Você está na página 1de 7

UNIDADE TEMÁTICA: A dimensão ético-política – análise e compreensão da

experiência convivencial [Ética]

Unidade temática: A dimensão pessoal e social da ética

1. Os juízos morais

De uma forma geral, entende-se por juízo moral a faculdade que permite distinguir o bem do
mal, tendo em conta os padrõ es éticos que subjazem a qualquer açã o, decisã o ou
acontecimento. Ou seja, os juízos morais sã o aqueles que permitem orientar a nossa conduta e
avaliar a dos outros segundo um conjunto de normas e princípios éticos presentes na
consciência de cada um ou estabelecidos numa sociedade.

Sem juízos morais nã o seria possível determinar se uma qualquer açã o é boa ou má ou se
devemos aceitar ou condenar certos comportamentos, na medida em que estes nã o teriam
qualquer valor moral. Sã o eles que atribuem um conteú do ético aos acontecimentos e açõ es,
permitindo, assim, orientar a conduta dos seres humanos em sociedade.

Os juízos morais sã o juízos de valor, pois estabelecem uma preferência ou uma avaliaçã o.
Todavia, os juízos de valor podem nã o ser apenas dotados de um conteú do moral; nã o nos
posicionamos sobre as coisas tendo apenas presente o bem ou o mal, mas também outros
valores, como a beleza, o prazer, a utilidade, a religiã o, etc. Gostar de mú sica, literatura ou
desporto, preferir coisas prá ticas ou coisas intelectuais, sair à noite, dar importâ ncia ao
dinheiro ou à moda sã o escolhas que fazemos sem atender a um juízo moral.

Adília Maia Gaspar | António Manzarra – Filosofia 10.º ano1


© Raiz Editora, 2019. Todos os direitos reservados.
Consolidação da aprendizagem
1. Indique quais dos seguintes enunciados expressam um juízo moral.
A
A lógica é um elemento essencial para a construção de um pensamento correto. Sem a lógica, dificilmente as
nossas ideias seriam organizadas e não teríamos capacidade de argumentar.
B
Falar em direitos dos animais é colocá-los no mesmo patamar dos seres humanos. Ora, por mais inteligentes
que os animais sejam, não terão a capacidade de pensar abstratamente, por isso não terão consciência do bem
e do mal, logo não deverão ter os mesmos direitos que os seres humanos.
C
A condução perigosa poderá provocar acidentes e, consequentemente, danos noutras pessoas. Dado que as
pessoas, em consciência, são incapazes de controlar os seus impulsos, é importante existirem regras
rodoviárias rígidas.
D
A arte em si não se pode definir, pois, ao definirmos a arte, poderemos colocar obras de arte fora do conceito
de arte.
E
Existem momentos únicos na vida. Viajar, contemplar uma paisagem, ver o pôr do Sol, nada é tão glorioso.
F
Eventualmente, numa situação determinada, o roubo poderá ser uma ação aceitável, apesar de constituir a
prática de um crime.
G
O cumprimento da lei é essencial para a sociedade viver em harmonia. Apesar de existirem leis
eventualmente erradas, ou de a sua aplicação ser discutível, nunca deveremos pô-las em causa.
H
O suspeito, apesar de ter pouca possibilidade de defesa, era muito bem parecido.

2. Os juízos morais sã o juízos de valor; contudo, nem todos os juízos de valor sã o juízos
morais. Explique porquê.

3. Poderã o existir juízos morais que vã o contra a legalidade das normas jurídicas? Se sim,
mostre em que medida um juízo moral pode colidir com a legalidade jurídica.

