Você está na página 1de 13

MINICURSO: OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS

UNIDADE: NÚMEROS RACIONAIS E DECIMAIS

Números Racionais e Decimais

Nesta unidade, vamos compreender o que são os números


decimais, números tão usados em nosso dia-a-dia,
principalmente no que se refere ao centavos. Veremos as
diferenças na notação nacional e internacional, a diferença do
uso do ponto e da vírgula para separar os números. Vamos ver
o nosso sistema de representação, como podemos visualizar
um número em uma reta, além de operações que envolvem
números decimais.
UM POUCO SOBRE A HISTÓRIA DOS NÚMEROS DECIMAIS (RACIONAIS)

A história dos números decimais e dos fracionários é que se


completam, afinal, ambos pertencem ao conjunto dos números
racionais. Mas a aceitação dos números racionais, ao longo da
história, foi questionada por grandes matemáticos,
principalmente pelos matemáticos da Grécia Antiga. A
aceitação de números "quebrados" ainda hoje é uma barreira
para algumas pessoas.
Alguns fatores propiciaram sua progressiva aceitação, como o
uso de frações unitárias pelos egípcios antigos, nas partilhas
de herança pelos Mesopotâmicos, pelos gregos na arquitetura,
nas transações monetárias e na astronomia árabe-judias.
No Oriente, principalmente entre os chineses, hindus e árabes,
esses números já eram bastante estudados. Durante a Idade
Média, as propriedades de números fracionários foram
bastante desenvolvidas por essas civilizações. Práticas de
cálculos de astrônomos, agrimensores, juristas, contadores e
comerciantes também foram bastante comuns na sociedade
islâmica medieval.

"Na segunda metade da Idade Média, a Europa Ocidental


passou de um mundo que havia desistido das frações, a um
outro, onde as frações entravam na vida cotidiana do
comerciante, fornecendo uma ferramenta essencial à álgebra
nascente e à Física em suas primeiras tentativas de
matematização. O cálculo fracionário se impôs do Oriente para
o Ocidente, varrendo os sistemas de frações da antiguidade
que foram substituídos por tipos de representação, de modos
de cálculos e de conceitos melhores adaptados à solução dos
problemas que se colocavam na época. " (SILVA, 1997, p.21)
FRAÇÕES DECIMAIS

Em 1585, Simon Stevin de Bruges utilizou-se de frações


decimais sendo representadas com dígitos como décimos,
centésimos e milésimos.

A forma de representar tais casas decimais ainda era diferente


da nossa atual. Cada casa possuía um círculo acima ou depois
de cada dígito. Dentro deste círculo, encontrava-se o expoente
correspondente à opsição de base 10 ocupada por tal casa.
Um número como 4,72 era representado sem a vírgula:
REPRESENTANDO NÚMEROS DECIMAIS

Após uma década, Joost Bürgi substituiu os círculos com


expoentes para apenas um círculo sobre o algarismo que
separa inteiros de decimais. Assim, teríamos:

4,72=4,72= 4°724°72
Bürgi também se dedicou ao estudo de formas mais sucintas
de se operar com números extensos. Para isto, utilizava-se de
métodos matemáticos muito semelhantes aos logaritmos. Foi
somente com John Napier, em 1614, que tal abordagem foi
primeiramente publicada e divulgada entre a comunidade
matemática. E o uso de logaritmos deu às frações e aos
decimais o fôlego necessário. Napier passou a separar as
partes inteiras das decimais e centesimais com ponto, o que
nos causa confusões até hoje. A explicação é porque no Brasil
utilizamos a notação de Wilbord Snellius, separando inteiros e
casas decimais pela vírgula.

INFLUÊNCIA FRANCESA NOS NÚMEROS DECIMAIS

A matemática ocidental do século XVIII foi influenciada (tanto


em seus acertos quanto em equívocos a serem discutidos no
século seguinte) por grandes expoentes franceses. Podemos
destacar seis grandes mestres: Monge, Lagrange, Laplace,
Legendre, Lazare Carnot (pai de Sadi Carnot, físico do famoso
"ciclo de Carnot") e Condorcet (BOYER, 1974). Esses grandes
homens viveram em um período turbulento da França: a
Revolução Francesa. Nesse período, a revolução industrial
impulsionou o uso utilitarista da matemática por todo o
Ocidente. A França investiu na formação técnica, criando a
Escola Politécnica e a Escola Normal, voltadas para a
formação tanto de professores como de técnicos para a
indústria e para as carreiras militares. No entanto, esses seis
homens de destaque se sobressaíram justamente pelo oposto:
pela satisfação lógica da matemática. Nesse período,
desenvolveram a geometria analítica e o cálculo diferencial.
Apesar das contribuições na matemática "pura", um dos frutos
da contribuição da matemática francesa do século XVIII foi a
reforma do sistema de pesos e medidas. Nessa reforma,
iniciada pela Academia de Ciências francesa da época, havia
uma disputa interna entre dois grupos rivais: o dos decimalistas
- que defendiam o uso de um sistema de base 10 - e os
duodecimalistas - com sistema de base 12 (como a dúzia). O
primeiro grupo foi o vitorioso e hoje podemos dizer que 1
centímetro corresponde a 0,01 de um metro.
Outro momento em que os números decimais vêm à tona na
história da matemática trata-se na convenção da medida do
metro. A comissão responsável cogitou duas alternativas para
se convencionar um padrão. A primeira seria a de que um
metro corresponderia ao comprimento de um pêndulo que
conseguisse medir o período de um segundo. Mas nada se
comparava a impressionante precisão de medida feita por
Legendre sobre o comprimento de um meridiano terrestre!
Então, ficou estabelecido que um metro seria a décima
milionésima parte da distância entre o equador e o pólo.
Atualmente, redefiniu-se a medida de um metro como sendo a
distância percorrida pela luz no vácuo - tentativa de ausência
de matéria - em um intervalo de 1/299792458 segundos.
RECORDANDO O SISTEMA DE NUMERAÇÃO

