Você está na página 1de 10

Alvaro Pedro Maganba 1ª pessoa

2.1. Produtos e Família de Produtos


PRODUTOS
Segundo a administração e o marketing, Família de Produtos são todas as classes de produtos
que podem satisfazer a uma necessidade-núcleo com razoável eficácia. Pode levar em conta
ainda fatores como público alvo, lógica (quanto às características) e ciclo de vida dos produtos.
Do ponto de vista da produção, Família de Produtos leva em conta fatores comuns como:
componentes, materiais, recursos específicos de produção como maquinário e ferramental e até
mesmo similaridades características quanto ao seu formato e/ou uso pretendido.
O Grupo de Produtos é uma forma de classificar os produtos, realizando assim uma melhor
definição de estoque e um melhor acompanhamento através dos relatórios. É uma maneira útil
de classificar um estoque.
Ao planejar sua oferta de mercado, o profissional de marketing precisa pensar em cinco níveis
de produto. Cada nível agrega mais valor para o cliente, e os cinco juntos constituem a
hierarquia de valor para o cliente.
Sao os níveis de produtos os que asseguir se enumeram:
1. O nível mais é o benefício central: o serviço ou benefício real que o cliente está realmente
comprando. Um hóspede de hotel está comprando ‘descanso e pernoite’.
2. No segundo nível, o profissional de marketing deve transformar o benefício central em um
produto básico. Assim, um quarto de hotel inclui cama, banheiro, toalhas, escrivaninha
penteadeira e armário.

3. No terceiro nível, o profissional de marketing prepara um produto esperado: uma série de


atributos e condições que os compradores normalmente esperam ao comprar o tal produto. Os
hóspedes de hotel esperam cama arrumada, toalhas limpas, lâmpadas que funcionem e um
relativo grau de tranqüilidade.
4. No quarto nível, o profissional de marketing prepara um produto ampliado, que excede as
expectativas do cliente. Nos países desenvolvidos, o posicionamento de marca e a competição
se dão nesse nível.
5. No quinto nível está o produto potencial, que abrange todas as ampliações e transformações a
que o produto deve ser submetido no futuro. É nessa esfera que as empresas procuram novas
maneiras de satisfazer os clientes e beneficiar

Alberto Alexandre Samo 2ª pessoa


2.1.2. CLASSIFICAÇÃO DOS PRODUTOS

Tradicionalmente, as empresas classificam os produtos segundo estas características:


durabilidade, tangibilidade e uso (de consumo ou industriais).

DURABILIDADE E TANGIBILIDADE
Os produtos podem ser classificados em três grupos, de acordo com a durabilidade e
tangibilidade:

1. Bens não-duráveis: são bens tangíveis normalmente consumidos ou usados um ou poucas


vezes, como cerveja ou sabão. Como são consumidos rapidamente e comprados com
freqüência, a estratégia apropriada é torná-los disponíveis em muitos locais, ter uma pequena
margem de lucro no varejo e anunciar maciçamente para induzir à experimentação e ganhar a
preferência do consumidor.

2. Bens duráveis: são bens tangíveis normalmente usados durante determinado período, como
geladeira, ferramentas e vestuário. Em geral, os produtos duráveis exigem venda pessoal e
serviços, trabalham com uma margem mais alta e requerem mais garantias do fabricante.

3. Serviços: são produtos intangíveis, inseparáveis, variáveis e perecíveis. Como resultado,


normalmente, eles exigem mais controle de qualidade, credibilidade do fornecedor e
adaptabilidade. São exemplos de serviços: corte de cabelo, assessoria jurídica e serviços de
reparos.

Ana Judice Alfredo Simbe 3ª pessoa


CLASSIFICAÇÃO DOS BENS DE CONSUMO

A grande variedade de bens de consumo existente em nossa sociedade pode ser classificada
em termos de hábitos de compra. Podemos distinguir entre bens de conveniência, de compra
comparados, de especialidade e não procurados.

1. Bens de conveniência: são aqueles que o consumidor compra com freqüência,


imediatamente e com um mínimo de esforço. Exemplos: cigarros, sabonetes e jornais.

Os bens de conveniência podem ser subdivididos em três categorias:

1.1. Básicos: são aqueles comprados com regularidade.

1.2. Bens de impulso: são comprados sem nenhum planejamento ou esforço de busca.

1.3. Bens de emergência: são comprados quando há uma necessidade urgente.

Os fabricantes de bens de impulso e de emergência devem colocá-los em locais ou em pontos


de vendas em que os consumidores sejam estimulados a comprá-los ou possam encontrá-lo
quando quiserem.
1. Bens de compra comparados: são bens que o cliente, durante o processo de seleção e
compra, caracteristicamente compara em termos de adequação, qualidade, preço e
modelo. São exemplos, móveis, vestuários, carros usados e os principais
eletrodomésticos.

