Você está na página 1de 20

Boletim Económico Mensal

Maio 2019
Departamento de Estudos Económicos

Banco Nacional de Angola


Av. 4 de Fevereiro, nº 151
Luanda, Angola

Caixa Postal 1243


Tel: (+244) 222 679 200 - Fax: (+244) 222 339 125
www.bna.ao

Paginação: Departamento de Comunicação e Marca

Tiragem: Versão Digital

Publicação mensal do Banco Nacional de Angola (BNA)


É permitida a reprodução das matérias, desde que mencionada a fonte.
Boletim Económico Mensal • Maio 2019

Conjuntura Económica Mundial

“A economia mundial continua vulnerável ao jogo de poder dos


EUA-China.”

A possibilidade da guerra comercial liderada pelos Estados Unidos Americanos (EUA), resultar, ou não, numa recessão
mundial dependerá, em grande parte, da resiliência do sector de serviços. Os dados mais recentes da Markit, no
entanto, não são animadores a esse respeito. Os dados consolidados do PMI mundial (índice de gerentes de compras)
de Maio foram divulgados sendo que contempla 22 países, responsáveis por aproximadamente 76% do sector de
serviços a nível mundial. Este fixou-se em 51,6 em Maio, inferior à leitura de 52,7 em Abril. Embora estes dados
apontem para uma expansão de 118 meses consecutivos da actividade, o ritmo de crescimento é o menor em quase
três anos. Os EUA, que representam 21,6% do PIB mundial, e a China, que representa 12,7%, lideraram a queda no PMI
de serviços. Os dados do PMI dos serviços dos EUA mostraram que o crescimento da actividade económica diminuiu
para o valor mais baixo dos últimos 39 meses, com uma leitura do PMI de 50,9 em Maio. O PMI de serviços da China
registou, em Maio, o valor mais baixo dos últimos três meses, fixando-se em 51,5. O Japão e a Índia, que juntos
correspondem a 11% do PIB mundial, também assinalaram uma diminuição da sua actividade ligada aos serviços.
Como podemos observar na Figura 1, o PMI manufactura mantém a sua trajectória decrescente sendo que o lugar de
destaque vai para a Alemanha com um índice de 44,3.

Economia
Figura 1: Evolução do PMI mundial de manufactura e serviços
PMI - Manufactura
Maio de 2019

55,50 Holanda

Índice
Internacional
Vietname
55,00 Indonesia
França
54,50
EUA
54,00 Irlanda
Brasil
53,50
China
53,00 Espanha
México
52,50 Mundo 49,8
52,00 Japão
Russia
51,50 Itália
51,00 UK
Canada
50,50 Coreia do Sul
50,00 Taiwan
Alemanha
49,50
jun-16 nov-16 abr-17 set-17 fev-18 jul-18 dez-18 mai-19 40,00 42,00 44,00 46,00 48,00 50,00 52,00 54,00
Índice
Manufactura Serviços
Fonte: Bloomberg, Markit

Após seis meses de progresso nas negociações comerciais entre os EUA e a China, durante o mês de Maio estas
terminaram abruptamente. A 10 de Maio, o governo de Trump anunciou um aumento das tarifas em bens chineses de

2 3
Boletim Económico Mensal • Maio 2019
PMI - Manufactura
Maio de 2019

55,50 Holanda

Índice
Vietname
55,00 Indonesia
França
54,50
EUA
54,00 Irlanda
Brasil
53,50
China
53,00 Espanha
México
52,50 Mundo 49,8
10% para 25%. Assim, a resposta da China ao aumento de tarifas norte-americanas foi igualmente um aumento das 52,00 mas também pode deteriorar o bem-estar social, na medida em que contribui para o aumento dos preços no
serviços, Japão
Russia
51,50
tarifas no montante de USD 60 mil milhões, sendo provável que, entretanto, tome outras medidas. Espera-se que a mercado interno. Itália
51,00 UK

China suspenda novamente as compras de uma série de produtos agrícolas, como no ano passado, quando a guerra 50,50
Canada
Coreia do Sul
comercial estava em curso. Note-se que as exportações para a China sofreram mais do que as exportações chinesas Em geral,
50,00 os países mais avançados impõem tarifas mais baixas relativamente aos países em desenvolvimento, sendo Taiwan
Alemanha
para os EUA e o défice comercial bilateral norte-americano aumentou ainda mais. que 49,50
Angola, em 2016, apresentava tarifas médias superiores aos países da SADC e aos seus parceiros comerciais
jun-16 nov-16 abr-17 set-17 fev-18 jul-18 dez-18 mai-19 40,00 42,00 44,00 46,00 48,00 50,00 52,00 54,00
(origem de importação). Índice
Manufactura Serviços

Caixa 1: O proteccionismo: quais as suas implicações? Figura 2: Taxa média ponderada de tarifas alfandegárias (2016)

SADC+Nigéria Angola e parceiros comerciais


O proteccionismo é uma teoria que propõe um conjunto de medidas económicas ou políticas que favorecem as
12 10
actividades económicas internas de um determinado país, em detrimento da concorrência estrangeira. Na prática, é

%
9
uma acção governamental utilizada por quase todos os países, em maior ou menor grau, com o objectivo de restringir o 10 9,38 8
2014
7 0,00

USD mil milhões


comércio internacional, geralmente com a intenção de proteger empresas locais e empregos da concorrência externa, 8
6
-10,00
reflectidos em défices comerciais (quando as importações de um país excedem as suas exportações). 6 5
4 -20,00
4 3 -30,00
As políticas proteccionistas podem advir da rejeição da ideia de que livre comércio proporciona benefícios, de uma 2
2 -40,00
percepção de que as práticas comerciais de um país são injustas, de pressões sindicais e lobistas, e outras razões 1
0 0 -50,00
que levam a que os governos imponham tarifas sobre os produtos importados, a criarem um excesso de burocracia
-60,00

Nigéria
Angola
Madagáscar
Zâmbia
Zimbabwe
Malawi
África do Sul
Seychelles
Mozambique
Lesotho
Namíbia
Ilhas Maurícias
Botswana

Angola

China

Portugal

EUA

União Europeia

Africa Subsariana
para a entrada de produtos estrangeiros, a implementarem quotas de importação e atribuírem subsídios às empresas
-70,00
nacionais, para tornar os seus produtos mais competitivos. Existem diferentes tipos de proteccionismo, tendo em conta
-80,00
a sua natureza, sendo:
-90,00
Fonte: Banco Mundial
Nota: Não estão disponíveis para 2016 os dados do Congo Brazzaville e da República Democrática do Congo.
- Proteccionismo social: protege salários entre duas nações de concorrência desleal, aplicando impostos
para equilibrar o custo de vida de um trabalhador em ambas as nações de forma evitar a exploração; Em Angola, certas políticas proteccionistas foram implementadas no passado com o intuito de (i) incentivar a produção
local e (ii) ajustar as importações para melhor racionalização das despesas em moeda estrangeira, das quais se
- Proteccionismo antidumping: são aplicadas quando uma empresa interna prova que uma empresa destacam: 31 de Maio 2018 31 de Maio 2019
20 20

p.p.

p.p.
Egipto
estrangeira está a vender os seus produtos a preços mais baixos do que cobra no seu mercado interno, por 18 18 Zâmbia '24 Angola
norma, na tentativa de afastar os concorrentes de uma indústria para posteriormente elevar os preços; 16 - Decreto Executivo Conjunto nº 22/15 – define quotas
16 de importação para alguns produtos, bem como os
Moçambique
14 14
prazos e os procedimentos para a sua importação;
Moçambique '23 Nigéria
12 12
- Proteccionismo fiscal: consiste na implementação das tarifas fiscais nos produtos e serviços importados Malawi
10 10
para proteger a indústria nacional. 8 - Aprovação da nova Zâmbia pauta
'24 aduaneira (Decreto Presidencial
8 nº03/18, de 09 de Maio),Moçambique agravação
'23 da taxa de Zâmbia
Angola '25
Quénia
6 alguns produtos
Gabão com
'25 o objectivo de incentivar e proteger
Congo '29
6 a produção nacional,Gabão '25 embora salvaguarde a importação
Namíbia '25 Nigéria '23 Angola '25 Namíbia '25 Nigéria '23 Congo '29 Namibia
4
Esta última forma de proteccionismo pode materializar-se numa guerra comercial entre países, com o aumento de 4
de mercadorias essenciaisQuénia '24à população e outras não produzidas pelo país. Adicionalmente,
África do Sul '25
Gana '23 serve o propósito
2 2 Quénia '24 África do Sul
tarifas sobre as importações em retaliação de alteração de tarifas num outro país. As tarifas são os impostos sobre Áfricade
Gana
promover
do Sul '25
'23
o aumento da arrecadação de impostos;0 Rwanda
0
bens importados, geralmente utilizadas para estimular sectores económicos específicos internos de cada país e BBB BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC CC C Rd BBB BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC CC C Rd
Ratings Fitch Ratings Fitch 0,0
impedir o livre comércio. Estas podem ser fixadas em quantidades físicas ou uma percentagem do valor do bem e - Aprovação do Imposto Especial de Consumo (Lei nº08/19 de 24 de Abril) que incide, entre outros, sobre a
servem também como fonte de receitas para o Estado. importação de produtos considerados não essenciais. É um tributo adicional aos impostos já em vigor.

As tarifas aumentam a magnitude das receitas fiscais, reduzem o volume do comércio internacional e aumentam os ATopopinião relativamente
10 das maiores quedas às implicações do proteccionismo não é consensual entre os economistas, sendoaumentos
Top 10 dos maiores que os
preços internos de bens importados. Em decorrência destas características, a utilização de tarifas pode beneficiar a defensores1 argumentam que políticas bem elaboradas
Platina fornecem vantagens
Chá (Kolkata) competitivas ao desincentivarem15,52 as 140,00

USD/barril
-6,06
população, em consequência do aumento da arrecadação fiscal, que permitirá ao Estado entregar melhores bens e importações, e impulsionando
-6,38 os produtores internos,
Chumbo contribuindo para aCevada
criação de mais empregos,
9,43além de servirem 120,00
-6,39 Soja Ferro 6,88 100,00
-6,47 Zinco Chá (Mombasa) 6,05
80,00
-6,53 Cobre Milho 5,94
60,00
4 -7,78 Chá (Colombo) 5 Amendoim 5,17
40,00
-8,15 Algodão Borracha 3,05
Boletim Económico Mensal • Maio 2019

outros fins como combater práticas injustas ou antiéticas que certas nações apresentam nas suas políticas comerciais. Estas tensões comerciais e as retaliações subsequentes levam agora a elevadas incertezas perante o percurso do
comércio mundial para 2019 e, consequentemente, para o crescimento económico mundial. Segundo o mais recente
Por outro lado, os críticos alegam que, no longo prazo, o proteccionismo prejudica as pessoas a quem se destina indicador (World Trade Outlook Indicator - WTOI) da Organização Mundial do Comércio (OMC), divulgado a 20 de Maio,
a protecção, asfixiando os mercados e desacelerando o crescimento económico e as relações entre os povos. Os é provável que o crescimento do comércio mundial permaneça fraco no segundo trimestre de 2019. O WTOI permanece
consumidores têm menos escolha no mercado, podendo até enfrentar escassez se não houver bens substitutos bem abaixo do valor de referência de 100 para o índice, fixando-se em 96,3, sinalizando uma queda continuada do
internamente. A inexistência de produtos substitutos, e o aumento do custo com matérias-primas que prejudica as crescimento do comércio no primeiro semestre de 2019.
margens de lucro das empresas, resultam em aumentos de preços, provocando inflação na economia local como um
todo, além de poder também prejudicar as exportações, por via da redução da produção dos sectores, que utilizam As referidas tensões comerciais não surpreenderam os principais mercados mundiais em Maio dando um impulso
o bem tarifado na sua linha de produção. Adicionalmente, a atribuição de subsídios às empresas na tentativa de às principais moedas. A apreciação do Dólar norte-americano em relação às moedas dos mercados emergentes foi
PMI estimular a produção interna de bens (importados) tarifados, pode originar uma alocação de recursos ineficiente,
- Manufactura significativa. Tal deve-se ao facto de o investimento estrangeiro nos mercados emergentes tender a ser mais sensível
Maio de 2019
levando os contribuintes a financiarem operações governamentais sem retorno para a população. quando surgem dúvidas sobre as perspectivas de crescimento mundial. A apreciação do Dólar norte-americano leva a
uma maior dificuldade de os devedores em Dólares pagarem a sua dívida. Tal aumenta a probabilidade de inadimplência
e, portanto, de uma desaceleração económica mundial. De acordo com o Bank for International Settlements (BIS), a
dívida denominada em Dólares fora dos EUA ficou em USD 11,5 biliões no final do ano passado, sendo que a dívida em
Adicionalmente, a 31 de Maio, a administração Trump cancelou um acordo comercial especial com a Índia, removendo circulação nos mercados emergentes foi de USD 3,6 biliões.
um estatuto que isentava o país de milhões de dólares em tarifas impostas pelos EUA às suas importações a partir
49,8 de 5 de Junho. A Índia será retirada do programa de comércio preferencial, conhecido como Sistema de Preferências Outro canal através do qual a apreciação do Dólar pode prejudicar o crescimento do PIB mundial é por via do comércio.
Generalizadas (Generalized System of Preferences-GSP, em inglês), que dá aos países em desenvolvimento acesso Quando o custo do financiamento (através da taxa de câmbio do Dólar) aumenta, ocorre uma diminuição dos empréstimos
mais facilitado ao mercado dos EUA e reduz os impostos americanos sobre as suas exportações. A Índia foi um dos em Dólares americanos com repercussões nos volumes de comércio e, consequentemente, no crescimento do PIB.
vários países afectados pelas tarifas de aço e alumínio dos EUA no ano passado. O governo indiano anunciou que vai Independentemente da direcção da causalidade, há uma correlação clara entre a valorização do índice do Dólar2 e
impor tarifas sobre produtos americanos no valor de USD 240 milhões, mas já adiou a entrada em vigor várias vezes. a desaceleração nos volumes do comércio mundial. O comércio mundial está ainda mais fortemente correlacionado
4,00 46,00 48,00 50,00 52,00A Turquia
54,00 também foi removida do programa GSP. com o índice Emerging Market Economies Dollar, o que não representa uma surpresa, considerando que as economias
Índice emergentes tendem a ser mais dependentes das exportações do que os países avançados. Como tal, o aumento
Paralelamente, a administração dos EUA anunciou que a partir do dia 10 de Junho, aplicará uma tarifa de 5% sobre recente do Dólar norte-americano não é um desenvolvimento positivo para a economia mundial.
todos os bens importados do México, sendo que esta tarifa irá aumentar gradualmente até que o problema da imigração
ilegal seja remediado. O Euro registou uma ligeira depreciação face ao Dólar norte-americano devido às incertezas resultantes das eleições
Angola e parceiros comerciais no Parlamento Europeu. Paralelamente, o Kwacha da Zâmbia, o Cedi do Gana e o Peso da Colômbia foram as moedas
Figura 3: Balança comercial entre os EUA e o México, Índia e China que mais sofreram com a apreciação do Dólar. Note-se que o Bolivar venezuelano mantém a tendência de depreciação,
porém esta depreciação deve-se ao contínuo aprofundamento da crise económica da Venezuela.
2014 2015 2016 2017 2018 2019
0,00 0,00
USD mil milhões

USD mil milhões

-10,00 -50,00 Tabela 1: Países com maiores variações cambiais em Maio


-20,00 -100,00

-30,00 -150,00 Movimento face ao


Código da Inflação homóloga
País Dólar 30 de Abril a
-40,00 -200,00 moeda de Maio (%)
31 de Maio (%)
-50,00 -250,00 Zâmbia ZMW 5,1 8,1

-60,00 -300,00 Gana GHS 4,8 9,4


Portugal

EUA

União Europeia

Africa Subsariana

-70,00 -350,00 Colômbia COP 4,4 3,3

-80,00 -400,00 Japão JPY -2,7 0,7


Turquia TRY -2,1 18,7
-90,00 -450,00
México India China (eix.dir.) Egipto EGP -1,8 14,1

Fonte: Bloomberg, U.S. Census Bureau Fonte: Trading Economics, Bloomberg


Nota: Os dados de 2019 contemplam apenas dados até Abril. Nota: (+) representa uma apreciação do Dólar norte-americano e (-) uma depreciação.