Lembra-se do sistema decimal de numeração? Você deve


lembrar que a posição de um algarismo em um número indica o
seu valor: centenas, dezenas, unidades…

C D U

Por exemplo, no número 2 8 6

o algarismo 2, vale 2 centenas 2 0 0

o algarismo 8, vale 8 dezenas 8 0

o algarismo 6, vale 6 unidades 6

Note que o valor do algarismo se altera de acordo com sua


posição. Para representarmos os números decimais,
organizamos cada posição com um valor de 10 unidades
associada.
da direita para a esquerda fica multiplicado por 10

da esquerda para a direita fica dividido por 10


Veja mais no exemplo:

NÚMEROS COM VÍRGULA

Pelas informações anteriores, percebe-se que um algarismo


colocado à esquerda da casa das unidades valerá 10 vezes a
unidade. Por outro lado, um algarismo colocado à direita de
outro valerá um 1/10 da unidade.
Se representarmos uma unidade por um quadrado, deveremos
dividir o quadrado em 10 partes iguais para representar o que é
uma parte 10 vezes menor que essa unidade. Cada uma
dessas partes é chamada décimo e, no número, o décimo fica
separado da unidade pela vírgula.
Por isso, os números com vírgula são chamados números
decimais.

Usando essa representação, observe o que significa o número


2,3:

Podemos, ainda, ter partes menores que o décimo, como o


centésimo e o milésimo.
O centésimo é 100 vezes menor que a unidade e 10 vezes
menor que o décimo. A posição de um algarismo que
representa o centésimo é à direita do décimo.
Observe como podemos representar graficamente o centésimo.
Dividimos o quadrado (usado como unidade) em 100 partes
iguais e cada um dos 100 pedacinhos vale 1 centésimo:

Observe como representamos as medidas em um régua


centimetrada. Simplificadamente, representar suas medidas é
bem mais prático se utilizarmos os números decimais.
5,3 centímetros = 5 centímetros e 3 décimos de centímetros = 5
centímetros e 3 milímetros

0,8 centímetros = 8 décimos de centímetro = 8 milímetros

LEITURA DE NÚMEROS DECIMAIS

Ao ler um número com vírgula, é importante estar atento e


compreender o que está antes e depois da vírgula. Os
algarismos que aparecem depois da vírgula representam a
parte decimal, ou seja, as unidades que foram subdivididas.
Para entender essa representação, devemos verificar até que
ordem (décimo, centésimo ou milésimo) vai a parte decimal do
número.

Veja alguns exemplos:

38,7238,72
trinta e oito inteiros e setenta e dois centésimos

2,62,6
dois inteiros e seis décimos

12,42512,425
doze inteiros e quatrocentos e vinte e cinco milésimos
Se a parte inteira do número representasse uma unidade de
medida, a leitura seria, por exemplo:

38,7238,72 mm
trinta e oito metros e setenta e dois centésimos de metro

2,62,6 kgkg
dois quilos e seis décimos de quilo

12,42512,425 kmkm
doze quilômetros e quatrocentos e vinte e cinco milésimos de
quilômetro
Muitas vezes enfatizamos a separação da parte inteira da parte
decimal, lendo simplesmente:

12,42512,425 KmKm
doze, vírgula, quatrocentos e vinte e cinco quilômetros
Saiba Mais sobre a escrita dos números

Atualmente, é comum, em notícias com dados numéricos, os


números aparecerem de forma abreviada, para facilitar a
leitura.
Veja o exemplo que saiu num jornal:
1,2 milhão de jovens participaram do ENEM, em 2006.
Atenção
Embora 1,2 milhão esteja escrito na forma abreviada como um
número decimal (número com vírgula), ele representa um
número inteiro:
1,2 milhão = 1 200 000 ( um milhão e duzentos mil)

Você também pode gostar