PRÁTICA DOCENTE

1

2

FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA

PRÁTICA DOCENTE
João José Saraiva da Fonseca Sônia Maria Henrique Pereira da Fonseca

FORTALEZA EDITORA FGF 2007

3

Educação. 60510040 Tel.fgf@fgf. 21 cm.2007.FGF Av.edu. 58p. Prática Docente. Porto Velho. 371.Copyright ©2007 by Editora FGF Esta obra ou parte dela não pode ser reproduzida por qualquer meio sem a autorização do Editor.(85)3496-4384 email. FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA Diretora Geral Renata Peluso de Oliveira Diretora do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) Marina Abifadel Barrozo Direção Acadêmica Paulo Roberto Melo de Castro Nogueira Coordenação Pedagógica do Núcleo de Educação a Distância João José Saraiva da Fonseca Sônia Maria Henrique Pereira da Fonseca Editora Responsável Renata Peluso de Oliveira Coordenação de Divulgação Acadêmica Maria das Graças Freire de Oliveira Diagramação Nívea da Silva Isídio Capa Célio Gomes Vieira EDITORA GRANDE FORTALEZA .João XXIII-Fortaleza/CE . 2. Fonseca. 4.CEP.br Fonseca.1 Catalogação de Publicação: Biblioteca Central Profª.Antonieta Cals de Oliveira – FGF 4 . Formação de Professores. 5 Memorial CDD. Estágio Supervisionado 3. Sônia Maria Henrique Pereira da Prática Docente Fortaleza: Editora Grande Fortaleza FGF. Palavras-chave: 1. 401 .João José Saraiva da.(85)3299-990/Fax.

.................................19 1...............2 Resumo ..........................................16 TEMA 1REDIRECIONANDO O OLHAR Objetivos....1 Introdução..........23 2..18 1.........4 Guia de Entrevista com o Professor................................................3 Observação de Sala de Aula ...............................................................................10 Introdução.........................................................................................24 2.........9 Bibliografia .....................................................9 INTRODUÇÃO AO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Objetivos..........................................4 Bibliografia ....................11 UNIDADE I ESTÁGIO: ESPAÇO DE FORMAÇÃO Objetivos específicos .20 1.20 1......................................................................................8 Auto-avaliação ...........26 3...................................................7 Resumo ................19 1....................................................................................................18 1.25 3.1 Introdução ..........................21 TEMA 2 OLHANDO COM OLHOS DE VER Objetivos.........................................................................22 2.....................3 Auto-avaliação .....................................24 TEMA 3 OLHANDO O OUTRO Objetivos.................2 Resumo .....26 5 .5 Guia de Boas Práticas .............................1 Introdução..................................................................6 Memorial...23 2....2 Guia de Observação da Escola...........18 1...........17 1.....................................................................................SUMÁRIO PRÁTICA DOCENTE Objetivos do Módulo .....................................................................20 1.........................

30 TEMA 5 INTERIORIZANDO NOSSO OLHAR Objetivo ...............4 Bibliografia ..............................................................1 Introdução........6 Resumo .............................28 4.......7 Auto-avaliação ......39 1...........................3 Auto-avaliação ................................5 Atividade V Refletindo sobre Quem Sou .................................2 Resumo ......31 5........................27 3..........................40 1................1 Introdução....3 Auto-avaliação .......................................4 Bibliografia ............................34 5.......29 4.............29 4....................................................39 1.....38 1.....8 Bibliografia .4 Atividade IV Selecionando uma Unidade de Ensino e Estabelecendo Conexões Interdisciplinares........................................................34 UNIDADE II ESTÁGIO: ESPAÇO DE CONCRETIZAÇÃO Objetivo35 TEMA 1CONTEXTUALIZANDO O ESTÁGIO Objetivos.....40 1...........1 Atividade I Guia de Observação da Escola ...............................................................................................................................2 Resumo ..............................34 5..................................................3................................27 TEMA 4 OLHANDO O QUE FAÇO Objetivos...3 Atividade III Observação da Escola enquanto Concepção Pedagógica 1...........32 5.........36 1................................................37 1..........29 4..................................3 Auto-avaliação .2 Atividade II Observação da Escola na sua Dinâmica de Organização e Recursos..................................................41 6 ........................................................................................4 Bibliografia ...........

...46 2..51 3.......52 4............................................................................................6 Resumo ....................................44 2...........................2 Atividade II Observação da Escola Enquanto Espaço Físico e Temporal ...................................................51 3...........................8 Bibliografia ..1 Atividade I Guia de Entrevista com o Professor 48 3.......................47 3...................................50 3.................49 3........7 Auto-avaliação ......5 Atividade V Onde vivencio ................................42 2.......................................................4 Atividade IV Elaborando Materiais Didáticos................44 2......................................1 Atividade I Guia de Boas Práticas para a Intervenção do Professor .......................................................................49 3...........8 Bibliografia .................... Social e Cultural........7 Auto-avaliação ....................................51 TEMA 4 REFLETINDO A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR NA ESCOLA E NA SALA DE AULA Objetivos..........6 Resumo ..............................................................45 2......................................... ...........................49 3.......5 Atividade V O Que Vejo ....46 2.....................46 TEMA 3 REFLETINDO A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR NA ECOLA E NA SALA DE AULA Objetivos.3 Atividade III Entrevista Sobre o Papel do Professor .......................................................................TEMA 2 REFLETINDO A ITNERVENÇÃO NA SALA DE AULA Objetivos...............3 Atividade III Observação da Sala de Aula enquanto Concepção Pedagógica.......................4 Atividade I Planejando uma Unidade de Ensino....1 Atividade I Guia de Observação da Sala de Aula43 2......44 2....53 7 ....2 Atividade II Observação da Escola enquanto Espaço de Político......

.6 Resumo ....................................4......................54 4......58 8 ....................56 4...................................................57 5....................55 4............................................1 Introdução............................58 5.........................................................................................7 Auto-avaliação .............2 Atividade II Observação dos Instrumentos de suporte pedagógico .........................................58 5................4 Bibliografia .................................56 4.........3 Auto-avaliação ..........................3 Atividade III Análise Comparativa entre a Relação do Professor com o feito e o dito .................................................4 Atividade IV Intervindo e Refletindo sobre a Prática ....54 4....................56 TEMA 5 PARTILHA COLABORATIVA 5..................................5 Atividade V O que Faço e como Vejo o que Faço .................................................8 Bibliografia ......................2 Resumo ........54 4..................................

