Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA

CAMPUS DE JEQUIÉ- DEPARTAMENTO DE QUÍMICA E EXATAS

DISCIPLINA: QUÍMICA ANALÍTICA III- EXPERIMENTAL

DOCENTE: BRUNO FERREIRA DOS SANTOS

Titulações Condutimétricas de Neutralização

Carine Souza dos Santos

Vanessa Neres Santana

Setembro de 2015

Jequié - Ba
INTRODUÇÃO

As análises condutométricas baseiam-se na medida da condutância


elétrica das soluções iônicas, onde monitora-se a capacidade do analito em
conduzir uma corrente elétrica. A medida direta da condutância é de aplicação
limitada em virtude do caráter não seletivo desta propriedade, já que é
diretamente proporcional ao número de íons presentes na solução. O tamanho
dos íons é importante por determinar a velocidade com que estes podem
propagar-se através da solução. Os íons menores movem-se mais rapidamente
do que os maiores. A carga é significante por determinar a força da atração
eletrostática entre o eletrodo e os íons. A aplicação mais ampla da titulação
condutométrica, é onde as medidas de condutância são usadas para a
localização do ponto final. Em soluções líquidas, a corrente é conduzida entre
os eletrodos pelos íons dissolvidos.

A condutância específica de uma solução de um eletrólito depende dos


íons presentes, variando a sua concentração. Quando se dilui a solução de um
eletrólito, a condutância específica diminui, pois há menos íons por mL de
solução para conduzir a corrente. Se a solução se coloca entre dois eletrodos
separados e suficientemente grandes como para conter totalmente a solução, a
condutância aumenta à medida que a solução se dilui. Isto se deve
principalmente a uma diminuição das ações interiônicas dos eletrólitos fortes e
a um aumento na grade de dissociação dos eletrólitos fracos. Se existe um
equivalente grama do soluto, a condutância dessa solução se denomina
condutância equivalente. Para eletrólitos fortes, a condutância equivalente
aumenta à medida que a concentração diminui e se aproxima de um valor
limite, denominado condutância equivalente à diluição infinita. A quantidade
dessa condutância equivalente pode ser determinada por extrapolação. Já para
os eletrólitos fracos, não se pode empregar o mesmo método, mas pode-se
calcular através da condutância equivalente, a diluição infinita dos respectivos
íons de acordo com a Lei de migração independente dos íons.
A titulação condutométrica requer uma célula apropriada para a
condução da titulação e a medida da condutância. Como a titulação não requer
medidas absolutas da condutância, a célula não precisa ser calibrada,
bastando que os eletrodos sejam mantidos em posições fixas durante a
titulação. Na titulação condutométrica, a solução padrão é adicionada de uma
bureta em sucessivos incrementos. Após a adição de cada incremento, é
medida a condutância da solução. A adição da solução padrão ocasiona um
certo aumento de volume e, portanto, um certo efeito de diluição que afeta a
medida da condutância. O efeito de diluição pode ser grandemente diminuído
com o uso de uma solução padrão 10 a 20 vezes, pelo menos, mais
concentrada do que a solução em estudo.
OBJETIVOS

 Aprender a realizar titulações condutimétricas para determinação do teor


de uma substancia em uma amostra;
 Aprender a fazer gráficos de titulação condutimétrica para localização do
ponto final usando-se uma planilha eletrônica;
 Determinar a concentração de uma solução de ácido clorídrico usando-
se titulação condutimétrica de neutralização;
 Determinar a quantidade de ácido acetilsalicílico em comprimidos de um
fármaco usando-se titulação condutimétrica de neutralização.

MATERIAIS
(Vide roteiro de aulas práticas de Química analítica III- Prática 1)

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
(Vide roteiro de aulas práticas de Química analítica III- Prática 1)
RESULTADOS E DISCUSSÃO

1. TITULAÇÃO CONDUTIMÉTRICA DE HCL COM NAOH

Inicialmente calibrou-se a célula de condutividade com solução padrão


de KCl 0,1000 mol/L, afim de minimizar erros durante a titulação, e montou-se
o sistema de titulação, transferindo 50,0 mL de ácido clorídrico para um béquer
de 250,0 mL e diluir com 150,0 mL de água ultrapura sobre agitador magnético.
Em seguida adicionou-se incrementos de 0,5 mL do titulante (NaOH 0,05342
mol/L) até perto de 4,5 mL, após esse volume adicionou-se incrementos de
0,20 mL até ponto final após ponto final voltou-se a incrementar 0,5 mL,
anotando-se sempre os valores de condutância após a adição do titulante,
como mostrado na tabela 1.

