Você está na página 1de 14

ÓRGÃOS E CÉLULAS DO SISTEMA IMUNOLÓGICO

 Órgãos linfoides primários:

- Constituem microambientes apropriados para o desenvolvimento e maturação dos


linfócitos.

- TIMO e MEDULA ÓSSEA.

 Órgãos linfoides secundários:

- Confinam os antigénios e são os locais onde os linfócitos já maduros interagem


efectivamente com os antigénios.

- NÓDULOS LINFÁTICOS, BAÇO, TECIDOS LINFOIDES ASSOCIADOS A MUCOSAS.

HEMATOPOIESE

 Célula estaminal hematopoiética:

- Eritrócitos

- Granulócitos/Monócitos/Mastócitos/Linfócitos

- Megacariócitos (percursores das plaquetas)

SISTEMA LINFÁTICO

- Linfa

- Vasos linfáticos

- Estruturas e órgãos que contêm tecido linfático

- Medula óssea vermelha

 Funções:

- Transporte do fluido intersticial


- Transporte dos lípidos da dieta
- Resposta imunitária: tecido linfático inicia resposta específica; Linfócitos T (destruição de
células) e Linfócitos B (produção de anticorpos).
 Órgãos Linfáticos:

Primários:

- Medula óssea vermelha

- Timo (glândula)

Secundários:

- Nódulos linfáticos

- Baço

 Medula Óssea:

- Local de origem e maturação dos Linfócitos B, no Homem e no ratinho.

- Diversas células na medula interagem com os Linfócitos B e secretam várias citocinas


necessárias para o desenvolvimento.

- Selecção dos Linfócitos B.

 Timo:

- Glândula.

- Atrofia com a idade.

- Local de maturação dos Linfócitos T:

 Auxiliada pela presença de outras células (epiteliais, dendríticas, macrófagos).


 Selecção de Linfócitos (mais de 95% morrem por apoptose antes de atingirem
a maturidade).

- Síndrome de DiGeorge: defeito congénito de não desenvolvimento do Timo – associado a um


enorme aumento de infecções.

 Nódulos Linfáticos:

- Estruturas ovais, encapsuladas.

- Situam-se ao longo dos vasos linfáticos, agrupados (axilas, pescoço, ânus, próximo de todas
as vísceras).

- Locais de luta contra infecções (filtração da linfa).

- Fluxo da linfa do nódulo faz com que os antigénios transportados encontrem uma série de
células do sistema imunológico, podendo ser neutralizados.
 Baço:

- Formação de glóbulos brancos.

- Células B e T: funções imunitárias; macrófagos fagocitam.

- Remoção (macrófagos) de eritrócitos e plaquetas envelhecidas; Fe é reciclado para o fígado.

- Armazenamento de plaquetas.

- Produção de células sanguíneas (vida fetal).

- Funções parcialmente substituídas pelo fígado e medula óssea vermelha.

- Essencialmente envolvido no confinamento de antigénios circulantes (sangue) – infecções


sistémicas.

HOMEOSTASIA HEMATOPOIÉTICA

 Controlo dos níveis e tipos de citocinas produzidas na medula óssea.


 Produção de citocinas com actividade hematopoiética por outros tipos celulares, como os
Linfócitos T activados e os macrófagos.
 Regulação da expressão dos receptores para as citocinas hematopoiéticas nas células
estaminais e progenitoras.
 Remoção de algumas células por apoptose – morte celular programada.

Ex: Leucemias podem resultar da proliferação desregulada de citocinas hematopoiéticas


ou dos seus receptores.
LEUCÓCITOS OS GLÓBULOS BRANCOS

 Polimorfonucleares:

- Granulócitos:
- Núcleo lobado de forma variável
- Grânulos citoplasmáticos (neutrófilos, eosinófilos, basófilos)

 Mononucleares:

- Linfócitos e monócitos
- Também podem possuir grânulos
- Apenas os Linfócitos apresentam as 4 características da resposta adaptativa:
 Diversidade
 Especificidade
 Memória
 Reconhecimento do self e nonself

LINFÓCTIOS

 Especificidade da resposta imunológica


 2 Grandes famílias – Linfócitos B e Linfócitos T

 Linfócitos B (resposta humoral):

- Possuem à superfície receptores com a estrutura de uma imunoglobulina (Ig) capaz de se


ligar a um antigénio (Ag).
- Activação dos Linfócitos B e diferenciação em plasmócitos.
- Células produtoras de Anticorpos (Ac ou Ab) – formas solúveis.
- Ligam-se aos Ag sinalizando-os para destruição (IMUNIDADE HUMORAL).