31 de Maio 2019
1
Henry Charles Carey e Friedrich List são conhecidos como os primeiros defensores desta teoria.
Egipto
2
Uma média ponderada do valor de câmbio do Dólar dos EUA em relação às moedas de um amplo grupo de grandes parceiros comerciais dos EUA.
15,75
24 Angola 15,75
Moçambique
6 7
14,25
Nigéria 13,5
54,50
EUA
54,00 Irlanda PMI - Manufactura
Brasil Maio de 2019
53,50
China Boletim Económico Mensal • Maio 2019
53,00 55,50 Espanha Holanda

Índice
México Vietname
52,50 55,00 Mundo 49,8 Indonesia
52,00 54,50
Japão França
Russia EUA
51,50 54,00 Itália Irlanda
51,00 53,50
UK Brasil
Canada China
50,50 53,00 Coreia do Sul Espanha
50,00 Taiwan México
52,50 Mundo 49,8
Alemanha
49,50 52,00 Japão
jun-16 nov-16 abr-17 set-17 fev-18 jul-18 dez-18 mai-19 40,00 42,00 44,00 46,00 48,00 50,00 52,00 54,00 Russia
51,50 Itália
Índice
Como mencionado, a apreciação do Dólar norte-americano
Manufactura Serviços
51,00 leva a um maior risco de algumas economias entrarem UK A Zâmbia mantém-se em sérias dificuldades no que toca à sua solvabilidade fiscal, o que se tem traduzido em
Canada
em incumprimento face aos seus empréstimos em moeda externa. Assim, em Maio, a maioria das taxas de juro Coreia do Sul
50,50 constantes aumentos das taxas de juro das Eurobonds nas diferentes maturidades, no mercado secundário, reflectindo
50,00 Taiwan
das Eurobonds africanas3 apresentaram uma tendência ligeiramente crescente. A contribuir para este comportamento Alemanha um aumento do risco de incumprimento percepcionado pelos investidores. Apesar da agência Fitch ter mantido o rating
49,50
esteve também a queda considerável do preço de diversas commodities
jun-16 nov-16como
abr-17o petróleo bruto,
set-17 fev-18 gás dez-18
jul-18 naturalmai-19
e cobre. 40,00 42,00 44,00 46,00 48,00 50,00 52,00 54,00 de Moçambique, relativamente à emissão de obrigações de longo prazo denominadas em moeda estrangeira, em
SADC+Nigéria Angola e parceiros comerciais
Índicerestricted default5, no final do mês o executivo moçambicano chegou a acordo com alguns detentores de Eurobonds
Manufactura Serviços
Quando comparado
12 o spread entre as taxas de juro das Eurobonds africanas 10 seleccionadas e as taxas de juro da com maturidade em 2023 de forma a alongar a sua maturidade até 2031. De acordo com a agência Bloomberg, o
%

%
9
dívida pública
10
norte-americana,
9,38
com os ratings de dívida atribuídos pela agência Fitch, observa-se uma manutenção novo acordo foi estabelecido com detentores de cerca de 60% da dívida com maturidade em 2023 sendo, no entanto,
8
2014 2015 2016 2017 2018 2019
da grande parte dos ratings, apesar de se notar um aumento em todos os spreads7
4
, com excepção de Moçambique. 0,00 necessário uma aprovação de representantes de
0,00 cerca de 75% da dívida para que a restruturação se alongue à

USD mil milhões

USD mil milhões


8
Com maturidades relativamente idênticas, e ambas as obrigações cotadas em Dólares
6 norte-americanos, as Eurobonds
SADC+Nigéria -10,00
Angola e parceiros comerciais totalidade das obrigações. O acordo desenhado estabelece um alargamento da maturidade até 2031 e ainda reformula
-50,00
6 5
podem ser consideradas um activo substituto dos títulos doTesouro do governo4 dos EUA. 10 -20,00 a estrutura de pagamentos dos juros: 5% ao ano até Setembro de 2023 e 9% até ao final da maturidade. Os credores
-100,00
12
%

%
4 3 9 -30,00 passam também a deixar de ter direito a pagamentos
-150,00 indexados às receitas das empresas a operar no sector de gás
2 10 9,38 8
Esta correlação
2 inferior em Maio de 2019 face a Maio de 2018 aponta para uma diminuição da procura de dívida dos -40,00 natural, algo que estava 2014
estipulado num
2015 pré-acordo
2016 estabelecido
-200,00 2017 em Novembro
2018 do ano
2019 passado. O alívio fiscal, pelo
1 7 0,00 0,00

USD mil milhões

USD mil milhões


8
mercados emergentes
0 por parte dos investidores internacionais. Este movimento
0 terá sido maioritariamente provocado 6 -50,00 menos no curto prazo, que tal medida representa para o estado moçambicano causou um grande impacto nos mercados
-250,00
-10,00 -50,00
pelo impacto das guerras comerciais nos mercados financeiros, sobretudo no final de 2018, que agitaram bastante os
6 5 -60,00 secundários, aumentando consideravelmente a-300,00 confiança dos investidores. No seguimento da notícia, as taxas de juro
Nigéria
Angola
Madagáscar
Zâmbia
Zimbabwe
Malawi
África do Sul
Seychelles
Mozambique
Lesotho
Namíbia
Ilhas Maurícias
Botswana

Angola

China

Portugal

EUA

União Europeia

Africa Subsariana
4 -20,00 -100,00
mercados. No entanto, o facto dos ratings se manterem praticamente
4 inalterados enquanto os spreads aumentam 3
-70,00 das Eurobonds com maturidade em 2023 diminuíram -350,00 3,68 p.p.
-30,00 -150,00
pode ser sinal de que a agência Fitch considera o movimento 2
natural, apenas significando que os investidores ficaram 2 -80,00
-40,00
-400,00
-200,00
1
relativamente mais avessos ao risco e não necessariamente um aumento do risco de incumprimento destes países. -90,00 No que toca à-50,00
actividade dos bancos centrais do continente, destaca-se as alterações nas
-450,00 taxas directoras do
-250,00
0 0 México India China (eix.dir.)
Malawi, Rwanda e Zâmbia sendo que nas três grandes economias africanas – Egipto, Nigéria-300,00
-60,00 e África do Sul – estas
Nigéria
Angola
Madagáscar
Zâmbia
Zimbabwe
Malawi
África do Sul
Seychelles
Mozambique
Lesotho
Namíbia
Ilhas Maurícias
Botswana

Angola

China

Portugal

EUA

União Europeia

Africa Subsariana
mantiveram-se-70,00
inalteradas. O banco central da Zâmbia subiu a sua taxa para conter as pressões de subida da inflação
-350,00
Figura 4: Correlação entre spreads com obrigações do
resultantes da -80,00
depreciação do Kwacha. Contrariamente, o banco central do Rwanda desceu a-400,00sua taxa de juro para o
Tesouro norte-americano e ratings da agência Fitch
mínimo histórico de 5% de forma a estimular o crescimento económico nominal e a inflação, num
-90,00 -450,00contexto económico
31 de Maio 2018 31 de Maio 2019
20 20 em que se verifica deflação nos preços dos alimentos
México fruto do aumento da produção.
India China (eix.dir.)
p.p.

p.p.

Egipto 15,75
18 18 Zâmbia '24 Angola 15,75
16 16
Moçambique 14,25
14
Moçambique '23
14
Nigéria
Figura 5: Taxa directora de países seleccionados
12 13,5
12
Malawi 14,5
10 10 31 de Maio 2018 31 de Maio 2019
20 Moçambique '23 20
p.p.

p.p.

Zâmbia '24 Zâmbia Egipto


9,75 15,75
8 8
18 Angola '25 18 Zâmbia Quénia
'24
6 Gabão '25 9 Angola 15,75
6 Gabão '25 16 mai/19
Congo '29 16 Namíbia '25 Nigéria '23 Congo '29 Namibia
4 Namíbia '25 Nigéria '23 Angola '25 4 6,75 Moçambique abr/19 14,25
14 Gana '23 14
Quénia '24 África do Sul '25 Quénia '24 Moçambique '23 África do Sul Nigéria
2 2 6,75 13,5
Gana '23 12 12
0 África do Sul '25 0 Rwanda 5,5 Malawi 14,5
10 10
BBB BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC CC C Rd B- CCC CC C Rd Moçambique '23
BBB BBB- BB+ BB'24BB- B+
Zâmbia B Zâmbia 9,75
Ratings Fitch8 Ratings Fitch8 Angola '25
0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 18,00
6 Gabão '25 Quénia % 9
Gabão '25 6 mai/19
Fonte: Bloomberg, Country Economy Congo '29 Namíbia '25 Nigéria '23 Congo '29
Namíbia '25 Nigéria '23 Angola '25 4 Namibia 6,75 abr/19
Nota: As taxas de juro das Eurobonds seleccionadas compreendem4as maturidades entre 2023 e 2029, enquanto a maturidade das obrigações do Tesouro Gana '23
Quénia '24 África do Sul '25 Quénia '24 África do Sul
norte-americano usada é 2025. 2 2 6,75
Gana '23
0 África do Sul '25 0 Rwanda 5,5
Top 10 das maiores quedas BBB BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC CC C Top Rd 10 dos maiores aumentos
BBB BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC CC C Rd
Ratings Fitch Ratings Fitch 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 18,00
Posto isto, através da Figura-6,06 3 conclui-se que existe uma alteração do panorama de Maio de 2018, sendo que em Maio
Platina Chá (Kolkata) 140,00
USD/barril

15,52 %
de 2019 destacam-se duas-6,38 das economias seleccionadas,
Chumbo Zâmbia e Moçambique. Cevada Ao longo do último 9,43 ano, para além 120,00 Fonte: Trading Economics
da deterioração do seu rating, o spread da dívida da Zâmbia em análise aumentou cerca de 10 6,88
-6,39 Soja Ferro p.p. Por outro lado, 100,00
-6,47 Zinco Chá (Mombasa) 6,05
Moçambique reduziu significativamente o seu spread em praticamente 4 p.p. No entanto, importa referir que esta 80,00
Top 10 das maiores quedas
Cobre Milho Top 10 dos maiores aumentos
-6,53 5,94
diminuição ocorreu maioritariamente já no final de Maio, depois de um pré-acordo de restruturação da dívida. Sem este
Platina Chá (Kolkata) 60,00 140,00

USD/barril
-6,06 15,52
-7,78 Chá (Colombo) Amendoim 5,17
efeito, o spread manter-se-ia elevado. -6,38 Chumbo Cevada 40,00 9,43 120,00
-8,15 Borracha Algodão 3,05
-6,39 Soja Ferro 20,00 6,88
-9,01 Laranja Chá* 3,03 100,00
-6,47 Zinco Chá (Mombasa) 6,05
-9,88 Óleo de palma Arroz (Vietname) 2,88 0,00 80,00
3
África do Sul, Angola, Gabão, Gana, Quénia, Moçambique, Namíbia, Nigéria, República do Congo e Zâmbia. -6,53 Cobre Milho 5,94
O spread entre-11,81 Gás
as suas taxas representa, assim, um proxy do risco de incumprimento natural
inerente (Europa)
a cada Trigo
país, sendo que esse (EUA)
spread 1,52 como também ser afectado pelo rating que
pode tanto afectar
mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17
A classificação restricted default representa
mai-18 nov-18 mai-19
60,00 uma situação em que o devedor já entrou em incumprimento, apesar de não ter declarado oficialmente insolvência. O relatório da agência Fitch aponta
4 5

as agências atribuem ao país. -7,78 Chá (Colombo) Amendoim 5,17 para diversas situações em que o governo angolano falhou já o pagamento de cupões, juros ou amortizações devidas.
-15,00 -10,00 -5,00 0,00 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 40,00
-8,15 Algodão Borracha 3,05
% 8 % 20,00
9
-9,01 Laranja Chá* 3,03
Óleo de palma Arroz (Vietname)
7 0,00 -70,00 0,00 -350,00
8

USD mil milhõ

USD mil milhõ


União Eu

Africa Subs
Mada

Ilhas Ma
Bot
Zim

L
N
África
Sey

P
Moza
6
-10,00 -80,00 -50,00 -400,00
6 5
4 -20,00 -90,00 -100,00 Boletim Económico-450,00
Mensal • Maio 2019
4 3 México India China (eix.dir.)
-30,00 -150,00
2
2 -40,00 -200,00
1
0 0 -50,00 -250,00

-60,00 -300,00

Nigéria
Angola
Madagáscar
Zâmbia
Zimbabwe
Malawi
África do Sul
Seychelles
Mozambique
Lesotho

p.p.Namíbia
Ilhas Maurícias
Botswana

Angola

China

Portugal

EUA

União Europeia

Africa Subsariana
31 de Maio 2018 -70,00 31 de Maio 2019 -350,00
20 20

p.p.
Egipto 15,75
18 -80,00 -400,00
18 Zâmbia '24 Angola 15,75
16 16 -90,00 -450,00
Moçambique 14,25
14 14 México India China (eix.dir.)
comerciais entre os EUA e
outras economias, incluindo Austrália, Índia e México, reforçaram essa tendência. Do lado
Commodities
Moçambique '23 Nigéria
12 13,5
12
Malawi
da oferta, a produção recorde de petróleo nos Estados Unidos também exerceu uma pressão 14,5 negativa sobre os preços
10 10
Moçambique '23
8 Zâmbia '24 8
Angola '25
do petróleo. A recenteZâmbia
queda nos preços do petróleo ocorre apesar da9,75 reimplementação de sanções contra o Irão e os
“As tensões comerciais levaram 6 a uma redução Gabão '25 generalizada
Angola '25
Congo '29 do6
Namíbia '25
Gabão '25
Nigéria '23 Congo '29
Quénia
cortes na produção de petróleo da Organização dos Países Exportadores
Namibia
9
de Petróleo (OPEP), quemai/19somam mais de dois
31 de Maio 2018 4 Namíbia '25 Nigéria '23 31 de Maio 2019 4 6,75 abr/19
preço das commodities em Maio. ”
20 20 Gana '23
milhões de barris África
desde o início do ano, de acordo com o último relatório do cartel. Adicionalmente, o Ministro saudita
p.p.

p.p.
Quénia '24 África do Sul '25 Egipto
Quénia '24 do Sul 15,75
2 18 2 6,75
18 Gana '23 Zâmbia '24
0 África16
do Sul '25 0
Angola do petróleo, Khalid al-Falih,
Rwanda declarou a 315,75 de Junho que 5,5 há um crescente consenso entre os produtores em estender o
16
BBB BBB- BB+ BB Moçambique actual acordo de petróleo para além do prazo final de
6,00Junho.
BBB 14
BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC CC C Rd BB- B+ B B- CCC CC C Rd 14,25
14 0,00 2,00 4,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 18,00
Moçambique '23 Ratings Fitch Nigéria Ratings Fitch
13,5 %
Os12 preços das commodities a nível mundial registaram uma 12redução generalizada segundo o World Bank Pink Sheet. Malawi
10 10 14,5
A queda de Maio nos preços das commodities reflectiu-se em menores preços face a Abril em 43 das 69 '23
Moçambique commodities Zâmbia
8 Zâmbia '24 8
Angola '25
9,75 Figura 7: Evolução do preço do Brent
incluídas
6 no índice do Banco Mundial. Assim, todos os grupos 6 de commodities registaram
Gabão '25 preços mais baixos, sendo Quénia 9 mai/19
Gabão '25 Congo '29 Namíbia '25 Nigéria '23 Congo '29 Namibia
que4 os metais Nigéria
Namíbia '25 básicos
'23 e a energia lideraram a queda. Este comportamento
Angola '25 Top 10 das4maiores quedas deveu-se àGana preocupação
'23 dos investidores Top 10 dos maiores aumentos 6,75 abr/19
Quénia '24 África do Sul '25 Quénia '24 Platina Chá (Kolkata)África do Sul 140,00

USD/barril
2 2 -6,06 15,52
com o crescente proteccionismo
Gana '23 comercial nos Estados Unidos, com o presidente Donald Trump a promulgar as tarifas 6,75
0 África do Sul '25 0 -6,38 Chumbo Cevada Rwanda 9,43 5,5 120,00
contra a China e a Índia, e a ameaçar outros países, como a Austrália, com novas tarifas.
BBB BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC CC C Rd BBB BBB- BB+-6,39
BB BB- B+ B B- CCC CC
Soja C Rd Ferro
Ratings Fitch Ratings Fitch 0,00 6,882,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00
100,00 14,00 16,00 18,00
Zinco %
-6,47 Chá (Mombasa) 6,05
80,00
Figura 6: Top 10 das maiores variações entre
-6,53 Maio e Abril Cobre Milho 5,94
nas commodities mundiais
-7,78 Chá (Colombo) Amendoim 5,17
60,00

