Você está na página 1de 110

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA

I N ST I T U T O S U P E R I O R D E C O N TA B I L I D A D E
E ADMINISTRAÇÃO DE LISBOA

A T R A N S PA R Ê N C I A F I S C A L

Maria Ad elaid e Morais

Lisboa, março de 2015


INST ITUTO POLIT ÉCNICO DE LISBOA
INST ITUTO SUPERIOR D E CONTABILIDADE E
ADMINISTRAÇÃO DE LISBOA

A T R A N S PA R Ê N C I A F I S C A L

Maria Ade laide Morais

Dissertação submetida ao Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa


para cumprimento dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Fiscalidade,
realizada sob a orientação científica do Dr. Vasco Branco Guimarães, Professor
Coordenador da área de Fiscalidade

Constituição do Júri:

Presidente: Doutor Paulo Nogueira da Costa


Arguente: Especialista Amândio Silva
Vogal: Doutor Vasco Branco Guimarães

Lisboa, março de 2015


DEDICATORIA

A todos aqueles que, de algum modo, me influenciaram a querer saber mais, a agarrar as
oportunidades e a enfrentar desafios.
AGRADECIMENTOS

Por muita força de vontade que exista dentro de cada um de nós, um trabalho desta
natureza padece de momentos em que a motivação raia a euforia e outros em que o
empenho é menor, sendo nessas alturas fundamental a presença em nosso redor de pessoas
que nos mantenham no caminho, nos foquem no objetivo e apelem ao nosso ego de modo a
tornar possível a missão de concretizar um projeto a que, de algum modo, nos
comprometemos.

Assim ao concluir a elaboração desta dissertação desejo expressar a minha mais profunda
gratidão a todos que me ajudaram neste projeto.

Ao meu orientador, Dr. Vasco Guimarães, pela forma como me orientou, pela constante
simpatia, motivação e disponibilidade, estímulo e conselhos indispensáveis na elaboração
deste trabalho.

À professora Rita Folha que sem se aperceber do impacto das suas palavras me incentivou
a frequentar o Mestrado.

Ao Dr. Jaime Esteves da PWC pelas relevantes contribuições para este trabalho.

Aos meus colegas e amigos que estiveram sempre presentes contribuindo com o seu
incentivo e motivação.

Um agradecimento especial à minha família que abdicou tantas vezes da minha presença
em prol de uma realização pessoal.
RESUM O

Este trabalho tem por objeto o estudo do Regime de Transparência Fiscal previsto no artigo
6º do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas, nomeadamente no
que concerne às sociedades de profissionais, dividindo-se em duas partes: uma parte
teórica e uma parte prática

A parte teórica inicia-se pelas suas características fundamentais, alguma doutrina da


Administração Tributaria, objetivos e funções relevantes do Instituto.

Especificam-se os elementos que constituem pactos sociais de sociedades transparentes, no


caso, das sociedades de revisores de contas e de advogados.

Demonstram-se alguns casos pertinentes de estudo neste âmbito.

Por outro lado, porque a globalização e a internacionalização das empresas leva a


problemas complexos de tributação, incluiu-se um ponto sobre as regras das Controled
Foreign Company no âmbito da denominada transparência fiscal internacional.

A parte prática proporciona uma visão que começa com a declaração de IRC de uma
sociedade em regime geral de tributação, prossegue com a mesma declaração numa
sociedade de transparência fiscal, a declaração anual (IES) e termina com a declaração de
IRS do sócio da sociedade transparente.

Palavras-Chave:

Transparência Fiscal, Pacto Social, Tributação, Regras CFC.

vii
AB STRACT

This work has as its object the study of the system of Fiscal Transparency laid down in
article 6 of the income tax Code of Colletive Persons, namely in the case of the
professionals societies, divided into theorical and practice.

The theoretical part starts for its fundamental characteristics, the doctrine of the Tax
Administration, objectives and relevant functions of the Institute.

In the work we Specify the elements that constitute the social pacts of transparent societies,
namely firms of Auditors and Lawyers.

We analyze some relevant case studies in this field.

On the other hand, because the globalization and internationalization of companies leads to
complex problems of taxation, we included a point about the rules of de Foreign Company
operated under the so called international tax transparency.

The practical component provides a vision that reviews the IRC statement of a society in
general taxation regime, continues with the same statement in a society of fiscal
transparency, the annual statement (IES) and ends with the declaration of the partner in
IRS.

Keywords:
Fiscal Transparency, Social Pact, Taxation, CFC Rules.

viii
LISTA DE AB REVIATURA S

ACE – Agrupamento Complementar de Empresas

AEIE – Agrupamento Europeu Interesse económico

AF – Administração Fiscal

AT – Autoridade Tributária

CC – Código Civil

CEE – Comunidade Económica Europeia

CFC – Controlled Foreign Company

CIRC – Código do Imposto Sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas

CIRS – Código do Imposto Sobre o Rendimento de Pessoas Singulares

CMOCDE – Convenção Modelo da Organização para a Cooperação Económica e


Desenvolvimento

CRP – Constituição da República Portuguesa

IRS – Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

IRC – Imposto sobre Rendimento das Pessoas Coletivas

LGT - Lei Geral Tributária

OCDE – Organização para a Cooperação Económica e Desenvolvimento

OE – Orçamento de Estado

TFI – Transparência Fiscal Internacional

UE – União Europeia

ix
INDICE

1 - INTRODUÇÃO………………………………………………………………………....1
1.1 - Conceito de Transparência Fiscal……………………………………………………..1
1.2 - Requisitos do artº 6º do CIRC…………………………………………………………2
1.3 - Sócios………………………………………………………………………………….5
1.4 - Profissões………………...…………………………………………………………....8
1.5 - Critérios Supletivos......................................................................................................13
1.6 - Doutrina Administrativa……………………………………………………………..15
1.7 - ACE/AEIE…………………………………………………………………………...17
1.8 - Regime de transparência fiscal /CFC………………………………………………...18
1.8.1 - Conceito……………………………………………………………………………18
1.8.2 - Objetivo…………………………………………………………………………….20
2 - O REGIME DE TRANSPARÊNCIA FISCAL………………………………………..22
2.1 - Objetivos e funções do Regime……………………………………………………...22
2.2 - Apuramento do resultado.............................................................................................25
2.3 - Pacto Social..................................................................................................................27
2.4 - Tributação nas categorias de rendimento…………………………………………….37
3 - A CONVENÇÃO MODELO OCDE……………………………………………….....39
3.1 – A Transparência Fiscal e a CMOCDE……………………………………………....39
3.2 - As implicações em Direito comparado………………………………………………40
3.3 - As Convenções……………………………………………………………………….41
4 – A TRIBUTAÇÃO NAS DIVERSAS VERTENTES………………………………….43
4.1 – A Modelo 22…………………………………………………………………………43
4.2 - A tributação das sociedades transparentes…………………………………………...43
4.3 - Obrigações declarativas……………………………………………………………...48
4.4 - Derrama……………………………………………………………………………...51
4.5 - Partilha……………………………………………………………………………….51
4.6 - Liquidações corretivas……………………………………………………………….52
4.7 - O Eat What You Kill-As sociedades de advogados………………………………....52
4.8 - Quadros comparativos……………………………………………………………….54
5 - CASOS DE APLICAÇÃO…………………………………………………………….57
5.1 - Caso I………………………………………………………………………………...57
x
5.2 - Caso II………………………………………………………………………………..58
5.3 - Caso III……………………………………………………………………………….59
5.4 - Caso IV……………………………………………………………………………....60
6 – CASO PRATICO……………………………………………………………………...62
6.1 – Simulação de tributação de IRC em regime geral…………………………………...62
6.2 – Simulação de tributação da sociedade transparente…………………………………69
6.3 - Implicação na esfera do sócio………………………………………………………..77
7 - CONCLUSÃO…………………………………………………………………………80
8 - BIBIOGRAFIA………………………………………………………………………..84

9 – APENDICES…………………………………………………………………………..86

9.1 – Pacto Social Sociedade de Advogados……………………………………………....86

9.2 – Pacto Social Sociedade de Revisores de Contas……………………………………91

9.3 – Regime Jurídico dos ACE…………………………………………………………...93

9.4 – Regime Jurídico dos AEIE…………………………………………………………..97

xi
INDICE DE TAB ELAS

Tabela 1: Anexos por Número de Agregado com anexo D……………………………….54


Tabela 2: Rendimento Bruto Liquidado por Anexo D ……………………………………55
Tabela 3:Taxa Efetiva de Tributação Bruta por Anexo D....................................................55

xii
1 – INTRODUÇÃO

1.1 Conceito de transparência fiscal

A noção de transparência fiscal pode ser dada como 1 a qualidade que transmite a verdade
sem a adulterar, sem nada a esconder, o que tem caráter do que não é fraudulento e pode
vir a público.

Assenta no princípio da liberdade contratual entre as partes nos termos do artigo 266º da
Constituição da República Portuguesa (CRP).

Releva-se como um corolário de imparcialidade exigindo-se que a Autoridade Tributária


(AT), bem como todos os orgãos administrativos, transmitam não só uma imagem neutra,
correta e imparcial mas, também, que sejam a imagem dessa imparcialidade.

A transparência fiscal rege-se pelo princípio da legalidade tributária, tendo em


consideração o artigo 103º da CRP, promovendo a justiça tributária de acordo com o
princípio da capacidade contributiva, não podendo a AT através do direito circulatório,
derrogar esse princípio, devendo pautar-se pela igualdade de tratamento dos contribuintes e
uniformidade da decisão.

Porém, a instabilidade fiscal obsta à transparência fiscal gerando impacto na


competitividade aos níveis fiscal e económico, existindo uma ligação entre a transparência
fiscal e o quadro das finanças públicas, com implicações na dívida pública e nos limites à
transparência fiscal, traduzidos eventualmente numa certa opacidade do sistema.

Verifica-se que a transparência fiscal, mais do que um princípio, é um instrumento no


combate à evasão e fraude fiscal, tanto nacional como internacional através de
cruzamentos e da troca de informações entre Estados.

Partindo do conceito amplo de transparência fiscal e da sua importância no contexto


económico, com efeitos nas finanças públicas, nomeadamente no quadro contemporâneo
de situação de crise, existe um conceito mais restrito respeitante ao designado Regime de
Transparência Fiscal assente no artigo 6º do Código das Pessoas Coletivas (CIRC).

1Vidé Conferência a Transparência Fiscal no quadro contemporâneo de situação de crise, Universidade


Nova de Lisboa, novembro 2014

1
Este Regime surgiu com o objetivo de colmatar abusos considerando na sua base três
finalidades a saber, o combate à evasão, a neutralidade fiscal e a evitação da dupla
tributação, promovendo um tratamento cumpridor e responsável por parte do sujeito
passivo.

Contudo, deve a Autoridade Tributária, AT, por seu lado, informar os sujeitos passivos
sobre os respetivos direitos e obrigações de forma percetível, simples e o mais célere
possível, divulgando a interpretação do quadro legal nomeadamente nas questões que mais
dúvidas suscitem.

1.2 Requisitos do artº 6º do CIRC

Prescreve o artº 6º, no seu nº1, que a matéria coletável das sociedades a seguir indicadas,
com sede ou direção efetiva em território português, determinada nos termos do Código, é
imputada aos sócios nos termos da legislação que fôr aplicável, integrando-se no seu
rendimento tributável para efeitos de IRS ou IRC, ainda que não tenha havido distribuição
de lucros:

a) Sociedades civis não constituídas sob forma comercial;


b) Sociedades de profissionais;
c) Sociedades de simples administração de bens, cuja maioria do capital social
pertença, direta ou indiretamente, durante mais de 183 dias do exercício social, a
um grupo familiar, ou cujo capital social pertença, em qualquer dia do exercício
social, a um número de sócios não superior a cinco e nenhum deles seja pessoa
coletiva pública.

O nº 4 do mesmo preceito, na redação anterior, considera os seguintes conceitos:

a) Sociedade de profissionais – a sociedade constituída para o exercício de uma


atividade profissional especificamente prevista na lista de atividades a que alude o
artigo 151º do CIRS, na qual todos os sócios pessoas singulares sejam profissionais
dessa atividade.
b) Sociedade de simples administração de bens – a que limita a sua atividade à
administração de bens ou valores mantidos como reserva ou para fruição ou à
compra de prédios para a habitação dos seus sócios, bem como aquela que

2
conjuntamente exerça outras atividades e cujos rendimentos relativos a esses bens,
valores ou prédios comuns atinjam, na média dos últimos três anos, mais de 50% da
média, durante o mesmo período, da totalidade dos seus rendimentos.
c) Grupo familiar – o grupo constituído por pessoas unidas por vínculo conjugal ou de
adoção e bem assim de parentesco ou afinidade na linha reta ou colateral até ao 4º
grau, inclusive.

A Lei nº 2/2014 de 16 de Janeiro de 2014, referente à Reforma do IRC, alterou


profundamente o artº 6º do CIRC no que respeita ao conceito de sociedades de
profissionais, enquadrando no regime de transparência fiscal sociedades que até agora se
encontravam excluídas, conforme se resume no quadro seguinte:

Redação anterior Redação Atual


4 – Para efeitos do disposto no nº 1,
considera-se:
a) Sociedade de profissionais – a sociedade a) Sociedades de profissionais:
constituída para o exercício de uma 1) A sociedade constituída para o exercício
atividade profissional especificamente de uma atividade profissional
prevista na lista de atividades a que alude o especificamente na lista de atividades a que
artº 151º do Código do IRS, na qual todos se refere o artº 151º do Código de IRS, na
os sócios pessoas singulares sejam qual todos os sócios pessoas singulares
profissionais dessa atividade sejam profissionais dessa atividade;
Ou,
2) A sociedade cujos rendimentos
provenham em mais de 75%, do exercício
conjunto ou isolado de atividades
profissionais especificamente previstas na
lista constante do artº 151º do Código do
IRS, desde que, cumulativamente, em
qualquer dia do período de tributação 2, o
número de sócios não seja superior a cinco,

2
Alterado pela lei nº 82-C/2014 (transposição da Diretiva nº 2014/86/EU e adaptação do RETGS à
jurisprudência recente do TJUE)

3
nenhum deles seja pessoa coletiva de
direito público, e pelo menos 75% do
capital social seja detido por profissionais
que exercem as referidas atividades, total
ou parcialmente, através da sociedade.

Para além das sociedades constituídas para o exercício de uma atividade profissional
especificamente prevista na lista de atividades a que alude o artº 151º do CIRS, na qual
todos os sócios pessoas singulares sejam profissionais dessa atividade (1), determina o
preceituado que o Regime será extensível a (2) sociedades de profissionais cujos
rendimentos provenham, em mais de 75%, do exercício conjunto ou isolado de atividades
profissionais (desde que os sócios não sejam superiores a 5, nenhum sócio seja pessoa
coletiva de direito público e pelo menos 75% do capital social seja detido por profissionais
que exercem as suas atividades total ou parcialmente através da sociedade).
Os principais aspetos a ter em consideração com a alteração do regime são os seguintes:
“desde que, cumulativamente, em qualquer dia do período de tributação” – ou seja para
que a sociedade seja enquadrada no regime basta que existam os pressupostos num dia do
ano.
“a sociedade cujos rendimentos provenham em mais de 75%, do exercício conjunto ou
isolado de atividades profissionais especificamente previstas na lista constante do artº 151º
do CIRS”.
Constata-se que o conceito de sociedade de profissionais se expande, passando a
enquadrar-se neste regime as sociedades cujos rendimentos provenham, em mais de 75%,
do exercício conjunto ou isolado de atividades profissionais especificamente previstas na
lista constante do artº 151 do CIRS, e não apenas de uma atividade como até agora.
Neste sentido, uma sociedade que exerça uma atividade de medicina e enfermagem ou
engenharia e arquitetura cai no regime de transparência fiscal.
Deste contexto, apenas se exclui por não ser uma atividade considerada específica, a
atividade “Outros Prestadores de Serviços” – CIRS 1519.
Pretende-se com esta alteração ao regime de transparência fiscal a redução dos níveis de
litigiosidade das sociedades de profissionais através da adoção de um conceito fiscal de
Sociedades de Profissionais mais próximo à Lei nº 2/2013, de 10 de janeiro, que aprovou o
novo regime jurídico de criação, organização e funcionamento das associações públicas
profissionais.
4
Determina a Lei das Associações Públicas Profissionais no artº 27, nº 1:
“Podem ser constituídas sociedades de profissionais que tenham por objeto principal o
exercício de profissões organizadas numa única associação pública profissional em
conjunto ou em separado com o exercício de outas profissões ou atividades, desde que
seja observado o regime de incompatibilidades e impedimentos aplicável.”
Deste modo a definição fiscal de Sociedade de Profissionais deixa de se reconduzir
obrigatoriamente à exigência da identidade da profissão dos sócios.

1.3 Sócios

O regime previsto no artº 6º do CIRC aplica-se às sociedades residentes, as denominadas


sociedades transparentes, considerando-se existirem cinco tipos de entidades:

 Sociedades civis não constituídas sob a forma comercial;

 Sociedades de profissionais;

 Sociedades de simples administração de bens, cuja maioria do capital pertença,


direta ou indiretamente, durante mais de 183 dias a um grupo familiar, ou cujo
capital pertença a um número de sócios não superior a cinco e nenhum deles seja
pessoa coletiva de direito público.

 ACE e AEIE com sede ou direção efetiva em Portugal.

Em relação aos sócios e para além da atividade ter-se-á em conta, cumulativamente:


 “que o número de sócios não seja superior a 5;
 nenhum deles seja pessoa coletiva de direito público e
 pelo menos 75% do capital social seja detido por profissionais que exercem as
referidas atividades, total ou parcialmente, através da sociedade”

Afere-se, então, a exclusão ao regime de transparência fiscal das sociedades que tenham
mais de 5 sócios e não fiquem enquadradas nos termos da alínea a) do nº 4. Por exemplo,
uma sociedade de advogados que tenha mais de cinco sócios advogados mantém-se no
regime de transparência fiscal porque preenche os requisitos do nº1 da alínea a) do nº 4 do
artº 6º.

5
Quanto aos outros pressupostos cumulativos consente-se que se o capital social pertencer,
em pelo menos 75% a profissionais que exerçam as atividades da lista do artº 151º do
CIRS, total ou parcialmente, através da sociedade esta se enquadra no regime a não ser que
como já referido tenha mais de cinco sócios ou seja pessoa coletiva de direito público.
Exemplos:
1) Um engenheiro e um arquiteto constituem uma sociedade com uma quota de 50% cada
um para o exercício das respetivas atividades previstas no artº 151º do CIRS.
Como pelo menos 75% do capital é detido por profissionais que exercem a sua
atividade através da sociedade, enquadra-se no regime de transparência fiscal, sendo
irrelevante o exercício de atividades distintas.

2) Um casal constitui uma sociedade com uma quota de 50% cada um para o exercício de
atividades previstas no artº 151º CIRS, mas apenas m dos sócios se enquadra na lista.
Como apenas 50% do capital é detido por profissional que exerce a atividade através da
sociedade, a mesma não está enquadrada no regime de transparência fiscal.

