Você está na página 1de 22

01

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


1
A mais de 18 anos atuando na área de Engenharia, Manutenção e

Instalações, a ELETRIFIKAS tem em seu portfólio de serviços um sólido

trabalho já desenvolvido. Possuímos um corpo técnico, formado por

engenheiros e técnicos que aliam: experiência e base bem estruturada à

juventude e tecnologia de ponta. É alicerçada pelo respeito e

transparência, o que resulta na plena satisfação dos clientes,

colaboradores e da sociedade. Nossas instalações dispõem de

laboratórios e equipamentos de alta tecnologia que, periodicamente, são

calibrados para conferir o grau máximo de confiabilidade aos resultados

dos trabalhos de engenharia de projetos, manutenção e instalações

prestados aos nossos clientes. Atuamos em todo território nacional,

fornecendo serviços de tecnologia com qualidade e alta confiabilidade.

2 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


Sumário
Manutenção em Subestações ....................................................................................... 4
Procedimentos de Manutenção ................................................................................. 5
Tipos de Manutenção ................................................................................................ 6
Requisitos Para Manutenção ..................................................................................... 7
Instrumentos de Ensaio ............................................................................................. 8
Megôhmetro.......................................................................................................... 8
Hipot (Ensaio de tensão aplicada) .......................................................................... 9
Microhmímetro ................................................................................................... 11
TTR (Medidor de Relação de Espiras) ................................................................... 12
Teste de Rigidez Dielétrica (teste de óleo isolante) .............................................. 12
Termovisor........................................................................................................... 13
Manutenção de Equipamentos ................................................................................ 14
Para-raios ............................................................................................................ 14
Chave Seccionadora ............................................................................................. 15
Disjuntor .............................................................................................................. 16
Transformador ..................................................................................................... 17
Transformador de Instrumentos .......................................................................... 20
Cabos de Alimentação ......................................................................................... 21
Cubículo ............................................................................................................... 21
Atividades Finais .................................................................................................. 21

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


3
Manutenção em
Subestações
O objetivo desse e-book é apresentar, de forma simples, os conceitos
básicos para um bom planejamento e execução das tarefas de manutenção
de subestação de alta tensão de consumidores, além de indicar os quesitos
necessários a garantir a segurança dos equipamentos e profissionais
envolvidos nas atividades.
As informações aqui contidas servem de guia para os procedimentos de
manutenção em cabines primárias, além de orientar quanto aos
equipamentos e instrumentos a serem ensaiados e utilizados.
Todas as atividades de manutenção devem ser executadas por profissionais
treinados, com certificações adequadas as atividades e experiência
comprovada.

4 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


Procedimentos de
Manutenção
Para a execução dos trabalhos de manutenção em subestações elétricas é
necessário que os profissionais sejam qualificados e autorizados para a
tarefa, além de possuírem os equipamentos de proteção coletiva (EPC) e
equipamentos de proteção individual (EPI) necessários.
Conforme a NR-10, os profissionais devem ter treinamentos técnicos para
a realização da tarefa e treinamento da norma de segurança NR-10 do MTE
(Ministério do Trabalho e Emprego). Devem possuir vestimentas com grau
de proteção adequado e não portar adornos pessoais, conforme determina
a NR-10.
Norma NR-10, itens: 10.2.9.2 e 10.2.9.3
Para a manutenção de uma subestação é imprescindível o seccionamento
das chaves alimentadoras (em algumas subestações é possível existir mais
de uma fonte de alimentação). Todo equipamento é considerado
desenergizado, somente quando atender aos seguintes quesitos:
1) Desligado;
2) Isolado;
3) Bloqueado;
4) Testado;
5) Aterrado;
6) Sinalizado.
Norma NR-10, item: 10.5.1
A subestação deve ser mantida desenergizada enquanto durarem as
atividades de manutenção, sendo permitida a sua ativação, ou seja,
energização, somente após autorização do responsável.
É função do responsável pelos serviços a serem executados verificar,
juntamente com os membros da equipe, se todos os equipamentos se
encontram-se isolados, sinalizados, bloqueados elétrica e mecanicamente.
É de extrema importância, antes do início das atividades de manutenção, a
elaboração de um cronograma de atividades a serem executadas. Esse