40,00
-8,15 Algodão Borracha 3,05
Top 10 das maiores quedas Top 10 dos maiores aumentos
-9,01Chá (Kolkata) Laranja Chá* 3,03
140,00 20,00
Platina

USD/barril
-6,06 15,52
-6,38 Chumbo -9,88 Cevada Óleo de palma Arroz (Vietname) 2,88 0,00
9,43 120,00
-11,81 Gás natural (Europa) Trigo (EUA) 1,52 mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19
-6,39 Soja Ferro 6,88 100,00
-6,47 Zinco-15,00 Chá (Mombasa)
-10,00 -5,00 6,05 0,00 0,00 Fonte: Bloomberg
80,005,00 10,00 15,00 20,00
Nota: Os dados apresentados têm uma frequência diária.
-6,53 Cobre Milho 5,94 % %
60,00
-7,78 Chá (Colombo) Amendoim 5,17
40,00
-8,15 Algodão Borracha 3,05 No mesmo sentido, as ramas angolanas registaram um preço médio de 70,75 USD/barril no mês de Maio, o que se
-9,01 Laranja Chá* 3,03 20,00
traduz numa redução mensal de 1,60%. Em termos homólogos, o decréscimo das ramas angolanas foi inferior ao
-9,88 Óleo de palma Arroz (Vietname) 2,88 0,00
35,00 verificado no caso do Brent, tendo se registando uma variação negativa de 7,03%.
Produção petrolífera OPEP mai-14 nov-14 mai-15 Capacidade
nov-15 mai-16
extra nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19
Milhões de barris por dia

-11,81 Gás natural (Europa) Trigo (EUA) 1,52 Argélia


Angola 3,00

USD mil milhões


34,00
-15,00 -10,00 -5,00 0,00 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 2018 2019
Equador Dados preliminares indicam que a oferta mundial de petróleo aumentou ligeiramente para 98,26 milhões de barris
% % Guiné Equatorial 2,50
33,00 por dia em Maio de 2019, em comparação com o mês anterior. Este aumento foi impulsionado pelo aumento da oferta
Gabão
Fonte: World Bank Pink Sheet
32,00
Nota: * corresponde à média aritmética das cotações dos chás de Mombasa/Nairobi, Colombo e Kolkata. Irão petrolífera por parte dos2,00
países não-OPEP, principalmente pelos EUA, Cazaquistão, Azerbaijão, Canadá e Reino Unido.
Iraque Enquanto se registou uma diminuição da produção OPEP, principalmente no Irão, Nigéria, Arábia Saudita e Venezuela.
31,00 1,50
Kuwait
Note-se que a imposição das sanções dos EUA ao Irão, a produção petrolífera iraniana tem vindo a cair sendo dos
Líbia
Os 35,00
preços das commodities energéticasProdução
caíram quaseOPEP
petrolífera 2,85%
30,00 em Maio,Argélia
liderados por um forte declínio nosCapacidade
preços do extra Nigéria países que apresenta maior
1,00 capacidade de produção não utilizada. Assim, a participação do petróleo bruto da OPEP no
Milhões de barris por dia

gás34,00
natural europeu (-11,81%). Os preços do petróleo bruto 6
e do carvão (Austrália) também caíram (2,54% e 5,13%,
Angola República do Congo 3,00 total da produção mundial diminuiu 0,3 p.p.2019
para 30,4% em Maio de 2019, em comparação com o mês anterior.
USD mil milhões

29,00 0,50 2018


Equador Arábia Saudita
respectivamente). Guiné Equatorial 2,50
33,00 28,00 0,00
Gabão
mai-16 out-16 mar-17 ago-17 jan-18 jun-18 nov-18 abr-19 0,00 0,20 0,40 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez
2,00 0,60 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 1,80
Os 32,00
preços do petróleo Brent caíram nas últimas semanas do ano, de Maio após Irão
o aumento observado desde o início Milhões de barris por dia
Iraque
tendo
31,00atingido os 64,49 USD barril a 31 de Maio, um mínimo de quase quatro
Kuwait
meses. Em Maio, o preço médio do Brent 1,50

foi negociado a USD 70,57 por barril, 1,40% menor do que no mês anterior. Líbia Além disso, o preço médio do Brent foi
30,00 1,00
Nigéria
8,36% menor do que no mesmo mês do ano passado, embora tenha crescido 22,35% no acumulado do ano. A queda 1,51

Milhões barris/dia
República do Congo
450,00
USD/quilate

nos29,00
preços do petróleo reflecte principalmente a desaceleração daArábia
actividade 1,49
Saudita económica em economias como a China.
0,50 1,49
398,54
400,00 1,46
A intensificação
28,00
das tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos, bem como a perspectiva de novas guerras 0,00
1,47
350,00
mai-16 out-16 mar-17 ago-17 jan-18 jun-18 nov-18 abr-19 0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 1,80 301,32 jan fev mar abr mai jun jul ago 1,45
set out nov dez
300,00
Milhões de barris por dia 1,43
6
Média do preço spot do Brent, Dubai e West Texas Intermediate (WTI). 250,00 1,42
1,41
200,00

150,00
10 1,39 11
1,51
/dia

100,00 1,37
-6,39 Soja Ferro 6,88 100,00
-6,47 Zinco Chá (Mombasa) 6,05
80,00
Cobre Milho
-6,53 5,94 Boletim Económico Mensal • Maio 2019
60,00
-7,78 Chá (Colombo) Amendoim 5,17
40,00
-8,15 Algodão Borracha 3,05
-9,01 Laranja Chá* 3,03 20,00

-9,88 Óleo de palma Arroz (Vietname) 2,88 0,00

-11,81 Gás natural (Europa) Trigo (EUA) 1,52 mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19

-15,00 -10,00 -5,00 0,00 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00

% %

Figura 8: Evolução da produção de petróleo da OPEP

35,00
Produção petrolífera OPEP Capacidade extra
Milhões de barris por dia

Argélia
Angola 3,00

USD mil milhões


34,00
2018 2019
Equador
33,00 Guiné Equatorial 2,50
Gabão
32,00 Irão 2,00
Iraque
31,00 1,50
Kuwait
Líbia
30,00 1,00
Nigéria
República do Congo
29,00 0,50
Arábia Saudita

28,00 0,00
mai-16 out-16 mar-17 ago-17 jan-18 jun-18 nov-18 abr-19 0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 1,80 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez
Milhões de barris por dia

Fonte: Bloomberg, OPEP

1,51

Milhões barris/dia
Os preços não energéticos caíram quase 2%, com perdas em todos os principais sub-índices. Os preços dos metais
450,00
USD/quilate

1,49 1,49
398,54
400,00
caíram quase 3,62% em resposta à queda de todos os seis metais básicos, eliminando os ganhos dos primeiros quatro 1,47 1,46
350,00
meses do ano. Realça-se que as quedas foram parcialmente compensadas301,32 por um aumento de 6,88% no minério de 1,45
300,00
ferro
250,00
devido às sanções dos EUA sobre as exportações iranianas e ao encerramento da mina de Brucutu no Brasil pela 1,43 1,42
segunda
200,00 vez. 1,41

Economia
1,39
150,00
100,00 1,37

50,00 1,35

mai/18

jun/18

jul/18

ago/18

set/18

out/18

nov/18

dez/18

jan/19

fev/19

mar/19

abr/19

mai/19
0,00
mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19

2,00
mai/18
1,28
abr/19 mai/19
Nacional
Mercado Primário Mercado Secundário
250 250
Kz mil milhões

Kz mil milhões
- OT BT OT BT UP
200 200
- 2,00
150 150

- 4,00 - 3,26
%

- 3,88 - 3,89 - 3,93 100 100


- 4,24 - 3,96
- 6,00 - 5,07
50 50

- 8,00 0 0
- 8,29
jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
jun/18
jul/18
ago/18
set/18
out/18
nov/18
dez/18
jan/19
fev/19
mar/19
abr/19
mai/19

jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
jun/18
jul/18
ago/18
set/18
out/18
nov/18
dez/18
jan/19
fev/19
mar/19
abr/19
mai/19
- 10,00
IMAE Petrolífero IMAE não Petrolífero IMAE Agregado

OGE 2019 OGE 2019 revisto


Assuntos Económicos Gerais, Comerciais E Laborais 36,61

Sector Social 20,00 21,69 Combustíveis e Energia 24,36


12 13
Sector Económico 40,00 39,49 Transportes 20,75
'25 Malawi 14,5 Gabão
Quénia

Milhõe
10 9 10
mai/19 Moçambique '23
Congo '29 Zâmbia '24 Zâmbia
32,00 9,75 Irão
Namibia 8 6,75 abr/19 8
a '23 Angola '25
África do Sul 6 6,75 Gabão '25 6 Gabão '25 Quénia 9 Boletim Económico
Iraque Mensal • Maio 2019
mai/19
Congo '29 Namíbia '25 Nigéria '23 Congo '29 31,00
Namibia Kuwait
Namíbia '25 Nigéria '23 Angola '25 4 6,75 abr/19
Rwanda 5,54 Gana '23
Líbia
Quénia '24 África do Sul '25 Quénia '24 África do Sul
B- CCC CC C Rd 2 2 6,75
0,00 2,00 4,00 6,00 África
8,00 10,00Gana '23
12,00 14,00 16,00 18,00 30,00 Nigéria
Ratings Fitch 0 do Sul '25 0 Rwanda
% 5,5
República do Congo
BBB BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC CC C Rd BBB BBB- BB+ BB BB- B+ B B- CCC CC C Rd 29,00
Ratings Fitch Ratings Fitch 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 Arábia Saudita
14,00 16,00 18,00
%
28,00
mai-16 out-16 mar-17 ago-17 jan-18 jun-18 nov-18 abr-19 0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 1,80
Top 10 dos maiores aumentos Milhões de barris por dia
140,00

USD/barril
15,52
Top 10 das maiores quedas Top 10 dos maiores aumentos
9,43 120,00
Sector Externo Platina Chá (Kolkata) Figura
140,00 10: Evolução do preço médio do diamante

USD/barril
-6,06 15,52
6,88 100,00
-6,38 Chumbo Cevada 9,43 120,00
6,05 450,00

USD/quilate
80,00 -6,39 Soja Ferro 6,88 100,00 398,54
5,94 400,00
“O preço médio do diamante atingiu o valor mais alto de 2019,
60,00 -6,47 Zinco Chá (Mombasa) 6,05
5,17 80,00
350,00
40,00 -6,53 Cobre Milho 5,94 301,32
301,32 USD/quilate.” -7,78 Chá (Colombo) Amendoim 5,17
300,00
60,00
20,00 250,00
40,00
-8,15 Algodão Borracha 3,05
0,00 200,00
Laranja 20,00
No mês de Maio, a contamai-14
de bens apresentou
nov-14 um saldo
mai-15 nov-15 USD-9,01
mai-16denov-16 1,77
mai-17milnov-17
milhões contra
mai-18 USDmai-19
nov-18 1,93 mil milhões em Chá* 3,03
150,00
-9,88 Óleo de palma Arroz (Vietname) 2,88 0,00
Abril, inferior em 8,54%. A contribuir para esta variação negativa esteve o aumento das importações (19,24%) numa 100,00
0 10,00 15,00 20,00 -11,81 Gás natural (Europa) Trigo (EUA) 1,52 mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19
50,00
magnitude superior ao aumento das exportações (0,45%). Realça-se que, em termos homólogos, a conta de bens
-15,00 -10,00 -5,00 0,00 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 0,00
apresentou uma deterioração significativa de 36,12%. mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19
% %
Fonte: BNA
Figura 9: Evolução da conta de bens
Capacidade extra mai/18 abr/19 mai/19
2,00 1,28
3,00
USD mil milhões

Sector Real-
35,00 2018 2019petrolífera OPEP
Produção Capacidade extra
Milhões de barris por dia

Argélia 250

Kz mil milhões
2,50 Angola 3,00

USD mil milhões


34,00
2018 2019 200
Equador
2,00 Guiné Equatorial 2,50
- 2,00
33,00
Gabão “A actividade económica contraiu em cerca de 3,93%, sendo a 150

maior contracção mensal desde o- início de 2019.”


1,50 32,00 Irão 2,00
- 4,00 3,26

%
- 3,96 - 3,88 - 3,89 - 3,93 100
Iraque - 4,24
1,00 31,00 1,50
Kuwait - 6,00 - 5,07
50
Líbia
0,50 30,00 Nigéria Segundo os dados mais1,00
recentes
disponibilizados pelo Ministério dos Petróleos, no mês de Maio de 2019, a produção
- 8,00 0
República do Congo petrolífera angolana foi0,50caracterizada
- 8,29
por um ligeiro acréscimo, estimando-se uma produção diária de 1,46 milhões de

jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
0,00 29,00
Arábia Saudita
0,60 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 1,80 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez barris/dia, superior face
- 10,00aos níveis observados no mês anterior (1,42 milhões barris/dia), porém ainda abaixo dos níveis
IMAE Petrolífero IMAE não Petrolífero IMAE Agregado
28,00 0,00
Milhões de barris por dia Fonte: BNA verificados no mês correspondente de 2018 (1,49 milhões de barris/dia).
mai-16 out-16 mar-17 ago-17 jan-18 jun-18 nov-18 abr-19 0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 1,80 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez
Milhões de barris por dia
Do lado das importações, destaca-se o comportamento ascendente das três maiores categorias face ao mês anterior:
Figura 11: Evolução da produção petrolífera
OGE 2019 OGE 2019 revisto
combustíveis (78,79%),1,51
alimentares (11,75%) e reactores nucleares, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos
Milhões barris/dia

1,49 Assunt
mecânicos (3,3%). Adicionalmente,
1,49 destaca-se a importação de veículos automóveis e acessórios que registou um 1,51

Milhões barris/dia
20,00
importações, superior a Abril em 67,33%.1,46
montante de USD 74,60 milhões, 6,77% do total das450,00
1,47 Sector Social 21,69
USD/quilate

1,49 1,49
1,45 398,54 39,49
400,00 Sector Económico 40,00
1,47 1,46
1,43 350,00
Por outro lado, as duas maiores categorias de registaram um decréscimo, exportações
1,42sendo que as petrolíferas 1,45
Defesa, Segurança e 18,00
301,32 19,73
1,41 300,00 Ordem Pública
apresentaram uma variação negativa de 0,70% e as diamantíferas uma variação de 41,24%. Contrariamente, o gás 1,43
250,00 Serviços Público Gerais 1,42
1,39
associado apresentou um maior volume de exportação (69,68%), sendo que atingiu um montante de USD 163,37 1,41
200,00 22,00 19,10
1,37
milhões. 150,00
1,39
1,35
100,00 1,37
mai/18

jun/18

jul/18

ago/18

set/18

out/18

nov/18

dez/18

jan/19

fev/19

mar/19

abr/19

mai/19

Destaca-se que no caso das exportações diamantíferas,


50,00a redução do valor exportado deveu-se à queda abrupta das 1,35

mai/18

jun/18

jul/18

ago/18

set/18

out/18

nov/18

dez/18

jan/19

fev/19

mar/19

abr/19

mai/19
quantidades em 74,89%, sendo que o seu preço médio 0,00 atingiu o valor mais alto do ano, 301,32 USD/quilate. Este
mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19
cenário assemelha-se ao experienciado em Setembro de 2018, em que as exportações diamantíferas registaram a
quantidade exportada mais baixa (7,53 quilates) e o preço o mais alto do ano (398,54 USD/quilate). Estes cenários Fonte: Necessidades
BNA Brutas de

%
Financiamento 8,00
6,1

% PIB
14,50 14,30 5,2
% PIB

devem-se ao incremento na qualidade das pedras vendidas. 6,00


Mercado Primário Mercado Secundário
mai/18 abr/19 mai/19 4,00
250 250 14,00 1,5
Kz mil milhões

Kz mil milhões

Saldo primário Não


2,00 2,00
OT BT OT1,28BT UP Mercado Primário 0
Mercado Secundário petrolífero
13,50 0,00
200 200 250 250
Kz mil milhões

Kz mil milhões
Saldo Global Saldo primário
- OT BT -2,00 OT BT UP
13,00 12,70
150 150 200 200 -4,00
- 2,00 14 12,50 15 -6,00
100 100 150 150 -8,00
12,00 -7,71
Boletim Económico Mensal • Maio 2019