às situações práticas vivenciadas nas escolas de ensino básico como um espaço de reflexão sobre a proposta do estágio em suas etapas de mediação entre os saberes que a ação docente exige sobre a pratica pedagógica do profissional em educação visando à integração teoria e prática. 9 . permanentemente. adquiridas ao longo do seu curso.PRÁTICA DOCENTE Objetivos do Módulo Proporcionar aos alunos a aplicação dos conhecimentos científicos e competências pedagógicas. com momentos de análise e reflexão sobre as situações reais encontradas no espaço da sala da aula.

Compreender a proposta de trabalho a que o estágio obedece. Objetivos • • Compreender o desafio da reflexão sobre a pratica pedagógica na sala de aula. O desafio do estágio supervisionado. 10 .INTRODUÇÃO AO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A teoria na prática.

No pensamento de Paulo Freire a ação docente sem a práxis torna-se um ativismo: “Nunca me foi possível separar em dois momentos o ensino dos conteúdos da formação ética dos educandos. O ensino dos conteúdos implica o testemunho ético do professor. nem de forma grosseira nem 11 .Introdução A ação docente quando se dá a partir do processo de reflexão significa dizer que o profissional está investigando sua prática na sala de aula e é nesse momento que ele adquire as condições para articular a teoria e a prática numa dimensão de problematização da ação docente que o possibilitará a construção de novas situações de ensinar e aprender. além de promover a aproximação do profissional à prática docente e possibilitar a reflexão sobre os pilares do conhecimento. A prática docente que não há sem a discente é uma prática inteira. a formação didática e os saberes específicos da área do conhecimento enquanto fundamentos pedagógicos são ainda temas nos cenários de debates sobre que profissional estamos formando. A boniteza da prática docente se compõe do anseio vivo de competência do docente e dos discentes e de seu sonho ético. O estagio é o espaço responsável pela construção de saberes significativas no processo de formação dos professores. viver e ser. Não há nesta boniteza lugar para a negação da decência. A reflexão pode fazer parte da prática docente. fazer. necessário a sua formação docente são: conhecer.

está buscando uma interpretação para aquilo que é vivenciado e estas atitudes reflexivas permitiram ao mesmo tempo uma ação refletida para produzir outros saberes resultantes da prática. 37)”.análise . no âmbito mesmo da docência. a partir da compreensão que sua experiência possa ter relevância teórica com sua postura de professor reflexivo. Só há lugar pureza (Freire. A ação refletida é necessária como diz Freire.farisaica. para para (Re) pensar a formação de professores. procurando entender os saberes empíricos e os saberes científicos alguns limites que se apresentam no momento da articulação: Prática Análise Prática A exigência da reflexão crítica na prática docente implica num movimento dialético entre o fazer na perspectiva de análise do professor sobre como ocorre as questões do cotidiano no âmbito da sala.teoria . p. significa encontrar alternativas para uma ação docente reflexiva. 1996. a nova tendência pedagógica. para valorização do conhecimento. O reconhecimento que a docência se dá pela prática da crítica sobre o discurso teórico de modo que ação e reflexão possam se confundir entre si. para que o aprendiz de educador assuma que o indispensável pensar certo não é presente dos deuses nem se acha nos guias de professores. A reflexão como elemento da prática docente. o saber para ensinar e sua elaboração no cotidiano do professor. que surge a partir do movimento: prática . perceber como se dá. iluminados intelectuais. Não há lugar puritanismo.prática. nesse movimento ele está refletindo. este 12 .

Você é convidado a transformar seu ambiente de trabalho num espaço de Ação e Reflexão. e experiências vividas ao longo de toda vida. Deverá refletir a realidade da escola e da comunidade ao seu redor e a própria atividade de professor. na tentativa de ser um eterno aprendiz. Em cada mês deverá realizar um conjunto de atividades que lhe possibilitarão refletir na e sobre a ação educativa pressupondo a capacidade de uma atividade cognitiva consciente do professor no seu cotidiano. Partindo dos princípios da pesquisa participante. daí a preocupação para que este momento seja um espaço dialético para que se possa construir a ponte entre o saber fazer e o saber teórico na realidade. Na tabela a seguir encontrará a dinâmica que irá estar subjacente ao estágio. em ambos os casos. quer no contexto da sala de aula. conforme modelo disponível na sala virtual. organização e relações. a partir de um novo olhar. 13 . propomos que se integre na vivência da escola como observador das suas dinâmicas de funcionamento. Pretendemos que se estabeleça uma forte vinculação entre essa análise e a sua atividade no cenário da escola. O estágio dos alunos do curso especial de formação de professores da FGF decorre ao longo de cinco meses na escola onde você leciona. é indispensável uma declaração com a aprovação formal da instituição de ensino. ou em outra escola escolhida por você e que aceite a realização do estágio sendo que.processo na formação do profissional assume um papel relevante no cenário do projeto político pedagógico do Estagio Supervisionado. como da escola como um todo.

Contextualização Intervenção Partilha colaborativa 1º mês I Redirecionan do os olhares Guia observação escola de da 2º mês Observação de sala de aula 3º mês Guia de entrevista com professor 4º mês Guia de boas prática s para a interve nção do profess or Observ ação dos instrum entos de suporte pedagó gico Análise compar ativa entre a relação do profess or com o feito e o dito Intervi ndo e refleti ndo sobre a prática O que faço e como vejo o que faço 5º mês Memorial e plano de ação II Olhando com olhos de ver Observação escola na dinâmica organizativa recursos da sua e Observação da escola enquanto espaço de político. social e cultural Observaç ão da escola enquanto espaço físico e temporal Planejando a oficina de apresentação do trabalho realizado na escola e no encontro presencial Momen to presen cial de aprese ntação do memori al III Olhando outro o Observação da escola enquanto concepção pedagógica Observação da sala de aula enquanto concepção pedagógica Entrevista sobre o papel do professor IV Olhando que faço o Selecionando uma unidade de ensino e estabelecendo conexões interdisciplinares Quem sou Planejando uma unidade de ensino Elaborand o materiais didáticos IV Interiorizan do nosso olhar Onde vivencio O vejo que O que proponho mudar 14 .

