Você está na página 1de 4

Auto da Barca do Inferno (revisões)

Exercícios

1. Preenche os quadros:

A maioria das personagens que A alegoria é um recurso estilístico


chegam ao cais efectua o mesmo percurso que consiste na representação de uma
– inicialmente dirigem-se à Barca do realidade abstracta através de uma
Inferno, depois à Barca da Glória e, por realidade concreta. Trata-se, portanto, de
fim, novamente à Barca do Inferno. uma representação simbólica.
Que personagens são a excepção a Quais são as personagens
este percurso cénico? alegóricas do Auto?

(Anjo, Sapateiro, Alcoviteira, Frade, Judeu, Enforcado, Parvo, Fidalgo, Diabo, Quatro
Cavaleiros)

Gil Vicente denuncia “os podres” da sociedade da sua época de forma cómica – a
rir se castigam os costumes. Neste Auto, as designadas personagens tipo representam
determinadas classes, comportamentos, vícios que são criticados pelo autor.
Que personagens são utilizadas para criticar estes vícios?

Salvação da Profissão
Vaidade e alma através artesã e falsa Depravação Lenocínio e
presunção da do moral do clero devassidão dos
nobreza enforcamento religiosa bons costumes

(Anjo, Sapateiro, Alcoviteira, Frade, Judeu, Enforcado, Parvo, Fidalgo, Diabo, Quatro
Cavaleiros)
2. As personagens trazem alguns elementos na chegada ao cais.
Associa a cada personagem os seus elementos cénicos e a respectiva simbologia.

Personagens

Fidalgo Onzeneiro Sapateiro

Elementos cénicos Elementos cénicos Elementos cénicos

simbologia simbologia simbologia

Personagens

Frade Brízida Vaz Corregedor e Procurador

Elementos cénicos Elementos cénicos Elementos cénicos

simbologia simbologia simbologia


Personagens

Judeu Enforcado Quatro Cavaleiros

Elementos cénicos Elementos cénicos Elementos cénicos

simbologia simbologia simbologia

Elementos cénicos simbologia

Seiscentos virgos postiços, três arcas de Símbolo da apologia da Reconquista e


feitiços, três almários de mentir, etc. e Expansão da Fé Cristã
moças
Feitos e livros Símbolos de feitiçaria, mentira, roubo e
prostituição
Baraço Símbolo do dinheiro ganho a juros altos
Cruz de Cristo, espada e escudo Símbolos de tirania, poder e vaidade
Símbolos do amancebamento, do gosto
bolsão por coisas mundanas e da condição
sacerdotal
Avental e formas Símbolos de corrupção e injustiça
Pajem, cadeira e manto Símbolo do enforcamento
Moça, broquel, espada, casco e capelo Símbolo do apego à religião judaica
Bode Símbolos da classe artesã e dos pecados

4) O cómico é algo que faz rir. Como Gil Vicente trabalhava para corte,
procurava diverti-la, utilizando vários tipos de cómico. Liga os
exemplos que se seguem aos respectivos tipos de cómico.

a) O Frade a chegar ao cais com Florença. Cómico de situação


b) A pose de nobre do Fidalgo.
c) O dialogo do Diabo com o Corregedor. Cómico de linguagem
d) O Corregedor ao encontrar Brízida Vaz na Barca do Inferno.
e) As falas do Parvo. Cómico de carácter
4. Ao longo do Auto, as personagens vão usando diversos registos de língua.
Atenta nos exemplos e associa-os ao registo e, depois, à respectiva definição.

4.1.

a) “Vós ires mais espaçoso Registo corrente


Com fumosa senhoria.”

b) “Faze aquela poja lesta Registo cuidado


E alija aquela driça.”

c) “Porém a que terra passais


Pêra o inferno Senhor. Registo popular
Terra é bem sem sabor.”

d) “Que giricocins salvanor!” Gíria

4.2.

Registo corrente Caracteriza-se pelo emprego de um


vocabulário mais rebuscado e de
construções mais complexas e elaboradas.

Registo cuidado Corresponde à norma, à língua-padrão,


utilizado e compreendido pela maioria dos
falantes.

Registo popular Trata-se do conjunto de palavras e


expressões próprias e adoptadas por certas
profissões e actividades.

Gíria Caracteriza-se por frequentes desvios da


norma, tanto ao nível do vocabulário como
da sintaxe. O vocabulário inclui muitas
vezes provérbios e regionalismos.

Prof. Maria Filomena Ruivo Ferreira