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


5
cronograma deve conter um planejamento detalhado dos serviços a serem
realizados, indicando cada etapa.
Deve-se ter atenção redobrada para subestações providas de capacitores,
sendo necessário esperar a descarga das correntes capacitivas antes de
realizar o aterramento temporário.
Outro ponto importante a ser observado é a existência de diversos postos
de transformação dentro da subestação e ou geradores, devido a
possibilidade de acidentes de corrente de retorno.
Importante, por parte do responsável da equipe, gerar um check list para
verificação do uso e condições dos EPI’s e ferramentas a serem utilizadas
durante a manutenção, devendo todos estarem adequados a tarefa a ser
executada.
Todo cuidado é pouco. Aparentemente, a realização de manutenção em
equipamentos desligados, é muito seguro. Porém, existe a possibilidade de
tensões estáticas, indutivas, capacitivas, erro de manobra, contato
acidental com pontos energizados, descargas atmosféricas e religamento
acidental.
Para as situações citadas acima é que se faz necessário o aterramento
temporário. Ao ser instalado de forma adequada, o aterramento
temporário protege os profissionais, desviando a corrente elétrica para o
ponto de aterramento.

Tipos de Manutenção
A manutenção nos equipamentos elétricos tem por objetivo garantir a
disponibilidade e prolongar sua vida útil.
Existem 3 tipos de manutenção de subestações a serem consideradas:
Manutenção Preventiva: realizada periodicamente, conforme critérios pré-
estabelecidos, com o objetivo de identificar possíveis falhas, substituir
peças de desgaste e manter o equipamento funcionando de forma
satisfatória.
Manutenção Corretiva: tem como finalidade reparar falhas ou defeitos
ocorridos, esteja o equipamento parado ou em funcionamento. Podendo a

6 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


manutenção corretiva ser: corretiva de emergência, corretiva de urgência
ou corretiva programada.
Manutenção Preditiva: tem por objetivo verificar as condições de operação
das instalações e equipamentos.
Todas as manutenções citadas devem obedecer aos critérios
preestabelecidos pelo fabricante dos equipamentos, normas técnicas e
especificações da área de engenharia da empresa.
Para toda manutenção realizada deve ser gerado um relatório de
manutenção indicando o estado do equipamento, os valores encontrados
nos testes e ensaios, além de realizar comparação entre os valores dos
relatórios anteriores e os atuais.
Norma NR-10, itens: 10.2.3, 10.2.4, 10.2.5, 10.2.6 e 10.2.7.

Requisitos Para Manutenção


Abaixo são indicados os procedimentos básicos para utilização em todos os
equipamentos, devendo ser observado também os procedimentos
específicos de cada fabricante.
Relação de EPI’s normalmente utilizados:
 Uniforme retardante de chama, conforme NR-10;
 Cinto de segurança para atividades em altura;
 Capacete para trabalho em eletricidade;
 Bota de segurança para trabalho em eletricidade;
 Luva de borracha com luva de couro e classe de tensão apropriada;
 Óculos de segurança com proteção de impacto e brilho;
 Luva de vaqueta.
Relação de EPC’s normalmente utilizados:
 Cones de sinalização;
 Bastão de manobra para fixação do aterramento temporário;
 Conjunto de aterramento temporário;
 Detector de tensão;
 Fita de sinalização padronizada, NR-26;
 Sistema de bloqueio;

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


7
 Bandeirola ou placa de sinalização, NR-26;
Relação de documentos a serem providenciados:
 Formulários de relatório técnico dos ensaios e verificações dos
equipamentos;
 Relatório da manutenção anterior;
 Procedimento de trabalho, conforme NR-10;
 Certificado dos profissionais, conforme NR-10;
 Manual do fabricante dos equipamentos;
 ART (Anotação de Responsabilidade Técnica).
Relação de ferramentas e materiais necessários:
 Kit para coleta de amostra de óleo do transformador;
 Instrumentos de ensaio;
 Material de limpeza;
 Caixa de ferramentas completa (chaves fixas e ajustáveis, alicate
universal e de corte, chave grifo, arco de serra, conjunto de chave de
fenda, martelo, chave allen, etc.);
 Bandeja para lavagem de peças;
 Escada;
 Bancada;

Instrumentos de Ensaio
É importante que todos os instrumentos a serem utilizados estejam em
perfeito estado para utilização e com certificação de calibração em dia. A
Eletrifikas Engenharia possui instrumentos de primeira linha, todos
calibrados e certificados pela empresa parceira Mettrocal.

