123
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

124
125
Registo das etapas: Encaminhamento

126
Registo das etapas: Encaminhamento

127
Registo das etapas: Encaminhamento

128
Acolhimento Diagnóstico Informação e Orientação Encaminhamento

Modalidades de Educação e Formação para Adultos

• A partir do Portal Qualifica: • A partir do Passaporte Qualifica:


www.qualifica.gov.pt www.passaportequalifica.gov.pt

129
OBRIGADA

130

Você também pode gostar