3) Um casal constitui uma sociedade com uma quota de 75% para o A (TOC) e 25% para o
B, sócio de capital. O sócio A exerce a atividade através da sociedade sendo 90% da
faturação decorrente do exercício da profissão.
Como pelo menos 75% do capital pertence a profissional que exerce a atividade através da
sociedade e mais de 75% dos rendimentos da sociedade provêm dessa atividade, a
sociedade está enquadrada no regime de transparência fiscal. 3
A percentagem é aquela que se verificar a 31 de dezembro de cada ano, a não ser que o
período de tributação seja diferente contando nesse caso o fim do ano.4
Para maior esclarecimento e simplificação de análise considere-se o quadro de
enquadramentos seguinte:

Atividade/ rendimento Nº Sócios % Capital Enquadramento


Uma sociedade que exerce a 2 100% de Transparência Fiscal
100% atividades da lista anexa profissionais
ao artº 151º

3Vidé Seminário OE 2014 Direção Serviços de Formação AT


4 Vidé Semanário Vida Económica, pg 29, 17.01.2014

6
Uma sociedade que exerce a 2 100% de Transparência Fiscal
80% de atividades da lista anexa profissionais
ao artº 151º
Uma sociedade que exerce a 2 100% de Regime Geral
75% atividades da lista anexa ao profissionais
artº 151º
Uma sociedade que exerce a 2 100% de Regime Geral
74% atividades da lista anexa ao profissionais
artº 151º
Uma sociedade que exerce a 6 100% de Transparência Fiscal
100% atividades da lista anexa profissionais
ao artº 151º
Uma sociedade que exerce a 6 99% de Regime Geral
100% atividades da lista anexa profissionais
ao artº 151º e 1% outro
Uma sociedade que exerce a 2 50% de Regime Geral
100% atividades da lista anexa profissionais
ao artº 151º e 50% outro
Uma sociedade que exerce a 2 80% de Transparência Fiscal
100% atividades da lista anexa profissionais
ao artº 151º e 20% outro
Uma sociedade que exerce a 2 75% de Transparência Fiscal
100% atividades da lista anexa profissionais
ao artº 151º e 25% outro
Uma sociedade que exerce a 2 74% de Regime Geral
100% atividades da lista anexa profissionais
ao artº 151º e 26% outro
Uma sociedade que exerce a 2 50% de Regime Geral
80% atividades da lista anexa ao profissionais
artº 151º e 50% outro
Uma sociedade que exerce a 7 80% de Regime Geral
80% atividades da lista anexa ao profissionais
artº 151º e 20% outro

7
Uma sociedade que exerce a 2 80% de Transparência Fiscal
80% atividades da lista anexa ao profissionais
artº 151º e 20% outro
Uma sociedade que exerce a 4 100% de Transparência Fiscal
100% atividades da lista anexa profissionais
ao artº 151º
Uma sociedade que exerce a 2 100% de Regime Geral
50% atividades da lista anexa ao profissionais
artº 151º
Uma sociedade que exerce a 5 100% de Regime Geral
50% atividades da lista anexa ao profissionais
artº 151º
Uma sociedade que exerce a 1 100% de Regime Geral
60% atividades da lista anexa ao profissionais
artº 151º
Uma sociedade que exerce a 2 75% de Regime Geral
60% atividades da lista anexa ao profissionais
artº 151º e 25% outro

Fon te adap tad a O TO C , d e zem b ro 2013

1.4 Profissões

No regime de transparência fiscal são consideradas as atividades previstas na lista


constante do artº 151º do CIRS excluindo-se apenas, como referido, a atividade de caráter
residual com o código 1519 – Outros Prestadores de Serviços.

Atualmente, na tabela de atividades do artº 151º do CIRS encontram-se incluídas as


seguintes atividades:

1 – Arquitetos, engenheiros e técnicos similares:

1000 – Agentes técnicos de engenharia e arquitetura;

1002 – Desenhadores;

1003 – Engenheiros;

8
1004 – Engenheiros técnicos;

1005 – Geólogos;

1006 – Topógrafos

2 – Artistas plásticos e assimilados, atores e músicos:

2010 – Artistas de teatro, bailado, cinema, rádio e televisão;

2011 – Artistas de circo;

2019 – Cantores;

2012 – Escultores;

2013 – Músicos;

2014 – Pintores;

2015 – Outros artistas.

3 – Artistas tauromáticos:

3010 – Toureiros;

3019 – Outros artistas tauromáticos.

4 – Economistas, contabilistas, atuários e técnicos similares:

4010 – Atuários;

4011 – Auditores;

4012 – Consultores fiscais;

4013 – Contabilistas;

4014 – Economistas;

4015 – Técnicos oficiais de contas;

4016 – Técnicos similares.

9
5 – Enfermeiros, parteiras e outros técnicos paramédicos:

5010 – Enfermeiros;

5011 – Eliminado (*)

5012 – Fisioterapeutas;

5013 – Nutricionistas;

5014 – Parteira;

5015 – Terapeutas da fala;

5016 – Terapeutas ocupacionais (*)

5019 – Outros técnicos paramédicos.

6 – Juristas e solicitadores:

6010 – Advogados;

6011 – Jurisconsultos;

6012 – Solicitadores.

7 – Médicos e dentistas:

7010 – Dentistas;

7011 – Médicos analistas;

7012 – Médicos cirurgiões;

7013 – Médicos de bordo em navios;

7014 – Médicos de clínica geral;

7015 – Médicos dentistas;

7016 – Médicos estomatologistas;

7017 – Médicos fisiatras;

7018 – Médicos gastroenterologistas;

7019 – Médicos oftalmologistas;

10
7020 – Médicos ortopedistas;

7021 – Médicos otorrinolaringologistas;

7022 – Médicos pediatras;

7023 – Médicos radiologistas;

7024 – Médicos de outras especialidades.

8 – Professores e técnicos similares:

8010 – Explicadores;

8011 – Formadores;

8012 – Professores.

9 – Profissionais dependentes de nomeação oficial:

9010 – Revisores oficiais de contas;

9011 – Notários (*)

10 – Psicólogos e sociólogos:

1010 – Psicólogos;

1011 – Sociólogos.

11 – Químicos:

1110 – Analistas.

12 – Sacerdotes:

1210 – Sacerdotes de qualquer religião;

13 – Outras pessoas exercendo profissões liberais, técnicos e assimilados:

1310 – Administradores de bens;

11
1311 – Ajudantes familiares;

1312 – Amas;

1313 – Analistas de sistema;

1314 – Arqueólogos;

1315 – Assistentes sociais;

1316 – Astrólogos;

1317 – Parapsicólogos;

1318 – Biólogos;

1319 – Comissionistas;

1320 – Consultores;

1321 – Datilógrafos;

1322 – Decoradores;

1323 – Desportistas;

1324 – Engomadores;

1325 – Esteticistas, manicuras e pedicuras;

1326 – Guias intérpretes;

1327 – Jornalistas e repórteres;

1328 – Louvados;

1329 – Massagistas;

1330 – Mediadores imobiliários;

1331 – Peritos avaliadores;

1332 – Programadores informáticos;

1333 – Publicitários;

1334 – Tradutores;

1335 – Farmacêuticos (*)

1336 – Designers (**)

12
14 – Veterinários:

1410 – Veterinários. 5

Porém, deixando de se reconduzir, obrigatoriamente, a definição fiscal de Sociedade de


Profissionais à exigência da identidade da profissão dos sócios permitindo, atualmente, a
lei fiscal a abrangência da tributação pelo Regime de Transparência Fiscal a sociedades
cujos sócios não exerçam a mesma atividade elencada no artº 151º do CIRS, nas condições
anteriormente referidas (desde que os sócios não sejam superiores a 5, nenhum sócio seja
pessoa coletiva de direito público e pelo menos 75% do capital social seja detido por
profissionais que exercem as suas atividades total ou parcialmente através da sociedade)
sociedades há que continuam extremamente fechadas, como é o caso das sociedades de
advogados, em que todos os sócios continuam sujeitos à condição de manutenção da
qualidade de advogados.

1.5 Critérios Supletivos

As sociedades civis sob a forma comercial são sociedades de pessoas as quais, não visam a
prática de atos de comércio, encontrando-se sujeitas à lei civil. Estas não têm
personalidade jurídica (não lhes é reconhecido o estatuto de sociedades comerciais) pelo
que se confundem com os seus sócios na existência de uma comunhão de interesses sobre
os bens que detêm.

As sociedades de profissionais são sociedades que têm como objetivo o exercício de uma
atividade profissional por parte dos seus sócios. Regem-se por regimes jurídicos especiais
com o objetivo de juntar sinergias para o desenvolvimento de uma atividade por parte dos
seus sócios.

Esta qualificação enquanto sociedade sujeita ao regime de tributação encontra-se


subordinado à alínea a) do nº 4 do artº 6º do CIRC, quanto ao exercício de uma atividade
profissional, esta atividade conste das atividades elencadas no artº 151º do CIRS e que
todos os sócios pessoas singulares sejam profissionais dessa mesma atividade.

5 A lis t a d e a t ividad es const a do Anexo I da Por ta r ia nº 1011/ 2001, d e 21/ 08;


( * ) Red aç ão da Po r ta r ia nº 256/ 2004, de 9/ 03;
( ** ) Red aç ão da Le i nº 53 – A/ 2006 de 29/ 12,

13
Assim, apenas as atividades constantes da portaria nº 1011/2001 é que podem ser objeto de
uma sociedade de profissionais.

Nesta situação a atividade por diversas vezes, só pela forma jurídica é desenvolvida pela
sociedade, pois na prática, é exercida por cada sócio individualmente, aproveitando a
partilha de custos e de espaço.

Jorge Magalhães Correia fala de sociedades de profissionais e de sociedades profissionais,


considerando aquelas em que os profissionais são os sócios (advogados, ROCs, etc) e as
segundas em que os sócios têm para com a sociedade uma relação de emprego 6.

De todo o modo surgem dúvidas na qualificação, para efeitos fiscais, de uma sociedade de
profissionais.

Assim a lei fiscal admite que ao dizer-se todos os sócios pessoas singulares numa
sociedade de profissionais, nem todos os sócios sejam pessoas singulares- nº 4 alínea a) do
artº6 do CIRC

Provavelmente o sentido não será o de existir uma sociedade de profissionais de pessoas


coletivas, mas apenas e tão só, permitir o reforço de capital nesse tipo de sociedades.

As sociedades de simples administração de bens dedicam a sua atividade, nos termos da


alínea b) do nº 4 do artº 6º, à simples administração de bens ou valores mantidos como
reserva ou pura fruição, à compra de prédios para habitação dos seus sócios ou, exercendo
outras atividades obtenham proveitos relativos a esses bens, valores ou prédios que
atinjam, na média dos últimos três anos, mais de 50% da média durante o mesmo período,
da totalidade dos seus proveitos.

As sociedades supra referidas, para serem enquadradas neste regime especial têm como
condicionante que a maioria do capital social pertença direta ou indiretamente, durante
mais de 183 dias do exercício social, a um grupo familiar ou cujo capital social pertença,
em qualquer dia do exercício, a um número de sócios não superior a cinco e nenhum deles
seja pessoa coletiva de direito público.

Grupo familiar é um grupo constituído por pessoas unidas por vínculo conjugal ou de
adoção e bem assim de parentesco ou afinidade na linha reta ou colateral até ao 4º grau
inclusive.

6
Vidé Jorge Magalhães Correia, ob citada, pg 4

14
1.6 Doutrina Administrativ a

Existe suficiente doutrina administrativa respeitante ao regime de transparência fiscal,


apresenta-se de seguida algumas instruções, uma circular mais antiga e duas circulares
mais recentes, cujo objetivo é o esclarecimento acerca de algumas matérias e ilustrar este
humilde trabalho.

A Circular 8, de 16/02/1990 da Direção de Serviços de IRC esclarece dúvidas quanto


aos artigos 5º, 12º, 71º e 75º , atuais 6º, 12º 90º e 94º do código, nomeadamente no que
respeita a retençãoes na fonte relativas a rendimentos obtidos e a pagamentos por conta das
sociedades de profissionais.
Sendo as sociedades de profissionais sujeitos passivos de IRC, estão sujeitas às mesmas
retenções na fonte que as restantes entidades residentes, dado que os artigos 75º e 76º ,
atuais 94º e 95º, do CIRC não estabelecem quaisquer restrições.
Em consequência, relativamente às remunerações auferidas por sociedades de revisores de
contas na qualidade de membros de órgãos estatutários de pessoas coletivas, há retenção de
IRC nos termos da alínea d) do nº 1 do artº 75º, atual 94º,. do CIRC.
As deduções à coleta mencionadas nas alíneas a) a d) do nº 2 do artº 71º, atual 90º, do
CIRC nas quais se incluem as retenções na fonte, devem, para cumprimento do
estabelecido no nº 6 deste artigo, ser previamente quantificadas na sociedade de
profissionais e posteriormente imputadas aos respetivos sócios nos termos que resultarem
do ato constitutivo dessas entidades ou, na falta de elementos em partes iguais.
Quanto aos pagamentos por conta as referidas sociedades não têm de efetuar pagamentos
por conta, obrigação que incumbe em sede de IRS aos respetivos sócios enquanto titulares
de rendimentos da categoria B.
Como sujeitos passivos de IRC e exercendo a título principal uma atividade de prestação
de serviços, estão adstritas ao cumprimento das respetivas obrigações acessórias,
designadamente a dispor de contabilidade organizada e a apresentar a declaração de
rendimentos.
Estas sociedades devem, nos termos dos artigos 91º, atual 98º e seguintes do CIRS
proceder à retenção na fonte de IRS relativamente aos rendimentos pagos ou postos à
disposição dos seus sócios com exceção dos relativos a lucros ou adiantamentos por conta
de lucros efetuados nos termos do Código das Sociedades Comerciais, visto não

15
revestirem, de acordo com o disposto na alínea h) do artº 6º, atual 5º, daquele código, a
natureza de rendimentos de capitais.

Circular nº 6/2014 da Direção de Serviços de IRC


A Lei nº 2/2014 de 16 de Janeiro, procedeu à reforma da tributação das sociedades
alterando o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas.
Com a referida lei foi criado o regime simplificado de determinação da matéria coletavel
concretizado através dos artºs 86-A e 86-B ao CIRC.
Em termod de incidência pessoal e de acordo com o nº 1 do artº 86-A podem optar por este
regime os sujeitos passivos residentes, os não isentos nem sujeitos a um regime especial de
tributação, que exerçam a título principal uma atividade de natureza comercial, industrial
ou agrícola.
Ao referir que os sujeitos passivos isentos ou sujeitos a um regime especial de tributação
não podem optar pelo regime simplificado o legislador excluiu do seu âmbito de aplicação
subjetiva, designadamente, todos os sujeitos passivos abrangidos pelo regime de
transparência fiscal a que se refere o artº 6º do CIRC.

Circular nº 5/2014 da Direção de Serviços de IRS


A Lei nº 83-C/2013, de 31 de Dezembro, que aprovou o Orçamento de Estado para 2014,
alterou a redação do nº 2 do artº 31 do CIRS.
Encontram-se abrangidos na alínea b) do nº 2 do artº 31 do CIRS os rendimentos auferidos
no exercício, por conta própria, de qualquer atividade de prestação de serviços que tenham
Enquadramento na alínea b) do nº 1 do artº 3º do mesmo Código, independentemente da
atividade exercida estar, nos termos do artº 151º do Código do IRS, classificada de acordo
com a Classificação Portuguesa de Atividades Económicas (CAE) do Instituto Nacional de
Estatística, ou de acordo com os códigos mencionados na tabela de atividades aprovada
pela Portaria nº 1011/2001, de 21 de Agosto incluindo a atividade com o código “1519
Outros prestadores de serviços” uma vez que o normativo em causa não remete para as
atividades identificadas de forma especifica na tabela de atividades, ao contrário do que
sucede na alínea b) do nº 1 do artº 101 do CIRS para efeitos de retenção na fonte.
Contudo, excluem-se dos rendimentos previstos na alínea b) do nº2 do artº 31 do CIRS, os
decorrentes de prestações de serviços efetuadas pelo sócio a uma sociedade abrangida pelo
regime de transparência fiscal, nos termos da alínea b) do nº 1 do artº 6º do CIRC, por se

16
encontrarem excecionadas da aplicação dos coeficientes, ao abrigo do disposto no corpo do
nº 2 deste artº 31.

1.7 ACE/AEIE

O Regime Jurídico dos ACE consta do Dec-Lei nº 430/73 de 25 de agosto.

Neste diploma a Lei nº 4/73, de 4 de junho, consagrou a figura dos agrupamentos


complementares de empresas, instrumento de politica económica bastante divulgado
noutros países que já contava entre nós com algumas tentativas de realização, mas para as
quais faltava adequado suporte jurídico. O objetivo do instituto é contribuir para a
resolução de muitos problemas que sobretudo as empresas de pequena e média dimensão
defrontam em vários domínios, a fim de revigorar a eficiência e a capacidade competitiva
que representam uma parcela importante do nosso sistema produtivo e que continuam a
desempenhar papel de relevo, mesmo em estruturas economicamente mais evoluídas.

As disposições do presente diploma, em anexo, são, na maioria das vezes de natureza


supletiva. As que têm caráter imperativo visam principalmente assegurar que os
agrupamentos complementares de empresas se constituam e funcionem segundo os
princípios que orientaram a sua criação, de modo que justifiquem os amplos benefícios
fiscais que lhes foram concedidos e não possam, pelo contrário, ser meios para fraudar o
interesse nacional e a justiça tributária.

O Regime Jurídico dos Agrupamentos Europeus de Interesse Económico (AEIE)


consta do Dec-Lei nº 148/90 de 9 de maio.

Este diploma visou aprovar as disposições de natureza substantiva necessárias à execução


do Regulamenteo (CEE) nº 2137/85, do Conselho, de 25 de julho de 1985, relativo à
instituição de um agrupamento europeu de interesse económico publicado no Jornal Oficial
das Comunidades Europeias, nº L 199, de 31 de julho de 1985.

Trata-se de uma nova figura, ao tempo, de direito comunitário, supranacional, que tem por
objetivo facilitar a cooperação entre empresas e profissionais liberais de diferentes Estados
membros.

Esta figura foi inspirada na figura francesa do groupement européen d`interêt èconomique,
em que o legislador português também se inspirou para criar o agrupamento complementar

17
de empresas (ACE). Esta origem comum justifica que se apliquem ao AEIE,
subsidiariamente, disposições da lei portuguesa sobre o ACE ( a Lei nº 4/73, de 4 de junho
e o Decreto-Lei nº 430/73, de 25 de agosto fundamentalmente).

1.8 Regime de transparência fiscal internacio nal/CFC

Existe um regime que se aplica a sociedades internacionalmente conhecidas como


“Controlled Foreign Company” – CFC, denominado como Regime de Transparência Fiscal
Internacional. 7

1.8 .1 Conceito

No âmbito da denominada transparência fiscal internacional aplicam-se as denominadas


Regras CFC, normas caraterizadas como anti abuso com o objetivo de obstar a situações
ilícitas de evasão fiscal a nível internacional, com o pretexto de deslocalizar lucros
pertencentes ao Estado de Residência de uma sociedade mãe para outros espaços
jurisdicionais com taxas de tributação mais reduzidas.

A noção de direção efetiva foi originada como resposta a sociedades que existiam apenas
de nome, sedeadas em paraísos fiscais, controladas por residentes (é neste contexto que
autores como Soares Martinez, Direito Fiscal, 1993, p.258, colocam o recurso ao elemento
de conexão sede efetiva.
Conforme Rui Morais (2005:269) a lei fiscal prevê mecanismos cujo objetivo é tratar dos
problemas que as chamadas sociedades base suscitam nomeadamente, em Portugal, o artº
66º do CIRC.
Este preceito concretiza uma abrangência do valor dos rendimentos recebidos de entidades
residentes em países com regimes fiscais privilegiados ou mais favoráveis, denominados
paraisos fiscais ou regimes fiscais preferenciais, Casalta Nabais ( 2007:599)
Diversos países com o objetivo de prevenir e controlar a aplicação das respetivas ordens
juridicas fiscais, possuem listas negras dos paises que constituem paraisos fiscais e listas de
paises que não constituem paraisos fiscais, listas brancas.
O mesmo autor (2007:600) menciona que no nosso país, no referido artº 66º, se encontra o
que se entende por regime fiscal claramente mais favoravel e identificada na Port. Nº

7 Vidé Bianco, José Francisco, ob.citada, pg 20

18
150/2004 de 13 de fevereiro, relativo à imputação de lucros de sociedades residentes em
paises com regime fiscal privilegiado.

Neste regime, constitui rendimento dos sujeitos passivos de IRS residentes em território
português os lucros ou rendimentos obtidos por entidades não residentes em território
português e aí submetidos a um regime fiscal claramente mais favorável, no caso em que,
nos termos e condições do artº 66º do CIRC, os mesmos detenham, direta ou
indiretamente, mesmo que através de mandatário, fiduciário ou interposta pessoa, pelo
menos 25% ou 10% das partes de capital, dos direitos de voto ou dos direitos sobre os
rendimentos ou os elementos patrimoniais dessas entidades consoante os casos, aplicando-
se para o efeito, com as necessárias adaptações, o regime aí estabelecido.