Megôhmetro
Instrumento utilizado para medir resistência de isolação. Ao se aplicar uma
tensão de corrente contínua a um isolante, a corrente que circula através
dele tem três componentes distintas:
 Corrente de carga de capacitância;
 Corrente de absorção dielétrica;
 Corrente de fuga através do isolante.

8 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


Através dessas correntes o megôhmetro fornece os valores de resistência
dielétrica do material isolante. Para melhor entendimento, segue figura do
instrumento e suas conexões:

Borne Vermelho (Line) – tem a


função de enviar tensão para o
equipamento a ser ensaiado

Borne Preto (Earth) – tem a


função de retornar para o
instrumento o resultado das
correntes de fuga.

Borne Azul (Guard) – tem a


função de eliminar correntes
indesejáveis, como correntes
indutivas que interferem nas
medições.

Foto 01: Megôhmetro Digital 20kV. Fonte www.instrumbrasil.com.br

O megôhmetro permite a medição de resistência de isolação de


transformadores, buchas, cabos elétricos, cabos de telefonia, motores,
chaves, painéis de controle, instalações elétricas e telefônicas.
Os megôhmetros digitais mais modernos possuem um sistema de proteção
ao usuário, com curto circuito da alta tensão ao ser desligado, mesmo
assim, em caso de dúvida e para garantir a segurança na operação do
equipamento, deve-se aguardar que a luz indicativa de tensão se apague,
para depois manusear os cabos.

Hipot (Ensaio de tensão aplicada)


Instrumento utilizado para testar a isolação de equipamentos.
É comum, mesmo em condições normais de operação, qualquer dispositivo
elétrico produzir uma corrente de fuga mínima. Trata-se de um fenômeno

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


9
físico natural dos materiais, sendo essa corrente de fuga proporcional à
classe de tensão e rigidez dielétrica do material.
Com o passar do tempo, deterioração do material, acumulo de sujeira e
umidade, a corrente de fuga pode aumentar chegando a valores acima do
aceitável pelas normas de fabricação, causando falha em equipamentos ou,
até mesmo, choque elétrico.
O ensaio de tensão aplicada, consiste em aplicar uma elevada tensão
elétrica no equipamento durante 1 minuto, não podendo haver o
rompimento da isolação dielétrica do mesmo. Se ocorrer o rompimento da
isolação do equipamento, o Hipot identificará a corrente de fuga e se
desligará automaticamente, sendo assim, o equipamento sob teste está
reprovado.

Borne Vermelho (Medição) –


tem a função de medir a
tensão de retornar e
identificar se há falha no
equipamento testado.

Borne Preto (Guard) – tem a


função de eliminar correntes
indesejáveis, como correntes
indutivas que interferem nas
medições.
.
Cabo para Aplicação de Alta
Tensão - tem a função de
aplicar alta tensão no
equipamento a ser testado.

Foto 02: Hipot 60kV 5mA DC.Fonte: www.instrumbrasil.com.br

O Hipot é um instrumento utilizado para ensaios de tensão aplicada em


corrente contínua, usado para testes de isolação em cabos, capacitores e
isoladores em geral.

10 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


Os Hi-pots mais modernos possuem sistema de segurança com circuito
ultra rápido de sobrecorrente que impede a destruição do objeto de teste.
Foi observado, em casos eventuais, a ocorrência da falha do equipamento
sob ensaio e o Hi-pot não desligar, vindo a manter a elevada tensão aplicada
e consequentemente destruir o equipamento em teste.

Microhmímetro
Instrumento utilizado para medir valores baixos de resistência de contato
em disjuntores e chaves seccionadoras, sendo utilizado também para medir
resistência ôhmica do enrolamento dos transformadores.
O equipamento aplica uma corrente elétrica, que pode ser de 1mA a 100A,
que promove uma queda de tensão ao percorrer o equipamento em teste.
Ao dividir a tensão medida pelo instrumento pela corrente elétrica aplicada,
obtém-se a resistência elétrica.