 Linfócitos T (resposta celular):

- Possuem na membrana um receptor – Receptor da Célula T (TCR – T cell receptor)


- O TCR apenas reconhece antigénios que foram processados e que são apresentados por
outras células – associados a moléculas do complexo maior de histocompatibilidade (MHC)

 Linfócitos T auxiliares (T helper ou T h):


- Destruição das células infectadas por vírus ou neoplásicas.
- Exprimem a molécula CD8.

 Linfócitos T reguladores/supressores (Treg ou T s):


- Capazes de suprimir respostas imunológicas específicas.
- Podem ser CD8+ ou CD4+.
 Linfócitos Natural Killer (Linfócitos NK)

- Reconhecem e destroem células aberrantes.


- Produzem rapidamente factores solúveis (citocinas e quimiocinas) com efeitos
microbicidas ou de activação de outras células.
- Não possuem receptores de células B ou T, mas têm outros receptores, de
natureza inibitória ou de activação.
- 5-10% Linfócitos circulantes.
- Atacam células tumorais ou infectadas por vírus ou bactérias.

 Linfócitos NKT

- Possuem receptores de células T e NK.

ANTIGÉNIOS

 2 Características:

- Imunogenicidade – capacidade de provocar uma resposta inflamatória por


estimulação da produção de anticorpos, proliferação de Linfócitos T específicos ou
ambos.

- Reactividade – capacidade de reagir especificamente com os anticorpos ou células


que provocou.

 Alguns antigénios comuns:

- Microrganismos ou partes.

- Componentes das bactérias, como flagelos, cápsula, parede, toxinas.

- Componentes do pólen.

- Clara de ovo.

- Células sanguíneas incompatíveis.

- Órgãos ou tecidos transplantados.


ANTIGÉNIOS E DETERMINANTES ANTIGÉNICOS (epítopos)

 Tipicamente, apenas algumas partes de uma grande molécula activam uma resposta
imunológica – epítopes ou determinantes antigénicos.

 Muitos antigénios possuem diversos epítopes, cada um deles induz a proliferação de um


determinado Ac ou a proliferação de um determinado Linfócito T.

ANTIGÉNIOS

 Normalmente são grandes moléculas; a maioria das vezes são proteínas, mas podem ser
também ácidos nucleicos, glicoproteínas, lipoproteínas e também alguns grandes
polissacarídeos.

NOTA: grandes moléculas compostas por repetição de unidades básicas mais simples, como a
celulose e a maioria dos plásticos, não são antigénicas. É por isso que o plástico pode ser usado
como material de próteses (válvulas, articulações, etc.).

 Maioria dos antigénios que escapa às defesas inatas segue uma das 3 seguintes vias para
os tecidos linfáticos:

- Antigénios que entram na corrente sanguínea (ex: por um vaso danificado) são sequestrados
à medida que passam através do baço.

- Antigénios que penetram através da pele entram nos vasos linfáticos e alojam-se nos nódulos
linfáticos.

- Antigénios que penetram as membranas mucosas são sequestrados pelos tecidos linfáticos
associados às mucosas (MALT).

ANTIGÉNIOS E HAPTENOS

 Moléculas pequenas que apresentem Reactividade mas não imunogenicidade denominam-


se haptenos – podem estimular uma resposta imunológica apenas quando se ligam a uma
molécula maior.

EX: algumas drogas, como a penicilina, combinam-se com proteínas do nosso organismo,
formando complexos imunogénicos; estas respostas induzidas por haptenos são responsáveis
por algumas reacções alérgicas a medicamentos e outras substâncias ambientais.

ANTIGÉNIOS E DIVERSIDADE DE RECEPTORES

 O sistema imunológico humano é capaz de reconhecer e ligar pelo menos um bilião de


epítopes diferentes – já existem no organismo Linfócitos B e T capazes de responder, isto
é, com receptores para estas moléculas/partes de moléculas.
 A diversidade dos receptores nos Linfócitos B e T resulta de diferentes combinações entre
um determinado conjunto de genes – recombinação genética.
COMPLEXO MAIOR DE HISTOCOMPATIBILIDADE (MHC)

 Distinção do próprio e não próprio.

 Milhares a dezenas de milhares de moléculas MHC revestem a superfície das células do


organismo (excepto eritrócitos), permitindo aos Linfócitos T reconhecer se um antigénio é
ou não estranho.

 Moléculas MHC:

- Classe I – à superfície de todas as células nucleadas.


- Classe II – à superfície de Linfócitos B, monócitos/macrófagos e células dendríticas –
células apresentadoras de antigénios – APC.
- Classe III (muito diferentes de indivíduo para o indivíduo) – outras proteínas/factores.

 São proteínas integrais da membrana que ligam e apresentam a Linfócitos T C8 +


ou C4+ pequenos péptidos resultantes da digestão intracelular de proteínas;
 Se esses péptidos resultam de proteínas estranhas é activado o sistema
imunológico.