Conforme o disposto neste preceito legal, determina-se a imputação aos sócios residentes
em território português, na proporção da respetiva participação no capital social e
independentemente da sua distribuição, dos lucros obtidos por sociedades residentes fora
desse território e aí submetidas a um regime fiscal claramente mais favoravel.
Conforme já afirmado, constitui pressuposto deste regime a detenção direta ou
indiretamente de uma participação social de pelo menos 25% ou no caso de a sociedade
não residente ser detida direta ou indiretamente em mais de 50% por sócios residentes uma
participação social de , pelo menos, 10%.
Por outro lado considera-se existir um regime fiscal claramente mais favoravel para a não
consideração como custos dos pagamentos a entidades residentes em paises com regime
fiscal privilegiado.
Excluem-se deste regime as sociedades residentes fora do territorio português cujos lucros
provenham em pelo menos 75% do exercicio de uma atividade agrícola, industrial ou
comecial, desde que não tenha como intervenientes residentes em territorio português ou
esteja dirigida predominantemente ao mercado do territorio em que se situa.No entanto,
são abrangidas as sociedades cuja atividade principal consista,designadamente, na
realização de operações bancárias, de seguros de bens ou pessoas situadas fora do território
português, de operações relativas a partes sociais e outros valores mobiliários e de locação
de bens imoveis situados fora do territorio da residencia.
Refere, ainda, Casalta Nabais (2007:601) que no exercicio posterior em que haja efetiva
distribuição de lucros já imputados anteriormente, são estes deduzidos à base tributavel,
havendo lugar a credito de imposto por dupla tributação internacional, se for caso disso.

19
1.8 .2 Objetivo

Com o fenómeno do desenvolvimento tecnico e cientifico a nível sobretudo da informática


e da Internet ,bem como de outros tipos de comunicação, proporcionou-se cada vez em
maior grau ao denominado mundo global em que tudo o que anteriormente se considerava
distante hoje está ao alcance de um dedo.
Esta globalização incrementada também pela U.E. com a ausência de entraves no espaço
europeu a nível de pessoas, bens e capitais, segundo Freitas Pereira (2008:20) fez com que
as empresas se deslocalizassem para Estados onde a tributação e os custos de produção
fossem mais baixos.
Surgiu, assim, uma concorrência entre empresas até então nunca alcançada refletindo-se
esta nos próprios Estados e nos seus sistemas fiscais na necessidade de alcançar receitas de
modo a suprir as suas próprias necessidades financeiras. 8
Assim sendo, o princípio basilar à tributação das sociedades residentes na maior parte dos
países e também em Portugal , é a tributação numa base mundial, o que quer dizer que os
lucros de atividades desenvolvidas quer no país ou no exterior é sujeito a tributação no país
de residência.
A tributação sustentada no acréscimo, tributação dos lucros realizados no estrangeiro à
medida em que são incorridos - apenas ocorre no caso dos estabelecimentos estaveis
(sucursais) de empresas consideradas residentes mas com estabelecimento no exterior, só
se verificando no que concerne a sociedades participadas (subsidiárias) domiciliadas
noutros países nos casos em que , por medida anti-abuso, ocorre a denominada
“transparência fiscal internacional”, ou seja quando se aplica o regime fiscal conhecido por
CFC (controlled foreign companies), consagrado na nossa fiscalidade segundo o
preceituado no artº 66º do CIRC, como referido anteriormente 9 Trata-se de um regime que
em primeiro lugar é aplicado aos rendimentos ditos “passivos”, visando combater a
retenção de lucros nos estados onde as subsidiárias estão domiciliadas quando aí sujeitos a
um regimes fiscal privilegiado.
Deste modo esses lucros são tributados na pessoa dos sócios à medida em que são obtidos
independentemente da sua distribuição.

8 Freitas Pereira, Conferência Internacional Portugal/União Europeia e os EUA – “novas perspetivas


económicas num contexto de globalização”, Instituto de Direito Económico, Financeiro e Fiscal, Faculdade
de Direito de Lisboa, 23 a 27 de Junho de 2008 – Ciência e Técnica Fiscal nº 422, 20-22.

9 Vide Morais, Rui Duarte, Imputação de lucros de Sociedades não residentes sujeitas a um regime fiscal
privilegiado, Porto, Publicações Universidade Católica, 2005.

20
Num contexto de concorrência fiscal entre os Estados surgem espaços territoriais, os
denominados Paraísos Fiscais, em que a tributação é nula ou muito reduzida.
Neste contexto os Estados inserem nas suas legislações cláusulas anti abuso respeitantes à
imputação de lucros de sociedades não residentes sujeitas a um regime fiscal privilegiado,
vulgarmente designado pelo Regime CFC.
Segundo Teixeira de Freitas10 estas normas visam, fundamentalmente, desconsiderar a
personalidade juridica das sociedades cuja constituição tenha sido inspirada
predominantemente por razões de ordem fiscal, de forma a permitir a tributação de
rendimentos acumulados no país de domicílio dos sócios, independentemente da efetiva
distribuição dos lucros.

10 Teixeira de Freitas, Luiz Augusto. Seminário Management Global Information, MGI lisboa, 13 de
dezembro de 1995.

21
2 – O REGIME DE TRANSPARÊNCIA FISCAL

2.1 Objetivos e funções do regime

Pese embora o tratamento para efeitos de imposto seja igual às sociedades de capitais, às
denominadas sociedades de pessoas é aplicado um regime especial de tributação designado
por Transparência Fiscal, que como dito, se encontra previsto no artº 6º do CIRC.

Este regime surgiu com o objetivo de atingir três realidades:

 A neutralidade fiscal em relação à forma jurídica das sociedades, no âmbito da


tributação dos sócios ou membros da sociedade, sejam pessoas singulares ou
coletivas como se a atividade fosse por eles diretamente desenvolvida.

Neste âmbito deve a tributação igualar-se no sentido em que a rendimentos idênticos deve
existir uma tributação idêntica independentemente da forma organizativa, evitando
distorções artificiosas, não sendo justo que a rendimentos iguais se tribute de forma
diferenciada pela existência de qualquer outra forma jurídica, Como diziam Maria de
Lourdes Vale e Manuel H. de Freitas Pereira, a “ tributação não deverá em princípio, ser
condicionada pela forma jurídica dos entes sujeitos a imposto, devendo tomar-se para o
efeito, como padrão, o imposto sobre o rendimento das pessoas singulares, que, para
alguns autores, são as únicas que têm capacidade contributiva e, por isso, devem ser
consideradas as grandes protagonistas de qualquer sistema fiscal.” 11 É particularmente
importante esta questão quando se fala em relação a sociedades de pessoas diferenciando-
as das sociedades de capital, associando-se normalmente as sociedades transparentes a
sociedades de pessoas.

Pode-se afirmar com alguma certeza que as sociedades de pessoas estão em grande medida
dependentes da essência dos próprios sócios, sendo que as sociedades de capital
privilegiam as contribuições dos sócios, e não as suas individualidades.

11Vide Lourdes Vale, Maria e Freitas Pereira, Manuel H.”Não aplicação do regime de transparência fiscal às
sociedades gestoras de participações sociais (SGPS), Fisco, nº 17.p.40.

22
Ao imputar-se os rendimentos da sociedade aos sócios, privilegia-se a sua capacidade de
gerar rendimento em detrimento da sua organização em sociedade, conforme se poderá
depreender do nº 1 do artº 6º do CIRC.

 O combate à evasão fiscal, de forma a evitar a possibilidade dos sujeitos passivos


utilizarem figuras jurídicas com o objetivo de não pagar ou reduzir impostos;

A figura de planeamento fiscal é hoje comummente aceite, ou seja, de um modo legal


reduz-se o pagamento de impostos através de mecanismos considerados na própria lei,
como por exemplo aproveitando os benefícios fiscais. No entanto, por vezes a poupança
fiscal é conseguida através de atos ilícitos infringindo-se a lei vigente, contrariando
comportamentos que se encontram determinados nos códigos.

Deste modo a criação da sociedade e consequente personalização tributária apenas poderá


servir para afastar a tributação das pessoas dos sócios, transferindo-a para a tributação da
sociedade de modo a ser mais vantajosa a tributação nestes termos.

Contudo, sendo uma das preocupações do legislador provavelmente com a ideia de evitar a
constituição de sociedades apenas com o objetivo de diminuir a carga fiscal em
determinada atividade, ou seja, que através de uma sociedade fossem pagos menos
impostos do que se os seus sócios exercessem essa mesma atividade de um modo
individual. Aquando da entrada em vigor deste regime através da aprovação do código do
IRC a taxa máxima, considerando a derrama era de 40,12 %, enquanto que taxa de maior
escalão de IRS era 40% .12

Nestes termos, não haveria grande vantagem em criar uma sociedade em prol do
desenvolvimento de uma atividade profissional individual.

Atualmente esta situação já não se verifica, pois a taxa de IRC foi diminuindo
encontrando-se nos 23% em 2014, (artº 87, nº1 do CIRC), 24,5% considerando a derrama
(em regra 1,5% sobre o lucro tributável), situação esta agravada nas taxas de IRS que se
situam nos 48% (artº 68º, nº1 do CIRS.).

 A eliminação da dupla tributação económica dos lucros distribuídos aos sócios,


pois estas sociedades não são tributadas em IRC mas sim na pessoa do sócio ou
membro seja pessoa singular ou coletiva e consequentemente no seu IRS ou IRC.

12 Dec Lei nº 442-A/88 de 30 de Novembro

23
A este respeito, Casalta Nabais (2007:231) refere que a situação de dupla tributação
“configura uma situação de concurso de normas, isto é uma situação em que o mesmo
facto tributário se integra na hipótese de incidência de duas normas tributárias diferentes, o
que implica, de um lado, a identidade do facto tributário e, do outro, a pluralidade das
normas tributarias”.

Dentro deste conceito se pode referir, ainda, os conceitos de dupla tributação jurídica e
dupla tributação económica. Na primeira a identidade é total enquanto na segunda existe a
identidade do objeto, do período de tributação, do imposto mas não a identidade do sujeito.

Sendo a sociedade sujeita ao regime de transparência fiscal é-lhe vedada a possibilidade de


ser tributada como qualquer sociedade de capital, imputando-se a matéria coletável aos
seus sócios e tributando na esfera dos mesmos. Deste modo, é como se existisse uma
colagem dos dois impostos (IRC e IRS), sendo apenas tributado uma única vez, conforme
previsto no artº 6º do CIRC.

Pode assim dizer-se que com o regime de transparência fiscal pretende-se e consegue-se o
propósito de evitar a dupla tributação económica pois sendo o rendimento tributado apenas
na esfera dos sócios, não existe tributação da sociedade pelo lucro apresentado nem se
tributam os sócios pelos dividendos.

Como mecanismos de eliminação de dupla tributação verifica-se:

O regime de transparência fiscal relativamente às sociedades constantes do artº6 do CIRC;

O artº 46 do CIRC que continua a prever as situações em que se admite a exclusão da base
tributaria de rendimentos já anteriormente tributados em IRC;

O anterior regime de tributação pelo lucro consolidado, existindo atualmente a tributação


pelos grupos de sociedades (artºs 69º a 71º do CIRC);

Em relação às pessoas singulares está prevista a regra do artº 40-A, nº 1 do CIRS que
dispõe que os lucros devidos por pessoas coletivas sujeitas e não isentas de IRC, sejam
apenas consideradas em 50% do seu valor;

Quanto às pessoas coletivas e entidades equiparadas aplica-se o disposto no artº 51º do


CIRC, com os requisitos e limitações nele previstos (como nº1, c) em relação à
transparência fiscal).

24
Foi nestas circunstancias e com estes objetivos que surgiu nos anos 80 com a reforma da
tributação o regime de transparência fiscal, pelo Dec. Lei nº 442-B/88 que aprovou o
Codigo do IRC.

No artº 5º (agora 6º) do código constava qua a matéria coletável das sociedades civis não
constituídas sobre a forma comercial, das sociedades de profissionais e das sociedades de
administração de bens, em certas condições, e os lucros ou prejuízos de exercício, dos
agrupamentos complementares de empresas e dos agrupamentos europeus de interesse
económico, eram imputados aos sócios ou membros, respetivamente, integrando-se no seu
rendimento tributável para efeitos de IRS ou IRC, consoante o caso. No ponto 3 do
preâmbulo lia-se:

“ Importa ainda sublinhar que com objetivos de neutralidade, combate à evasão fiscal e
eliminação da denominada dupla tributação económica dos lucros distribuídos aos sócios,
se adota em relação a certas sociedades um regime de transparência fiscal. O mesmo
carateriza-se pela imputação aos sócios da parte do lucro que lhes corresponder
independentemente da sua distribuição.

Este regime é igualmente aplicável aos agrupamentos complementares de empresas e aos


13
agrupamentos europeus de interesse económico.”

2.2 Apuramento do resultado

Nos termos do nº 2 do artº 6º os lucros ou prejuízos do exercício, apurados nos termos


deste Código, dos agrupamentos complementares de empresas e dos agrupamentos
europeus de interesse económico, com sede ou direção efetiva em território português que
se constituam e funcionem nos termos legais, são também imputáveis diretamente aos
respetivos membros, integrando-se no seu rendimento tributável.

Conforme o disposto no nº 3 do mesmo preceito a imputação a que se refere os números


anteriores é feita aos sócios ou membros nos termos que resultarem do ato constitutivo das
entidades aí mencionadas ou, na falta, de elementos, em partes iguais.

O apuramento da matéria coletável destas sociedades é efetuado de acordo com as regras


do IRC pelo que são sujeitos passivos do imposto, encontrando-se obrigadas ao

13
Preâmbulo CIRC

25
cumprimento das formalidades exigidas quer a nível declarativo quer ao nível
contabilístico.

Em sede de IRC considera-se a tributação do sócio ou membro não residente de uma


sociedade transparente ou de um ACE ou AEIE que o mesmo possui estabelecimento
estável em território português (nº 9 do artº 5º do CIRC).

Em sede de IRS, os valores imputados integram-se como rendimento líquido da categoria


B mesmo calculados com base no IRC, cumprindo desta forma os objetivos deste regime.14
De facto, a sociedade denominada transparente não é então tributada em sede de IRC
integrando-se os valores imputados no rendimento tributável dos sócios ou membros, para
efeitos de IRS ou IRC, consoante se trate de pessoas singulares ou coletivas.
Consequentemente as sociedades e os agrupamentos abrangidos pelo regime de
transparência fiscal não são sujeitos da obrigação principal que é o pagamento do imposto
em sede de IRC, passando esta obrigação para as pessoas dos respetivos sócios ou
membros, em sede de IRS ou IRC, salvo no que respeita em sede de IRC às denominadas
tributações autónomas (artº 12 do CIRC).

Quanto às retenções na fonte, os rendimentos auferidos pelas entidades sujeitas ao regime


de transparência fiscal estão sujeitas a estas nos mesmos termos que qualquer sujeito
passivo de IRC, sendo estas também imputadas aos sócios mesmo não existindo matéria
coletável, sendo efetuada de acordo com o estatuído no ato de constituição da sociedade ou
não havendo essa cláusula em partes iguais. Deste modo os lucros posteriormente
distribuídos por estas sociedades são considerados de aplicação de capitais não sendo
objeto de retenção na fonte.

Verifica-se, assim, que as sociedades transparentes não são tributadas em IRC salvo quanto
às tributações autónomas das despesas confidenciais, despesas de representação, encargos
com viaturas e despesas com ajudas de custo.

Constatando-se a existência de correções à matéria coletável de sociedades sujeitas ao


regime de transparência fiscal que impliquem alterações dos montantes imputados aos
sócios a Autoridade Tributária procede às correções na liquidação efetuada àqueles,
cobrando-se ou anulando-se as diferenças (artº 100).

14 Vide ultima parte do ponto 3 do relatório do preâmbulo do código.

26
Sobre esta matéria devemos dar especial atenção em sede de IRS ao artº 20, em sede de
IRC aos artºs 5º nº 9, 12º, 45º nº2, 52º nº 7, 90º nº 5, 100º, 118º nº 9, à Portaria 1041-2001,
refrente ao nº de viaturas e à Circular 8/90 regime de transparência fiscal aplicada às
sociedades de profissionais.

Quanto ao período de tributação segue as normas do nº 1 do artº 8 do CIRC sendo o


apuramento efetuado em regra de acordo com o ano civil, pese embora possa existir um
período diferente para sociedades não residentes com estabelecimento estável (nº2 do artº8
do CIRC).

2.3 Pacto Social

O artº 980 º do Código Civil faculta a noção de contrato de sociedade como “aquele que
duas ou mais pessoas se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício em
comum de certa atividade económica, que não seja de mera fruição, a fim de repartirem os
lucros resultantes dessa atividade”.
Também o artº 981º do mesmo Código determina, no seu nº 1, que o contrato de sociedade
não está sujeito a forma especial, à exceção da que fôr exigida pela natureza dos bens com
que os sócios entram para a sociedade.

No que respeita às sociedades de Revisores, estas têm por missão o desempenho de


funções de revisão legal de contas, auditoria às contas e serviços relacionados de empresas
e outras entidades, no exercício de quaisquer outras funções que por lei exijam a
intervenção própria e autónoma de revisores oficiais de contas sobre determinados atos ou
factos de empresas e de outras entidades, na consultoria em matérias que integram o
programa de exame para revisores oficiais de contas e no exercício de demais funções
definidas na legislação aplicável aos revisores oficiais de contas. 15
O Regime Jurídico dos Revisores Oficiais de Contas foi aprovado pelo Decreto – Lei nº
442 – A/ 93, de 30 de Dezembro e alterado pelo Decreto- Lei nº 487/99 de 16 de
Novembro 16

15 CFE Funchal consultado em http://www.ideram.pt/CFE em 11/09/2014


16
Manual do Revisor Oficial de Contas – consultado em 10/092014- http//www.gproc.com/EOROC.pdf

27
Este tipo de sociedades, sociedades de Revisores Oficiais de Contas, revestem a natureza
de sociedades civis, dotadas de personalidade jurídica podendo ser constituídas pelos tipos
de sociedades previstas no Código das Sociedades Comerciais, através de escritura pública,
nomeadamente de três formas:

1. Sociedade civil pura;


2. Sociedade civil, sob a forma comercial, e dentro da forma comercial poderá ser:
a) por quotas ou
b) anónima.
A firma das sociedades de revisores será obrigatória e exclusivamente composta pelos
nomes de todos os sócios ou de pelo menos um dos sócios revisor oficial de contas, ou
pessoa singular ou coletiva, reconhecida para o exercício da profissão em qualquer dos
outros Estados, por extenso ou abreviadamente, a que se poderão associar outros nomes,
iniciais, siglas ou composições; e pelo qualificativo «Sociedade de Revisores Oficiais de
Contas», ou abreviadamente «SROC», seguido do tipo jurídico adotado cfr,artº 2º do
Pacto Social em anexo.
No caso de não individualizar todos os sócios, deverá a firma conter a expressão "&
Associado"ou "& Associados", quando aplicável, não podendo ser sócio de mais de uma
sociedade de revisores.
É proibido às restantes sociedades, quaisquer associações ou outras pessoas colectivas,
bem como aos respectivos órgãos, utilizar quaisquer qualificativos susceptíveis de induzir
em erro relativamente à designação de "Sociedade de Revisores Oficiais de Contas" ou
"SROC", bem como, aos sócios ou membros das referidas entidades utilizar o qualificativo
de "sócio de sociedade de revisores oficiais de contas" ou "sócio de SROC" ou ainda
qualquer outro susceptível de induzir em erro.
Porém, uma sociedade de revisores poderá participar ou ser participada no capital por
sociedades de revisores ou por sociedades reconhecidas para o exercício da profissão, em
qualquer dos demais Estados.
Contudo, nas sociedades de revisores poderá também haver sócios não revisores oficiais de
contas, pessoas singulares, desde que nos respectivos estatutos sejam estabelecidos
cumulativamente requisitos essenciais.
Após a constituição da sociedade deverá ser depositada, para efeitos de registo na Ordem,
uma certidão comprovativa do registo definitivo na conservatória do registo comercial,

28
quando aplicável, bem como um exemplar dos estatutos, do Diário da República e do
jornal em que foram publicados ou fazendo prova de ter sido solicitada tal publicação.
As sociedades de revisores que não adotem os tipos jurídicos previstos no Código das
Sociedades Comerciais adquirem personalidade jurídica pelo registo na Ordem a que se
referiu anteriormente.
As sociedades de revisores devem possuir contabilidade organizada nos termos do SNC
sendo que, por razões de natureza deontológica e disciplinar, a Ordem, através do conselho
diretivo ou do conselho disciplinar, pode mandar proceder à análise da contabilidade e
documentação da sociedade
O capital social não poderá ser inferior a 5000 euros, e tem de ser depositado numa
instituição bancária antes da sua constituição exceto nas sociedades em que seja
representado por acções, caso em que não poderá ser inferior a 50 000 euros cfr. artº 3º
anexo.
Cada uma das partes de capital não poderá ser de montante inferior a 100 euros, tratando-
se de quotas, nem de montante inferior a 1 cêntimo, tratando-se de acções, nem indivisível
por estas quantias.
As partes de capital representativas de entradas em espécie deverão estar integralmente
liberadas na data da constituição da sociedade; as partes de capital representativas de
entradas em dinheiro deverão ser liberadas em metade, pelo menos, do seu montante na
data da subscrição, efetuando-se a liberação do restante nas datas fixadas no estatuto ou, na
falta de disposição estatutária, pela administração, direção ou gerência, mas não depois de
decorrido um ano após a inscrição na lista dos revisores oficiais de contas.
As importâncias resultantes da liberação das entradas em dinheiro no ato da subscrição
deverão ser depositadas num estabelecimento de crédito, antes de celebrar a escritura,
numa conta aberta em nome da futura sociedade, devendo ser exibido ao notário o
comprovativo de tal depósito por ocasião da escritura.
No caso de o capital das sociedades de revisores ser representado por ações, estas serão
obrigatoriamente nominativas.
As partes de capital dos sócios das sociedades de revisores não poderão constituir objeto de
penhor.
Quanto à administração, direção ou gerência da sociedade só poderá ser confiada a sócios
todos os sócios são administradores, diretores ou gerentes, salvo disposição expressa dos
estatutos em contrário, ficando incapacitado para exercer a administração, direção ou

29
gerência da sociedade o sócio revisor oficial de contas que se encontre em situação de
suspensão de exercício cfr. artº 4º do anexo.
Se for o caso de uma sociedade civil pura, no pacto social, será retirada da denominação
social a sigla "LDA" e a palavra "gerência" será substituída pela palavra "administração"
Os sócios respondem civil e solidariamente com as sociedades de revisores pela
responsabilidade emergente do exercício das funções de interesse público em qualquer
empresa ou outra entidades sendo a responsabilidade garantida por seguro e se efetuado
pessoalmente pelo sócio deverá ser transferido para a sociedade de revisores.
A sociedade dissolver-se-á nos casos previstos da lei ou nos estatutos e produzir-se-á se as
inscrições de todos os seus sócios revisores oficiais de contas ou a dela própria forem
canceladas na lista dos revisores oficiais de contas, determinando o referido cancelamento
a liquidação da sociedade; pela morte de todos os sócios ou se o número de sócios
revisores oficiais de contas se encontrar reduzido à unidade, poderá o sócio único, no prazo
de 180 dias, admitir novos sócios.
A sociedade considerar-se-á em liquidação a partir da dissolução ou da data em que se
tornar definitiva a decisão judicial que declare a nulidade do seu ato constitutivo.