Custodia Anita Jordao Mahadije 4ª pessoa( continuação )


Os bens de compra comparados podem ainda ser divididos em;
2. Bens de compra homogêneos: que são semelhantes em qualidade, mas têm diferenças
significativas no preço para justificar as comparações de compra;
3. Bens de compra heterogêneos: que diferem em certos aspectos do produto e serviços cuja
importância pode ser maior que a do preço. A empresa que fabrica um bem de compra
comparado heterogêneo deve oferecer maior variedade, para satisfazer os gostos individuais e
contar com uma equipe de vendas bem treinada para informar e orientar os clientes.
4. Bens de especialidade: são bens com características singulares ou identificação de marca,
pelos quais um número suficiente de compradores está disposto a fazer um esforço extra de
compra. São exemplos certos carros, equipamentos de som, equipamentos fotográficos e
ternos masculinos. Os bens de especialidade não envolvem comparações; os compradores
investem tempo e energia para chegar aos revendedores que dispõem dos produtos
desejados. Os revendedores não necessitam estar convenientemente localizados; contudo,
devem deixar clara sua localização aos compradores potenciais.
5. Bens não procurados: são bens que o consumidor não conhece ou normalmente não pensa
em comprar (ex.: Detectores de fumaça são bens não procurados até o consumidor tomar
conhecimento deles pela propaganda). Exemplos clássicos de bens conhecidos, mas não
procurados são seguros de vida, lápides, jazigos e enciclopédias. Esse tipo de bem precisa ser
apoiado por propaganda e venda pessoal.

Fausto Cardoso Da Costa Junior 5ª pessoa


CLASSIFICAÇÃO DOS BENS NDUSTRIAIS

Os bens industriais podem ser classificados segundo o modo como entram no processo de
produção e do seu custo relativo. Neste sentido, podemos destacar três grupos:

1. Materiais e peças: são bens que entram no processo de fabricação dos produtos
manufaturados. Dividem-se em duas classes:

1.1. Matéria – prima:


1.1.1. Produtos agropecuários: são fornecidos por muitos
produtores, que os repassam a intermediários que, por sua vez, fornecem serviços de
estocagem, classificação, armazenagem, transporte e venda. Se caráter de commodity resulta
em relativamente pouca atividade publicitária e promocional, com algumas exceções.
1.1.2. Produtos naturais: têm um fornecimento limitado. Em geral são vendidos a granel, têm
baixo valor unitário, e devem ser transportados do produtor ao usuário. É comum que um
pequeno número de grandes produtores os comercialize diretamente aos usuários
empresariais. Como os usuários dependem desses materiais, os contratos de fornecimento de
longo prazo são comuns.

Lourenco Antonio Sande 6ª pessoa ( continuação )


A homogeneidade dos materiais naturais limita a atividade de criação da demanda. Na seleção
de fornecedores, a confiabilidade de preço e de entrega é o fator que mais pesa.

1.2. Materiais e peças manufaturados:


1.2.1. Materiais componentes: costumam ser submetidos a processos fabris adicionais – o
ferro gusa é transformado em aço, as fibras têxteis são transformadas em tecidos. Devido à
natureza padronizada dos materiais componentes, em geral o preço e a confiabilidade do
fornecedor são fatores–chave de compra.

1.2.2. Peças componentes: são aquelas que entram no produto acabado com pouca
modificação na forma, como pequenos motores para aspiradores de pó e pneus para
automóveis. A maioria dos materiais e peças manufaturadas é vendida diretamente as
usuários empresariais, e os pedidos muitas vezes são feitos com um ano ou mais de
antecedência. Preço e serviço são as considerações principais de marketing, enquanto a gestão
da marca e a propaganda tendem a ser menos importantes.

Holen Julius Bulacho Correia 7ª pessoa


2. Bens de Capital

São bens de longa duração que facilitam o desenvolvimento ou gerenciamento do produto


acabado. Estão divididos em dois grupos:

2.1. Instalações: consistem em construções (fábricas, escritórios) e equipamento pesado


(geradores, prensas perfuradoras, computadores de grande porte, elevadores).
Em geral são compradas diretamente do fornecedor e, como são a aquisição mais
importante da empresa, a transação costuma ser precedida por um longo período de
negociação. A força de vendas dos fornecedores deve incluir pessoal técnico, e eles devem
estar dispostos a adequar projetos a especificações e a fornecer suporte pós-venda. A
propaganda é muito menos importante que a venda pessoal.