 Processamento e Apresentação de Antigénios

- Para que ocorra uma resposta imunológica é necessário que os Linfócitos B e T


reconheçam a existência de um antigénio estranho.

- Linfócitos B reconhecem e ligam antigénios na linfa, fluido intersticial ou sangue.

- Linfócitos T reconhecem fragmentos antigénicos de proteínas que são processados e


apresentados (proteínas são degradadas a péptidos que se associam a moléculas MHC;
este complexo insere-se na membrana).

- SE ANTIGÉNIO ESTRANHO FORA DAS CÉLULAS:

 Processado e apresentado pelas APC.


 APC localizadas estrategicamente onde antigénios podem penetrar as defesas
inatas (pele, membranas, etc.).
 Após apresentação do antigénio (MHC classe II), as APC migram dos tecidos para
os nódulos linfáticos.
 Linfócitos T h reconhecem e ligam o complexo fragmento de antigénio-MHC II e
despoletam resposta imunológica adaptativa.
- SE ANTIGÉNIO ESTRANHO DENTRO DAS CÉLULAS:

 Processado e apresentado pelas células infectadas.


 Apresentação do antigénio associado a MHC I sinaliza que a célula está infectada.
 Linfócitos T citotóxicos reconhecem e ligam o complexo fragmento de antigénio MHC I
e eliminam a célula afectada.

 Proteínas MHC Classe I

- Podem não ligar péptidos, mas interactuam com ligados diferentes do TCR.
- Complexadas com péptidos podem interactuar com receptores NK (Linf. T e NK).
- Podem ligar lípidos que apresentam aos Linfócitos T.
- Estão presentes em quase todas as células nucleadas.
- Grande quantidade nas células da linhagem hematopoiética.
- Pouca quantidade em células do SNC, hepatócitos, células pancreáticas exócrinas, etc.
- Expressão co-dominante: expressam-se os herdados do pai e da mãe.

 Proteínas MHC Classe II

- Estão presentes nos Linfócitos B e nos monócitos/macrófagos, células dendríticas.

 Proteínas MHC Classes I e II

- Na mesma região cromossómica existem genes que codificam para outras proteínas
envolvidas directamente no sistema imunológico ou em situações de
stresse.
Ex: HSP (heat shock proteins); TNF; proteínas complemento.
- Genes MHC existem apenas em vertebrados.

 Funções imunológicas das proteínas MHC Classes I e II

- Apresentar péptidos à superfície de determinadas células que vão ser


detetados pelos linfócitos T através do seu recetor – TCR: apresentação de
antigénio.
- Degradação intracelular de proteínas: processamento do antigénio.
- . Algumas moléculas MHC I podem existir na forma solúvel (soro, urina, saliva,
suor, LCR), desempenhando um papel imunorregulador Ex: indução de apoptose
em linfócitos T CD8 + activados.
 Associação MHC a doenças

- Muitas das associações encontradas parecem ter a ver apenas com a


proximidade dos genes.
- Na grande maioria, há um estado de inflamação crónica e de autoimunidade,
caracterizada por destruição de tecido próprio.
- Poucas associações com doenças infecciosas.
- Nos humanos, o MHC também é chamado HLA.
- Compatibilidade de transplantes depende da compatibilidade HLA e é rara.

IMUNOGLOBULINAS OU ANTICORPOS

 São glicoproteínas produzidas pelos Linfócitos B (plasmócitos).


 Anticorpos são específicos para cada antigénio.

 Estrutura dos anticorpos:


- 2 cadeias leves + 2 cadeias pesadas
- Região constante e região variável

 Funções dos anticorpos ou imunoglobulinas (Ac ou Ig):


- Neutralização do antigénio
- Imobilização de bactérias
- Aglutinação e precipitação do antigénio
- Activação do complemento
- Estimulação da fagocitose

 Base genética para a diversidade dos anticorpos:


a) combinações das cadeias pesadas e leves
b) múltiplos genes codificantes dos anticorpos na linhagem germinativa
c) recombinação somática durante a maturação dos linfócitos B:
- Das regiões V, J para cada cadeia leve;
- Das regiões V, D, J para cada cadeia pesada, eliminação das outras sequências de DNA
d) diversidade juncional:
- Podem ocorrer variações na forma como as regiões V, D e J são montadas.
e) hipermutação somática:
-Há um aumento da taxa de mutação destes genes após a estimulação dos linfócitos B.
 Classe/Localização/Função de anticorpos:
- IgG - Livre no plasma (80% Ac circulantes) - Mais abundante nas respostas primária e
secundária; atravessa a placenta; 7-21dias.
- IgM - Superfície de Linfócitos B e livre no plasma - Recetor para antigénios na membrana
1º classe de Ac a ser sintetizada; 10 dias.
- IgD - Superfície de Linfócitos B - recetor em Linfócitos B maduros; importante na
activação de Linfócitos B.
- IgA - Plasma, saliva, lágrimas, leite - Proteção de mucosas; 6 dias.
- IgE - Pele, trato respiratório e gastrointestinal - Mastócitos e basófilos; leva à libertação
de histamina (alergias e inflamação); 2 dias.