São Paulo: Paz e Terra. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed. Pedagogia da Autonomia.Participação nas atividades de interação na sala virtual (5X5% = 25%) O estágio engloba quatro grandes momentos que estarão presentes transversalmente durante todo o estágio e que serão explicados em cada um dos temas seguintes da unidade deste módulo: * Redirecionado o olhar * Olhando com olhos de ver * Olhando o outro * Olhando o que faço * Interiorizando nosso olhar Bibliografia Freire. Pimenta S.Atividades desenvolvidas em cada mês (5 x 5% = 25%) . P. 8ª ed. 2002. 15 . São Paulo: Cortez. 1996.Avaliação do portfolio (50%) .A nota final do estágio será contabilizada a partir dos seguintes fatores: .

UNIDADE I ESTÁGIO: ESPAÇO DE FORMAÇÃO Objetivos específicos • Articular a prática de formação e as atividades de trabalho acadêmico com o estágio supervisionado. • Compreender a escola com instituição social responsável pelo processo educativo na concretização do seu projeto político pedagógico. 16 . • Orientar o planejamento de suas atividades durante a interação com os diferentes segmentos da comunidade. • Possibilitar no momento estágio a (re) significação da prática pedagógica do profissional de educação.

TEMA 1 REDIRECIONANDO O OLHAR Objetivos • Questionar a realidade educativa para nela saber intervir. • Compreender o espaço de intervenção do estagiário da escola. • Elaborar adequadamente técnicas e instrumentos de observação e avaliação. 17 .

1. colaborativamente com seus colegas. de entrevista. A sala deve ser encarada enquanto espaço de ensino. educacional e num espaço e num tempo concretos.1. marcada por múltiplas influências e onde se entrecruzam diversos grupos que interagem e compartilham normas. crenças. a escola deverá ser compreendida na sua função político e social.1 Introdução O estágio constitui uma oportunidade para você construir. guias de observação. pesquisar e trabalhar em conjunto com seus colegas. Enquanto instituição social. no espaço atribuído à participação dos alunos considerados na sua diversidade. valores e interesses. 1. visando repensar a prática e os fundamentos da área específica de formação.3 Observação de Sala de Aula A sala de aula deverá ser analisada enquanto espaço de encontro com o outro e considerando os desafios que isso envolve no planejamento pedagógico. de boas práticas e a estrutura básica de um memorial. 18 . Para a consecução de cada uma dessas tarefas você terá de partilhar suas experiências. nas formas de relação professor-aluno.2 Guia de Observação da Escola A escola deverá ser analisada a partir dos princípios orientadores do projeto político pedagógico e considerando que ela está inserida num contexto sociopolítico. nos materiais didáticos utilizados.

Deverá também ser capaz de interpretar a cultura e a sociedade da época em que vive. 19 . democracia. produtor do mesmo. visando contribuir para que atinjam a autonomia intelectual. tempo do aluno. uso de materiais etc. multiculturalidade. A atuação do professor na sala de aula deverá ser encarada enquanto espaço de mediação do conhecimento crítico e emancipatório em que o professor surge enquanto orientador do processo ensino-aprendizagem.aprendizagem e pesquisa do professor. motivando os alunos a buscarem novos conhecimentos numa proposta didática que fomente o aprender a apreender. mas também enquanto um ser criativo e crítico. cultura. em domínios tais como a avaliação. afetividade. interação. comunicação. crítica. para poder assumir um posicionamento crítico diante da mesma para que a sua ação jamais seja neutra do ponto da visão política.5 Guia de Boas Práticas para a Intervenção do Professor A intervenção do professor em sala de aula deverá ser orientada por princípios básicos que servirão de referencial de análise para a sua ação. 1.4 Guia de Entrevista com o Professor O professor deve ser encarado como alguém comprometido com a difusão do conhecimento. quanto no sentido amplo de conhecimento. interdisciplinaridade. tanto na área de conhecimento de sua formação. 1. Partindo de Paulo Freire deixam-se algumas palavras-chave: diálogo.

6 Memorial O memorial envolve o registro de um processo. 20 . 1. Contudo. 1.curiosidade. individualmente. Deverá ser encarado enquanto contribuição para refletir as relações entre a sociedade e a educação. comunicação. envolvendo acontecimentos dos quais você foi protagonista. seu interesse reside também nas propostas que das experiências vividas poderão resultar. o memorial não deve se resumir ao relato. você tomar consciência do caminho que já percorreu e de quanto pode certamente percorrer. emancipação. respeito. 2 – Qual a relevância do memorial incluir um plano de ação. mudança. 1. como para motivar o professor para a realidade da pesquisa.7 Resumo Utilizar adequadamente técnicas e instrumentos de observação é fundamental não só para uma reflexão sobre a realidade da escola.8 Auto-avaliação 1 – Comente a frase: “O professor deve ter plena consciência da relação entre a prática discursiva e a realidade da ação”. bem como para.

L. PIMENTA. 2001 Cortez. 2004.. PIMENTA. L.. 2002.).. S. S. A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. G.L. Estágio e Docência. S. São Paulo: Cortez. 2002. 21 . O estágio na formação de professores: unidade teoria e pratica? 5ª ed. G.1. LIMA. M.9 Bibliografia LIMA. M. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. São Paulo: Cortez. (Org. S.

• Caracterizar a dinâmica de funcionamento do cotidiano escolar de modo a atender as exigências de uma educação de qualidade 22 . • Elaborar propostas que possibilitem a escola atender às exigências sociais.TEMA 2 OLHANDO COM OLHOS DE VER Objetivos • Identificar a escola enquanto espaço dinâmico de relações institucionais e pessoais.

dinâmica organizativa e recursos . envolve. à realidade política. mais do que criar representações de seu valor em relação a outras escolas. individualmente. observe a escola enfocando pormenores tais como: .espaço político. econômica.2. É importante compreender a importância da infra-estrutura da escola e não esquecer de refletir sobre os espaços e tempos que nela se cruzam. rumo a 23 . ou a uma referência abstrata. social e cultural que a envolve e à articulação desta com a comunidade onde se insere.instrumentos de suporte pedagógico 2. ou a objetivos a ela atribuídos.2 Resumo A análise da realidade vivenciada pela escola durante o estágio. o desejo de abraçar coletivamente novas práticas a partir da reflexão individual. Transversal a este momento encontra-se a análise do projeto político pedagógico Para a consecução deste olhar com olhos de ver propomos que. sobretudo.espaço físico e temporal . Deverá estar atento à dinâmica de funcionamento institucional da escola. social e cultural .1 Introdução O estágio será o momento para a realização de um estudo exploratório do cotidiano escolar com a utilização dos instrumentos de registro do cotidiano escolar.