2.2. Equipamentos: correspondem a máquinas e ferramentas portáteis de uma fábrica


(ferramentas de mão, empilhadeiras) e equipamento de escritório (microcomputadores,
mesas de trabalho, etc.). Esse tipo de equipamento não se torna parte de um produto
acabado. Eles têm uma vida mais curta que as instalações, porém uma vida mais longa que
os suprimentos de operação. Embora alguns fabricantes de equipamentos façam vendas
diretas, o mais comum é que usem intermediários, visto que o mercado é geograficamente
disperso, os compradores são numerosos e os pedidos pequenos. Qualidade, atributos,
preço e serviços são os principais elementos a considerar. A força de vendas tende a ser mais
importante que a propaganda, ainda que esta possa ser usada com eficácia.

Julio Eduardo Sabao 8ª pessoa (continuação )

3. Suprimentos e serviços empresariais: são bens de curta duração que facilitam o


desenvolvimento ou o gerenciamento o produto acabado. Existem dois tipos de suprimento:
suprimentos operacionais (lubrificante, carvão, papel para escrever, caneta) e de manutenção
e reparos (tinta, pregos, vassoura). Os suprimentos equivalem aos bens de conveniência:
normalmente são comprados com um mínimo de esforço em uma base direta de recompra.
Em geral são comercializados por intermediários, devido ao baixo valor unitário e ao grande
número de clientes dispersos geograficamente. O preço e os serviços são considerações
importantes porque esses produtos são padronizados e preferência por marca não é alta.

Os serviços empresariais incluem os serviços de reparo e manutenção (limpeza de janelas,


consertos de copiadoras) e os serviços de consultoria empresarial (consultoria jurídica,
gerencial e de propaganda). Os serviços de reparos e manutenção em geral são fornecidos por
pequenas empresas especializadas ou pelos fabricantes do equipamento original. Já os
serviços de consultoria empresarial costumam ser procurados com base na reputação e na
equipes dos fornecedores.

Jaquelina H. Jose Castigo 9ª pessoa


2.1.3. ATRIBUTOS DE PRODUTOS

• Forma: muitos produtos podem ser diferenciados em termos de forma: tamanho, formato
ou estrutura física. Considere as muitas formas que produtos como a aspirina, por exemplo,
podem assumir. Apesar de a aspirina ser essencialmente uma commodity, ela pode ser
diferenciada por posologia, formato, cor, invólucro, tempo de ação.

• Características: muitos produtos podem ser oferecidos com características variáveis, que
complementam sua função básica. Uma empresa pode identificar e selecionar novas
características apropriadas fazendo levantamentos com compradores recentes e, em seguida,
calculando o valor para o cliente em relação ao custo para a empresa de cada característica
potencial.
Ainda é necessário considerar quantas pessoas desejam essas características, quanto tempo
seria requerido para introduzir cada uma delas e se os concorrentes poderiam copiá-las com
facilidade. As empresas também devem pensar em termos de pacotes de características. As
empresas automobilísticas fabricam carros com vários “níveis de acabamento”. Isso reduz
custos de estoque e fabricação. Nesse sentido, é preciso decidir entre oferecer características
customizadas a um custo mais elevado, ou alguns pacotes padrão a um custo mais baixo.

São características dos produtos os que asseguir se enumeram:

1. Qualidade de desempenho;
2. Qualidade de conformidade;

3. Durabilidade;

4. Confiabilidade;

5. Facilidade de reparo;

6.Estilo.

Maria Do Ceu Mafunvuro 10ª pessoa


2.3. Características dos produtos: tipos de marcas

Hierarquia de produto:
A hierarquia de produto inclui desde necessidades básicas até itens específicos que atendem a
essas necessidades. Podemos identificar seis níveis da hierarquia de produto (exemplificados
com seguro de vida):

• Família de necessidade: a necessidade central que sustenta a existência de uma família de


produtos. Exemplo: segurança.
• Família de produtos: todas as classes de produtos que podem satisfazer uma necessidade
central com razoável eficácia. Exemplos: poupança e renda.
• Classe de produtos: um grupo de produtos dentro da família de produtos que têm,
reconhecidamente, certa coerência funcional. Exemplo: instrumentos financeiros.
• Linha de produtos: um grupo de produtos dentro de uma classe de produtos que estão
intimamente relacionados porque desempenham uma função similar, são vendidos para os
mesmos grupos de clientes e comercializados pelos mesmos canais, ou que se incluem em
determinadas faixas de preço. Exemplo: seguros de vida.

