Você está na página 1de 3

MOVIMENTO FEMINISTA E MOVIMENTOS DE MULHERES:

Building Movements – Feminismos Contemporâneos, promovida pela British Council (Reino


Unido), ONU Mulheres (Nova York), Open Society Foundations (Nova York) e Fundo ELAS (Rio
de Janeiro). Outros movimentos apoiados pelo grupo Elas: Instituto de Mulheres Negras Flores
de Dan (Salvador/BA), AMNB - Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras
(Salvador/BA), SOS Corpo - Instituto Feminista para a Democracia (Recife/PE), Grupo de
Mulheres Cidadania Feminina (Recife/PE)

MOVIMENTO NEGRO:

Dentre os vários grupos formados pode-se destacar a atuação, em diferentes linhas, alguns
movimentos como a Frente Negra Brasileira (São Paulo/SP), a Associação Cultural do Negro
(São Paulo/SP), o Teatro Experimental do Negro (São Paulo/SP), o Centro de Cultura e Arte
Negra (São Paulo/SP), o Quilombhoje (São Paulo/SP) e o Movimento Negro Unificado (São
Paulo/SP). Atualmente o movimento também se diversificou em defesa da mulher negra,
como no caso do Instituto Geledés - Instituto da Mulher Negra (São Paulo/SP), é uma das
maiores ONGs de feminismo negro do Brasil com várias campanhas e ações significativas
contra o racismo. Além dessas também existe uma entidade pública brasileira vinculada ao
Ministério da Cultura, chamada de Fundação Cultural Palmares (Brasília/DF) que visa promover
a preservação dos valores culturais, sociais e econômicos decorrentes da influência negra na
formação da sociedade brasileira.

MOVIMENTO LGBTI:

De cursos e oficinas a espaços de acolhimento, existem ONGs e instituições que, dia após dia,
lutam por direitos e pela igualdade como a TransVest (Belo Horizonte/MG), Instituto Cultura
Arte Memória LGBT (Brasília/DF), Grupo Dignidade (Curitiba/PR), Adeh – Associação em Defesa
dos Direitos Humanos com Enfoque na Sexualidade (Florianópolis/SC), Nuances – Grupo Pela
Livre Expressão Sexual (Porto Alegre/RS), Igualdade RS – Associação de Travestis e Transexuais
do Rio Grande do Sul (Porto Alegre/RS), Somos – Comunicação, Saúde e Sexualidade (Porto
Alegre/RS), Instituto Boa Vista (Recife/PE), Casa Nem (Rio de Janeiro/RJ), Grupo Arco-Íris (Rio
de Janeiro/RJ), Grupo Gay da Bahia (Salvador/BA), Casa 1 (São Paulo/SP), Associação da Parada
do Orgulho GLBT de São Paulo (APOGLBT) (São Paulo/SP). Além disso também existe um
movimento nacional, chamado Mães Pela Diversidade (Recife/PE)

MOVIMENTO PELA REFORMA AGRÁRIA:

O principal movimento social que luta para a implantação da reforma agrária no Brasil é o MST
- Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (Brasília/DF) espalhado por 23 estados e no
distrito federal que, ao contrário do que muitos pensam, não é um movimento de luta de
pessoas por terra para si mesmas, mas a luta contra a concentração fundiária. Outros grandes
movimentos em prol da reforma agrária é o MLT - Movimento de Luta pela Terra
(Salvador/BA), o ITERRA - Instituto Técnico de Capacitação e Pesquisa da Reforma Agrária
(Veranópolis/RS), CONTAG – Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e
Agricultoras Familiares (Núcleo Bandeirante/DF), MPA - Movimentos dos Pequenos
Agricultores (Brasília/DF), MAB - Movimento dos Atingidos por Barragens (São Paulo/SP),
Movimento Terra Livre (Luziânia/GO) e a CONTRAF-BRASIL-CUT - Confederação Nacional dos
Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Brasil (Luziânia/GO). Além disso o
governo federal dispões de um órgão que é o responsável pela discussão, elaboração e
implementação da reforma agrária no país, é o Incra - Instituto Nacional de Colonização e
Reforma Agrária (Brasília/DF).

