Você está na página 1de 32

Economia

CTeSP – Gestão de Vendas e


Marketing

Ano Letivo 2018/2019


Docente: Alexandra Gordo
Estruturas de Mercado
• A EMPRESA
▫ É o agente económico que transforma factores produtivos e
bens intermédios em bens;
 os bens são o resultado da actividade de produção, da
combinação e transformação de factores e bens
intermédios;
 De notar que os bens intermédios são também o resultado
de um processo de produção:
▫ também eles resultam da combinação de factores e bens
intermédios.
• O objectivo último da empresa é a maximização do
lucro económico total, a diferença entre:
 receitas: que resultam da venda dos seus produtos; e
 custos: resultado do consumo dos factores produtivos e bens
intermédios utilizados na produção.

 O lucro económico total é o rendimento que resta após o


pagamento dos factores produtivos usados:

Lucro Total (LT) = Receita Total (RT) – Custo Total (CT)

Já analisámos os Custos, faltam as Receitas…


Análise da Receita Total
• A Receita total corresponderá ao produto entre o preço e a
quantidade. Mas o preço pode depender da quantidade
vendida!

• Para se desenvolver esta análise, é necessário conhecer a curva


da procura específica da empresa, isto é, a curva da procura
que a empresa enfrenta que, por sua vez, só coincidirá com a
curva da procura de mercado, caso seja a única empresa a
abastecer o mercado (monopólio).
Análise da Receita Total
• A curva da procura específica da empresa traduz a quantidade
procurada do seu próprio produto, para cada nível de preço cobrado.
A partir desta função, é possível deduzir a função receita total que
traduz a receita total resultante de cada volume de produção.

RT = P(Q) x Q
Estruturas de Mercado –
• A estrutura de cada mercado varia de acordo com o número
de participantes que nele intervêm e com o modo como estes
se relacionam. Genericamente, podemos classificar os
mercados em dois tipos: mercado de concorrência
perfeita e mercado de concorrência imperfeita
Estruturas de Mercado –
CONCORRÊNCIA PERFEITA
• Existem muitas empresas pequenas a produzir um produto
idêntico e cada é uma demasiado pequena para influenciar o
preço de mercado

• Cada empresa confronta-se com uma curva de procura (dd)


completamente horizontal (perfeitamente elástica

• A receita adicional resultante de cada unidade adicional vendida


é igual ao preço de mercado
• Existem muitos produtores e consumidores (são negligenciáveis
individualmente):
▫ cada produtor ou consumidor individual é incapaz de
influenciar o mercado (produtores e consumidores são price-
takers), mas:

▫ o conjunto de todos esses agentes determina a oferta e a


procura de mercado (o conjunto deles afectam o mercado e o
seu equilíbrio)
• O preço é formado no mercado e constitui um dado para a
empresa.

• Assim, se, por exemplo, uma determinada empresa decidir


aumentar a quantidade oferecida, o preço de mercado não se
altera; porém, se todas fizerem o mesmo, o preço de mercado
diminui. Ao preço de mercado, a empresa vende a quantidade
que quer.
Concorrência Perfeita – Procura
perfeitamente elástica
Concorrência Perfeita -Maximização do
lucro: Preço igual a custo marginal
Maximização do lucro

max   P q  C( q )
q
Solução

  0  P  C ( q )
Uma empresa em concorrência perfeita maximiza o lucro
quando a sua produção estiver no nível em que o custo
marginal é igual ao preço:
CMa = P
Concorrência Perfeita - Custo total e
condição de encerramento

▫ CUSTO TOTAL
 Será possível que no equilíbrio (P = CMa) uma empresa
esteja a perder dinheiro e prefira o seu encerramento?

