Você está na página 1de 6

DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO

SECÇÃO TRANSVERSAL DA MEDULA ESPINAL


VIAS ASCENDENTES

- Ao entrar na medula espinal, as fibras nervosas sensitivas são ordenadas e segregadas em


feixes nervosos na Substância Branca;

- Algumas das fibras nervosas ligam diferentes segmentos da medula espinal, outras ascendem
da medula a centros superiores (encéfalo).

- As vias ascendentes conduzem informações aferentes, que chegam ou não à consciência.

- As informações dividem-se em 2 grupos: exteroceptivas e proprioceptivas.

ORGANIZAÇÃO ANATÓMICA

 A VIA ASCENDENTE até à consciência engloba 3 neurónios:

- Neurónio de primeira ordem, tem o seu corpo celular no gânglio da raiz posterior do
nervo espinal. Um processo periférico conecta-se com uma terminação receptora
sensitiva, enquanto um processo central entra na medula espinal através da raiz posterior
para fazer sinapse com o neurónio de segunda ordem.

- Neurónio de segunda ordem dá origem a um axónio que decussa e ascende até um nível
superior do SNC, onde faz sinapse com o neurónio de terceira ordem.

- Neurónio de terceira ordem geralmente está no Tálamo e origina uma fibra de projecção
que segue para uma região sensitiva do córtex cerebral.

FUNÇÕES DAS VIAS ASCENDENTES

 Feixe Espinotalâmico Lateral: Sensibilidade termo-álgica.

 Feixe Espinotalâmico Anterior: Tacto grosseiro e pressão.

 Colunas Brancas Posteriores (Feixes Grácil e Cuneiforme): Tacto discriminativo,


propriocepção.

 Feixes Espinocerebelosos Anterior e Posterior: Informação inconsciente dos músculos,


articulações e pele.

OUTRAS VIAS ASCENDENTES


 Feixe Espinotectal, Espinorreticular e Espino-Olivar.

VIAS DESCENDENTES

- Os neurónios motores situados nas colunas cinzentas anteriores da medula espinal enviam
axónios para inervar músculos esqueléticos através das raízes anteriores dos nervos espinais.

- Esses motoneurónios são também chamados de neurónios motores inferiores e constituem


a via comum final para os músculos.

- Estes motoneurónios recebem impulsos nervosos a partir do bulbo, da ponte, mesencéfalo e


córtex cerebral, além daqueles que chegam por meio das fibras sensitivas das raízes
posteriores.

- As fibras nervosas que descendem na Substância Branca a partir de diferentes centros


nervosos supraespinais são segregadas em feixes nervosos denominados vias descendentes.

- Esses neurónios supraespinais e seus tractos são também chamados neurónios motores
superiores e formam numerosas vias distintas que influenciam a actividade motora.

ORGANIZAÇÃO ANATÓMICA

 A VIA DESCENDENTE do córtex cerebral é frequentemente constituída por 3 neurónios:

- Neurónio de primeira ordem, tem o seu corpo celular no córtex cerebral. O seu axónio
desce para fazer sinapse com o neurónio de segunda ordem.

- Neurónio de segunda ordem (internuncial ou interneurónio) está situado na coluna


cinzenta anterior da medula espinal. O seu axónio é curto e faz sinapse com o neurónio de
terceira ordem.

- Neurónio de terceira ordem, o neurónio motor inferior, situa-se na coluna cinzenta


anterior. O axónio do seu neurónio inerva os músculos esqueléticos através da raiz
anterior de um nervo espinal.
FUNÇÕES DAS VIAS DESCENDENTES

 Feixes cortico-espinais: movimentos hábeis, individualizados e voluntários, especialmente


das partes distais dos membros.

 Feixes reticulo-espinhais: facilitam ou inibem a actividade dos motoneurónios alfa e gama


nas colunas cinzentas anteriores, podendo facilitar ou inibir os movimentos voluntários ou
a actividade reflexa.

 Feixe tecto-espinhal: movimentos posturais reflexos em resposta a estímulos visuais.

 Feixe rubro-espinhal: facilita actividade dos músculos flexores e inibe actividade dos
músculos extensores ou antigravitacionais.

 Feixe vestíbulo-espinhal: facilita actividade dos músculos extensores e inibe a actividade


dos músculos flexores. Envolvido na actividade postural associada ao equilíbrio.

 Feixe olivo-espinhal: actividade muscular.

 Fibras autonómicas descendentes participam no controlo da actividade visceral.

BULBO RAQUIDIANO

 Conecta-se à Ponte, superiormente. Com a medula espinhal, inferiormente.

 Tem um formato cónico, com extremidade larga dirigida superiormente.

 Canal Central da medula continua para cima na metade inferior do Bulbo.

 Expande-se com a cavidade do quarto ventrículo na metade superior.

 Contém vias motoras e vias sensoriais, núcleos de nervos cranianos e outros núcleos
relacionados.

 No Bulbo, a Substância Cinzenta é organizada em pequenos núcleos, na sua maioria por


corpos celulares neuronais.

 Diversos núcleos do Bulbo actuam com centros reflexos vitais, como a regulação da
frequência cardíaca, o diâmetro dos vãos sanguíneos, a respiração, a deglutição, o vómito,
o soluço, a tosse e o espirro.
 Na superfície anterior estão as Pirâmides, formadas por grandes vias descendentes
envolvidas no controlo voluntário dos músculos esqueléticos.

 Perto das suas terminações inferiores, a maioria das fibras das vias descendentes cruza
para o lado oposto da linha média, ou decussa.

 As Olivas, na superfície anterior do Bulbo, lateralmente às terminações superiores das


pirâmides, são núcleos envolvidos com o equilíbrio, a coordenação e a modulação do som
oriundo do ouvido interno.

 Núcleos dos pares de nervos cranianos V, VII, IX, X, XI e XII também estão localizados no
Bulbo.

PONTE

 Encontra-se imediatamente superior ao Bulbo.

 Contém vias ascendentes e descendentes e diversos núcleos.

 Os núcleos da Ponte, localizados na parte anterior da Ponte, retransmitem informações do


cérebro ao cerebelo.

 Os núcleos dos pares V, VI, VII e VIII estão contidos na região posterior da Ponte.

 Outras áreas da Ponte estão relacionadas com o sono (iniciam REM) e com a respiração
(conjuntamente com o Bulbo).

MESENCÉFALO

 Localizado superior à Ponte e inferior ao Diencéfalo.

 Contém os núcleos dos pares III, IV e V.

 Configuração exterior:

- Face anterior:
Pedúnculos cerebrais
Espaço interpeduncular
Sulco medial do pedúnculo

- Face posterior:
Lâmina quadrigémea
Núcleo pré-tectal
Colículos superiores e inferiores