Você está na página 1de 48

Técnicas de Desbloqueio

Emocional - Kinesiologia

CURSO:

2019/2020
2019
DOCENTES:

Inês Pinto
Table of Contents
INFORMAR ......................................................................................................... 1
1 – NECESSIDADES HUMANAS (Maslow 5 e Comuns 20) ............................ 2
2- CONFLITOS BIOLÓGICOS de Hamer do (1 a 15) ................................................. 4
3- CAUSAS DE STRESS OU CRISE (1 a 11) ............................................................... 5
4- NÍVEIS NEUROLÓGICOS DE DILTS (1 a 6) ...…………………………………………7
5- EMOÇÕES SEGUNDO YIN YANG e 5 MOVIMENTOS (1 e 3).………………………8
6– VONTADE DO PACIENTE (3 passos + Rins) ....................................................... 10
7– RAZÕES PARA ADOECER (1 a 14) ...................................................................... 10
8 – PROGRAMAS LIMITADORES (1 a 3) ................................................................... 13
9 – UMA RELAÇAO DE VALORES (1-196) ............................................................... 24
10 – EMOÇÕES - KINERGETICS (A-G / 1) ................................................................ 25
11 – FORMAÇÃO DO EU (1 a 5) ................................................................................ 27
12- REGRESSÃO DE IDADE (número ou linha de vida) ......................................... 29
13.- ASSERTIVIDADE ................................................................................................. 30
CORRIGIR
1-TÉCNICAS DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL (1 a 3) ............................................... 34
2 - EMDR ...................................................................................................................... 34
3 - PENSAR, DIZER E FAZER .................................................................................... 35
4 – PEDIR PERDÃO - AGRADECER (1 a 4) .............................................................. 35
5 - TERAPIA FLORAL ................................................................................................. 36
6 - TERAPIA VIBRACIONAL E ENERGÉTICA ........................................................... 38
7 - MITOS, METÁFORAS E HISTÓRIAS .................................................................... 38
8 - SÍMBOLOS, ÍMANS, MÚSICA, CORES... .............................................................. 38
9- CLÁSSICAS DA KINESIOLOGIA……..………………………………….…………….39
10 - EXPERIÊNCIA NO TEMPO …….……....…………………………………………….39
11 - SUBTIL (1 A 12) .......………….........………………………………………………….39
12 – PONTOS DE ACUPUNTURA EMOCIONAIS E ESPIRITUAIS ........................... 41
13 - GUIÕES DE HIPNOSE...............................................................................41

CICLO DE TRATAMENTO .......................................................................................... 42


PROTOCOLO COM CICLO (BUCLE) ......................................................................... 44
TERMINOLOGIA - VOCABULÁRIO ............................................................................... 45
ANEXO AROMATERAPIA...........................................................................................46

2
1 – NECESSIDADES HUMANAS (a ou b)
a) MASLOW: 1. Necessidades Fisiológicas
2. Segurança
3. Pertença a um grupo
4. Autoestima
5. Autorrealização

b) COMUNS:

1. Segurança 11. Pertença


2. Respeito 12. Êxito
3. Espaço 13. Confiança
4. Relaxamento 14. Abertura
5. Energia 15. Ser entendido
6. Dinheiro 16. Diversão
7. Amor 17. Criação
8. Família 18. Arte
9. Saúde 19. Crescimento
10. Amizade 20. Espiritualidade

3
2- CONFLITOS BIOLÓGICOS de Hamer (1 a 15)

Para Hamer, todos os problemas oncológicos ocorrem algum tempo após uma
situação emocionalmente pesada, ou conflito. Dependendo da área do cérebro afetada por
este choque, os órgãos respetivos também serão afetados. Para este médico alemão, a
doença física faz parte de um processo de cura do emocional.

Título Descrição Órgãos e patologias


1 Constelação de Numerosos conflitos, agindo Neurose, psicose, esquizofrenia,
conflitos em simultâneo SIDA
2 C. existencial. Ameaça à existência, Rins
catástrofes, refugiados.
3 C. filho Problemas mãe- filho. Pleura esquerda, testículos, seio
Preocupação com os filos. esquerdo e endométrio (no caso
de indivíduos destros. Ao
contrario nos outros)
4 C. de Perda da autoestima devido Ossos, tendões, baço, sistema
desvalorização a circunstâncias externas ou linfático, imunidade, artérias,
internas veias
5 C. perda de Separação forçada da Pele, dermatoses, psoríase,
contato família, grupo... medo de ser melanoma, úlceras, córtex
abandonado cerebral, úlcera cristalina,
neurofibromas
6 C. humano Causada por difamação, Intestino grosso. Mama direita,
calúnia, sentir-se traído pleura, cólon
7 C. por não poder Ter tomado um caminho Área motora, córtex adrenal,
fugir errado e não poder músculos estriados
abandoná-lo. Não encontrar
a saída
8 C. Sexual Problemas sexuais na Endométrio, miomas, pescoço
infância, por não ser capaz uterino, ovários, testículos,
de conceber, a perda do par, vagina, intestino delgado
por não poder consumar o
ato sexual.
9 C. Frustração Não "ser capaz de caçar a Olhos, hipófise, ouvido,
presa” rinofaringe
10 C. Desengano Não ser capaz de "comer a Amígdalas, cáries, tiroide, tubo
presa de caça digestivo
11 C. de Medo Medo da morte, da asfixia Laringe, pulmões, pleura bilateral,
pâncreas, medula suprarrenal.
12 C. com o Conflitos relacionados com a Pericárdio, artérias coronárias,
território habitação, o trabalho, as ducto biliar, estômago, duodeno,
propriedades, não encontrar bexiga
o próprio lugar, rivalidade
dentro da família
13 C. com o dinheiro Medo de morrer de fome, Tiroide, pâncreas
inanição
14 C. Repugnância Diabetes
e Resistência
15 C. Solidão

4
3 – CAUSAS DE STRESS OU CRISE (1 a 11)

1 - Casal e Filhos 1) COMPROMISSO


2) CASAMENTO
3) CRISE MATRIMONIAL
4) DIVÓRCIO
5) INFELIDADE
6) RECONCILIAÇÃO
7) TROCA DE COMPANHEIRO
8) GRAVIDEZ
9) NASCIMENTO DE FILHOS
10) PROBLEMAS COM OS FILHOS
11) FILHO QUE SAI DE CASA
12) FAMÍLIA DO MARIDO/MULHER
13) MORTE DA MULHER /MARIDO
14 MORTE DE FILHOS
2 - Família 1) NASCIMENTO DE IRMÃOS
2) RELAÇÃO COM A MÃE
3) RELAÇÃO COM O PAI
4) RELAÇÃO COM O IRMÃO(Ã)
5) RELAÇÃO COM TIOS, PRIMOS, AVÓS
6) ÚNICO FILHO
7) MORTE DE FAMILIARES

3 - Lar 1) MUDANÇAS – MUDANÇA DE


RESIDÊNCIA
2) TAREFAS
3) ESTRUTURA DO EDIFÍCIO
4) SERVIÇOS DA CASA
5) ESPAÇO(S) DA CASA
6) AMBIENTE E DECORAÇÃO
7) PRESENÇAS
8) VIZINHOS

4 - Social 1) MORTE DE AMIGOS OU CONHECIDOS


2) INVEJA
3) CONTROLO
4) NÍVEL SOCIAL

5 - Trabalho 1) SALÁRIO
2) CHEFES
3) SUBORDINADOS
4) CATEGORIA LABORAL
5) TIPO DE TRABALHO
6) MUDANÇA NAS CONDIÇÕES DE TRABALHO

5
7) DESPEDIMENTO
8) ASSÉDIO MORAL

6 - Estudos 1) MUDANÇA DE ESCOLA


2) DEVERES
3) TÍTULOS E DIPLOMAS
4) JARDIM DE INFÂNCIA - CRECHES
5) ESTUDOS BÁSICOS - MÉDIOS
6) CURSOS PROFISSIONAIS
7) ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS
7 - Económico 1) DÍVIDAS
2) FALÊNCIA
3) HIPOTECA
4) EMPRÉSTIMO
5) JOGOS
6) CRISE
7) BANCOS
8 - Legal 1) DELINQUÊNCIA
2) PRISÃO – PRIVAÇÃO DE LIBERTDADE
3) DENUNCIAS – JULGAMENTOS –
PROBLEMAS COM A LEI
9 - Saúde 1) DOENÇAS INFANTIS
2) DOENÇAS INFECCIOSAS
3) DOENÇAS DEGENERATIVAS
4) DOENÇAS AUTO-IMUNES
5) CANCRO
6) HOSPITALIZAÇÃO
7) MORTE
8) ACIDENTE
9) DROGAS
10 - Sexualidade 1) DESCOBERTA DA SEXUALIDADE
2) MASTURBAÇÃO
3) HETEROSSEXUAL
4) HOMOSSEXUAL
5) BISSEXUAL
6) ABUSOS
7) VIOLAÇÃO
8) MENARCA
9) MENOPAUSA
10) ANDROPAUSA
11) IMPOTÊNCIA
12) ANORGASMIA, FRIGIDEZ
11 - Idade 1) GRAVIDEZ
2) BEBÉ/ AMAMENTAÇÃO
3) INFÂNCIA
4) PUBERDADE

6
5) ADULTO
6) CRISE DOS 40
7) MATURIDADE
8) VELHICE
9) MORTE
10) MUDANÇA DE ESTILO DE VIDA
11) PROBLEMAS ESPIRITUAIS E
RELIGIOSOS

4 - NÍVEIS NEUROLÓGICOS (Robert Dilts) (1 a 6)

NIVEL ÁMBITO A PREGUNTA


6 Espiritualidade Trascendência Quem mais?
5 Identidade Missão Quem ou o que sou?
4 Crenças Autorização – Por quê? Para quê?
Motivação
3 Capacidades Direção Como?
2 Condutas Ação O Quê?
1 Ambiental Reação Onde? Quando? Com quem?

7
5 – EMOÇÕES PELO YIN/YANG E PELOS 5 MOVIMENTOS

1- COMPORTAMENTOS SEGUNDO O YIN - YANG (21 X 2)

YANG YIN
1 Ativo Passivo
2 Rápido Lento
3 Acima Abaixo
4 Fora Dentro
5 Adiante Atrás
6 Extrovertido Introvertido
7 Excitado Tranquilo
8 Escandaloso Discreto
9 Público Privado
10 Aberto Fechado
11 Dirigente Obediente
12 Duro Mole
13 Penetrante Recetivo
14 Brilhante Mate
15 Luminoso Escuro
16 Óbvio Escondido
17 Quente Frio
18 Anima Desanima
19 Centrífugo Centrípeto
20 Ascendente Descendente
21 Espírito Matéria

2 – RELAÇÃO DAS 5 FASES:

As fases são 5: Madeira – Fogo – Terra – Metal – Água e podemos combiná-las segundo
estas três possibilidades:

1. Única: Há uma só fase afetada – em relação.


2. Eixo: Há duas fases afetadas – em relação.
3. Tríade: Há três fases afetadas – em relação.

Uma excelente maneira de colocar esta informação no sistema é através dos pontos
hipotalâmicos, tocando com um ou vários dedos nos pontos, conforme o mais
conveniente.

