Você está na página 1de 19

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DO RIO DE JANEIRO

ENGENHARIA ELÉTRICA

DOUGLAS SILVA DOS SANTOS SOUZA


2

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SEM FIO

NILÓPOLIS

2020
3

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DO RIO DE JANEIRO

ENGENHARIA ELÉTRICA

DOUGLAS SILVA DOS SANTOS SOUZA


4

TRANSMISSÃO DE ENERGIA SEM FIO

Trabalho de Conclusão de Curso – TCC,

apresentado a Faculdade Estácio de Sá do estado do

rio de janeiro, como exigência parcial à obtenção do

título de Bacharel em Nome da engenharia elétrica

NILOPOLIS

2020
5

SUMÁRIO

1) Introdução............................................................................................7
2) Tema..................................................................................................10
3) Delimitação........................................................................................10
4) Justificativa.........................................................................................12
5) Objetivos............................................................................................14
A) objetivo geral..............................................................................14
B) objetivo especifico......................................................................14
6) Metodologia.......................................................................................15
7) Referencial Teórico............................................................................15
6

LISTAS

Figura 1 – Máquina eletrostática de Von Guericke. Fonte: ASSIS, ........7

Figura 1.2 – fluxo através das bobinas Fonte: Halliday . . . . . . . . . . . . . . . . 9

Figura 1.3 – sistema WREL, transmissão de energia sem fio. . . . . . . . . . . . . . . 10

1.
7

1) INTRODUÇÃO

Conceitos básicos sobre o magnetismo


Os primeiros fenômenos magnéticos ocorreram na região da Magnésia, onde foi
encontrado um material atualmente conhecido como magnetita em que o mineral atraia
pedaços de ferro, este minério foi de grande utilidade para a ciência. Dentre as contribuições à
mais importante deste mineral foi na construção da bussola, sem este objeto a expansão
marítima não teria ocorrido. O funcionamento era simples, um imã que se orientava na
direção norte-sul geográfica, o que permitiu o traçado das rotas marítimas (DAUM, 2000, p.
160)
O fenômeno do alinhamento Norte – Sul da agulha foi estudado pelo físico
dinamarquês Hans Christian Oersted onde foi verificado que quando uma corrente passa por
um fio e a agulha dessa bússola é colocada perto deste fio a mesma é desviada da direção
Norte – Sul, como pode ser observado na figura 1.

Figura 1 – experimento realizado por Hans Christian Oersted

Alterações da direção da agulha de acordo com a passagem da corrente, B do negativo para o positivo
e letra C a bussola está em descanso (Assis, 2007)
8

Devido a esses fatos constatou-se que a terra também possuía um campo


magnético que orientava a bússola em repouso. Pelo fato dela ter sido orientada para o
sul quando não sofria influencia. fonte: (DAUM, 2000, p. 161)

Campo Magnético estacionário


O campo magnético estacionário pode ser gerado por um imã permanente,
corrente variável ou campo elétrico variante no tempo, adotando o exemplo de
corrente continua no espaço livre, imagina-se um pequeno condutor cilíndrico de
seção reta circular com raio tendendo a zero, com uma corrente I circulando em
um comprimento diferencial dL (HAYT et al 2013, p. 180) .

Figura 2 – Ilustração da teoria de Biot - Savard

A corrente do elemento Idl produz um campo magnético no ponto P ( Ling, Jeff, & Bill,
2020)

Segundo Hayt et al (2013) “Biot – savart diz que, em qualquer ponto P, o


valor absoluto da intensidade do Campo Magnético em dL é proporcional entre ao
produto da corrente pelo comprimento diferencial e o seno do ângulo existente
entre o filamento e a reta que conecta ao ponto P”.

Figura 3 – Formula de Biot – Savart

I 1 d L1 x a R 12
d H 2=
4 π R212
9

Desta forma tem-se uma corrente que irá percorrer todo o filamento pela
superfície e esta corrente irá gerar um campo magnético, cujo sentido poderá ser
determinado pela regra da mão direita com resultante proporcional ao somatório
das forças magnéticas que atuam nas partículas carregadas (ULABY, 2007. p 129).