Os dados mais recentes do Indicador de Actividade Económica (IAE)7 apontam para uma manutenção do ciclo O diagnóstico realizado no documento do Banco Mundial foca-se em (i) identificar os sectores com maior potencial
contraccionista da actividade económica que persiste desde o início do ano 2016. Assim, em Maio, a taxa de de crescimento e que, caso ponham em prática a sua transformação, teriam maior impacto no desenvolvimento do
crescimento homólogo do IAE fixou-se em -3,93% contra -3,89% e -5,07% apresentada no mês anterior e homólogo, país; (ii) identificar os constrangimentos que impossibilitam o funcionamento de mercados com tal potencial; e (iii)
respectivamente. identificar quais os investimentos privados e quais as intervenções públicas que devem ser prioritárias na agenda
de desenvolvimento económico e potencialização dos lucros do sector privado. Entre as principais conclusões e
Figura 12: Indicador da Actividade Económica mensagens do documento, destacam-se:

mai/18 abr/19 mai/19


- Uma análise profunda quanto à potencialidade de criação de valor acrescentado e criação de emprego por
2,00
sector, a sua capacidade competitiva, capacidade de inclusão e sustentabilidade aponta para sete sectores
- com uma grande capacidade de gerar crescimento e desenvolvimento económico: comunicações e tecnologia,
electricidade, transportes, sector financeiro, saúde, educação e sector agrícola. Note-se que os sectores
- 2,00 actualmente considerados como primordiais, como o petrolífero, mineiro, de pescas ou construção, apresentam
pouco potencial para contribuir para o processo de transformação e estimular o sector privado no longo prazo;
- 4,00
%

- 6,00 - O acesso constrangido à electricidade (continua a ser um problema para 70% da população), transportes
(com problemas nas estradas e linhas ferroviárias, assim como nos portos e aeroportos), telecomunicações
- 8,00 (que apresentam um desenvolvimento consideravelmente inferior ao restante continente africano) e serviços
financeiros, constituem os principais entraves à actividade económica do sector privado. Dessa forma, o
- 10,00
IMAE Petrolífero IMAE não Petrolífero IMAE Agregado desenvolvimento destes quatro sectores teria um directo e considerável impacto no crescimento económico,
Fonte: BNA criação de emprego e aumento da competitividade do sector privado, não só directamente através dos seus
desenvolvimentos, como indirectamente através da melhoria do processo produtivo dos restantes sectores;
O fraco desempenho da actividade económica resultou, essencialmente, da fraca performance do sector não petrolífero,
enquanto que o sector petrolífero registou uma melhoria face ao período anterior, apesar de manter uma taxa negativa. - O sector financeiro, apesar de ser o terceiro maior da África Subsaariana tem fragilidades que afectam o
Assim sendo, a taxa de crescimento do IAE petrolífero foi de -3,96%, menor contracção quando comparado ao mês eficiente funcionamento do sector privado. Entre estas, salienta-se o facto de o crédito à economia permanecer
de Abril de 2019 (-4,24%) e a Maio de 2018 (-8,29%), suportada por uma menor queda da produção acumulada de constante e em níveis muito baixos sendo este maioritariamente direccionado a sectores que não contribuem
petróleo e gás de 4,27% contra a queda de 5,06% do mês transacto. Contrariamente, o ritmo de contracção do IAE não para a transformação e impulsionamento do sector privado (como construção, comércio, sector terciário e
petrolífero agravou-se pelo quarto mês consecutivo, correspondendo a uma taxa de -3,88% face aos -3,26% registados financiamento ao consumo);
no mês passado e a um crescimento de1,28% observado no mesmo período de 2018. Este comportamento deveu-se,
fundamentalmente, à evolução negativa verificada no sector do comércio (queda da importação acumulada em cerca - O crescimento e melhoria da oferta de serviços de educação e saúde encontraria uma enorme procura que se
de 6,53%), no sector diamantífero (queda significativa da produção acumulada em torno de 4,12%) e no sector de mantém, nos dias de hoje, não satisfeita e que contribuiria para o aumento do capital humano no país. Para
fabricação de cimento e clinker (redução da produção acumulada em 0,77%). além do aumento do capital humano ser uma mais valia em termos de crescimento da produtividade futura do
país, constitui no presente uma grande oportunidade para investimento privado que compensaria os recursos
limitados do sector público. O índice9 de capital humano do país apresenta um grande espaço para melhoria,
sendo o seu valor de 0,36 numa escala normalizada entre 0 e 1;
Caixa 2: O sector privado e soluções para o crescimento angolano
- Os elevados recursos não utilizados como terras para cultivo, o clima favorável à agricultura e a longa costa
No âmbito das Reuniões de Primavera (spring meetings) de 2019 entre o Banco Mundial e o Fundo Monetário pesqueira.
Internacional, a primeira instituição elaborou um documento8 no qual aponta as oportunidades de criação de mercados
em Angola através do crescimento da iniciativa privada no país, e de que forma tal impulsionaria o desenvolvimento A instituição internacional realça que o posicionamento do Estado no processo de criação de mercados no sector privado
económico angolano. Nesta caixa, destacamos, segundo o Banco Mundial, os sectores com maiores potencialidades deve passar por um papel menos activo como produtor de produtos/serviços e mais focado num papel de legislador/
para impulsionar o desenvolvimento do país, assim como o papel que o Estado angolano e o banco central devem regulador. Algumas das reformas que o relatório aponta estão já em curso, enquanto outras ainda necessitam de ser
assumir, (em alguns casos têm assumido) este processo de transformação da economia. exploradas. O Banco Mundial defende que deve ser adoptada uma estratégia mais eficiente de longo prazo no que

8
Country Private Sector Diagnostic – Creating Markets in Angola: Opportunities for Development Through the Private Sector. World Bank Group 2019. 9
World Bank 2018. Human Capital Index and Components, 2018.

16 17
40,00
-8,15 Algodão Borracha 3,05
-9,01 Laranja Chá* 3,03 20,00
Boletim Económico Mensal • Maio 2019
-9,88 Óleo de palma Arroz (Vietname) 2,88 0,00

-11,81 Gás natural (Europa) Trigo (EUA) 1,52 mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19

-15,00 -10,00 -5,00 0,00 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00

% %

35,00
toca à gestão dos recursos naturais, dada a volatilidade dos seus preços e a incerteza quanto às receitas futuras.
Mercado da Dívida
Produção petrolífera OPEP Capacidade extra

Milhões de barris por dia


Argélia
Em particular, recai sobre a responsabilidade das autoridades fiscais a correcta gestão desta incerteza através de Angola 3,00

USD mil milhões


34,00
2018 2019
Equador
maior investimento em capital (infra-estruturas), a criação de uma almofada (buffer) e a diversificação das fontes de 2,50
“Em Maio foram emitidas pela primeira vez no ano OT em
33,00 Guiné Equatorial
receitas públicas, aumentando a base tributária. Neste campo, já existem algumas medidas em curso, entre elas, a Gabão

implementação do IVA em 2019 e um concurso público para privatizar32,00


diversas empresas10. Irão moeda externa e indexadas
2,00
ao câmbio. ”
Iraque
31,00 1,50
Kuwait
Adicionalmente, a instabilidade macroeconómica dos recentes anos levou a um aperto por parte das autoridades Líbia
30,00 1,00
monetárias e fiscais que têm constrangido consideravelmente a actividade do sector privado. A restrição de provisão Nigéria Em Maio, as emissões de títulos públicos em moeda nacional no mercado primário reduziram 13,37% em relação ao
República do Congo
de divisas à economia, implementada de forma a proteger as reservas 29,00 internacionais, assim como a distribuição
Arábia Saudita
mês de Abril, situando-se em Kz 143,87 0,50mil milhões. Destaca-se ainda a primeira emissão no ano de obrigações do

ineficiente das divisas pelos diversos agentes económicos, dificultou28,00


bastante as importações de bens de produção tesouro em moeda estrangeira (OT ME) no montante de USD 58 milhões e de obrigações do tesouro indexados à taxa
0,00
e de consumo final, assim como a repatriação de lucros. Nesse campo, mai-16
a mudança
out-16 de regime
mar-17 cambial
ago-17 jan-18 impulsionada
jun-18 nov-18 abr-19 0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 de
1,00câmbio (OT 1,60
1,20 1,40 TXC)1,80
no montante de Kz 1,6 miljanmilhões.
fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez

pelo Banco Nacional de Angola no início de 2018 tem contribuído para atenuar este entrave à actividade privada, algo Milhões de barris por dia

que se reflectiu na diminuição considerável do spread cambial entre o mercado formal e informal. De igual modo, para A redução da emissão de títulos em moeda nacional é explicada pela diminuição da emissão de bilhetes do tesouro
além da flexibilização cambial, o novo sistema de leilões cambiais e fim das vendas dirigidas permitiu uma afectação (BT) em 39,88%, que por sua vez é justificada pelo esgotamento do plafond de dívida flutuante11 estabelecido no
1,51

Milhões barris/dia
mais eficiente das vendas de divisas, o que impulsionará a diversificação económica. Adicionalmente, a perda de Plano Anual de Endividamento 2019 (PAE). Por força da redução da oferta de BT, a emissão de obrigações do tesouro
450,00
USD/quilate

1,49 1,49
correspondência com os bancos norte-americanos em Novembro de 2016 ameaçou a sustentabilidade do sistema 398,54 aumentou 146,69% face ao mês anterior. Realça-se ainda que, da emissão total em moeda nacional, 58,06%, 40,68%
400,00 1,46
1,47
financeiro. Neste campo, uma delegação da Reserva Federal dos EUA visitou recentemente o país (em Junho de 2019)
350,00 e 1,27% corresponderam aos BT, OT NR e OT TXC, respectivamente.
301,32 1,45
com o intuito de restabelecer as conversações e trabalhar no sentido que reverter a situação.
300,00
1,43
250,00 Relativamente ao mercado secundário, transaccionou-se Kz 67,09 mil milhões, registando uma redução 1,42 de 14,94%
1,41
Ainda no campo de actuação do Banco Nacional de Angola (BNA), o aviso n.º 4/2019 visa estimular o crédito ao
200,00 em relação ao mês anterior. Esta diminuição é reflexo, essencialmente da queda do volume negociado no Mercado de
1,39
150,00
sector real da economia, e consequentemente colmatar a distribuição ineficiente de crédito à economia apontada pelo Bolsa de Títulos do Tesouro (MBTT) que totalizaram Kz 59,33 mil milhões (17,36% face ao mês anterior), sendo que,
100,00 1,37
relatório do Banco Mundial. O aviso tem o intuito de fomentar o crédito bancário concedido e tornar os seus custos o montante transaccionado no Mercado de Registo de Operações sobre Valores Imobiliários (MROV) cresceu 9,65%,
50,00 1,35
mais acessíveis (uma taxa de juro não superior a 7,5% ao ano) ao sector real da economia, fomentando a diversificação fixando-se em Kz 7,77 mil milhões. Destaca-se que no mercado secundário, há uma clara preferência por OT em

mai/18

jun/18

jul/18

ago/18

set/18

out/18

nov/18

dez/18

jan/19

fev/19

mar/19

abr/19

mai/19
0,00
mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19
e produção nacional. detrimento das BT, apesar de nos últimos meses o Tesouro ter emitido BT em maior magnitude.

Em suma, a actividade do Governo e do banco central no sector produtivo deve passar por se distanciar da posição de
Figura 13 - Evolução das transacções de títulos públicos
um agente que ocupa as actividades que poderiam ser mais produtivamente ocupadas pormai/18
agentes privados,abr/19
para se mai/19
2,00
tornar num facilitador do desenvolvimento da actividade privada. 1,28
Mercado Primário Mercado Secundário
250 250

Kz mil milhões

Kz mil milhões
- OT BT OT BT UP
200 200
- 2,00
Os dados relativos ao Indicador de Clima Económico (ICE) publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) referente 150 150
ao primeiro trimestre de 2019, demonstrou uma melhoria no sentimento - 4,00 dos agentes económicos relativamente- 3,26
à
%

- 3,96 - 3,88 - 3,89 - 3,93 100 100


conjuntura económica, não obstante o facto de se ter mantido em campo negativo.- 4,24 Como resultado, este indicador
- 6,00 - 5,07
passou de menos 12 pontos no quarto trimestre de 2018 para menos 9 pontos no trimestre em referência, indiciando 50 50

a recuperação económica que poderá estar em curso, já que pelo segundo trimestre consecutivo observou-se uma boa 0 0
- 8,00
performance deste indicador. - 8,29

jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
jun/18
jul/18
ago/18
set/18
out/18
nov/18
dez/18
jan/19
fev/19
mar/19
abr/19
mai/19

jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
jun/18
jul/18
ago/18
set/18
out/18
nov/18
dez/18
jan/19
fev/19
mar/19
abr/19
mai/19
- 10,00
IMAE Petrolífero IMAE não Petrolífero IMAE Agregado

Fonte: BNA, BODIVA

OGE 2019 OGE 2019 revisto


Assuntos Económicos Gerais, Comerciais E Laborais 36,61

Sector Social 20,00 21,69 Combustíveis e Energia 24,36

Sector Económico 40,00 39,49 Transportes 20,75


11
Dívida pública flutuante diz respeito à dívida pública directa contraída para ser totalmente amortizada até ao final do exercício orçamental em que foi criada corresponde à divida emitida que será
10
Ver com mais detalhe Caixa 1 – Privatização das Empresas Públicas e os seus Benefícios no Boletim Económico de Novembro de 2018. paga no decorrer do ano orçamentado.
Agricultura, Silvicultura, Pesca E Caça 10,02
Defesa, Segurança e 18,00
Ordem Pública 19,73
18 Indústria Extractiva, Transformadora E
Construção
19 6,17
Serviços Público Gerais
22,00 19,10 Comunicações E Tecnologias Da Informação
35,00
Produção petrolífera OPEP Capacidade extra 100,00

Milhões de barris por dia


Argélia
Angola 3,00

USD mil milhões


34,00 50,00
2018 2019
Equador
0,00 Boletim Económico Mensal • Maio 2019
33,00 Guiné Equatorial mai-14 nov-142,50mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19
Gabão
32,00 Irão 2,00
Iraque
31,00 1,50
Kuwait
mai/18 abr/19 mai/19
Líbia
30,00 2,00 1,00 1,28
Nigéria
República do Congo 250

Kz mil milhões
29,00 - 0,50
Arábia Saudita
200
28,00 0,00
Caixa 3: Principais diferenças entre o OGE 2019 e OGE 2019 Revisto No lado das despesas - 2,00 na óptica financeira, as amortizações continuam a consumir grande parte dos recursos do
mai-16 out-16 mar-17 ago-17 jan-18 jun-18 nov-18 abr-19 0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 1,00 1,20 1,40 1,60 1,80 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez 150
Estado, sendo
Milhões de quediaas categorias da despesa fiscal que mais reduziram em relação à proposta inicial são as despesas
barris por
- 4,00 - 3,26

%
A economia angolana é muito dependente do sector petrolífero, sendo que o petróleo representa mais de 90% das em bens e serviços (40%), os subsídios (37%) e os investimentos -públicos
- 4,24 - 3,96
3,88 (21%), fruto da -racionalização
- 3,89 3,93 das despesas 100

exportações totais e cerca de 30% na estrutura do PIB, o que faz com que o Orçamento Geral do Estado (OGE) seja em correntes e da eliminação - 6,00 de despesas supérfluas. No que tange à decomposição - 5,07 da despesa fiscal pelas principais
50
áreas de intervenção do governo, o1,51 OGE revisto continua a assegurar uma maior fasquia para o Sector Social (40%),

Milhões barris/dia
grande medida elaborado em função do comportamento deste sector. - 8,00 0
450,00

USD/quilate
398,54
seguido da Defesa e Segurança (20%) e o1,49 1,49 Sector Económico (19%), com a finalidade de garantir o combate a pobreza
- 8,29

jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
jun/18
400,00 1,46
O OGE para 2019, aprovado em Novembro de 2018, foi elaborado e de promover a inclusão social. 1,47
350,00com o preço de petróleo de USD/barril 68,00 e
- 10,00
IMAE Petrolífero IMAE não Petrolífero IMAE Agregado
301,32 1,45
uma produção estimada de 1,57 milhões de barris por dia. Porém, durante o primeiro e o segundo trimestre de 2019,
300,00
1,43
observou-se um retrocesso no desempenho do mercado petrolífero,
250,00 nomeadamente (i) uma maior volatilidade no Figura 14- Despesa Fiscal do OGE 2019 e OGE 2019 revisto 1,42
1,41
comportamento do preço do petróleo nos mercados internacionais200,00
face ao preço de referência no OGE e (ii) uma redução
1,39 OGE 2019 OGE 2019 revisto
150,00
das perspectivas da produção nacional de petróleo, que advêm da contracção observada da actividade petrolífera. Assuntos
100,00 1,37
Sector Social 1,35 20,00
50,00 21,69
Face a estas novas circunstâncias e perspectivas, o Executivo achou0,00
prudente efectuar a revisão em baixa do Orçamento

mai/18

jun/18

jul/18

ago/18

set/18

out/18

nov/18

dez/18

jan/19

fev/19

mar/19

abr/19

mai/19
40,00 39,49
mai-14 nov-14 mai-15 nov-15 mai-16 nov-16 mai-17 nov-17 mai-18 nov-18 mai-19 Sector Económico
Geral do Estado para 2019, aprovado no mês de Junho do corrente ano.
Defesa, Segurança e 18,00
Ordem Pública 19,73

No Orçamento revisto, que se caracteriza por menos compras e menos investimento e um saldo global nulo, o preço do Serviços Público Gerais
crude considerada na sua elaboração passou de USD/barril 68 para USD/barril 55, acompanhado
mai/18 de umaabr/19
redução de mai/19 22,00 19,10 C

135,8 milhares de barris por dia na produção, relativamente à programação inicial.