) A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. 2004. PIMENTA.uma nova educação que subsidie uma transformação social. L. 2001 Cortez. M. S. 2002. M. 2002. G. São Paulo: Cortez. L.4 Bibliografia LIMA. Estágio e Docência. 24 . S. S. LIMA. G. S. . Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. PIMENTA. 2. São Paulo: Cortez.3 Auto-avaliação 1 – Comente a frase: “O projeto políticopedagógico funciona como elemento de referência para qualquer análise da escola” 2 – Apresente argumentos que sustentem a afirmação de que: “A escola deve ser analisada enquanto um espaço de relações pessoais e sociais” 2. L. (Org. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed.

TEMA 3 OLHANDO O OUTRO Objetivos • Relacionar a realidade teórica e a realidade concreta do exercício da escola e dos professores 25 .

26 .

deverá realizar uma análise comparativa entre o discurso do professor e a sua prática. ou uma sala de aula envolve assumir o compromisso de promover uma reflexão conjunta com todos os participantes na comunidade educativa procurando um novo entendimento para a função social da escola e para a ação de ensinar e aprender.3. observe e registre aulas ministradas por um colega e identifique e analise as concepções pedagógicas que permeiam a prática desse professor.1 Introdução O estágio proporciona a oportunidade de conhecer melhor você ao olhar o outro. 27 . Neste momento propomos que utilizando os instrumentos de observação desenvolvidos colaborativamente. bem como as características da turma. 3.2 Resumo Observar o ambiente escolar. como suporte para que possa refletir sobre a sua própria prática. Para a concretização desta atividade propomos que individualmente observe: • A escola enquanto concepção pedagógica • A sala de aula enquanto concepção pedagógica para complementar sua observação: • Entreviste o professor sobre o seu papel • Analise comparativamente o feito e o dito do professor. Por outro lado.

G. São Paulo: Cortez. ao olhar o outro”. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. M. (Org. LIMA.) A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. S. 2002.3 Auto-avaliação 1 – Qual a importância do estágio lhe proporcionar a oportunidade de “conhecer melhor você. São Paulo: Cortez. 28 . S.4 Bibliografia LIMA. PIMENTA. Estágio e Docência. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed.. M. 2004. 2 – Comente a afirmação: “A observação da ação do professor deverá envolver o conhecimento prévio dos alunos” 3. S. 2001 Cortez. . L. L. S. 2002. L. G.3. PIMENTA.

TEMA 4 OLHANDO O QUE FAÇO Objetivos • Organizar. • Relacionar o processo desenvolvido. reformulando-o quando necessário. planejar e implementar situações de aprendizagem de acordo com propostas pedagógicas inovadoras. 29 .

ação.2 Resumo O estágio proporciona as condições para que reflita sobre a sua prática a partir do planejamento de uma unidade de ensino e da sua autocrítica visando promover uma constante atualização das ações.3 Auto-avaliação 1 – Apresente argumentos que o possam ajudar a defender o papel que o material didático deverá ter no planejamento de uma unidade de ensino. mas refletir sobre os resultados conseguidos. Neste momento do estágio deverá desenvolver não só o planejamento de uma unidade de ensino e elaborar seu material didático. Para a concretização desse momento deverá: • Selecionar uma unidade de ensino e estabelecendo conexões interdisciplinares. • Planejar uma unidade de ensino.4. na direção de um desempenho melhor. a contextualização de experiências.1 Introdução A ação docente é um espaço com particular foco na mediação procurando. 30 . considerando a dinâmica ação-reflexão. a identificação crítica de elementos que a favorecem ou dificultam. 4. • Elaborar materiais didáticos. face aos objetivos propor alterações que possam melhorar o seu desempenho. • Refletir criticamente sobre esse momento de prática. o conhecimento dos atores envolvidos no processo de ensino aprendizagem. entre outras. 4.

PIMENTA. L. 2004. L. (Org.4 Bibliografia LIMA. 31 . São Paulo: Cortez. 2002. M. LIMA.2 . G. Estágio e Docência.Qual a contribuição que a ação-reflexãoreflexão pode dar para a permanente atualização da ação pedagógica. M. S. 4. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. S. PIMENTA.. S.) A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. 2002. L. 2001 Cortez. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed. São Paulo: Cortez. S..

32 .TEMA 5 INTERIORIZANDO NOSSO OLHAR Objetivo • Elaboração e organização do relatório final do estágio (memorial).

aos outros e à escola. buscando mudanças na forma como compreender a si próprio. assim como as perspectivas futuras em relação à sua profissão. durante o estágio. A entrega do memorial será no final do curso e deve explicitar de que forma e em que intensidade o curso influenciou para a sua transformação pessoal e profissional.5. as vitórias. lançamos o desafio para que proponha intervenções que contribuam para a solução das dificuldades e apresente resoluções inovadoras (plano de ação). Nele devem constar os acontecimentos relevantes que aconteceram em todas as etapas do ato de ensinar e aprender considerando a sensibilização. É uma construção contínua. É a oportunidade para a construção. propomos que relate as experiências vividas durante o Estágio e o caminho acadêmico percorrido por ele até o momento de sua realização. as dúvidas). a partir das experiências vivenciadas e das dificuldades encontradas.1 Introdução A organização do estágio conduz a que neste momento você tenha a oportunidade de analisar e sintetizar a pluralidade dos saberes elaborados e/ou repensados no seu desenrolar. O memorial escrito individualmente é o momento para registrar a experiência vivida por cada aluno durante o curso. os avanços e recuos (os momentos difíceis. no qual registrará suas impressões sobre sua aprendizagem. Mas o memorial deverá ir mais além e. O memorial é um documento que deverá ser entregue no final do estágio. reflexão e intervenção. mas sua elaboração ocorrerá passo a passo. No relatório final do estágio que assumirá característica de memorial. desconstrução e reconstrução das experiências vividas. os acertos. É 33 .

de como aprende e das conseqüências disso para a sua formação: O memorial deverá seguir as seguintes seções: • Quem sou enquanto cidadão e professor? • Onde vivencio a minha intervenção social. • As reações dos alunos e da escola às propostas de mudança por si. • As trocas de experiência entre você e outros colegas de curso.uma espécie de “diário” no qual você tem a oportunidade de guardar suas reflexões sobre os vários momentos do curso e sua relação com a implantação e organização da rede. dificuldades e facilidades encontradas no decorrer da realização das atividades do estágio. • As relações do estágio com a sua experiência anterior. 34 . • As mudanças na sua atuação docente que tenham relação com o curso. cultural e educacional? • O que vejo enquanto cidadão e professor nesse espaço onde me movimento e intervenho? • O que faço e como vejo o que faço enquanto professor? • O que proponho mudar nas minhas práticas e posturas? O memorial poderá ainda incluir: • As suas reações. apresentadas no momento de partilha colaborativa. O memorial possibilita que você se conscientize do que aprende.