 Base genética para a diversidade dos recetores das células T


- Processo semelhante ao que ocorre com as Ig
- Rearranjos das regiões variáveis (V), de diversidade (D), juncionais (J) e constantes (C)
durante a maturação dos linfócitos T, por mecanismos de recombinação.

MONÓCITOS/MACRÓFAGOS E CÉLULAS DENDRÍTICAS

 Monócitos:

- Em circulação;
- ↑ capacidade fagocítica;
- ↑ Nº lisossomas

 Macrófagos (Nos tecidos):

- Movimentos ameboides usando os pseudópodes;


- Apresentação de antigénios aos linfócitos;
- Acção antimicrobiana e citotóxica;
- Mecanismos dependentes e independentes do Oxigénio;
- Processamento e apresentação de antigénios;
- Secretam factores solúveis com funções reguladoras: Interleucinas, Proteínas do
complemento, enzimas, interferão alfa, tumor necrosis factor (TNF- α) e citocinas.

 Alguns tipos de células dendríticas :

- Forma estrelada ou dendrítica;


- Em resposta a estímulos, transforma-se de uma forma imatura, fagocítica, móvel, numa
forma madura, não fagocítica, nos órgãos linfoides, processa e apresenta antigénios a
Linfócitos T e expressa moléculas co-estimuladoras;
- Secretam citocinas;
- Identificam situações de invasão por microrganismos;
- Dentro das células, Células dendríticas são importantes apresentadores de antigénios.
GRANULÓCITOS

 Neutrófilos:

- Células fagocíticas;
- Tempo de vida curto – 24-48h;
- 1ªs a ser recrutadas para o local de inflamação;
- Usam ROS e RNS para destruir os microrganismos, assim como substâncias existentes
nos grânulos;
- Podem destruir microrganismos intra ou extracelulares, dependendo do conteúdo
dos grânulos.

 Eosinófilos:

- Fraca capacidade fagocítica;


- Libertam o conteúdo dos grânulos para o exterior;
- Particularmente eficazes em parasitas.

 Basófilos:

- Não fagocíticos; em circulação;


- Vida curta (1-2 dias);
- Envolvidos em reações alérgicas (libertam produtos farmacologicamente activos como
heparina e histamina).

 Mastócitos:

- Também envolvidos em reações alérgicas (também possuem grânulos com histamina e


outras substâncias farmacologicamente activas);
- Vida longa;
- Não existem no sangue periféricos (apenas em tecidos, interface com o meio exterior-
pele, mucosas).
CÉLULAS DO SISTEMA IMUNOLÓGICO E PRINCIPAIS FUNÇÕES

CARACTERÍSTICAS DA RESPOSTA IMUNOLÓGICA ADAPTATIVA

 Reconhecimento;
 Discriminação do próprio e não próprio;
 Especificidade contra milhões de antigénios;
 Memória - responde rápida e eficientemente a uma segunda exposição ao antigénio;
 Quando um antigénio específico e reconhecido como estranho, está presente no
organismo, normalmente existem diversas cópias desse antigénio nos tecidos e fluidos;
 Este antigénio será encontrado por um pequeno grupo de linfócitos que possuem os
receptores correspondentes – Linfócitos T helper, Linfócitos T citotóxicos e Linfócitos B, podendo
provocar resposta humoral e/ou celular;
 Quando estas células encontram o antigénio e são devidamente estimulados irão sofrer o
processo de seleção de clones: processo pelo qual um linfócito prolifera (multiplica-se) e
se diferencia (torna-se numa célula mais especializada), em resposta a um determinado
antigénio, formando-se uma população de células idênticas – clone – que o reconhecem
tal como o linfócito original;
 Antes da 1ª exposição a um antigénio específico, apenas algumas células são capazes de o
reconhecer, mas após a selecção de clones, há milhares de células capazes de o fazer;
 O processo de seleção de clones ocorre nos órgãos linfáticos secundários e tecidos
linfáticos (traduz-se, por ex., em amígdalas ou gânglios do pescoço inchados...);
 Neste processo produzem-se 2 tipos de células: efectoras e de memória.
SELECÇÃO DE CLONES

RESPOSTA CELULAR

 Linfócitos T produzem clones de si próprios


 A IL-2 é um co-estimulador da activação dos Linfócitos T