Borne Vermelho (Line) – tem a


função de enviar tensão para o
equipamento a ser ensaiado

Borne Preto (Earth) – tem a


função de retornar para o
instrumento o resultado.

Foto 03: Microhmímetro Digital 100 A. Fonte: www.instrumbrasil.com.br

O microhmímetro possui as seguintes aplicações:


 Resistência de contato (de disjuntores, chaves em geral, conectores);
 Resistência elétrica (de condutores em geral, fios e cabos,
barramentos, fusíveis);
 Bobinados (transformadores, motores elétricos).

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


11
TTR (Medidor de Relação de Espiras)
O TTR é um instrumento utilizado para medir com precisão a relação entre
espiras de um transformador. O transformador, como sabemos, é uma
máquina magnética que possui uma relação direta entre seus
enrolamentos, a medição dessa relação nos informa a situação dos
enrolamentos, quanto a relação de transformação e quanto a continuidade.
O equipamento de medição pode nos informar a relação de espiras, a
comutação de fase e a polaridade nos transformadores de força,
transformadores de potencial (TP) e transformadores de corrente (TC).

H1 e H2 – Conectores com a
função de excitar a bobina de
maior tensão do transformador.

X1 e X2 – Conectores com a
função de medir a corrente na
bobina de menor tensão do
transformador.

Foto 04: TTR Digital. Fonte: www.instrumbrasil.com.br

Antes de iniciar a atividade de medição é importante conhecer o tipo de


ligação do lado de maior tensão (AT) e menor tensão (BT) do transformador
sob ensaio, bem como a tensão de operação dos lados de AT e BT.
O TTR é um equipamento amplamente utilizado em testes de produção,
controle de qualidade, laboratórios ou medições em campo, pelas
empresas do setor de engenharia, industrias de transformadores,
reformadoras de transformadores e prestadores de serviço em
manutenção em cabine primária.

Teste de Rigidez Dielétrica (teste de óleo isolante)


Instrumento para análise da qualidade do óleo isolante de equipamentos.
O princípio do teste é simples. O instrumento possui um recipiente no qual

12 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


é despejado o óleo isolante. O instrumento possui dois eletrodos,
devidamente afastados entre si, os quais são utilizados para expor o óleo a
uma elevação de tensão de forma gradual, até que ocorra o rompimento
da isolação elétrica.
A tensão medida no momento do rompimento da isolação elétrica,
corresponde a tensão em kV da rigidez dielétrica do óleo. O ensaio deve ser
executado por cinco vezes para garantir a confiabilidade do resultado, com
intervalo de 1 minuto, sendo o resultado a média do valor obtido nas
leituras.
O ensaio de óleo isolante para transformador, geralmente é realizado por
laboratórios especializados, onde o óleo é submetido a outros testes que
comprovam o estado de saúde geral do equipamento, sendo realizado
também os ensaios de:
 Teor de água (ppm) - Medido;
 Teor de água (ppm) – 20 °C corrigido - NBR 10710;
 Fator de potência a 100 °C (%) – NBR 12133;
 Rigidez Dielétrica – Calota (kV) – NBR IEC 60156;
 Índice de Neutralização (mgKOH/g) – NBR 14248;
 Tensão Interfacial (Dyn/cm) – NBR 6234;
 Cor – NBR 14483;
 Densidade Relativa 20/4 °C (g/ml) – NBR 7148.
 Teor de PCB (mg/kg) – NBR 8371/05.

Termovisor
O termovisor é uma câmera termográfica, que grava imagens pela diferença
de temperatura entre as superfícies. Essas imagens permite analisar pontos
de aquecimento em uma instalação elétrica, identificando possível
defeito/problema.
Se um ponto da instalação apresentar sobreaquecimento, ou seja,
temperatura muito acima do restante da instalação elétrica, é possível que
ele esteja com algum tipo de problema, como mau contato, defeito no
equipamento, etc. Caso seja identificado que a instalação elétrica inteira
está sobreaquecida, é sinal da existência de sobrecarga em toda a
instalação elétrica.