). Estágio e Docência.2 Resumo O memorial é um documento que você elabora passo a passo e no qual apresenta uma reflexão sobre suas experiências no estágio. S. 35 . 2003. São Paulo: Cortez. 2002. S. (Org.3 Auto-avaliação 1 . 5. G. L.Quais as contribuições do memorial para a mudança de suas práticas e posturas? 2 . A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed. I. L. PIMENTA. S. . G. 2002. LIMA. PIMENTA.5. L. 2004. 5. São Paulo: Cortez.4 Bibliografia ALARCÃO.Como visualiza poder utilizar o memorial enquanto instrumento pedagógico na sua sala de aula. S. Procura-se que você reconstrua a sua trajetória pessoal a partir da reflexão promovida durante o módulo. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. LIMA. 2001 Cortez. M. M. São Paulo: Cortez. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha.

UNIDADE II ESTÁGIO: ESPAÇO DE CONCRETIZAÇÃO Objetivo • Compreender a dinâmica de funcionamento do estágio. 36 .

o estágio irá contemplar o desenvolvimento de atividades que lhe possibilitarão os elementos básicos para a contextualização da realidade. 37 .TEMA 1 CONTEXTUALIZANDO O ESTÁGIO Objetivos • Caracterizar a instituição escolar nas diversas dinâmicas da sua atuação. • Analisar criticamente a sua prática. Olá. e que lhe darão subsídios para a intervenção que realizará subseqüentemente. • Elaborar instrumentos de registro de observação. Na tabela abaixo poderão encontrar as atividades que serão desenvolvidas durante este primeiro momento do estágio. • Identificar as concepções pedagógicas que permeiam a prática da escola e do professor. seja bem-vindo ao estágio! Neste primeiro momento. • Confrontar as práticas e os discursos dos intervenientes no processo educativo. • Organizar e implementar situações de aprendizagem de acordo com proposta pedagógica inovadoras. • Caracterizar a comunidade envolvente da escola e a articulação da escola com ela. • Analisar criticamente as práticas da escola.

Contextualização I Redirecionando olhares II .O que observar? . tais como: .Interiorizando nosso olhar Guia de observação da escola Observação da escola na sua dinâmica de organização e recursos Observação da escola enquanto concepção pedagógica Selecionando uma unidade de ensino e estabelecendo conexões interdisciplinares Refletindo sobre quem sou. 1. Será aberto um fórum de discussão onde se discutirão aspectos fundamentais para a elaboração de um guia de observação da escola.1 Atividade I Guia de Observação da Escola.Olhando o que faço IV .Olhando com olhos de ver III .Olhando o outro IV .Qual o posicionamento que o observador deve assumir? . Esta atividade decorrerá da primeira semana e prevê a elaboração colaborativa de um guia de observação da escola.Onde coletar os dados? 38 .Qual o foco dessa observação? .

1.2 Atividade II Observação da Escola na sua Dinâmica de Organização e Recursos.
Nesta atividade, que decorrerá a partir da segunda semana, propomos que individualmente observe a organização da escola enquanto espaço de relações e os recursos que ela dispõe envolvendo domínios tais como, recursos financeiros, patrimoniais, como também o quadro de profissionais professores e funcionários. Por outro lado, será interessante refletir sobre como a dinâmica de organização e os recursos que interferem na atuação da escola e sugerir alterações que possibilitem a escola otimizar os seus processos de organização e de aproveitamento dos recursos. Essa observação terá por subsídios a discussão mantida na Atividade I

1.3 Atividade III Observação da Escola enquanto Concepção Pedagógica.
Esta atividade envolve a análise individual da proposta pedagógica da escola e decorrerá desde a segunda semana. A partir dos subsídios da atividade I e da análise de documentos norteadores da atividade pedagógica da escola, bem como da interação com os responsáveis pela definição da atuação da escola no ponto de vista da prática pedagógica, em geral, e nas diferentes áreas de conhecimento, propomos que trace um panorama da realidade da escola do ponto de vista pedagógico, considerando os referenciais gerais e específicos em relação à sua área de conhecimento. Propomos que, desde já, inicie um processo de reflexão visando melhorar a qualidade da proposta pedagógica

39

da escola e visualizar um papel para si nesse processo de mudança da realidade da escola.

1.4 Atividade IV Selecionando uma Unidade de Ensino e Estabelecendo Conexões Interdisciplinares.
O estágio envolve a transposição para a prática da reflexão e aprendizado realizado durante o curso. Nesta atividade propomos que, a partir da segunda semana inicie o processo de reflexão conducente ao planejamento de uma unidade de ensino. É fundamental definir qual a unidade de ensino e estabelecer com ela ligações interdisciplinares.

1.5 Atividade V Refletindo sobre Quem Sou.
Nesta atividade se inicia o processo de reflexão que favoreça a elaboração do memorial. Propomos que a partir da primeira semana se questione sobre quem é. Enquanto ser humano, cidadão, profissional, formador de opinião. De que modo cada uma dessas dimensões se relaciona e contribui para a sua atuação docente. As atividades de II a V deverão ser disponibilizadas na sala virtual até ao final deste momento do estágio, sendo que poderão ser alteradas ao longo do tempo, de modo a que possam melhorar permanentemente o seu portfolio, revelando a evolução do seu desempenho, crescimento pessoal e profissional, finalidade última do estágio. Durante este primeiro momento do estágio estarão disponíveis fóruns de discussão, onde se propõe que discuta:

40

• Semana I – O posicionamento do estagiário face à escola. • Semana II - Em que o estágio pode auxiliar o professor na sua condição de “eterno aprendiz” e de “bom professor”. • Semana III – A reflexão sobre a escola enquanto momento condicionado por envolventes humanos, políticos, econômicos, sociais e culturais. • Semana IV - A escola enquanto espaço coletivo na promoção da qualidade na educação. O bate-papo será um momento de interação síncrona, em que os alunos terão a oportunidade de esclarecer dúvidas e de debater a importância do estágio para quem já exerce o magistério.