Água –> B1 ; Fogo – >ID19 (C e ID); Fogo 2 – >SJ23 (SJ e Pc); Madeira -VB1
Terra -> E2

8
3 – OS COMPORTAMENTOS DAS CINCO FASES (1 a 13 x 5)

MADEIRA FOGO TERRA METAL ÁGUA


Hedonismo
Se está Eu sei o que
1 Insatisfeito (busca do Ditador Destrutivo
exagerado necessitas
prazer)
Se está Falta de Necessito que Falta de critério
2 Incapaz Anergia
deficitário auto-estima me queiram próprio

Ocupado
3 Ação "O que dirão" Os outros As normas Silêncio
no(a)
4 Necessita Superar-se Consumir Participar Controlar Criar
Passar Ser
5 Medo de Limites Desordem Pessoas
despercebido desnecessário
Perfeição
6 Seu impulso Sua atração Família Sistema Solidão
está no(a)
Problemas
Propósitos Desejos Costumes Hierarquia Expor-se
7 ao
Eleições A forma Distribuição Moral Intrusão
discutir de

Soluções Importância Limpeza Vazio


Obcecado Servir
8 Mudanças Arrogação Ordem O mistério
com Cuidar
Independência O divino Defeitos A morte

Impotência Separação Mudança Espontaneidade O superficial


9 Não suporta Tédio Concorrência Pedir para sí Enganar-se Ser visto
Dependência Desprazer Independência Ilegalidade A confusão
Protejer-se
Arriscar-se Destacar Ao bem-estar Julgar
10 Tende a Resguardar-
Ocupar-se Seduzir Relacionar-se Sentenciar
se
Dúvida O que é a Consciência Equilíbrio em O que é O que é a
11
essencial liberdade? de ser? dar e receber correcto? realidade?

Dependência Ser Ser


12 Apaixonar Ter razão Sonhar
emocional estimulado necessário
Que não
Medo Não cumprir Perder o exista nada
13 Ser egoísta Perder a fé
espiritual com o ideal centro para além
da vida

9
6 – VONTADE DO PACIENTE (3 passos + Rins)

Com o parágrafo “Rins” comprovamos a raíz da vontade.

A. Âmbito da vontade afetado (só uma de cada vez)


1. Vontade para enfrentar o problema.
2. Vontade para fazer as mudanças necessárias para libertar-se.
3. Vontade para aceitar as consequências das mudanças.

B. Tipo de vontade afetada. C. A Força de vontade está a…


1. Material (valorizamos de 0 a 10).
2. Emocional Onde 0 significa “não há vontade
3. Mental disponível” e 10 significa “toda a vontade
4. Espiritual está disponível

7 – RAZÕES PARA ADOECER (1 a 14) de Sholten

1. PROCESSO DE DESGASTE (mecanicista alopático)


• Significa dar prevalência à capacidade degenerativa em relação à
regenerativa.
• Conceito clássico mecanicista: a enfermidade é algo inevitável e há que
aprender a conviver com ela.
• Não acreditando nesta ideia, própria da medicina alopática, disse: “Se
os meus dois joelhos têm a mesma idade, ¿Por que é que um me dói e
o outro não?”

2. AMEAÇA (no mundo exterior estão as causas de morte)


• A parte negativa sempre está colocada no mundo exterior, e nunca
dentro do nosso mundo interior.
• Esta conceção supõe que a enfermidade sempre vem de fora e que
estamos constantemente expostos à desgraça da doença, sejam vírus,
bactérias...
• Temos que defender-nos sempre das ameaças do exterior.
• A doença vive-se como uma ameaça de morte.
• O hipocondríaco, mesmo estando absolutamente são, teme a doença
porque o pode matar.
• Segundo a lei da sobrevivência, os mais aptos da espécie não
adoecem. Se adoeço não sou apto, portanto, posso morrer.

3. ESTADO ORIGINAL (identifico o problema e reajo de forma normal)


• Parece normal estar doente, atendendo ás circunstâncias.
• A doença és “um estado de ser”, uma “forma de viver e ser”.
• A enfermidade é o estado lógico e o mais conveniente resultado das
condições circunstanciais.

10
• Doença como reação mais correta ao “ambiente” poluído, stressado.
• No caso dos cristãos, seria a ideia do “pecado original”.

4. ILUSÃO (eu imagino e julgo ser o motivo que me faz adoecer)


• A doença é o resultado de uma ilusão mental, de algo que se acredita que
pode acontecer ou que pode ser, como as pandemias atuais (veja-se a
Gripe A).
• A doença persiste enquanto persiste a ilusão, independentemente das
condições que geraram a ilusão continuem existindo.
• A ilusão pode ser manifestada como uma convicção graças a vocábulos
generalistas como: sempre, todos, nunca, nada... que traduzem um estado
de absoluta idealização, pouco realista.
• Podemos ver três graus: opiniões, convicções, e crenças enraizadas.
• Roberta Fioriti aponta testar o âmbito de onde surgem as crenças (social,
cultural, religiosa, familiar, educacional…).

5. FENÓMENO CULTURAL (a repressão por normas de conduta)


• O nosso ambiente cultural diz-nos o que devemos e o que não devemos
fazer; respeitar os condicionamentos culturais é frequentemente causa de
doenças.
• Lutar é errado, mas se não te defendes és um cobarde.
• É malvisto expressar livremente o que se pensa; chorar em público, o
simplesmente chorar, se fores um homem.
• Explodir de raiva ou zangar-se significa que não sabes controlar as tuas
emoções.
• A uma criança: não grites, não corras, levanta-te do chão, cala-te...
• Pode ser uma continuação natural do parágrafo anterior “Ilusão”. Com a
gripe A tentou-se criar toda uma nova forma de relação social muito
“assética”.

6. SÍMBOLO (de um problema psicológico ou energético)


• A doença como expressão simbólica de um problema psicológico: veja-se
Eric Rolf, o “A doença como caminho”, Hamer e a Biodescodificação.
• É necessário prestar atenção ao uso da linguagem do paciente, ou ás
metáforas que utiliza para se explicar: “é como se me tivessem tirado a
vida”, “foi como uma facada”, “daría a pele por ele”.

7. MITO OU CONTO DE FADAS (doença da humanidade)


• Arquétipos clássicos dos contos ensinaram-nos sobre o quão natural é a
humilhação, a perda, o ser devorado por outros, o menosprezo, o engano,
o abandono…
• Reconhecer a doença em mito ou conto significa ter reproduzido uma
doença de humanidade. Curar e doença na pessoa significa curar também
a humanidade.
• Reconhecer o próprio problema num mito ou num conto de fadas ajuda a
curar mais profundamente.
• A mente, instigadora número um por trás da doença, usa uma linguagem
matafórica, não realista, e os contos são pura linguagem metafórica.

11
8. TALENTO OU UMA ESTRATEGIA (útil para manipular o ambiente)
• Doença como talento para manipular as condições do ambiente.
• Ex: Cada vez que me deprimo, os meus país deixam de discutir

9. PROTEÇÃO (serve para distrair-se de outro problema)


• A doença utiliza-se como fator de distração de um problema realmente
sério que não se sabe como enfrentar.
• Parecida à anterior, uma doença pode permitir manter um medo ou um
perigo afastados e, portanto, dar uma certa segurança. Ex:.Trabalhar muito
e não estar em casa pode manter afastado o perigo de separação ao evitar
o conflito que se vive em casa.

10. CRIAÇÃO OU JOGO (minha doença, minha oportunidade)


• A doença como processo espiritossomático, e já não só psicossomático.
• O ser humano é o criador da sua doença, e portanto, das circunstâncias
que favoreceram a enfermidade. A doença já não vem mais do mundo
exterior. Aqui é o mundo interior que gera a enfermidade. Se o homem tem
a capacidade de criar a doença, também tem a capacidade de a curar.

LIPTON (As 4 alternativas) (A biología da crença, págs. 246-248.)

Bruce Lipton, o autor de A biologia da crença, é um dos pioneiros de uma nova área de
estudos denominada "Nova Biologia", que discorre acerca da relação entre os organismos
biológicos, o meio ambiente, o pensamento, as perceções e até o subconsciente e mostra,
por exemplo, que, ao contrário do que se sabe, o DNA e os genes são controlados pelos
sinais de fora das células, como as mensagens de energia emanadas de pensamentos
positivos e negativos. Por isso, segundo M. T. Morter Jr., fundador do Morter Health
System, A biologia da crença mostra que a mente é mais poderosa do que qualquer
medicamento, quando se trata de recuperar a saúde.

11. 1ª alternativa: passar do pecado original à sinergia original.


a. O amor universal é incondicional: brilha por igual para todos.
b. O Paraíso na Terra, e no agora. No agora só posso ser.
12. - 2ª alt.: passar de um modelo de castigo a um modelo de aprendizagem.
a. Substituir o castigo por aprendizagem faz-nos responsáveis e anima-nos à
procura de melhores alternativas.
13. - 3ª alternativa: passar de vítima a um ser livre e participante por vontade própria.
a. Passamos de ser observadores a ser participantes na vida.
14. - 4ª alternativa: passar da separação à conexão.
a. A “compaixão” é o que conecta todas as coisas e é tanto uma força do
Universo como uma experiência humana.

12
8 – PROGRAMAS LIMITADORES (1 a 3)
1. Por afirmações

Afirmações segundo Herzberger (1 – 99)


1 Abro o meu coração para dar amor e para receber.
2 Aceito com alegria a minha responsabilidade.
3 Aceito conhecer novas pessoas e viver novas experiências.
4 Enfrento com flexibilidade cada situação.
5 Enfrento a vida cheio de vida e confiança.
6 Agora, ao tratar com os demais, estou relaxado e atento.
7 Agora confio na minha intuição e sigo-a.
8 Amo o meu corpo e cuido-o divinamente. O meu corpo tem uma estrutura e uma forma ótimas.
9 Aprendo com as minhas experiências.
10 Atraio as pessoas, situações e o dinheiro para que o meu sonho se torne realidade.
11 Atraio os meus amigos e parelhas ideais.
12 Atraio relações abertas e carinhosas.
13 A cada dia que passa sinto-me melhor em todos os aspetos.
14 A cada dia que passa fico melhor e melhor em todos os aspetos.
15 A cada dia sou invadido por inspirações criativas.
16 A cada dia que passa reconheço com mais clareza que sou eu quem cria a minha própria
realidade.
17 Mudo e transformo os meus limitados e antiquados preconceitos.
18 Capto cada informação nova com a facilidade e processo-a.
19 Consigo uma melhor conexão com o meu ser superior.
20 Quanto mais dou, mais recebo, para poder dar.
21 Quanto mais recebo, mais recebem os outros. Quanto mais recebem os outros, mais recebo eu.
Assim, com o passar do tempo recebo cada vez mais.
22 Cuido bem de mim mesmo.
23 Desfaço todas as barreiras emocionais que me impedem de engravidar.
24 Disponho da energia necessária para atingir as minhas metas e para realizar os meus desejos.
25 Disponho das minhas virtudes sempre que necessito.
26 O universo mantém-me e protege-me a todas horas e em todo o lugar.
27 O universo protege-me, esteja eu onde esteja.
28 Nas minhas ações reflete-se a meta da minha vida.
29 É agora quando me reconheço cheio de força.
30 Estou no começo do meu êxito profissional.
31 Estou contente comigo mesmo.
32 Estou disposto a aceitar positivamente os desafios da vida.
33 Estou disposto a amar com todos os riscos implícitos.
34 Estou disposto a superar a minha barreira psicológica para cumprir com o meu dever neste
mundo.
35 Estou em harmonia com a inspiração divina que me guía para que me sinta pleno e realizado,
para que sirva a Deus e para que acumule riquezas financeiras.
36 Estou em harmonia perfeita comigo mesmo e gozo de proteção omnipresente.
37 Estou em plena harmonia comigo mesmo. O meu par está em plena harmonia consigo mesma.
Juntos formamos uma unidade.
38 Estou feliz pela mina sorte duradoura.
39 Estou permanentemente unido com a mina missão superior.
40 Estou permanentemente inspirado pela minha fonte criativa.
41 Estou preparado para uma relação.
42 Estou saudável, feliz e radiante.
43 Gozo de muita vitalidade em todos os âmbitos da minha vida.
44 Faço o que gosto e pagam-me por isso.
45 Aceitam-me em todos os âmbitos da vida e amam-me.
46 Amo-me tal como sou.