No que concerne às sociedades de advogados,o Regime aprovado pelo Decreto Lei


229/2004, de 10 de Dezembro, determina que as sociedades de advogados são
obrigatoriamente civis, que apenas podem ter como sócios advogados inscritos na Ordem
dos Advogados. Pelo que as sociedades de advogados, e os respetivos sócios, estão
necessária e obrigatoriamente sujeitas ao regime de transparência fiscal.
Contudo, não deixa de ser curioso que no âmbito das profissões liberais a advocacia seja
possivelmente a única atividade que, quando exercida em sociedade, está imperativamente
sujeita a um tipo fechado de organização e, por consequência está obrigada ao regime de
transparência fiscal.
Outros profissionais liberais (médicos, economistas, engenheiros) podem escolher com
mais ou menos restrições, a forma societária em sociedade civil pura, ou adotando a forma
comercial, e neste último caso tendo como sócios apenas pessoas que exerçam a mesma
profissão ou incluindo outros sócios. Nessa medida dispõem de uma liberdade de opção
pela tributação segundo o regime normal de tributação, em IRS ou IRC ou de tributação
pelo regime de transparência fiscal.

30
Nesta matéria nada tem alterado no Regime Jurídico das Sociedades de Advogados sem
qualquer fundamento para que as sociedades de advogados se mantenham
obrigatoriamente sujeitas ao regime de transparência fiscal. 17
Em relação ao Regime Jurídico das Sociedades de Advogados a publicação do Decreto-Lei
n.º 513-Q/79, de 26 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º
237/2001, de 30 de Agosto, permitindo a institucionalização das sociedades de advogados,
veio contribuir decisivamente para uma melhor e mais organizada prestação dos serviços
jurídicos, com a relevância social de que os mesmos se revestem, possibilitando, ainda, um
melhor acesso dos jovens advogados a estruturas organizadas, que completam e coordenam
a sua adequada formação profissional. A livre prestação de serviços, decorrente da
integração na União Europeia, exigiu posteriormente a harmonização das formas de
prestação desses serviços, de modo a permitir uma concorrência sã e equilibrada entre os
profissionais dos diversos Estados membros, harmonização essa que deu lugar à
modificação do Estatuto da Ordem dos Advogados com a aprovação da Lei n.º 80/2001, de
20 de Julho. das suas características próprias e dos advogados que a integram.
Como corolário deste princípio, caberá a cada sociedade optar, nomeadamente, pelo
regime de responsabilidade por dívidas sociais, tendo sido criada a faculdade de escolha
por um regime de responsabilidade limitada. Igualmente se prevê a possibilidade de o
contrato de sociedade ou acordo de sócios regular a forma de calcular o valor da
amortização das participações de capital em caso de cessão de participações a terceiro,
transmissão não voluntária entre vivos, cessão gratuita, transmissão mortis causa, cessação
da actividade do sócio, exoneração ou impossibilidade temporária do exercício da
profissão ou suspensão da inscrição do sócio como advogado.
Em segundo lugar, salvaguardou-se o princípio da natureza não mercantil das sociedades
de advogados, não se remetendo a sua regulação para o direito comercial, como sucede
noutras ordens jurídicas.
Por razões de lógica e certeza jurídicas, visando evitar no futuro desnecessárias dúvidas de
interpretação e aplicação da lei e dos contratos de sociedade, estipula-se que, nos casos
omissos, o regime supletivo das sociedades de advogados será o regime das sociedades
civis.
Em terceiro lugar, seguiu-se o princípio da institucionalização das sociedades de

17 Vidé Ordem dos Advogados http://www.oa.pt consultado em 29/9/2014

31
advogados, assim se criando condições para que, à semelhança do que sucede nos países
mais desenvolvidos, se criem e consolidem em Portugal instituições de advocacia.
Neste sentido, deve destacar-se a faculdade de a firma da sociedade poder manter o nome
de ex-sócios, mediante a autorização destes ou dos seus herdeiros.
Relevo merece, também, a obrigatoriedade de estabelecer planos de carreira que detalhem
os critérios de progressão do advogado dentro da sociedade.
Em quarto lugar, seguiu-se o princípio da transparência e da credibilidade do exercício da
profissão de advogado, nomeadamente tornando obrigatório o depósito na Ordem dos
Advogados das contas anuais das sociedades de advogados que optem pela
responsabilidade limitada.
Finalmente, acolheu-se o princípio da desburocratização, no que respeita à relação entre a
Ordem e as sociedades de advogados. Nesse sentido, apenas para a constituição da
sociedade ou para os casos de cisão ou fusão se prevê a necessidade de aprovação prévia
pela Ordem dos Advogados dos contratos de sociedade respectivos.
Quanto aos demais casos, nomeadamente alteração do contrato de sociedade ou associação
entre sociedades de advogados, a eficácia dos actos dependerá de registo na Ordem, o qual
poderá ser recusado.
As sociedades de advogados gozam de personalidade jurídica, sendo esta adquirida a partir
da data do registo do contrato de sociedade sendo que, pelos atos praticados em nome da
sociedade até ao registo, respondem solidariamente todos os sócios e após o registo do
contrato, a sociedade assume os direitos e obrigações decorrentes dos actos praticados em
seu nome.
A capacidade das sociedades de advogados abrange todos os direitos e obrigações
necessários ou convenientes ao exercício em comum da profissão de advogado, excetuando
aqueles que lhes sejam vedados por lei ou os que sejam inseparáveis da personalidade
singular.
As participações em sociedades de advogados são obrigatoriamente nominativas e só
podem ser detidas por advogados inscritos na Ordem dos Advogados, com exclusão dos
advogados estagiários.
Os advogados da União Europeia registados na Ordem dos Advogados, caso não sejam
sócios de uma sociedade de advogados constituída de acordo com o direito interno do
respectivo Estado, podem constituir entre si, com advogados portugueses ou com
advogados de diferentes Estados membros da União Europeia, uma sociedade de
advogados.
32
Só podem fazer parte de uma única sociedade de advogados e devem consagrar a esta toda
a sua actividade profissional de advogados, sem prejuízo de qualquer dos sócios poder
exercer actividade profissional de advogado fora da sociedade, desde que autorizado no
contrato de sociedade ou em acordo escrito de todos os sócios.
Nas sociedades de advogados podem exercer a sua actividade profissional advogados não
sócios que tomam a designação de associados, ficando os direitos e deveres dos associados
a constar do contrato de sociedade ou a ficar definidos nos planos de carreira e deles deve
ser dado conhecimento ao associado, no momento da sua integração na sociedade.
O contrato de sociedade deve conter obrigatoriamente as seguintes menções:
a) O nome e o número de inscrição na Ordem dos Advogados dos sócios;
b)A firma da sociedade;
c) A sede social;
d) O montante do capital social, a natureza e o valor das participações que o representam e
os respectivos titulares;
e) Consistindo a entrada em bens diferentes de dinheiro, a descrição destes, bem como a
especificação e a justificação dos respectivos valores;
f) A declaração da realização total ou parcial do capital;
g) O modo de determinação das participações de indústria;
h) O modo de determinação de repartição dos resultados;
i) A forma de designação dos órgãos sociais;
j) Os direitos especiais concedidos a algum ou alguns dos sócios, se existirem;
l) O regime de responsabilidade por dívidas sociais.
Pode o contrato de sociedade prever a abertura de outros escritórios da sociedade, no País
ou no estrangeiro, para além do escritório da sede.
O contrato de sociedade deve constar de documento particular, salvo quando haja entrada
de bens imóveis, caso em que deve constar de escritura pública após ser outorgado depois
de aprovado o projecto do contrato de sociedade pela Ordem dos Advogados
O projeto de contrato de sociedade é submetido à aprovação do conselho geral da Ordem
dos Advogados, o qual exerce um controlo de mera legalidade, verificando
designadamente se o mesmo está de harmonia com as normas deontológicas constantes do
Estatuto da Ordem dos Advogados, bem como, com as regras previstas no diploma, deve
ser acompanhado do certificado de admissibilidade de firma.
No prazo de 15 dias após a outorga do contrato de sociedade, deve ser apresentada ao
conselho geral da Ordem dos Advogados uma cópia autenticada do contrato, que fica
33
arquivada, a fim de se proceder ao registo em livro próprio ficando o conselho geral da
Ordem dos Advogados obrigado a promover o registo no prazo de 10 dias.
A firma da sociedade é constituída pelo nome profissional, completo ou abreviado, de
todos, alguns ou algum dos sócios da sociedade e termina com a expressão «sociedade de
advogados» e a menção do regime de responsabilidade, com as iniciais RL para as
sociedades de responsabilidade limitada, ou RI para as sociedades de responsabilidade
ilimitad, cfr. artº 1º do anexo, Pacto Social dos Advogados.
Quando a firma não individualize o nome de todos os sócios, deve ser aditada a expressão
«e associados» ou «& associados» podendo a firma da sociedade ser mantida com o nome,
completo ou abreviado, de ex-sócios mediante autorização escrita destes ou dos seus
herdeiros, dada a qualquer momento, exceto, quando o nome do ex-sócio tenha figurado na
firma da sociedade por mais de 20 anos, caso em que deixa de ser necessária a autorização
referida.
No que se refere a participações de indústria e de capital todos os sócios integram a
sociedade com participações de indústria e, alguns ou algum deles, segundo o que for
convencionado, também com participações de capital cfr. artº 4º do anexo.
As participações de indústria não concorrem para a formação do capital social e
presumem-se iguais, salvo estipulação em contrário do contrato de sociedade, são
intransmissíveis e extinguem-se sempre que o respectivo titular deixe, por qualquer razão,
de ser sócio da sociedade. Extinguindo-se a participação, o sócio ou os seus herdeiros têm
direito, salvo convenção em contrário, a receber da sociedade relativamente à sua
participação de indústria e na proporção desta.
As participações de capital podem ser realizadas em dinheiro ou em espécie.
A cessão onerosa de participações de capital é livre entre os sócios, sem prejuízo do direito
de preferência dos restantes, a exercer na proporção das suas participações, excepto se o
contrato de sociedade dispuser de forma diversa.
Compete à assembleia geral dos sócios deliberar sobre as matérias não compreendidas nas
atribuições legais ou estatutárias da administração. Dependem de deliberação dos sócios os
seguintes actos, além de outros que o presente diploma ou o contrato indicarem:
a) Consentimento para transmissão de participações de capital;
b) Amortização de participação de capital;
c) Extinção da participação de indústria;
d) Admissão e exclusão de sócio;
e) Designação e destituição de administradores e fixação das respectivas remunerações;
34
f) Alienação ou oneração de bens imóveis e do estabelecimento da sociedade;
g) Aprovação das contas e dos resultados de exercício;
h) Distribuição de lucros;
i) Propositura de acções contra sócios e administradores;
j) Participação em consórcios, agrupamentos complementares de empresas e em
agrupamentos europeus de interesse económico;
l) Prorrogação da duração da sociedade;
m) Dissolução da sociedade;
n) Fusão e cisão da sociedade;
o) Outras alterações do contrato de sociedade;
p) Ratificação dos actos celebrados em nome da sociedade antes do registo do contrato.
A assembleia geral é constituída por todos os sócios da sociedade e não pode deliberar, em
primeira convocação, sem a presença de, pelo menos, três quartos dos sócios.
Todos os sócios têm igual poder para administrar a sociedade, independentemente da
forma societária escolhida, salvo estipulação em contrário do contrato de sociedade.
O exercício dos poderes de administração deve conformar-se com a independência do
sócio, enquanto advogado, relativamente à prática dos respectivos actos profissionais cfr.
artº 5º do anexo.
A administração deve elaborar e submeter à assembleia geral as contas do exercício,
acompanhadas do relatório de gestão, do balanço e da demonstração de resultados e dos
respectivos anexos, no prazo de três meses a contar da data do encerramento de cada
exercício anual.
A sociedade pode atribuir mensalmente aos sócios uma importância fixa por conta dos
lucros a distribuir.
Salvo disposição do contrato ou deliberação da assembleia geral em contrário, as
remunerações de qualquer natureza cobradas como contraprestação da actividade
profissional da advocacia dos sócios e dos associados constituem receitas da sociedade.
A distribuição dos lucros é deliberada em assembleia geral, segundo o que se encontrar
estabelecido no contrato de sociedade ou em acordo escrito de todos os sócios sendo que a
divisão dos lucros entre os sócios pode não ser proporcional ao valor das participações de
cada um cfr. artº 12º do anexo.
As sociedades de advogados devem optar, no momento da constituição, por um dos dois
tipos seguintes, consoante o regime de responsabilidade por dívidas sociais a adoptar:

35
a) Sociedades de advogados de responsabilidade ilimitada;
b) Sociedades de advogados de responsabilidade limitada.
A responsabilidade por dívidas sociais inclui as geradas por actos praticados ou por
omissões imputadas a sócios, associados e advogados estagiários, no exercício da
profissão.
Nas sociedades de advogados de responsabilidade ilimitada, os sócios respondem pessoal,
ilimitada e solidariamente pelas dívidas sociais.
Os credores da sociedade só podem, no entanto, exigir aos sócios o pagamento de dívidas
sociais após a prévia excussão dos bens da sociedade.
Nas sociedades de advogados de responsabilidade limitada, apenas a sociedade responde
pelas dívidas sociais.
O capital social mínimo é de (euro) 5000, a subscrever e a realizar integralmente em
dinheiro cfr. artº 3º do anexo.
As sociedades de advogados que optem pelo regime de responsabilidade limitada devem
obrigatoriamente contratar um seguro de responsabilidade civil para cobrir os riscos
inerentes ao exercício da actividade profissional dos seus sócios, associados, advogados
estagiários, agentes ou mandatários.
O capital mínimo obrigatoriamente seguro não pode ser inferior ao valor correspondente a
50% do valor de facturação da sociedade no ano anterior, com um mínimo de (euro)
50.000 e um máximo de (euro) 5.000.000.
É admitido o consórcio entre duas ou mais sociedades de advogados para o exercício, em
conjunto e por período limitado, da actividade profissional de advogado.
O consórcio com sociedades de advogados estrangeiras só é permitido nos casos em que
estas exerçam em exclusivo a actividade de advocacia.
As sociedades de advogados podem agrupar-se entre si sob a forma de agrupamento
complementar de empresas (ACE) cfr. artº 2º do anexo.
O ACE é constituído nos termos e condições livremente estabelecidas pelas partes, com
respeito pelas normas deontológicas aplicáveis, pelos preceitos do presente diploma e da
legislação específica respectiva.
Não são permitidos ACE com sociedades de advogados estrangeiras que não exerçam em
exclusivo a actividade de advocacia.
As sociedades de advogados podem agrupar-se entre si sob a forma de agrupamento
europeu de interesse económico (AEIE).

36
O AEIE é constituído nos termos e condições livremente estabelecidos pelas partes, com
respeito pelas normas deontológicas aplicáveis, pelos preceitos do presente diploma e da
legislação específica respectiva. Não são permitidos AEIE com sociedades de advogados
estrangeiras que não exerçam em exclusivo a actividade de advocacia.

2.4 Tributação nas categorias de r endimentos

O CIRS preconiza no seu artº 20, que constitui rendimento dos sócios ou membros das
entidades referidas no artº 6º do CIRC, que sejam pessoas singulares, o resultante da
imputação efetuada nos termos e condições dele constante ou, quando superior, as
importâncias que, a título de adiantamento por conta de lucros, tenham sido pagas ou
colocadas à disposição durante o ano em causa; sendo que as respetivas importâncias se
integram como rendimento líquido de categoria B.

Por outro lado, também constitui rendimento dos sujeitos passivos de IRS residentes em
território português os lucros ou rendimentos obtidos por entidades não residentes em
território português e aí submetidos a um regime fiscal claramente mais favorável, no caso
em que, nos termos e condições do artº 66º do Codigo do IRC, os mesmos detenham, direta
ou indiretamente, mesmo que através de mandatário, fiduciário ou interposta pessoa, pelo
menos 25% ou 10% das partes de capital, dos direitos de voto ou dos direitos sobre os
rendimentos ou os elementos patrimoniais dessas entidades, consoante os casos, aplicando-
se para o efeito, com as necessárias adaptações, o regime estabelecido no nº 3 do mesmo
preceito.

De qualquer modo, nos termos do nº 4 do mencionado artigo, para efeitos do número


anterior, as respetivas importâncias integram-se como rendimento liquido na categoria B,
nos casos em que as partes de capital ou os direitos estejam afetos a uma atividade
empresarial ou profissional, ou na categoria E, nos restantes casos.

Contudo se os sócios forem pessoas coletivas, como por exemplo no caso dos ACE e
AEIE, a matéria tributável apurada será imputada ao sócio pessoa coletiva na sua
declaração de IRC.

Em relação à tributação na categoria B de IRS, a imputação de rendimentos pode ter como


consequência que os sócios possam ser obrigados a pagar imposto relativamente a

37
rendimentos que não receberam ou que não foram colocados à sua disposição pela
sociedade. 18

18 Portaria nº 150/2004, de 13 de fevereiro – Lista dos países, territórios e regiões com regimes de tributação
privilegiada claramente mais favoráveis (paraísos fiscais)
Portaria nº 292/2011, de 8 de novembro – primeira alteração à Portaria nº 150/2004, de 13 de Fevereiro.

