Você está na página 1de 2

Você já pensou que , com uma corrida mais eficiente , seu tempo poderia melhorar e até

mesmo diminuir a incidência de lesões?

Para respondermos a estas perguntas devemos analisar alguns aspectos da corrida.

A corrida se divide em duas fases:

Fase de apoio onde há o contato de uns dos pés


no solo e a fase de vôo onde não há o contato de nenhum dos pés com o solo.

Toda corrida ocorre por uma ação circular e não pendular das pernas, ocorrendo uma
sucessão de desequilíbrios coordenados, onde o tronco permanece ereto, sem que ocorra
movimentos laterais, nem grandes oscilações do centro de gravidade. Os braços
flexionados trabalham alternadamente no eixo dos ombros, realizando um movimento
balanceado e coordenado com os movimentos das pernas.

Na corrida de longa distancia, a ação do pé na fase de apoio, inicia o contato com o solo
no retro pé, passando suavemente pelo médio pé e finalizando o impulso pelo ante pé,
em uma ação muito conhecida como um mata-borrão. Podendo ocorrer uma leve flexão
dos joelhos na fase de apoio, mas que não deve ser confundida com uma “corrida
sentada”.

Todos os movimentos devem acontecer de uma forma harmoniosa para evitar bloqueios
e frenagens, levando a uma perda desnecessária de energia e de eficiência mecânica.

A partir de uma corrida mais eficiente, podemos pensar em velocidade e ritmo, que
serão determinados pela freqüência e amplitude da passada. Isto é, quanto maior for a
velocidade da corrida, maior será a amplitude da passada.

Com a união desses fatores, bem condicionado, técnica e fisicamente, estaremos em


condição de melhorarmos nossa performance, seja numa prova de 5km, seja numa
maratona.

Se você pensa que força e potencia muscular, são fatores importantes apenas para
corredores de curta distancia, esta cometendo um erro.

Tomemos com exemplo, um maratonista que tem como PB (Personal Best) 3:30.
Correndo numa passada normal, tento uma freqüência de 180 passadas por minuto, ao
final de uma maratona ele terá dado 37.800 passadas.
Se ele tiver um aumento na potencia muscular, ele poderá ter dois benefícios:

Gastará menos tempo no contato com o solo e aumentará a amplitude da passada.

Diminuindo um modesto 0,02 segundos o contato com o solo em cada passada, ao final
de 37.800 passadas, ele terá corrido 2min e 36 segundos mais rápido.

Ainda assim se através da técnica e da força ele aumentar sua passada em 2cm, terá um
ganho de 500 metros ao final de uma maratona o que significará dois minutos e alguns
segundos a menos.

O trabalho específico para atender essas questões visa, através de exercícios específicos
e educativos, exatamente este aumento de força e potencia muscular que se traduzira na
melhora da técnica e eficiência mecânica de sua corrida.

Mas para isso é necessário adequar os treinamentos, tanto o treinamento de força, como
também os exercícios educativos, para assim melhorar sua performance geral.

Percebe-se a importância curcial de Professores de Educação Física com experiência


para fazer tais adaptações e garantir que os objetivos sejam realmente atendidos de
forma SEGURA.

Fonte
www.clickecorra.com.br

2 comentários

1. Diogo Souza Oliveira comentou em 01 de maio de 2008 às 10:34:24

muito interessante o comentário sobre a corrida.

2. ALBENES FRANCISCO SOUZA comentou em 01 de agosto de 2008 às


14:28:58

Não é aumento de passada e sim o aspecto coordenação motora (neural) os


estimulos que são vivenciados no periodo básico que dá esta condição. Outro
aspecto que deve ser abordado é o mecânico e a lei do movimento , onde se
trabalha sempre perto do eixo,nas provas curtas podemos até discutir amplitude
de passada, mas nas provas de longa distância o mais importante é entender um
pouco de fisica. Toda vez que estou fazendo qualquer movimento longe do meu
corpo é maior o meu gasto calórico, toda vez que estou fazendo qualquer
movimento perto do meu corpo é maior a velocidade do movimento e menor o
gasto calorico, Exemplo: o eixo de um caminhão, para que seja possivel um giro
nesta circunferência sou um pouco lento, agora quando é um eixo pequeno de
um carro de passeio o giro é maior, com este entendimento , será menor o gasto
calórico e a durabilidade do movimento será bem maior.