Você está na página 1de 7

INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO E EMPREENDEDORISMO-GWAZA

MUTHINI

DIRECÇÃO PEDAGÓGICA

LICENCIATURA EM AGROPECUÁRIA
1º. ANO – I SEMESTRE – 2020 - 1ª. AULA

METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

INTRODUÇÃO

O Mundo de hoje é de Investigação Científica. A Investigação Científica é uma grande


fornecedora de conhecimentos para a sociedade. A Investigação Cientifica é a ferramenta mais
útil que a sociedade humana tem para o seu desenvolvimento cultural, político e económico.
Logo, a Metodologia de Investigação Científica assume um papel de relevo no nosso quotidiano
e o seu Objecto de Estudo está claramente identificado, a Investigação Científica.

O objectivo fundamental do programa da Metodologia da Investigação Científica visa o


desenvolvimento de capacidades e habilidades do pensamento lógico que permitirão trabalhar
com o material de estudo de forma independente, aprender e ser consequente com o Método
Científico, a lógica da CIÊNCIA. O conteúdo programático apresenta um sistema de
conhecimentos actualizados e coerentes, que teve em consideração o nível de desenvolvimento
intelectual dos estudantes que iniciam o seu Primeiro Ano do Ensino Superior no ISGE-GM. O
programa consta de 13 temas ou unidades, distribuídas em 64 horas lectivas. As horas lectivas
incluem aulas teóricas, seminários, aulas práticas, avaliação e revisão da matéria como formas de
organização do ensino.

1
No fim do estudo de Metodologia de Investigação Científica, o estudante deve ser capaz de:

OBJECTIVOS GERAIS

 Contribuir para desenvolver capacidades e competências de pensamento lógico aplicáveis


ao Processo de Investigação Científica;
 Desenvolver competências para interpretar as relações existentes entre objectos,
fenómenos e processos da realidade objectiva;
 Conhecer o fundamento geral do Processo de Investigação Científica, para ser aplicado
nos casos particulares;
 Formar uma atitude científico-investigativa que permita no plano teórico e/ou prático,
responder adequadamente às exigências do desenvolvimento da sua profissão.

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS

 Conhecer a natureza ou os fundamentos da CIÊNCIA e caracterizar o conhecimento


científico em relação a outros tipos de conhecimento;
 Identificar os principais Métodos Teóricos e Empíricos de Investigação;
 Apresentar e desenvolver noções básicas sobre o Processo da Investigação Científica;
 Conhecer as principais fontes de informação (incluindo as fontes electrónicas),
 Saber procurar informação e tratá-la de forma adequada aos objectivos definidos;
 Elaborar um Projecto de Investigação sobre um tema relacionado com a área do curso;
 Fornecer instrumentos metodológicos para que o estudante possa redigir e apresentar
trabalhos académicos com rigor, sistematização e espírito crítico.

A ABORDAGEM CIENTÍFICA
O que é CIÊNCIA?
CIÊNCIA é um conceito muitas vezes mal-entendido. Jornalistas, fazedores de política,
estudiosos e os próprios cientistas definem o termo de diferentes formas e de acordo com cada
contexto. Para alguns, ciência significa um compromisso de prestígio na área académica. Para
outros, implica o conceito um corpo de conhecimentos. Para outros ainda, significa a pesquisa de
um fenómeno empírico. CIÊNCIA é difícil de definir porque as pessoas muitas vezes confundem
o conteúdo da CIÊNCIA com sua Metodologia.
Apesar de a CIÊNCIA não ter um assunto particular que a caracteriza, nem todos os estudos dos
fenómenos da vida real constituem CIÊNCIA. Por exemplo, os Astrólogos olham para vários
eventos da vida humana e procuram estabelecer relações entre eles e a posição dos Astros de
modo a preverem o futuro. Os objectivos e actos executados para os alcançar não qualifica a