1.6 Resumo
O estágio é um elemento fundamental de reflexão sobre a escola nas suas diferentes variáveis e sobre o profissional educador. Nesse processo, é fundamental refletir, colaborativamente e individualmente, o papel da escola enquanto articuladora de diversos olhares sobre a sociedade, a educação e a pessoa.

1.7 Auto-avaliação
1 - Em sua memória procure quem foi um “bom professor”. 2 - Tendo como referencial as características desse “bom professor”, procure preencher uma tabela em que refira: “O que já tenho” e “O que me falta”.

41

G. 2001 Cortez. M. Estágio e 42 . S.) A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente..8 Bibliografia LIMA. L. G. S. S. Docência. L. LIMA. M. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. 2002.. PIMENTA. L. 2002. 2004.1. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed. S. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. (Org. PIMENTA.

Olá. no sentido de visualizar práticas inovadoras que possam incrementar a qualidade da educação. 43 . de acordo com propostas pedagógicas inovadoras. • Analisar criticamente as práticas da escola e propor alterações inovadoras. seja bem vindo ao segundo momento do estágio! Este segundo momento do estágio irá contemplar o desenvolvimento de atividades que lhe possibilitarão os elementos básicos para a análise e intervenção na realidade. • Organizar e implementar situações de aprendizagem. • Confrontar as práticas e os discursos dos intervenientes no processo educativo. • Identificar as concepções pedagógicas que permeiam a prática da escola e do professor.TEMA 2 REFLETINDO A INTERVENÇÃO NA SALA DE AULA Objetivos • Caracterizar a instituição escolar nas diversas dinâmicas da sua atuação. • Caracterizar a sala de aula nas diversas dinâmicas que nela se visualizam. • Elaborar instrumentos de registro de observação.

IV .Olhando o outro Observação da sala de aula enquanto concepção pedagógica.1 Atividade I Guia de Observação da Sala de Aula Esta atividade decorrerá na primeira semana e prevê a elaboração colaborativa de um guia de observação da sala de aula.Na tabela abaixo poderão encontrar as atividades que deverão desenvolver durante este primeiro momento do seu estágio. tais como: .O que observar? . olhar I . II . será aberto um fórum de discussão no qual discutirão aspectos fundamentais para a elaboração de um guia de observação da sala de aula.Qual o foco dessa observação? .Onde coletar dados? 44 . social e cultural.Olhando o que faço Planejando uma unidade de ensino.Olhando com olhos de Observação da escola ver enquanto espaço de político. Observação de sala de aula.Redirecionando olhares 2. V .Interiorizando nosso Onde vivencio.Qual o posicionamento que o observador deve assumir? . III . Para tal.

3 Atividade III Observação da Sala de Aula enquanto Concepção Pedagógica Nesta atividade. Não será necessário identificar a pessoa do professor a cuja aula o aluno assistiu.2. Social e Cultural. tendo como objetivo analisar a sala de aula enquanto espaço de ensino e aprendizagem. Nesta atividade propomos que. Essa observação terá por subsídios a discussão mantida na atividade I. Esta atividade propõe que. 2. que decorrerá a partir da segunda semana. a partir da segunda semana. a partir da segunda semana inicie o planejamento de uma unidade de ensino. propomos que individualmente observe a aula de um colega. 2. 45 . mas também todas as envolventes a esse processo.4 Atividade IV Planejando uma Unidade de Ensino O estágio envolve a transposição para a prática da reflexão e aprendizado realizado durante o curso.2 Atividade II Observação da Escola enquanto Espaço de Político. bem como identifiquem as escolas enquanto espaço social e cultural e a importância que práticas inovadoras poderão ter para o incremento da qualidade da educação. individualmente observe de que modo a escola se relaciona com as entidades regulamentadoras e com a comunidade.

Durante este primeiro momento do estágio estarão disponíveis fóruns de discussão.5 Atividade V Onde vivencio Nesta atividade. O bate-papo será um momento de interação síncrona em que os alunos terão a oportunidade de esclarecer dúvidas e de debater o papel da escola do professor no novo milênio. onde se propõe que discutam: • Semana I – O posicionamento do estagiário face à sala de aula. • Semana III – O ato de ensinar e aprender enquanto momento condicionado por envolventes humanos. de modo a que possam melhorar permanentemente esse seu portfolio. nas múltiplas variáveis que a envolvem e na qual você. tem poder de influência. • Semana IV – O papel individual do professor na transformação das práticas da escola. • Semana II – A sala de aula enquanto espaço social e cultural. sociais e culturais. econômicos. revelando a evolução de seu crescimento pessoal e profissional. 46 . o processo de reflexão conducente se focaliza na reflexão sobre a realidade da escola onde trabalha. certamente. sendo que.2. ou em que está estagiando. políticos. As atividades de II a V deverão ser disponibilizadas na sala virtual até ao final deste momento do estágio. poderão ser alteradas ao longo do tempo. finalidade última do estágio.

LIMA. L. L. S. G. Estágio e Docência.8 Bibliografia LIMA.) A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. (Org. M. como ensinar e aprender na sala de aula e visualizar esse momento dentro de uma dinâmica mais ampla. 2.. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed. S. L. PIMENTA. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. 47 . S. São Paulo: Cortez. 2 – Tendo como referencial as características desse “bom professor”. M.7 Auto-avaliação 1 . “O que o seu colega já tem” e “O que lhe falta”. Nesse processo é fundamental refletir. 2004. PIMENTA. São Paulo: Cortez.6 Resumo O estágio é um elemento fundamental de reflexão sobre o ato de ensinar e aprender. de modo a entender melhor a sua atuação na sala de aula. 2. 2002. S. colaborativamente e individualmente.Apresente três questões que gostaria de ter colocado ao professor da aula que observou. 2002. procure preencher uma tabela em que refira. que envolve a comunidade escolar como um todo.2. 2001 Cortez.