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


13
Foto 05: Termovisor Digital. Fonte: www.instrumbrasil.com.br

O Termovisor é um equipamento indispensável e muito utilizado para fins


de manutenção preventiva e preditiva, solução de problemas com
equipamentos, verificação de reparos, inspeções de construções, tarefas de
restauração e remediação, auditoria de energia e isolamentos térmicos.

Manutenção de Equipamentos
Para-raios
Tarefas a serem realizadas para manutenção preventiva dos para-raios tipo
válvula:
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Deve ser verificada a existência de trincas ou rachaduras no
corpo do equipamento;
Reaperto dos conectores de fase e terra, para evitar
Manutenção
sobreaquecimento;
Todo o corpo do para-raios deve ser limpo com material e
produto apropriado.
Resistência de Isolação: Deve ser realizado o ensaio de
Ensaios resistência de isolação, utilizando o megôhmetro, para verificar
se há fuga de corrente através do corpo do para-raios;

Segue cuidados importantes para a realização das tarefas de manutenção


preventiva:
 Para a realização do ensaio, deve-se desconectar a entrada do para-
raios do barramento;

14 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


 Cuidado especial deve ser aplicado caso o para-raios esteja instalado
próximo do cabo de entrada, pois ele pode estar energizado.
 Na parte superior do para-raios deve-se conectar o cabo de linha
(LINE), borne vermelho do megôhmetro e o cabo de terra (EARTH),
borne preto, é conectado na parte inferior do para-raios.
 Os resultados da verificação e dos ensaios devem ser registrados na
folha de inspeção. A folha de inspeção faz parte do prontuário de
inspeção do equipamento;

Chave Seccionadora
Tarefas a serem realizadas para manutenção preventiva em chave-
seccionadora:
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Deve ser verificada a existência de trincas ou rachaduras no
corpo do equipamento e limpar;
Verificação da simultaneidade da abertura e fechamento das
laminas das fases;
Verificar todos os contatos, fixos e móveis. Limpar, reapertar e
lubrificar;
Manutenção Deve-se verificar partes rotativas do acionamento mecânico,
limpar, reapertar e lubrificar as partes rotativas;
Seccionadora motorizada: Limpar caixa de comando, lubrificar
as engrenagens, reapertar os parafusos e bornes, verificar o
funcionamento das chaves fim de curso.
Testes Mecânico: Consiste em verificar om fechamento e
abertura da chave seccionadora.
Resistência de Isolação: Deve ser realizado o ensaio de
resistência de isolação, utilizando o megôhmetro, para verificar
se há fuga de corrente nos bastões de acionamento e isoladores
em relação à carcaça do equipamento (massa);
Ensaios
Resistência de Contato: Deve ser realizado o ensaio de
resistência de contato, utilizando o microhmímetro e com a
chave seccionadora fechada, para verificar a resistência de
contato de cada fase, aplicando uma corrente de 100 A.

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


15
Disjuntor
Tarefas a serem realizadas para manutenção preventiva em disjuntor:
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Deve ser verificada a existência de trincas ou rachaduras nas
câmaras de extinção;
Deve-se verificar o estado geral das molas, travas, motor,
engrenagem, articulações, dispositivos de carregamento de
mola, indicadores de posição, contador de operação, bobina de
ligar, desligar, de mínima tensão, blocos de terminais, fiação,
Manutenção
isoladores e contatos de rolete;
Verificar todos os contatos, fixos e móveis. Limpar, reapertar e
lubrificar;
Todo o mecanismo deve ser limpo e lubrificado;
Teste Mecânico: Consiste em verificar o fechamento e abertura
elétrica, mecânica, local e remota do disjuntor.
Resistência de Isolação: Deve ser realizado o ensaio de
resistência de isolação utilizando o megôhmetro, para verificar o
estado dos bastões de acionamento e isoladores das fases,
assim como a isolação de cada polo do disjuntor entre a sua
entrada e saída;
Ensaios
Resistência de Contato: Deve ser realizado o ensaio de
resistência de contato utilizando o microhmímetro para verificar
a condição dos contatos móveis e fixos do disjuntor. Com o
disjuntor fechado, verifica-se a resistência de contato de cada
fase, aplicando uma corrente de 100 A.