38
3 – A CONVENÇÃO MODELO O CDE

3.1 A Transparência Fiscal e a CMOCDE

Conforme Rui Duarte Morais “A CMOCDE é um articulado de convenção proposto pela


OCDE como “guia”para a celebração pelos Estados, a nível bilateral, de convenções sobre
dupla tributação. É o modelo mais seguido a nível internacional e no qual se baseia a
generalidade das convenções subscritas por Portugal” 19
O critério da Convenção previsto no artigo 4º trata do domicílio fiscal ou residência. A
expressão “ residente de um Estado contratante significa qualquer pessoa física (pessoa
natural) ou jurídica (pessoa coletiva) que, decorrendo da legislação nacional esteja sujeita à
imputação tributária respetiva, seja por domicílio, residência, local de direção ou a
qualquer outro critério de natureza similar. A Convenção consagra critérios para a
resolução de situações especiais, respeitantes ao entendimento em presença do caso
concreto: a) residente apenas no Estado em que tenha uma habitação permanente à sua
disposição; b) quando não fôr possível determinar o centro de interesses vitais ou a
habitação permanente, opta-se pelo critério de permanência habitual; c) em última
instância por acordo entre ambos os Estados, o denominado procedimento amigável.
As disposições normativas em Portugal acerca da residência e sujeição tributária estão
inscritas na legislação dos impostos sobre os rendimentos, quer no CIRS, quer no CIRC.
Também o artº 3º do Decreto-Lei 244/88 de 8 de agosto de 2011 considera, ainda,
residente o estrangeiro com título de residência válido.
Quanto às pessoas coletivas o entendimento acerca de residência remete para o
estabelecimento estável. Estabelece a Convenção que prevalecerá o Estado em que estiver
situado o seu local de direção efetiva.
Porém, a questão do e-commerce levanta muitos obstáculos a todos os Estados no que
concerne ao conceito de estabelecimento estável, situação a merecer ainda muito estudo.

19
A Transparência Fiscal e a CMOCDE – ver relatório OCDE, Controlled Foreign Company Legislation,
Paris – 1996

39
3.2 As implicações em Direito comparado
A chamada transparência fiscal internacional aplica-se a sujeitos passivos que devido a
uma incidência subjetiva por serem sócios de entidades não residentes em que se inclui no
seu rendimento tributável rendimentos obtidos fora do seu território e que suportaram uma
tributação inferior.
Por este motivo também a Espanha adotou o modelo Subpart F Income com o propósito
de evitar a acumulação de benefícios dos seus residentes noutros Estados em que a pressão
fiscal é mais baixa, sob o efeito da sociedade transparente, bem como o deferimento do
imposto a pagar no Estado de residência dos sócios da sociedade mediante englobamento
dos rendimentos conseguidos noutro Estado.
A técnica empregue consiste em imputar o rendimento da entidade não residente ao sócio
integrando na sua base tributária certos rendimentos cuja fonte se situa noutros territórios.
Atualmente o regime de TFI tem como finalidade evitar a evasão fiscal por parte dos
sócios das sociedades.
De facto a norma destina-se a neutralizar as atuações dos sócios residentes que desviam e
acumulam rendimentos em sociedades aparentes não residentes situadas ou não nos
chamados paraísos fiscais.
A utilização da sociedade simulada para ocultar rendimentos obtidos noutro Estado e
submetidos a um tratamento fiscal privilegiado sem respeito pelo próprio Estado.
Em resumo, o pressuposto do regime TFI é o diferimento do imposto fundado na
simulação ou abuso de formas jurídicas, de acordo com outra jurisdição tributária.
Assim, a sociedade aparente simulada encobre o diferimento ilícito do pagamento do
imposto no Estado de residência do acionista principal com o fim de evitar uma taxação
superior de imposto.
A evolução do regime TFI20, derivado das disposições defensivas Subpart F EUA e
adoptado pela maior parte dos Estados industrializados situa-se na fronteira da insegurança
jurídica no plano internacional conforme diz O.Buhler “nos limites que o principio da
soberania tributaria permite sobre sociedades de outros países, pode dizer-se que foram
modificados esses limites, ao aproveitar em seu favor, ao proceder contra o acionista do
país, os benefícios obtidos no estrangeiro com um resultado económico final semelhante
aquele produzido na teoria aceite em todos os países, exceto na Alemanha”.

20 As regras CFC, Fiscalidad Internacional, Túlio Rosembuj

40
O sistema Subpart F não teve outros fins, na sua origem, que o de estabelecer barreiras à
utilização de territórios classificados como paraísos fiscais mediante a constituição de
sociedades aparentes com o objetivo de acumular rendimentos isentos ou escassamente
tributados e o diferimento do imposto correspondente ao Estado de residência da sociedade
mãe ou acionista principal.
A caraterização subjetiva da entidade submetida ao regime de Subpart F pretendia
circunscrever a sua aplicação aos sócios sobre pressupostos meramente fiscais.
O alargamento do regime a outros pressupostos faz com que hoje em dia se viva uma
situação de incerteza jurídica difícil de explicar.
A globalização, a expansão ultra territorial vai mais além dos propósitos iniciais
verificando-se a necessidade de repensar o paradigma existente sobre os princípios do
Direito fiscal internacional.

3.3 As Convenções

O Código do IRC determina no seu artº 2º, nº3 que são sujeitos passivos residentes aqueles
cuja sede (aquela que figura no contrato) ou direção efetiva (comummente se afirma como
aquele local onde se deva situar a administração da empresa e onde são tomadas as
decisões correntes de gestão 21 se situe em território nacional.
São, portanto estes os dois elementos de conexão, no entanto, devido ao desenvolvimento
da informática e das telecomunicações é possível realmente que a direção efetiva se situe
em qualquer parte do mundo. Também a existência de grandes grupos de multinacionais
dificulta este critério de direção efetiva por efetivamente ela ser muito abrangente.
O facto é que os países necessitam de receitas fiscais com o fim de suprir as necessidades
públicas e desse modo podem invocar ambos os elementos de conexão originando
situações de dupla tributação de lucros.
É nesta situação em que mais do que um Estado exige o imposto que importa a existência
de uma convenção entre as partes de modo a diluir o conflito através das regras nela
estabelecidas (cfr.artº 4, nº3 da CMOCDE).
Quanto aos sujeitos passivos não residentes estes são tributados pelos rendimentos
auferidos em Portugal, critério da fonte como elemento de conexão com direito a arrecadar
o imposto, conforme o estabelecido no nº 3 do artº 4º do CIRC, sendo por vezes este ato

21
Vidé Morais, Rui Duarte, Imputação de Lucros das Sociedades

41
efetuado por substituição tributária da entidade pagadora através de retenção na fonte a
taxa liberatória.
No entanto, em relação ao estabelecimento estável um não residente dispõe em outro
estado de uma estrutura através da qual exerce uma atividade empresarial, incluindo o
exercício de atividades profissionais de modo independente.
Na maioria das Convenções os rendimentos das profissões independentes apareciam
regulados no antigo artigo 14º da CMOCDE, tendo sido suprimido este artº e os
rendimentos das profissões independentes passarem a ser consideradas como lucro
empresarial nos termos do artº 7º.
Segundo Rui Morais (2008:26) existindo um estabelecimento estável de um não residente
existe uma divergência entre as realidades económica e jurídica sendo o titular do
estabelecimento um não residente, a empresa que detém o estabelecimento é residente. Dá-
se deste modo, relevância à realidade económica, o estabelecimento é tratado como uma
entidade residente ficando sujeito às mesmas regras de tributação que os residentes.
Quanto ao direito internacional, há que ter em conta o princípio da não discriminação-
previsto nas convenções sobre dupla tributação, que limita uma tributação mais onerosa a
um estabelecimento estável num outro estado contratante do que a aquela a que possam
estar sujeitas as outras empresas desse estado.

42
4- A TRIB UTAÇÃO NAS DIV ERSAS VERTENTES

Em sede de imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas o apuramento do lucro


tributável é efetuado através do resultado líquido acrescido das correções e adicionando as
mais ou menos variações patrimoniais.

4.1 A Modelo 22

Determina a alínea b) do artº 117 do CIRC que os sujeitos passivos de IRC ou os seus
representantes são obrigados a entregar a declaração periódica de rendimentos, nos termos
do artº 120 do mesmo código.
Preconiza o supra mencionado preceito que a declaração periódica de rendimentos deve ser
enviada anualmente, em regra, até ao último dia do mês de Maio do ano seguinte.
A finalidade da mod.22 é declarar o lucro tributável das sociedades apurado a partir do
resultado líquido e das variações patrimoniais positivas e negativas verificadas no mesmo
período e não refletidas naquele resultado, determinadas com base na contabilidade e
eventualmente corrigidos nos termos do Código do IRC.
As sociedades de profissionais, as sociedades de simples administração de bens, os
agrupamentos complementares de em presas (ACE´s) e os agrupamentos europeus de
interesse económico (AEIE´s) também são obrigados a apresentar a declaração mod.22 nos
termos do nº 9 do artº 117 do CIRC, embora não sejam objeto de tributação, mas sim os
seus sócios ou membros, mesmo que não haja distribuição de lucros. 22

4.2 A tributação das sociedades transparentes

O IRC define a base de incidência na alínea a) do nº1 do artigo 2º do CIRC sobre o lucro
das sociedades comerciais ou civis sob a forma comercial, das cooperativas e das empresas
públicas e de outras entidades, públicas ou privadas, bem com entidades desprovidas de
personalidade jurídica cujos rendimentos não sejam tributáveis diretamente em IRS ou em
IRC diretamente na titularidade de pessoas singulares ou coletivas com sede ou direção

22
Vide Quintino Ferreira, Henrique -A determinação da matéria coletavel,1998.pg 23

43
efetiva em território português e que exerçam a título principal uma atividade de natureza
comercial, industrial, ou agrícola.
O IRC é um imposto periódico, anual, compreendendo o período de 12 meses que pode
não ser exatamente o ano civil, admite-se um período não coincidente com o ano civil, em
regra aproveitado por empresas de grupos multinacionais tributadas pela consolidação.
Verificando-se a existência de tributação de pessoas coletivas e de pessoas singulares surge
num grau intermédio a tributação de sociedades de pessoas.
Estas pessoas desenvolvem uma atividade conjunta de acordo com as suas qualificações
profissionais, correspondendo às profissões liberais sendo que o capital da sociedade tem
uma expressão mínima e por essa razão é secundário, como diz Saldanha Sanches (…) No
sentido de uma associação entre pessoas que formam uma sociedade para pôr em conjunto
as suas aptidões profissionais.
Devido a esta conflitualidade de tratamento de sociedades de pessoas como se de
sociedades de capitais se tratasse releva o chamado regime de transparência fiscal, o qual
atenua essencialmente o problema de dupla tributação na pessoa coletiva (a sociedade) e na
esfera dos sócios (pessoas singulares).
Deste modo optou-se pela alternativa de não ser a sociedade o sujeito passivo do imposto
embora seja sujeito passivo a nível da relação jurídica existente.
Como já anteriormente descrito é imputada aos sócios, integrando-se, nos termos da
legislação que for aplicável, no seu rendimento tributável para efeitos de IRS ou IRC,
consoante o caso, a matéria coletável, determinada nos termos do código, das sociedades a
seguir indicadas, com sede ou direção efetiva em território português, ainda que não tenha
havido distribuição de lucros:

 Sociedades civis não constituídas sob forma comercial;


 Sociedades de profissionais;
 Sociedades de simples administração de bens, cuja maioria do capital social
pertença, direta ou indiretamente, durante mais de 183 dias do exercício social, a
um grupo familiar, ou cujo capital pertença, em qualquer dia do exercício social, a
um número de sócios não superior a cinco e nenhum deles seja pessoa de direito
público.
 Os lucros ou prejuízos do exercício, apurados nos termos do código, dos
agrupamentos complementares de empresas e dos agrupamentos europeus de

44
interesse económico, com sede ou direção efetiva em território português, que se
constituam e funcionem nos termos legais, são também imputáveis diretamente aos
respetivos membros, integrando-se no seu rendimento tributável.
 A imputação a que se referem os números anteriores é feita aos sócios ou membros
nos termos que resultarem do ato constitutivo das entidades aí mencionadas ou, na
falta de elementos, em partes iguais.
De harmonia com o regime de transparência fiscal as sociedades, designadamente as
denominadas de sociedades profissionais e as de simples administração de bens, não são
tributadas em IRC, mas a sua matéria coletavel é diretamente tributada em IRS, em regra
na categoria B, eliminando-se deste modo, a dupla tributação.
Aquando da sua criação o legislador entendia que era uma maneira de contornar algumas
formas de constituição de sociedades com o objetivo de reduzir a carga fiscal aplicando-se
ao universo das sociedades de profissionais, sociedades civis não constituídas sob a forma
comercial e para as sociedades de simples administração de bens cujo capital pertença a
um grupo familiar.
Constitui, assim, este regime uma exceção à incidência do imposto sobre as sociedades.
Conforme afirma Saldanha Sanches (2002:208 e ss) as sociedades transparentes estão
isentas de IRC ou, em alternativa, não estão sujeitas a IRC, parecendo ser intenção do
legislador considera-las como isentas, tendo integrado o artº 12 do CIRC, onde se dispõe
que elas não serão tributadas em IRC, no capítulo II deste código que trata das “isenções”.
No entanto, não existindo um fim extra fiscal mas sim uma não tributação em IRC por
parte da sociedade imputando-se o resultado aos sócios no âmbito do IRS traduz-se
expressamente numa situação de não tributação segundo o autor acima referenciado,
inscrevendo-se nos termos do artº 6º do CIRC a matéria coletável que lhes for imputada na
linha 709 do Quadro 07 da declaração mod.22, bem como, no campo G79 da IES, a
matéria coletavel a imputar aos sócios, cujo montante corresponde ao valor apurado no
campo 311 do quadro 09 da mod. 22.
Este regime permite que as sociedades transparentes mesmo que não distribuam lucro, não
sejam tributados em IRC, imputando a sua matéria coletável aos sócios, pela forma
prevista no artº 6º..
Os lucros tributáveis dos ACE´S e AEIE´s são também imputados nos termos do nº 3 do
artº 6 aos seus membros, pelo que estes, se estiverem sujeitos a IRC, terão que adicionar
esses lucros tributáveis na linha 709 do Quadro 07 da declaração mod.22., para além de ter

45
que preencher o campo G80 da IES com o valor apurado no campo 778 do quadro 07 da
modelo 22 (lucro fiscal) ou o valor apurado no campo 777 do quadro 07 (prejuízo fiscal).
Nos termos do artº 6º do CIRC as sociedades transparentes devem imputar aos sócios a
matéria coletável que lhes competir determinada nos termos do mesmo código.
Isto significa que os sócios, sendo pessoas coletivas, sujeitos a IRC devem adicionar ao seu
lucro contabilístico a matéria coletável que lhes couber mediante a participação ou o
estatuído no pacto social.
Estas sociedades, conforme disposto no artº. 12 do CIRC não são tributados em IRC pelo
que não existe o PEC nestas sociedades.
No entanto, são tributadas pelas denominadas tributações autónomas, cuja tributação não
incide propriamente sobre o rendimento mas sim sobre determinados tipos de despesas ou
gastos, nos termos do artº 88 do CIRC:

 Despesas não documentadas, nº 1:


Para Casalta Nabais (2007:602) trata-se de uma tributação sobre a despesa ou consumo
e não sobre o rendimento que se explica pela necessidade de prevenir e evitar que
através dessas despesas as empresas procedam à distribuição camuflada de lucros,
sobretudo de dividendos que assim apenas ficariam sujeitos a IRC enquanto lucros da
sociedade, bem como combater a fraude e evasão fiscais que tais despesas ocasionem
não apenas em relação ao IRS e IRC mas também em relação às correspondentes
contribuições tanto das entidades patrimoniais como dos trabalhadores para a
segurança social.
As despesas não documentadas estão sujeitos à taxa de 50% para entidades que
exerçam a título principal atividade de natureza comercial, industrial ou agrícola, sem
prejuízo da sua não consideração como gastos nos termos do artº 23º do CIRC.
A taxa será elevada para 70% nos termos do artº 88, nº2 do CIRC nos casos em que tais
despesas sejam efetuadas por sujeitos passivos de IRC total ou parcialmente isentos ou
que não exerçam a título principal uma atividade de natureza comercial, industrial ou
agrícola.
Porém, estamos perante despesas não consideradas como gastos e por outro lado,
sujeitas a tributação autónoma.

 Encargos com viaturas ligeiras de passageiros, motos ou motociclos, nº 3:

46
São também tributadas autonomamente os encargos efetuados ou suportados por
sujeitos passivos relacionados com viaturas ligeiras de passageiros, motos ou
motociclos, excluindo os veículos movidos exclusivamente a energia elétrica às taxas
de a) 10% no caso do custo de aquisição ser inferior a € 25 000; b) 27,5% se o valor de
aquisição for superior a € 25 000 e inferior a € 35 000; c) 35% no caso de viaturas com
custo de aquisição superior a € 35 000.

 Os encargos relativos a despesas de representação, nº 7:


São tributadas à taxa correspondente a 10% os encargos dedutíveis relativos a
despesas de representação, nomeadamente despesas com recepções, refeições,
viagens, passeios e outros.

 Despesas pagas a não residentes e aí submetidas a regime mais favorável, nº 8:


As importâncias pagas ou devidas a qualquer título a pessoas coletivas fora do
território português e aí submetidas a um regime fiscal claramente mais favorável,
salvo se o sujeito passivo puder demonstrar que tais encargos correspondem a
operações efetivamente realizadas e que não têm um carater anormal ou de
montante exagerado:
À taxa de 35% para entidades que exerçam a título principal uma atividade de
natureza comercial, industrial ou agrícola;
À taxa de 55% para entidades isentas ou que não exerçam a título principal uma
atividade de natureza comercial, industrial ou agrícola.

 Os encargos dedutíveis relativos a despesas com ajudas de custo, nº 9:


Despesas com ajudas de custo e à compensação pela deslocação em viatura própria
do trabalhador, ao serviço da entidade patronal, não faturadas a clientes, exceto na
parte em que haja tributação em IRS na esfera do beneficiário e os encargos da
mesma natureza não dedutíveis, em empresas que apresentem prejuízos, à taxa de
5%.23

23Vidé Faustino, Manuel-xxiv Jornadas Latinoamericanas de derecho tributario – Venezuela Outubro de


2008, Os princípios tributarios face aos novos modelos de tributação de rendimento, Ciência e Técnica Fiscal
nº 422, pg 228 a 231.

47
 As taxas de tributação autónoma previstas nos nºs 7 e 9 não são aplicáveis aos
sujeitos passivos a que se aplique o regime simplificado da determinação da
matéria coletavel.

Podemos agora dividir as chamadas sociedades de transparência fiscal segundo as suas


designações:
As sociedades de simples administração de bens - aquelas que não têm qualquer outra
atividade. Esta norma destina-se a evitar o abuso da forma societária para a simples fruição
de bens imobiliários por parte do grupo familiar, excluindo assim o exercício de uma
verdadeira atividade comercial.
Sociedades civis sob a forma comercial - .Inicialmente as taxas de IRS eram mais elevadas
e consequentemente existia uma pretensão anti abusiva devido ao imposto das sociedades
se menor. Mais tarde com o incremento da taxa de IRC o legislador passou a concentrar-se
na restrição das sociedades de profissionais que poderia caber no regime.
Surge então a restrição do exercício deste regime a profissionais com a mesma qualificação
profissional, situação alterada em 2014 como já referido, caraterizada pela neutralidade,
combate à evasão fiscal e eliminação da dupla tributação dos lucros distribuídos aos sócios.

4.3 Obrigações declarativas

Assim sendo a sociedade totalmente constituída com personalidade jurídica sob incidência
do imposto e sendo sujeito passivo do imposto está sujeita a obrigações determinadas no
próprio código:
Dispõe o nº 9 do artº 117 segundo o qual a não tributação em IRC das entidades abrangidas
pelo regime de transparência fiscal nos termos do nº 6 não dispensa a apresentação da
declaração de inscrição, de alterações ou de cancelamento no registo de sujeitos passivos
de IRC, da declaração periódica de rendimentos e da declaração anual de informação
contabilística e fiscal.
Há assim a dupla obrigação de declaração de rendimentos, a obrigação de declaração da
sociedade em sede de IRC, relativamente ao lucro apurado, e a obrigação de cada um dos
sócios de declarar em sede de IRS ou de IRC a matéria coletável correspondente.
Nos termos do artº 100º quando haja lugar a correções relativamente às sociedades
transparentes, que determinem alteração dos montantes imputados aos sócios ou membros,

48
a AT promove as correspondentes alterações na liquidação a estes efetuadas, cobrando ou
anulando em consequência das diferenças apuradas.24
Determina o artº 117º do CIRC as obrigações declarativas das sociedades frisando no nº 9
do preceito que “ A não tributação em IRC das entidades abrangidas pelo regime de
transparência fiscal não as desobriga de apresentação ou envio das declarações constantes
do nº1.
São as seguintes as principais obrigações declarativas:
 Declaração de inscrição, de alterações ou de cessação nos termos dos artigos 118º e
119º; do CIRC.
A declaração de inscrição no registo deve ser apresentada, nos termos do nº 1 do
artigo, em qualquer serviço de finanças ou noutro local legalmente autorizado, no
prazo de 90 dias a partir da data de inscrição no Registo Nacional das Pessoas
Coletivas sempre que esta seja legalmente exigida, ou, caso o sujeito passivo esteja
sujeito a registo comercial no prazo de 15 dias a partir da data da apresentação a
registo na Conservatória do Registo Comercial;
Conforme o nº 5 do mesmo preceito, sempre que se verifiquem alterações de
qualquer dos elementos constantes da declaração de inscrição no registo, deve o
sujeito passivo entregar a respetiva declaração de alterações no prazo de 15 dias a
contar da data da alteração, salvo se outro prazo estiver expressamente previsto;
Quanto à declaração de cessação determina o nº 6 do artigo que os sujeitos passivos
de IRC devem apresentar a declaração de cessação no prazo de 30 dias a contar da
cessação da atividade.