2,00 1,28
Mercado Primário Mercado Secundário
Fonte: MINFIN - OGE 2019 e OGE Revisto
250 250

Kz mil milhões

Kz mil milhões
- OT BT OT BT UP
Esta revisão resultou numa diminuição das receitas fiscais (cerca de 19%) face ao OGE inicial e consequentemente num 200 200
No âmbito do sector económico, o orçamento revisto pretende implementar uma política económica que visa reanimar
ajustamento do pacote das despesas do Estado, que reduziram aproximadamente
- 2,00 14% em relação à primeira proposta.
o 150
sector produtivo (com especial realce para a agricultura)150restaurar a estabilidade macroeconómica, aprofundar a
Todavia, nas receitas fiscais permanece uma maior contribuição das receitas petrolíferas comparativamente às receitas Necessidades Brutas de
- 4,00 - 3,26 consolidação fiscal e executar o conteúdo sectorial do Plano100
Desenvolvimento Nacional (PDN).6,1 1

%
%

Financiamento 8,00
provenientes da actividade não petrolífera, apesar de se prever um aumento destas - 4,24 últimas por conta da introdução 100

% PIB
- 3,96 - 3,88 - 3,89 - 3,93
14,50 14,30 5,2

% PIB
6,00
de novos impostos. Na óptica financeira, as receitas fiscais continuam
- 6,00 a ser a categoria de maior representatividade - 5,07
50 50 4,00 1
Estimular o sector14,00
produtivo, em particular a agricultura é fundamental para o combate
1,5 à inflação, sendo queprimário
Saldo os bensNão
do orçamento, embora se preveja um aumento das receitas de financiamento oriundos do exterior, no sentido de 2,00
0 petrolífero
- 8,00 alimentares
0 representam
13,50 42,34% do Índice de Preços no Consumidor
0 Nacional
0,00 (IPCN). Deste modo, foram alocados à
compensar em certa medida a perda das receitas petrolíferas. Saldo Global Saldo primário
- 8,29

jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
jun/18
jul/18
ago/18
set/18
out/18
nov/18
dez/18
jan/19
fev/19
mar/19
abr/19
mai/19

jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
jun/18
jul/18
ago/18
set/18
out/18
nov/18
dez/18
jan/19
fev/19
mar/19
abr/19
mai/19
agricultura, indústria,
13,00
transporte, combustíveis e energia, ramos relevantes
-2,00 para o incentivo à produção interna, 61%
- 10,00 12,70
-4,00
IMAE Petrolífero IMAE não Petrolífero IMAE Agregado do orçamento para o sector económico.
Tabela 2: Fonte de Recursos do Estado 12,50 -6,00
-8,00
12,00 -7,71
Descrição OGE 2019
OGE Rev
t.v.h. % Figura 15: Representatividade no Sector
-10,00 Económico
OGE OGE Rev. 2019
2019 11,50 -12,00 -10,28
OGE 2019 OGE 2019 revisto
OGE 2019 OGE Rev. 2019
Receitas Fiscais 7 423,9 5 986,1 -19,4
Assuntos Económicos Gerais, Comerciais E Laborais 36,61
Impostos 7 032,9 5 563,9 -20,9
Sector Social 20,00 21,69 Combustíveis e Energia 24,36
Petrolíferos 5 319,1 3 567,6 -32,9
Não Petrolíferos 1 713,8 1 996,2
Sector Económico 16,5 40,00 39,49 Transportes 20,75

400,00

Kz mil milhões
Contribuições Sociais 180,9 180,9 0 Agricultura, Silvicultura, Pesca E Caça 10,02
Defesa, Segurança e 18,00
Ordem Pública 19,73
Outras 210,0 241,3 14,9 Indústria Extractiva, Transformadora E
300,00 6,17
Serviços Construção
Receita Patrimonial 1,6 1,6Público Gerais
-2,1
200,00 Comunicações E Tecnologias Da Informação 2

%
Receita de Endividamento 3 929,7 4 413,2 12,3
22,00 19,10 1,83

Interno 1 934,0 1 827,9 -5,5 100,00 Outras Actividades Económicas 0,26 2

Externo 1 995,7 2 585,3 29,5 0,00 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 1
dez-18 jan-19 fev-19 mar-19 abr-19 mai-19
Total 11 355,1 10 400,9 -9,1 %
-100,00
Fonte: MINFIN - OGE 2019 Revisto 1
Fonte: MINFIN – OGE 2019 inicial e OGE 2019 Revisto.
-200,00
1
Necessidades Brutas de
-300,0010,50
%

Financiamento 8,00 Eurobonds (2048) Yield (31 de Maio de 2019)


6,1 1
% PIB

14,50 14,30 5,2


% PIB

6,00
Outros Passivos face a outras IFM
4,00 10,00 1
14,00 Efeito Liquido
1,5 Saldo primário Não
20 2,00 petrolífero 21 IFM
Crédito a outras
0
13,50 0,00 9,50
Saldo Global Saldo primário
-2,00
Assuntos Económicos Gerais, Comerciais E Laborais 36,61
- 4,00 - 3,26

%
- 3,88 100 100
- 4,24 - 3,96 Sector Social - 3,89 - 3,93 20,00 21,69 Combustíveis e Energia 24,36
- 6,00 - 5,07
50 50
Boletim Económico Mensal • Maio 2019
Sector Económico 40,00 39,49 Transportes 20,75

- 8,00 0 0 Agricultura, Silvicultura, Pesca E Caça 10,02


Defesa, Segurança e 18,00
Ordem Pública 19,73
- 8,29 Indústria Extractiva, Transformadora E

jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
jun/18
jul/18
ago/18
set/18
out/18
nov/18
dez/18
jan/19
fev/19
mar/19
abr/19
mai/19

jan/18
fev/18
mar/18
abr/18
mai/18
jun/18
jul/18
ago/18
set/18
out/18
nov/18
dez/18
jan/19
fev/19
mar/19
abr/19
mai/19
Construção 6,17
- 10,00 Serviços Público Gerais
IMAE Petrolífero IMAE não Petrolífero IMAE Agregado Comunicações E Tecnologias Da Informação
22,00 19,10 1,83

Outras Actividades Económicas 0,26

0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00


OGE 2019 OGE 2019 revisto %
Assuntos Económicos Gerais, Comerciais E Laborais 36,61
A consolidação fiscal continua a ser um compromisso do País, uma vez que o OGE revisto indica um excedente primário, Figura 17: Evolução das yields das Eurobonds angolanas (2048)
embora seja ligeiramente
Sector Social inferior comparativamente
20,00
ao OGE 201921,69 inicial. Porém, o saldo primário não petrolífero Combustíveis e Energia 24,36
Necessidades Brutas de 10,50

%
deverá prevalecer deficitário, indicando a relevância que ainda assumem as receitas petrolíferas
Financiamento para a política fiscal.8,00 6,1 Transportes Eurobonds (2048) Yield (31 de Maio de 2019)

% PIB
40,00 39,49 20,75
Sector Económico 14,50 14,30 5,2

% PIB
6,00
Todavia, a melhoria do défice do saldo primário em sede da revisão do orçamento, aponta para uma maior mobilização4,00 Agricultura, Silvicultura, Pesca E Caça 10,02 10,00
Defesa, Segurança e 18,00
14,00 19,73 1,5
de receitas oriundas da actividade não petrolífera, combinada a uma
Ordem Pública contenção do crescimento das despesas. 2,00
Saldo Transformadora
Indústria Extractiva, primário Não E
petrolífero
0 Construção 6,17
Serviços Público Gerais 13,50 0,00 9,50
22,00 19,10 Saldo Global Saldo primário
Comunicações E Tecnologias Da Informação 1,83
-2,00
O desempenho esperado do saldo fiscal global, aliado a uma13,00
melhor perspectiva
12,70 na gestão da dívida pública e dos 9,238
-4,00 Outras Actividades Económicas 0,26 9,00
activos do Estado, reflectiu-se numa previsão menor das necessidades
12,50 brutas de financiamento público em Kwanzas.-6,00
0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00
-8,00
12,00 -7,71 8,50 %
-10,00 OGE OGE Rev. 2019
Figura 16: Saldos Fiscais e Necessidades
11,50 Brutas de Financiamento
OGE 2019 OGE Rev. 2019
-12,00 -10,28
8,00
Necessidades Brutas de 10,50 05/05/2018 05/08/2018 05/11/2018 05/02/2019 05/05/2019

%
Financiamento 8,00 Eurobonds (2048) Yield (31 de Maio de 2019)
6,1
% PIB

14,50 14,30 5,2


% PIB

6,00
10,00 Fonte: Bloomberg
4,00
14,00 1,5 Saldo primário Não
2,00 petrolífero
400,00 0
Kz mil milhões

13,50 0,00 9,50


300,00
-2,00
Saldo Global Saldo primário Note-se que o comportamento ascendente verificado ao longo de Maio quase atingiu a taxa de juro de emissão das
13,00 9,238
12,70
-4,00 Eurobonds de 30 anos (2048), algo que não acontecia desde Janeiro.
200,00 9,00 22,00

%
12,50 -6,00
100,00
-8,00 20,00
12,00 -7,71 8,50
-10,00
0,00 OGE OGE Rev. 2019 18,00
11,50 -12,00 dez-18 jan-19 fev-19 -10,28 mar-19 abr-19 mai-19

Sector Monetário
OGE 2019 OGE Rev. 2019 -100,00 8,00 16,00
-200,00 05/05/2018 05/08/2018 05/11/2018 05/02/2019 05/05/2019
Fonte: MINFIN - OGE 2019 Revisto
14,00
-300,00

Contudo, considerando a contracção do crescimento (nominal) do Produto Interno Bruto no OGE revisto comparativamente
“A subida da
12,00taxa LUIBOR no mês é temporária dada a decisão
Outros Passivos face a outras IFM
400,00
de descida 10,00
da taxa directora na reunião do Comité de Política
Kz mil milhões

ao OGE inicial, prevê-se um aumento das necessidades brutas de financiamento de 12,7% do PIBLiquido
Efeito (OGE inicial) para dez/17 fev/18 abr/18 jun/18 ago/18 out/18 dez/18 fev/19 abr/19
Monetária (CPM) de Maio.”
300,00 Crédito a outras IFM
14,3% do PIB.
200,00 Reservas obrigatórias/Depósitos CRO
22,00

%
100,00 20,00 Em Maio, a base monetária em moeda nacional - variável operacional da política monetária - registou uma contracção
As taxas de0,00
juro
das Eurobonds aumentaram durante o mês de Maio. A variação mensal, nas três maturidades - 2025, 18,00 de 3,43% face ao mês anterior. Esta variação foi influenciada, essencialmente, pelo efeito contraccionista das
dez-18 jan-19 fev-19 mar-19 abr-19 mai-19 5,00

%
2028 e 2048 - situou-se em 0,515 p.p., 0,606 p.p. e 0,552 p.p., respectivamente. A contribuir para este aumento esteve
-100,00
16,00 operações cambiais em Kz 149,35 mil milhões (resultante do montante de divisas vendidas ao mercado, superior ao
Outras Activ.de Serv. Colect., Sociais e Pessoais 0,00
o receio dos investidores após a revisão em baixa do Orçamento Geral do Estado para 2019 e quanto à aprovação da
-200,00 montante comprado por parte do BNA às companhias petrolíferas). Contudo, a contracção registada foi atenuada por
14,00
Actividades Financeiras, Seguros e Fundos de Pensões
disponibilização
-300,00
de 248,15 milhões USD referente à segunda tranche do Programa de Financiamento Ampliado do um lado, pelo efeito -5,00
expansionista das operações fiscais em Kz 88,45 mil milhões, sendo reflexo dos levantamentos
12,00
Fundo Monetário Internacional (FMI). Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura registados na CUT para-10,00o pagamento de resgates de títulos, outras finalidades e atrasados acima dos fluxos de entrada
Outros Passivos face a outras IFM
Efeito Liquido Indústrias Transformadoras 10,00 e, por outro, pelas operações monetárias em Kz 20,54 mil milhões. As operações monetárias do período foram reflexo
dez/17 fev/18 abr/18 jun/18 ago/18 out/18 -15,00dez/18 fev/19 abr/19
Crédito a outras IFM
Construção da contracção do crédito cedido às instituições bancárias (IFM) resultante do retorno das operações de cedência
acompanhado pelo retorno
Reservas obrigatórias/Depósitos -20,00 dasCRO
operações de absorção12. Tal levou à expansão do crédito líquido às outras instituições
Comércio por Grosso e a Retalho
financeiras monetárias-25,00(bancos comerciais) em 31,03%, ou seja, aumentou a intermediação financeira do BNA entre
-0,01 -0,01 0,00 0,01 0,01 0,02
p.p.
bancos comerciais com reservas jan-18 deficitárias
mar-18 e com jul-18
mai-18 reservasset-18
excedentárias.
nov-18 jan-19 mar-19 mai-19

5,00
%

Outras Activ.de Serv. Colect., Sociais e Pessoais 0,00

Actividades Financeiras, Seguros e Fundos de Pensões


-5,00
2,69

3,0
t.v.m. (%)

Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura 2018 2019


-10,00
2,5
Indústrias Transformadoras
-15,00
2,0 12
O retorno das operações de absorção leva a uma redução dos outros passivos face às IFM. No gráfico observa-se os activos com sinal positivo (crédito) e os passivos com sinal negativo.
Construção
1,47

Bens e serviços Vestuário e


1,44

1,41
1,39

1,31
1,27

directos calçado
1,26

1,26

1,25

-20,00
1,22

1,21

1,5
1,14

1,09

1,09

22 23 0,08 0,07
1,04

1,05

Comércio por Grosso e a Retalho Saúde


1,0 -25,00 0,09
-0,01 -0,01 0,00 0,01 0,01 0,02 Habitação,
9,50
Ordem Pública 19,73
Saldo Global Saldo primário

%
4,00 -2,00 10,00
14,00 13,00 12,70 1,5 Serviços Público Gerais 9,238
Saldo primário
-4,00 Não
2,00 petrolífero 9,00 Co
0 22,00 19,10
13,50 12,50 0,00 -6,00 Boletim Económico Mensal • Maio 2019
9,50
Saldo Global Saldo primário
-2,00 -8,00
13,00 12,70 12,00 -7,71 8,50 9,238
-4,00 -10,00 OGE OGE Rev. 2019 9,00
12,50 11,50 -6,00 -12,00 -10,28
OGE 2019 OGE Rev. 2019 8,00
-8,00
12,00 -7,71 8,50 05/05/2018 05/08/2018 05/11/2018 05/02/2019 05/05/2019
-10,00 OGE OGE Rev. 2019
11,50 -12,00 -10,28 Necessidades Brutas de 10

%
OGE 2019 OGE Rev. 2019 8,00 Financiamento 8,00
6,1

% PIB
14,50 14,30 5,2

% PIB
05/05/2018 05/08/2018 05/11/2018 05/02/2019 05/05/2019 6,00
400,00

Kz mil milhões
4,00 10
14,00 1,5 Saldo primário Não
Figura 18: Crédito Líquido do BNA
300,00às instituições bancárias Figura 19: Evolução do coeficiente e do rácio efectivo entre0 reservas e 2,00
depósitos
petrolífero
13,50 0,00 9
400,00 200,00 22,00 Saldo Global Saldo primário

%
Kz mil milhões
-2,00
13,00 12,70
100,00 20,00 -4,00
300,00 9
12,50 -6,00
200,00 0,00 22,00 18,00

%
dez-18 jan-19 fev-19 mar-19 abr-19 mai-19 -8,00
12,00 -7,71 8
100,00 -100,00 -10,00 OGE OGE Rev. 2019
20,00 16,00
11,50 -12,00 -10,28
0,00 -200,00 OGE 2019 OGE Rev. 2019
18,00 14,00 8
dez-18 jan-19 fev-19 mar-19 abr-19 mai-19
-100,00 -300,00
16,00 12,00
-200,00 Outros Passivos face a outras IFM
14,00 10,00
Efeito Liquido
-300,00 Crédito a outras IFM dez/17 fev/18 abr/18 jun/18 ago/18 out/18 dez/18 fev/19 abr/19
400,00

Kz mil milhões
12,00
Outros Passivos face a outras IFM Reservas obrigatórias/Depósitos CRO
10,00 300,00
Efeito Liquido
Crédito a outras IFM dez/17 fev/18 abr/18 ago/18BNAout/18
jun/18 Fonte: dez/18 fev/19 abr/19
200,00 22

%
Fonte: BNA Reservas obrigatórias/Depósitos CRO
100,00 20
5,00

%
No mercado monetário
0,00 interbancário (MMI) foram transaccionados Kz 435,12 mil milhões, o que representou um
Outras Activ.de Serv. Colect., Sociais e Pessoais 18
Relativamente às contrapartes da base monetária em moeda nacional, observou-se uma contracção dos activos 0,00 dez-18 jan-19 fev-19 mar-19 abr-19 mai-19
aumento de 10,46% face ao mês anterior (Kz 393,93 mil milhões). Com efeito, a LUIBOR overnight registou um ligeiro
-100,00
Actividadesdas
Financeiras, Seguros e Fundos de Pensões 16
externos líquidos de 2,11% influenciada, principalmente, pela redução reservas internacionais líquidas em 2,53% 5,00 aumento de 0,01 p.p.-5,00
em relação a Abril, situando-se em 15,74%.