Figura 4 – Regra da mão direita

Sentido do campo magnético sendo determinado pela direção da corrente. Fonte: (ULABY,
2007. P 129)

Determinação da intensidade do campo magnético H1. Fonte (HAYT et al 2013, p. 181)

Fundamentos Da Indução Eletromagnética


O desenvolvimento dos estudos a respeito da indução eletromagnética foi
realizado por Michael Faraday e Joseph Henry, dedicaram-se a obter a corrente através
do campo magnético, ou seja, o efeito inverso dos conceitos apresentados por Biot –
Savard. O experimento de Faraday consistia em um enrolamento 1, com N voltas em
torno de uma bobina central, o enrolamento N1 é conectado a uma fonte de tensão
contínua, ao ser ligada a bateria a corrente passando por N1 gera um campo
magnético, este campo é intensificado pela devido ao efeito do caminho magnético. As
linhas de campo geradas por N1 atravessam a bobina e induzem uma corrente em um
enrolamento N2 ou secundário, no enrolamento N2 possuía um medidor de corrente
chamado galvanômetro, que detectaria qualquer corrente circular (PARDINHO et al,
2016).
Figura 5 – experimento de Faraday

1
H corresponde como a intensidade de campo magnético em ampères por metro (A/M), produzido por
um diferencial de corrente IdL.
10

Fonte de tensão induzindo um campo magnético no Primário N1, assim induzindo uma
corrente circular no enrolamento N2. Fonte (PARDINHO et al, 2016)

Faraday, no entanto, não obteve sucesso na medição de qualquer corrente,


fazendo-o após dez anos de estudo obter a conclusão de que “a simples presença
de um campo magnético não gera corrente elétrica, para gerar uma corrente seria
necessário variar o fluxo magnético”. Portanto um campo magnético variável no
tempo produz uma tensão uma tensão induzida, denominada força eletromotriz,
FEM. E através da FEM obtém-se um fluxo de corrente. (Matthew N. O. Shadiku,
2004)
De acordo com Sadiku (2004) “Faraday descobriu que a fem induzida em
V (volts) em qualquer circuito fechado, é igual a taxa de variação do fluxo
magnético enlaçado pelo circuito” – lei de Faraday.
Por fim a correlação da Fem com o fluxo magnético variável no tempo
pode ser descrita na equação 1
Lei de faraday para indução eletromagnética

−dϕ
. F em=
dt
Equação 1

Tensão induzida sendo igual a variação do fluxo em decorrer do tempo Fonte:[ CITATION
BRA11 \l 1046 ]

2) TEMA

O tema do estudo consiste na análise de transmissão de energia elétrica sem fio por

acoplamento indutivo ressonante, o seu funcionamento e o quanto ele pode ser viável. O

desafio do projeto é a investigação da otimização e eficiência da transmissão da energia sem

fio.
11

3) DELIMITAÇÃO

O estudo será delimitado em dois tópicos, sistema de indução mútua e

frequencia ressonante magnética.

Indução Mútua

A indução mútua ocorre quando os elementos são dispostos de acordo com a

Lei faraday – lenz 2 duas bobinas a uma determinada distancia, uma bobina emissora

outra receptora. Quando um campo magnético b 1 é produzido por uma corrente i 1 na

bobina 1 e esse campo magnético induz linhas de campo na bobina 2, fazendo assim

variar a corrente i 1 e a sua resistencia R. conforme aprensentado pela lei de faraday,

uma força eletromotriz, conforme estudado na equação 1 a variação da Fem era o

objeto necessário para que ocorresse a variação do fluxo magnético na bobina 2.

Portanto a indutancia mutua pode ser descrita pela equação 2 e ilustrado na figura 6

(HALLIDAY et al, 2016, p. 288).

lei da indução mútua

N 2 ϕ 21
M 21=
i1

Equação 2 – Relação dos fluxos magnéticos 1 e 2 produzidos pela corrente i 1 fonte: (HALLIDAY et al,

2016, p. 288)

Indutância mutua

2
Conforme Halliday (2014) “A corrente induzida em uma espira tem o sentido tal que o campo
magnético produzido pela corrente se opõe ao campo magnético que induz a corrente”
12

Figura 6, fluxo magnético na bobina 2, induzido pela corrente i 1na bobina 1 fonte: (HALLIDAY et al, 2016, p. 288)

Ressonância

É o efeito que acontece quando um sistema físico ganha energia devido as

ondas de frequência iguais a uma de suas frequências naturais, a frequência natural é

particular de cada objeto e quando isto ocorre o aproveitamento de energia torna-se

máximo, como por exemplo as ondas de som em um show, conforme as frequências se

aproximam a frequência de vibração natural do nosso corpo, pode-se sentir uma

intensa vibração.

A ressonância magnética é resultante de um campo magnético tem frequência


de ressonância igual ao do corpo oposto, assim ocorre a máxima transferência de
energia por oscilação de ondas eletromagnéticas (PARDINHO et al, 2016, p.3).

4) JUSTIFICATIVA

Este trabalho justifica-se no estudo da transmissão da energia sem fio, visto

que as linhas de transmissão e energia do Brasil são compostas por cobre, alumínio,

ferro e aço dentre outras ligas metálicas, tais itens são onerosos, agridem o meio

ambiente e exige uma grande equipe técnica para operação.