• Identificar as concepções pedagógicas que permeiam a prática da escola e do professor. • Elaborar materiais didáticos enquadrados a propostas educacionais inovadoras. • Elaborar instrumentos de registro de observação. a oportunidade de analisar a escola enquanto espaço físico e local. onde múltiplas 48 . educacional e cultural. Olá. irá contemplar o desenvolvimento de atividades que lhe possibilitarão os elementos básicos para analisar como o professor se visualiza no seu papel político. Terá também. social. • Caracterizar a escola enquanto espaço físico e enquanto espaço de dinâmicas temporais múltiplas.TEMA 3 REFLETINDO A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR NA ECOLA E NA SALA DE AULA Objetivos • Caracterizar a função do professor e a sua atuação docente dentro e fora da sala de aula. seja bem vindo ao terceiro momento do estágio! Este terceiro momento do estágio. de acordo com propostas pedagógicas inovadoras. • Confrontar as práticas e os discursos dos intervenientes no processo educativo. • Organizar e implementar situações de aprendizagem.

Olhando o outro Entrevista sobre o papel do professor. IV .1 Atividade I Guia de Entrevista com o Professor Esta atividade decorrerá na primeira semana e prevê a elaboração colaborativa de um guia de entrevista com um professor. I . Enquanto momento de interação entre a teoria e a prática. social. Na tabela abaixo poderão encontrar as atividades que deverão desenvolver durante este primeiro momento do seu estágio. IV . tais como: . II . educacional e cultural. procurando averiguar como ele encara a sua profissão do ponto de vista político.relações temporais se encontram.Interiorizando nosso O que vejo.Qual o papel face aos pais? 49 . Na elaboração do guia deverão ser considerados pormenores.Qual o papel na comunidade? . olhar 3. neste momento do estágio terá a oportunidade de construir os materiais didáticos visando a sua utilização na sala de aula.Qual o papel na escola? . III .Olhando o que faço Elaborando materiais didáticos.Qual o papel na sala de aula? .Redirecionado olhares Guia de entrevista com professor.Olhando com olhos de Observação da escola enquanto espaço físico e ver temporal.

propomos que individualmente aplique o questionário elaborado na atividade I a um professor da escola onde trabalha. Nesta atividade propomos que a partir da segunda semana inicie a elaboração do material didático a ser utilizado na sala de aula. 3.Qual o papel face à ética? 3. ou na qual está realizando o estágio.Qual o papel face aos colegas? .3 Atividade III Entrevista Sobre o Papel do Professor Nesta atividade.4 Atividade IV Elaborando Materiais Didáticos O estágio envolve a transposição para a prática da reflexão e aprendizado realizado durante o curso.2 Atividade II Observação da Escola Enquanto Espaço Físico e Temporal Esta atividade propõe que. individualmente. a partir da segunda semana.. 3. Não será necessário identificar a pessoa do professor a cuja aula o aluno assistiu. observe a escola enquanto espaço físico e espaço de diferentes vivências temporais e de que modo esses espaços podem influenciar a atuação da escola. 50 . que decorrerá a partir da segunda semana.

51 . se focaliza na reflexão sobre o seu posicionamento pessoal enquanto educador e cidadão. onde se propõe que discutam: • Semana I – A função social do professor.5 Atividade V O Que Vejo Nesta atividade o processo de reflexão visando à elaboração do memorial. ou em que está estagiando.3. • Semana IV – A sala de aula enquanto espaço de pesquisa. As atividades de II a V deverão ser disponibilizadas na sala virtual até ao final deste momento do estágio. face à educação de um modo geral e à vivência na escola onde trabalha. Durante este primeiro momento do estágio estarão disponíveis fóruns de discussão. revelando a evolução de seu crescimento pessoal e profissional. sendo que poderão ser alteradas ao longo do tempo de modo a que possam melhorar permanentemente esse seu portfolio. O bate-papo será um momento de interação síncrona em que os alunos terão a oportunidade de esclarecer dúvidas e de debater a importância do laboratório na escola e na sala de aula. • Semana III – Os materiais didáticos enquanto elementos não neutrais no processo de ensinar e aprender. • Semana II – Os diferentes espaços temporais que se cruzam da escola. finalidade última do estágio.

PIMENTA. permanentemente. S. face aos diferentes intervenientes no processo de ensino-aprendizagem. M. M..7 Auto-avaliação 1 – Comente a frase: “O material didático não é neutro”. 2002. G. São Paulo: Cortez. S. L.8 Bibliografia LIMA. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed. L. incluindo a estrutura física e a temporalidade da educação. não deve estar ausente a seleção e a elaboração consciente de materiais didáticos que oportunizem uma prática mais significativa para os alunos. 2004. 52 . S. 3. 2 – Apresente argumentos para defender a importância do professor enquanto elemento promotor da educação para a cidadania. 2002. Nesse sentido deve procurar.3. São Paulo: Cortez. LIMA. (Org.) A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. 3. Nesse processo de reflexão do professor. G. PIMENTA. L. Estágio e Docência. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. analisar a escola sob diversas variáveis.6 Resumo O professor deve ter uma clara consciência da função social que a sua profissão apresenta. 2001 Cortez. S.

Por outro lado. • Confrontar as práticas e os discursos dos intervenientes no processo educativo. nesta fase do estágio terá a oportunidade de refletir sobre a aplicação na prática do plano da unidade de ensino. • Identificar as concepções pedagógicas que permeiam a prática da escola e do professor. seja bem vindo ao quarto momento do estágio! Este quarto momento do estágio irá contemplar o desenvolvimento de atividades que lhe possibilitarão os elementos básicos para confrontar as práticas e os discursos dos intervenientes no processo educativo. • Caracterizar os instrumentos de suporte pedagógico ao dispor do professor. Enquanto momento de interação entre a teoria e a prática.TEMA 4 REFLETINDO A INTERVENÇÃO DO PROFESSOR NA ESCOLA E NA SALA DE AULA Objetivos • Caracterizar a função do professor e a sua atuação docente dentro e fora da sala de aula. permitirá se inteirar dos instrumentos de suporte pedagógico. bem como dos materiais didáticos e sobre a 53 . comumente disponíveis nas escolas. • Utilizar materiais didáticos enquadrados a propostas educacionais inovadoras. • Organizar e implementar situações de aprendizagem. de acordo com propostas pedagógicas inovadoras. Olá.