 Declaração periódica de rendimentos, nos termos do artigo 120º;


A declaração periódica de rendimentos a que se refere a alínea b) do nº 1 do artigo
118º deve ser enviada, anualmente, por transmissão eletrónica de dados, até ao
último dia do mês de maio, independentemente desse dia ser útil ou não útil.

 Declaração anual de informação contabilística e fiscal, nos termos do artigo 121º.


. A declaração anual de informação contabilistica e fiscal – IES, a que se refere a
alínea c) do nº 1 do artº117º deve ser enviada nos termos e com os anexos que para
o efeito sejam mencionados no respetivo modelo, obrigatoriamente com o Anexo

24 Vidé CIRC

49
G, a enviar por transmissão eletrónica de dados até ao dia 15 de julho de cada ano
independentemente de ser dia útil ou não conforme estipulado no mencionado
preceito;

 Processo de documentação fiscal nos termos dos artigos 129º do CIRS e 130º do
CIRC
Os sujeitos passivos de IRC estão obrigados a manter um processo de
documentação fiscal, também designado dossier fiscal.
Os documentos que devem integrar este dossier encontram-se elencados no Anexo
I à Portaria 92-A/2011, de 28 de fevereiro, entre os quais se inclui o mapa de
depreciações e amortizações Mod. 32;

 A declaração mensal de remunerações (DMR) – artº 119º, nº 1,c) i:


Esta declaração destina-se a declarar os rendimentos do trabalho dependente
auferidos por sujeitos passivos residentes em território nacional, incluindo os
rendimentos dispensados de retenção na fonte, os rendimentos isentos e ainda os
excluídos nos termos dos artigos 2º e 12º do CIRS, desde que pagos ou colocados à
disposição do seu titular;

 A declaração Mod. 10 – artº 119º, nº 1, c) ii:


Destina-se a declarar os rendimentos sujeitos a imposto, isentos e não sujeitos, que
não foram declarados na DMR auferidos por sujeitos passivos residentes no
território nacional, bem como as respetivas retenções na fonte, exceto se esses
rendimentos estiverem dispensados de acordo com os artigos 94º e 97º do CIRC;

 A declaração Mod 30 – artº 119, nº 7:


Esta declaração destina-se a dar cumprimento à obrigação prevista no nº 7 do artº
119º do CIRS e artº 128º do CIRC, sempre que sejam pagos ou colocados à
disposição rendimentos a entidades não residentes, devendo ser apresentada,
através de transmissão eletrónica de dados até ao fim do segundo mês seguinte ao
do pagamento ou colocação à disposição dos rendimentos;

 A declaração Mod 39 – artº 119, nº 2, a):

50
As entidades devedoras e entidades que paguem ou coloquem à disposição dos
respetivos titulares pessoas singulares residentes em território português e que não
beneficiem de isenção, dispensa de retenção ou redução de taxa, rendimentos de
capitais a que se refere o artº 71º do CIRS

4.4 Derrama

Sendo a matéria coletavel das sociedades sujeitas ao regime de transparência fiscal


imputada aos sócios nos termos do artº 6º do CIRC, integrando-se no seu rendimento
tributável para efeitos de IRC OU IRS não é calculada coleta às sociedades transparentes.
Nos termos da artº 14 da Lei nº 2/2007, de 15 de janeiro, a taxa de derrama recai sobre o
lucro tributável sujeito e não isento de IRC, das entidades residentes em território
português que exerçam a título principal, uma atividade de natureza comercial, industrial
ou agrícola e ainda sobre o lucro tributável das entidades não residentes com
estabelecimento estável em Portugal.
Ora, nos termos do artº 12 do CIRC, mais uma vez se afirma, as entidades sujeitas ao
regime de transparência fiscal, não obstante serem sujeitos passivos de IRC não são
tributadas em IRC salvo quanto às tributações autónomas, pelo que esta norma de não
tributação leva a concluir que o lucro tributável por elas efetuado não é passível de
tributação em IRC.

Logo a derrama prevista no artº 14 supra referido não abrange, na sua incidência objetiva,
o lucro tributável das sociedades transparentes, continuando estas entidades afastadas da
incidência de derrama.25

4.5 Partilha

No caso de se efetuar a partilha neste tipo de sociedades, nos termos do nº 4 do artº 81


CIRC, ao valor que for atribuído aos sócios da sociedade transparente é ainda abatida a
parte do resultado de liquidação que, para efeitos de tributação, lhes tenha sido imputada,
assim como a parte que lhes corresponder nos lucros retidos na sociedade nos períodos de
tributação em que esta tenha estado sujeita àquele regime

25
Vidé Inf Vinculativa, Proc 371/98 e Ofic Circ 20132 da DSIRC

51
4.6 Liquidações corretiv as

Sempre que relativamente às entidades a que se aplique o regime de transparência fiscal


definido no artº 6º, haja lugar a correções que determinem alteração dos montantes
imputados aos respetivos sócios ou membros, a A.T. promove as correspondentes
modificações na liquidação efetuada àqueles, cobrando-se ou anulando-se em
consequência as diferenças apuradas conforme estatuído no artº 100 do CIRC.

4.7 O Eat What Yo u Kill – As Sociedades de advogados

O sistema de distribuição de lucros de acordo com o desempenho, mais precisamente de


acordo com a contribuição da faturação de cada sócio, tem sido desde sempre a forma de
atribuição de lucros ou de honorários na atividade conjunta de advocacia.
O mesmo terá acontecido em países como os Estados Unidos da América até ao princípio
do Sec.XX.
A expressão Eat What You Kill é muitas vezes associada ao método usado pelas
sociedades de profissionais, tais como as sociedades de advogados, tendo como suporte
não a participação de cada sócio no capital social mas tendo em conta o mérito ou o
desempenho individual de cada sócio.
Porém, colocam-se diversas questões em que as respostas não são exatas, como por
exemplo:
Qual o equilíbrio certo entre o reconhecimento da contribuição atual e as contribuições de
longo prazo?
Quem deve receber mais os profissionais que geram mais negócio ou os profissionais mais
criativos?
O sócio que dá formação aos advogados mais jovens ou o sócio que mais horas trabalha?
Sendo, portanto, o eat what you kill um conceito fácil de definir pois que se baseia no
espirito de quem mais contribui mais recebe, contudo, a sua aplicação mostra-se difícil e
complexa.
Como avaliar o desempenho para efeitos de distribuição de lucros, como comparar as
matérias mais complexas que propiciam honorários mais avultados, assuntos que ocupam
grandes equipas ou que pela sua dimensão atingem grande impacto na opinião pública,
tudo conjugado com regras transparentes que transmitam confiança aos sócios presentes e
futuros?

52
Deste modo não sendo os lucros distribuídos em função da participação de cada um no
capital social da empresa de que são sócios, a medida de valor de cada um utilizada pode
ser efetuada através de vários critérios como os contributos para a faturação, rendimentos e
angariação de clientes e assuntos.
Verifica-se que este sistema de distribuição de lucros, baseado no mérito, proporciona um
um expoente máximo de crescimento de faturação que não existe em mais nenhum método
de distribuição de lucros, visto que cada um vai unicamente receber em função do que
fatura, a sociedade apenas tem como preocupação a gestão dos custos pois os sócios que
não tenham um desempenho aceitável não recebem ou não recebem tanto.
Também possui a vantagem de contratação de sócios oriundos de outras sociedades sem
preocupações quanto à sua carteira de faturação pois se não resultar o sócio é fortemente
penalizado.
A entrada de novos sócios é ilimitada pois não afeta a parte dos lucros atribuídos aos
outros sócios.
No que concerne à promoção dos associados a sócios o sistema de distribuição de lucros
baseado no mérito é bem mais flexível e menos exigente.
No entanto não existem apenas vantagens pois o eat what you kill não permite a criação de
um verdadeiro espirito de empresa pois o sócio tende a guardar para si e a controlar os seus
clientes e assuntos durante toda a vida profissional.
Contudo este sistema de distribuição não cria grandes tensões aquando da distribuição dos
lucros em virtude de cada sócio saber que recebe o que gera.
Em Portugal, até 1979, ano da publicação do diploma legal que permitiu a constituição das
sociedades de advogados não se poderia falar em partilha de lucros, quando muito em
partilha de despesas com a divisão de instalações, salários de colaboradores ou de
honorários de trabalho em conjunto.
Para haver partilha de lucros tem de haver o exercício da profissão em sociedade o que
entre nós aconteceu nos finais dos anos 80 em seguimento à reforma fiscal sendo que a
maior parte das sociedades de advogados portuguesas são oriundas da prática individual de
um ou mais advogados que foram criando uma equipa de advogados, normalmente da
geração seguinte, para trabalhar com eles e que posteriormente se tornaram sócios.
Foi o caso por exemplo da atual Morais, Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva &
Associados quer na origem da João Morais Leitão & Associados quer na origem da José
Manuel Galvão Teles & Associados e de tantas outras sociedades de advogados.

53
Nestas sociedades o eat what you kill como distribuição de lucros não foi utilizado e a tê-lo
sido poderia ter obstado ao seu desenvolvimento com sucesso. Se os sócios fundadores não
tivessem partilhado os lucros gerados pela atividade societária o envolvimento e dedicação
dos sócios da geração seguinte não teria provavelmente sido tão duradouro.
Em Itália a situação era parecida, o sócio fundador com conhecimento e reputação,
guardou para si grande parte dos lucros num sistema típico de eat what you kill o que
obteve como consequência para que bons advogados e sócios destas organizações as
trocassem por sociedades de advogados inglesas e norte-americanas.
No entanto, sociedades há em Portugal que adotaram o eat what you kill como é o caso da
Abreu, Cardigos e Associados e da Osório de Castro, Verde Pinho, Vieira Peres, lobo
Xavier & Associados têm uma matriz são sociedades de que surgiram e se desenvolveram
através de jovens advogados alguns com experiência internacional, capacidade profissional
em que ambas se baseavam numa filosofia de desempenho dos sócios, concentrada em
primeiro lugar na faturação.
Daqui se conclui que um sistema de distribuição de lucros adotado por uma sociedade de
advogados diz muito sobre a sua cultura, sobre os seus objetivos e sobre os seus sócios.
Como refere Adam Smith Esq
“ as sociedades deverão utilizar o sistema de distribuição de lucros para dar forma à sua
cultura e não deixar que a cultura da firma dê forma ao sistema de distribuição de lucros
pois se for o caso perder-se-ão os objetivos essenciais”.

4.8 Quadros comparativos

Segundo estatística da Autoridade Tributária as Declarações por Anexos por Número de


Agregado foram com anexo D (IRS) seguintes:

Tabela 1- Evolução do número de declarações no triénio de 2010/2012

Nº declarações 2010 2011 Variação 10-11 2012 Variação 11-12

Por anexo D

1023 1053 2,93 % 1293 22,79%

Fonte: Adaptada da AT-11/2013

54
Como se verifica a percentagem no período de 2011/2012 em relação a 2010/2011 foi
substancialmente incrementada, verificando um aumento de 22,79 pontos percentuais na
entrega de declarações de IRS com anexo D, referente à imputação de matéria coletável
aos sócios das sociedades transparentes.

Segundo estatística da Autoridade Tributária os Rendimentos Brutos Liquidados por


Anexo D (IRS) foram os seguintes:

Tabela 2- Evolução das declarações Mod. 3 com anexo D no triénio de 2010/2012

Em Milhões de Euros

Nº declarações 2010 2011 Variação 10-11 2012 Variação 11-12

Por anexo D

23 25 10, 05 % 29 13,11%

Fonte: Adaptada da AT-11/2013

Consequentemente verificou-se um aumento de rendimento bruto liquidado ficando-se nos


13,11% no período de 2011/2012.

Segundo estatística da Autoridade Tributária as Taxas Efetivas de Tributação Bruta por


Anexo D (IRS) foram os seguintes:

Tabela 3 - Evolução das taxas de tributação bruta no triénio de 2010/2012

Nº 2010 2011 Variação 10-11 2012 Variação 11-12


declarações

Por anexo D

19,54% 23,06 % 18,02% 24,8 % 7,55 %

Fonte: Adaptada da AT-11/2013

55
A tributação Bruta por anexo cifrou-se em 24,8% em 2012, tendo sofrido um ligeiro
aumento de 1,74% em relação a 2011 repercutindo-se numa variação de 7,55% no período
de 2011/2012.

56
5 – CASOS DE APLICAÇÃO

Para além da própria legislação em relação a este tipo de sociedades poder-se-á refletir um
pouco em relação a situações concretas e das implicações deste tipo de tributação.

Para isso gostaria de partilhar algumas situações comuns, frequentes hoje em dia:

5.1 Caso I

Se um advogado emitir recibos verdes a uma sociedade espanhola, por exemplo, vai ter
que declarar esses rendimentos no anexo J do IRS como qualquer cidadão residente em
Portugal que aufira rendimentos de uma prestação de serviços num outro estado.

Mas se acrescentar que o sujeito passivo, no ano em causa, era sócio da sociedade
espanhola, com sede em Espanha, sociedade cujo objeto social era atividades jurídicas e

se essa sociedade espanhola possuir uma sucursal em Portugal, esses rendimentos são
considerados pagos em Espanha a título de dividendos (categoria E) ou em Portugal a
título de rendimentos auferidos no estrangeiro (categoria B ou C)?

O advogado em questão confirma que a sociedade espanhola possui sucursais em várias


partes do mundo sendo que a remuneração dos sócios reveste a natureza de “participação
dos lucros” (Percentage de las Ganâncias Sociales).

Ao longo do ano vão sendo efetuados adiantamentos aos sócios, em função de uma
previsão de lucros, cujo valor definitivo será obtido tendo em atenção a classificação dada
à sucursal, fazendo-se no fecho o acerto de contas.

Estes adiantamentos estão sujeitos a emissão de recibo por exigência da sociedade, tendo
emitido os respetivos recibos verdes mesmo “não existindo uma conexão direta entre os
rendimentos auferidos e o exercício de qualquer atividade profissional”.

Sendo estes considerados rendimentos de capitais - categoria E - que configuram


distribuição de lucros serão os mesmos considerados em 50% do valor total auferido.

Importante no caso em apreço é que se trata de um cidadão português, residente em


Portugal e que era sócio de uma sociedade de advogados espanhola que se dedica à mesma
atividade jurídica através de um estabelecimento estável em Portugal (NIPC 980 000 000),

57
encontrando-se esse estabelecimento estável sujeito às regras e obrigações declarativas do
IRC.

A sociedade espanhola, é como vimos uma sociedade de advogados, porventura sujeita ao


regime de transparência fiscal em Espanha (dados que não possuímos). No entanto só as
sociedades que estão inscritas no “Registo Mercantil” em Espanha são sujeitos passivos de
IS (imposto sobre as sociedades) ficando sujeitas ao regime de transparência fiscal.

Por outro lado, existe em Portugal uma sucursal que cumpre a condição de estabelecimento
estável conforme determina o artº 5º do CIRC.

Por princípio cabe ao país da residência ou sede do sujeito passivo o direito à exclusão dos
lucros, no entanto, esta regra é afastada quando alguém exerça uma atividade empresarial
noutro país através de um estabelecimento estável. Neste caso existe uma competência
cumulativa podendo a tributação ser efetuada pelo país da residência e pelo país da fonte,
pois o nº 4 do artº 3º determina que são consideradas de natureza comercial, industrial ou
agrícola todas as atividades que consistam na realização de operações económicas de
carater empresarial, incluindo a prestação de serviços.

Sendo considerados rendimentos da categoria E, seriam os mesmos tributados em 50%


tendo necessariamente o sujeito passivo de apresentar prova de que a entidade cumpre os
requisitos e condições estabelecidas no artº 2º da Diretiva nº 90/435/CEE de 23 de julho,
efetuada através de declaração confirmada e autenticada pelas autoridades fiscais
competentes do E.M., nos termos dos nºs 4 e 5 do artº 40-A do CIRS.

Do caso se conclui que a determinação do rendimento, quer em sede de tributação como


trabalhador independente, por prestação de serviços à sociedade de transparência fiscal ou
eventualmente sócio de uma sociedade de um outro E.M não é tarefa fácil a decidir de
ânimo leve.

5.2 Caso II

Uma sociedade de advogados detém os requisitos elencados no artº 6º do CIRC para optar
pelo regime de transparência fiscal previsto nesse artigo. Nos termos do mesmo preceito
legal, o rendimento tributável apurado pela sociedade será imputado aos sócios na
proporção das quotas detidas na sociedade. De igual modo, nos termos do nº 5 do artº 90
do mesmo código, as retenções na fonte sofridas pela sociedade serão também imputadas
aos respetivos sócios na mesma proporção.
58
A sociedade declara no anexo G da declaração anual IES ter sofrido retenções num
determinado montante, retenções estas mencionadas no campo G03, reservado às retenções
obtidas fora do território nacional (no caso em Angola).

Importa verificar se estão reunidas as condições para imputação aos sócios desse valor.

Porém, duas situações distintas quanto às retenções associadas à obtenção de rendimentos


fora do território nacional se podem considerar:

1. No caso de atividade exercida pela sociedade de advogados ocorrer através de


estabelecimento estável nesse território, o imposto retido e entregue na respetiva
administração fiscal deve ser tratado como um imposto por conta do devido a final
desse estabelecimento estável.

2. No caso dos rendimentos não serem obtidos através de estabelecimento estável e


não existindo convenção para evitar a dupla tributação entre Portugal e esse país,
assiste o direito ao crédito de imposto por dupla tributação desde que verificados os
seguintes requisitos:

a) Os rendimentos obtidos tenham sido incluídos na base tributável;

b) Exista comprovação da efetiva tributação no país da obtenção dos rendimentos.

No caso em apreço os rendimentos não foram obtidos por estabelecimento estável, tendo
sido incluídos na base tributável da sociedade confirmando-se a efetiva tributação em
Angola.

Conclui-se que tendo sido as retenções sofridas em Angola se verifica a adequada


imputação aos sócios dessas retenções na fonte sofridas pela sociedade, contantes do anexo
G da IES, tendo as mesmas sido declaradas corretamente na proporção da sua quota parte
no anexo D da declaração mod.3 do IRS.

5.3 Caso III

Uma sociedade que tem como objeto a gestão dos seus imoveis e cujo capital pertencia a
uma só família (pais e filhos) foi transformada em sociedade anónima com ações ao
portador. Poderão as sociedades anónimas com ações ao portador ser consideradas
sociedades de transparência fiscal, nos termos do artº 6º do CIRC?

59
Relativamente à qualificação de sociedade de simples administração de bens, conforme o
disposto na alínea c) do nº 1 do artº 6 existem três condições:

1. A maioria do capital social tem de pertencer, direta ou indiretamente, durante mais


de 183 dias a um grupo familiar, ou o capital social tem de pertencer a um número
de sócios não superior a cinco e nenhum pode ser pessoa coletiva de direito
público;

2. A atividade tem de se limitar à administração de bens ou valores mantidos como


reserva ou para fruição ou à compra de prédios para a habitação dos seus sócios.

3. Podem ser exercidas outras atividades em conjunto com aquelas, desde que os
proveitos relativos a esses bens, valores ou prédios atinjam na média dos últimos
três anos, mais de 50% da média, durante o mesmo período, da totalidade dos
proveitos da sociedade.

As sociedades de simples administração de bens quando se constituam como sociedades


anónimas ficam afastadas do regime se procederem à emissão de ações ao portador, em
razão da dispersão de capital causada impossibilitar a identificação dos acionistas
inviabilizando o requisito exigido na alínea c) do nº1 do artº 6 do CIRC e ao mesmo tempo
a imputação da matéria coletavel aos acionistas prevista no nº 3 do artigo. 26

5.4 Caso IV

Uma sociedade constituída por dois advogados sendo que além destes a sociedade tem
mais três a exercer com regularidade a atividade. Qual o número de viaturas que a
sociedade pode utilizar no exercício da mesma atividade?