 Depende, uma vez que mesmo a perder dinheiro uma


empresa pode preferir continuar a funcionar se o prejuízo for
inferior aos custos fixos (rígidos no curto prazo).
Concorrência Perfeita - Custo total e
condição de encerramento

▫ CONDIÇÃO DE ENCERRAMENTO
 O ponto de encerramento ocorre quando as receitas apenas
cobrem os custos variáveis ou quando o prejuízo é igual aos
custos fixos. Quando o preço é inferior aos custos variáveis
médios, a empresa maximiza os lucros (minimizando os
prejuízos) com o encerramento.
Estruturas de Mercado –
CONCORRÊNCIA IMPERFEITA
• A concorrência imperfeita verifica-se num sector de
actividade sempre que existam vendedores individuais que
detêm algum controlo sobre o preço de mercado.

• O grau de influência sobre o preço depende de sector para


sector, estando relacionado com a elasticidade da curva da
procura.
Estruturas de Mercado – TIPOS DE
CONCORRÊNCIA IMPERFEITA

• Monopólio - O caso extremo de concorrência imperfeita é o


monopólio em que só uma empresa opera no mercado
(monopólio do grego: mono para “um” e polist para
“vendedor”).
Estruturas de Mercado – TIPOS DE
CONCORRÊNCIA IMPERFEITA

• Oligopólio - O termo oligopólio significa “poucos


vendedores”, que podem ser desde 2 a 10 ou 15. Cada empresa
individualmente pode influenciar o preço de mercado mas de
forma menos decisiva do que no caso do monopólio.
Estruturas de Mercado – TIPOS DE
CONCORRÊNCIA IMPERFEITA

• Concorrência monopolística - A concorrência


monopolística ocorre quando um número elevado de vendedores
produz produtos diferenciados. Difere da concorrência perfeita
pelo facto dos produtos vendidos pelas diferentes empresas não
serem idênticos, o que confere às empresas a possibilidade de
controlar parcialmente o preço.
Concorrência Monopolística
• Estrutura de mercado intermediária entre a concorrência perfeita
e o monopólio, mas não se confunde com o oligopólio pelas
seguintes características:

▫ Cada empresa produz um produto diferenciado, mas com


substitutos próximos;
▫ As empresas podem agir como monopolistas, mas o preço dos
seus concorrentes limita tal poder;
▫ As empresas tentam manter ou aumentar a sua quota de
mercado através de uma "guerra de publicidade”.
• Porque razão certos sectores têm uma situação próxima
da concorrência perfeita e outros são caracterizados por
poucas empresas de grande dimensão ?

▫ Economias de escala - Os sectores tendem a ter menos


produtores quando existem economias de escala significativas
ao nível da produção. Nestas condições as empresas maiores
têm custos médios menores e podem vender a um preço
inferior ao custo das pequenas empresas, que não podem deste
modo sobreviver.
• Porque razão certos sectores têm uma situação
próxima da concorrência perfeita e outros são
caracterizados por poucas empresas de grande
dimensão ?

▫ Barreiras à entrada - Os mercados tendem para a


concorrência imperfeita quando existem barreiras que
impedem a entrada de novas empresas. Estas barreiras
podem resultar de leis ou regulamentação do governo, bem
como de factores económicos que tornem demasiado
dispendioso um novo concorrente entrar no mercado.
Monopólio - Um único fornecedor de um bem
único, sem substitutos próximos
Maximização do lucro
max   P ( Q ) Q  C( Q )
Q

Solução
  0  P ( Q ) Q  P  C ( q )

