Você está na página 1de 12

Aula 11

PREPARAÇÃO
PARA DEFESA E
APRESENTAÇÃO DA
PESQUISA

Um dos objetivos da realização de uma pesquisa é sua


publicação, para que os resultados estejam disponíveis e
sejam utilizados por toda a comunidade científica. Os locais
de publicação possuem seus próprios modelos de artigos e
qualificações diferenciadas.
Neste capítulo estudaremos os principais tipos de artigos,
a escolha dos locais e os passos para confeccionar artigos
científicos para publicação e entender como é a classificação
dos principais periódicos.

Metodologia da pesquisa e do trabalho científico 145


Aula 11 Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa

Parte
1 Organização do conteúdo

No final de um curso de graduação é comum que os alunos tenham de apresentar oralmente a


pesquisa monográfica, podendo ser defesa, seminário, painel dentro de algum evento da instituição etc.
Nos cursos de mestrado strictu sensu e no doutorado, a defesa oral é obrigatória, sendo um processo
formal, público e realizado perante uma banca de professores examinadores.
Ao final de muito trabalho, muita leitura, pesquisa, escrita e reescrita e, com o trabalho de con-
clusão de curso (TCC) pronto, é hora de organizar o conteúdo que será apresentado para defesa ou
exposição.
Quando há defesa do TCC, a instituição delimita o tempo para apresentação, dessa forma o con-
teúdo a ser exposto deve ser organizado para que não ultrapasse, mas que também não termine muito
antes do tempo disponível.
Fazer um roteiro é o primeiro passo para organizar o conteúdo. Mas o que apresentar? Como
não há tempo para apresentar todo o trabalho, algumas seções devem ser priorizadas. Assim, após a
apresentação do(s) autor(es) para a plateia (banca), sugere-se fazer uma introdução, descrevendo o
assunto pesquisado, a importância e a relevância daquela pesquisa. Na sequência, é obrigatório que se
apresente:
• o problema de pesquisa;
• os objetivos geral e específicos;
• a metodologia (quando a pesquisa é simples, como bibliográfica);
• a organização da própria apresentação (uma espécie de sumário da apresentação).
Após essa etapa introdutória, que deve ser breve, parte-se para a explanação do desenvolvimento
da pesquisa, apresentando o posicionamento dos principais autores sobre o tema pesquisado, ou seja,
uma síntese da fundamentação teórica. No trabalho escrito geralmente essa é a seção mais extensa,
porém, na apresentação, os autores devem ser criteriosamente escolhidos para não tomar muito tempo.
O próximo tópico a ser abordado é o próprio desenvolvimento da pesquisa, reserve tempo neces-
sário para que o procedimento metodológico utilizado fique bem claro, pois é ele quem validará os
resultados, além de ser a parte de maior interesse para a banca examinadora.
Nessa etapa devem ser apresentados os dados obtidos, a análise aferida à eles e a discussão sobre
os resultados. Sugere--se o uso de tabelas, gráficos e quadros que, além de sintetizarem, organizam

146 Metodologia da pesquisa e do trabalho científico


Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa Aula 11
visualmente a informação. Sempre que possível relacione os dados obtidos ao posicionamento dos au-
tores apontados na fundamentação teórica. Isso demonstrará coesão no trabalho, desde que não se fuja
dos objetivos propostos para a pesquisa.
Por último, apresente as Considerações Finais ou Conclusão de seu TCC. Cabe reafirmar as prin-
cipais informações, análises e conclusões já demonstradas.
Lembre-se de que cada objetivo listado no início da exposição deve ser “respondido”. As solu-
ções para o problema de pesquisa devem ser apontadas, bem como se a hipótese (quando presente) foi
aceita ou negada. Pode-se finalizar com sugestões de continuidade ao trabalho realizado, quando for
conveniente.

Seja objetivo: a objetividade deve estar sempre presente, pois o excesso de


informação, além de distrair a audiência, tira o foco da apresentação.