2
Astrologia para admissão na família das CIÊNCIAS. Mesmo que uma Universidade prestigiada
estabelecesse um Departamento de Astrologia, recrutasse gente para a Faculdade, desenvolvesse
um currículo e oferecesse Graus Científicos de Mestrado, ainda assim a Astrologia não seria
qualificada como uma Disciplina Científica. A rejeição que fazemos da Astrologia como
CIÊNCIA não tem a ver com o assunto que trata, mas sim por causa da Metodologia que aplica,
pois esta não é Científica.
Além disso, muito do conhecimento coberto pela rúbrica CIÊNCIA está em constante mudança:
o conhecimento visto como científico hoje poderá tornar-se “não-científico” no futuro, à medida
que se for aprendendo mais sobre o objecto estudado. Portanto, o casal Nachmias (2008) utiliza o
termo CIÊNCIA para referir-se a uma Metodologia distinta, mas não a um corpo de
conhecimento. Assim, CIÊNCIA significa conhecimento adquirido por meio da Metodologia de
Investigação Científica.
A ABORDAGEM CIENTÍFICA AO CONHECIMENTO
Ao longo da história as pessoas têm adquirido conhecimento de várias formas. A Abordagem
Científica não é a única forma que as pessoas têm utilizado para compreender o ambiente em sua
volta. Para além da Abordagem Científica existem outras três, nomeadamente, Abordagem
Autoritária, Abordagem Mística e Abordagem Racionalista. O que distingue cada uma destas
abordagens é a credibilidade que dão à fonte ou produtor do conhecimento - Quem diz isso? Os
procedimentos através dos quais o conhecimento é produzido - Como você sabe? O efeito que
esse conhecimento tem nas pessoas e seus meios circundantes - Que diferença isso faz?
Abordagem Autoritária (Quem diz isso?)
Nesta Abordagem, as pessoas procuram conhecimento referindo-se a indivíduos política e
socialmente definidas como estando qualificadas para produzir conhecimento. Nas sociedades
tribais estas pessoas podem ser Oráculos (ou gurus em movimentos de cultos), Arcebispos em
sociedades teocráticas (tal é o caso dos mullahs no Irão contemporâneo), Reis nas sociedades
monárquicas e Cientistas nas sociedades tecnocratas. Dentro de uma sociedade, diferentes
autoridades podem ser abordadas por causa do conhecimento que as pessoas acreditam que elas
têm acerca de vários fenómenos. Um exemplo ilustrativo é que para os católicos devotos,
tradicionalmente o Papa possui uma autoridade inquestionável nas questões religiosas. Outro
exemplo é o do Livro Vermelho, de Mao Zedong, publicada durante a revolução cultural chinesa,
considerada por muitos chineses, nessa época, uma espécie de Bíblia que guiava na correcção de

3
comportamentos e pensamentos. Como podemos ver, de acordo com a Abordagem Autoritária, a
habilidade de produzir conhecimento é atribuído pelo leigo às autoridades sociais, políticas e
religiosas.
Abordagem Mística (Como você sabe?)
Nesta Abordagem, o conhecimento, ou o que se considera ser verdade, é obtido de autoridades
sobrenaturais: Profetas, Adivinhos, Médiuns, etc. No que diz respeito à maneira de procurar
conhecimento, a Abordagem Mística é semelhante à Abordagem Autoritária. No entanto,
contrariamente a outras Abordagens ao conhecimento, a Abordagem Mística depende da aparição
de eventos sobrenaturais e do estado físico e psicológico (a receptividade) do consumidor do
conhecimento. Este facto explica a razão por que a Abordagem Mística depende, em larga
medida, da utilização de rituais e cerimónias. Em situações de depressão profunda, desamparo ou
várias formas de intoxicação, o consumidor de conhecimento estará mais propenso a aceitar o
conhecimento produzido através da Abordagem Mística. Contudo, a confiança no conhecimento
produzido desta forma decresce à medida que o número de pessoas que a refuta aumenta, por
exemplo com o incremento dos níveis educacionais de uma sociedade.
Abordagem Racionalista (Que diferença isso faz?)
De acordo com a Escola de Filosofia, conhecida como Racionalismo, todo o conhecimento pode
ser adquirido pela adesão às formas e regras da lógica. A assumpção subjacente ao Racionalismo
é de que a mente humana pode compreender o Mundo independentemente do seu fenómeno
observável. Existem formas de conhecimento que são independentes da nossa experiência
pessoal. Em outras palavras, a Abordagem Racionalista está preocupada com o conhecimento
que é, em princípio verdadeiro, assim como logicamente possível e permissível, ou seja, o
conhecimento é verdadeiro a priori para os Racionalistas e para poder-se pensar cientificamente,
devem ser seguidos modelos de lógica formal abstracta. A ideia segundo a qual o conhecimento
existe a priori e que é independente da experiência humana prevaleceu mesmo muito depois do
Racionalismo Clássico. Na Ciência Contemporânea a Matemática Pura representa a suprema
personificação do Racionalismo. A Matemática Pura consiste em afirmações universalmente
válidas, certas e independentes do Mundo empírico.
ASSUMPÇÕES BÁSICAS DA CIÊNCIA
Revisão de Aspectos Básicos da Epistemologia (Estudo das Fundações do Conhecimento):
1. A NATUREZA É ORDENADA