RMa CMa

Uma empresa monopolista maximiza o lucro quando a


sua produção estiver no nível em que a receita marginal
é igual ao custo marginal :
RMa = CMa
Monopólio - Max. lucro: Receita
marginal igual a custo marginal
• Receita Marginal e Preço
▫ A receita marginal (RMa) é a variação da receita que deriva
da venda de uma unidade adicional. A RMa pode ser
positiva ou negativa
• Elasticidade e Receita Marginal
▫ A receita marginal é positiva quando a procura é elástica,
nula quando a procura tem elasticidade unitária, e negativa
quando a procura é rígida.
Oligopólio
• O Oligopólio é um tipo de estrutura normalmente caracterizada
por um pequeno número de (grandes) empresas que dominam
a oferta de mercado;
• O oligopólio pode ter duas, três, dez ou mais empresas,
dependendo da natureza da indústria
• As empresas levam em consideração e tem reações quanto às
decisões de preço e a produção de outras, ou seja a variação do
PREÇO depende da concorrência.
Oligopólio
• O Oligopólio pode ser puro ou diferenciado. É considerado
puro caso os concorrentes ofereçam um produto homogéneo
(substitutos perfeitos entre si);
• Os Oligopólio puros podem ser encontrados nos serviços das
empresas aéreas, por exemplo.
• Oligopólio diferenciado – verifica-se na indústria
automobilística e de cigarros, cujos produtos, embora
semelhantes, não são idênticos
Oligopólio

• Existência de dificuldades para entrar neste mercado Da


mesma forma que no monopólio, existem barreiras que,
impedem a entrada e saída de novas empresas no mercado.
Oligopólio – Modelo Cournot
• O produto é homogéneo
• O preço (único) de mercado resulta da oferta agregada das
empresas
• As empresas determinam entre si a quantidade oferecida
• As quantidades são escolhidas simultaneamente
• O Lucro da empresa é função da quantidade produzida por
essa empresa e do preço de mercado, que por sua vez é função

da quantidade produzida por ambas as empresas.


Oligopólio – Modelo Bertrand
• O produto é homogéneo
• O preço (único) de mercado resulta da oferta agregada das
empresas
• As empresas determinam entre si o preço
• Os preços são escolhidos simultaneamente
• O preço e a quantidade de equilíbrio no modelo Bertrand (com
empresas idênticas) são iguais aos valores de concorrência
perfeita.
Oligopólio
• O oligopólio, objecto central da Economia Industrial, caso
intermédio como já vimos entre o monopólio e a
concorrência perfeita, distingue-se pela interdependência
entre as acções das diferentes empresas. Por isso recorre-se
à Teoria dos Jogos.

• A análise formal de uma situação de comportamento


estratégico começa pela formulação de um jogo.
• Um jogo é constituído por um conjunto de jogadores, um
conjunto de estratégias possíveis para cada jogador, um
conjunto de funções utilidade também para cada jogador e
um conjunto de regras.
O Dilema do Prisioneiro
• O dilema do prisioneiro é um famoso problema da teoria dos
jogos, que retrata uma situação em que dois criminosos são
presos por cometerem um crime.

• A polícia não tem evidências para condená-los e os presos são


colocados preventivamente em celas separadas antes de serem
interrogados em separado.

• O dilema do prisioneiro é um jogo não cooperativo, onde cada


prisioneiro (jogador) tem decidir se confessa ou não confessa o
crime praticado (estratégia) sendo a pena (pay-off)
determinada em função dos depoimentos de ambos os
prisioneiros.
• As decisões são simultâneas e cada um não sabe da decisão do
outro. Se ambos confessarem o crime têm, cada um, uma pena
de 1 ano de prisão, se nenhum confessar têm 2 anos de prisão
e se um confessar e o outro não o que confessa tem 3 anos de
prisão e o outro fica livre.

Jogador 2

Confessa Não confessa

Confessa ( -1 , -1 ) ( -3 , 0 )

Não confessa ( 0 , -3 ) ( -2 , -2 )
Não
Confessa
confessa

Confessa ( -1 , -1 ) ( -3 , 0 )

Não
( 0 , -3 ) ( -2 , -2 )
confessa

Equilíbrio de Nash
Neste ponto nenhum jogador
tem incentivo para alterar a sua
estratégia
Resumo
• Lucro Total
• Análise da Receita Total
• Concorrência Perfeita
• Monopólio
• Concorrência Monopolística
• Oligopólio
• Teoria dos Jogos

Você também pode gostar