O que os professores que compõem a banca avaliam? A seguir estão listados os itens mais comuns
presentes nas fichas de avaliação de bancas de TCC:
• Postura/comportamento durante a apresentação.
• Uso adequado do tempo.
• Uso adequado dos recursos.
• Clareza na comunicação.
• Segurança na apresentação.
• Relevância da pesquisa.
• Organização da apresentação.
• Relação entre autores listados na fundamentação teórica e análise dos dados.
• Apresentação clara dos itens obrigatórios (problema, objetivos e metodologia).
• Adequação dos procedimentos metodológicos.
• Técnicas de coleta, análise e interpretação de dados.
• Conclusão: clareza, contribuições do trabalho, sugestões de trabalhos futuros e limitações da
pesquisa.
• Argumentação nas respostas às arguições.
• Uso de linguagem adequada.

Metodologia da pesquisa e do trabalho científico 147


Aula 11 Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa

Parte
2 Elaboração de slides e
preparação da apresentação
O uso do projetor de slides auxilia na apresentação e defesa do Trabalho de Conclusão de Curso,
pois facilita a organização da exposição, a explanação de gráficos, tabelas e ilustrações que auxiliarão
no entendimento da pesquisa.
É possível utilizar vários softwares na criação da apresentação das informações relativas ao TCC.
O software mais comumente utilizado é o PowerPoint. Bons slides auxiliam, ilustram e tornam a apre-
sentação mais dinâmica. Entretanto, essa ferramenta deve ser utilizada apenas como apoio e a criação
dos slides deve ser feita com cuidado e seguindo alguns critérios.
O excesso de texto nos slides prejudica a apresentação, pois, na maioria das vezes, a apresentação
acaba se tornando apenas uma leitura dos slides e mesmo se não houver leitura direta dos slides, a
banca e a plateia estarão concentrados no texto enquanto o aluno está apresentando, dessa forma sua
fala se perderá.
Por esse motivo, é melhor evitar frases inteiras nos slides, substituindo-as por tópicos ou palavras-
-chave. Ressalta-se melhor legibilidade com a recomendação de apenas sete linhas por slide. Quando
a utilização de um texto for imprescindível, procure resumi-lo e escrevê-lo de forma simples, direta e
objetiva, cuja leitura seja rápida e de fácil compreensão.
Outro cuidado necessário é com relação ao tamanho da fonte do texto presente nos slides, que
deve ser no mínimo 24 pontos, além de observar o contraste entre textos, imagens, tabelas e gráficos e
o fundo do slide.
As cores do texto e do fundo do slide precisam possuir contraste suficiente para que os tópicos
fiquem bem legíveis, especialmente se a apresentação ocorrer numa sala com excesso de iluminação.
O ideal é seguir em todos os slides o mesmo padrão de cor de fundo, tamanhos e cores para os títulos
e textos.
As imagens utilizadas devem estar bem visíveis e ser auto-explicativas. No caso de um diagrama
muito grande, uma tabela com muitas linhas e/ou colunas ou qualquer outra figura que, se colocada
integralmente no slide não fique bem legível, recomenda-se fazer “recortes” nos slides seguintes para
a explicação ou eliminar parte das linhas/colunas, focando nas informações mais importantes. Sempre
que utilizar gráficos, quadros ou tabelas é necessário colocar um título que descreva esses elementos,
bem como a indicação de sua fonte.