A Portaria nº 1041/2001, de 28 de agosto, veio fixar limites quanto aos encargos admitidos
na determinação do rendimento liquido da categoria B a matéria coletável das sociedades
de profissionais sujeitas ao regime de transparência fiscal, inerentes aos encargos com
utilização de viaturas ligeiras de passageiros ou mistas afetas ao exercício da atividade,
quer quanto ao número máximo de veículos motorizados que poderão ser considerados
como afetos ao exercício das respetivas atividades.

O nº 3 da portaria refere que o número de viaturas ou veículos afetos ao exercício das


respetivas atividades é limitado a uma unidade por titular de rendimentos da categoria B do
26
Vide Revista TOC nº 164 de Novembro de 2013

60
IRS , por sócio, no caso de sociedade de profissionais sujeita ao regime de transparência
fiscal, e por trabalhador ao serviço dos referidos sujeitos passivos, sendo comprovada a
indispensabilidade do seu uso. 27

27 Vide Revista TOC, nº 147, Junho de 2012

61
6 - CASO P RATICO

O imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC) incide sobre os rendimentos
obtidos, mesmo quando provenientes de atos ilícitos, no período de tributação pelos
respetivos sujeitos passivos - artº 1º do CIRC.
O código do IRC no nº 1 do artº 2º determina que são sujeitos passivos de IRC :

a)As sociedades comerciais ou civis sob a forma comercial, as cooperativas, as


empresas públicas e as demais pessoas coletivas de direito público ou privado, com
sede ou direção efetiva em território português;

b)As entidades desprovidas de personalidade jurídica, com sede ou direção efetiva


em território português, cujos rendimentos não sejam tributáveis em imposto sobre o
rendimento das pessoas singulares (IRS) ou (IRC) diretamente na titularidade da
pessoas singulares ou coletivas;

c)As entidades, com ou sem personalidade jurídica, que não tenham sede nem
direção efetiva em território português e cujos rendimentos nele obtidos não estejam
sujeitos a IRS.

Quanto à extensão do imposto encontra-se regulada no artº 4º do CIRC incidindo sobre a


totalidade dos seus rendimentos, incluindo os obtidos fora desse território.
De todo o modo, as pessoas coletivas e outras entidades que não tenham sede nem direção
efetiva em território português ficam sujeitas a IRC apenas quanto aos rendimentos nele
obtidos, nºs 1 e 2 do artigo.

6.1 Simulação de tributação de IRC em reg ime geral

A tributação em regime geral é apenas efetuada na declaração de rendimento Mod. 22


apresentada no mês de maio do ano seguinte onde, após as correções fiscais com vista ao

62
apuramento do lucro tributável ou do prejuízo fiscal, se apura o imposto a pagar ou
recuperar, tendo em conta os pagamentos efetuados no âmbito da sociedade: as retenções
na fonte, pagamentos por conta, pagamentos especiais por conta, dupla tributação
internacional, derrama, tributações autónomas e outras que possam ser consideradas ou
exigíveis consoante as caraterísticas específicas do sujeito passivo.

63
64
65
66
67
68
6.2 Simulação de tributação de sociedade transparente

Os elementos constantes da declaração de rendimento Mod. 22 da sociedade transparente


serão, eventualmente, os mesmos que qualquer declaração de qualquer outra sociedade até
ao Qd. 09, apurando lucro tributável ou prejuízo; a diferença manifesta-se no Qd.10
constando apenas as tributações autónomas a que como sociedade tributada pelo regime
de transparência fiscal se encontra sujeita.

69
70
71
72
73
74
75
76
Em relação à declaração anual, IES, terá que compreender o Anexo G destinando-se, ao
cálculo do IRC que seria devido, bem como, à identificação dos sócios da sociedade
transparente.
Tanto as deduções como as retenções na fonte serão imputadas de acordo com a
percentagem de participação aplicada sobre os valores constantes nos campos G02 a G06.
O valor da matéria coletável a imputar deve indicar-se no campo G79 e o montante deve
corresponder ao valor apurado no Qd, 09 da declaração de rendimentos Mod.22.

6.3 Implicação na esfera do sóc io

Com a entrega da declaração de IRS o sócio da sociedade transparente está obrigado a


declarar no denominado Anexo D os rendimentos que tenham sido imputados no âmbito
dos regimes de transparência fiscal (artº 6º do CIRC) de imputação de lucros ou
rendimentos obtidos por entidades não residentes em território português e sujeitas a
regime fiscal privilegiado (artº 66 do CIRC).
Neste anexo, para além da percentagem da imputação da matéria coletável, consta a quota
parte de retenções efetuadas pela sociedade e dupla tributação internacional, bem como, os
pagamentos por conta efetuados no âmbito da pessoa física singular.

77
78
79
7 – CONCLUSÃO

Pretendeu-se com este trabalho reunir o máximo de informação possível respeitante ao


tema em análise, efetuando um estudo conjunto dos vários aspetos com o fim de alcançar,
modesta que seja, uma contribuição para o conhecimento do mesmo, tanto numa vertente
teórica como numa vertente prática.
Neste sentido, para além dos requisitos do artº 6º do CIRC como base do regime, tendo em
conta os objetivos de neutralidade fiscal, combate à evasão fiscal e eliminação de dupla
tributação, outras situações mereceram destaque designadamente, os ACE e AEIE, as
denominadas regras CFC, a Convenção Modelo da OCDE e na vertente mais prática, a
análise de casos comuns, do pacto social e a exemplificação da tributação da sociedade
transparente em comparação com o regime geral de tributação.
Quanto aos ACE e AEIE foram consagrados pelos Dec-Leis nº 430/73 de 25 de agosto e
148/90 de 9 de Maio com o objetivo de contribuir para revigorar a eficiência e capacidade
competitiva através da angariação de capitais de maiores dimensões. Estas sociedades são
tributadas através do Regime de Transparência Fiscal, ou seja, pela imputação aos sócios,
pessoas singulares ou coletivas, quer dos lucros quer dos prejuízos auferidos. Esta é a
diferença entre os sócios deste tipo de sociedades e quaisquer outros sócios de sociedades
transparentes em que apenas é imputada a matéria coletável e nunca os prejuízos
mantendo-se estes na sociedade transparente.
Por outro lado, é inquestionável que o fenómeno da globalização, impulsionado pela
evolução tecnológica, sobretudo através das comunicações em geral e da internet em
particular, aproximou pessoas e mercados contribuindo para que tudo ficasse facilmente
alcançável. Através da liberdade de estabelecimento e do princípio da não discriminação
qualquer pessoa ou sociedade se pode estabelecer em determinado espaço territorial
predominantemente europeu, desde que cumpra com as leis fiscais preconizadas nesses
Estados.
Embora seja de difícil harmonização, a tributação direta a nível europeu, tem sido
incrementada através de diversas Diretivas e outros instrumentos jurídicos.
Um dos instrumentos existentes nas diversas legislações são as regras CFC, normas anti
abuso contempladas no normativo português no artº 66º do CIRC, com a pretensão de
impedir situações ilícitas de evasão fiscal a nível internacional, normas que surgiram como

80
resposta a sociedades controladas por residentes em que apenas existiam de nome e
sedeadas em paraísos fiscais.
Em Portugal as disposições normativas em relação à residência estão contempladas na
legislação dos impostos sobre o rendimento, quer no CIRS quer no CIRC.
Em relação às pessoas coletivas o entendimento acerca da residência remete para o
estabelecimento estável, estabelecendo a Convenção Modelo da OCDE que prevalecerá o
Estado em que estiver situado o seu local de direção efetiva.
No contexto atual em que os Estados se debatem com a arrecadação de receitas com vista à
sustentação das necessidades públicas, é por demais evidente a importância das
convenções, tomando como modelo a CMOCDE na resolução de conflitos.
De todo o exposto, deriva a necessidade crescente dos países atuarem em conjunto quer
através de normativos aprovados por todos os Estado, acordos de troca de informações ou
mecanismos utilizados nas legislações internas como em direito comparado se referenciou
o caso espanhol.
Particularizando o Regime de transparência fiscal em Portugal, âmbito maioritário deste
trabalho, no início da sua criação, em 1989, com a Reforma da Tributação do Rendimento,
o legislador entendia que o regime era uma maneira de contornar algumas formas de
constituição de sociedades, com o objetivo de reduzir a carga fiscal aplicando-se ao
universo das sociedades de profissionais, sociedades civis não constituídas sob a forma
comercial e às sociedades de simples administração de bens cujo capital pertença a um
grupo familiar.
Contudo, hoje em dia com taxas de IRS a rondar superiormente os 48% e a taxa de IRC
com tendência para decrescer dos 25% de 2013 para a taxa de 23% em 2014 e prevista
uma taxa de 21% em 2015, não parece vantajosa a opção da constituição da sociedade com
esse regime.
Porém, com o atual alargamento do conceito de sociedades de profissionais será mais
complexo evitar a tributação por este regime no que toca às sociedades de profissionais
cujos rendimentos provenham, em mais de 75%, do exercício conjunto ou isolado de
atividades profissionais (desde que os sócios não sejam superiores a 5, nenhum sócio seja
pessoa coletiva de direito público e pelo menos 75% do capital social seja detido por
profissionais que exercem as suas atividades total ou parcialmente através da sociedade).
No que concerne às sociedades de advogados a situação ainda é mais complexa em virtude
do próprio Regime Jurídico aprovado pelo Decreto-Lei nº 229/2004, de 10 de Dezembro,
determinar que as sociedades de advogados são obrigatoriamente sociedades civis que
81
apenas podem ter sócios advogados inscritos na Ordem, pelo que estão obrigatoriamente
sujeitos ao regime.
Se com taxas de IRS tão elevadas não se vislumbram grandes vantagens para os sócios das
sociedades transparentes é, contudo, necessário refletir no seguinte:
No caso das sociedades tributadas em regime geral, na esfera da sociedade, a tributação
ocorreria à taxa de 23% acrescida de derrama à taxa de 1,5% totalizando a tributação de
24,5%. Já na esfera dos sócios os dividendos efetivamente distribuídos sofrem retenção à
taxa de 25%, podendo a tributação atingir os 48%.
Ao contrário, na sociedade transparente a imputação da matéria coletável ao sócio obriga
ao pagamento de imposto mesmo que não tenha sido efetivamente distribuída.
Esta situação torna-se mais prejudicial para o sócio na situação de reinvestimento de lucros
da sociedade em imoveis, equipamentos, software, etc, tendo como consequência extrema
o pagamento de imposto sem recebimento efetivo de lucros.
Outra desvantagem ocorre na situação de créditos de clientes não pagos, a menos que a
sociedade crie perdas por imparidade mas apenas quando o crédito se encontra em mora há
mais de seis meses, o que ocorre em qualquer regime de tributação das sociedades mas
com taxas diferenciadas, dos 24,5% e não 48%.
Outras desvantagens são identificadas como a limitação de viaturas ou a dedução de
prejuízos que se encontra vedada aos sócios apenas sendo deduzidos dos lucros da
sociedade.
Poderá afirmar-se que se para as grandes sociedades de advogados a possibilidade de obter
vantagem seja reduzida em razão dos investimentos que possam praticar, para as
sociedades mais pequenas sem grande aposta em tecnologias, gestão ou conhecimento, em
que a sociedade se confunde com os sócios poderá o regime ser bastante vantajoso.
A guisa de conclusão sempre se poderá dizer que apesar de algumas vantagens as
desvantagens são mais visíveis e até cerceadoras de alguma liberdade dentro, claro, da
legalidade, que a tributação das sociedades pelo regime geral de tributação lhes confere.
Por todo o exposto resta acrescentar que o legislador ao querer abarcar no Regime o maior
número possível de sociedades desenraizou o princípio original da tributação das
sociedades de profissionais, não sendo claro aferir um futuro auspicioso para a tributação
deste tipo de sociedades.
Certo é que, quanto às sociedades de advogados, manter-se-ão nesta forma de tributação
enquanto o seu Regime Jurídico não fôr alterado.

82
Quanto a outras sociedades procurarão outras formas de enquadramento como forma de
evitar o Regime de transparência fiscal, a menos que a tributação das pessoas singulares se
torne aliciante, o que não se afigura como possível, nos próximos anos.

Por tudo que foi descrito, a opinião é de que o regime de transparência fiscal continuará
para já a sua existência, visto que em determinadas situações empresariais de pequena
dimensão, pode ser vantajoso para os seus sócios, destacando a sua obrigação em relação
às sociedades de advogados, sociedades fechadas, pelo menos enquanto não fôr alterado o
seu regime jurídico, impondo uma maior seriação, mais cuidada análise dos pressupostos
quanto à constituição das sociedades que não pretendam ser tributadas por este regime.
Contudo, dúvidas permanecem ainda sem respostas: com a alteração tão abrangente pelo
legislador do nº 2 da alínea a) do nº 4 do artº 6º, resta saber i) qual o tipo de sociedades de
profissionais que se pretendem para o futuro ii) quais as implicações acrescidas com a
alteração do mesmo artigo pela lei nº 82-C/2014, que refere que os requisitos cumulativos
para a tributação passam de “um qualquer dia de tributação” para “durante mais de 183
dias do período de tributação”, colocando uma nova questão quanto à determinação da
aplicação ao caso da residência e à inerente dificuldade quanto a quantificação e controlo
das mesmas sociedades, iii) contribuirá a nova legislação para a redução da litigiosidade
existente e, finalmente iv) como lidarão no futuro as classes profissionais, nomeadamente,
os advogados, com o Regime das sociedades transparentes.

83
8 – BIBLIOGRAFIA

AT-Direção de Serviços de Formação, Seminário O.E. 2014.


BRÁS CARLOS, A.F, Sociedades de Profissionais: Nota sobre a circular 8/9 da DGCI,
Fisco nº 19 de Abril de 1990, pg 9.
CARNEIRO, Francisco Sá – Contribuições para as Sociedades de Advogados, Junho de
2010.
CATARINO, João Ricardo, Para uma Teoria Politica do Tributo, Cadernos de Ciência e
Técnica Fiscal nº 184, 2ª Edição, pg 63.
CFE Funchal [Em Linha]. [Consult. 11 set 2013]. Disponível em: http://www./CFE
CUNHA GUIMARÃES, Joaquim Fernando, Portal INFOCONTAB – O Portal de
Contabilidade em Portugal, lançado em 21 de Julho de 2005, artigos nºs 11, 51, 101 e
11[Em Linha]. [Consult. 20 out 2013]. Disponível em: http://www.infocontab.com.pt.
DGCI, Centro de Formação, Manual de IRC, 2005
DGCI,Ciência e Técnica Fiscal, nº 422, pg 20 a 22
DGCI,Ciência e Técnica Fiscal, nº 422, pg 228 a 231

Enquadramentos das Sociedades de Profissionais [Em Linha]. [Consult. 5/09/2014].


Disponível em: http://www.otoc.pt.
FERNANDES, M. Pires Fernandes, Glossário de Direito Fiscal, Dislivro, ISBN 978-989-
639-022-8, pg 398.
FERREIRA, Henrique Quintino – A determinação da matéria coletavel – 11ª Edição,
1998 pag.23, ISBN 972-51-0751-9
FINANÇAS, Informação vinculativa, Proc nº371/08 de 26/03/2008.
FISCAL, Porto Editora 8ª edição, 2013, ISBN 978-972-0-01703-1

Manual do Revisor Oficial de Conta [Em Linha]. [Consult. 10/09/2014].Disponível em:


http://www.gproc.com/EOROC,pdf.
MORAIS, Rui Duarte – Sobre o IRS. 2º Edição. Coimbra: Edições Almedina, 2008. ISBN
978-972-40-3438-6.
MORAIS, Rui Duarte – Apontamentos ao IRC, Editora Almedina – ISBN
978-972-40-3324-2.
MORAIS, Rui Duarte-Imputação Lucros das Sociedades não Residentes Sujeitas a um
Regime Fiscal Privilegiado, Universidade Católica 2005 – ISBN 9789728069605.

84
NABAIS, José Casalta – Direito Fiscal 4ª Edição.Coimbra, Almedina-ISBN 978-972-40-
-4377-7.
OCDE, Relatório Controlled Foreign Company Legislation, Paris 1996.
PEREIRA, Manuel Henrique de Freitas – Fiscalidade. 4ª Edição. Coimbra: Almedina,
2011. ISBN 978-972-40-4683-9.

Regime Juridico dos Advogados [Em Linha]. [Consult. 29/09/2014].Disponível em:


http://www.oa.pt
ROSEMBUJ, Tulio - Instituto de Fiscalidad Internacional – Barcelona 2000
SALDANHA SANCHES, J.L – Manual de Direito Fiscal: Coimbra Editora, 2002 –
ISBN 978-972-32-1119-1.
SALDANHA SANCHES, J.L Sociedades Transparentes: Alguns problemas no seu
Regime, Fisco nº 17 de 15 de Fevereiro de 1990, pg. 35-6
SANTOS Albano, Sociedades de Profissionais, Revista TOC ISSN 1645-9237, Nº 16, de
Julho 2001, p.46.
Semanário Vida Económica- pg 29 -17/01/2014-Amândio Silva e Paula Franco
Seminário, A Transparência Fiscal no quadro contemporâneo de situação de crise,
Universidade Nova de lisboa, novembro de 2014
TOC- IRC Transparência Fiscal; novembro de 2013 ISSN 1645-9237, Nº 164
de novembro de 2013, pg 74.
TOC- Limite de Viaturas, ISSN 1645-923 de Junho de 2012, Nº 147
XAVIER, Alberto – Direito Tributário Internacional. Coimbra: Almedina, 2007.ISBN
978-972-40-3048-7.

85
9 – AP ÊNDICES

9.1 Pacto Social Sociedade de Advogados

CONTRATO SOCIAL

ARTIGO PRIMEIRO

Denominação, Sede Social e Duração

Um – A Sociedade adota a denominação………………., Sociedade de Advogados &


Associados RL, e tem a sua sede em …………, na Rua………….., e durará por tempo
indeterminado, a partir da presente data.

Dois – A Sociedade poderá, por deliberação da Assembleia Geral, transferir a sua Sede
para outro local e abrir novos escritórios, sucursais ou outras formas de representação nos
termos que forem julgados convenientes.

ARTIGO SEGUNDO

Objeto

Um – A Sociedade tem por objeto exclusivo o exercício profissional em comum da


advocacia.

Dois – A Sociedade pode participar em agrupamentos europeus de interesse económico ou


outro tipo de associação profissional.

ARTIGO TERCEIRO

Capital Social e Identificação Profissional dos Sócios

Um – O Capital Social da Sociedade é de cinquenta mil euros, encontrando-se


integralmente realizado, através de clientela, mobiliário e equipamento que os sócios
trazem para a Sociedade e é dividido nas seguintes quotas:

a) Ao Sócio …………., advogado, com domicílio profissional atual na Rua………….com


a cédula profissional número…………da Ordem dos Advogados, cabe uma participação
de capital no valor nominal de ……… mil euros.

86
b) Ao Sócio ………….., advogado, com domicílio profissional atual na Rua…….…..com
a cédula profissional número ………….da Ordem dos Advogados, cabe uma participação
de capital no valor nominal de …………mil euros.

ARTIGO QUARTO

Participações

Um – Todos os Sócios da presente Sociedade são Sócios de Indústria.

Dois – A Sociedade poderá criar participações de capital nos termos e condições que
vierem a ser deliberadas na Assembleia Geral.

ARTIGO QUINTO

Administração

Um – A Administração da Sociedade será exercida pelos sócios que para tanto forem
eleitos em Assembleia Geral.

Dois – A Sociedade obriga-se:

a) Com a assinatura de dois sócios;

b) Com as assinaturas de um sócio e do procurador da Sociedade.

Três – Nos atos de mero expediente, incluindo neste a movimentação a débito e a crédito
de contas bancárias da Sociedade, a Sociedade obriga-se com a assinatura de um sócio.

ARTIGO SEXTO

Associados

Um – Podem ser admitidos advogados não sócios para desempenhar a sua atividade
profissional com a categoria de associados.

Dois – A admissão de colaboradores só poderá ser feita em Assembleia Geral, através da


deliberação tomada por unanimidade dos sócios.

Três – Os colaboradores não quinhoam nos ganhos e perdas da Sociedade sendo a sua
remuneração fixada pela Assembleia Geral.

