Você está na página 1de 5

AP3

Disciplina PLANEJAMENTO ESTRATEGICO


1 ) Identificar e explicar o processo de construção de cenário de uma
organização e a importância da definição das competências
essenciais;

Ao falarmos de construção de cenários estamos falando de uma ferramenta que


pode ser usada na construção do planejamento estrategico futuro da
organização.
A construção de cenários oferece um meio para prevermos os resultados
projetados, permitindo que parâmetros sejam traçados e possíveis situações
sejam visualizadas antes de ocorrem. Podemos também dizer que o conceito
sobre o que é construção de cenários identifica fatores que podem se tornar
reais a longo prazo por meio de critérios seguros, e dá a empresa a
possibilidade de se preparar para as situações que estão por vir. O que é
construção de cenários vem se disseminando cada vez mais entre os gestores
das principais empresas do mundo, com isso precisamos estar atualizados
quanto a isso se quisermos nos manter forte no mercado competitivo.
.
Para definir o conceito de cenários, vamos seguir alguns autores.
Ringland (2006) o planejamento de cenários é uma parte do planejamento
estratégico que combina ferramentas e tecnologias para administrar as
incertezas do futuro, ou seja, são modelos para antecipar, o que o autor
chama de vida real (2006). Para Schoemaker (1995) o planejamento por
cenários é um método estruturado (disciplinado) para imaginar futuros
possíveis. E enfatizado por esse autor que, dentre as diversas
metodologias para se pensar o futuro, o planejamento por cenários se
destaca pela habilidade de capturar uma grande gama de possibilidades,
com alto grau de riqueza nos detalhes. Na concepção de Porter (1996),
um cenário é uma visão internamente consistente da estrutura futura de
um setor. É baseado num conjunto de suposições plausíveis sobre as
incertezas importantes que poderiam influenciar a estrutura industrial.
Conseguimos identificar algumas semelhanças na formas dos autores
tratarem os cenários: E elaborada visões estruturadas de situações
futuras; falam de incertezas e de como trabalhá-las em situações futuras
possíveis. O método de cenários é importante instrumento do processo de
tomada de decisões. Para Turner (2008), o uso de cenários faz com que a
organização pense de forma sistemática e estratégica sobre a variedade
de potenciais resultados, sem a influência de seus próprios vieses,
opiniões e preconceitos. Este autor pensa que, o planejamento por
cenários permite que a organização reflita e ensaie diversos futuros
possíveis, e evita o comodismo ou receio de mudar uma situação
presente favorável. Mais uma característica interessante sobre o estudo
de cenários é dado por Mc Master (1997) que diz que os cenários
permitem conjeturar sobre possíveis situações futuras para que a
empresa se adapte a fenômenos emergentes, adequando- se aos
eventos na medida em que um dos cenários identificados se concretize,
sem a necessidade de uma preparação ultradetalhada e cara.

2) Explicar o processo de elaboração dos objetivos apresentando as suas


reais e importantes características;
O processo de elaboração de objetivos é composto de alguns pontos básicos
que dão o norte inicial do negócio. Antes de iniciar toda a análise financeira,
estrutural e de custo, necessário é definir qual o papel da futura empresa diante
a sociedade, qual vai ser sua intenção e ou objetivo, o que trará de benefícios,
qual diferencial irá oferecer ao seu público. Com esse contexto destacamos a
definição destes três pontos: visão, missão, valores.
São esses os pontos e suas reais caracteristicas
VISÃO: Na visão da organização são destacadas quais são os objetivos a
serem alcançados pela empresa com as suas atividades. É necessário que se
estabeleça prazos para a obtenção dos resultados, sendo estes condizentes
com a real capacidade da empresa de alcança-los. Traçar objetivos irreais ou
distantes demais podem acarretar em desmotivação precoce, trazendo a
consequente perda de foco no que tange ao andamento dos negócios.
MISSÃO: A missão da empresa deve ser composta essencialmente daquilo que
a organização pretende oferecer aos clientes decorrente da prestação de serviço
ou produto que irá oferecer a eles. Nela serão descritas as características de
seu negócio, os pontos principais a serem abordados por ele e quais as
expectativas a serem sanadas por você como empresa.
VALORES: Neste item são colocadas todas as crenças das quais a sua
empresa irá se basear para dar andamento a suas atividades. Aqui destacam-se
os valores pessoais dos empreendedores, que permeiam suas ações perante a
vida e que devem ser seguidos também no andamento dos seus negócios. São
ideais seguidos ao longo de sua trajetória e que dão o embasamento para o
desenvolvimento de atividades e atitudes ao decorrer do caminho empresarial.
Estes três itens são a base para se iniciar um bom planejamento estratégico,
porém, mais importante do que defini-los é, implanta-los e acompanha-los ao
longo da trajetória empresarial, de forma que todos os itens ali expostos possam
ser devidamente realizados da maneira como foram projetados. Posteriormente
a missão, visão e valores, agregam-se os demais dados relativos ao
empreendimento, no caso, os dados financeiros, estruturais, de custos,
viabilidade, demanda e etc.