148 Metodologia da pesquisa e do trabalho científico


Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa Aula 11
A mesma organização do conteúdo da apresentação deve ser seguida na elaboração dos slides.
Uma sequência lógica e didática, apresentando uma ideia (assunto) em cada slide facilita a apresenta-
ção e a compreensão pela banca.
Se na hora da apresentação notar um erro ortográfico ou qualquer outro (desde que não seja sobre
um dado importante de sua pesquisa), não mencione para a banca. Os erros deveriam ter sido vistos na
confecção dos slides, tentar corrigi-los apenas vai reforçá-los para a banca.
Não se esqueça de inserir um slide de fechamento da apresentação (pode ser o mesmo slide inicial
com o título e nomes dos autores) ou outro com alguma citação ou agradecendo a atenção dos membros
da banca.
A seguir relacionamos algumas sugestões para os slides:
• Título da pesquisa, nome do acadêmico e nome do professor orientador (e coorientador).
• Contextualizar o tema da pesquisa e apresentar a problematização.
• Explicar a relevância da pesquisa.
• Explicar os principais tópicos estudados no referencial teórico, podendo se utilizar de
citações.
• Apresentar os resultados da pesquisa, argumentando com base na fundamentação teórica.
• Explicar as fases da pesquisa, definindo o método e as técnicas utilizadas, dificuldades en-
contradas, hipóteses confirmadas (ou não).
• Comentar que o trabalho não esgota o assunto estudado;
• Pode-se finalizar a apresentação com uma reflexão a respeito do tema da pesquisa (utilizando
a epígrafe do trabalho).
• Agradecer e abrir espaço para os questionamentos.
Colocar ou não as referências do TCC nos slides? Quem pode responder a essa questão é seu
orientador. Bom-senso é fundamental. Se você tiver uma cópia do TCC, qualquer fonte utilizada no
texto poderá ser consultada nesse documento. Algumas instituições sugerem que sejam inseridas ape-
nas as referências de documentos utilizados nos slides. Se o TCC possuir muitas referências, não se
deve colocar todas, até porque não é o objetivo de uma defesa apresentar todos os autores usados na
pesquisa.
Preparando-se para apresentar: ao ser avaliado, especialmente numa situação formal, como é
a defesa de um TCC, é normal haver um pouco de nervosismo. Não há como julgar sua influência em
cada pessoa, mas pode-se afirmar que o nervosismo é inversamente proporcional ao tempo gasto com
o estudo e preparação.

Metodologia da pesquisa e do trabalho científico 149


Aula 11 Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa

Quando o trabalho é coletivo é quase obrigatório fazer um “treino” da apresentação para ajustar
os momentos de interação, postura, tempo etc. Mesmo sendo “dividido” o trabalho para apresentação,
todos os integrantes devem conhecer o trabalho em sua totalidade. A banca pode sortear a ordem de
apresentação do TCC. É bom estar preparado para situações como essas.
Na defesa, saber o conteúdo a ser apresentado é obrigação, assim o aluno deverá se preocupar
somente com os detalhes, como fazer backups, testar equipamentos, a postura, tom de voz etc.
Lembre-se de levar todos os materiais que necessita (cópia impressa do TCC, pesquisa de campo,
documentos relacionados à autorização da pesquisa etc.). Certifique-se de ter cópias de segurança do
arquivo da apresentação, tanto na versão atual do software, quanto em versões anteriores, pois o equi-
pamento utilizado pode ter apenas versões antigas do software.
Como já mencionado, os slides não devem conter texto em excesso porque, devido ao possível
nervosismo, a apresentação poderá se restringir apenas à leitura dos mesmos, o que demonstra inse-
gurança e dá margem à dúvidas para os examinadores se o aluno realmente tem conhecimento sobre o
assunto que está explanando. Por isso, conhecer a fundo o assunto que será apresentado é fundamental,
assim como é indicado treinar a apresentação em voz alta, sem leitura. A fala deve ser firme, com en-
tonação normal e clareza, feita sempre de frente para os membros da banca.

Inicie a apresentação agradecendo ao orientador e demais membros avalia-


dores da banca. Lembre-se de que é uma situação formal.

No caso de esquecer algum assunto, não reforce isso na apresentação. Apenas diga à banca “daqui
a pouco eu lembro e retorno” e prossiga com a apresentação. Se tratado com naturalidade, um esqueci-
mento passa despercebido pela banca.

