Você está na página 1de 1

DIREITOS SOCIAIS DA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA DE 1988.

Existiram no Brasil sete constituições, a saber: 1824, 1891, 1934, 1937, 1946, 1967, 1988.
A regulamentação das relações de trabalho somente passou a ser abordada no texto constitucional a partir de 1934. A mudança mais
significativa observa-se a partir da Constituição de 1988 quando no capítulo reservado a Ordem Econômica o texto legal determina:
CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais da Atividade Econômica
Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim
assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes
princípios:
I - soberania nacional;
II - propriedade privada;
III - função social da propriedade;
IV - livre concorrência;
V - defesa do consumidor;
VI - defesa do meio ambiente;
VII - redução das desigualdades regionais e sociais;
VIII - busca do pleno emprego;
IX - tratamento favorecido para as empresas brasileiras de capital nacional de pequeno porte.
Parágrafo único. É assegurado a todos o livre exercício de qualquer atividade econômica, Getúlio Vargas.
independentemente de autorização de órgãos públicos, salvo nos casos previstos em lei. Brasil,1988)
Leia o texto acima e responda:
Em que constituição estão os princípios acima?
Que presidente instituiu as leis trabalhistas?
Em que inciso está representado a “liberdade de escolha” de emprego (o cidadão tem o direito de trabalhar na função escolhida e para a
qual preparou-se.

Considerando os aspectos culturais e econômicos em nosso país o estudo das relações de trabalho devem refletir a nossa tradição agro-
exportadora fundamentada na grande propriedade e no trabalho escravo além da exploração dos recursos minerais para exportação isto
somado a nossa tardia industrialização. Diante de tais discussões sobre o tema “direito do trabalhador” surgem como ameaça ao modelo
econômico que necessita de mão de obra não especializada e com baixo custo. O Estado brasileiro manteve-se distante da regulamentação
das relações de trabalho como forma de legitimação do modelo de base colonial e somente a partir dos anos de 1930 estabeleceu direitos e
deveres aos patrões e empregados considerando a implantação de uma nova política econômica cujo objetivo seria o crescimento a partir da
industrialização. Assim as leis trabalhistas implantadas no período Vargas (1930-1945) obedeciam um modelo nacionalista que rompia com a
tradição liberal e introduziam um novo modelo de Estado, com maiores poderes de intervenção na economia, reconhecendo o trabalhador
como sujeito de direito. Durante a ditadura do Estado Novo (1937-1945) a aliança entre trabalhadores urbanos e Estado resultou em
limitações na autonomia dos sindicatos. Com o fim da ditadura de Vargas havia no Brasil uma organização de massa com sentimento de
unidade e com disposição para a mobilização em busca da ampliação de direitos. Esta estrutura sindical representa um papel importante no
chamado período democrático (1946-1964) do qual destacamos dois momentos: A campanha nacionalista do Petróleo é Nosso (1947/1954) e
a defesa das reformas de base (1963/64) durante o governo João Goulart. No primeiro caso a estrutura sindical (de patrões e empregados)
mobilizou-se em torno de um projeto de intervenção do Estado na economia cujo resultado foi a implantação do monopólio estatal do petróleo.
No segundo momento a rede de sindicatos e organizações de trabalhadores rurais volta-se para a defesa da reestruturação da organização
econômica nacional apoiando à reforma agrária, a lei das remessas de lucros, a ampliação dos direitos políticos e educacionais.
Este período de mobilização foi interrompido a partir de 1964 em função do golpe militar apoiado pelos setores conservadores da sociedade
contando com ajuda dos Estados Unidos que financiou o processo de desestabilização do governo Goulart através de ataques na grande
imprensa utilizando-se do mito do “perigo comunista”.
Leia o texto acima e marque V ou F nas alternativas abaixo:
a)-------O Brasil é um país agroexportador (exporta produtos agrícolas)
b)-------A atividade agroexportadora do Brasil começou nas grandes propriedades da época da colônia com o trabalho escravo.
c)-------O Brasil é um país de industrialização tardia por causa da exploração colonial.
d)-------O Brasil demorou a legitimas os direitos dos trabalhadores porque necessitava de mão de obra barata não especializada seguindo o
modelo colonial.
e)------Com a nova política de Vargas (fazer o Brasil crescer a partir da industrialização) estabeleceu-se direitos e deveres para patrões e empregados.
f) -------Getúlio Vargas Implantou as leis trabalhistas.
g)-------Durante a ditadura do Estado Novo a autonomia dos sindicatos foi limitada.
h)------ A campanha nacionalista do Petróleo é Nosso com apoio dos sindicatos conseguiu o monopólio estatal do petróleo. Até hoje a
Petrobras é estatal.
i)------O governo João Goulart junto aos sindicatos e organizações de trabalhadores rurais queria a reforma agrária
j)------O período de grande atuação dos sindicatos foi interrompido pelo golpe militar apoiado pelos conservadores e pelos Estados Unidos.
Hah: Analisar o papel dos sindicatos no processo de resistência a ditadura militar
O regime militar reduziu os sindicatos a função de órgãos de suplementação das funções do 1-Qual a razão da perseguição aos líderes
Estado oferecendo serviços de saúde e lazer além de servir como organismo disciplinador dos sindicais durante o período militar?
trabalhadores. A mobilização dos metalúrgicos do ABC paulista é entendida como referência do 2-Que função os sindicatos tinham durante
rompimento – ainda no regime militar – deste quadro de subserviência dos sindicatos ao a ditadura militar?
governo e reflete movimentos reivindicatórios – que no final da década de 70 – eclodiram em 3-Que sindicato rompeu com essa
vários pontos do Brasil como os metalúrgicos de Contagem e João Monlevade, trabalhadores perseguição militar?
da construção civil de Belo Horizonte e professores de Minas Gerais.
Hab: Analisar o sindicalismo no final do século XX
A economia brasileira apresentou transformações consideráveis a partir dos anos de 1950 com a introdução de uma política que substituiu a
importação de produtos como eletrodomésticos e automóveis por tecnologia para fabricação destes itens aumentando a oferta de empregos
no setor industrial nacional. A manutenção deste modelo de crescimento exigia a proteção das empresas instaladas no Brasil e, para este fim,
foram criadas restrições a importação de produtos similares aos aqui fabricados. A partir do final dos anos de 1980 o chamado neoliberalismo
torna-se hegemônico e aplicam-se políticas de livre importação. Os países de industrialização tardia, como o Brasil, sofrem uma acentuada
queda nas vagas de emprego em função do fechamento de estabelecimentos industriais que transformam-se em montadoras de produtos
cujas fábricas encontravam-se nos mais variados pontos do planeta. A tradição sindical nacional de atuar através de grandes mobilizações de
massa sofre um considerável recuo provocado – inclusive – pelo temor dos trabalhadores em perder o emprego ou mesmo pelo
enfraquecimento quantitativo de categorias que tradicionalmente encabeçavam tais reivindicações.
Por que o emprego nas indústrias aumentou a partir de 1950?
Porque com o neoliberalismo as vagas de emprego diminuíram no Brasil?
Porque os trabalhadores com tradição sindical ficaram com medo de fazer novas manifestações?