MOVIMENTO DE MORADIA:

No Brasil hoje, existem vários movimentos que visam melhores condições de moradia e
dignidade humana como o Habitat Brasil (Recife/PE), UMM-SP - União dos Movimentos de
Moradia de São Paulo (São Paulo/SP), MSTC - Movimento Sem Teto do Centro (São Paulo/SP),
FLM - Frente de Luta por Moradia (São Paulo/SP), Central de Movimentos Populares (São
Paulo/SP), MNLM - Movimento Nacional de Luta pela Moradia (Porto Alegre-RS), LMD -
Movimento Luta por Moradia Digna (São Paulo/SP). Entre vários movimentos espalhados no
país o mais conhecido é o MTST - Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (São Paulo/SP).

DIREITO DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE:

Em todo o território nacional existe alguma entidade que atuam, direta ou indiretamente, pela
promoção e garantia dos direitos da infância e Juventude, como por exemplo o Centro de
Defesa da Criança e do Adolescente Yves de Roussan (Cedeca/Bahia), Pastoral do Menor (São
Paulo/SP), Rede Nacional Primeira Infância (Brasília/DF), APAE/SP - Associação de Pais e
Amigos dos Excepcionais de São Paulo (São Paulo/SP), SERPAF – Serviços de Proteção ao
Menor e à Família (Sete Lagoas/MG), Fórum de Educação Infantil de Roraima (Boa Vista/RR),
ONG Passos da Criança (Curitiba/PR). Além do mais, o governo federal mantem um órgão
chamado conanda - Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Brasília/DF),
responsável por definir, no âmbito do Conselho, as diretrizes para a Política Nacional de
Promoção, Proteção e Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes.

COMBATE A FOME E A POBREZA EXTREMA:

No brasil existem diversas entidades, ongs e até mesmo pastorais que trabalham junto a
população em prol do combate à fome e a erradicação da pobreza extrema. Dentre elas vale
destacar a ong Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida (Rio de Janeiro/RJ) e a
Amigos do Bem (São Paulo/SP), com sede em São Paulo e atuação no sertão nordestino. Além
disso vale ressaltar as ações do governo federal como o programa Fome Zero criado em 2003
para combater em todo o pais a fome e as suas causas estruturais, que geram a exclusão social
e para garantir a segurança alimentar dos brasileiros em três frentes: um conjunto de políticas
públicas; a construção participativa de uma Política Nacional de Segurança Alimentar e
Nutricional; Tal base foi utilizada internacionalmente como o Programa América Latina e
Caribe sem Fome 2025, implementado pela FAO - Organização das Nações Unidas para
Alimentação e Agricultura.

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL:

Existem várias ongs espalhadas pelo Brasil que visam o fim do trabalho infantil, dentre elas
podemos destacar a ONG Visão Mundial Brasil (São Paulo/SP), Rede Peteca – Chega de
Trabalho Infantil (São Paulo/SP), Instituto Griasc de Assistência Social e Educacional
(Betim/MG), SOAFAMC - Sociedade de Apoio à Família Carente (Crato/CE), Projeto FBPC -
Frente Beneficente para a Criança (Fortaleza/CE) e a Ong Cidade Escola Aprendiz (São
Paulo/SP). Outra iniciativa de força mundial com atuação nacional é a organização ChildFund
Brasil (Belo Horizonte/MG).

COMBATE AO TRABALHO ANÁLOGO À ESCRAVIDÃO:

Movimento Ação Integrada (Cuiabá/MT), INAI – Instituto Nacional de Assistência Integral (São
Paulo/SP), COETRAE-BA - Comissão de Erradicação do Trabalho Escravo na Bahia (Salvador/BA)
e a Anamatra - Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Brasília/DF).Além
dessas organizações, o governo federal mantem dentro da pasta do Ministério da Mulher, da
Família e dos Direitos Humanos a Comissão Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo
(CONATRAE) ativo desde 2003 com ações em todo o território nacional.