Parte
3 Defesa: respondendo
aos questionamentos
A defesa de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) pode ser opcional em alguns cursos de gra-
duação, nesse caso pode ou não ser realizada a arguição ou somente a apresentação, dependendo da regra da
instituição. Já nos cursos Stricto sensu (mestrado, doutorado e pós-doutorado) a defesa é obrigatória.
A apresentação oral tem objetivo de explicar o trabalho, enfatizando suas realizações individuais,
conhecimento, tecnologia ou produto novo gerado, os resultados obtidos e as conclusões do trabalho. A
resposta aos questionamentos é menos formal, mas o avaliador também apresenta sua análise.

150 Metodologia da pesquisa e do trabalho científico


Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa Aula 11
A defesa é uma apresentação pública para um grupo de professores com conhecimento sobre o
assunto, entre eles o orientador do TCC, que preside a banca e faz a ata de defesa do documento, que é
incorporado à tese ou dissertação.
Na maioria dos cursos em que a defesa é obrigatória há qualificação ou pré-banca. A qualifica-
ção é a apresentação do TCC, normalmente quando está na sua fase final, com mais de 75% concluído,
para os membros da banca examinadora, em uma seção privada. Nessa etapa serão apontadas todas as
sugestões de modificação necessárias ao TCC. Como geralmente são muitos apontamentos “negativos”
sobre o trabalho, a apresentação não é aberta ao público, para não expor o aluno.
Após a qualificação, o aluno terá um tempo para fazer as correções e ajustes, apresentando a ver-
são final na defesa pública. As instituições podem optar por entregar a versão final antes da apresenta-
ção e, havendo necessidade, o aluno fará alterações em forma de errata.
A defesa normalmente inicia-se com um processo formal de apresentação dos membros da banca
e do(s) aluno(s) e algumas informações adicionais, como leitura da ata e sobre o tempo disponível para
a apresentação oral e para os membros da banca fazerem a arguição.

O aluno não deve exceder o tempo destinado à apresentação. O treino antes


da defesa é fundamental.

É indicado que o(s) aluno(s) se apresente(m) e cumprimente(m) os membros da banca e o orienta-


dor, dando continuidade à apresentação. Terminada a apresentação oral, cada membro da banca exami-
nadora faz suas considerações sobre o trabalho apresentado e faz as perguntas (arguição) que deverão
ser respondidas/defendidas pelo(s) aluno(s).
A arguição é a etapa em que a banca examinadora questiona, pede esclarecimentos e oferece
sugestões para o trabalho. Enquanto o membro da banca faz suas considerações, ele não deve ser inter-
rompido pelo aluno, que deverá fazer anotações e, somente quando lhe for aberto espaço, agradecer as
considerações feitas pelo avaliador (mesmo que não concorde) e procurar responder os questionamen-
tos de forma clara, segura e objetiva.
Caso seja apontada alguma inconsistência no trabalho, o aluno deve valorizar a observação feita e
anotá-la para correção, nessa situação não deve justificar ou se desculpar pelo erro.
E se houver alguma pergunta “constrangedora”? Se o trabalho estiver bem estruturado e delimita-
do, você responderá todos os questionamentos baseando-se no conteúdo abordado. O membro da banca
pode (mas não deveria) perder a polidez. Porém, o aluno é obrigado a manter-se sereno e não se exaltar.
Se não entender o que está sendo questionado, o aluno deve pedir que o examinador reformule
a questão. Caso haja um questionamento sobre algo que não está no trabalho, o aluno não deve tentar