4
A mais básica assumpção da Abordagem Científica é de que existe uma regularidade
reconhecível e ordem no Mundo natural, os eventos não correm simplesmente. Os Cientistas
assumem que algumas das relações e estruturas continuam a existir mesmo naqueles ambientes
de rápida mudança. Assumem também que a mudança é padronizada e, portanto, pode ser
compreendida. A Concepção Científica da Natureza exclui forças omnipotentes como fontes da
ordem assumida como prevalecente. Para os Cientistas, natureza é o termo utilizado para todos
os objectos empiricamente observáveis, condições e eventos que existem independentes da
intervenção humana, incluindo os seres humanos como sistemas biológicos.
2. NÓS PODEMOS CONHECER A NATUREZA
Dito de forma simples a mente humana é capaz de conhecer não apenas a natureza, mas também
a si própria e a mente dos outros.
3. TODOS OS FENÓMENOS NATURAIS TÊM CAUSAS NATURAIS
Esta assumpção está por detrás da Revolução Científica, ao rejeitar que outras forças para além
daquelas encontradas na natureza causam efeitos naturais. A Abordagem Científica opõe-se aos
fundamentalistas religiosos, assim como ao espiritualismo, à superstição e magia. Portanto, até
que os Cientistas possam explicar a ocorrência de fenómenos em termos naturais, todos os outros
argumentos são rejeitados, incluindo os sobrenaturais.
4. NADA É AUTOEVIDENTE (Evidente por si só)
O Conhecimento Científico não é Autoevidente, a Verdade Científica deve ser demonstrada
objectivamente. A CIÊNCIA não se pode basear na tradição, crenças subjectivas e normas
culturais para verificar o Conhecimento Científico. Os Cientistas admitem que a possibilidade de
erro está sempre presente, no entanto, mesmo o mais simples argumento requer verificação
objectiva. Por causa desta característica, o pensamento científico é crítico e céptico.
5. O CONHECIMENTO É BASEADO NA EXPERIÊNCIA
Se um dos objectivos da CIÊNCIA é permitir-nos a compreensão do Mundo real, então deve ser
empírico. Isto é, deve assentar na nossa percepção, experiência e observações. A percepção
constitui uma ferramenta essencial para a abordagem e é alcançada através dos nossos sentidos.