Adília Maia Gaspar | António Manzarra – Filosofia 10.º ano2


© Raiz Editora, 2019. Todos os direitos reservados.
2. A natureza dos juízos morais

Constatamos que, em cada uma das situaçõ es com que nos deparamos, poderemos formular
um juízo moral, mas também constatamos que os juízos morais de vá rias pessoas sobre um
mesmo assunto nem sempre sã o os mesmos. Se perguntarmos, por exemplo, sobre a vida e a
morte, provavelmente toda a sociedade será unâ nime em afirmar que todos os indivíduos têm
direito à vida e que a ninguém deverá ser recusado esse direito. Mas se, mantendo-nos neste
tema, perguntarmos sobre a eutaná sia, o aborto ou a pena de morte, as opiniõ es certamente
irã o divergir, pois uns acharã o algumas destas medidas corretas, outros achá -las-ã o
aceitá veis, outros, males necessá rios, e outros ainda, condená veis.

Dada esta discó rdia e diversidade de opiniõ es, surge inevitavelmente a questã o de saber qual
delas é mais vá lida; a partir daí, um novo problema se levanta: terã o os juízos morais um valor
de verdade? Ou melhor, poderã o os juízos morais ser universalmente verdadeiros?

Procurar responder a estas questõ es obriga-nos a refletir sobre a natureza dos juízos morais,
ou seja, sobre os fundamentos destes juízos. Destacam-se três perspetivas:

a. Subjetivismo moral
Esta perspetiva admite a existência de verdades morais, que, todavia, dizem respeito apenas
ao indivíduo. Cada sujeito tem o seu có digo moral e por isso os juízos por si formulados sã o
verdadeiros, dado que vã o ao encontro das suas crenças, valores e sentimentos. Deste modo,
nenhum juízo moral é objetivamente verdadeiro nem falso uma vez que nã o existe nenhum
critério que nos permita concluir isso.

O subjetivismo moral considera que é o sujeito – cada sujeito individualmente considerado –


que confere valor moral à açã o; consequentemente, esta é uma posiçã o relativista.

Se alguém considerar, por exemplo, a eutaná sia um ato moralmente condená vel, esse juízo
será tã o verdadeiro quanto o de alguém que considere justamente o contrá rio. Admitir que
um destes juízos está mais correto do que o outro retira qualquer mérito à aná lise, uma vez
que coloca em causa a liberdade e a autonomia moral de cada indivíduo e revela nã o haver
qualquer respeito pela diversidade de crenças nem tolerâ ncia por valores contrá rios.

Adília Maia Gaspar | António Manzarra – Filosofia 10.º ano3


© Raiz Editora, 2019. Todos os direitos reservados.
b. Relativismo moral
Perspetiva que admite a existência de juízos morais verdadeiros mas apenas no seio de uma
sociedade particular. Perspetiva diferente do subjetivismo, pois retira valor ao juízo
individual, o relativismo moral considera ser a sociedade a determinar o que é moralmente
correto e incorreto.
Se a maior parte da sociedade considerar a mentira um ato condená vel, poderemos
considerar a condenaçã o da mentira um juízo moral verdadeiro. No entanto, isso é apenas
aplicá vel dentro dessa sociedade. Segundo a perspetiva relativista, dado que as sociedades sã o
distintas entre si e regidas por valores e crenças diferentes, nã o é possível determinar se uma
tem uma visã o moral mais correta do que a outra, nã o sendo, por isso, possível afirmar a
existência de verdades morais universais.
O relativismo moral promove a coesã o social, dado que estabelece um conjunto de normas
objetivas de convivência dentro do grupo/da sociedade, e respeita a diversidade cultural, em
virtude de nã o considerar nenhum có digo moral superior a outro.