Metodologia da pesquisa e do trabalho científico 151


Aula 11 Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa

responder, mas apenas dizer que a pesquisa não abrangeu tal assunto. Poderá também mencionar seu
orientador afirmando que “nós” optamos por não seguir esse caminho.
Terminada a etapa de arguição, os membros da banca reúnem-se de forma isolada para buscar
um consenso sobre o resultado da apresentação e a nota final, que geralmente é a média da nota da
apresentação com a do trabalho escrito e ambas podem ter pesos distintos. O resultado pode ser dado
ao(s) aluno(s) após essa reunião, que é o procedimento mais comum, ou em outro momento, de acordo
com as diretrizes estabelecidas em cada instituição. Ao final, os membros da banca examinadora e o(s)
aluno(s) assina(m) a ata de defesa, que é o documento que comprova sua realização.
Rocha (2013) relaciona uma série de dicas para a apresentação do Trabalho de Conclusão de
Curso, entre elas:
• Cuidar com o uso de gírias e erros de concordância.
• Usar frases objetivas e claras.
• Olhar para os membros da banca ou para a plateia
• Fazer pequenas pausas entre os assuntos.
• Acatar com respeito as observações da banca.
• Não ser apático, demonstrando energia e vontade de apresentar.
• Vestir-se de acordo com a formalidade da ocasião.
• Flexionar a voz, alterando o tom.
• Defender seu trabalho com convicção, evitando termos como “eu acho que...”, que deverão
ser substituídos por “conforme a pesquisa”, “eu acredito que” etc.
• Visitar a sala antes da apresentação, conhecendo o ambiente.
• Movimentar-se durante a apresentação, demonstrando domínio e segurança.
• Ignorar erros de apresentação, dando prosseguimento sem enfatizá-los.
• Treinar a apresentação é fundamental para que ela flua sem maiores esforços.

Extra
O que não fazer em sua defesa de dissertação ou tese
autor: Adrian Sgarbi.

As regras universitárias que tratam da defesa de dissertações e teses variam de universidade


para universidade. Por exemplo, algumas dispensam a apresentação inicial, enquanto em outras

152 Metodologia da pesquisa e do trabalho científico


Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa Aula 11
instituições, com variação de tempo, a apresentação constitui o seu primeiro ato. Assim, não irei
dizer como funciona cada fase de defesa. Esse é o trabalho do seu orientador. Penso que posso
ajudar em outra coisa; posso dizer o que você não deve fazer considerando alguns aspectos gerais
desse momento decisivo da sua vida.
***
Esses os itens em que você não pode falhar em sua arguição:
• Chegar atrasado. Seja pontual. Ou melhor, chegue antes. Pense em 40 minutos no
mínimo. Chegar atrasado causa péssima impressão, além de aumentar o seu estresse.
• Ir sem conhecer as regras de defesa. Converse com o seu orientador sobre as re-
gras de defesa. Preferencialmente, com mais de uma semana de antecedência. Lembre-
-se de que você terá que ajustar a sua apresentação ao tempo que for dedicado a você
nos termos das regras de sua universidade. Portanto, reduza a sua ansiedade e impre-
vistos informando-se.
• Deixar de saudar os membros da banca no início. No mínimo isso é falta de educa-
ção. Ao iniciar a sua defesa, agradeça a atenção prestada ao seu trabalho. Depois, inicie
a exposição, se este for o caso. Em geral, no final da defesa, o presidente da banca
concede algum tempo para considerações finais do candidato a título de mestre ou de
doutor. Aproveite esse momento para agradecer novamente a banca pelas observações
feitas, aos familiares e aos amigos presentes.
• Deixar de cumprimentar algum membro da banca no final. Depois do presidente
da banca anunciar a avaliação final e declarar encerrada a sessão, caminhe até cada um
dos membros da banca e os cumprimente. Comece pelos professores de fora da univer-
sidade; passe para os professores do departamento; por último (e espero que com maior
afeto) agradeça ao seu orientador. Nunca deixe de cumprimentar todos os membros da
banca no final, principalmente o arguidor que foi duro na arguição. Pode acreditar, isso
acontece. No final da arguição não apenas um candidato deixou de me cumprimentar
como a sua família, que estava lá, também. Não faça isso. E explique aos seus fami-
liares que discordar de trabalhos é normal na universidade e que nada de pessoal ou
excepcional há em discordar.
• Tentar ser exaustivo na apresentação. Caso você deva apresentar o seu trabalho oral-
mente, antes de iniciar a arguição, seja direto. Diga qual o ponto principal do seu traba-
lho, como você enfrentou o problema e quais resultados obteve. Não tente apresentar