3) Explicar as finalidades da função controle e avaliação, identificando e


explicando as suas reais necessidades em uma empresa;

A função controle e avaliação se refere à função administrativa que consiste em


medir e corrigir o desempenho, a fim de assegurar que os objetivos
rganizacionais e os planos estabelecidos sejam realizados. Como exemplo: os
controles realizados durante a elaboração e confecção da folha de pagamento
dos colaboradores de uma organização, que, em síntese, exige cuidados e
atenção com os detalhes referentes a salários, horas extraordinárias, descontos
de previdência, imposto de renda e outros. Oliveira (2013) afirma que o controle
dos processos, como de uma folha de pagamento, pode ser exercido em três
estágios distintos, sendo: controle em tempo corrente, controle preliminar e o
pós-controle. OLIVEIRA, D. P. R. Sistemas, organização e métodos: uma
abordagem gerencial. 21.ed. São Paulo: Atlas, 2013.

4) Explicar como funcionam o BSC (Balanced Scorecard) e a eficácia


que ele tem quando existente em uma organização

E a metodologia avalia o desempenho e desenvolvimento das empresas


através de planejamentos e metas. O sistema de gestão BSC simplfica a
comunicação entre os colaboradores e gestores.
Na década de 80 as empresas realizavam métodos de análise e avaliação de
desempenho baseados somente em indicadores financeiros que só mostravam
as decisões passadas. Até então não havia uma integração clara entre esses
indicadores e as estratégias da empresa, como participação do mercado,
relacionamento com o cliente, qualidade do produto, crescimento e outros
setores.

Após analisar que esse tipo de ação era insuficiente para o crescimento da
empresa, Robert Kaplan e David Norton decidiram criar uma estratégia que
atingisse todos os setores da companhia e que tivesse o envolvimento de todos
os colaboradores. Foi então que na década de 90 surgiu o Balanced Scorecard
(BSC), uma metodologia de medição e gestão estratégica que reúne elementos
para acompanhar o planejamento e desempenho das atividades realizadas em
uma organização. Para Kaplan e Norton o BSC tem a função de explicar as
estratégias das empresas através de metas, e esclarecer para todos os níveis
hierárquicos a visão, missão e estratégias da empresa. O BSC é um sistema que
dá certo porque transmite a estratégia empresarial para todas as pessoas da
organização.

Eles concluíram que os indicadores financeiros deixaram de ser um sistema de


medição para ser um sistema de gestão que facilita a comunicação entre os
gestores e funcionários na hora de definir as estratégias. Assim as empresas
acompanham não só os resultados financeiros, mas também o da evolução dos
bens intangíveis necessários para expandir o crescimento futuro.

O Balanced Scorecard é baseado em quatro perspectivas, divididos em:


financeira, clientes, processos internos e aprendizado/crescimento. O financeiro
é voltado para a rentabilidade do que foi investido; o setor de clientes tem como
objetivo criar novos valores para os consumidores e focar no desenvolvimento
de segmentos de mercado; a perspectiva dos processos internos atua na
satisfação do cliente e no alcance dos objetivos financeiros; o aprendizado
desenvolve a estrutura necessária para crescer e manter esse crescimento em
longo prazo. Para aplicar o BCS é preciso deixar claro para os funcionários a
missão e a visão da empresa para que as metas propostas sejam atendidas e
usar essas informações nas ações estratégicas.
O BSC é muito utilizado entre os gestores que precisam tomar vários tipos de
decisões, tanto na parte operacional quanto no cumprimento de metas, análise
dos produtos e clientes. Além disso, o BSC ajuda os gestores no
desenvolvimento das estratégias e garante que cada colaborador esteja
envolvido no processo para executar as tarefas passadas. O processo também
avalia a capacidade dos funcionários, a qualidade dos processos, a perspectiva
dos clientes e o retorno do dinheiro investido.

REFERENCIA

SCHWARTZ, Peter. Scenario Planning: Managing for the future. Wet Sussex, England,
1998.

RIBEIRO, J. M. F. O método dos cená rios de Michel Godet e a prospectiva estratégica.


In J. M. F. Ribeiro (org.). Prospectiva e cená rios: uma breve introduçã o metodoló gica.
Lisboa: Departamento de Prospectiva e Planejamento, 1997.

PORTER, Michael E. Competiçã o: estratégias competitivas essenciais. 7 ª ed. Rio de


Janeiro: Campus, 1999.

MC MASTER, M. Antevisã o: explorando a estrutura do futuro. In J. M. F. Ribeiro


(org.). Prospectiva e cená rios: uma breve introduçã o metodoló gica. Lisboa:
Departamento de Prospectiva e Planejamento, 1997.

GIL, A. Como elaborar projetos de pesquisa. Sã o Paulo: Atlas, 1987.

RAFAEL, Planejamento Estrategico. ADMINISTRADORES.COM. 2015


Disponivel em <URL>: https://administradores.com.br/artigos/planejamento-
estrategico-missao-visao-valores-sua-importancia-para-a-estrutura-do-seu-negocio