• Tipo de produto: um grupo de itens dentro de uma linha de produtos que compartilham uma
das diversas formas possíveis do produto. Exemplo: seguro de vida anual.
• Item (também chamado de unidade específica do estoque ou variante de produto): uma
unidade distinta dentro de uma marca ou linha de produtos que se distingue pelo tamanho,
preço, aparência ou outro atributo. Exemplo: seguro de vida anual renovável.

2.3.2. Marcas combinadas e marcas de ingrediente

Marcas combinadas: produtos de diferentes empresas podem ser combinados de várias


maneiras. Um fenômeno crescente é o surgimento de marcas combinadas (também chamadas
de marcas duplas ou co-branding), em que duas ou mais marcas conhecidas são combinadas
em uma única oferta.

A combinação de marcas assume diversas formas. Uma é a combinação de marcas da mesma


empresa. Outra forma é a marca combinada em uma joint-venture. Existe também a marca
combinada de múltiplos patrocinadores. Por fim há a marca combinada no varejo, em que dois
estabelecimentos varejistas – restaurantes fast-food, por exemplo – usam o mesmo local como
forma de otimizar tanto o espaço físico como os lucros.
Manuel Baptista Manuel 11ª pessoa e conclusão do job
No que diz respeito a marca combinada
1. Vantagens
A principal vantagem das marcas combinadas é que o produto
pode ser posicionado de maneira convincente em virtude das
múltiplas marcas envolvidas.

2. Marcas combinadas podem gerar mais vendas no mercado, assim


como tambem criar oportunidades adicionais com novos
consumidores e canais.

3. e podem reduzir o custo de lançamento do produto .


4. E ainda pode ser um meio valioso de conhecer melhor os
consumidores e como outras empresas os abordam.

2. Desvantagens

As principais desvantagens das marcas combinadas são os riscos e a


perda de controle, resultantes de estar associado à outra marca . Essa
prática pode resultar igualmente em falta de foco nas marcas existentes.

Marca de ingrediente: é uma forma especial de combinação de marcas


que Envolve a criação de um brand equity, ou uma identidade individual,
para materiais, componentes ou peças que necessariamente entram
como produtos finais de outras marcas.

2.1.4. . Ciclo de vida de produtos

A estratégia de posicionamento e diferenciação da empresa deve mudar,


uma vez que o produto, o mercado e os concorrentes mudam ao longo
do ciclo de vida do produto (CVP).
Ao afirmar que o produto possui um ciclo de vida, estamos aceitando
quatro fatos:

1. Os produtos têm vida limitada;

2. As vendas dos produtos atravessam estágios diferentes, cada qual


com desafios, oportunidades e problemas distintos para o vendedor;

3. Os lucros sobem e descem nos diferentes estágios do ciclo de vida do


produto;
4. Os produtos exigem estratégias diferentes de marketing, finanças,
produção, compras e recursos humanos para cada estágio de seu ciclo de
vida.

2.4.1. Estágio de ciclos de vida do produto


A maioria das curvas do ciclo de vida do produto assume a forma de
sino.
Essa curva normalmente é dividida em quatro estágios: introdução,
crescimento, maturidade e declínio:

1. Introdução: período de baixo crescimento nas vendas, uma vez que o


produto está sendo introduzido no mercado. Não há lucros neste estágio
devido às pesadas despesas com a introdução do produto
2.Crescimento: período de rápida aceitação do mercado e melhoria
substancial dos lucros.

3. Maturidade: período de baixa no crescimento das vendas, porque o


produto já alcançou a aceitação da maioria dos compradores potenciais.
Os lucros se estabilizam ou declinam em face do aumento da
concorrência.

4. Declínio: período em que as vendas mostram uma queda vertiginosa e


os lucros desaparecem.
Conclusao
Apos a realizacao do trabalho o grupo pode concluir que
Família de Produtos são todas as classes de produtos que podem
satisfazer a uma necessidade-núcleo com razoável eficácia. Pode levar
em conta ainda fatores como público alvo, lógica (quanto às
características) e ciclo de vida dos produtos.
O Grupo de Produtos é uma forma de classificar os produtos, realizando
assim uma melhor definição de estoque e um melhor acompanhamento
através dos relatórios
E quanto a sua classificação as empresas classificam os produtos segundo
estas características: durabilidade, tangibilidade e uso (de consumo ou
industriais).
E tambeem o produto apresenta as seguintes caracteristicas
1. A Qualidade de desempenho;
2. A Qualidade de conformidade;
3. A Durabilidade;
4 A Confiabilidade;
5. A Facilidade de reparo;
E O ESTILO
E no
que diz respeito ao ciclo de vida dos protudos ela possui um estilo de vida
limitado e Os lucros sobem e descem nos diferentes estágios do ciclo de
vida do produto

Você também pode gostar