c. Objetivismo moral
Perspetiva segundo a qual os juízos morais sã o independentes das crenças e motivaçõ es dos
indivíduos ou da sociedade: a verdade ética nã o pode estar sujeita aos sentimentos e crenças
pessoais ou aos costumes sociais, mas tem de ser apoiada em critérios racionais imparciais
transubjetivos. Para o objetivismo, os valores morais existem em si e a funçã o do sujeito é
reconhecê-los.
Por exemplo, a sociedade e os indivíduos nã o consideram o homicídio um ato condená vel
pelas suas convicçõ es pessoais ou por causa de có digos morais sociais, mas sim porque o
homicídio é objetivamente condená vel. Nesse sentido, é possível admitir a existência de juízos
morais objetivos e por isso verdadeiros.
O objetivismo moral defende a existência de princípios morais universais cujo valor é
independente das convicçõ es pessoais e sociais, e o facto de existirem acordos globais em
certos temas, como o direito à vida e a condenaçã o do homicídio ou do roubo, mostra a
existência dessa objetividade. De outro modo, poderíamos ter de aceitar a moralidade de atos
reprová veis, como a escravatura, o racismo, a xenofobia ou a exploraçã o infantil.

Adília Maia Gaspar | António Manzarra – Filosofia 10.º ano4


© Raiz Editora, 2019. Todos os direitos reservados.
Consolidação da aprendizagem
1. Considere os seguintes enunciados.
A
Se alguém é da opinião de que o mais importante é a defesa da vida e por isso condena a possível legalização
da eutanásia, essa é uma opinião tão válida como a daquele que defende a sua legalização, alegando, neste
caso, o sofrimento da pessoa.
B
Constatamos que em algumas sociedades o trabalho infantil é visto e assumido com naturalidade. Para nós,
isso parece estranho e altamente reprovável – uma criança não ter o direito de ser criança, de frequentar uma
escola ou ser explorada de forma «desumana». No entanto, provavelmente essa prática faz parte da história e
da cultura dessas sociedades; em que medida, apesar de discordarmos, poderemos dizer, objetivamente, que
está errada?
C
Há países que têm feito um trabalho árduo na defesa dos direitos das mulheres, isto porque consideram que
as mulheres deverão ter os mesmos direitos que os homens.
D
A igualdade é um princípio e um valor comum a todos. Poderemos discordar em termos práticos de certos
direitos na relação entre os indivíduos, mas essa discórdia existe por influência dos interesses pessoais. Na
verdade, sem a influência desses interesses a igualdade seria um valor partilhado.
E
Os factos em si são objetivos. Se o indivíduo X agrediu Y à vista de toda a gente, não há forma de o
desmentir. No entanto, a avaliação que fazemos desse ato já não é assim tão objetiva. Alguém dirá que por
mais razões que se tenha nunca se deverá partir para a violência, mas outros dirão que Y o mereceu e foi
feita justiça. Qual é a opinião mais correta? Provavelmente, as duas.
F
Afirmar categoricamente que mentir é sempre mau em todas as circunstâncias é errado. Poderemos
eventualmente considerar hipotética e abstratamente a mentira uma ação má; no entanto, em termos práticos,
mentir poderá ser, por vezes, uma ação moralmente boa.

1.1 Indique, em cada enunciado, a perspetiva quanto à natureza dos juízos morais que melhor
lhe corresponde. Justifique as suas opçõ es.

1.2 Todas as três perspetivas em relaçã o à natureza dos juízos morais apresentam falhas ou
argumentos discutíveis quanto à sua sustentabilidade. Apresente objeçõ es a uma das
perspetivas à sua escolha.