As titulações condutimétricas baseiam-se na medição da condutividade


de uma solução em função do volume de titulante adicionado, e estas podem
ser reações ácido-base ou de precipitação. Quando se titula um ácido forte
com uma base forte, como representado pela equação 1, têm-se que até o
ponde de equivalência o resultado desta reação é a substituição de H + por M+
do qual resulta uma diminuição da condutividade pois a condutividade do H + é
muito maior do que a condutividade de qualquer outro cátion e depois do ponto
de equivalência adiciona-se um excesso de M+ e OH- e a condutividade
começa de novo a aumentar, conforme figura 1.

Eq1.
+¿ ¿
−¿❑→ H O+ X−¿+ M ¿¿
⟵ 2
+¿ +OH ¿
−¿+ M ¿
+¿+ X ¿
H

Tabela 1: Titulação condutimétrica de HCl.

Volume (mL) Condutância (μS/cm)

0,0 629,7
1,0 509.1
2,0 398,9
3,0 282,5
4,0 184,1
4,2 179,3
4,4 186,1
4,6 192,0
4,8 196,7
5,0 214,1
6,0 261,8

Em seguida montamos o gráfico 1 da curva de titulação e podemos


observar que o ponto de equivalência é no segundo ponto, referente a adição
de 1,0 mL do titulante. Assim foi possível calcular a concentração de HCl que
foi de 0,01068 mol L-1.

Gráfico 1: Titulação condutimétrica de HCl

700

600

500
Condutância (μS/cm)

400

300

200

100

0
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18
Volume (mL)

Para uma maior exatidão na localização do ponto de equivalência, é


desejável que os dois ramos da curva de condutância x volume forme um
ângulo agudo. Para um ângulo obtuso, uma pequena diferença na medida da
condutância acarreta um erro considerável na localização do ponto final.

2. TITULAÇÃO CONDUTIMÉTRICA DE ÁCIDO ACETILSALICÍLICO EM


FÁRMACO

Neste experimento, o teor de ácido acetilsalicílico (AAS) num comprimido é


determinado através de sua titulação com uma solução padronizada de
hidróxido de sódio, sendo que a reação de neutralização é a seguinte:

C8O2H7COOH(aq) + NaOH(aq)   C8O2H7COONa(aq) + H2O(l)

Tabela 2: Titulação condutimétrica de AAS.

Volume (mL) Condutância (μS/cm)

0,0 183,3
1,0 159,1
2,0 156,8
2,2 156,5
2,4 156,7
2,6 157,8
2,8 159,3
3,0 164,0
3,5 172,5
4,0 176,9
5,0 201,3

Na realização da prática obtiveram-se resultados diferentes da teoria,


como representado na figura 1, o que dificulta a visualização do ponto de
equivalência da titulação, não obtendo com precisão a concentração de ácido
acetilsalicílico.
Figura 1: Titulação condutimétrica ácido forte-base forte

Gráfico 2: Titulação condutimétrica do AAS

250

200
Condutância (μS/cm)

150

100

50

0
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18
Volume (mL)

CONCLUSÃO
Conclui-se que foi possível compreender os gráficos gerados após a
titulação condutimétrica, sendo possível identificar o ponto de equivalência e
calcular a concentração do ácido clorídrico. No entanto a titulação do ácido
acetilsalicílico não foi realizada com êxito, não sendo possível identificar o seu
ponto de equivalência com precisão e calcular a sua concentração no fármaco.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
HARRIS, D., Análise Quantitativa. 5° Edição, Editora LTC. Rio de Janeiro,
2000.SKOOG, D.A., HOLLER, F.J., et. al. Fundamentos de Química
Analítica. 8° edição, Editora Learning. São Paulo, 2008.

SKOOG, D. A.; HOLLER, F. J; NIEMAN, T. A. Fundamentos de Química


Analítica, Tradução da 8ª edição Norte-Americana, Thomson Learning, São
Paulo, 2006.

Você também pode gostar