O Sistema de distribuição de energia elétrica do Brasil é composto por linhas

de transmissão que vão de 138 a 768 KV (quilovolts), para que o estes projetos sejam
13

realizados são construídas torres de transmissão correspondentes a potencia de cada

linha, devido a isso cada projeto torna-se demasiadamente oneroso e por muitas vezes

embargados por questões ambientais. Apesar disso o Brasil realizou inúmeros avanços

Linhas de transmissão no Brasil


14

Figura 6 Distribuição de energia elétrica no Brasil, fonte (IBGE,2017)

Nas metrópoles das regiões sul e sudeste podem ser visualizados uma intensa

distribuição de linhas, porém é observado que existe somente uma linha de

transmissão para a cidade de Manaus/AM.

Tais discrepâncias são devidas as questões apresentadas, a viabilidade econômica e

técnica do sistema atual, por muitas vezes, causa atrasos de longas datas e prejuízo a

população, adotando um sistema de transmissão sem fio a energia não necessitaria da

mesma quantidade de pontos de retransmissão, e não haveria agressão ao meio

ambiente equiparando ao sistema atual, portando um sistema efetivo, prático e de

baixo custo.

A motivação deste trabalho, consiste-se na análise da transmissão da energia sem fio, e

como as suas aplicações podem alterar o quadro apresentado na figura 6.

5) OBJETIVOS

a) OBJETIVO GERAL
O objetivo deste projeto consiste na análise da transmissão da energia elétrica sem
fio e as suas aplicações conforme leis que regem o teorema de circuitos elétricos e eletrônicos.

b) OBJETIVO ESPECIFICO
15

6) METODOLOGIA

7) REFERENCIAL TEÓRICO
16

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

Objetivos

METODOLOGIA

A Metodologia deste projeto irá se basear nos conceitos dos circuitos RLC e

experimentalmente o mesmo será visualizado usando um simulador computacional de

circuitos (OrCAD 17.2 Lite), não será utilizado modelo físico a priori, devido à falta de

recursos técnicos.
17

Na simulação irá ser calculado as distâncias máximas e mínimas entre as bobinas

para que haja interação do campo magnético geração da corrente induzida, também será

dimensionada da fonte ideal DC e o número de enrolamentos de cada bobina.

De acordo com a teoria do acoplamento indutivo, a transferência máxima é alcançada

quando as bobinas se encontram frente a frente, assim o fluxo na bobina receptora fica

maximizado, o que também será testado na simulação.

O Êxito deste projeto está focado em obter resultados de eficiência razoáveis, de

acordo com os princípios das teorias do eletromagnetismo e circuitos elétricos.


18

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

Ling, S. J., J. S., & B. M. (5 de NOVEMBRO de 2020). OpenStax University Physics. Fonte:
PHYICS LIBRETEXTS:
https://phys.libretexts.org/Bookshelves/University_Physics/Book
%3A_University_Physics_(OpenStax)/Map%3A_University_Physics_II_-
_Thermodynamics_Electricity_and_Magnetism_(OpenStax)/12%3A_Sources_of_Ma
gnetic_Fields/12.02%3A_The_Biot-Savart_Law#mjx-eqn-BS
Assis, J. C. (2007). J.P.M.C. Chaib e A.K.T. Assis. Revista Brasileira de Ensino de F´ısica, v.
29, n. 1, , 41-51.
machado, K. d. (2000). Teoria do eletromagnetismo (Vol. II). Ponta Grossa: UEPG.
Moreira, S. v. (s.d.). Nikola Tesla, o inventor no ambiente de criação da transmissão sem fio.
p. 9.

https://www.turing.pro.br/anais/COBENGE-2013/pdf/118533_1.pdf

http://monografias.poli.ufrj.br/monografias/monopoli10022663.pdf

https://olhardigital.com.br/noticia/imagine-conectar-seu-computador-a-rede-eletrica-sem-

fios-isso-ja-e-possivel/12720

https://bibliodigital.unijui.edu.br:8443/xmlui/bitstream/handle/123456789/6567/Victor

%20Noster%20K%c3%bcrschner.pdf?sequence=1&isAllowed=y

http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/142551520138999777942676491997184403188.p

df

https://phys.libretexts.org/Bookshelves/University_Physics/Book

%3A_University_Physics_(OpenStax)/Map%3A_University_Physics_II_-
19

_Thermodynamics_Electricity_and_Magnetism_(OpenStax)/12%3A_Sources_o

f_Magnetic_Fields/12.02%3A_The_Biot-Savart_Law#mjx-eqn-BS

Você também pode gostar