%
-200,00
(sem efeito cambial, contraíramOutras
4,70%). Quanto
Activ.de aos Sociais
Serv. Colect., activos internos líquidos,
e Pessoais Agricultura, estes
Produçãocontraíram
Animal, Caça eem 2,57%, influenciados
Silvicultura 0,00 -10,00
14
-300,00
pela diminuição do créditoActividades
às outras instituições financeiras monetárias
Financeiras, Seguros e Fundos de Pensões em moeda nacional em 8,73%.
Indústrias Transformadoras O stock de crédito a outros sectores residentes (crédito à economia) expandiu em 2,09%, em termos mensais. Os 12
-5,00 -15,00 Outros Passivos
sectores de actividade económica que mais contribuíram paraface a outras
esta IFM
expansão foram: i) Comércio por Grosso e a Retalho;
Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura Construção 10
-10,00 Efeito Liquido
A contracção da base monetária em moeda nacional reflectiu-se na diminuição da circulação monetária em 0,53% e ii) Construção e; iii)-20,00
Indústrias Transformadoras.Crédito
Relativamente
a outras IFM ao stock de crédito a outros sectores residentes em
Indústrias Transformadoras Comércio por Grosso e a Retalho
das reservas livres em moeda nacional em 31,30%, sendo que as reservas obrigatórias em moeda nacional expandiram -15,00 moeda nacional, este registou uma variação mensal positiva de 2,48%.
-25,00
Construção -0,01 livres
-0,01 em 0,00 0,01 0,01 0,02
em 7,15%, devido a um maior cumprimento da exigibilidade. Tal expansão levou à contracção das reservas jan-18 mar-18 mai-18 jul-18 set-18 nov-18 jan-19 mar-19 mai-19
p.p. -20,00
moeda nacional sendo alavancada pelo efeito contraccionista
Comércio das operações cambiais.
por Grosso e a Retalho
-25,00 Figura 20: Sectores que mais contribuíram para a variação do crédito
-0,01 -0,01 0,00 0,01 0,01 0,02 jan-18 mar-18 mai-18 jul-18 set-18 nov-18 jan-19 mar-19 mai-19 5

%
Em termos homólogos, pelo sexto mês consecutivo, a base monetária em moeda nacional registou contracção p.p.
uma
Outras Activ.de Serv. Colect., Sociais e Pessoais 0
(1,61%). No entanto, observamos uma expansão acumulada da base monetária em 2,21%, reflectida no aumento em
2,69

3,0
t.v.m. (%)

2018 2019 Actividades Financeiras, Seguros e Fundos de Pensões


15,67% das reservas obrigatórias que mais que contrabalança a2,5queda das reservas livres em 8,37% e das notas e -5
Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura
moedas em circulação em 9,01%. Tal aumento das reservas obrigatórias, num período em que não ocorreu alterações -10
2,0
2,69

3,0
t.v.m. (%)

nos coeficientes (17%), é resultante do aumento


2018 do cumprimento por parte dos bancos comerciais da respectiva
1,47

Bens e serviços Vestuário e


1,44

2019 Indústrias Transformadoras


1,41
1,39

1,31
1,27

directos calçado
1,26

1,26

1,25

-15
1,22

1,21

1,5
1,14

2,5
1,09

1,09

exigibilidade, como se pode observar pelo rácio entre as reservas obrigatórias e os depósitos em moeda nacional 0,08 0,07
1,04

1,05

Construção Saúde
2,0 coeficiente. 1,0 0,09 -20
incluídos no M2 e o respectivo Habitação,
1,47

Bens
Comércio poreGrosso
serviços Vestuário e
e a Retalho
1,44

1,41
1,39

água, Lazer e cultura


1,31
1,27

directos calçado
1,26

1,26

1,25
1,22

1,21

1,5 0,5 electricidade e 0,04 -25


1,14

1,09

1,09

0,08 0,07
1,04

1,05

Saúde -0,01 0,00 combustiveis


-0,01
0,01 0,01 0,02
1,0 0,0 0,09 0,06 Hotéisp.p. Beb
Habitação, e ida
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez água, Lazer e cultura Mobiliário e restaur s
0,5 Fonte: BNA electricidade e 0,04 ação alc
Alimentação e bebidas não alcoólicas equipamentos Transportes
combustiveis
Nota: Os quatro sectores que mais contribuíram positivamente e os dois
0,09que mais contribuíram negativamente.
0,03 oóli
0,55 0,06 0,04 cas
0,0 Hotéis Beb
e ida 0,0
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez restaur s
Mobiliário e
alc

2,69
3,0 ação

t.v.m. (%)
Alimentação e bebidas equipamentos
não alcoólicas ao comportamento Transportes
Relativamente
0,55 0,09 das taxas2018 de juros,2019
0,04
observou-se
0,03 oóli redução das taxas de juro activas em moeda nacional
cas
2,5
do sector empresarial nas maturidades de até 180 dias e mais de 1 ano, passando de 21,24% para 18,73% (-2,51 p.p.) e
0,0

de 18,93% para 16,38%


2,0 (-2,55 p.p.), respectivamente, enquanto que na maturidade de 181 dias a 1 ano, verificou-se um

1,47

1,44

1,41
1,39

1,31
1,27
aumento, passando 1,5
de 15,52% para 28,36% (aumento de 12,84 p.p.). Por sua vez, as taxas de juro activas em moeda

1,26

1,26

1,25
19,50

1,22

1,21
t.v.h. (%)

1,14

1,09

1,09
1,60

1,04

1,05
t.v.m. (%)

19,00
1,55 1,0
1,50 18,50
1,45 19,50 18,00 0,5
t.v.h. (%)

1,60
t.v.m. (%)

1,40 19,00 17,50


1,55 0,0
1,50 1,35 18,50 17,00 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
1,45 24 1,30 18,00 25
16,50
1,25
1,40 17,50 16,00
100,00 20,00 8,00
Financiamento 6,1

% PIB
14,50 14,30 5,2

% PIB
0,00 6,00
18,00
dez-18 jan-19 fev-19 mar-19 abr-19 mai-19 4,00
-100,00
14,00 Boletim Económico
1,5 Mensal • Maio 2019 Não
Saldo primário
16,00 2,00
0 petrolífero
-200,00 13,50 0,00
14,00 Saldo Global Saldo primário
-2,00
-300,00 13,00 12,70
12,00 -4,00
Outros Passivos face a outras IFM 12,50 -6,00
10,00
Efeito Liquido -8,00
12,00 dez/17 fev/18 abr/18 jun/18 ago/18 out/18 dez/18 fev/19 abr/19 -7,71
Crédito a outras IFM -10,00 OGE OGE Rev. 2019
11,50 Reservas obrigatórias/Depósitos -12,00 CRO -10,28
OGE 2019 OGE Rev. 2019

nacional para particulares registaram diminuição em todas as maturidades, de até 180 dias registaram uma diminuição Figura 21: Evolução da variação da taxa de câmbio USD/Kz
de 22,96% para 21,95% (-1,01 p.p.), de 181 dias a 1 ano, de 31,99% para 27,00% (-4,99 p.p.) e mais de 1 ano passando 5,00

%
de 19,65% para 19,59% (0,06 p.p.). Outras Activ.de Serv. Colect., Sociais e Pessoais 400,00

Kz mil milhões
0,00

Actividades Financeiras, Seguros e Fundos de Pensões 300,00


Quanto às taxas de juro praticadas nas operações passivas em moeda nacional, observou-se diminuições nas -5,00
Agricultura, Produção Animal, Caça e Silvicultura 200,00
maturidades 91 a 180 dias e de 181 dias a 1 ano passando de 10,94% para 8,63% (-2,31 p.p.) e de 16,30% para 7,42% -10,00

(-8,88 p.p.), respectivamente. Por sua vez, verificaram-se aumentos nas maturidades de até 90
Indústrias dias e mais de 1 ano,
Transformadoras 100,00
-15,00
passando de 6,38% para 6,55% (0,17 p.p.) e de 3,60% para 4,23% (0,63 p.p.), respectivamente. Construção 0,00
-20,00 dez-18 jan-19 fev-19 mar-19 abr-19 mai-19
Comércio por Grosso e a Retalho -100,00
O aumento do crédito à economia em moeda nacional e o impacto fiscal expansionista levaram a uma expansão -25,00
-200,00
-0,01 -0,01 0,00 0,01 0,01 0,02 jan-18 mar-18 mai-18 jul-18 set-18 nov-18 jan-19 mar-19 mai-19
monetária no mês de Maio. O agregado monetário M2 em moeda nacional apresentou uma expansão de 1,96% face p.p.
-300,00
ao mês anterior, reflectido numa expansão das três componentes. Os depósitos a prazo apresentaram o maior aumento Fonte: BNA
Outros Passivos face a outras IFM
mensal (3,40%), seguidos dos depósitos à ordem (1,33%) e das notas e moedas em poder do público (0,25%). Efeito Liquido
Crédito a outras IFM

2,69
3,0
t.v.m. (%)

2018 2019

Preços
2,5

Mercado Cambial 2,0


1,47

1,44 Bens e serviços Vestuário e

1,41
1,39

1,31
1,27
directos calçado
1,26

1,26

1,25
1,22

1,21
1,5
1,14

1,09

1,09
0,08 0,07
1,04

1,05
1,0
“A nível nacional,
Outrasa classe
Activ.de “Saúde”
Serv. Colect., Sociais e Pessoais foi Saúde
a
0,09
que mais variou.”
“Em Maio, o Kwanza registou a maior0,5depreciação mensal de Habitação,
água,
Actividades Financeiras, Seguros e Fundos de Pensões Lazer e cultura
electricidade e 0,04
2019.” 0,0 No mês de Maio de 2019, Agricultura,
a taxa de variação
Produção Animal,do
CaçaÍndice
combustiveis
de Preços no Consumidor0,06
e Silvicultura Nacional Hotéis
(IPCN) Beb divulgado pelo
e ida
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Instituto Nacional de Estatística (INE), foi Indústrias
de 1,09%, superior em 0,04
Transformadoras p.p. em relação ao período
Mobiliário e restaur anterior
s (1,05%)
equipamentos ação alc
As reservas brutas internacionais reduziram 3,23% situando-se em USD 15,83 mil milhões, correspondente a 8,68 e inferior em 0,18 p.p. faceAlimentação
à inflação registada
e bebidas
0,55
no mesmo
não alcoólicas mês
Construção
do ano passado
0,09
(1,27%).
Transportes
0,04
Quanto
0,03à taxa
oóli de variação
cas
meses de cobertura das importações. A diminuição das reservas é fruto da redução da Conta Única do Tesouro (CUT) homóloga, esta fixou-se em 17,14%, correspondendo a um decréscimo de 0,21 p.p. e 2,69 p.p. em 0,0 comparação à
Comércio por Grosso e a Retalho
em moeda estrangeira fruto, em grande medida, do pagamento do serviço da dívida externa (amortizações e juros). verificada no mês passado (17,36%) e no período correspondente de 2018 (19,84%).
-0,01 -0,01 0,00 0,01 0,01 0,02
A contribuir para esta redução esteve também a menor arrecadação de impostos diamantíferos, reflexo de um menor p.p.
volume de produção.
Figura 22: Evolução da inflação mensal do IPCN
19,50
t.v.h. (%)

1,60
t.v.m. (%)

No que toca à venda de moeda estrangeira aos bancos comerciais, o BNA vendeu USD 752,23 milhões em Maio,19,00
1,55
uma redução de 10,46% face ao período anterior. Resultante dos1,50leilões efectuados, em termos mensais, o Kwanza18,50

2,69
3,0

t.v.m. (%)
2018 2019
depreciou cerca de 2,23% face ao Dólar norte-americano, a maior1,45depreciação do ano, o que corresponde em termos18,00 2,5
1,40
homólogos a uma depreciação de 27,55%. Simultaneamente, face 1,35
ao Euro, o Kwanza depreciou 1,70% em termos17,50 2,0
17,00

1,47

1,44
mensais e 24,60% em termos homólogos. A taxa de câmbio média1,30de referência no mercado cambial primário apurada,

1,41
1,39

1,31
1,27
1,26

1,26

1,25
1,22

1,21
16,50 1,5

1,14

1,09

1,09
no último dia do mês, foi de USD/Kz 330,454 e EUR/Kz 368,422. 1,25

1,04

1,05
16,00
1,20 1,0
1,15 15,50
1,10 15,00 0,5
jan/18 abr/18 jul/18 out/18 jan/19 abr/19 jan/18 abr/18 jul/18 out/18 jan/19 abr/19
0,0
Jan Fev
!"#$%&'()*%+,("%$
Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Produtos Nacionais Produtos Importados Produtos Nacionais Produtos Importados
IPG IPG
Fonte: INE

A província da Huíla foi a que registou a maior variação do IPC no mês, fixando-se em torno de 1,38%. Contrariamente,
a província de Benguela foi a que observou a menor variação mensal de preços, apresentando uma variação de 0,85%.
19,50

t.v.h. (%)
1,60
t.v.m. (%)

19,00
26 1,55 27
1,50 18,50
1,45 18,00
2,0

1,47

1,44

1,41
1,39

1,31
1,27
1,26

1,26

1,25
1,22

1,21
1,5

1,14

1,09

1,09
1,04

1,05
Boletim Económico Mensal • Maio 2019
1,0

0,5

0,0
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Alim

Realça-se que a província de Luanda apresentou uma inflação mensal de 1,13%, quando no mês anterior e homólogo foi Figura 24: Evolução do IPG
1,06% e 1,20%, respectivamente, situando-se acima da variação mensal do IPC nacional pelo terceiro mês consecutivo,
o que demonstra maior dinamismo dos preços quando comparado ao agregado das outras províncias. 19,50

t.v.h. (%)
1,60

t.v.m. (%)
19,00
1,55
18,50
No mês em análise, a classe 06. “Saúde”, com uma variação de 1,95%, foi a que verificou a maior variação no IPC 1,50
1,45 18,00
Nacional, mas dentro da estrutura do IPC de Luanda foi a classe 09. “Lazer, Recreação e Cultura”, com 1,95%. A classe
1,40 17,50
08. “Comunicações”, com uma variação de 0,14% e 0,17%, foi a que apresentou a menor variação de preços tanto a 1,35 17,00
nível nacional como de Luanda, respectivamente. Em termos de contribuição, a classe 01. “Alimentação e bebidas não 1,30
16,50
1,25
alcoólicas” mantém-se como a classe com maior contribuição. 1,20
16,00

1,15 15,50
1,10 15,00
Figura 23: Contribuição das classes na inflação nacional jan/18 abr/18 jul/18 out/18 jan/19 abr/19 jan/18 abr/18 jul/18 out/18 jan/19 abr/19

Produtos Nacionais Produtos Importados Produtos Nacionais Produtos Importados


IPG IPG

Fonte: INE
Bens e serviços Vestuário e
directos calçado
0,08 0,07
Saúde
0,09
Habitação, A variação do IPG geral no mês em análise deveu-se essencialmente à desaceleração dos preços dos produtos
água, Lazer e cultura
electricidade e 0,04 importados. Assim sendo, entre os produtos importados com maiores contribuições para a variação do IPG destaca-
combustiveis
0,06 Hotéis Bebidas se aqueles que estão associados à indústria de agro-pecuária e silvicultura (gado abatido, carne de ave), seguidos
alcoó-
e licas da indústria de bebidas (cerveja e malta) e de leite e derivados. Por outro lado, os produtos nacionais com maiores
Mobiliário e restaur 0,0
Alimentação e bebidas não alcoólicas equipamentos Transportes ação contribuições foram a “gasosa e outras bebidas”, “fruticultura” e a “cerveja e malta”.
0,55 0,09 0,04 0,03

Fonte: INE
Nota: A soma das contribuições de cada classe corresponde à inflação nacional registada.