13
47 Aprovo-me tal como sou.
48 Concentro-me no aqui e agora.
49 Deixo-me guiar pelo meu ser interior e descubro o meu próprio ritmo.
50 Liberto-me agora da minha dor do passado.
51 Liberto-me agora de tudo o que impede o meu desenvolvimento.
52 Liberto-me do passado e reconheço as belezas da vida.
53 Liberto-me das minhas preocupações, abro-me a novas energias e à paz interior.
54 Liberto-me de todas as amarguras e iras e aprendo a perdoar.
55 Liberto-me de todas as limitações e barreiras e começo a desenvolver-me.
56 Liberto-me de todos os meus medos.
57 Liberto-me de todos os meus pensamentos indesejados e substituo-os por paz interior e calma.
58 Enche-me de muita alegria expressar os meus sentimentos de forma franca e sincera.
59 Mereço receber amor.
60 Mereço ser feliz.
61 Mereço ser rico.
62 Noto em mim mesmo a alegria de viver a emoção.
63 Nutre-me a ilimitada fonte de energia que emana do meu interior.
64 Perdoo-me a mim mesmo e aos demais. Sou livre.
65 Quero-me.
66 Trato-me a cada dia que passa com mais carinho e aceito-me cada vez mais.
67 Valorizo-me.
68 O meu corpo está curado, renovado e cheio de energia.
69 O meu corpo está pleno de energia e vitalidade.
70 A minha força de viver goza de plena saúde e vitalidade.
71 A minha riqueza económica favorece o meu bem-estar e o bem-estar dos demais.
72 As minhas receitas excedem os meus gastos.
73 A minha união pessoal com a inteligência universal faz com que muito dinheiro flua até mim e
através de mim.
74 Para mim, o meu corpo é um lugar seguro e agradável para estar.
75 Perdoo agora e sempre e em todas as situações.
76 Penso na vida e no futuro pleno de otimismo.
77 Penso que a vida é excitante. Encontrei a minha paixão.
78 Recebo tudo o que necessito.
79 Reconheço agora qual é o meu caminho de vida e sigo-o.
80 Sempre estou no lugar adequado na hora adequada e com a missão adequada a realizar.
81 Sempre se me abrem boas oportunidades.
82 Sinto agora uma grande alegria, energia e emoção para a vida.
83 Sigo a missão divina e todas as partes da minha vida se ordenam por si mesmas.
84 Se me amo a mim mesmo, também recebo o amor dos demais.
85 Se uma porta se fecha, abre-se outra. Sempre que perco algo, que tenha tido valor para mim,
gera-se um espaço para algo muito melhor.
86 Se eu ganho dinheiro, também ganham os demais. Se eu tenho êxito, também têm êxito os
demais.
87 Só o melhor do melhor é suficiente para mim.
88 Sou capaz de expressar os meus sentimentos de maneira franca e sincera.
89 Sou independente do ponto de vista económico e feliz com o meu trabalho.
90 Sou uma pessoa encantadora.
91 Sou eu mesmo quem toma o controlo da minha vida.
92 Tal como eu perdoo, perdoam-me a mim.
93 Tenho a capacidade de revelar todo o meu potencial no mundo. O meu trabalho é amor vivido.
94 Tenho sempre o dinheiro suficiente.
95 Todas as células do meu corpo são invadidas diariamente pelo meu ser divino e perfeito.
96 Tudo o que o meu coração deseja torna-se realidade.
97 Tudo o que tenho de saber, se me revela.
98 Tomo as minhas decisões com rapidez e desenvoltura.
99 Vou de for espontânea onde o universo me leve.

14
2. Por âmbitos

1. SAÚDE / CORPO (1 a 11)


2. PROSPERIDADE (1 a 11)
3. AUTO-ESTIMA (1 a 11)
4. RELAÇÕES (1 a 11)
5. PODER PESSOAL (1 a 11)
6. ESPIRITUALIDADE (1 a 11)
7. DOR / PERDA (1 a 11)

1- SAÚDE/CORPO
1. Sou livre para ser feliz e saudável
2. O meu corpo cura-se, natural e rapidamente
3. Eu escolho viver uma vida vibrante e saudável
4. Meu corpo é o reflexo perfeito da Divina Perfeição
5. Experimento agora mesmo um equilíbrio harmonioso da minha Mente,
Corpo e Espírito
6. Nutro o meu corpo físico de forma saudável e carinhosa
7. Vejo a beleza em todas as partes do meu corpo
8. Quero e aceito o meu corpo tal e como ele é e como muda
9. Permito que a energia da cura do amor flua através de mim agora
10. É seguro, divertido e fácil para mim ser magro e saudável
11. O meu corpo está saudável restabelecido e cheio de energia.

2- PROSPERIDADE
1. Confio em mim próprio para lidar com o dinheiro com honestidade e bom
senso
2. O dinheiro é uma ferramenta fantástica que eu uso para criar possibilidades
para mim e para os outros
3. O dinheiro é uma expressão da minha espiritualidade e o meu amor a Deus,
a mim mesmo e aos outros
4. Estou calmo e confiante quando tenho dinheiro e quando a minha conta
bancária está vazia
5. O universo é um lugar amigável e de boa vontade e me dá tudo aquilo que
eu preciso
6. Eu mereço ter todo o dinheiro que eu preciso
7. Estou orgulhoso dos meus resultados e eu mereço as minhas recompensas
8. Não tem mal ter mais dinheiro do que eu preciso
9. Meu valor como pessoa e o meu valor económico são duas medidas
diferentes
10. Não tem mal que deseje ter dinheiro, e eu quero

15
11. Eu recebo e aceito o dinheiro com amor e gratidão

3- AUTO-ESTIMA
1. Valorizo-me e aceito-me profundamente
2. Sou compreensivo e mantenho-me curioso quando os outros me criticam
3. Gosto de mim incondicionalmente
4. Estou orgulhoso de mim
5. Eu confio em mim
6. Aceito as minhas imperfeições como oportunidades para aprender lições
valiosas na minha vida
7. Eu tenho confiança e segurança em mim próprio
8. Sou um vencedor
9. Sou o meu melhor amigo
10. Mereço amar-me a mim próprio e ser amado pelos outros
11. Sou o melhor "Eu" que posso ser em cada momento

4- RELAÇÕES
1. É fácil para mim dar amor aos outros
2. É fácil para mim receber o amor dos outros
3. Sou digno de ter um relacionamento íntimo e apaixonado
4. Estou preparado para ter um relacionamento poderoso e íntimo na minha
vida
5. Estou disposto a arriscar a amar e a ser amado
6. É claro para mim o que eu procuro num relacionamento
7. Eu sinto-me confortável, seguro e gozo a minha sexualidade numa relação
8. Eu sou capaz de manter a minha individualidade nos meus relacionamentos
9. Permito que os outros aprendam as suas próprias lições no relacionamento
10. Parece-me bem estabelecer limites numa relação e faço-o
11. Permito-me ser vulnerável e sensível numa relação

5- PODER PESSOAL
1. Eu aceito o meu direito Divino ao pessoal e expresso este poder em tudo o
que eu faço
2. Eu tenho um trabalho mágico de uma forma mágica; dou serviço mágico por
um pagamento mágico
3. Reconheço a minha habilidade e responsabilidade de fazer uma diferença
positiva no mundo
4. Valorizo positivamente as oportunidades que surgem com a mudança
5. Exprimo as minhas verdades pessoais com amor, paixão e compromisso
6. Assumo a iniciativa de criar a minha vida como eu a quero
7. Sou fiel à minha visão pessoal
8. Estou preparado, disponível e capaz de ser o melhor que eu possa ser
9. Aprendo com os meus medos que me levam à sabedoria e ao poder

16
10. Aceito o plano Divino da minha vida conforme ganha forma em
experiências definitivas e concretas
11. Atrevo-me a permitir que as minhas visões e sonhos se tornem reais

6- ESPIRITUALIDADE
1. Sei quem sou em presença da Divindade
2. Sou uma parte necessária do Plano Divino
3. A fonte da minha satisfação e alegria reside no meu interior
4. Amo o meu Ser Superior e o meu Ser Superior ama-me
5. Cada uma das minhas experiências que me aproximam de Deus
6. A minha vida é uma demonstração perfeita do princípio do Amor
Divino
7. Reclamo a minha herança do Amor Divino e abundância
8. A minha vida é uma experiencia de Divina satisfação repleta de
vitalidade e magia
9. Sinto em mim a presença de Deus
10. Eu sou uno com o Amor Divino
11. Prevejo milagres como uma parte natural da minha vida

7- DOR / PERDA
1. Liberto-me do passado doloroso e olho com esperança o bem que
agora me espera
2. A morte de uma pessoa ou o fim de um relacionamento faz parte do
ciclo natural da vida
3. Apesar de sentir dor pela perda, eu sei que me espera um bem maior
4. Abençoo e liberto a todos os que me causaram dor
5. Perdoo a (nome da pessoa) por me deixar
6. Perdoo-me por deixar a (nome da pessoa)
7. Perdoo à minha mãe e ao meu pai pelas suas imperfeições
8. Posso sentir a luz do sol, mesmo quando há nuvens sobre mim
9. Perdoo-me pelo amor e carinho que retive por raiva de mim e dos
outros
10. Reconheço os meus sentimentos como uma parte necessária no
meu processo de cura
11. Tal como perdoo sou perdoado

3. Crenças irracionais de Albert Elis

Quantas vezes pensar de forma errônea nos levou a situações indesejáveis? O pensamento pode
exercer um grande poder sobre nós. Tome a decisão de querer pensar. A decisão final está
dentro de nós mesmos.
Albert Ellis foi um dos psicólogos fundadores do cognitivismo. Começou a desenvolver sua terapia
em 1962, a qual chamou de “Terapia Racional Emotiva” (TRE). Ellis crê que boa parte dos
problemas psicológicos se devem a padrões de pensamentos irracionais.

17
Ellis foca sua teoria no fato de que “As pessoas não se alteram pelos acontecimentos, mas sim
pelo que pensam sobre tais acontecimentos” como dizia o filósofo estoico grefo Epicteto. Assim,
podemos dizer que a “TRE” parte da seguinte hipótese:
– Não são os acontecimentos (A) que geram os estados emocionais (C), mas sim a forma
de interpretá-los (B). Portanto, se formos capazes de mudar nossos esquemas mentais, ou seja,
nossos padrões de pensamento, seremos capazes de gerar estados emocionais menos dolorosos,
mais positivos e de acordo com a realidade.

