Você está na página 1de 5

Cadeira: Direito dos contratos

Ano: 4 ° ano/diurno
Turma:4L7LDR1CJE
Agina Januário:2017131137
Albertina António Maundza:2017131092
Arleth Ramos:2017131181
Dercia Massango
Estevão Filimão Valoi Júnior:2017131107
Yara Afo

Função Social dos Contratos

A Função Social dos contratos Agrupado aos princípios tradicionais, como por exemplo
o da autonomia da vontade e da obrigatoriedade.

Desse modo, a função social é como uma espécie que limita a autonomia da vontade,
fazendo com o que impeça que tal autonomia esteja em confronto com o interesse
social. Essa é uma forma de intervenção estatal na confecção e interpretação dos
instrumentos contratuais, para que esses tenham além da função de estipular os
interesses dos contratantes.

Autonomia Privada x Autonomia de Vontade

A autonomia privada é um dos princípios do Código Civil, que tem por objetivo a
materialização por meio de negócios jurídicos já a autonomia da vontade se estabelece
na ampla liberdade para o negocio contratual, com o poder de mediar suas vontades em
um contrato.

De maneira resumida, a autonomia privada é a ordenação das próprias relações


jurídicas, indicando a respectiva disciplina jurídica. Já autonomia da vontade é
o controle na prática de determinados atos.

Responsabilidade pré-contratual e contrato preliminar

De forma simplificada, responsabilidade pré-contratual é basicamente o princípio da


boa-fé objetiva com regras iniciais para o negócio proposto,  já o contrato preliminar é
uma maneira de pactuar uma vontade que ainda será firmando em contrato, de maneira
resumida, é um contrato pré-estabelecido antes do contrato definitivo.

Principais princípios do direito dos contratos

Princípio da boa-fé

Ao falar da boa-fé importa dizer que esta pode ser objectiva ou subjectivas, a boa-fé
subejectiva consiste num estado psicológico de ignorância da ante juridicidade ou do
potencial ofensivo, já a boa-fé objectiva que é aquela que tem relevância para o direito
dos contratos pressupõe uma regra de conduta comportamental que se espera que um
individuo assuma, uma atitude de confiança, lealdade, sem causar danos a mesma, agir
com ética nas relações jurídicas ate o adimplemento do contrato, sem em nenhum
momento prosseguir com intenções danosas a contraparte segundo artigo 227 do código
civil. Importa salientar que este princípio se encontra refletido em varias partes do
código civil, passo a fazer referência dos dispositivos legais artigo 612 seguindo a
interpretação ao contrário senso, artigo 762,243 e 1260.

Princípio da autonomia privada e da vontade

É o princípio que afirma o poder às partes de dispor de seus próprios interesses


mediante acordos deste modo conferindo às partes contratantes de suscitar os efeitos
que pretendem, sem que a lei imponha seus preceitos indeclinavelmente e por meio
desta, as partes estão livres para determinar o conteúdo do contrato, nos limites legais
imperativos este pode se manifestar através da liberdade contratual que vem conceder as
partes a liberdade de fixação de conteúdo ao contratar, onde estes além de fixarem de
livre ânimo o contudo, ao contratarem as partes podem escolher qualquer forma de
contrato que lhes provier, fixo ou não no código civil segundo o artigo 405 do código
civil, esta esta liberdade deve ser exercida nos limites da lei.

Princípio do Consensualismo

O Princípio do Consensualismo tem como objetivo esclarecer a exigência do acordo


mútuo para a perfeita formação do contrato, isto é, o contrato exige o consenso das
partes, ou ainda, o contrato sustenta-se no acordo de vontade das partes para a produção
de validade sendo o contrato um negócio jurídico bilateral. Por isso, deve respeitar o
consenso mútuo para que tenha validade.

Princípio da Força Obrigatória do Contrato (“pacta sunt servanda”)


O princípio da obrigatoriedade estabelece que todos acordos que forem celebrados pelas
partes deve ser cumpridos sub pena da parte descumpridora responder pelos danos que a
outra parte vir a sofrer, estes acordos por si celebrados vincula ambas as partes tendo as
mesma de fazer valer o que foi estipulado no contrato.

Principais Cláusulas de um Contrato

Essencialmente, todo contrato é formado por cláusulas. Cada cláusula de um contrato


tem a função de descrever regras, informações e acordos entre as partes que irão assinar
o documento.Cada contrato possui cláusulas específicas para sua função onde
destancase:

1das partes

Que visa a identificacao das partes que e normalmente a primeira cláusula em


contratos. Nela, ficam descritas todas as informações de identificação de quem está
contratando e de quem está sendo contratado.É cláusula que define tudo o que está
sendo contratado. É o trecho que deve descrever em detalhes sobre o que aquele
contrato se trata, ou o que será entregue.

3 – Do Preço e Condição de Pagamento

Nesta cláusula toda a atenção aos detalhes é pouca.É um trecho de um contrato onde os
investimentos, forma de pagamento e datas do que foi contratado deverão estar bem
claros para quem contrata e para quem está sendo contratado.

4 – Do Prazo

Nesta seção de um contrato, devem ser explicadas, com o máximo de informações


possíveis questões como:Prazo de entrega;Questões de atrasos;Cronograma e mudanças
de cronograma;Vigência do instrumento e quanto tempo a relação contratual irá
continuar;Vinculação do prazo a outras condições de pagamento, penalidades etc.
5 – Das Condições de Rescisão

Todo contrato deve deixar claras quais são as condições para que este seja rescindido
caso uma das partes não deseje mais continuar, bem como os critérios para que isto
ocorra.Todo tipo de acordo deve explicitar no documento informações que deem
orientações e apoio a parte que não quer mais continuar, mas também deve proteger a
outra parte envolvida no contrato.

6 – Das Penalidades e Multas

Complementando a cláusula anterior, é preciso que todo contrato contenha um trecho


explicando o que acontece quando uma das partes não cumprirem o que foi acordado no
documento.É possível estipular multas, cláusulas indenizatórias e até sanções para quem
não cumprir o contrato.

A principal razão desta cláusula é garantir a segurança de ambas as partes, desde que
sejam viáveis, razoáveis e proporcionais, bem como proporcionar reparação em caso de
descumprimentos que possam causar danos a qualquer das partes.Importa salientar que
alem destas clausulas gerais podem constar do contratos outras clausulas se assim as
partes acordarem como: clausula penal, compromissoria, de agravamento de
resposabilidade, de garantia etc.

Características do Contrato

O direito dos contratos é caraterizado pela: autonomia: autonomia que os particulares


têm para desenvolver as relações conforme o seu interesse, è limitada pela lei e pelos
princípios do direito ou seja conduz uma determinada situação, pela Liberdade: onde as
partes tem o livre arbitro se limitando a lei, ou seja as partes são livre de contratar com
quem lhes provier f, fixar o conteúdo que lhes provier e contratar com quem estes
melhor se sentirem, pela bilateralidade pressupõe a existência de duas partes ou mais ou
seja deve haver a qui uma paridade para que haja uma relação jurídica e pala
igualdade onde as partes se encontra em pé de igual dade e os acordos serão celebrados
de igual para igual sem que nenhuma delas esteja em situação vantajosa em relação a
outra como acontece o direito publico, na verdade as características o direito dos
contratos advém do direito privado por ser este um ramo do direito privado.