A taxa de variação do Índice de Preços Grossista (IPG), no mês de Maio, fixou-se em 1,35%, um ligeiro recuo de
0,04 p.p. em comparação à registada no mês anterior (1,39%) e de 0,07 p.p. face à verificada no período homólogo
(1,42%). Esta evolução foi sustentada principalmente pelo decréscimo da variação dos preços dos produtos importados
que passou de 1,34% para 1,29%. Em sentido contrário, a inflação dos produtos nacionais aumentou ligeiramente,
atingindo os 1,57% sendo que no período anterior havia sido de 1,56%.
Errata

Em termos homólogos, a variação do IPG observada no período em referência foi de 17,09%, uma redução de 0,08 A errata refere-se ao Boletim Económico Mensal de Abril publicado no site institucional do BNA.
p.p. em relação ao mês anterior (17,17%). Contudo, esta variação representa um aumento de 1,36 p.p. face ao mês
equivalente do ano anterior (15,73%). Página Parágrafo/ilustração Linha/número Onde se lê Leia-se
Estados unidos de Estados Unidos de
3 1 3
América América
22 Figura 15 Título Sector Sectores

23 Nota de rodapé 15 1 π_(t+1)^e

28 29
Boletim Económico Mensal • Maio 2019

Activo: Recursos disponíveis.

Agregados monetários: : são medidas quantitativas para a oferta de moeda classificadas de acordo com o seu grau
de liquidez. O agregado M1 inclui as notas e moedas em poder do público e os depósitos transferíveis. O agregado M2
inclui o M1 e outros depósitos. O agregado M3 inclui o M2 mais outros instrumentos financeiros.

Base Monetária: passivo do Banco Central, e é constituída pelas Reservas Bancárias (Livres e Obrigatórias) e pela
Circulação Monetária.

Bilhetes do Tesouro (BT): instrumentos de dívida de curto prazo em moeda nacional com prazos de 91, 182 e 364
dias.

Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA): mercado secundário onde são transaccionados títulos da dívida
públicos entre intermediários financeiros (IF’s). Classificam-se como IF´s as instituições bancárias, as sociedades
correctoras e as sociedades distribuidoras, devidamente licenciados pela Comissão do Mercado de Capitais.

Bolsa de Títulos do Tesouro (MBTT): mercados onde são admitidos unicamente valores mobiliários escriturais que
estejam integrados no sistema centralizado e que cujos requisitos mínimos são regulados por lei e determinados pelo
organismo de supervisão do mercado de valores mobiliários.

Conta Única do Tesouro (CUT): depósito do Tesouro no Banco Central, a partir da qual são registados os movimentos
de receitas e despesas governamentais. A CUT está dividida em CUT ME, onde são registados os movimentos em
moeda estrangeira, e CUT MN, onde são registados os movimentos em moeda nacional.

Glossário Coeficiente de Reservas Obrigatórias: percentagem dos depósitos que os bancos comerciais são obrigados a
depositar no Banco Central sob pena de serem penalizados. O coeficiente de reservas obrigatórias é um instrumento de
gestão da liquidez bancária utilizada pelos Bancos Centrais, tanto em moeda nacional como em moeda estrangeira. No
caso de uma redução do coeficiente, os bancos comerciais têm maior capacidade de utilizar a sua liquidez.

Depreciação (apreciação): variação cambial negativa (positiva) que surge da interacção entre os mercados,
ocorrendo assim em economias com câmbios flexíveis.

Desvalorização (valorização): variação cambial negativa (positiva) que surge da decisão da autoridade monetária,
podendo ser o Governo e/ou o Banco Central.

Eurobonds: títulos de dívida denominados numa moeda diferente da moeda nacional do país. Estes títulos geralmente
possuem um pagamento de cupão fixo, sendo totalmente reembolsadas no vencimento.

Facilidade permanente de cedência de liquidez (overnight): é estabelecida com um spread sobre a taxa básica
e serve para fornecer liquidez diária aos bancos que prefiram recorrer ao BNA em vez do Mercado Interbancário. Estas
são operações reversíveis suportadas por Títulos Públicos em moeda nacional (BT, OT) de qualquer maturidade.

Facilidade permanente de absorção de liquidez (overnight): é estabelecida retirando um spread à taxa básica,
sendo que esta funciona como uma opção que os bancos com liquidez excedentária poderão usar no caso de não

30 31
Boletim Económico Mensal • Maio 2019

quererem emprestar no Mercado Interbancário. Não existe limites para os montantes depositados. Passivo: obrigações para com terceiros.

Indicador mensal da actividade económica (IMAE): ferramenta destinada a medir a evolução da actividade Price taker: um tomador de preço, em português, é um indivíduo ou empresa que aceita os preços vigentes no
económica no curto prazo. Matematicamente é um índice de quantidade de Laspeyres que mede as mudanças na mercado, sem a participação de mercado suficiente para influenciar o preço de mercado por conta própria.
actividade económica, descrevendo o comportamento dos diferentes ramos os sectores da economia. Este indicador é
fabricado pelo BNA. Quantitative Easing: política monetária não convencional, preconizada por diversos Bancos Centrais na sequência
da Crise Financeira de 2008, com o objectivo de revitalizar as respectivas economias. Consiste na aquisição de activos
Indicador de clima económico (ICE): instrumento de avaliação das expectativas dos empresários sobre a evolução financeiros por parte dos Bancos Centrais, não só para aumentar os seus preços como para aumentar o montante de
da economia no curto prazo. Este indicador é resultado da média aritmética simples dos saldos das respostas extremas liquidez (não esterilizada) no Sistema Financeiro.
(SER) das variáveis que compõem os diferentes indicadores de confiança (IC) sectoriais após a sua normalização e
aplicada uma média móvel. Regime cambial: Posição tomada por parte do Banco Central quanto à fixação do valor da moeda nacional face a
moedas estrangeiras. O Banco Central como único criador de moeda nacional pode optar por ter um maior/menor grau
LUIBOR (Luanda Interbank Offered Rate): os bancos que têm excesso de liquidez emprestam aos bancos que não de liberdade na prossecução da sua política monetária através da adopção de diferentes regimes cambiais. Um regime
a têm no mercado interbancário. A taxa LUIBOR é calculada como a taxa média ponderada das operações de cedência fixo retira discricionariedade ao decisor, mas garante estabilidade nominal da economia (se o câmbio não estiver
de liquidez, em moeda nacional, entre bancos, de fundos não garantidos no mercado interbancário, para maturidades sobre/subvalorizado).
desde overnight e por consulta ao mercado para maturidades de 1,3,6,9 a12 meses, excluídas as ofertas “fora de
mercado” (outliers). Acrónimo inglês de taxa interbancária de oferta de fundos do mercado de Luanda. Reservas Brutas ou Activo de Reservas: são aqueles que estão prontamente disponíveis e controlados por
instituições monetárias para atender a balança de pagamentos, necessidades de financiamento, para intervenção nos
Mercado Monetário Interbancário (MMI): sistema através do qual as instituições bancárias transaccionam mercados de câmbio para afetar a taxa de câmbio e para outras finalidades relacionadas (MBP6).
liquidez entre si, mediante operações sem exigência de garantia. Permite às instituições com excesso de liquidez
obter um retorno superior à taxa praticada pelo BNA (facilidade permanente de absorção de liquidez), e permite às Swap cambial: instrumento utilizado na realização de mercado aberto, onde a autoridade monetária compra ou vende
instituições com défice de liquidez obter financiamento a uma taxa inferior à praticada pelo BNA (facilidade permanente à vista um determinado montante de uma moeda contra uma outra estrangeira e, simultaneamente, vende ou compra
de cedência de liquidez), ou de forma não colateralizada. esses montantes na moeda local contra a mesma moeda estrangeira numa operação a prazo.

Mercado de Registo de Operações sobre Valores Imobiliários (MROV): mercado destinado exclusivamente ao Taxa BNA (taxa de referência): taxa básica definida pelo Banco Nacional de Angola, no seu Comité de Política
registo de operações previamente realizadas, mas não liquidadas, de quaisquer tipos de valores mobiliários, que não que sinaliza a orientação da política monetária. Uma subida da taxa BNA indica um curso mais restritivo da política
estejam admitidos à negociação no mercado de bolsa. monetária, em que, por exemplo, o BNA prevê um cenário de aumento geral dos preços, no curto prazo.

Obrigações do Tesouro (OT): instrumentos de dívida de médio e longo prazo em moeda nacional com prazos Taxas de juro activa: são as taxas de juro que os bancos cobram aos clientes pela cedência de um empréstimo.
superiores a 364 dias, cujo objectivo é a obtenção de recursos para satisfação das necessidades de financiamento e
investimento do Estado. Estas podem ser: OT não reajustáveis; OT indexadas à taxa de câmbio; OT em moeda externa. Taxas de juro passiva: são as taxas de juro a que os bancos remuneram os clientes pelos seus depósitos.
Prazos entre 2 a 7 anos.
Unidades de Participação (UP): títulos cujo valor nominal varia em representação das propriedades sobre parte
Operação de mercado aberto (OMA): operações tomadas por iniciativa do BNA, com o objectivo de gerir do património de um Fundo de Investimento. O único fundo operacional actualmente é o Fundo BFA Oportunidades do
a liquidez existente no sistema bancário envolvendo a compra/venda de títulos do tesouro para levar à cedência/ Banco de Fomento Angola (BFA).
absorção de liquidez. Podem ser divididas em três categorias: Operações de refinanciamento; Operações Ocasionais
de regularização; Operações Estruturais. World Trade Outlook Indicator: Segunda a nota metodológica da OMC, este indicador é projectado para fornecer
informações em “tempo real” sobre a trajectória do comércio mundial em relação às tendências recentes, sendo
Overnight: operação cujo prazo se estende de um dia útil ao seguinte. o seu objectivo a medição do crescimento do comércio global. Como tal, complementa as estatísticas e previsões
do comércio da OMC e de outras organizações. As leituras de 100 indicam que o crescimento está em linha com as
O paradoxo de Condorcet (ou paradoxo do voto): Este paradoxo afirma que um grupo não tem necessariamente tendências de médio prazo, leituras acima de 100 sugerem um crescimento acima da tendência, enquanto as abaixo de
preferências racionais, mesmo que cada um dos seus membros o tenha. Ou seja, indivíduos racionais podem tomar 100 indicam um crescimento abaixo da tendência.
decisões irracionais em grupo.

32 33
Boletim Económico Mensal • Maio 2019

dez/15 dez/16 dez/17 mai/18 dez/18 mar/19 abr/19 mai/19

Taxa de Câmbio USD/EUR 0,920 0,951 0,833 0,857 0,880 0,885 0,890 0,895

Preço do Petroleo (USD/barril)

Preço do Brent 37,33 54,89 64,08 77,01 57,67 67,03 71,57 71,57

Preço do WTI 38,90 52,11 57,94 69,98 48,98 58,17 63,80 61,22

Preço das Ramas Angolanas 35,63 52,68 65,11 76,10 56,33 66,56 71,90 70,75

Preço do Ouro (USD/onça) 1 075,74 1 157,36 1 309,30 1 303,45 1 250,40 1 300,90 1 285,91 1 283,70

Índice da FAO 153,37 171,93 169,10 175,82 161,71 167,70 170,30 172,40

(mb/d) 2016 2017 mai/18 2018E mar/19 abr/19 mai/19

Produção de Petróleo dos países


membros da OPEP 32,64 32,01 32,15 31,86 30,03 30,11 29,88

Argélia 1,09 1,05 1,04 1,04 1,02 1,02 1,029

Anexos
Angola 1,73 1,63 1,52 1,51 1,45 1,40 1,47

Congo 0,25 0,32 0,34 0,34 0,32

Equador 0,55 0,53 0,13 0,52 0,53 0,53 0,53

Guiné Equatorial 0,16 0,13 0,52 0,13 0,12 0,11 0,11

Gabão 0,22 0,20 0,19 0,19 0,21 0,19 0,21

Irão 3,52 3,81 3,82 3,55 2,72 2,60 2,37

Iraque 4,39 4,45 4,46 4,55 4,52 4,63 4,72

Kuwait 2,85 2,71 2,70 2,75 2,71 2,70 2,71

Líbia 0,39 0,81 0,96 0,95 1,11 1,18 1,17

Nigéria 1,56 1,66 1,63 1,72 1,73 1,83 1,73

Arábia Saudita 10,41 9,95 10,02 10,31 9,79 9,77 9,69

UAE 2,98 2,92 2,86 2,99 3,06 3,06 3,06

Venezuela 2,15 1,91 1,39 1,35 0,74 0,78 0,74

2016 2017 2018E T1 2019 T2 2019 T3 2019 T4 2019 2019P

Produção de petróleo dos países não 54,82 59,45 62,37 63,70 63,49 64,54 66,28 64,51
membros da OPEP

Total OCDE 24,89 25,69 28,23 29,20 29,08 30,09 31,23 29,91

dos quais: América 20,61 21,48 23,99 24,95 24,96 25,91 26,76 25,65

dos quais: US 13,63 14,40 16,66 17,77 18,11 18,64 19,45 18,50

dos quais: Europa 3,85 3,82 3,83 3,82 3,66 3,71 3,96 3,79

dos quais: Ásia e Pacifico 0,42 0,39 0,41 0,43 0,46 0,48 0,51 0,47

Total Economias em Desenvolvimento 11,85 13,39 13,47 13,45 13,68 13,81 13,98 13,73

Restante Ásia 3,71 3,62 3,55 3,53 3,44 3,46 3,46 3,47

América Latina 5,07 5,15 5,19 5,18 5,44 5,54 5,67 5,46

Médio Oriente 1,28 3,13 3,21 3,21 3,24 3,22 3,22 3,22

África 1,79 1,48 1,51 1,54 1,56 1,59 1,62 1,58

Total "Outras regiões" 18,08 18,16 18,42 18,78 18,41 18,26 18,69 18,59

FSU 13,86 14,05 14,29 14,55 14,21 14,19 14,58 14,38

dos quais: Russia 11,08 11,17 11,35 11,53 11,38 11,61 11,61 11,53

China 4,09 3,98 4,02 4,10 4,12 4,05 4,10 4,09

Restante Europa (não OCDE) 0,13 0,13 0,12 0,12 0,12 0,12 0,12 0,12

Procura de petróleo 98,73 97,32 98,73 98,76 99,24 100,61 100,84 99,87

Total OCDE 47,81 47,45 47,84 47,66 47,44 48,43 48,36 47,98

dos quais: América 24,70 25,06 25,53 25,29 25,65 26,07 26,01 25,76

dos quais: US 20,00 20,27 20,73 20,69 20,86 21,21 21,03 20,95

dos quais: Europa 14,00 14,33 14,32 13,97 14,19 14,69 14,31 14,29

dos quais: Ásia e Pacifico 8,10 8,06 7,99 8,40 7,60 7,67 8,04 7,93

Total Economias em Desenvolvimento 31,40 32,13 32,62 32,98 33,16 33,43 33,10 33,18

Restante Ásia 12,85 13,24 13,64 13,91 14,21 13,72 14,22 14,01

América Latina 6,47 6,51 6,53 6,36 6,51 6,85 6,50 6,56

Médio Oriente 7,97 8,20 8,12 8,25 8,01 8,47 7,88 8,15

África 4,10 4,20 4,33 4,45 4,42 4,36 4,50 4,43

Total "Outras regiões" 17,13 17,74 18,27 18,13 18,64 18,78 19,38 18,74

Rússia 4,60 4,70 4,82 4,75 4,74 5,03 5,11 4,91

China 11,80 12,32 12,71 12,63 13,19 13,19 13,43 13,06

Restante Europa (não OCDE) 0,70 0,72 0,74 0,75 0,71 0,75 0,84 0,76

Fonte: OPEP Oil Market Report, Junho de 2019


34 35
Boletim Económico Mensal • Maio 2019

Síntese do Balanço do BNA dez/15 dez/16 dez/17 mai/18 dez/18 mar/19 abr/19 mai/19