87
ARTIGO SETIMO

Prestação de Trabalho

Um – Os Sócios consagram à Sociedade toda a sua atividade profissional de advogados


sem prejuízo de poderem ser autorizados pela Assembleia Geral a exercer fora da
Sociedade, atividade de advocacia remunerada.

Dois – Sem prejuízo do disposto na parte final do número anterior, todos os rendimentos
auferidos e provenientes da atividade profissional de advocacia dos sócios pertence à
Sociedade.

ARTIGO OITAVO

Deliberações da Sociedade

Para todos os efeitos, nomeadamente para as deliberações da assembleia Geral e do


Conselho de Administração, cada sócio de capital dispõe de dois votos e cada sócio apenas
de indústria, dispõe de um voto.

ARTIGO NONO

Cessão de Participações

Um – Em todos os casos de cessão onerosa de participações de capital entre sócios, a


Sociedade terá Direito de preferência.

Dois – Também nos casos de cessão de participações de capital a título gratuito entre
sócios, poderá a Sociedade adquiri-las.

Três – Os Direitos de preferência atribuídos à Sociedade prevalecem sobre os direitos de


preferência atribuídos aos Sócios.

Quatro – O Sócio que pretender ceder a respetiva participação, deverá comunicar à


Sociedade, por carta registada com aviso de receção, a projetada cessão, os respetivos
ganhos e o nome do previsto ou previstos cessionários, bem como, no caso de cessão
gratuita, o valor que se atribui à participação.

Cinco – A Sociedade deverá comunicar ao Sócio se deseja ou não adquirir a participação


cedendo, no prazo de 15 dias a contar da receção de comunicação daquele ou através de
notificação pessoal, mediante assinatura de documentos certificados.

88
Seis – A cessão de participação de capital a terceiros depende de autorização da Sociedade,
concedida por deliberação da Assembleia Geral, tomada por unanimidade dos votos
expressos.

ARTIGO DECIMO

Amortização da Quota

Um – A Assembleia Geral poderá deliberar a amortização da quota de um dos sócios, por


maioria de três quartos dos votos correspondentes à totalidade dos sócios.

Dois – A amortização da quota pode ocorrer:

a) Sempre que o sócio pratique ato de grave deslealdade para com a Sociedade ou para
alguns dos outros sócios, ou lhe seja imputada violação grave das suas obrigações
profissionais ou deontológicas,

b) Sempre que se verifique encontrar o Sócio impossibilitado, de modo permanente, de


realizar a prestação de trabalho a que se obrigou para com a Sociedade.

Três – A não ser que outro regime seja acordado entre a Sociedade e os interessados, o
pagamento do valor de amortização da quota será efetuado do seguinte modo:

a) O pagamento do valor da amortização da quota ao sócio exonerado, em virtude de


cessação definitiva da sua atividade profissional de advocacia e, bem assim, ao sócio
excluído com fundamento da alínea b) do número anterior ou aos herdeiros do sócio
falecido, será feito em vinte e quatro prestações mensais iguais.

b) O pagamento do valor da amortização da quota ao sócio de capital que se exonerar da


Sociedade, mas que continue a exercer a atividade profissional de advocacia e, bem assim,
ao sócio que exigir, por lhe ter sido recusada a autorização para a cessão de participação de
capital a terceiro, será feito em seis prestações mensais.

c) O pagamento da amortização da quota ao sócio excluído com fundamento na alínea a)


do artigo décimo será pago em oito prestações semestrais iguais.

Quatro – Se a Sociedade deliberar a amortização de quota, por esta ter sido objeto de
transmissão, não voluntária entre vivos, bem como nos casos previstos no acima número
dois alínea a), o respetivo valor será a do valor nominal da quota ou o seu valor
contabilístico, consoante o que for mais baixo, e o pagamento será feito em oito prestações

89
semestrais iguais, a não ser que outro regime seja acordado entre a Sociedade e os
interessados.

Cinco – Se a Sociedade deliberar a amortização da quota com o fundamento nos factos


referidos na alínea b) do acima número dois, considerar-se-á como valor de amortização o
valor de uma avaliação de quota realizada por uma comissão arbitral nomeada nos termos
do artigo décimo segundo ou no caso desta ser mais baixo fixar-se-á como valor de
amortização o valor nominal da quota.

ARTIGO DECIMO PRIMEIRO

Dissolução da Sociedade

Um – A Sociedade dissolve-se nos termos da Lei.

Dois – No caso de dissolução, os sócios de capital procederão à liquidação e subsequente


partilha entre si do património social.

Três – Durante os primeiros três anos a Sociedade pode dissolver-se por deliberação da
Assembleia Geral.

ARTIGO DECIMO SEGUNDO

Distribuição de Resultados

Os resultados líquidos anuais da Sociedade serão distribuídos pelos sócios no seguinte


modo: três quartos serão distribuídos pelos sócios que detenham participações, o restante
quarto por todos os sócios na proporção das respetivas proporções de industria.

ARTIGO DECIMO TERCEIRO

Arbitragem

Um – Todos os conflitos entre sócios que não podem ser dirimidos em Assembleia Geral
deverão ser resolvidos por arbitragem.

Dois – A Comissão arbitral será constituída por três membros, todos advogados, que
decidirão sem recurso.

Três – Cada uma das partes designará um árbitro presidente. Na falta de acordo, será
designado pelo Bastonário da Ordem dos Advogados.
90
Quatro – A Comissão arbitral escolherá as próprias normas no processo de funcionamento.

ARTIGO DECIMO QUARTO

Disposição final

Em todo o mais não previsto no presente Estatuto, aplicar-se-á o disposto no Decreto-Lei


nº 229/2004, de 10 de Dezembro e demais legislação complementar.

Local, data e ano

Sócio 1

Sócio 2

9.2 Pacto Social Sociedade de Rev isores de Co ntas

PACTO SOCIAL
Art.º 1.º
É constituída uma sociedade civil sob a forma comercial e adota a denominação social, “X,
Y, Z & Associados, SROC, Lda”, tem a sua sede em _________, na Rua __________,
nº__ , __ andar, freguesia de_______ , concelho de _______, distrito de (código postal:
____-___).
§ único – A sociedade pode criar delegações, sucursais ou filiais em qualquer lugar do
país, por simples deliberação dos sócios.
Art.º 2.º
O objeto da sociedade consiste no exercício das atividades atribuídas por lei às sociedades
de revisores oficiais de contas, nomeadamente a revisão legal de contas, a auditoria às
contas e os serviços relacionados a empresas e outras entidades, assim como o exercício de
quaisquer outras funções que por lei exijam a intervenção própria e autónoma de revisores
oficiais de contas sobre determinados atos ou factos patrimoniais de empresas ou outras
entidades e quaisquer outras funções de interesse público que a lei atribua aos revisores
oficiais de contas.
Constitui igualmente objeto da sociedade, fora do âmbito do interesse público, o exercício
das atividades descritas no art.º 48.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de novembro.

91
Art.º 3.º
O capital social, integralmente realizado em dinheiro, é de € __ 000,00 ( mil euros) e está
representado por duas ou mais quotas de € ______,00 (múltiplos de 100 euros) cada,
pertencentes uma a cada um dos sócios, “X, Y, Z, U e V”, inscritos respetivamente na
Ordem dos Revisores Oficiais de Contas sob os nºs tal, tal e tal.
Art.º 4.º
1 - A gerência da sociedade será exercida por um ou mais sócios (conforme o que for
deliberado na assembleia geral).
A gerência da sociedade e a sua representação em juízo ou fora dele, ativa e passivamente,
compete aos sócios, que desde já são nomeados gerentes, com dispensa de caução e com
ou sem remuneração, conforme for fixado em assembleia geral.
2 – Para obrigar a sociedade é bastante a assinatura de um ou vários sócios, exceto para a
celebração de contratos de arrendamento, para a contratação de empréstimos e para o início
de procedimentos judiciais que não respeitem os procedimentos de rotina para cobrar
dívidas, caso em que são necessárias duas assinaturas.
3 – Para a movimentação de contas bancárias bastará a assinatura de um ou mais sócios,
conforme deliberado em assembleia geral.
Art.º 5.º
As assembleias gerais serão convocadas com pelo menos 15 dias de antecedência, por
meio de carta registada, formalidade que será dispensada quando se encontrarem presentes
todos os sócios.
Art.º 6.º
A participação nos resultados e a atribuição da matéria coletável a cada sócio para efeitos
de aplicação do regime da transparência fiscal prevista atualmente no art.º 5.º do Código do
IRC será, em cada exercício, o que resultar da deliberação da assembleia geral de sócios e
assentará no apuramento feito com base num sistema de contabilidade analítica de
exploração, baseado na contribuição de cada sócio para o resultado global.

Art.º 7.º
A sociedade fica com o direito de amortizar quotas, sendo o preço da amortização aquele
que resultar do último balanço aprovado.

92
Art.º 8.º
A cessão de quotas entre sócios depende da aprovação da assembleia, a cessão a terceiros
depende da aprovação unânime dos sócios, presentes ou não na assembleia.

Art.º 9.º
Em todos os casos e nos omissos neste pacto social aplicar-se-ão as deliberações aprovadas
em assembleia geral, bem como as disposições do Decreto-Lei 487/99, de 16 de novembro,
com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 224/2008 de 20 de novembro ou de
legislação que o venha a substituir, e as do Código das Sociedades Comerciais.

9.3 Regime Jurídico dos Agrupamentos Complementares de


Empresas (ACE)

Nos termos da 1ª parte do nº 2 do artigo 109º da Constituição o Governo decretou o


seguinte:

Artigo 1.º O agrupamento complementar de empresas pode ter por fim acessório a
realização e partilha de lucros apenas quando autorizado expressamente pelo contrato
constitutivo.

Art. 2.º - 1. O contrato do agrupamento fica sujeito às publicações exigidas por lei para a
constituição das sociedades comerciais.

As modificações do contrato só podem ser deliberadas por maioria não inferior a três
quartos do número de agrupados e devem obedecer às exigências de forma e de
publicidade requeridas para a constituição do agrupamento.

Art. 3.º - 1. A firma do agrupamento poderá consistir numa denominação particular ou ser
formada pelos nomes ou firmas de todos os seus membros ou de, pelo menos, um deles.
2. Quando da firma do agrupamento não constarem os nomes ou firmas de todos os seus
membros, deverão estes ser especificados em todas as publicações obrigatórias e em todos
os actos ou contratos escritos em que o agrupamento intervenha. Se, porém, o número de
agrupados for superior a cinco, bastará a especificação do nome ou firma de cinco.

Art. 4.º Para fins de registo, o agrupamento é equiparado às sociedades comerciais.

Art. 5.º A capacidade do agrupamento não compreende:

93
a) A aquisição do direito de propriedade ou de outros direitos reais sobre coisas imóveis,
salvo se o imóvel se destinar a instalação da sua sede, delegação ou serviço próprio;
b) A participação em sociedades civis ou comerciais ou ainda em outros agrupamentos
complementares de empresas;

c) O exercício de cargos sociais em quaisquer sociedades, associações ou agrupamentos


complementares de empresas.

Art. 6.º - 1. A administração é exercida por uma ou mais pessoas, nos termos designados
no contrato.

2. Compete à assembleia geral a nomeação ou exoneração dos administradores ou gerentes


não designados no contrato, bem como estabelecer as remunerações, quando devidas.
3. É aplicável aos administradores ou gerentes estranhos ao agrupamento, ainda que
tenham sido nomeados no contrato, o disposto no artigo 156.º do Código Comercial,
reportando-se a todos os membros a maioria referida no § único do mesmo artigo.

Art. 7.º As deliberações dos sócios são tomadas à pluralidade de votos, contando-se um
voto por cada sócio, salvo disposição em contrário do contrato.

Art. 8.º - 1. A administração prestará anualmente contas.

2. Não havendo disposição da lei e do contrato sobre a fiscalização da gestão, a assembleia


geral poderá designar, pelo período máximo de três anos, renovável, uma ou mais pessoas
para fiscalizar a gestão e dar parecer sobre as contas.

Art. 9.º - 1. A escritura de constituição poderá especificar os actos proibidos aos agrupados
para efeitos do disposto nas artigos 157.º e 158.º do Código Comercial.
(Ver nova redacção dada pelo artigo 4.º do Decreto Lei n.º 36/2000, de 14 de Março).
2. Na falta de disposição do contrato, é proibida aos membros do agrupamento actividade
concorrente da que este tenha por abjecto.

Art. 10.º A admissão de novos membros do agrupamento só pode ter lugar nos termos do
contrato ou, se este for omisso, por deliberação unânime dos agrupados.

Art. 11.º - 1. A participação dos membros no agrupamento, tenha este ou não capital
próprio, não pode ser representada por títulos negociáveis.

2. A transmissão, entre vivos ou por morte, da parte de cada agrupado só pode verificar-se
juntamente com a transmissão do respectivo estabelecimento ou empresa.

94
3. Depende do consentimento do agrupamento a atribuição ao transmissário da qualidade
de novo membro.

Art. 12.º - 1. O membro do agrupamento pode exonerar-se nos termos autorizados no


contrato, ou tendo-se oposto a modificação neste introduzida, ou ainda se houverem
decorrido pelo menos dez anos desde a sua admissão e estiverem cumpridas as obrigações
por ele assumidas.

2. A exoneração produzirá efeito vinte dias depois de aviso à administração, por carta
registada com aviso de recepção.

Art. 13.º A exclusão de membro do agrupamento compete à assembleia geral e pode ter
lugar quando:

a) O agrupamento deixar de exercer a actividade económica para a qual o agrupamento


serve de complemento;

b) For declarado falido ou insolvente;

c) Estiver em mora na contribuição que lhe caiba para as despesas do agrupamento, depois
de notificado pela administração, em carta registada, para satisfazer o pagamento no prazo
que lhe seja fixado e nunca inferior a trinta dias.

Art. 14.º A liquidação da parte do membro exonerado ou excluído e ainda a do


transmissário não admitido pelo agrupamento será feita de harmonia com o disposto no
artigo 1021.º do Código Civil.

Art. 15.º - 1. O agrupamento que exerça actividade acessória directamente lucrativa não
autorizada pelo contrato, ou que exerça de modo principal actividade directamente
lucrativa autorizada como acessória, fica, para todos os efeitos, incluindo os fiscais, sujeito
às regras das sociedades comerciais em nome colectivo.
2. Os administradores ou gerentes do agrupamento que se encontre nas circunstâncias
referidas no número anterior são punidos, individualmente, com multa de 50000$00 a
500000$00, sem prejuízo da responsabilidade solidária de todos eles.
(Ver nova redacção dada pelo artigo 21.º do Decreto Lei n.º 323/2001, de 17 de
Dezembro).

Art. 16.º - 1. O agrupamento dissolve-se:

a) Nos termos do contrato;

95
b) A requerimento do Ministério Público ou de qualquer interessado, quando violar as
normas legais que disciplinam a concorrência ou persistentemente se dedicar, como
objecto principal, a actividade directamente lucrativa;

c) A requerimento de membro que houver respondido por obrigações do agrupamento


vencidas e em mora.

2. A morte, interdição, inabilitação, falência, insolvência, dissolução ou vontade de um ou


mais membros não determina a dissolução do agrupamento, salvo disposição em contrário
do contrato.

Art. 17.º O saído da liquidação do agrupamento é partilhado entre os agrupados na


proporção das suas entradas para a formação do capital próprio, acrescidas das
contribuições que tenham satisfeito.

Art. 18.º O agrupamento é obrigado, dentro do prazo estabelecido para as sociedades


comerciais, a participar à repartição de finanças competente a sua constituição e a sua
dissolução e ainda a remeter-lhe anualmente cópia do balanço aprovado.

Art. 19.º - 1. O agrupamento que pretenda obter os estímulos financeiros ou as benefícios a


que se refere o n.º 4 da base VI da Lei n.º 4/73, de 4 de Junho, formulará a pretensão,
documentada com o programa da sua actividade e com os demais elementos de estudo
reputados convenientes.

2. Compete ao Ministro das Finanças, ouvido o Ministro da Economia, decidir a pretensão


a que se refere o número anterior.

Art. 20.º No caso de omissão da lei e deste regulamento, são aplicáveis aos agrupamentos
complementares de empresas as disposições que regem as sociedades comerciais em nome
colectivo.

Art. 21.º - 1. As sociedades ou associações já constituídas com objectivos análogos aos


designados na lei para os agrupamentos complementares de empresas podem transformar-
se nestes, sem perder a sua personalidade, desde que respeitem as condições previstas na
mesma lei e no presente regulamento.

2. Os agrupamentos complementares de empresas não podem transformar-se.

96
9.4 Regime J urídico dos Agrupamentos Euro peus de Interesse
Econó mico (AEIE)

Nos termos da alínea a) do nº 1 do artigo 201º da Constituição, o Governo decretou o


seguinte:

Artigo 1º

Personalidade jurídica

O agrupamento europeu de interesse económico adquire personalidade jurídica com a


inscrição definitiva da sua constituição no registo comercial, de harmonia com a lei
respetiva, e mantém-na até ao registo do encerramento da liquidação.

Artigo 2º

Contrato de agrupamento

O contrato de agrupamento e as suas alterações devem constar de documento escrito.

Artigo 3º

Natureza do contrato

1- O contrato de agrupamento tem caráter civil ou comercial, consoante o seu objeto.

2- O agrupamento europeu de interesse económico que tenha por objeto praticar atos de
comércio é comerciante.

Artigo 4º

Denominação

A denominação do agrupamento deve incluir o aditamento «agrupamento europeu de


interesse económico» ou a abreviatura «AEIE».

Artigo 5º

Cessão de participação

A transmissão entre vivos da participação de um membro do agrupamento deve constar de


documento escrito.

Artigo 6º
97
Exclusão de membro

Sem prejuízo do disposto no Regulamento (CEE) nº 2137/85, um membro considera-se


excluído do agrupamento quando seja declarado falido ou insolvente.

Artigo 7º

Obrigações

O agrupamento pode emitir obrigações para oferta em subscrição particular, nas mesmas
condições que o agrupamento complementar de empresas, sem prejuízo do disposto no
artigo 23º do Regulamento (CEE) nº 2137/85.

Artigo 8º

Gerência

1-Uma pessoa coletiva membro do agrupamento pode ser gerente deste , mas deve
designar uma pessoa singular como seu representante.

2-A pessoa coletiva responde solidariamente pelos atos da pessoa singular designada nos
termos do número anterior.

Artigo 9º

Prestação de contas

Os gerentes devem elaborar e submeter à apreciação dos membros o relatório de gestão, as


contas do exercício e os demais documentos de prestação de contas previstos na lei
relativos a cada ano civil.

Artigo 10º

Falência, insolvência e recuperação

O agrupamento está sujeito ao regime de falência ou da insolvência, consoante seja ou não


comerciante, sendo-lhe aplicável o processo especial de recuperação de empresas e de
proteção de credores.

Artigo 11º

Transformação

1-Um agrupamento complementar de empresas pode transformar-se em agrupamento


europeu de interesse económico, independentemente de processo de liquidação e sem

98
criação de uma nova pessoa coletiva, desde que satisfaça as condições previstas no referido
Regulamento (CEE) nº 2137/85, nomeadamente no seu artigo 4º, nº 2.

2-Um agrupamento europeu de interesse económico pode transformar-se em agrupamento


complementar de empresas, independentemente do processo de liquidação e sem criação
de uma nova pessoa coletiva, desde que deixe de satisfazer as condições previstas no
referido Regulamento (CEE) nº 2137/85, nomeadamente nos artigos 3º, nº 2, alínea c), e 4º,
nº 2.

Artigo 12º

Regime supletivo

São aplicáveis aos agrupamentos europeus de interesse económico com sede contratual em
Portugal as normas estabelecidas pela lei portuguesa para o agrupamento complementar de

Empresas em tudo o que não se encontre previsto no Regulamento (CEE) nº 2137/85, do


Conselho, de 25 de julho de 1985, nem no presente diploma.

Resta acrescentar que conforme o disposto no nº 2 do artº 6º do CIRC “ os lucros ou


prejuízos do exercício, apurados nos termos do Código, dos agrupamentos complementares
de empresa e dos agrupamentos europeus de interesse económico, com sede ou direção
efetiva em território português, que se constituem e funcionem nos termos legais, são
também imputáveis diretamente aos respetivos membros, integrando-se no seu rendimento
tributável”.

Verifica-se, assim, que no caso dos ACE e AEIE não só se imputam os lucros mas,
também, os prejuízos que possam existir, após a determinação da matéria coletável com
base no IRC, consoante o tipo de sócio, mesmo sem que haja qualquer distribuição de
lucros.

99

Você também pode gostar