Adília Maia Gaspar | António Manzarra – Filosofia 10.º ano5


© Raiz Editora, 2019. Todos os direitos reservados.
Sugestões de resposta
1. Os juízos morais
1. Juízos morais sã o os enunciados B, F, G.
2. Os juízos morais sã o juízos de valor pois avaliam uma açã o em funçã o do có digo moral, considerando-a boa
ou má , atribuindo-lhe, portanto, uma valoraçã o. No entanto, os nossos juízos valorativos nã o sã o apenas
morais. Podemos referir-nos à s coisas a partir da sua beleza, da sua utilidade ou do prazer que provocam,
independentemente de serem boas ou má s, e, nesse caso, nã o estamos a emitir um juízo de valor moral.
3. Sim, podem existir juízos morais que vã o contra a lei. Os juízos morais dizem respeito ao conteú do ético das
açõ es, têm a ver com aquilo que um indivíduo considera, em consciência, como bom ou mau. Já as normas
jurídicas sã o regras que impõ em um determinado comportamento a todos os sujeitos de uma sociedade em
geral. Apesar de as normas jurídicas terem um fundamento ético, por vezes, uma açã o ilegal poderá também
ser fundamentada eticamente. Por exemplo, alguém que rouba algo para ajudar outras pessoas ou que
comete um homicídio para evitar uma tragédia incomensuravelmente maior, pratica em ambos os casos um
crime; porém, face à s condicionantes existentes, esses atos poderã o ser compreendidos e aceites à luz da
moralidade.
2. A natureza dos juízos morais
1.1 A. Subjetivismo moral. Rejeita a existência de juízos morais universais, ao admitir que diferentes posiçõ es
individuais têm o mesmo valor de verdade, defendendo, portanto, a relatividade.
B. Relativismo moral. Reconhece o valor moral dentro de uma sociedade: apesar de nã o partilhar o mesmo
valor, demonstra tolerâ ncia e admite a sua relatividade.
C. Relativismo moral. Juízo moral construído pela maioria da sociedade e reconhecido como verdadeiro nesse
grupo.
D. Objetivismo moral. Defende que a igualdade é um valor objetivo e comum a todos quando separado dos
interesses e convicçõ es pessoais.
E. Subjetivismo moral. Admite a subjetividade moral em funçã o de um facto; reconhece que as
posiçõ es/juízos morais, face a um acontecimento, sã o todas elas vá lidas e justificá veis.
F. Subjetivismo moral. Rejeita o objetivismo ao afirmar que mentir tem uma bivalência moral em termos
prá ticos e que esse valor depende das situaçõ es, dos contextos e das convicçõ es pessoais, sendo, portanto,
subjetivo.

1.2 Objeçõ es ao subjetivismo moral:


 o subjetivismo torna verdadeiro qualquer juízo moral sobre a realidade, nã o sendo possível, a partir daí,
aprovar ou condenar uma açã o, dado nã o existirem critérios objetivos de aná lise. Assim, nã o poderemos
afirmar categoricamente que matar, roubar, violentar sã o açõ es moralmente condená veis pois dependem da
posiçã o de cada indivíduo;
 o subjetivismo torna inviá vel a discussã o dos problemas morais, dado que todos os juízos proferidos sã o
verdadeiros, e negligencia a possibilidade de se encontrar consensos entre os valores;
 o facto de existir discó rdia entre os juízos morais nã o implica necessariamente que nã o haja objetividade
sobre um determinado assunto. O direito à vida é, em si mesmo, um valor moral objetivo.
Objeçõ es ao relativismo moral:
 o relativismo desvaloriza a opiniã o das minorias que também têm có digos morais teoricamente vá lidos;
 nã o é pelo facto de uma sociedade considerar que algo é moralmente correto que tal corresponde à
verdade;
 o relativismo implica que se tolerem có digos morais de outra sociedade que sã o reprová veis na sua;
 o relativismo promove o conformismo moral, dado que elimina o espírito crítico em nome da coesã o social.
Objeçõ es ao objetivismo moral:
 ao considerar os juízos morais independentes do contexto, o objetivismo moral assume que eles sã o
princípios gerais que têm pouca aplicaçã o prá tica, sendo meramente especulativos. Nã o podemos separar os
factos dos valores, e estes estã o sempre dependentes do contexto;

Adília Maia Gaspar | António Manzarra – Filosofia 10.º ano6


© Raiz Editora, 2019. Todos os direitos reservados.
 se por um lado é verdade que existem consensos em algumas matérias, por outro lado, algumas há que
suscitam discó rdia, contrariando a pretensã o de objetividade.

Adília Maia Gaspar | António Manzarra – Filosofia 10.º ano7


© Raiz Editora, 2019. Todos os direitos reservados.