Activos Externos líquidos 3 361,0 3 526,6 2 416,4 3 583,8 3 526,6 3 469,3 3 662,6 3 585,2

Reservas internacionais líquidas 3 283,5 3 451,9 2 254,5 3 446,7 3 285,5 3 273,8 3 489,5 3 401,1

2015 2016 2017 1T2018 2T2018 3T2018 4T2018 2018 Outros Activos externos líquidos 77,5 74,8 162,0 137,1 241,1 195,4 173,1 184,2

Sector Real
Activos Internos Líquidos -1 685,7 -1 942,5 -729,8 -1 919,1 -1 730,1 -1 496,4 -1 573,5 -1 613,9
Taxas de Crescimento do PIB
0,94 -2,58 -0,10 -2,20 -4,50 -1,60 2,20 -1,70 Crédito Interno líquido -909,9 -733,2 263,2 -275,6 -467,4 -5,8 -31,1 26,1
real (%)

Agro-Pecuária e Silvicultura 7,95 1,77 1,40 -2,00 -2,50 -2,30 -1,00 -2,00 Crédito à administração central (líquido) -1 137,8 -1 147,6 -178,6 -667,0 -828,1 -322,5 -377,3 -294,7

Pesca 14,20 7,45 -1,10 -12,80 -10,00 -18,90 -24,60 -17,10 Crédito à administração central 244,0 530,6 851,4 1 146,6 692,5 812,1 809,2 819,2

Extracção e Refino de Petróleo 11,05 -2,74 -5,30 -7,00 -8,40 -10,60 -9,60 -9,50 Responsabilidades face à administração central 1 381,8 1 678,2 1 030,0 1 813,6 1 520,6 1 134,6 1 186,5 1 113,8

Extracção de Diamantes, Minerais Crédito às OIFM 223,0 406,2 385,2 335,1 312,1 271,6 301,1 275,7
Metálicos e de Outros Minerais não 6,55 0,03 -0,80 -6,80 -6,10 -16,50 1,50 -6,30
Metálicos Crédito a Outros sectores residentes 4,8 8,1 56,5 56,3 48,6 45,1 45,1 45,0

Produtos da Indústria Transformadora 12,02 11,64 1,20 -0,30 -8,00 6,20 1,20 -0,10 Outros Activos líquidos -775,7 -1 209,3 -993,0 -1 643,5 -1 262,6 1 490,6 1 542,4 1 640,0

Electricidade e Água 10,59 8,75 -1,70 21,70 37,00 15,40 17,20 22,30
Base Monetária restrita 1 631,3 1 515,0 1 620,2 1 586,1 1 708,6 1 715,1 1 852,4 1 777,9
Construção -2,18 2,55 2,50 -5,30 -1,10 0,70 5,70 0,40
BM Restrita em MN 1 499,6 1 342,0 1 453,4 1 348,1 1 297,7 1 328,0 1 373,5 1 326,3
Comércio -3,33 -5,27 1,50 -9,80 -10,60 0,30 26,50 -1,60
Notas e moedas em circulação 519,6 506,0 527,7 451,7 498,4 455,9 455,9 453,5
Transportes e Armazenagem 7,96 3,63 2,64 1,00 0,70 -5,90 -2,30 -1,80
Reserva bancária 1 111,7 1 009,0 1 092,5 1 134,4 1 210,2 1 259,3 1 396,5 1 324,4
Correios e Telecomunicações -0,25 -5,05 0,86 7,50 -5,30 -3,50 9,30 1,80
Depósitos obrigatórios 727,8 579,0 891,5 915,5 841,0 843,0 959,1 976,5
Intermediação Financeira e de Seguros 17,10 1,91 -10,70 6,40 2,30 16,80 27,80 11,70
RO em MN 608,1 490,3 769,9 756,4 584,1 601,7 630,6 675,7
Administração Pública, Defesa e
-3,60 -16,46 0,30 6,80 -4,20 3,60 -1,60 1,20 Em moeda estrangeira 119,6 88,7 121,6 159,1 256,9 241,3 328,5 300,8
Segurança Social Obrigatória

Serviços Imobiliários e Aluguer 0,44 3,00 3,00 2,80 3,00 3,00 3,10 3,00 Depósitos livres 383,9 429,9 201,0 218,8 369,2 416,2 437,4 347,9

Outros Serviços -18,15 1,86 4,80 1,70 -6,80 -3,60 8,30 -2,00 RL em MN 371,8 345,6 155,7 139,9 215,1 270,4 286,9 197,1

Fonte: Instituto Nacional de Estatística - INE Em moeda estrangeira 12,1 84,3 45,3 78,9 154,0 145,8 150,5 150,8

Outros obrigações face às OIFM 44,1 69,2 66,4 78,7 87,9 257,7 236,7 193,5

dez/15 dez/16 dez/17 mai/18 dez/18 mar/19 abr/19 mai/19


Síntese Monetária dez/15 dez/16 dez/17 mai/18 dez/18 mar/19 abr/19 mai/19
Sector Externo
Activos Externos Líquidos 3 570,4 3 851,9 2 686,6 4 048,0 4 401,1 4 181,0 4 411,8 4 267,9
Conta de Bens 673,59 1 672,82 2 222,24 2 765,58 1 690,67 2 262,00 1 931,48 1 766,63
BNA 3 361,0 3 526,6 2 416,4 3 583,8 3 526,6 3 469,3 3 662,6 3 585,2
Exportações 1 914,33 2 853,56 3 453,25 3 943,10 2 750,47 3 170,54 2 855,13 2 868,02
Reservas Internacionais Líquidas 3 283,5 3 451,9 2 254,5 3 446,7 3 285,5 3 273,8 3 489,5 3 401,1
Petróleo 1 831,97 2 641,39 3 009,72 3 483,53 2 404,19 2 820,96 2 663,36 2 644,77
Bancos Comerciais 209,4 325,3 270,2 464,1 874,5 711,8 749,1 682,7
Diamante 33,49 60,41 160,37 141,19 141,47 154,19 84,55 49,68

Gás Associado n.d. n.d. 216,74 256,39 155,77 143,16 96,28 163,37 Activo interno líquido 2 141,5 2 676,9 3 835,1 3 242,3 3 709,8 3 810,5 3 545,4 3 802,0

Refinados n.d. n.d. 42,68 47,20 1,89 42,96 - - Crédito Interno líquido 3 821,2 4 487,6 5 988,7 6 259,9 6 567,2 6 879,5 6 710,7 6 955,9

Café n.d. n.d. 0,02 0,06 0,03 0,21 0,06 0,00 Crédito à Administração Central (líquido) 351,8 1 102,6 2 588,0 2 484,1 2 738,6 3 056,2 2 811,8 2 975,5

Outras 48,87 151,75 23,71 14,72 47,12 9,06 10,87 10,20 Crédito à administração central 2 582,2 3 754,9 4 567,8 5 351,8 5 488,2 5 753,3 5 681,0 5 779,4

Importações 1 240,74 1 180,74 1 231,02 1 177,51 1 059,80 908,55 923,64 1 101,39 Depósitos da administração central 2 230,4 2 652,3 1 979,9 2 867,7 2 749,7 2 697,1 2 869,2 2 803,8

Combustíveis 157,83 94,02 205,93 216,82 200,57 147,82 106,46 190,45 Crédito a Outros sectores residentes 3 469,4 3 385,0 3 400,8 3 775,7 3 828,6 3 823,3 3 898,9 3 980,4

Alimentos 276,78 291,05 269,67 263,33 227,13 182,16 226,31 252,89 Outros activos líquidos -1 679,7 -1 810,7 -2 153,6 -3 017,5 -2 857,3 -3 068,9 -3 165,3 -3 153,9

Outras 806,13 795,67 755,42 697,36 632,10 578,57 590,87 658,05


M3 5 711,9 6 528,9 6 521,7 7 290,3 8 110,9 7 991,6 7 957,2 8 069,9

M2 5 703,7 6 525,1 6 517,7 7 285,4 8 101,5 7 984,9 7 950,7 8 063,4


Mercado Cambial (USD milhões) M2 MN 3 902,7 4 542,1 4 521,1 4 499,7 4 497,1 4 311,3 4 323,5 4 408,3

Taxa de câmbio oficial (USD/AOA) 135,315 165,903 165,924 239,408 308,607 318,121 323,096 330,454 M1 3 419,8 3 854,1 3 732,2 3 847,4 4 098,1 4 275,8 4 185,2 4 249,2

Taxa de câmbio informal (USD/AOA) 264,583 474,167 415,833 399,167 395,833 428,333 435,882 447,794 Notas e Moedas em poder do público 380,7 395,7 418,7 349,5 371,1 353,8 349,3 350,2

Taxa de câmbio oficial (EUR/AOA) - 185,379 185,400 277,798 353,015 356,788 362,158 368,420 Depósitos transferíveis - MN 2 263,8 2 575,3 2 406,4 2 402,8 2 421,6 2 486,9 2 476,4 2 509,4

Taxa de câmbio informal (EUR/AOA) - 487,500 452,384 471,563 474,265 490,290 Depósitos transferíveis - ME 775,4 883,0 907,0 1 095,2 1 305,4 1 435,0 1 359,5 1 389,6

Venda de divisas aos bancos Quase-Moeda 2 283,9 2 671,0 2 785,5 3 438,0 4 003,4 3 709,2 3 765,5 3 814,2
1 176,03 1 486,36 689,67 1 804,12 1 350,91 717,92 840,10 752,23
comerciais
Outros depósitos - MN 1 258,3 1 571,0 1 695,9 1 747,5 1 704,4 1 470,6 1 497,8 1 548,7
RIB (meses de importações) 7,70 11,39 7,67 7,90 7,50 8,67 8,95 8,68
Outros Depósitos - ME 1 025,7 1 100,0 1 089,6 1 690,5 2 299,0 2 238,6 2 267,7 2 265,5
RIB 24 419,49 24 352,54 18 227,75 18 993,92 16 170,24 15 822,70 16 333,39 15 830,67
Outros Instrumentos Financeiros 8,2 3,8 4,0 4,9 9,4 6,7 6,5 6,6
BNA 13 653,99 13 972,89 11 998,22 10 930,33 10 604,02 11 487,34 11 633,41 11 806,55

CUT ME 9 881,50 9 336,81 5 094,50 7 389,27 4 234,66 3 118,41 3 217,57 2 657,72 M2 MN 3 902,7 4 542,1 4 521,1 4 499,7 4 497,1 4 311,3 4 323,5 4 408,3

RIL 24 265,76 20 806,58 13 587,42 14 396,83 10 646,08 10 291,00 10 800,00 10 292,00 BM em MN 1 499,6 1 342,0 1 453,4 1 348,1 1 297,7 1 328,0 1 373,5 1 326,3

Preços Multiplicador Monetário 2,60 3,38 3,11 3,34 3,47 3,25 3,15 3,32

Inflação Mensal 1,60% 2,17% 1,13% 1,20% 1,51% 1,18% 1,06% 1,13%
Depósitos 6 094,3 7 075,8 7 179,4 8 315,6 9 419,3 9 662,3 9 755,4 9 857,0
Inflação Homóloga 14,27% 41,95% 26,26% 20,65% 18,21% 17,55% 17,43% 17,35%
Depósitos à ordem 3 408,6 3 817,6 3 677,7 3 888,2 4 332,2 4 604,3 4 684,9 4 704,6
Inflação Acumulada 14,27% 41,95% 26,26% 6,41% 18,21% 3,37% 4,46% 5,64%
Depósitos a prazo 2 685,7 3 258,2 3 501,7 4 427,4 5 087,1 5 058,0 5 070,5 5 152,5
Índice de preços do grossista (IPG) 0,88% 1,25% 1,20% 1,42% 1,30% 1,35% 1,39% 1,35%
Depósitos em moeda externa 1 909,1 2 144,3 2 291,8 3 318,6 4 397,9 4 473,2 4 536,2 4 512,2
IPG Nacional (t.v.m.) 0,00% 29,85% 15,47% 6,73% 16,86% 4,07% 5,52% 6,94%
Depósitos em moeda nacional 4 185,2 4 931,5 4 887,5 4 997,0 5 021,4 5 189,2 5 219,2 5 344,9
IPG Importado (t.v.m.) 0,80% 1,30% 1,25% 1,40% 1,39% 1,52% 1,56% 1,57%

Créditos 4 096,4 4 257,1 4 033,5 4 569,0 4 797,7 4 958,2 5 008,0 5 065,3

Crédito em moeda externa 1 436,8 1 273,6 932,4 1 233,3 1 543,1 1 631,6 1 618,9 1 633,2

Crédito em moeda nacional 2 659,6 2 983,4 3 101,1 3 335,8 3 254,5 3 326,7 3 389,1 3 432,1

36 37
Taxas de juro nominal do sistema bancário (Médias
dez/15 dez/16 dez/17 mai/18 dez/18 mar/19 abr/19 mai/19
ponderadas)

Activas

Crédito ao sector empresarial

Até 180 dias MN 15,41% 14,93% 18,63% 20,83% 19,83% 21,20% 21,24% 18,73%

Até 180 dias ME 10,00% 25,00% n.d. n.d. 24,00% n.d. 12,00% n.d.

De 181 dias a 1 ano MN 15,23% 15,26% 15,76% 22,88% 20,82% 20,67% 15,52% 28,36%

De 181 dias a 1 ano ME 12,97% 8,50% n.d. n.d. 0,00% n.d. n.d. n.d.

Mais de 1 ano MN 14,84% 13,11% 13,73% 24,10% 19,96% 17,95% 18,93% 16,38%

Mais de 1 ano ME 9,76% 9,00% 9,00% 12,33% 9,14% 9,00% 12,85% 7,75%

Crédito a particulares

Até 180 dias MN 16,46% 20,18% 24,23% 22,11% 27,28% 24,12% 22,96% 21,95%

Até 180 dias ME 12,07% n.d. n.d. n.d. 22,30% n.d. n.d. n.d.

De 181 dias a 1 ano MN 14,64% 15,25% 16,32% 20,76% 20,51% 34,88% 31,99% 27,00%

De 181 dias a 1 ano ME 2,65% n.d. 14,00% n.d. 14,00% n.d. n.d. n.d.

Mais de 1 ano MN 11,79% 12,90% 13,68% 21,58% 21,38% 20,30% 19,65% 19,59%

Mais de 1 ano ME 6,08% 7,90% 5,08% 8,60% 6,92% 10,00% 3,25% 3,25%

Passivas

Dep.prazo até 90 dias MN 5,02% 6,62% 7,29% 7,48% 6,82% 6,82% 6,38% 6,55%

Dep.prazo até 90 dias ME 2,26% 1,47% 1,81% 1,73% 1,90% 1,38% 1,81% 1,41%

Dep.prazo 91 a 180 dias MN 5,24% 5,22% 7,06% 9,07% 10,37% 10,44% 10,94% 8,63%

Dep.prazo 91 a 180 dias ME 2,45% 1,52% 2,35% 2,13% 2,24% 1,95% 2,33% 1,98%

Dep.prazo de 181 dias - 1 ano MN 3,88% 3,90% 4,28% 9,40% 8,23% 11,92% 16,30% 7,42%

Dep.prazo de 181 dias - 1 ano ME 3,12% 3,10% 2,51% 2,32% 2,26% 1,71% 1,68% 1,98%

Dep.prazo mais de 1 ano MN 4,57% 4,92% 9,75% 3,14% 4,50% 6,28% 3,60% 4,23%

Dep.prazo mais de 1 ano ME 4,61% 4,84% 4,95% 0,43% 0,97% 1,99% 1,00% 1,38%

Taxas de juro de referência

Taxa BNA 11,00% 16,00% 18,00% 18,00% 16,50% 15,75% 15,75% 15,75%

F.A.L 7 dias 1,75% 7,25% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00%

F.A.O 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00%

F.C.O 13,00% 20,00% 20,00% 18,00% 16,50% 15,75% 15,75% 15,50%

Taxa de Redesconto 15,00% 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% 20,00% 20,00%

Luibor 11,31% 23,35% 17,77% 20,55% 16,75% 15,76% 15,73% 15,74%

Coeficiente de Reservas Obrigatórias em MN 25,00% 30,00% 21,00% 19,00% 17,00% 17,00% 17,00% 17,00%

Av. 4 de Fevereiro, nº 151 - Luanda, Angola


Caixa Postal 1243
Tel: (+244) 222 679 200 - Fax: (+244) 222 339 125
www.bna.ao

38

Você também pode gostar