Metodologia da pesquisa e do trabalho científico 153


Aula 11 Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa

todo o seu trabalho. Assuma que a banca estudou o seu trabalho e se coloque à disposi-
ção para responder às perguntas.
• Ler o trabalho de ponta a ponta. Não fique lendo o seu trabalho. Ler o trabalho sem
parar demonstra que você não domina o tema. O que os seus avaliadores esperam é
que você transpire familiaridade com o seu tema. Assuma um tom conversacional. Use
marcadores como sinalizações para as passagens importantes do seu trabalho. Isso faci-
lita o seu manuseio. Leia apenas as passagens que você considerar relevantes e depois
desenvolva um pouco mais, sem ler.
• Deixar de responder a alguma pergunta. Anote as perguntas que lhe forem feitas.
Organize com calma as suas ideias e responda. Lembre-se de que uma boa resposta é
aquela que é informativa, sucinta e que enfrenta a pergunta.
• Fingir que entendeu a pergunta. Não finja que você entendeu a pergunta. Assim, se
você tiver perdido alguma parte da pergunta ou não a tiver entendido, peça ao argui-
dor para repeti-la ou, mesmo, reformulá-la. Não há nenhum problema nisso. Quando
algum candidato me pede para eu repetir a pergunta ou desenvolvê-la um pouco mais,
fico contente. Interpreto como um ato atencioso do candidato, nada mais. O candida-
to quer apenas dar o melhor de si. E para tanto, ele precisa, antes, entender o que foi
perguntado.
• Ser defensivo. Defenda o seu trabalho sem ser defensivo. Elimine de sua cabeça frases
como: “— Eu também não estou feliz com o meu capítulo 3” ou “Eu também acho que
minha tese poderia ter sido muito melhor”. Argumente antes de dar-se por vencido e
admita quando determinado ponto não estava no foco de suas preocupações. Depois,
explique o porquê.
• Atacar a banca. Nunca ataque a banca dizendo que também não gostou de algum tra-
balho dela. Não se esqueça de que é o seu trabalho que está sendo avaliado. Exponha as
suas razões respondendo à pergunta. Um bom membro de banca avaliadora não espera
concordância. Ele apenas espera uma boa fundamentação do ponto de vista que você
assume em seu trabalho. Portanto, fundamente. Isso é o suficiente para atestar a sua
capacidade e ser aprovado.
• Ser desrespeitoso. Seja educado, inclusive quando o membro da banca não for. Penso
que em banca o pior e o melhor das pessoas aparecem. Não me lembro de ter sido
hostilizado por nenhum candidato, mas já fui por outro membro da banca. Aliás, isso
é feio também. Como disse, o pior e o melhor das pessoas surge em bancas. Não se