Segue cuidados importantes para a realização das tarefas de manutenção


preventiva:
 Ao se executar a manutenção nos mecanismos do disjuntor é
necessário certificar-se de que nenhuma mola está carregada, pois
existe o risco de disparo acidental ao se esbarrar sem intensão em
alguma das várias peças que disparam a mola, podendo causar um
grave acidente.
Apesar de estarem sendo substituídos aos poucos e muitas concessionárias
de energia não aceitarem mais a instalação de disjuntores novos com
ampola de extinção a óleo isolante, ainda é possível encontrar disjuntores
com esse tipo de sistema.
O recomendado é sempre que possível substituir por disjuntores a vácuo.
Caso contrário é necessário verificar o nível do óleo e possíveis vazamentos
no disjuntor causados por ressecamento das borrachas de vedação.

16 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


Transformador
Tarefas a serem realizadas para manutenção preventiva em transformador:
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Conferir o nível do óleo;
Verificar a existência de vazamentos nos radiadores, balonete,
registro, vedações e etc.;
Verificar a situação da sílica gel (substituir, se saturada);
Verificar e testar os ventiladores (se possuir ventilação forçada);
Verificar o estado das buchas de AT e BT, se existe trincas ou
rachaduras;
Verificar conexões de aterramento da carcaça e bucha X0;
Verificar caixa de fiação, limpar e reapertar os blocos de fiação,
chaves térmicas e contatores;
Inspecionar as conexões dos cabos de força aos terminais do
transformador;
Teste Mecânico: Consiste em verificar o fechamento e abertura
elétrica, mecânica, local e remota do disjuntor.
Retirada de Amostra de Óleo: Deve-se ter extremo cuidado
durante o procedimento de retirada de óleo do transformador.
A atividade deve ser realizada, preferencialmente com o
transformador desligado, caso contrário deve-se garantir a total
segurança e integridade do profissional, par somente assim o
procedimento ser realizado com o transformador ligado.
Procedimento de retirada do óleo:
Manutenção
 Atividade deve ser realizada em dia seco com
temperatura acima de 20°C e umidade relativa do ar
abaixo de 72%;
 O kit, o frasco e a seringa, devem estar limpos e
esterilizados. Procedimento a ser realizado em
laboratório;
 A saída do registro do transformador deve estar limpa;
 Deixar drenar um pouco de óleo, antes da coleta, para
garantir a retirada de sujeira da tubulação;
 Após a drenagem, conectar o kit e deixar escorrer uma
quantidade de óleo para lavar o kit;
 Conectar o frasco ao kit, abrir o registro e deixar encher
até transbordar, para eliminar bolha de ar dentro do
frasco;
 Depois da coleta, acondicionar a seringa e o frasco em
local apropriado, longe da luz do sol e umidade;
 O ensaio do óleo deve ser realizado o mais breve
possível para evitar contaminações.
Dependendo do estado do óleo isolante, pode ser necessário
realizar tratamento de recuperação. Esse tratamento pode ser
realizado por um dos dois métodos a seguir:

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


17
 Recondicionamento: processo físico aplicado a óleos
que estejam contaminados por umidade, particular em
suspensão ou agentes externos dissolvidos;
 Regeneração: processo químico aplicado a óleos que
sofreram deterioração, contendo assim ácidos orgânicos,
sedimentos ou borra solúvel e insolúvel.
Termômetro do Óleo: O teste do termômetro consiste em
aquecer seu bulbo, juntamente com um termômetro padrão,
mergulhando em óleo com agitação constante e elevação de
temperatura de forma gradual. É aceitável um desvio de, no
máximo, 3° graus entre o termômetro sob ensaio e o
termômetro padrão. Durante o ensaio é possível verificar
também, a atuação do contato, o automatismo dos ventiladores
(em caso de possuir ventilação forçada), o alarme de
temperatura e o desligamento do disjuntor.
Termômetro do Enrolamento (imagem térmica): Ensaio similar
ao termômetro do óleo. A imagem térmica é o valor de
temperatura indicado pela soma do aquecimento do bulbo mais
o aquecimento provocado por uma corrente que circula pelo
resistor de imagem térmica do termômetro. É importante, para
Ensaio a realização do ensaio, conhecer o gradiente de temperatura do
Equipamentos transformador, que é fornecido pelo fabricante, que indica a
Auxiliares diferença entre a temperatura do enrolamento e a do óleo.
Durante o ensaio é possível verificar a atuação dos contatos, o
automatismo dos ventiladores, o alarme de temperatura e o
desligamento do disjuntor.
Nível de Óleo: Geralmente os indicadores de nível de óleo
possuem uma boia e uma microswitch, sendo possível testar o
fechamento da microswitch e verificar o acionamento do
alarme.
Relé Buchholz: Fazer a verificação da atuação das duas boias
(balancim de alarme e de desligamento). Durante o
esvaziamento do óleo no relé é que se realiza esse ensaio. Após
o esvaziamento de uma parte do óleo, o alarme é acionado, em
seguida deve ocorrer o desligamento do disjuntor. Se houver a
necessidade de desmontar o relé, é preciso verificar o estado
das boias e de seus bulbos de mercúrio e os contatos.
Comutador: Geralmente os transformadores de maior potência
instalados em subestação de tensão superior a 69 kV, possuem
comutado de derivação em carga. Para esse tipo de comutador
deve ser realizado as seguintes tarefas:
 Verificação e lubrificação das articulações, eixos e
engrenagens;
 Verificar o estado geral de pinos e travas;
 Verificação geral e limpeza da caixa de comando;
 Verificar o estado geral e funcionamento da resistência
de aquecimento;

18 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


 Verificar o estado das botoeiras e contatores, executar
limpeza e substituição, se necessário;
 Verificar o funcionamento do motor, através de
acionamento elétrico;
 Comutar cada uma das posições do TAP, verificando o
funcionamento do fim do curso elétrico;
 Verificar a atuação da chave de bloqueio elétrico com a
introdução e o acoplamento da manivela de
acionamento manual;
 Verificar o funcionamento do contador de operações,
conferir engate da manivela e conferir as comutações
de TAP’s;
 Verificar o estado gral do óleo lubrificante e procurar
por possíveis vazamentos;
 Verificar o funcionamento geral do relé de fluxo de óleo,
sua boia, fiação, realizar ensaios de trip, estado geral do
tanque de expansão do comutador;
 Verificar o funcionamento e estado geral do indicador
de nível de óleo do tanque de expansão do comutador;
 Verificar os registros do tanque de expansão;
 Verificar dispositivo secador de ar e estado do sílica-gel.
Resistência de Isolação: Deve ser realizado o ensaio de
resistência de isolação utilizando o megôhmetro. Para a
medição da resistência de isolação em transformadores de dois
enrolamentos, com classe de tensão igual ou superior a 15kV,
utiliza-se uma tensão de ensaio de 5 kVcc ou 10 kVcc. Para
ensaio do lado de baixa tensão, deve-se utilizar a tensão de
500V. Deve-se desconectar todos os cabos e barramentos de
alta e baixa tensão, que estão conectados aos terminais das
buchas. Realizar o aterramento temporário. Para realizar o
ensaio, deve-se curto-circuitar todos os terminais do
enrolamento primário e secundário.
 1º Ensaio: Medição da resistência de isolação do
enrolamento de alta tensão contra a carcaça;
Ensaios
 2º Ensaio: Medição da resistência de isolação do
enrolamento de alta tensão contra o enrolamento de
baixa tensão;
 3º Ensaio: Medição da resistência de isolação do
enrolamento de baixa tensão contra a carcaça.
Relação de Transformação: Avalia a relação de transformação
entre o lado de alta e baixa tensão. Deve ser realizado em uma
fase de cada vez, com o transformador desenergizado e o cabo
terra desconectado do terminal X0. Ao realizar o ensaio, é
possível identificar se há fuga de corrente entre as espiras,
espiras abertas nas bobinas, se o TAP está posicionado
corretamente, além de conferir a polaridade do transformador.
O valor da relação de transformação apresentado pelo TTR deve

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


19
ser comparado com o valor teórico calculado, para isso é
necessário obter da placa do equipamento algumas
informações, como tensão primária e secundária, tipo de ligação
das bobinas, potência e data de fabricação.
Resistência Ôhmica dos Enrolamentos: Para os
transformadores de força usa-se o método de queda de tensão,
onde é aplicado um valor de corrente conhecido nos
enrolamentos e em seguida é medida a queda de tensão em
cima do enrolamento. Através da Lei de Ohm tem-se a
resistência (R=U/I). Pra transformadores de múltiplos TAP’s,
deve-se medir a resistência em todas as posições.

Transformador de Instrumentos
Tarefas a serem realizadas para manutenção preventiva em transformador:
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Verificar o estado geral do transformador, avaliando se existe
trincas ou rachaduras;
Manutenção
Inspecionar as conexões dos cabos aos terminais do
transformador e fazer o reaperto, se necessário;
Resistência de Isolação: Deve ser realizado o ensaio de
resistência de isolação utilizando o megôhmetro. Para a
medição da resistência de isolação em transformadores de dois
enrolamentos, com classe de tensão igual ou superior a 15kV,
utiliza-se uma tensão de ensaio de 5 kVcc ou 10 kVcc. Para
ensaio do lado de baixa tensão, deve-se utilizar a tensão de
500V. Deve-se desconectar todos os cabos e barramentos de
alta e baixa tensão, que estão conectados aos terminais das
buchas. Realizar o aterramento temporário. Para realizar o
Ensaios
ensaio, deve-se curto-circuitar todos os terminais do
enrolamento primário e secundário.
 1º Ensaio: Medição da resistência de isolação do
enrolamento de alta tensão contra a carcaça;
 2º Ensaio: Medição da resistência de isolação do
enrolamento de alta tensão contra o enrolamento de
baixa tensão;
 3º Ensaio: Medição da resistência de isolação do
enrolamento de baixa tensão contra a carcaça.

20 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


Cabos de Alimentação
Tarefas a serem realizadas para manutenção preventiva em cabos:
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Inspecionar os cabos de Alta Tensão para verificar indícios de
Manutenção aquecimento e o estado geral da isolação e terminações;
Resistência de Isolação: Deve ser realizado o ensaio de
resistência de isolação utilizando o megôhmetro. Nesse ensaio
Ensaios
aplica-se a tensão no condutor pelo conector LINE do
megôhmetro e o cabo EARTH é ligado a blindagem do cabo.

Cubículo
Tarefas a serem realizadas para manutenção preventiva em cubículos:
MANUTENÇÃO PREVENTIVA
Verificar os seguintes itens:
 Estado geral da pintura;
 Resistência de aquecimento;
 Lâmpadas de sinalização;
 Fusíveis e chaves termomagnéticas;
 Conectores de aterramento;
 Relés e contatores;
 Instrumentos de Medição;
 Conexões de Controle;
Manutenção  Iluminação interna;
 Realizar a limpeza, reaperto e substituição de
componentes com defeito;
 Verificar a isolação dos barramentos e conecxões;
 Verificar se todos os componentes estão identificados;
 Verificar a existência de bloqueios que impeçam o
contato com as partes energizadas, mesmo com a porta
do cubículo aberta;
 Verificar se o sistema de inserção e extração do disjuntor
está fechando e abrindo (para disjuntores extraíveis;
Resistência de Isolação: Aplicável somente se for identificado a
Ensaios existência de aquecimento e corrosão nos barramentos,
verificar o estado geral da isolação.

Atividades Finais
Para a conclusão das atividades de manutenção deve-se verificar se todos
os pontos foram conectados corretamente, providenciar a retirada do
aterramento temporário, ferramentas e equipamentos de ensaio, fazer a

Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados


21
limpeza do local, retirando restos de materiais que foram utilizados,
verificar se todas as grades de proteção e portas foram encaixadas em seus
devidos lugares, fixadas e conectadas ao terra.
O responsável pela manutenção deve fazer uma última verificação visual
para certificar de que todas as atividades foram realizadas com sucesso,
solicitar a retirada de todas as pessoas do local, que não estiverem
envolvidas na manobra de energização. Realizar a energização de forma
inversa ao desligamento.

Gostou do E-Book?
Entre em contato e nos diga o que você achou, ou
envie suas dúvidas.
Ficaremos Contentes em Ajudar!

22 Eletrifikas Engenharia – 2018 @ Todos os Direitos Reservados

Você também pode gostar