A. AS 11 CRENÇAS IRRACIONAIS DE ALBERT ELLIS


Crença irracional A: Porque é irracional B: Alternativas racionais
A: 1-6 1. A exigência de ser aceite 1. O indivíduo não deve
B: 1-5 por todos é um objetivo tentar erradicar todos os seus
inatingível. desejos de aprovação, mas
1. "É uma necessidade 2. Se precisarmos de forma as necessidades excessivas
extrema para o ser extrema a aceitação, sempre de aprovação ou amor.
humano adulto ser amado irá gerar uma preocupação 2. O indivíduo deve procurar
e aprovado por por quanto nos aceitarão. a aprovação mais pelas suas
praticamente cada 3. É impossível que sejamos ações, atividades e condutas
pessoa importante da sempre simpáticos e que por “si próprio".
sociedade". agradáveis com os outros. 3. Não ser considerado pelos
4. Ainda que pudéssemos outros é um pouco frustrante,
alcançar a aprovação dos mas não horrível e
outros, isso exigirá uma catastrófico.
enorme quantidade de 4. Devemos perguntar-nos: o
esforço e energia. que eu quero fazer no
5 A tentativa de ser aceite decorrer da minha relativa
pelos outros iria gerar um curta vida? Mais, o que é que
servilismo que implicaria eu acho que os outros
abandonar as próprias gostavam que eu fizesse?
necessidades. 5. Para conseguir o amor dos
6. A incerteza de não outros, uma das melhores
conseguir a aprovação dos formas é dar.
outros iria gerar um
comportamento inseguro e
incómodo perdendo-se com
isso o interesse dos outros.
A: 1-7 1. Nenhum ser humano pode 1. O indivíduo deve agir mais
B: 1-6 ser plenamente competente do que agir bem. Ele deve
em todos os aspetos ou na concentrar-se mais em
maioria deles. apreciar o processo em vez
2. "Para nos 2Tentar ter sucesso é bom, do resultado.
considerarmos valiosos mas exigir-se que se deva ter 2. Quando tenta agir bem é
devemos ser muito sucesso é a melhor maneira mais para sua própria
competentes, suficientes de sentir-se incompetente e satisfação, do que para
e capazes de conseguir incapaz. agradar ou ser melhor que os
qualquer coisa em todos 3 O esforço excessivo outros.
os aspetos possíveis”". acarreta stress e doenças 3. Deve questionar-se
psicossomáticas. frequentemente se está
4. O indivíduo que luta pelo lutando para alcançar um
sucesso total está em objetivo em si, ou por um

18
contínua comparação com os objetivo para sua própria
outros que se sente satisfação.
invariavelmente inferior. 4. Na luta para alcançar os
5 A ambição do sucesso seus objetivos o indivíduo
envolve querer ser superior deve aceitar os seus erros e
aos outros, o que confusões ao invés de se
inevitavelmente entra em horrorizar com eles.
conflito com os outros. 5. Devemos aceitar a
6. A procura do sucesso necessidade da prática e
distrai o individuo do seu praticar as coisas antes de
autentico objetivo de ser mais conseguir o sucesso.
feliz na vida. 6. Devemos obrigar-nos de
7. A preocupação com o vez em quando a fazer aquilo
sucesso traz o medo de falhar que tememos fracassar,
e cometer erros, sendo fácil aceitando o facto de que os
gerar um desgosto no seres humanos não são
trabalho e uma tendência perfeitos.
para o fracasso real deste.
A: 1-4 1. Os indivíduos são seres 1. Não devemos criticar ou
B: 1-4 limitados, e na maior parte culpar os outros pelos seus
dos casos, agem de forma erros, mas antes entender
3. "Certos tipos de automática e inconsciente que estes são cometidos por
pessoas são vis, sem nenhuma “maldade simplicidade, ignorância ou
malvadas e infames e consciente”. distúrbio emocional.
devem ser seriamente 2. O indivíduo que age mal na 2. Quando alguém nos
culpabilizadas e punidas maior parte dos casos, é uma culpar, devemos perguntar-
pela sua maldade". pessoa ignorante ou nos se realmente fizemos
perturbada que não é mal e tentar melhorar a nossa
consciente das conduta, mas se nada se fez,
consequências do seu devemos entender que a
comportamento para com os crítica dos outros é um
outros e para si próprio. problema dos outros por
3. Quem pune ou culpa algum tipo de defesa ou
severamente os que perturbação.
cometem erros, normalmente 3. É positivo entender o
termina cometendo-os, ao porquê e como as pessoas
invés, uma atitude mais agem desde o seu ponto de
tolerante e racional no vista, e se existe alguma
momento de considerar os forma calma de fazê-los
seus erros favorece mais a entender dos seus erros, e
mudança positiva. praticá-la. Se não for
4. Culpabilizarmo-nos e possível, será possível dizer
gerarmos, depressão, "isto não está correto, mas
angústia ou ansiedade, assim não necessariamente
como a culpabilizar os outros, catastrófico".
gerando raiva e hostilidade, 4. Deverá tentar
não conduz a nada que não compreender que os próprios
seja o conflito pessoal ou erros assim como os erros
social. dos outros são o resultado da
ignorância ou distúrbio
emocional.

19
A: 1-4 1. Não há nenhuma razão 1. Devemos discernir se as
B: 1-3 para pensar que as coisas circunstâncias são realmente
deveriam ser diferentes do negativas, ou se estamos a
que realmente são, outra exagerar as suas
4. "É tremendo e coisa é o que nos agrada ou características frustrantes.
catastrófico o fato de que não. 2. O sentido catastrófico
as coisas não corram pelo 2 O estar triste pelas surge algumas vezes com as
caminho que nos circunstâncias não nos ajuda nossas próprias expressões:
desejaríamos". a melhorá-las, contudo, desta "É terrível", "Meu Deus", "Não
forma é possível piorá-las. posso suportá-lo".
3. Quando as coisas não nos Precisamos aprender a
saem bem seria ótimo lutar substituir estas expressões
por modificá-las, mas se for por outras realistas e
impossível, o mais saudável é racionais: "são negativas
aceitá-las como elas são. mas não catastróficas",
4. Embora estejamos "Estou convencido de que
frustrados ou privados de posso suportar".
algo que desejámos, a 3 Temos de tentar levar as
sensação de infelicidade é situações difíceis como um
uma consequência de desafio através do qual
considerar erradamente o podemos aprender.
nosso desejo como uma
necessidade fundamental.
A: 1-3 1. Os ataques verbais dos 1. Um indivíduo, quando
B: 1-2 outros irão afetar-nos apenas experimenta uma emoção
na medida em que nossas dolorosa, deve reconhecer
avaliações e interpretações que é ele o criador dessa
5. "A desgraça humana lhe confiram importância. emoção, e que como a
tem origem em causas 2. A expressão "magoa-me origina também pode
externas e as pessoas que os meus amigos me erradicá-la.
têm pouca capacidade ou ignorem" é errado pois o que 2. Quando um indivíduo
nenhuma, de controlar as me magoa é eu dizê-lo observa objetivamente as
suas dores e dotando-o de um valor de suas emoções dolorosas
perturbações". terrível e insuportável. descobre pensamentos e
3. Embora a maioria das frases ilógicas que estão
pessoas acredite que as associados a essa emoção.
emoções negativas não E quando é capaz de mudar
podem ser alteradas e as suas próprias
simplesmente temos que verbalizações de forma
sofrer, a experiência radical, poderá transformar
demonstra que é viável poder as emoções autodestrutivas.
alterá-las.
A: 1-6 1. Se está muito preocupado 1. Devemos entender que a
B: 1-5 com uma questão de risco, o maioria das preocupações
nervosismo impede não são causadas por
realmente ver a gravidade da motivos externos, mas antes
6. "Se algo é ou pode ser questão. a forma como falamos delas
perigoso ou terrível, 2. A ansiedade intensa a nós próprios.
deverá sentir-se perante possibilidade de que 2 Temos de considerar que
terrivelmente um perigo ocorra, impede-o os medos não nos ajudam a
desconfortável por isso e de lidar eficazmente quando evitar os perigos, e sim o
deverá pensar realmente ocorre. contrário.
constantemente na

20
possibilidade de isso 3. A preocupação de que algo 3. Devemos compreender
acontecer". aconteça não só não impede que a maioria dos medos têm
o seu aparecimento, mas a sua origem no medo do que
antes contribui para que os outros pensam de mim.
assim aconteça. Assim sendo, devemos
4. A preocupação com uma perceber a irracionalidade
situação perigosa leva a deste argumento.
exagerar as possibilidades 4. Devemos de vez em
que ocorram, mesmo que quando, enfrentar as coisas
seja muito improvável. que provocam mais medo
5. Quando surgirem (como falar em público,
inevitáveis fatos como a defender os seus direitos, ou
doença ou a morte, de nada dar seu ponto de vista com os
serve preocupar-se superiores) para provar que
antecipadamente. esses medos não são tão
6. A maioria dos fatos temidos terríveis.
ou perigosos (tais como a 5. Não devemos ficar
doença) são muito menos afetados pelos medos que
catastróficos quando acreditávamos ter superado
ocorrem, mas a ansiedade ou se voltarem a aparecer de
o medo de que assim novo, devemos sim, trabalhar
aconteça constitui algo mais para erradicá-los
doloroso que a própria enfrentando-os até que já
situação em si. não nos afetem.
A: 1-4 1. Embora às vezes resulte 1. Um indivíduo racional deve
B: 1-4 conveniente abandonar esforçar-se em realizar as
certas atividades por coisas desagradáveis que
considerá-las desagradáveis, sejam necessárias e acabá-
7. "É mais fácil evitar do (deixar os estudos, o trabalho las o mais depressa possível.
que enfrentar certas ou realizar qualquer atividade 2. Não devemos supor que
responsabilidades e que exija esforço físico ou por trás de cada evasão dos
dificuldades da vida". mental), isto traz grandes nossos problemas exista
consequências negativas. uma atitude indolente "por
2. O processo de toma de natureza", mas supor que
decisão de não fazer algo que esta é o resultado de crenças
se considera difícil, mas útil, irracionais que a “Vida me
usualmente é longo e oferece”.
tortuoso e muitas vezes 3. Não nos devemos impor
levam a mais sofrimento do uma autodisciplina rígida
que a atividade desagradável. nem exagerada, mas antes
3. A confiança em nós planificar as atividades e os
próprios surge pelo fato de objetivos de forma razoável,
realizar as atividades e não estabelecendo metas de
de evitá-las. Quando curto, médio e longo prazo.
evitadas, a existência será 4. Um indivíduo racional
mais fácil, mas ao mesmo aceita a vida com todas as
tempo, irá aumentar o grau de dificuldades, o descanso ou
insegurança e desconfiança evitar os problemas só serve
pessoal. para os ampliar.
4. Embora muitas pessoas
pensem que uma vida fácil,
evasiva e sem
responsabilidades é atraente,

21
a experiência tem mostrado
que o ser humano é maior
quando está comprometido
com um objetivo difícil e a
largo prazo.
A: 1-4 1. Embora seja normal ter um 1. Aceitar o fato de que
B: 1-4 certo grau de dependência de somos únicos no mundo, e
outros não devemos atingir o que não é terrível apoiarmo-
ponto em que os outros nos em nós e tomar decisões.
8. "Devemos depender pensem ou decidam por nós. 2. Compreender que não é
dos outros e precisamos 2. Quanto mais dependemos terrível o fracasso quando
de alguém mais forte em dos outros, menos pretendemos atingir os
quem confiar." escolhemos por nós e mais objetivos, e que as falhas não
atuamos pelos outros, têm nada a ver com o valor
perdendo assim a como ser humano.
possibilidade de ser sermos 3. É preferível correr o risco e
nós próprios. cometer erros por escolha
3. Quanto mais deixamos as própria do que vender a alma
decisões nos outros, menos por uma ajuda desnecessária
oportunidades temos de dos outros.
aprender. Esta ação gera 4 Não devemos, de forma
mais dependência, rebelde ou defensiva, rejeitar
insegurança e falta de qualquer ajuda dos outros
autoestima. para provar que se é "forte".
4. Quando se depende dos É positivo aceitar a ajuda dos
outros ficamos à mercê deles, outros quando é necessário.
e isto implica que a vida tome
um rumo incontrolável, pois
os outros podem
desaparecer, ou morrer.
A: 1-4 1. Mesmo quando formos 1. Um indivíduo racional
B: 1-3 obrigados a sofrer com os aceita que o passado é
excessos e importante e sabe a
condicionamentos dos outros, influência deste no presente,
9. "A nossa história por ex. ser excessivamente mas sabe, ao mesmo tempo,
passada é um fator complacente com os pais, que o presente é o passado
determinante, decisivo do isso não quer dizer que 20 de amanhã e que,
comportamento atual, anos depois sejamos esforçando-se por
qualquer coisa que tenha obrigados a continuar a ser. transformá-lo, pode
acontecido e te chocou 2. Quanto mais influenciados conseguir que o seu amanhã
deve continuar afetando- estamos pelo passado, mais seja diferente e
te indefinidamente". se utilizam soluções aos presumivelmente mais
problemas do passado, mas satisfatório.
que hoje podem ser 2 Em vez de ter os mesmos
ineficazes, perdendo-se comportamentos do passado
assim a oportunidade de de forma automática,
encontrar novas soluções devemos parar e desafiar
mais atuais e mais úteis. esses comportamentos tanto
3. Podemos usar o passado verbal como ativamente.
como desculpa para evitar 3. Em vez de demonstrar
enfrentar as mudanças no rancor contra todas e a
presente e desta forma não maioria das influências
passadas, deve valorizar,

22
realizar o esforço pessoal desafiar e revoltar-se apenas
requerido. e só com aquelas ideias
4. Exagerámos na adquiridas que são
importância do passado claramente prejudiciais.
quando em vez de dizer "pelo
meu passado acho difícil
mudar", dizermos "pelo meu
passado acho impossível
mudar" .
A: 1-5 1. Os problemas dos outros, 1 Temos de perguntar-nos se
B: 1-3 com frequência, pouco ou vale a pena nos
nada têm a ver connosco e preocuparmos com o
não há nenhuma razão para comportamento dos outros, e
10. "Nós devemos sentir- estar preocupados por eles. devemos interessar-nos
nos preocupados pelos 2 Apesar dos outros apenas quando nos
problemas e perturbações realizarem condutas que nos preocupem o suficiente,
dos outros" perturbam, a nossa raiva não quando acreditamos que
deriva disso mas do que nos podemos contribuir para
dizemos a nós próprios. mudar ou que a nossa ajuda
3. Por muito que nos pode ser realmente útil.
incomodem as condutas dos 2. Quando aqueles que nos
outros, isto provavelmente preocupam estão a atuar de
não as modificará, temos de forma errada, não devemos
aceitar que não temos o preocupar-nos pelas suas
poder de mudar os outros. condutas e sim fazer-lhes ver
4. E se por acaso de forma tranquila e objetiva
conseguimos, pagamos um os seus erros.
preço muito alto com a nossa 3. Se não podemos eliminar a
perturbação, e temos de conduta autodestrutiva dos
encontrar outras formas outros, devemos pelo menos
menos destrutivas de tentar, não ficar aborrecidos
sem nos alterar, que os connosco por não ter
outros corrijam os seus erros. conseguido e renunciar as
5. Ao envolver-nos nos ideias de melhorar a
problemas dos outros, situação.
podemos de forma subtil
encontrar uma desculpa para
não enfrentar os nossos
próprios problemas.
A: 1-3 1 Não existe nem segurança, 1. Um indivíduo racional não
B: 1-4 perfeição, nem verdade comete a estupidez de dizer
absoluta do mundo. A procura que devemos conhecer a
de segurança apenas gera realidade totalmente, ou que
11. " Invariavelmente ansiedade e falsas tem de controlá-la, ou devem
existe uma solução exata, expectativas. existir soluções perfeitas
correta e perfeita para os 2. Os desastres que as para todos os problemas.
problemas humanos e se pessoas imaginam que 2. Quando confrontados com
esta solução perfeita não acontecessem se não um problema, um indivíduo
é consequente surge a conseguirem a solução certa racional pensará em várias
catástrofe" para os seus problemas, não soluções possíveis para
têm uma existência objetiva, escolher, e escolhe a mais
mas são desastres criados na viável e não a "perfeita",
sua mente, e que, à medida

23
que os criam acontece algo sabendo que tudo tem suas
catastrófico (como um intenso vantagens e desvantagens.
estado de pânico ou 3. Deverá procurar entre as
desespero). soluções extremas (preto e
3. O perfecionismo induz a branco) os pontos
resolver os problemas de intermédios e moderados
forma muito menos "perfeita" (cinzentos).
que se não fosse 4. Deve saber que errar é
perfecionista. humano, mas que suas
ações nada têm a ver com
seu valor como ser humano.
Sabendo que só aprendemos
com as tentativas e erros,
devemos experimentar
repetidamente até encontrar
uma solução para seus
problemas.

B. AS TRÊS CRENÇAS IRRACIONAIS BÁSICAS


Em relação a: Ideia irracional
1 Nós próprios "Devo fazer as coisas bem e merecer a aprovação dos outros pelos
meus feitos".
2. Aos outros "Os outros devem agir de forma agradável, considerada e justa".
3. Á vida e do “A vida deve oferecer-me boas e fáceis condições para que possa
mundo conseguir o que quero sem muito esforço e confortável”.

9 – UMA RELAÇÃO DE VALORES (1-196)

Encontrar um, vários ou a lista de prioridades...

1. AÇÃO 18. AUTONOMIA 35. COMPAIXÃO 52. COOPERAÇÃO


2. ACTIVIDADE 19. AUTO REALIZACÃO36. COMPETITIVIDADE 53. CUSTO
3. AFETUOSIDADE 20. AUTO SUFICIENCIA37. COMPRENÇÃO 54. CREATIVIDADE
4. AGRADECIMIENTO 21. AVENTURA 38. COMPROMISSO 55. CRESCIMENTO
5. ALEGRIA 22. AJUDA 39. COMUNICAÇÃO 56. CUIDADO
6. ALTRUISMO 23. BELEZA 40. COMUNIDADE 57. CULTIVO
7. AMABILIDADE 24. BENEFICIO 41. COMUNHÃO 58. CUMPRIMENTO
8. AMBIÇÃO 25. BEM ESTAR 42. CONEXÃO 59. CURIOSIDADE
9. AMIZADE 26. BONDADE 43. CONFIANÇA 60. DESAFÍO
10. AMOR 27. BOM AMBIENTE 44. CONGRUÊNCIA 61. DESAPEGO
11. ABERTURA 28. CARINHOSO/A 45. CONNHECER GENTE62. DESEMPENHO
12. APOIO 29. CLARIDADE 46. CONHECIMIENTO 63. DETERMINAÇÃO
13. APRENDER 30. COERÊNCIA 47. CONSENSO 64. DIÁLOGO
14. HARMONA 31. COLABORAÇÃO 48. CONSTÂNCIA 65. DINHEIRO
15. ASSERTIVIDADE 32. COMODIDADE 49. CONTACTO 66. DISCERNIMENTO
16. AUTENTICIDADE 33. COMPANHEIRISMO50. CONTRIBUIÇÃO 67. DISCIPLINA
17. AUTO ESTIMA 34. COMPARTILHAR 51. CONTRIBUIR AO 68. DISFRUTE
MUNDO

24
69. DISPONIBILIDADE 101. FORÇA 133. OBEDIÊNCIA 165. RISCO
70. DIVERSÃO 102. FUNCIONALIDADE134. OCUPAÇÃO 166. ROMANCE
71. DOMÍNIO 103. GENEROSIDADE 135. OTIMISMO 167. SABEDURÍA
72. ECOLOGÍA 104. GENTILEZA 136. ORDEM 168. SAÚDE
73. EDUCAÇÃO 105. GRATIDÃO 137. ORIGINALIDADE 169. SEGURANÇA
74. EFETIVIDADE 106. HONESTIDADE 138. PACIÊNCIA 170. SIMPLICIDADE
75. EMOÇÃO 107. HONRA 139. PACÍFICO 171. SENSIBILIDADE
76. EMPATIA 108. HUMANIDADE 140. PARTICIPAÇÃO 172. SENTIDO CRÍTICO
77. ENERGIA 109. HUMILDADE 141. PAIXÃO 173. SER UMA FAMÍLIA
78. ENTREGA 110. HUMOR 142. PAZ INTERIOR 174. SERENIDADE
79. ENTUSIASMO 111. IDENTIDADE 143. PERFECIONISMO 175. SERVIÇO
80. EQUILÍBRIO 112. IGUALDADE 144. PERSISTÊNCIA 176. SEXO
81. ESFORÇO 113. ILUSÃO 145. PERSONALIDADE 177. SIMPATIA
82. ESPIRITUALIDADE 114. IMAGEM 146. PRAZER 178. SINCERIDADE
83. ESPONTANEIDADE115. INDEPEND~ENCIA147. PODER 179. SOLIDARIEDADE
84. ESTABILIDADE 116. INTEGRIDADE 148. POSITIVIDADE 180. SUAVIDADE
85. ESTATUTO SOCIAL117. INTELIGÊNCIA 149. PRÁTICO 181. SUBMISSÃO
86. ESTÉTICA 118. INTIMIDADE 150. PREÇO 182. TERNURA
87. ESTUDO 119. INVENÇÃO 151. PRECISÃO 183. TOLERÂNCIA
88. ÉTICA 120. JOGO 152. PROATIVIDADE 184. TRABALHADOR / A
89. EXATIDÃO 121. JUSTIÇA 153. PRODUTIVIDADE 185. TRABALHO
90. ÊXITO 122. LEALDADE 154. PROFISSIONALIDADE
186. TRADIÇÃO
91. EXPERIÊNCIA 123. LIBERTADE 155. PROGRESSO 187. TRANQUILIDADE
92. FAMÍLIA 124. LIMPEZA 156. PROJEÇÃO 188. VALENTÍA
93. FÉ 125. LOGRAR (alcançar)157. PRUDÊNCIA 189. VARIEDADE
94. FELICIDADE 126. MATURIDADE 158. REALIZAÇÃO 190. VIAJAR
95. FIDELIDADE 127. MISERICÓRDIA 159. RECONHECIMENTO191. VÍNCULO
96. FIRMEZA 128. MORAL 160. RELAÇÕES 192. VISIONARIO
97. FLEXIBILIDADE 129. NATUREZA 161. RESPEITO 193. VITALIDADE
98. FORTALEZA 130. NÍVEL CULTURAL 162. RESPONSABILIDADE
194. VIVER BEM
99. FRANQUEZA 131. NOBREZA 163. RESPONSABLE 195. VOCAÇÃO
100. FRATERNIDADE 132. NOVIDADE 164. RESULTADOS










10 – EMOÇÕES - KINERGETICS (A-G / 1-6)

1 2 3 4 5 6
A 1 A gosto Carinhoso Dissimulador Bonito Marginalizado Renovado 1
2 Abandonado Cauteloso Distraído Histérico Melancólico Repelente 2
3 Abatido Cativado Dividido Horrível Mentiroso Repugnante 3
4 Aberto Ciumento Dócil Hostil Meticuloso Ressentido 4
5 Constrangido Charlatão Dorido Humanitário Mesquinho Reservado 5

25
6 Aborrecido Chibo Dominado Humilde Miserável Resignado 6
7 Acessível Covarde Dominante Humilhado Misericordioso Respeitável 7
8 Atento Cobiçoso Duvidoso Ignorado Místico Responsável 8
9 Aceite Combativo Doce Ignorantes Moderado Resolvido 9
10 Acusador Compassivo Elegante Iludido Molesto Retorcido 10
B 1 Adaptável Competente Embelezado Impaciente Néscio Retraído 1
2 Adequado Competitivo Embusteiro Impecável Negado Revoltado 2
3 Administrador Compreensivo Empatia Impertinente Negativo Rígido 3
4 Admirável Comprometido Enamorado Impetuoso Negligente Romântico 4
5 Admirado Compungido Encantado Impotente Nervoso Sábio 5
6 Adulador Com coragem Encantador Impressionado Nostálgico Satisfeito 6
7 Afetuoso Concentrado Elogiável Imprevisível Obediente Saturado 7
8 Aflito Condenado Frágil Improcedente Obrigado Seguro 8
9 Agradável Confinado Inimizado Impulsivo Obcecado Sensato 9
10 Agressivo Conformado Energético Inadaptado Obstinado Sensível 10
C 1 Apartado Confortável Enfadado Inesgotável Ofendido Sentenciador 1
2 Alarmado Confundido Enganado Incompatível Opressor Sereno 2
3 Alegre Conselheiro Enjoado Inconsequente Oprimido Sério 3
4 Alentador Contemplativo Entranhável Inconstante Otimista Serviçal 4
5 Abatido Contrariado Entusiasta Indeciso Oposto Sexy 5
6 Aloucado Cooperador Invejoso Independente Ordinário Simpático 6
7 Altivo Criativo Equilibrado Indiferente Orgulhoso Sincero 7
8 Altruísta Crítico Erótico Indispensável Ousado Sobrecarregado 8
9 Amigável Cruel Cético Inepto Pacífico Solene 9
10 Amargurado Questionado Esmerado Instável Pânico Solitário 10
D 1 Ambivalente Cuidadoso Esperançoso Infantil Paranoico Surpreendido 1
2 Amigável Curioso Estimulado Inferior Passivo Sofredor 2
3 Amoroso Débil Estudioso Influente Pendenciador Superior 3
4 Angustiado Decidido Estupefacto Ingénuo Perigoso Suscetível 4
5 Animado Decrépito Estupendo Ingrato Penetrante Suspicaz 5
6 Ansioso Defensivo Exaltado Inocente Penitente Tacanho 6
7 Antagônico Defensor Exasperado Insaciável Pensativo Taciturno 7
8 Antojadiço Degradado Excêntrico Inseguro Perdido Temeroso 8
9 Apático Deixado Excitado Insensível Preguiçoso Tenso 9
10 Apreciado Delicado Excluído Insidioso Perfeccionista Teimoso 10
E 1 Aprovador Delicioso Exclusivista Insignificante Perplexo Testudo 1
2 Arbitrário Deplorável Exausto Insinuador Perseguido Terno 2
3 Harmonioso Deprimido Exigente Inspirado Pesado Tímido 3
4 Arrependido Desafiado Extasiado Integrado Pessimista Tirano 4
5 Arrogante Desagradável Estranho Inteligente Petulante Todo-poderoso 5
6 Assombrado Desanimado Extravagante Interessado Piedoso Tolerante 6
7 Assustadiço Descarado Extremista Intimidado Pícaro Torpe 7
8 Assustado Desconcertado Extrovertido Intrigado Prazeroso Traído 8
9 Altivo Desconfiado Falso Introvertido Plausível Trapaceiro 9
10 Atónito Desconsolado Fanático Irônico Precário Tranquilo 10
F 1 Atormentado Desiludido Fantástico Irracional Precavido Travesso 1
2 Atraído por Desgraçado Fanfarrão Irrepreensível Precioso Triste 2
3 Agarrado Desesperado Fascinado Irritável Predestinado Triunfador 3
4 Atrevido Desolado Fastidioso Irritado Preocupado Turbado 4
5 Audaz Horrorizado Feliz Jovial Preparado Unificado 5
6 Auxiliador Depreciativo Feio Jubiloso Pressionado Vacilante 6
7 Avarento Desprezado Fervoroso Brincalhão Presumido Vago 7
8 Avaro Destrutivo Firme Lacónico Presunçoso Valente 8
9 Avassalador Desvalorizado Flexível Liberal Pusilânime Valorizado 9
10 Envergonhado Detalhista Frágil Livre Raivoso Vingativo 10
G 1 Beligerante Determinado Franco Lisonjeiro Racional Vergonhoso 1
2 Belo Detestável Frenético Chamativo Reacionário Vitorioso 2
3 Benigno Devoto Frio Lógico Rebuscado Vigoroso 3
4 Bem-aventurado Ditador Frustrado Mágico Recatado Violado 4
5 Bloqueado Difícil Furibundo Mal-humorado Receoso Violento 5
6 Brioso Digno Furioso Maltratado Recetivo Vital 6
7 Burlão Diplomático Galante Maníaco Rejeitado Vivaz 7
8 Cabeçudo Desconforme Adulador Manipulado Recompensado Voluntarioso 8
9 Calmo Discrepante Faminto Manipulador Recriminador Vulgar 9
10 Capaz Desgostoso Ferido Maravilhoso Reivindicador Vulnerável 10

11 – FORMAÇÃO DO EU (1 a 5)

1.- CONDIÇÕES NA FORMAÇÃO DO EU

26
2.- ADN – RNA
1. Pto. De ADN – RNA: A herança genética: a “memória” e energia recebidas na conceção.
2. ADN – onde está a informação genética. Segundo Kishori Aird testaremos por:

a. Cromossoma (do 1 ao 46): estruturas organizadas de ADN e proteínas.


b. Gene (do 1 al 5.000 +): especifica a informação.

3. RNA: medeia a informação genética e a sua expressão às células – produção de proteínas


específicas ao longo da vida.
a. Tiamina (ADN) é substituída por Uracilo (RNA)
b. RNA implicados na síntese de proteínas
- mensageiro
- de transferencia
- ribossómico
c. RNA regulador
- RNA de interferência (suprimem a expressão de genes específicos).
- RNA com atividade catalítica ( há 3)
- Codão (1-30000+): expressão a informação genética.
- Mutação de um nucleótido do codão.

3.- ARQUÉTIPOS
1. 4 Humores Hipocráticos
2. 5 Fases - O Tao da Mudança
3. As 5 estruturas de caráter (de Reich, Lowen).
4. 7 Chakras e arquétipos (de Ambika Wauters): há dois por chakra, um funcional
(esquerda) e outro disfuncional (direita).
5. O Eneatipo: (1 a 9)
6. Os 12 Astrológicos
7. Junguianos:
a. Os mais fortes: animus, anima, pessoa, sombra, si mesmo.
b. Os fáceis: introvertido-extravertido; sensação-pensamento; sensato-intuitivo

4.- SISTÉMICA (Bert Hellinger) (podem ser as 3 alíneas)

A ordem do amor: a família é um sistema que se rege por uma ordem predeterminada pelo amor,
onde toda a gente deve ser reconhecida e ocupar o seu lugar. Na sistémica a ordem recupera-se
quando a pessoa afetada pode ver o sistema estruturado adequadamente segundo a ordem do
amor e ocupar o lugar que lhe cabe.

Basicamente procuramos como se rompeu a ordem que sustém o sistema:

1. Alguém ocupa um lugar inadequado dentro do sistema:


a. Alguém ocupa o lugar de outro assumindo as suas necessidades;
b. Alguém ocupa o lugar de outro ao não respeitar a ordem da hierarquia.
Para encontrar de quem se trata, podes usar os símbolos empilhados sobre um lugar da
pessoa.
2. Se tiver omitido, esquecido ou deslocado alguém do sistema e é necessário recuperá-la
e recolocá-la no lugar que lhe corresponde incluindo:
a. Companheiros ou matrimónios anteriores;
b. Abortos
c. Filhos – Filhas com outros companheiros anteriores (vivos ou mortos).

27
d. …
3. O motivo que facilitou a alteração da ordem, da hierarquia ou a omissão (ver tabela a
seguir)

TRAUMAS E SEGREDOS DA ÁRVORE GENEÁLOGICA 1 a 29

1 Aborto 16 Homossexualidade
2 Abuso de poder 17 Incesto
3 Abuso físico, violação 18 Loucura
4 Adoção 19 Manter o casamento a pesar da infelicidade
5 Assassinato 20 Morte ou doença
6 Bastardo (filho ilegítimo) 21 Companheiros ou casamentos anteriores
7 Casamento forçado, obrigado, 22 Poligamia
concertado…
8 Culto ao diabo (satanismo) 23 Prisão
9 Desaparecido 24 Roubo, fraude, escândalo
10 Deficiência 25 Ruína
11 Dor, sofrimento 26 Suicídio
12 Esterilidade 27 Tortura
13 Guru (sê-lo ou parecê-lo) 28 Vergonha
14 Filho/a não desejado 29 Violência, maus tratos conjugais
15 Filhos de companheiros anteriores
(vivos ou mortos, inclusive
abortos)

5.- PSICOGENEALOGIA (A. Jodorowsky) (podem ser os 7 ítens)

A árvore familiar guarda uma informação que se vai repercutindo sobre todos ou sobre alguns dos
descendentes, transmitindo-se energeticamente através das gerações. O equilíbrio recupera-se ao
corrigir a informação energética da árvore mediante uma ação que liberta a pessoa afetada.

1 – Determinar a origem da herança psicogenealógica:


• Pai ou linha paterna, e mãe ou linha materna. Ascenderemos pela cadeia genealógica
até encontrar a origem da psicogenealogia.

2 – Repercussão sobre a cadeia psicogenealógica:


a. Contínua em cada geração.
b. Com salto geracional.

3 – Atitude psicogenealógica
1. Herdada. (Sucede de uma geração para a outra)
2. Adquirida. (Ninguém te impôs mas decidiste assumir os males do teu pai, da tua mãe,
do teu avô…)
3. Esperada. (Alguém decidiu que tu tens que o fazer)

28
4. Não chegar. (Não posso ser tão bom como o meu pai)
5. Não superar. ( Posso ser tão bom como ele, mas não posso superá-lo)
6. Desempenhar o papel de outro. (Fazer o papel de pai na família quando és o filho, ou o
de esposa sendo filha, ou de …)

4 – Tipo de programação psicogenealógica.


1. Data.
2. Morte.
3. Nome.
4. Idade.
5. Acidente.
6. Doença.

5 - Condicionantes energéticas
1. Fantasma.
2. Morto mal enterrado.
3. O segredo.

6 – Averiguar onde se encontra esta memória a nível físico.


Scanner corporal

7 – O trabalho repercute-se sobre:


1. O paciente.
2. O sujeito origem da herança (tomando-o como um novo paciente e iniciando uma nova
sessão sobre ele).

12- Regressão da idade (número ou linha de vida)

Em determinados momentos do processo pode ser necessário incluir uma data, uma idade ou um período de
tempo durante a qual tenha acontecido algo significativo para o objetivo do trabalho. Para encontrá-lo segue os
passos nesta ordem:

A- Verificar se encontramos: B - Encontrar em que momento:


1. Uma idade específica ou 1. De vida atual ao nascimento
2. Um período de tempo. 2. Vida intra-uterina à conceção
3. Vidas anteriores
4. Futuro

C - Pelos números ou linha de vida.

29
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

13- Assertividade

Esquema resumido:

a1: 1 - 7

a a2: 1 - 2

1: del 1 al a3: 1 - 2
17
A
1: a - b
2
b1
2: a - b

1
b b2:
2: a - b
a b3
1
1 b b4
2
c
B
a

2 b

A – Problemas para ser assertivo. (1 e 2)


1. Falta de identificação dos próprios direitos que defendem e mantêm íntegra a minha
dignidade:
1. Direito a ser tratado com dignidade e respeito

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 30


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

2. Direito a experimentar e expressar sentimentos


3. Direito a ter e expressar opiniões e crenças
4. Direito a decidir o que fazer com o meus próprio tempo, corpo e propriedades
5. Direito a mudar de opinião
6. Direito a decidir sem pressões
7. Direito a cometer erros e a ser responsável por eles
8. Direito a ser independente
9. Direito a pedir informação
10. Direito a ser escutado e tomado a sério
11. Direito a ter êxito e a fracassar
12. Direito a estar só
13. Direito a estar contente
14. Direito a não ser lógico
15. Direito a dizer: “Não sei”.
16. Direito a fazer qualquer coisa sem violar os direitos os demais
17. Direito a não ser assertivo

2. Temores que não me deixam ser assertivo (a e b)


a. A culpa (de i a iii)
i. Devo evitar ferir os sentimentos dos demais, ainda que viole os meus próprios
direitos. ¿Está a minha culpa fundamentada? Sete preguntas para respondermos
a nós mesmos:
1. ¿Estou violando algum direito alheio?
2. ¿Estou lastimando objetivamente alguém por descuido ou
irresponsabilidade?
3. Ao atuar assertivamente, ¿a minha motivação é honesta?
4. Ao atuar assertivamente, ¿a minha intenção é causar dano?
5. ¿Estou trabalhando impulsiva e irracionalmente?
6. ¿Refleti seriamente sobre o meu comportamento antes de atuar?
7. ¿Não será que na realidade não é o meu comportamento que está a
magoar diretamente pessoa, ou é a sua incapacidade para renunciar ao
privilégio de aceitar um “não”?
ii. Devo assumir e manter as minhas obrigações afetivas, ainda que perca a
minha individualidade, me explorem ou me manipulem.
1. Vai recair por minha culpa.
2. É mais importante do que eu.
iii. Se defendo os meus direitos:
1. Serei egoísta, vou parecer mal;
2. Tornar-me-ei um insensível, incapaz de perdoar.

b. Ansiedade social (vergonha, o que dirão de mim) (i a iv)


i. A vergonha de mim mesmo (do que penso, digo ou faço); Chamar a atenção é
perigoso para a minha segurança.
1. Tipo de vergonha:

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 31


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

a. Vergonha pública (externa)


b. Vergonha privada (interna)
2. Tipo de sofrimento: em geral ataca la própria identidade, a estrutura do
eu, fazendo finca-pé no sujeito da ação mais do que na ação. Ex: “não é
que eu lhe tenha feito mal, mas é que sou um inútil”.
a. Por defeito físico o psicológico: sentir-se envergonhado de si
mesmo.
b. Por desajuste social: sentir-se indigno, ser uma fraude, sentir que
não se satisfaz a expetativa social.

ii. O medo de dar uma má impressão e a necessidade de aprovação.


1. A armadilha da prevenção: ao temer ser avaliado, avalio previamente e
de forma obsessiva o que me pode avaliar, com o que acabo descobrindo
“mais negações” de que o normal.
2. Assertividade vs. Imagem social:
a. A gente sincera incomoda a muitos.
b. Não ser assertivo pode afetar negativamente a própria imagem:
por exemplo, um sorriso pode parecer simpático ao princípio,
mas à distancia causar fastio.

iii. O medo de se sentir ansioso e de se comportar de forma inapropriada. O


problema aqui está no comportamento e nas habilidades sociais, mais que na
vergonha da própria essência.

iv. O medo das figuras de autoridade.


1. Nasce da crença de que há pessoas superiores que possuem mais direitos
e que sabem o que é mais conveniente para mim.
2. No culto da autoridade confundo respeito com idolatria. Idolatro, venero
ou invejo quem tem autoridade. (O líder verdadeiro respeita, é
inteligente, deixa ser, é discreto, ajuda sem ser visto, coloca-nos no
caminho do pensamento e induz-nos a sermos livres.)

B – O que necessito para ser assertivo:


O VALOR é um dos atributos que deve acompanhar a pessoa assertiva. Como virtude localiza-se
na posição intermédia entre a atitude imprudente e irrefletida do temerário (agressividade) e a
fraqueza do cobarde (submissão).

1. Três princípios para neutralizar a interferência da culpa:


a. A tolerância limitada: há que saber dizer basta. É perigoso deixar-se enganar pelo
culto ao sofrimento. O submisso subestima os próprios direitos e magnifica os seus
deveres.
b. Prudência e deliberação consciente: é o melhor antídoto contra a culpa antecipada,
porque não só nos exime dos erros por omissão, como ainda nos torna mais adequados
na hora de atuar.
c. Responsabilidade interpessoal: a pessoa assertiva atua com convicção responsável, já
que defende o que quer no tempo que tem presente “cuidando” do seu interlocutor.

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 32


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

2. Três princípios para neutralizar a interferência da ansiedade social:


a. Sou valioso: aceito a minha existência. A minha valia pessoal radica na minha
existência e não nos meus êxitos. Os meus êxitos ou fracassos não medem o meu valor
essencial como ser humano.
b. Comparar as ideias com a realidade: não fazer suposições. A ideia da realidade não é a
realidade em si mesma.
c. Exposição ativa: “desafiar o medo”.

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 33


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

1-TÉCNICAS DE LIBERTAÇÃO EMOCIONAL (1 a 3)

O paciente deverá pensar na porta que estamos a trabalhar. No fim do procedimento, a carga negativa
deverá ter diminuído ou desaparecido.

1. Libertação do stress emocional: consiste em colocar dois dedos em contacto em cada uma das
eminências frontais.
2. Pontos emocionais do Dr. Benet. Estão mesmo no ponto médio de cada sobrancelha. São corretores
gerais do corpo emocional. Corrigem com o um simples contacto da polpa dos dedos, durante
aproximadamente um par de minutos,
3. Golpes nos pontos hipotalâmicos. Os golpes têm de ser realizados com os dedos de uma cada das
mãos. Pode ajudar que, ao mesmo tempo, o paciente movimente os olhos seguindo a figura de um 8
invertido (B1, SJ23, VB1, ID19, E2)

2 – DESSENSIBILIZAÇÃO E REPROCESSAMENTO POR MOVIMENTOS


OCULARES (EMDR)

Usado em casos de stress pós-traumático, depressão, ansiedade, reacções psicossomáticas, luto,


doenças crónicas e adições, entre outras perturbações.
Com um objecto pontiagudo (uma caneta, por exemplo), fazer meias luas, de uma ponta à outra sem o
paciente perder o contacto visual. O tempo para realizar esta correcção deverá ser testado, bem como a
direcção. Esta poderá ser horizontal, vertical ou diagonal.
Não deverá ser feito por mais de 30 segundos.

3 – PENSAR, DIZER E FAZER

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 34


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

Pensar e dizer: a frase deve ser sempre afirmativa e tem que começar por “Eu”. Não usar o “quero” nem
o “mas “. Evitar a negatividade. Não se deve apenas pensar ou afirmar, mas sim SENTIR! Só assim terá
o efeito pretendido.
A frase deverá ser dita numa velocidade e ritmo apropriados. Nem muito lento, nem rápido demais.

Ex. “Eu sou capaz de me curar”

Quando a frase, está mecanizada, pedir para que realize um golpe bilateral sobre os pontos ID3, com
uma certa força e ritmo. Através desta técnica, obtém-se um intercâmbio de informação entre os
hemisférios cerebrais, segundo Van Ashe.

Verificar, ao longo do procedimento, as alterações na voz, na velocidade do paciente. Verificar todas as


alterações. Um suspiro pode ser muito importante.

4 – PEDIR PERDÃO - AGRADECER (1 a 4)

1- "Trago a energia do perdão para mim e para todos os envolvidos"


Tem de ser repetido quantas vezes forem necessárias, acompanhada de respiração consciente e
movimento de braços.

2- HO’OPONOPONO (Dr. Ihaleakala Hew Len)


Divindade, limpa em mim as memórias que são a causa do (problema, dor, doença ...) que se
repete com (nome da pessoa, animal, instituição, parte do corpo...) e transmuta-as na mais pura
luz.

Sinto muito
Peço-te perdão,

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 35


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

Eu amo-te
Obrigado.

Dentro da terapia de pedir perdão, é importante que o paciente também peça perdão a sí mesmo.

3- AGRADECER (geral)
• Apreciação geral: "Agradeço à divindade e a todos os seres envolvidos a sua participação no
processo de..."

4- AGRADECER (particular)
• Agradecimento particular (intimamente relacionado com o “ganho de doença”, pensando no que
acontece por amor): "Obrigado de coração a (vírus, pessoa, sucesso, situação...) por ter
provocado em mim (o que aconteceu)”. Repetir acompanhado de respiração até que consiga ver
como o vírus, a pessoa, o sucesso, a situação... transmutam o impacto que deixou no paciente.

5 - TERAPIA FLORAL

Podemos escolher qualquer tipo de floral. Temos que verificar quantos florais devem ser usados e
identificá-los através de “arm reflex”. Também deverá ser testado o número de gotas a utilizar
(normalmente poderemos usar 3) e se o paciente deverá continuar a tomar após a consulta.

A) MEDO:

1. Mimulus
2. Rock Rose
3.Cherry Plum
4. Aspen
5. Red Chestnut

B) INCERTEZA E INSEGURANÇA:

1. Cerato
2. Scleranthus
3. Gentian
4. Gorse
5. Hornbeam
6. Wild Oat

C) FALTA DE INTERESSE NO PRESENTE

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 36


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

1. Clematis
2. Honeysuckle
3. Wild Rose
4. Olive
5. White Chestnut
6. Mustard
7. Chestnut Bud

D) SOLIDÃO:

1. Water Violet
2. Impatiens
3. Heather

E) HIPERSENSIBILIDADE ÀS INFLUÊNCIAS E IDEIAS

1. Agrimony
2. Centaury
3. Walnut
4. Holly

F) DESALENTO E DESESPERO

1. Larch
2.Pine
3. Elm
4. Sweet Chestnut,
5. Star of Bethlehem,
6. Willow
7. Oak
8. Crab Apple

G) CUIDADO EXCESSIVO COM OS OUTROS

1. Chicory
2. Vervain
3. Vine
4. Beech
5. Rock Water

6 - TERAPIA VIBRACIONAL E ENERGÉTICA

Reiki, Pedras, Pirâmides, Taças. Tudo aquilo que possa ajudar na sessão e dependendo dos
conhecimentos do terapeuta. Aqui pode ser utilizada a Aromaterapia como correção energética (ver
anexo I)

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 37


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

7 - MITOS, METÁFORAS E HISTÓRIAS

Dissemos anteriormente que a linguagem simbólica é a preferida pelo nosso cérebro. Mitos, metáforas
e histórias carregam nas suas linhas uma mensagem que ajuda o cérebro a entender o que está a acontecer
e como modificar. São histórias onde o paciente se reflete, de forma mais ou menos consciente, e que
estão carregadas com o significado dado pelo mito ou a moral da história.
Devemos sentir-nos confortáveis para explicar estas histórias. Não há nada pior para o cérebro e para o
sistema nervoso, do que um narrador perdido, aborrecido, sem intenção ou com uma intenção errada.

É muito importante testar de que lado se deve ouvir o paciente.

Deves testar entre os diferentes livros que dispões com contos, histórias, metáforas... ou inclusive
elaborares a tua própria lista de histórias ou metáforas. No que se refere aos mitos, o registro é enorme
e podes preferir testar por tradições ou culturas: grega, romana, hindu, índios da América...

8 - SÍMBOLOS, ÍMANS, MÚSICA, CORES...


Excluindo a música, se estivermos a reproduzir um CD, os restantes podem ser aplicados sobre os
chakras, pontos, zonas do corpo... qualquer zona do corpo que reaja perante um teste de Kinesiologia.

SÍMBOLOS: testo os símbolos que posso ter para aplicar, aqueles que eu posso fazer, ou então perguntar
ao paciente se conhece algum símbolo e perguntar-lhe pela primeira coisa que lhe venha à mente.

MÚSICA: Eu testo entre:


1. A que tenho gravada, registrada:
2. Toco eu: Taças, Diapasões...
3. Cantar: Eu, Paciente, Ambos

CORES: o normal é testar entre as 7 da gama do arco-iris e ver nos chakras e como combiná-las.

ÍMANS (magnetos):
• Clássico:
o quantos,
o lugar onde aplicar,
o potência (só se eu tiver para escolher),
o e polaridade (norte ou Sul).

• O código da emoção: descer desde 26 DM pelo meio da cabeça e toda a coluna vertebral
até ao sacro.
o Testar para saber se é necessário subir em vez de descer.
o Além da potência e da polaridade temos que testar as vezes que temos de descer
(ou subir).
• Par biomagnético: testar quantos pares precisamos e pesquisá-los nas listas. Verifique a
polaridade.
• Hologramas de Alberto Arribalzaga

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 38


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

9 – CLÁSSICAS DA KINESIOLOGIA (1 a 6)

1. Switching,
2. Marcha cruzada,
3. Ancoragem de Cook,
4. Frontal – occipital (ou nuca): consiste em pôr a palma de uma mão na frente e a palma da outra
mão no occipital (ou nuca).
5. Área de Integração cortical: golpear nos ossos temporais (preferentemente o esquerdo). Serve
para neutralizar e integrar emoções e pensamentos. Deve testar-se o lado dos golpes, e pode
testar-se o ritmo e intensidade dos mesmos. Entre um e dois minutos.
6. Brain Gym: é necessário testar quantos e quais dos exercícios.

10 – EXPERIÊNCIA NO TEMPO

1. PASSADO:

a. Limpeza por ligação com eventos semelhantes


b. Mudra para atrair memória da alma: punhos fechados, exceto os polegares que estão
estirados. Colocar a zona hipotenar de cada mão sobre as têmporas. O polegar ficará a apontar
para fora.
c. Por linha da vida: reviver a experiência da linha da minha vida agora livre de cargas,
traumas, medos. É necessário ter vivido antes da linha da vida desde o informar ou como porta
de entrada com os seus problemas.

11 – SUBTIL (1 a 12)

1 a 10 - São afirmações de Alberto Arribalzaga

Segundo os seus ensinamentos, há que ter presente:


• Todas estas afirmações devem ser feitas atendendo a uma “energia” ou “entidade” superior
que garanta o nível de energia necessário para a transmutação em luz.
• Ele faz servir nomes concretos de entidades energéticas superiores que parecem estar
“especializadas” no trabalho que se lhes pede para realizar. É importante não as seguir à letra,
mas empregar os nomes ou conceitos que realmente signifiquem para o cliente uma entidade
energética superior com poder suficiente para apoiar o trabalho.
• As afirmações vão acompanhadas de um movimento com os braços que “retira” a “energia –
informação” e a envia ao sol (a luz, fogo…)
• Inspirando no momento de recolher o que há que eliminar, e expirando no momento de enviar
ao sol, a luz, um fogo…, sempre com a boca aberta e de forma relaxada.
• Em alguns casos é necessário fazê-lo ao contrario para incorporar nova energia-informação ao
nosso corpo, em vez de a retirar.

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 39


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

As afirmações:
1. Entidades com alma: “São Miguel, elimina as entidades, cura as almas e traz a luz”.
2. Criações (entidades sem alma): Invocamos aos mestres da pessoa a que “eliminem todas as
criações e dissolvam as suas consequências”
3. Implantes: “Anjos Karmínedes, Seifiros y Gaeles, eliminai os implantes e ativai o arquétipo
divino (ou Crístico) em mim”.
4. “Retiro do meu corpo…”
a. Dor
b. Sofrimento
c. Humilhação
d. …
5. “Retiro de mim toda a energia do meu ego (personalidade) que interfere com:
a. A energia do meu ser”.
b. A luz de Deus em mim”.
6. “Retiro de mim toda a energia de morte e de destruição” (Oposto)
7. “Corto todo o vínculo com o que não é luz”.
8. “Retiro toda a energia que projetei contra (os demais – Deus – Eu mesmo) e entrego-a ao sol”.
9. Gravado está em todas as dimensões, tempos, espaços e frequências (Mudra: polpa do dedo
polegar da mão esquerda sobre 24RM)
10. Água aquecida na boca para amplificar a informação incorporada ou desenvolvida (90
segundos na boca).

12 – PONTOS DE ACUPUNTURA EMOCIONAIS E ESPIRITUAIS (1 a 13)

A numeração corresponde à do quadro de “Selecção de pontos”:


1. 20DM – SHI SEN CHONG
2. 3ID
3. 7C - 7PC
4. 3H
5. 8B
6. PONTOS NUDO (raíz) - (23RM; 17RM; 12RM) – YIN TANG

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 40


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

7. ALMA VEGETATIVA: (42V-Po; 44V-Shen; 47V-Hun: 49-Yi; 52V-Zhi)


8. 6PC
9. 7P
10. 41VB
11. As janelas do céu:
12. Os Cinco pontos Shu Antigos.
13. RINS: 23V; 52V; 4DM;4RM; 26V; 24V

13 – GUIÕES DE HIPNOSE

1. Relaxamento
2. Fortalecimento do Eu
3. Progressão
4. Regressão de Idade
5. Vidas Passadas
6. Criativas
a) “Eu Superior”
b) Tabaco
c) Luva Analgésica
d) Perda de peso
e) Bullying
f) Ventre da mãe
g) Entre-vidas

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 41


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

CICLO DE TRATAMENTO

“GRAVAR”

Consiste numa pressão suave sobre os ossos de carpo de ambos os pulsos do paciente feita pelo
kinesiólogo. Especificamente, podemos fazer uma pressão com polegares sobre o ponto Pc7 de ambos
antebraços.

Cada vez que gravamos realizamos uma integração profunda da informação ou a correção ao nível de
córtex cerebral e do sistema límbico, por isso nas nossas sessões só gravamos quando estamos a
trabalhar a partir de um preferencial.

O processo de “fixar”:

Também o chamamos: empilhar, colocar na memória, colocar em circuito...
É a ação que guarda, no
sistema neurológico, as informações que geram mudança (AR) e que condicionam, como um filtro, todas
as mudanças seguintes. Fixamos passando o dedo polegar desde a raíz do nariz até à raíz do cabelo.
Esta informação perde-se passando os dedos entre o apêndice xifóide e o umbigo, pela linha alba.

O processo de “gravar”:

• Fixa-se a Porta de Entrada. Os restantes passos gravam-se. 


• Nunca gravamos em desigual. 


• Gravamos o primeiro igual depois do preferencial.

- Se a pessoa está em igual antes de começar, ao encontrar e fixar a porta de


entrada ficará em desigual; ao colocar o preferencial igualará e gravaremos. 


- Se a pessoa está em desigual antes de começar, ao encontrar e fixar a porta de


entrada ficará em igual; isto significa que ao colocar o preferencial desigualará. Para que
fique igualado e possamos gravar, aplicaremos de novo o mudra preferencial,
comprovaremos que fica igualado y gravaremos. 


• Sempre, depois de gravar em igual:

- Relaxamos os braços da pessoa e voltamos a estirar para ver o que 
devolve o


seu corpo. 


IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 42


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

- O corpo da pessoa devolverá um desigual se necessita continuar 
“a trabalhar”; 


- Ou devolverá um igual quando a Porta de Entrada estiver “resolvida 
ou


equilibrada”. 


- Enquanto devolver um desigual continuaremos a trabalhar com o 
protocolo de


ciclo até obter um igual por resposta depois de gravar. 


Inicio da sessão: 


Porta de entrada:
Quando encontramos a Porta de Entrada: 


• Se dá mudança, fixamo-la. 


• Se não dá alteração esta Porta de Entrada não é útil e deixamo-la para a 
comprovar mais tarde ou a
descartamos. 


Preferencial (Mudra):
Quando fixamos a alteração dada como Porta de Entrada, comprovamos se é um


motivo preferencial de trabalho e que o corpo da pessoa está disposto a trabalhá- lo. Para isso colocamos
o mudra de preferencial. 


• Se o mudra dá alteração, gravamos. (Atenção: só gravamos quando as cadeias musculares se


encontram igualadas. (Nunca gravamos em desigual.) 


• Se não dá alteração, entendemos que o motivo da consulta e a sua porta de entrada são
importantes, geram um stress, mas não é o momento ou a forma adequada de os trabalhar.
Deixamo-la comprovar mais tarde. 


Bucle:
Na programação informática, o bucle é um procedimento que obriga a comprovar a idoneidade


dos diferentes items que compõem o ciclo (bucle). Enquanto qualquer desses items apresentar algum tipo
de desordem ou anomalia, o programa obrigará a resolvê-lo antes de continuar com outro tema de
trabalho. Cada vez que o programa resolve um item do ciclo (bucle), volta a comprovar o ciclo (bucle)
inteiro, sem descartar nenhuma das suas partes, e se volta a encontrar alguma outra desordem ou
anomalia, resolve-a, e continuará a fazê-lo até que nenhum item apresente anomalias. Nesse momento, o
ciclo considera-se resolvido e pode- se avançar para qualquer outro tema. 
Na kinesiologia emocional

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 43


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

trabalhamos com um ciclo (bucle) de quatro partes, embora consideramos também um ciclo (bucle) mais
simples de duas partes: 


• Ciclo simples: consta apenas de Informar e Corrigir. 


• Ciclo completo: consta de Especificar, Informar, Localizar e Corrigir. Por 
sua vez, Corrigir possui um
mini ciclo de duas partes: Especificar e Comparar. 


PROTOCOLO COM CICLO 


• Entrevista e anamnese 


• Sessão: 


• Motivo da consulta 


• Linha de trabalho 


• Porta de entrada

• Preferencial


• Ciclo
o Especificar”

o Informar


o Localizar

§ No físico
§ No energético

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 44


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

o Corrigir:

§ Especificar
§ Comparar
§ Fim do ciclo - fim da porta de entrada: quando os braços ficam em
igual

TERMINOLOGIA – VOCABULÁRIO

LINHA DE TRABALHO : desde a porta de entrada até a correção.

PORTA DE ENTRADA: forma de iniciar a linha de trabalho consoante o motivo da consulta: afirmação,
objecto, localização, movimento físico associado, foco (por corpos).

PREFERENCIAL: mudra que usamos imediatamente após a porta de entrada para saber se é apropriado
e preferencial informar e corrigir.

INFORMAR: processo pelo qual damos à linha de trabalho a informação que o “corpo” do cliente está a
precisar (consciente ou inconscientemente) para resolver as necessidades ou desequilibrios que gera a
porta de entrada.

FIXAR (EMPILHAR – COLOCAR NA MEMÓRIA – COLOCAR EM CIRCUITO): ação que guarda no


sistema neurológico as informações que oferecem mudança (AR) e que condicionam, como um filtro, as
seguintes respostas. Usaremos um passe de dois dedos (ou só o polegar) desde a raiz do nariz até o
cabelo.

GRAVAR: pressão que fazemos com os polegares sobre o ponto 7PC em ambos os pulsos.

CORRIGIR: ação pela qual podemos equilibrar ou resolver a linha de trabalho.

MUDANÇA (AR – IGUAL vs. DESIGUAL): é a alternância entre o estado de igualdade e desigualdade no
comprimento das cadeias musculares. É a guia de trabalho em Kinesiologia emocional. Quando muda é
importante para a sessão. Nós apenas fixámos ou registámos a informação importante para o paciente,
nunca a que é só importante para o Kinesiologo..

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 45


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

Anexo I Aromaterapia:

Devemos testar o numero de óleos essênciais necessários, bem como o chakra ou a forma em que
devem ser utilizados (massagem, reiki, inalação).

Óleos:

1. Lavanda


2. Àrvore-de-Chá

3. Alecrim

a) cineol


b) verbonona

c) cânfora

4. Menta


5. Hortelã-Pimenta

6. PimentaPreta


7. Cipreste


8. Cedro


9. Laranja Doce

10.Laranja Amarga

11.Tangerina


12. Limão


13. Palmarosa


14. Lemongrass


15. Gerânio


IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 46


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

16. Rosa


17. Patchouli


18. Incenso


19. Mirra


20. Vetiver


21. Jasmim


22. Zimbro

23. Salva


24. Manjericão

25. Bergamota

26. Manjerona

27. Camomila

28. Canela


29. Citronela 30. Tomilho

31. Eucalipto


32. Gengibre


33. Petitgrain

34.Noz Moscada

35. Pinho


36. Sândalo


37. Ylang-Ylang

38. Anis


IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 47


www.ipnaturologia.com
Manual de Técnicas de Desbloqueio Emocional -
Kinesiologia

39. Cenoura


40. Cravo


41. Funcho

IPN - Instituto Português de Naturologia P á g i n a | 48


www.ipnaturologia.com

Você também pode gostar