154 Metodologia da pesquisa e do trabalho científico


Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa Aula 11
assuste com isso e nem se desestabilize. Ignore o que ocorreu e mantenha a calma. Seja
diplomático. Se algo sair dos trilhos, há o presidente da banca para tomar as rédeas de
tudo. Não tente você mesmo fazer isso. Não justifique uma grosseria repetindo a falta
de educação. Todos irão se lembrar de sua postura educada em contraste com a do des-
temperado. Será 1x0 para você.
• Interromper o arguidor. Não interrompa a fala de um membro da banca. Espere que
em determinado momento será concedido tempo para você. Concentre-se em escutar,
entender o que está sendo dito e anotar os seus insights para usá-los quando chegar a
sua vez.
• Tratar algum membro da banca com extrema amizade. É normal conhecer algum
membro da banca. Essa é uma consequência de ter sido seu aluno. Mas não espere
receber no dia de sua avaliação demonstrações de afeto e não saia por aí abrindo os
braços tentando estabelecer conversa de extrema amizade. Há tempo para tudo. Um
gesto assim, ainda que sem intenção, não fica bem. Trate todos os membros da banca
com igual profissionalismo.
• Não levar uma cópia do seu trabalho com você. Nem pense em esquecer ou deixar
de levar uma cópia do seu trabalho no dia de sua defesa. Inúmeras questões, que serão
feitas, estarão relacionadas diretamente a passagens do seu texto. Portanto, você preci-
sará ter uma cópia em suas mãos, necessariamente.
• Deixar o celular ligado. Isso vale para você, para a sua família, amigos e chegados.
Alerte a todos sobre isso. Aliás, faça uma pequena reunião antes com os seus convida-
dos ou envie a eles um e-mail esclarecendo certos aspectos da defesa. E mencione o
problema dos celulares. Se em sala de aula isso é horrível, em uma banca isso é o fim.
• Vestir-se de modo inadequado para a ocasião. Tudo bem. O programa de seu mestra-
do e doutorado é perto de região oceânica. Mas não vá vestido como se você estivesse
de férias. Caso tenha dúvida sobre como se vestir, converse com o seu orientador. Já
vi gente ir de chinelo à defesa. Eram Havaianas. Quando penso no que aconteceu me
pergunto: o que foi isso?
• Por fim, não se esqueça de que você é um especialista no tema de seu trabalho e que a
banca deseja certificar-se disso. Portanto, tranquilize-se. Tente se divertir no dia de sua
defesa. Afinal, é o “seu” momento.

(Disponível em: <http://pesquisatec.com/new-blog/2013/9/2/o-que-no-fazer-em-sua-defesa-de-disser-


tao-ou-tese>. Acesso em: 13 jul. 2015.)

Metodologia da pesquisa e do trabalho científico 155


Aula 11 Preparação para defesa e
apresentação da pesquisa

Atividades
1. Sobre a elaboração dos slides para apresentação, analise as afirmações a seguir:
I. Deve-se evitar frases inteiras e extensas nos slides.
II. O tamanho da fonte deve ser 12 pontos, conforme a ABNT.
III. Deve haver um bom contraste entre o fundo do slide e o texto.

2. Para criar slides com boa legibilidade e que facilitem a apresentação devem ser segui-
das as recomendações presentes:
a) apenas nas afirmativas I e ii.
b) apenas nas afirmativas ii e iii.
c) apenas nas afirmativas i e iii.
d) em todas as afirmativas.

3. Qual conceito melhor descreve a arguição?


a) Arguição é o processo formal de apresentação do aluno perante a banca
examinadora.
b) Arguição é a etapa em que a banca examinadora faz perguntas, pede esclareci-
mentos e oferece sugestões para o trabalho.
c) Arguição é a etapa em que os membros da banca reúnem-se de forma isolada para
buscar um consenso sobre o resultado da apresentação.
d) Arguição é a etapa em que o aluno apresenta os resultados de sua pesquisa e faz
considerações finais.

4. A respeito da apresentação dos slides para a banca, leia as afirmações a seguir e julgue-
-as como verdadeiras (V) ou falsas (F):
( ) Por se tratar de uma apresentação formal, o aluno deve apenas fazer a leitura
dos slides.
( ) Estudar e treinar a apresentação é indicado para melhorar a exposição e dar
mais segurança.
( ) Deve-se organizar uma sequência lógica e didática para a apresentação, mos-
trando preferencialmente um assunto em cada slide.
A sequência correta obtida é:
a) V, V, V.
b) F, V, V.
c) V, F, V.
d) V, V, F.

156 Metodologia da pesquisa e do trabalho científico

Você também pode gostar