6. O CONHECIMENTO É SUPERIOR À IGNORÂNCIA


Os Cientistas assumem que todo o conhecimento é tentativo e está em constante mudança.
Coisas que não tínhamos conhecimento no passado, hoje as conhecemos e o que consideramos

5
conhecimento hoje poderá alterar-se no futuro. A verdade em CIÊNCIA está sempre dependente
da evidência, métodos e teorias utilizadas e está sempre aberta à revisão.
OS OBJECTIVOS DAS CIÊNCIAS SOCIAIS
O objectivo último das Ciências Sociais e outras CIÊNCIAS é a produção de um corpo de
conhecimento acumulado e verificável. Tal conhecimento permite-nos explicar, prever e
compreender o fenómeno empírico de interesse. Substancial corpo de conhecimento acumulado
pode ajudar a melhorar a condição humana.
Explicação Científica:
O objectivo dos Cientistas Sociais é providenciar explicações gerais para questões do tipo Por
que? Quando os Cientistas procuram explicações para a razão por que um dado evento ou
comportamento ocorreu, eles estão com efeito a fazer uma análise sistemática e empírica dos
factores antecedentes que causaram esse evento ou comportamento.
Existem dois tipos básicos de explicação científica: explicações dedutivas e explicações
probabilísticas. As explicações dedutivas procuram generalizações universais, uma afirmação na
qual a verdade generalizada assenta, um evento para ser explicado e as regras da lógica formal.
Ao utilizar a explicação dedutiva, um Cientista explica um fenómeno mostrando a sua relação
(ou proveniência), com uma lei universalmente estabelecida. Neste tipo de explicação as
conclusões são consideradas verdadeiras apenas na medida em que as suas premissas o forem.
Isto significa que essas são consideradas verdadeiras até que alguém desafie essa verdade.
As explicações probabilísticas ou indutivas derivam de generalizações probabilísticas. Por outras
palavras, uma explicação probabilística utiliza generalizações que expressam tanto as relações
aritméticas entre fenómenos (N percentagem de X = Y), quanto uma tendência para que tal
evento ocorra (X tende a causar Y). A maior limitação das generalizações probabilísticas ou
indutivas é que conclusões acerca de casos específicos não podem ser retiradas com certeza.
Previsão:
A habilidade de fazer previsões correctas é vista como uma das principais características da
CIÊNCIA. A expectativa segundo a qual o conhecimento científico deve levar a previsões
correctas assenta no argumento de que se você sabe que X causa Y, então sempre que X estiver
presente, Y vai ocorrer. Subjacente a este argumento está a assumpção de que as leis universais
ou generalizações probabilísticas constituem ambas verdades estabelecidas, isto é, as condições

6
antecedentes requeridas para um resultado estão preenchidas e que as únicas razões para que
uma previsão falhe são:
1. Que a lei ou generalização não é verdadeira ou;
2. Que as condições antecedentes foram incorrectamente identificadas.
O Papel da Metodologia
As CIÊNCIAS não estão unidas pelos conteúdos mas sim pelas suas Metodologias. Metodologia
Científica constitui um sistema de regras e procedimentos explícitos. Ela providencia as
fundações para que se conduza pesquisa e se avalie argumentos de pesquisa. Este sistema não é
estático nem infalível. Pelo contrário, estas regras e procedimentos são constantemente revistos e
melhorados à medida que os Cientistas procuram novas formas de observação, análise e
inferências lógicas.
A Metodologia providencia regras para comunicar:
O principal objectivo da Metodologia nas Ciências Sociais é de ajudar os cientistas a “ver”,
facilitar a comunicação entre os pesquisadores com interesses em comum ou que queiram
partilhar experiências comuns. No entanto, a Metodologia faz mais: tornando as suas regras
explícitas, públicas e acessíveis, cria uma ferramenta para a replicação (repetição de uma
investigação pelo mesmo ou outros cientistas) e crítica construtiva (a colocação de questões tais
como será que a explicação ou previsão deriva de alguma assumpção? Terá sido a observação
bem feita? Que tipos de métodos observacionais foram utilizados? Os procedimentos de
testagem são válidos?

Metodologia de Investigação Científica

Curso: Agropecuária

Ficha de Leitura Nº. 1

Docente: Avelino José Mateus

Contactos: 84 44 58 990 ou 82 17 94 490

E-Mail: 1mateusavelino@gmail.com

ISGE-GM em Marracuene, 09 de Março de 2020

Você também pode gostar