Observação dos instrumentos de suporte pedagógico. Análise comparativa entre a relação do professor com o feito e o dito. Esta atividade decorrerá na primeira semana e prevê a elaboração colaborativa de um guia de boas práticas para a intervenção do professor que possa nortear a sua intervenção e o confronto da entrevista do professor com a sua prática. O guia deverá contemplar aspectos tais como: .necessidade de realizar alterações a partir do referencial de boas práticas elaborado colaborativamente.Como definir objetivos? .Olhando com olhos de ver III . 4.Como definir estratégias? . IV .Como definir o tempo? .Como organizar as unidades de estudo? .Olhando o que Intervindo e refletindo sobre a faço prática.Que referenciais pedagógicos? 54 .Olhando o outro Guia de boas práticas para a intervenção do professor.1 Atividade I Guia de Boas Práticas para a Intervenção do Professor I – Redirecionado o olhar II . IV .Interiorizando O que faço e como vejo o que nosso olhar faço. Na tabela abaixo poderão encontrar as atividades que deverão desenvolver durante este primeiro momento do seu estágio.

55 . a análise comparativa entre o que o professor fez na aula que foi observada e o que disse na entrevista realizada. 4.. individualmente analise os instrumentos de suporte pedagógico existentes na escola e faça uma comparação com as necessidades para atender as demandas dos referenciais de boas práticas elaborado na Atividade I. uma reflexão sobre a concretização do planejamento efetuado envolvendo a sugestão de proposta de aperfeiçoamento ou de reestruturação. a partir da segunda semana.Como selecionar e elaborar materiais? .4 Atividade IV Intervindo e Refletindo sobre a Prática O estágio enquanto espaço de relação entre a teoria e a prática propõe.3 Atividade III Análise Comparativa entre a Relação do Professor com o feito e o dito O estágio envolve.Como avaliar? 4. neste momento. Desejase que. a partir da segunda semana. se analise a coerência entre o discurso e a prática. 4.2 Atividade II Observação dos Instrumentos de suporte pedagógico Esta atividade propõe que a partir da segunda semana.

4. O bate-papo será um momento de interação síncrona em que os alunos terão a oportunidade de esclarecer dúvidas e de debater as diferentes fases por que passa o docente ao longo da sua atuação docente 56 . finalidade última do estágio. As atividades de II a V deverão ser disponibilizadas na sala virtual até ao final deste momento do estágio sendo que. de modo a que possam melhorar permanentemente o portfolio. • Semana II – A comunidade enquanto “instrumentos de suporte pedagógico”.5 Atividade V O que Faço e como Vejo o que Faço Esta atividade alarga o espaço de reflexão proposto na Atividade IV e propõe o questionar da realidade da atuação do professor na escola e na sala de aula. Durante este primeiro momento do estágio estarão disponíveis fóruns de discussão. revelando a evolução do seu crescimento pessoal e profissional. face aos pressupostos de boas práticas elaborados na atividade I. • Semana III – A relação teoria e prática na sala de aula. poderão ser alteradas ao longo do tempo. • Semana IV – O professor enquanto pesquisado e pesquisador. onde se propõe que discutam: • Semana I – A atuação do professor em sala de aula face à diversidade.

São Paulo: Cortez. L. G.) A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente. S. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed. 4. PIMENTA.7 Auto-avaliação 1 – Apresente argumentos que sustentem a frase: “O processo de ação-reflexão-ação é fundamental para a atuação do professor”. 2001 Cortez. L. L.8 Bibliografia LIMA.. 2004. M. 57 . S.4. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha.. 2002. São Paulo: Cortez.6 Resumo A atuação do professor deve ter por referencial um conjunto de boas práticas que o oriente na sua atuação e que o oriente no momento de reflexão sobre o que ele faz e o que ele pensa ser o correto e refletir sobre as influências a que possa estar sujeito. 2 – Apresente soluções para quebrar a rotina na atuação da escola e do professor. 2002. Estágio e Docência. LIMA. S. PIMENTA. S. M. 4. G. (Org.

Nesse dia. Nesse período. a sala encerrará não sendo mais possível o acesso. desejamos que ele tenha contribuído para o seu crescimento pessoal e profissional. no momento presencial. com os seus colegas e com a FGF o resultado de seu trabalho. no momento presencial. visando terminar o seu portfolio. terá à disposição um fórum para o esclarecimento sobre a oficina de apresentação dos resultados do estágio à escola e sobre a apresentação do memorial. 58 . lançamos o desafio que sintetize as propostas de alteração à sua atuação e à atuação da sua escola. Agora que terminou o seu estágio. teremos um fórum aberto para discutir a importância do estágio para mudar a sua prática.1 Introdução Olá! Chegou o momento de partilhar com a escola onde você estagiou. Não esqueçam de disponibilizar o portfolio pronto. Neste último momento do estágio e. considerando a necessidade de ela atender melhor às expectativas e às necessidades que visualizamos para ela. Você terá quatro semanas para refletir sobre a importância do memorial e do plano de ação para a mudança da prática da escola e do professor. Por outro lado. bem como para planejar e apresentar o trabalho realizado para a sua escola e preparar o momento de apresentação do memorial para os seus colegas. bem como todas as atividades solicitadas até ao último dia anunciado na sala virtual.TEMA 5 PARTILHA COLABORATIVA 5.

S. 59 . 2002. S. 2001 Cortez.4 Bibliografia LIMA. das conclusões do trabalho desenvolvido durante o estágio? 2 – Como organizar o momento presencial para que a apresentação do seu memorial seja interessante e possa enriquecer o conhecimento de seus colegas? 5. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. M. L. enquanto momento de retorno à escola. L. PIMENTA. Desse modo a escola receberá um feedback de seu estágio e você poderá se constituir como um fator de mudança da realidade educacional. S.) A Hora da Prática: Reflexões sobre o estágio supervisionado e ação docente.. mas a importância do estágio fica reforçada com a partilha de suas conclusões com a escola. LIMA. 2002. 5.Saudações a todos vocês! 5. M. S. G. L.2 Resumo O estágio é um espaço privilegiado para uma reflexão individual e colaborativa entre você e seus colegas. PIMENTA.3 Auto-avaliação 1 – Como organizar o momento de partilha colaborativa para que ele se torne significativo. (Org. 2004. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 5ª ed. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez. G.

Olhando com olhos de ver III . oficina de apresentação do trabalho realizado na escola e no encontro presencial O que proponho mudar 60 .Interiorizando nosso olhar Partilha colaborativa V Memorial e Momento de plano de ação presencial apresentação do Planejando a memorial.Olhando o que faço V .Olhando o outro IV .I .Redirecionado olhares II .

61 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful