Você está na página 1de 50

 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

EM VIGOR
 

Área de Educação e 543 . Materiais (Indústrias da Madeira, Cortiça, Papel,


Formação Plástico, Vidro e Outros)
 

Código e Designação 543124 - Marceneiro/a


do Referencial de
Formação Nível de Qualificação do QNQ: 2
 

Modalidades de Educação e Formação de Adultos


Educação e Formação Formação Modular

Publicação e Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo 


Nacional de Qualificações.
actualizações

Observações

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 1 /  50


   

1. Perfil de Saída

Descrição Geral

Executar, montar e reparar mobiliário e outros artigos em madeira, utilizando máquinas e ferramentas manuais e mecânicas.

Actividades Principais
l Preparar e organizar o trabalho a fim de executar, montar e reparar mobiliário e outros artigos em madeira.
l Executar peças em madeira utilizando máquinas automáticas ou semi-automáticas adequadas.
l Executar peças em madeira utilizando ferramentas manuais ou mecânicas.
l Montar as diferentes peças constituintes do produto final.
l Executar trabalhos simples de talha e embutidos.
l Reparar mobiliário e outros artigos em madeira, consertando e reconstituindo peças danificadas e substituindo ferragens e 
outros acessórios.
l Proceder à limpeza e conservação das máquinas, efectuando, nomeadamente lubrificações de rotina e substituição de 
acessórios.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 2 /  50


   

2. Organização do Referencial de Formação

Educação e Formação de Adultos (EFA)


 

Formação de Base
 

Áreas de 
Código UFCD Horas
Competências-Chave
 

CE_B1_A Organização política dos estados democráticos 25
 

CE_B1_B Organização económica dos estados democráticos 25
 

CE_B1_C Educação/formação, profissão e trabalho/emprego 25
 

CE_B1_D Ambiente e saúde 25
 

CE_B2_A Organização política dos estados democráticos 25
 

CE_B2_B Organização económica dos estados democráticos 25
Cidadania e  

Empregabilidade CE_B2_C Educação/formação, profissão e trabalho/emprego 25


 

CE_B2_D Ambiente e saúde 25
 

CE_B3_A Organização política dos estados democráticos 50
 

CE_B3_B Organização económica dos estados democráticos 50
 

CE_B3_C Educação/formação, profissão e trabalho/emprego 50
 

CE_B3_D Ambiente e saúde 50
 

 
LC_B1_A Interpretar e produzir enunciados orais de carácter lúdico e informativo-funcional 25
 

LC_B1_B Interpretar textos simples, de interesse para a vida quotidiana 25


 

LC_B1_C Produzir textos com finalidades informativo-funcionais 25


 

Interpretar e produzir as principais linguagens não verbais utilizadas no 
LC_B1_D 25
quotidiano
 

LC_B2_A Interpretar e produzir enunciados orais adequados a diferentes contextos 25


 

LC_B2_B Interpretar textos de carácter informativo e reflexivo 25
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 3 /  50


   

LC_B2_C Produzir textos de acordo com técnicas e finalidades específicas 25
 

LC_B2_D Interpretar e produzir linguagem não verbal adequada a finalidades variadas 25
 

LC_B2_LE_A Compreender e usar expressões familiares e/ou quotidianas 25
 

Linguagem e Compreender frases isoladas e expressões frequentes relacionadas com áreas 
Comunicação de prioridade imediata; Comunicar em tarefas simples e em rotinas que exigem
LC_B2_LE_B 25
apenas uma troca de informações simples e directa sobre assuntos que lhe são 
familiares
 

Interpretar e produzir enunciados orais adequados a diferentes contextos,


LC_B3_A 50
fundamentando opiniões
 

LC_B3_B Interpretar textos de carácter informativo-reflexivo, argumentativo e literário 50
 

LC_B3_C Produzir textos informativos, reflexivos e persuasivos 50


 

Interpretar e produzir linguagem não verbal adequada a contextos diversificados, 
LC_B3_D 50
de carácter restrito ou universal
 

Compreender, quando a linguagem é clara e estandardizada, assuntos 
LC_B3_LE_A familiares e de seu interesse; Produzir um discurso simples e coerente sobre 50
assuntos familiares e de seu interesse
 

Compreender as ideias principais de textos relativamente complexos sobre


LC_B3_LE_B assuntos concretos; Comunicar experiências e expor brevemente razões e  50
justificações para uma opinião ou um projecto
 

 
MV_B1_A Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação utilizando processos e  25
procedimentos matemáticos
 

MV_B1_B Usar a matemática para analisar e resolver problemas e situações  25
problemáticas
 

MV_B1_C Compreender e usar conexões matemáticas em contextos de vida 25
 

MV_B1_D Raciocinar matematicamente de forma indutiva e de forma dedutiva 25


 

MV_B2_A Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação usando processos e  25
procedimentos matemáticos
 

MV_B2_B Usar a matemática para analisar e resolver problemas e situações  25
Matemática para problemáticas
a Vida
 

MV_B2_C Compreender e usar conexões matemáticas em contextos de vida 25
 

MV_B2_D Raciocinar matematicamente de forma indutiva e de forma dedutiva 25


 

MV_B3_A Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação utilizando processos e  50
procedimentos matemáticos
 

MV_B3_B Usar a matemática para analisar e resolver problemas e situações  50
problemáticas
 

MV_B3_C Compreender e usar conexões matemáticas em contextos de vida 50
 

MV_B3_D Raciocinar matematicamente de forma indutiva e de forma dedutiva 50


 

 
TIC_B1_A Operar, em segurança, equipamento tecnológico diverso, usado no quotidiano 25
 

TIC_B1_B Realizar operações básicas no computador 25
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 4 /  50


   

TIC_B1_C Utilizar as funções básicas de um programa de processamento de texto 25
 

TIC_B2_A Operar, em segurança, equipamento tecnológico diverso 25
 

TIC_B2_B Realizar, em segurança, operações várias no computador 25
 

Tecnologias de TIC_B2_C Utilizar um programa de processamento de texto 25


Informação e 
 

Comunicação TIC_B2_D Usar a Internet para obter e transmitir informação 25


 

TIC_B3_A Operar, em segurança, equipamento tecnológico, designadamente o  50
computador
 

TIC_B3_B Utilizar uma aplicação de folhas de cálculo 50
 

TIC_B3_C Utilizar um programa de processamento de texto e de apresentação de  50
informação
 

TIC_B3_D Usar a Internet para obter, transmitir e publicar informação 50
 

Área de Carácter Transversal
APRENDER COM AUTONOMIA
40 h

Formação Tecnológica
 

Código1   UFCD pré-definidas Horas


 

2331 1 Marcações, medições e traçagens de peças de madeira 25
 

2332 2 Desenho técnico - construções em madeira 50


 

0349 3 Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho - conceitos básicos 25


 

2334 4 Operações com ferramentas manuais - iniciação 50


 

2335 5 Matérias e materiais - madeiras 25


 

2336 6 Operações com ferramentas manuais - desenvolvimento 50


 

2337 7 Técnicas de manutenção e afiação de ferramentas manuais 25
 

2338 8 Máquinas-ferramenta - iniciação 25


 

2339 9 Qualidade - indústria da madeira 25


 

2340 10 Técnicas de samblar 25
 

2349 11 Desenho técnico - planteamento 25


 

2341 12 Samblagem por furo e respiga 25


 

2343 13 Samblagem por malhete 25


 

2358 14 Aplicação de lamelas em peças curvas 25
 

2346 15 Máquinas-ferramenta - desenvolvimento 50


 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 5 /  50


   

2359 16 Comando numérico computorizado (CNC) 50
 

2360 17 Mobiliário de estilo de época 25
 

2361 18 Planteamento marcação e traçagem de móveis de estilo 50
 

2362 19 Montagem de estruturas de móveis de estilo 50
 

2363 20 Construção de componentes com perfis curvos 50
 

2364 21 Preparação e aplicação de folheados 25
 

2365 22 Planteamento, traçagem e execução de mobiliário - papeleira 50


 

2366 23 Planteamento, traçagem e execução de mobiliário - vitrina de papeleira 50


 

2367 24 Técnicas de marchetaria  50
 

2368 25 Montagem e reparação de mobiliário 25
 

Total: 900
 

1
Os códigos assinalados a laranja correspondem a UFCD comuns a dois ou mais referenciais, ou seja, transferíveis entre referenciais de 
formação.
2
 À carga horária da formação tecnológica podem ser acrescidas 120 horas de formação prática em contexto de trabalho, sendo esta de
carácter obrigatório para o adulto que não exerça actividade correspondente à saída profissional do curso frequentado ou uma actividade
profissional numa área afim.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 6 /  50


   

3. Desenvolvimento da Formação

3.1. Formação de Base - Unidades de Competência

Carga horária
CE_B1_A Organização política dos estados democráticos 25 horas
 

l Participar activamente num grupo.


l Conhecer os valores e as regras de um grupo.
l Ouvir os outros participantes num grupo.
Especificações
l Interagir com os outros (direitos, liberdades e garantias fundamentais).
l Acordar/negociar objectivos.
l Lidar com os órgãos da Administração.
 

Carga horária
CE_B1_B Organização económica dos estados democráticos 25 horas
 

l Monitorar o desempenho profissional próprio.
l Procurar ajuda.
l Trabalhar em diversos contextos.
Especificações
l Prestar atenção aos promenores.
l Conhecer direitos e deveres económicos.
l Tomar decisões de consumo, em termos pessoais e familiares.
 

Carga horária
CE_B1_C Educação/formação, profissão e trabalho/emprego 25 horas
 

l Participar em actividades de formação contínua.
l Conhecer legislação do trabalho, sindicatos e relações laborais.
l Conhecer a estrutura de oportunidades do mercado de emprego.
Especificações
l Reconhece a importância dos meios de comunicação social.
l Identificar inovações tecnológicas que afectam o exercício profissional.
l Situar-se em relação à inserção ou reinserção no mundo do trabalho.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 7 /  50


   

Carga horária
CE_B1_D Ambiente e saúde 25 horas
 

l Conhecer os principais problemas ambientais.


l Conhecer-se a si próprio.
l Trabalhar com pessoas de diferentes estatutos sociais.
Especificações
l Partilhar trabalho.
l Conhecer regras básicas de higiene e segurança pessoal e no trabalho.
l Recorrer a serviços de protecção e prevenção de acidentes.
 

Carga horária
CE_B2_A Organização política dos estados democráticos 25 horas
 

l Exprimir ideias e opiniões para os outros participantes num grupo.
l Ser sensível às ideias e pontos de vista dos outros.
Especificações
l Definir métodos de trabalho em comum.
l Conhecer o papel do Estado na protecção de direitos e liberdades.
 

Carga horária
CE_B2_B Organização económica dos estados democráticos 25 horas
 

l Gerir o tempo.
l Modificar tarefas.
l Aceitar informação de retorno (feedback).
Especificações
l Trabalhar autonomamente.
l Assumir responsabilidades.
l Evidenciar capacidade de iniciativa.
 

Carga horária
CE_B2_C Educação/formação, profissão e trabalho/emprego 25 horas
 

l Identificar-se com novas formas de aprendizagem.


l Conhecer os incentivos à formação.
Especificações l Desenvolver planos de carreira profissional.
l Identificar possíveis conflitos de papéis sociais e de contexto de vida.
l Reconhecer a importância das organizações sindicais e patronais.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 8 /  50


   

Carga horária
CE_B2_D Ambiente e saúde 25 horas
 

l Assumir responsabilidade pessoal e social na preservação do ambiente.
l Conhecer os pontos fortes e os pontos fracos pessoais.
l Procurar situações mutuamente concordantes.
Especificações
l Demonstrar autocontrole.
l Identificar causas e consequências de acidentes.
l Posicionar-se em relação a um “estilo de vida saudável”.
 

Carga horária
CE_B3_A Organização política dos estados democráticos 50 horas
 

l Transmitir conclusões.
l Liderar um grupo.
Especificações l Estabelecer compromissos.
l Reconhecer e respeitar a diversidade dos outros.
l Resolver interesses divergentes.
 

Carga horária
CE_B3_B Organização económica dos estados democráticos 50 horas
 

l Ajustar o desempenho profissional a variações imprevistas.
l Assumir riscos controladamente e gerir recursos.
l Fornecer informação de retorno (feedback).
Especificações
l Conhecer sistemas organizacionais e sociais.
l Identificar e sugerir novas formas de realizar as tarefas.
l Ter iniciativas e evidenciar capacidades de empreendimento.
 

Carga horária
CE_B3_C Educação/formação, profissão e trabalho/emprego 50 horas
 

l Aprender a aprender.
l Constituir uma carreira de competências individual.
Especificações l Utilizar tecnologias de formação à distância.
l Posicionar-se face às relações entre deontologia e inovação tecnológica.
l Conhecer dispositivos e mecanismos de concertação social.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 9 /  50


   

Carga horária
CE_B3_D Ambiente e saúde 50 horas
 

l Ensinar os outros.
l Conduzir negociações.
l Gerir e negociar disputas.
Especificações
l Tomar posição sobre a reintegração social das vítimas de acidentes.
l Relacionar meio ambiente e desenvolvimento socioeconómico.
l Conhecer o papel do Estado na promoção da saúde dos cidadãos.
 

l Competências de interpretação
l Ouvir/Ver
¡ Compreensão de textos simples, breves e claros relacionados com aspectos da vida quotidiana e/ou com as áreas de interesse

dos adultos.
¡ Compreensão das ideias gerais de um texto em língua corrente sobre aspectos relativos aos tempos livres, bem como a temas 

actuais e assuntos do interesse pessoal e/ou profissional dos adultos, quando o discurso é claro, pausado e adequado ao seu 
nível linguístico.
¡ Compreensão do conteúdo informativo simples de material audiovisual (entrevista, conversa telefónica, conversa informal entre 

pares, outros).
l Ler
¡ Compreensão de textos curtos e simples sobre assuntos do quotidiano, variando o grau de complexidade dos textos de acordo 

com as competências evidenciadas pelos adultos.
¡ Detecção de informação previsível concreta em textos simples de uso comum (conversa telefónica, entrevista, outros).

¡ Compreensão de textos simples em língua corrente sobre assuntos do quotidiano e relacionados com as áreas de formação 

e/ou actividade profissional dos adultos.


¡ Percepção de acontecimentos relatados, assim como sentimentos e desejos expressos.

¡ Comunicação em situações do quotidiano implicando troca de informação simples e directa sobre assuntos e actividades 

correntes, variando o grau de complexidade dos textos de acordo com as competências evidenciadas pelos adultos.
¡ Participação em conversações curtas, com recurso a vocabulário circunscrito, sem necessidade de sustentar, aprofundar ou 

prolongar os diálogos.
¡ Participação, com preparação prévia, em conversas simples sobre assuntos de interesse pessoal ou geral da actualidade.

l Competências de produção
l Falar/Escrever
¡ Uso de frases simples e curtas para falar da família, dos outros e do seu percurso pessoal, variando o grau de complexidade 

dos textos de acordo com as competências evidenciadas pelos adultos.
¡ Produção, simples e breve mas articulada, de enunciados para narrar, descrever, expor informações e pontos de vista.

¡ Comunicação em situações do quotidiano que exigem apenas troca de informação simples e directa sobre assunto e 

actividades correntes.
¡ Participação em conversações curtas, com recurso a vocabulário circunscrito, sem necessidade de sustentar, aprofundar ou 

prolongar os diálogos.
¡ Participação, com preparação prévia, em conversas simples sobre assuntos de interesse pessoal ou geral da actualidade.

¡ Escrita de textos curtos e simples relacionados com aspectos da vida quotidiana.

¡ Escrita de textos simples e estruturados sobre assuntos conhecidos e do seu interesse.

¡ Intervir tendo em conta que os percursos individuais são afectados pela posse de diversos recursos, incluindo competências 

ao nível da cultura, da língua e da comunicação.
¡ Agir em contextos profissionais, com recurso aos saberes em cultura, língua e comunicação.

¡ Formular opiniões críticas mobilizando saberes vários e competências culturais, linguísticas e comunicacionais.

¡ Identificar os principais factores que influenciam a mudança social, reconhecendo nessa mudança o papel da cultura, da 

língua e da comunicação.

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 10 /  50


   

Interpretar e produzir enunciados orais de carácter lúdico e Carga horária


LC_B1_A informativo-funcional 25 horas
 

l Expressar-se com fluência, articulando ideias e justificando opiniões.
l Utilizar adequadamente o código oral, evitando o uso excessivo de bordões, frases feitas e 
repetições.
Critérios de  l Acompanhar o discurso oral de entoação, ritmo (pausas, hesitações, digressões, vocativos, 
Evidência ...) e postura adequados à situação e à audiência.
l Retirar dos discursos ouvidos as ideias essenciais.
l Adaptar o discurso ao longo da conversação, consoante as reacções/respostas do receptor.
l Intervir em discussões de ideias no tempo certo e com pertinência.
 

Carga horária
LC_B1_B Interpretar textos simples, de interesse para a vida quotidiana 25 horas
 

l Reconhecer vocabulário específico de documentos funcionais.
Critérios de  l Localizar informação específica num texto.
Evidência l Identificar a mensagem principal de um texto.
l Reconstruir o significado global de um texto, tendo em conta a sequência e a causalidade.
 

Carga horária
LC_B1_C Produzir textos com finalidades informativo-funcionais 25 horas
 

l Dominar as regras elementares do código escrito (ortografia, acentuação, morfossintaxe, 
pontuação).
l Fazer corresponder mudanças de assunto a mudanças de parágrafo.
Critérios de 
l Localizar o enunciado no tempo e no espaço, utilizando os deícticos adequados (hoje,
Evidência
amanhã, aqui, aí, ...).
l Encadear as ideias no texto de modo linear, coerente e consecutivo.
l Adequar o código escrito à finalidade do texto.
 

Interpretar e produzir as principais linguagens não verbais Carga horária


LC_B1_D utilizadas no quotidiano 25 horas
 

l Reconhecer a diversidade de linguagens utilizadas na comunicação humana.
l Utilizar eficazmente a linguagem gestual para transmitir uma mensagem.
Critérios de 
l Interpretar o código sonoro e gestual.
Evidência
l Identificar símbolos e ícones universais.
l Interpretar imagens à luz de referentes pessoais e sociais.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 11 /  50


   

Interpretar e produzir enunciados orais adequados a Carga horária


LC_B2_A diferentes contextos 25 horas
 

l Reforçar os enunciados orais com linguagens não verbais ajustadas à mensagem (gestos, 
sons, ...).
l Adequar o tom, o ritmo, o léxico e as estruturas morfo-sintácticas a diferentes situações de 
comunicação.
Critérios de  l Planear pequenas intervenções, de acordo com um tema e uma intencionalidade (expor, 
Evidência argumentar, descrever).
l Utilizar as funções expressiva, fática, apelativa e informativa de forma coerente com a situação
discursiva.
l Participar em discussões colectivas, emitindo opiniões, concordando ou discordando 
fundamentadamente.
 

Carga horária
LC_B2_B Interpretar textos de carácter informativo e reflexivo 25 horas
 

l Apropriar-se das terminologias específicas dos documentos funcionais.
l Distinguir as ideias principais e acessórias de um texto.
l Identificar as marcas textuais específicas dos discursos narrativo e descritivo.
l Identificar a mensagem principal de um texto global ou de um excerto e os elementos que
Critérios de  para ela concorrem.
Evidência l Esquematizar/Organizar a ordem lógica das ideias num texto.
l Utilizar estratégias diversificadas de extracção de informação específica de um texto.
l Reconstruir o significado global do texto.
l Resumir a informação lida.
l Estabelecer relações de sentido entre suportes diversos (imagem, som, ...) e o texto.
 

Produzir textos de acordo com técnicas e finalidades Carga horária


LC_B2_C específicas 25 horas
 

l Redigir textos de acordo com uma dada tipologia.


l Transformar textos de acordo com diferentes tipologias e interlocutores.
l Elaborar planos de texto na fase anterior à escrita.
l Redigir textos com objectivos específicos.
Critérios de  l Estruturar o discurso escrito de forma lógica e coerente.
Evidência l Fazer corresponder mudanças de assunto a mudanças de parágrafo.
l Situar o enunciado no tempo e no espaço, utilizando os deícticos adequados (naquele tempo,
naquela casa, aqui, lá, ...).
l Utilizar o código escrito de modo correcto e coerente com o tipo de texto redigido.
l Proceder à auto-correcção e revisão do texto produzido.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 12 /  50


   

Interpretar e produzir linguagem não verbal adequada a Carga horária


LC_B2_D finalidades variadas 25 horas
 

l Reconhecer e produzir mensagens através do uso de diferentes linguagens.
l Associar a simbologia de linguagem icónica a actividades e serviços específicos.
Critérios de  l Analisar o uso das linguagens (cores, formas, tendências musicais,...) à luz dos códigos 
Evidência socio-culturais.
l Identificar as linguagens utilizadas em mensagens de teor persuasivo.
l Analisar o uso misto de linguagens na disseminação de valores éticos e culturais.
 

Carga horária
LC_B2_LE_A Compreender e usar expressões familiares e/ou quotidianas 25 horas
 

l Identificar-se/identificar alguém.
l Caracterizar-se/caracterizar alguém.
Critérios de  l Reconhecer e saber estabelecer relações de parentesco.
Evidência l Referir e caracterizar membros da família, amigos, colegas.
l Emitir opiniões, utilizando expressões e/ou frases simples.
l Saber falar dos gostos, preferências e rotinas.
 

Compreender frases isoladas e expressões frequentes


relacionadas com áreas de prioridade imediata; Comunicar em Carga horária
LC_B2_LE_B tarefas simples e em rotinas que exigem apenas uma troca de 25 horas
informações simples e directa sobre assuntos que lhe são
familiares
 

l Compreender, pedir e dar informação sobre
¡ Vários tipos de comércio

¡ O preço de um produto

¡ Características de um produto

l Compreender, pedir e dar informação sobre
Critérios de  ¡ Horários

Evidência ¡ Meios de transporte

¡ Bilhete simples/ida e volta

l Organizar informação
¡ Banco

¡ Correios

¡ ...

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 13 /  50


   

Interpretar e produzir enunciados orais adequados a Carga horária


LC_B3_A diferentes contextos, fundamentando opiniões 50 horas
 

l Identificar as intenções e características genéricas de um enunciado oral com vista a uma 
retroacção adequada.
Critérios de  l Produzir enunciados orais de acordo com a finalidade e a tipologia definida.
Evidência l Distinguir factos de opiniões, ao nível da interpretação e da produção oral.
l Planear a oralidade de acordo com a intencionalidade do discurso e a audiência.
l Fundamentar/argumentar opiniões pessoais ou de outrem.
 

Interpretar textos de carácter informativo-reflexivo, Carga horária


LC_B3_B argumentativo e literário 50 horas
 

l Relacionar os elementos construtores de sentido num texto.


l Seguir o encadeamento das ideias de um texto e antecipar essa sequência.
l Fazer juízos sobre as informações de um texto: analisar afirmações contraditórias e a 
Critérios de  fundamentação de argumentos.
Evidência l Interpretar os referentes espaciais e temporais num texto.
l Identificar as marcas textuais específicas dos discursos directo e indirecto.
l Interpretar linguagem metafórica.
l Obter e justificar conclusões.
 

Carga horária
LC_B3_C Produzir textos informativos, reflexivos e persuasivos 50 horas
 

l Organizar um texto de acordo com as ideias principais e acessórias do mesmo.
l Resumir um texto à sua informação/mensagem essencial.
l Sintetizar informação.
l Adequar os textos às suas finalidades, tendo em conta, inclusive, a presença ou ausência de 
Critérios de  índices de modalidade (marcas apreciativas e avaliativas do enunciador).
Evidência l Contextualizar o enunciado no tempo e no espaço, diversificando o uso dos deícticos (aqui,
lá, agora, no outro dia, no dia seguinte, no dia anterior, ...).
l Utilizar o código escrito de modo correcto e coerente com o tipo de texto redigido, com 
diversificação de vocabulário e estruturas frásicas.
l Proceder à auto-correcção e revisão dos textos produzidos.
 

Interpretar e produzir linguagem não verbal adequada a Carga horária


LC_B3_D contextos diversificados, de carácter restrito ou universal 50 horas
 

l Adequar o uso de linguagens não verbais diversas a contextos formais e informais.
l Analisar o uso de linguagens na pluralidade de manifestações artísticas (moda, teatro, pintura, 
artesanato, música).
Critérios de 
l Associar a manipulação das diferentes linguagens à mensagem que um dado discurso 
Evidência
pretende transmitir (discurso persuasivo - argumentativo).
l Distinguir símbolos universais relativos a diversos tipos de linguagem (significado de gestos, 
sons, cores, números) e analisá-los mediante valores étnicos e culturais.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 14 /  50


   

Compreender, quando a linguagem é clara e estandardizada,


assuntos familiares e de seu interesse; Produzir um discurso Carga horária
LC_B3_LE_A simples e coerente sobre assuntos familiares e de seu 50 horas
interesse
 

l Compreender, pedir e dar informação sobre
¡ Profissões

Critérios de  ¡ Actividades próprias de profissões

Evidência ¡ Locais de trabalho

l Analisar e comparar diferentes tipos de carreiras


l Interpretar e produzir informação relativa ao tema em questão
 

Compreender as ideias principais de textos relativamente


complexos sobre assuntos concretos; Comunicar Carga horária
LC_B3_LE_B experiências e expor brevemente razões e justificações para 50 horas
uma opinião ou um projecto
 

l Compreender e dar informação sobre
¡ Tipos de alimentação e bebidas

¡ Bons/maus/diferentes hábitos alimentares

¡ Importância do desporto para uma boa forma física e mental
Critérios de 
¡ ...
Evidência
l Descrever eventos reais ou imaginados relativos ao mundo exterior
¡ Viagens

¡ Eventos culturais /desportivos

¡ Eventos históricos

Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação Carga horária


MV_B1_A utilizando processos e procedimentos matemáticos 25 horas
 

l Utilizar a moeda única europeia - euro - em actividades do dia a dia, nomeadamente, em


aquisições directas, em operações de multibanco e em actividades que requeiram a escrita 
de informação numérica.
l Efectuar medições de grandezas de natureza diversa, utilizando instrumentos adequados: 
régua/fita métrica, balança, termómetro medicinal, relógio, etc..
l Registar, ordenadamente, dados de situações reais relativos a medições de comprimento, de 
capacidade, de massa, de tempo.
Critérios de  l Ler e interpretar tabelas, por exemplo: de relação peso/idade, de peso/tamanho de pronto-a-
Evidência vestir.
l Ler e interpretar horários de serviços, de meios de transporte, escolares, etc..
l Ler e interpretar gráficos (de barrras, pictogramas).
l Construir tabelas e gráficos de barras relativos a situações de vida pessoal, profissional, 
social.
l Analisar criticamente informação que envolva dados numéricos, nomeadamente a 
apresentada em órgãos de comunicação.
l Comunicar processos e resultados usando a língua portuguesa.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 15 /  50


   

Usar a matemática para analisar e resolver problemas e Carga horária


MV_B1_B situações problemáticas 25 horas
 

l Utilizar um modelo de resolução de problemas, nomeadamente o proposto por Polya (1945):
compreender o enunciado, explicitando por exemplo, quais são os dados e qual é o objectivo 
do problema;estabelecer e executar um plano de resolução do problema, usando tabelas, 
esquemas, utilizando versões mais simples do problema dado na procura de leis de 
formação, etc., conforme o tipo de situação; verificar se o plano se adequa ao problema,
tomando as decisões adequadas ao resultado da verificação.
l Em contexto de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas de contagem, utilizando, entre
Critérios de 
outros, o princípio da multiplicação que é o princípio fundamental das contagens.
Evidência
l Em contextos de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas que envolvam números 
decimais.
l Em contextos de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas que envolvam o conceito de
perímetro de figuras planas regulares ou irregulares, usando a estimativa como meio de 
controlo de resultados.
l Em contextos de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas que envolvam relações 
geométricas como área e volume.
 

Compreender e usar conexões matemáticas em contextos de Carga horária


MV_B1_C vida 25 horas
 

l Relacionar diferentes formas de representar um número natural (decomposição em parcelas, 
em factores, na recta numérica).
l Usar as funções de uma calculadora básica, por exemplo o factor constante e as memórias, 
interpretar resultados obtidos no cálculo de expressões numéricas simples.
l Utilizar estratégias pessoais de cálculo nomeadamente o mental.
l Fazer estimativas de resultados de operações aritméticas e utilizá-las para detectar eventuais
Critérios de 
erros.
Evidência
l Usar aspectos do raciocínio proporcional na resolução de tarefas como, por exemplo, na 
adaptação de uma receita de culinária.
l Estabelecer ligações entre conceitos matemáticos e a prática de procedimentos, 
nomeadamente na construção da figura simétrica, dada a original e o eixo de simetria.
l Comunicar processos e resultados usando a língua portuguesa.
l Comunicar os resultados de trabalhos de projecto usando a língua portuguesa.
 

Raciocinar matematicamente de forma indutiva e de forma Carga horária


MV_B1_D dedutiva 25 horas
 

l Indicar elementos que pertencem a uma sequência numérica ou geométrica e dar exemplo de
elementos não pertencentes a essas sequências.
l Descrever leis de formação de sequências, numéricas ou geométricas.
Critérios de  l Resolver problemas que envolvem regularidades numéricas, utilizando a calculadora.
Evidência l Estabelecer conjecturas a partir da observação (raciocínio indutivo) e testar conjecturas 
utilizando processos lógicos de pensamento.
l Usar argumentos para justificar afirmações matemáticas, próprias ou não, nomeadamente 
através de contra exemplos.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 16 /  50


   

Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação Carga horária


MV_B2_A usando processos e procedimentos matemáticos 25 horas
 

l Utilizar a moeda única europeia e outra moeda familiar em actividades do dia a dia, ou em 
simulação, nomeadamente, em aquisições directas, em operações de multibanco e em 
actividades que requeiram a escrita de informação numérica.
l Efectuar medições de grandezas de natureza diversa, utilizando unidades e instrumentos de 
medida adequados.
l Ler e interpretar tabelas de relação peso/idade, de peso/tamanho de pronto-a-vestir, de
frequências absolutas e de frequências relativas.
l Ler e interpretar horários de serviços, de meios de transporte, escolares, etc..
Critérios de  l Apresentar horários, diários, semanais ou outros, de uma forma organizada e clara.
Evidência l Ler e interpretar gráficos (de barrras, pictogramas).
l Construir tabelas e gráficos de barras relativos a situações de vida pessoal, profissional, 
social.
l Analisar criticamente informação que envolva dados numéricos, recolhida pelo formando de 
órgãos de comunicação, por exemplo.
l Ordenar e agrupar dados, utilizando medidas de localização (média, mediana, moda) e 
amplitude para comparar distribuições.
l Utilizar o conceito de probabilidade na interpretação de informações.
l Comunicar processos e resultados usando a linguagem matemática e a língua portuguesa.
 

Usar a matemática para analisar e resolver problemas e Carga horária


MV_B2_B situações problemáticas 25 horas
 

l Utilizar um modelo de resolução de problemas, nomeadamente o proposto por Polya (1945):
compreender o enunciado, explicitando por exemplo, quais são os dados e qual é o 
objectivo do problema;estabelecer e executar um plano de resolução do problema, usando 
tabelas, esquemas, utilizando versões mais simples do problema dado na procura de leis de 
formação, etc, conforme o tipo de situação;verificar se o plano se adequa ao problema,
tomando as decisões adequadas ao resultado da verificação.
l Comunicar processos e resultados usando a linguagem matemática e a língua portuguesa.
l Em contexto de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas de contagem, utilizando, entre
outros, o princípio da multiplicação que é o princípio fundamental das contagens.
l Em contextos de vida (do formando) resolver problemas que envolvam números racionais não
Critérios de 
inteiros e alguns números irracionais (Π, √2, etc).
Evidência
l Em contexto de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas que envolvam os conceitos:
perímetro, área, volume; potência de expoente 2 e raiz quadrada; potência de expoente 3 e 
raiz cúbica.
l Em contexto de vida do(s) formando(s) resolver problemas que envolvem raciocínio 
proporcional: percentagens; proporcionalidade aritmética; usando a estimativa e o cálculo 
mental como meio de controlo de resultados.
l Decidir sobre a razoabilidade de um resultado, tendo em consideração critérios diversos, 
nomeadamente de divisibilidade, de ordem de grandeza dos números.
l Decidir sobre o uso de cálculo mental, de algoritmo de papel e lápis, ou de instrumento 
tecnológico, conforme a situação em estudo.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 17 /  50


   

Compreender e usar conexões matemáticas em contextos de Carga horária


MV_B2_C vida 25 horas
 

l Usar as funções de uma calculadora básica confiante e criticamente.
l Reconhecer representações equivalentes de números racionais: fraccionária e em forma de 
dízima; reconhecer a equivalência de fracções.
l Efectuar cálculos: mentalmente, com algoritmos ou com calculadora, e decidir qual dos 
métodos é apropriado à situação.
l Determinar experimentalmente valores aproximados do número irracional Π, no contexto de
explorações geométricas que envolvam circunferência ou círculo.
l Utilizar estratégias de cálculo mental adequadas às situações e relacioná-las com
propriedades das operações básicas.
l Exprimir de formas diversas operadores fraccionários (visualmente, expressão designatória).
Critérios de 
l Interpretar e utilizar diferentes representações de percentagens.
Evidência
l Reconhecer que a igualdade de fracções equivalentes é um exemplo de proporção.
l Usar escalas na compreensão e na construção de modelos da realidade.
l Construir modelos de poliedros.
l Planificar a superfície de um cilindro e planificar a superfície de poliedros.
l Utilizar a visualização espacial no estabelecimento/descoberta de relações entre propriedades
de figuras geométricas; no contexto destas construções identificar figuras geométricas, 
estabelecer propriedades destas figuras, estabelecer relações entre as figuras, utilizando as 
propriedades.
l Comunicar os resultados de trabalhos de projecto usando as linguagens matemática e a 
língua portuguesa.
 

Raciocinar matematicamente de forma indutiva e de forma Carga horária


MV_B2_D dedutiva 25 horas
 

l Descrever leis de formação de sequências, numéricas ou geométricas, utlizando linguagem 
progressivamente mais formal.
l Estabelecer conjecturas a partir da observação (raciocínio indutivo) e testar conjecturas 
utilizando processos lógicos de pensamento.
l Usar argumentos para justificar afirmações matemáticas próprias, ou não, nomeadamente 
Critérios de 
através de contraexemplos.
Evidência
l Usar modos particulares de raciocínio matemático nomeadamente a redução ao absurdo.
l Comunicar e justificar raciocínios geométricos.
l Usar as definições como critérios necessários, embora convencionais e de natureza precária, 
à comunicação matemática, à organização das ideias e à classificação de objectos 
matemáticos.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 18 /  50


   

Interpretar, organizar, analisar e comunicar informação Carga horária


MV_B3_A utilizando processos e procedimentos matemáticos 50 horas
 

l Sequencializar as tarefas elementares de um projecto.


l Usar relações de conversão cambial para proceder a operações financeiras habituais.
l Analisar e interpretar criticamente gráficos relativos a situações da realidade.
l Comparar conjuntos de dados utilizando: frequências absolutas e reconhecendo as 
limitações/erros desta utilização; frequências relativas.
Critérios de 
l Analisar e comparar distribuições estatísticas utilizando medidas de localização (moda, 
Evidência
mediana, média aritmética).
l Analisar criticamente a validade de argumentos baseados em indicadores estatísticos.
l Tratar as informações numéricas contidas em textos relativos, nomeadamente, a temas de 
vida, com vista a uma interpretação mais esclarecida.
l Comunicar processos e resultados usando a linguagem matemática e a língua portuguesa.
 

Usar a matemática para analisar e resolver problemas e Carga horária


MV_B3_B situações problemáticas 50 horas
 

l Utilizar um modelo de resolução de problemas, por exemplo o proposto por Polya (1945):
interpretar o enunciado, explicitando os dados e o objectivo do problema. Usar condição(ões) 
matemática(s) para traduzir os dados quando tal for adequado; estabelecer e executar um
plano de resolução do problema, utilizando tabelas, esquemas, decidindo sobre o uso de 
cálculo mental, de algoritmo de papel e lápis, ou de instrumento tecnológico, conforme a 
situação em análise; criando versões mais simples do problema dado, na procura de leis de 
formação, etc, conforme o tipo de situação. Verificar se o plano se adequa ao problema, 
tomando as decisões adequadas ao resultado da verificação, nomeadamente interpretando 
em contexto as soluções de equações e de inequações, decidindo sobre a razoabilidade de 
um resultado.
l Comunicar processos e resultados usando a linguagem matemática e a língua portuguesa.
l Em contextos de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas que envolvam modelos
Critérios de 
matemáticos simples: equações do 1º e do 2º grau; inequações do 1º grau; teorema de
Evidência
Pitágoras; relações trigonométricas do triângulo rectângulo.
l Em contextos de vida (do formando) resolver problemas que envolvam números racionais não
inteiros e alguns números irracionais (Π, √2, etc), usando a estimativa e o cálculo mental como 
meio de controlo de resultados.
l Em contextos de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas que envolvam os conceitos de:
perímetro, área, volume; potenciação e radiciação.
l Em contextos de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas que envolvam números 
expressos em notação científica.
l Em contextos de vida (do formando) resolver problemas que envolvem raciocínio 
proporcional: percentagens; proporcionalidade aritmética; proporcionalidade geométrica.
l Em contextos de vida (do(s) formando(s)) resolver problemas que envolvem os conceitos de
proporcionalidade directa e de proporcionalidade inversa.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 19 /  50


   

Compreender e usar conexões matemáticas em contextos de Carga horária


MV_B3_C vida 50 horas
 

l Usar criticamente as funções de uma calculadora científica.
l Reconhecer diferentes modos de representação de números e determinar valores exactos de
números irracionais, por construção com material de desenho justificando matematicamente 
este procedimento.
l Utilizar a notação científica para representar números muito grandes ou números muito 
próximos de zero.
l Utilizar estratégias de cálculo mental adequadas às situações em jogo e relacioná-las com
propriedades das operações.
l Interpretar numérica e graficamente relações funcionais, nomeadamente de proporcionalidade
directa e de proporcionalidade inversa.
l Relacionar vários modelos de variação: linear; polinomial; exponencial; ....
Critérios de  l Identificar ligações entre a resolução gráfica e a resolução analítica de sistemas de 
Evidência equações/inequações.
l Resolver problemas de medida em desenhos à escala, escolhendo escalas para representar 
situações.
l Estabelecer a ligação entre conceitos matemáticos e conhecimento de procedimentos na 
realização de construções geométricas (quadriláteros, outros polígonos e lugares 
geométricos).
l Reconhecer o conceito de semelhança de figuras e usar as relações entre elementos de 
figuras com a mesma forma.
l Descrever figuras geométricas no plano e no espaço.
l Sequencializar um projecto em tarefas elementares.
l Comunicar os resultados de trabalhos de projecto usando a linguagem matemática e a língua 
portuguesa.
 

Raciocinar matematicamente de forma indutiva e de forma Carga horária


MV_B3_D dedutiva 50 horas
 

l Inferir leis de formação de sequências, numéricas ou geométricas, utilizando simbologia 
matemática, nomeadamente expressões designatórias.
l Revelar competências de cálculo, apresentando nomeadamente exemplos de situações em 
que um produto é menor que os factores e de situações em que o quociente é maior que o 
dividendo.
l Estabelecer conjecturas a partir da observação (raciocínio indutivo) e testar conjecturas 
Critérios de 
utilizando processos lógicos de pensamento.
Evidência
l Usar argumentos válidos para justificar afirmações matemáticas, próprias ou não, como por 
exemplo, a particularização e a generalização.
l Usar modos particulares de raciocínio matemático, nomeadamente a redução ao absurdo.
l Reconhecer as definições como critérios embora convencionais e de natureza precária: 
necessários a uma clara comunicação matemática; de organização das ideias e de 
classificação de objectos matemáticos.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 20 /  50


   

Operar, em segurança, equipamento tecnológico diverso, Carga horária


TIC_B1_A usado no quotidiano 25 horas
 

l Identifica diverso equipamento tecnológico usado no dia a dia.
l Distingue as potencialidades desse equipamento.
Critérios de  l Opera equipamento tecnológico diversificado (por exemplo: máquina de lavar, aparelho de 
Evidência fax; televisão; caixa Multibanco; telemóvel, sonda, sistema de rega, etc.).
l Reconhece os factores de risco e as precauções a tomar quando se trabalha com 
determinados equipamentos tecnológicos: ligações seguras, postura, fadiga visual, etc..
 

Carga horária
TIC_B1_B Realizar operações básicas no computador 25 horas
 

l Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente a 
impressora.
l Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta.
l Reconhece os ícones de base do ambiente de trabalho.
l Abre, redimensiona, restaura e fecha uma janela desse ambiente.
Critérios de 
l Reconhece as diferentes barras de uma janela do ambiente de trabalho e suas funções.
Evidência
l Cria, abre, apaga e copia pastas e ficheiros.
l Usa o Menu Iniciar para abrir um programa.
l Usa a função Localizar para encontrar ficheiros ou pastas criados.
l Usa alguns dos acessórios do sistema operativo: calculadora; leitor de CDs, gravador de 
áudio, jogos, etc.
 

Utilizar as funções básicas de um programa de processamento Carga horária


TIC_B1_C de texto 25 horas
 

l Abre um documento de processamento de texto.


l Reconhece as funções dos diferentes elementos da janela: barra de ferramentas, barra de 
menus, barra de estado, barras de deslocamento,...
l Abre um documento já existente, altera-o e guarda-o.
Critérios de 
l Cria um novo documento, insere texto e formata-o, usando as funções das barras de 
Evidência
ferramentas.
l Pré-visualiza um documento.
l Imprime um documento utilizando as opções base de impressão.
l Guarda o/s documento/s no disco rígido ou disquete.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 21 /  50


   

Carga horária
TIC_B2_A Operar, em segurança, equipamento tecnológico diverso 25 horas
 

l Identifica diverso equipamento tecnológico usado no dia a dia.
l Distingue as vantagens e desvantagens desse equipamento.
l Opera equipamento tecnológico diversificado.
Critérios de 
l Reconhece os factores de risco e as precauções a tomar quando se trabalha com 
Evidência
determinado tipo de equipamento tecnológico: ligações seguras, postura, fadiga visual, etc.
l Introduz/altera contactos telefónicos na agenda de um telemóvel.
l Recebe e envia mensagens em SMS através de um telemóvel.
 

Carga horária
TIC_B2_B Realizar, em segurança, operações várias no computador 25 horas
 

l Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um 
scanner.
l Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta.
l Reconhece os ícones do ambiente de trabalho e as suas funções.
l Reconhece as diferentes barras de uma janela e suas funções.
Critérios de 
l Cria, abre, apaga e copia pastas e ficheiros.
Evidência
l Usa alguns dos acessórios do sistema operativo: calculadora; leitor de CDs, gravador de 
áudio, jogos, etc..
l Configura as propriedades do monitor; fundo e protecção do ecrã.
l Reconhece as formas de propagação dos vírus informáticos e seus perigos.
l Identifica as medidas de segurança a tomar.
 

Carga horária
TIC_B2_C Utilizar um programa de processamento de texto 25 horas
 

l Abre um documento de processamento de texto.


l Reconhece as funções dos diferentes elementos da janela: barra de ferramentas, barra de 
menus, barra de estado, barras de deslocamento,...
l Abre um documento já existente, altera-o e guarda-o.
Critérios de  l Cria um novo documento, insere texto, formata e verifica-o ortográfica e gramaticalmente.
Evidência l Cria uma tabela e altera os seus pormenores de estilo (por exemplo: insere e elimina colunas
e linhas; muda o estilo e espessura de linha; insere sombreado ou cor nas células).
l Adiciona imagens e formas automáticas a um documento e altera-as.
l Usa o WordArt.
l Imprime um documento utilizando as opções base de impressão.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 22 /  50


   

Carga horária
TIC_B2_D Usar a Internet para obter e transmitir informação 25 horas
 

l Identifica os elementos necessários para ligar um computador à internet.
l Compara as ofertas de diferentes fornecedores de serviços.
l Identifica e interpreta vocabulário específico usado na Internet.
l Inicia um programa de navegação (browser) na Web e abre um endereço da Net.
l Reconhece as funções das diferentes barras do programa de navegação: barras de 
ferramentas, barra de estado, ...
Critérios de 
l Clica num link (texto ou imagem) e volta à página principal.
Evidência
l Pesquisa em diferentes motores de busca, utilizando ou não uma palavra-chave.
l Adiciona uma página da Web à pasta Favoritos.
l Cria uma caixa de correio pessoal.
l Lê, apaga e responde a mensagens recebidas, usando o livro de endereços.
l Identifica os cuidados a ter, relativamente aos vírus informáticos, no recebimento de ficheiros 
em anexo.
 

Operar, em segurança, equipamento tecnológico, Carga horária


TIC_B3_A designadamente o computador 50 horas
 

l Opera equipamento tecnológico diversificado (por exemplo: câmara de vídeo, 
videogravador/DVD, televisão; máquina de lavar, caixa multibanco; telemóvel, sonda, sistema 
de rega, etc.).
l Reconhece os factores de risco e as precauções a tomar quando se trabalha com 
determinado tipo de equipamento tecnológico: ligações seguras, postura, fadiga visual, etc..
l Distingue diferentes tipos de computadores (PC, portátil) ao nível do preço, tipo de utilização, 
Critérios de 
entre outras características.
Evidência
l Abre, redimensiona e fecha uma janela do ambiente de trabalho.
l Configura no computador hora, data, propriedades do monitor, fundo e protecção do ecrã, ...
l Cria um atalho para um ficheiro e muda o nome.
l Usa acessórios do sistema operativo: calculadora; jogos; Paint.
l Reconhece as formas de propagação dos vírus informáticos e seus perigos.
l Activa um programa anti-vírus e suas opções de segurança.
 

Carga horária
TIC_B3_B Utilizar uma aplicação de folhas de cálculo 50 horas
 

l Cria uma nova folha de cálculo.
l Insere números e texto em células e formata-os.
l Adiciona limites, cores e padrões.
l Utiliza fórmulas lógicas e aritméticas numa célula.
l Utiliza diferentes formas de notação.
Critérios de 
l Apresenta os números de uma célula em percentagem.
Evidência
l Importa para a folha uma imagem, ou texto.
l Cria diferentes estilos de gráfico para analisar informação e modifica-os.
l Exporta uma folha de cálculo ou gráfico.
l Utiliza uma lista como uma base de dados.
l Usa as funções de base de dados para gerir e analisar os dados de uma lista.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 23 /  50


   

Utilizar um programa de processamento de texto e de Carga horária


TIC_B3_C apresentação de informação 50 horas
 

l Cria um documento, insere texto, imagens e tabelas e formata-os.


l Insere números de página, cabeçalho e notas de rodapé, num documento.
l Insere texto automático num documento.
l Formata o documento em colunas.
l Abre um programa de apresentação.
Critérios de 
l Cria uma nova apresentação.
Evidência
l Adiciona texto e imagem à apresentação.
l Utiliza as ferramentas de cortar, copiar e colar texto ou imagem.
l Insere um duplicado do diapositivo e altera o seu conteúdo.
l Adiciona efeitos de animação e transição aos diapositivos.
l Realiza uma apresentação.
 

Carga horária
TIC_B3_D Usar a Internet para obter, transmitir e publicar informação 50 horas
 

l Identifica os elementos necessários para ligar um computador à Internet.
l Compara as ofertas dos diferentes fornecedores de serviços.
l Identifica e interpreta vocabulário específico usado na Internet.
l Inicia um programa de navegação (browser) na Web e abre um endereço da Net.
l Reconhece as funções das diferentes barras do programa de navegação: barras de 
ferramentas, barra de estado,...
l Pesquisa em diferentes motores de busca, utilizando ou não palavra-chave.
l Cria uma caixa de correio pessoal e organiza um livro de endereços.
l Lê, apaga e envia mensagens, com ou sem ficheiro anexo.
l Identifica os cuidados a ter, relativamente aos vírus informáticos, no recebimento de ficheiros 
Critérios de  em anexo.
Evidência l Utiliza informação recebida via internet, noutros suportes.
l Identifica as regras de utilização das salas de conversação.
l Escolhe uma alcunha (nickname) e entra numa sala de conversação.
l Identifica as vantagens e desvantagens deste tipo de serviço.
l Cria um sítio (site) com uma aplicação de apresentações (por ex. MPublisher) ou uma
aplicação de edição e gestão (por ex. MFrontPage).
l Modifica o design e esquema de cores (no caso do Publisher).
l Insere links, texto, imagens próprias ou de uma galeria de imagens e pré-visualiza-as num
programa de navegação.
l Usa uma aplicação FTP (File Transfer Protocol) para fazer a transferência das páginas 
(upload) para um servidor público.
 

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 24 /  50


   

3.2. Formação Tecnológica

Carga horária
2331 Marcações, medições e traçagens de peças de madeira 25 horas
 

l Distinguir diferentes técnicas de marcação, medição e traçagem em madeiras.
Objectivo(s)
l Aplicar nos diferentes planos de trabalho as normas elementares de desenho.
 

Conteúdos

l Traçagem de linhas em madeiras duras e brandas
¡ Tipos de lápis

¡ Riscador

¡ Cuidados necessários no manuseamento do riscador

¡ Sinais convencionais

¡ Terminologia técnica

l Marcação sobre várias peças de madeira
¡ Medida padrão – metro

-   Medidas lineares
-   Sistema métrico decimal
-   O metro, múltiplo e submúltiplos
¡ A fita métrica

¡ Marcações com metro e fita métrica

l Marcação com lápis pontos referenciados
¡ Tipos de esquadro

-   A base e a lâmina
   
-   Ângulos do esquadro
¡ Marcação à direita, à esquerda, à frente e atrás

¡ Marcação de face para canto ou para topo

¡ Marcação de meia-esquadria à direita e à esquerda

¡ Operações básicas de cálculo numérico

-   Multiplicação, divisão, adição e subtracção
¡ O esquadro como ferramenta de precisão

¡ Cuidados necessários com os instrumentos de marcação/aferição

l Marcação de linhas paralelas
¡ Tipos de graminho e suas características

¡ Galgadeira

¡ Marcação de face

¡ Marcação de topo

¡ Conceito de linhas paralelas

l Marcação e traçagem de linhas curvas
¡ Marcação de circunferências concordantes

¡ Marcação de linhas concordantes

¡ Conceito de linha curva

¡ Tipos de compasso e suas características

-   Elementos do compasso
l Marcação e traçagem de peças de madeira com sentido curvilíneo
¡ Técnicas de corte com sentido curvilíneo

¡ Características de ferramentas para corte curvilíneo

-   Serra de rodear
-   Serrote para recortar
¡ Afiamento da serra de rodear

-   Definição de trava em função do trabalho
-   Manutenção da serra, lubrificação de folha e protecção do seu tensionamento
¡ Marcação de recortes

¡ A segurança da peça no banco

¡ Precauções necessárias ao iniciar a serragem

¡ Tipos e características de grosas

-   Medidas e formatos
¡ Tipos e características de limas

-   Medidas e formatos
l Técnicas de grosar e limar
¡ A escolha da grosa e da lima, de acordo com a superfície

¡ A segurança da peça

¡ O posicionamento mais correcto do corpo

l Execução e acabamento de cortes perfilados
REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 25 /  50
   

¡ Técnicas de marcação
-   Peças curvas com concordâncias
-   O recorte
¡ Técnicas de aperfeiçoamento
-   A plaina de volta
-   Componentes da plaina
-   O corteché
-   Componentes do corteché
-   A grosa e a lima
¡ O perfilamento
¡ Técnicas de acabamento
-   Raspar
-   Lixar
¡ Raspador como ferramenta de base
-   Processos de afiação de raspador
-   De lima
-   De assentamento do fio
-   De virar o fio
¡ Precauções no afiamento do raspador
¡ A limpeza das limas

Carga horária
2332 Desenho técnico - construções em madeira 50 horas
 

l Identificar os princípios fundamentais do desenho técnico.
Objectivo(s) l Desenvolver competências para a leitura e interpretação de especificações técnicas.
l Executar desenhos técnicos.
 

Conteúdos

l Materiais e técnicas de expressão
¡ Material de desenho: características, técnicas de manuseamento, cuidados especiais

¡ Técnicas de execução das diversas construções geométricas

¡ Escrita normalizada

¡ Legendas

¡ Tipos de linhas e sua aplicação

¡ Escalas e suas formas de representação

l Projecções
¡ Projecções em planos ortogonais

¡ Posições particulares do plano

¡ Posições particulares da recta

¡ Cotagem

l Perspectivas
¡ Técnicas de execução de perspectivas

¡ Casos particulares de execução (linha curvas, partes invisíveis, furos, etc.)

¡ Cotagem em geral, cadeia de cotas, etc.

l Modalidades de perspectiva rigorosa e suas aplicações
¡ Modalidades de perspectivas, definindo as razões de opção

¡ Técnicas de execução

l Cortes e secções
l Perspectivais explodidas
¡ Esquemas de montagem de componentes ou conjuntos esquematizando a ordem de colocação

¡ Aplicação dos conhecimentos técnicos de dimensões e processos de ligação de construções em madeira

l Tolerâncias e acabamento de superfícies
¡ Acabamento de superfícies: em bruto, superfícies trabalhadas e superfícies com tratamento especial

¡ Simbologia para o acabamento de superfícies

¡ Tolerância – cota máxima, mínima e nominal

Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho - Carga horária


0349 conceitos básicos 25 horas
 

l Identificar os principais problemas ambientais.


l Promover a aplicação de boas práticas para o meio ambiente.
REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 26 /  50
   

l Explicar os conceitos relacionados com a segurança, higiene e saúde no trabalho.
l Reconhecer a importância da segurança, higiene e saúde no trabalho.
Objectivo(s) l Identificar as obrigações do empregador e do trabalhador de acordo com a legislação em vigor.
l Identificar os principais riscos presentes no local de trabalho e na atividade profissional e aplicar as medidas de
prevenção e proteção adequadas.
l Reconhecer a sinalização de segurança e saúde
l Explicar a importância dos equipamentos de proteção coletiva e de proteção individual.
 

Conteúdos

l AMBIENTE
¡ Principais problemas ambientais da atualidade

¡ Resíduos

-   Definição
-   Produção de resíduos
¡ Gestão de resíduos

-   Entidades gestoras de fluxos específicos de resíduos
-   Estratégias de atuação
-   Boas práticas para o meio ambiente
l SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO
¡ CONCEITOS BÁSICOS RELACIONADOS COM A SHST

-   Trabalho, saúde, segurança no trabalho, higiene no trabalho, saúde no trabalho, medicina no trabalho, ergonomia, 
psicossociologia do trabalho, acidente de trabalho, doença profissional, perigo, risco profissional, avaliação de riscos e prevenção
¡ ENQUADRAMENTO LEGISLATIVO NACIONAL DA SHST

-   Obrigações gerais do empregador e do trabalhador
¡ ACIDENTES DE TRABALHO

-   Conceito de acidente de trabalho


-   Causas dos acidentes de trabalho
-   Consequências dos acidentes de trabalho
-   Custos diretos e indiretos dos acidentes de trabalho
¡ DOENÇAS PROFISSIONAIS

-   Conceito
-   Principais doenças profissionais
¡ PRINCIPAIS RISCOS PROFISSIONAIS

-   Riscos biológicos
-   Agentes biológicos
-   Vias de entrada no organismo
-   Medidas de prevenção e proteção
-   Riscos Físicos (conceito, efeitos sobre a saúde, medidas de prevenção e proteção)
-   Ambiente térmico
-   Iluminação
-   Radiações (ionizantes e não ionizantes)
-   Ruído
-   Vibrações
-   Riscos químicos
-   Produtos químicos perigosos
-   Classificação dos agentes químicos quanto à sua forma
-   Vias de exposição
-   Efeitos na saúde
-   Classificação, rotulagem e armazenagem
-   Medidas de prevenção e proteção
-   Riscos de incêndio ou explosão
-   O fogo como reação química
-   Fenomenologia da combustão
-   Principais fontes de energia de ativação
-   Classes de Fogos
-   Métodos de extinção
-   Meios de primeira intervenção - extintores
-   Classificação dos Extintores
-   Escolha do agente extintor
-   Riscos elétricos
-   Riscos de contacto com a corrente elétrica: contatos diretos e indiretos
-   Efeitos da corrente elétrica sobre o corpo humano
-   Medidas de prevenção e proteção
-   Riscos mecânicos
-   Trabalho com máquinas e equipamentos
-   Movimentação mecânica de cargas
-   Riscos ergonómicos
-   Movimentação manual de cargas
-   Riscos psicossociais
REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 27 /  50
   

¡ SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE
-   Conceito
-   Tipos de sinalização
¡ EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
-   Principais tipos de proteção coletiva e de proteção individual

Carga horária
2334 Operações com ferramentas manuais - iniciação 50 horas
 

l Caracterizar as ferramentas para corte de madeiras duras e brandas.


l Aplicar para cada tipo de madeira dura ou branda o ângulo de corte mais adequado.
Objectivo(s) l Efectuar cortes e desbastes em diferentes sentidos ao veio da madeira.
l Executar operações de afagamento.
l Efectuar operações de lixagem utilizando os abrasivos numa sequência lógica.
 

Conteúdos

l Serragem de peças de madeira
¡ Nomenclatura dos componentes do banco de trabalho

¡ Tipos de grampos e sua nomenclatura (ferramentas de aperto)

¡ Tipos de serrote

-   Trava do serrote
-   Tipos de afiamento, dentes direitos e inclinados
¡ O ângulo de 45º

¡ Precauções necessárias no início e final da serragem

-   Manutenção do serrote
-   Cuidados a ter com ferimentos
¡ Serrar ao fio (madeira dura e branda)

¡ Serrar ao través (madeira dura e branda)

l Operações de corte com formão
¡ Nomenclatura dos componentes do banco de trabalho

¡ Nomenclatura do formão

-   Formões de várias medidas
¡ Posicionamento correcto do formão

¡ O sentido das fibras da madeira

¡ Técnicas de execução de chanfres

¡ Técnicas de execução de entalhes

¡ Folhas caducas e persistentes (folhosas e resinosas), sua proveniência

¡ Medidas lineares

¡ Precauções no manuseamento de ferramentas cortantes

l Aplainamento de peças de madeira
¡ Tipos e características de plainas

-   Componentes na plaina
-   Preparação do ferro com capa, para madeiras
¡ Técnicas de aplainamento de superfície rugosa

-   Madeira dura
-   Madeira branda
¡ Métodos de colocação da peça no banco

¡ Técnica de desempenar a face retirando a serragem

-   Planura e o desempeno da peça
¡ Características gerais da madeira

¡ Noções de superfície

¡ Áreas de figuras planas

¡ Cuidados na regulação da espera do banco

¡ Precaução no manusear da plaina em movimento

l Colagem de peças de madeira
¡ Tipos de cola para madeira e suas características

¡ Preparação de colas de acordo com o trabalho a executar

¡ Técnicas de colagem

-   As superfícies rugosas
-   A solidificação
-   O ajustamento e aperto
-   Utensílios adequados (grampos e calços)
¡ Tipos e características de gastalhos

¡ Tipo de limpeza dos vestígios de colas de pincéis

¡ Limpeza dos vestígios de cola

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 28 /  50


   

l Pregagem de peças de madeira
¡ Tipos e características de pregos - medidas e formatos

¡ Esmagamento da cabeça dos pregos

¡ Técnicas e procedimentos de pregagem

¡ O abate e falquejamento das madeiras (sistemas de corte de toros)

¡ Tipos e características de martelos utilizados na profissão

-   Nomenclatura dos vários tipos de martelos
¡ Arranque de pregos com turquês

¡ A utilização do punção

¡ Medidas inglesas e o sistema métrico decimal

¡ Precauções a ter em tábuas com pregos (perigos resultantes)

¡ Perigos resultantes de um martelo mal encabado

l Afagamento de peças de madeira ligadas
¡ Técnicas de afagamento

¡ Regulação da capa e do ferro

-   Ângulo do gume
-   Posicionamento da contra capa
¡ Montagem e afinação do ferro

l Lixagem de peças de madeira
¡ Tipos e características de abrasivos (lixas)

-   Granulação abrasiva das lixas
-   A utilização de lixas pela sua ordem de abrasivo
¡ Auxiliares de lixagem

¡ Técnicas de lixar

-   A segurança da peça no banco
-   A escolha da lixa adequada
-   A pressão no sentido das fibras
¡ Vantagem de uma boa conservação das ferramentas

l Desempeno de peças de madeira
¡ Técnicas de desempeno de peças de madeira

-   Localizar o empeno
-   Assinalar o empeno
-   Prender a peça
-   Desempenar face e canto
¡ Marcação de paralelas com graminho

-   Superfícies e cantos rectilíneos e em esquadria
¡ O desbastador, relação com a plaina

¡ O rebote e a garlopa

¡ Posicionamento correcto para o visionamento do empeno/desempeno através de réguas

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 29 /  50


   

Carga horária
2335 Matérias e materiais - madeiras 25 horas
 

l Identificar e utilizar as diferentes matérias e materiais inerentes ao sector da madeira, de acordo com as suas 
Objectivo(s)
características e aplicações.
 

Conteúdos

l A madeira
¡ A árvore e a madeira – características e utilização

¡ Propriedades da madeira

-   Físicas
-   Mecânicas
-   Higroscopia (curvas de equilíbrio)
l Classificação de madeiras
¡ Classificação de madeiras

¡ Defeitos na madeira – principais causas e consequências

l Materiais de madeira
¡ Acidentes mais comuns na indústria da madeira

¡ Aglomerados

¡ Lamelados

¡ Contraplacados

¡ Folheados

¡ OSB

l Ferragens
¡ Características técnicas e medidas normalizadas de

-   Fechaduras
-   Dobradiças para mobiliário
-   Dobradiças de cozinha
-   Puxadores
-   Ferragens para fixação de componentes
-   Outras ferragens
¡ Técnicas de marcação e fixação

¡ Características de ferragens de estilo da época

l Produtos compatíveis com a madeira
¡ Características técnicas, compatibilidade e processos de ligação de

-   Papel
-   Melanina
-   Outros produtos plásticos
-   Metais
-   Vidro
-   Pedra
l Cálculo de matérias-primas
¡ Cálculo por peso, volume e quantidade por amostragem

¡ Técnicas de Medição Linear

¡ Cálculo de produtos em bruto

¡ Cálculo de desperdícios      

¡ Cálculo de volumes para contentores e camiões

Carga horária
2336 Operações com ferramentas manuais - desenvolvimento 50 horas
 

l Efectuar marcações de samblagens simples.
Objectivo(s) l Efectuar ligações de peças de madeira e proceder aos ajustamentos de acordo com o traçado.
l Proceder à marcação e execução de entalhes.
 

Conteúdos

l Execução de furos em peças de madeira
¡ Técnicas de marcação e execução de furos em peças de madeira

-   A marcação com lápis e esquadro
-   O comprimento do furo
-   A profundidade do furo
-   A utilização do graminho
¡ Características do bedame - diferenças com o formão

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 30 /  50


   

¡ Características do maço de madeira
¡ A escolha do bedame em função da largura do furo
¡ O manuseamento do bedame de forma a não apertar a peça

-   A verticalidade do furo


¡ Furos fora a fora e interrompidos

¡ Graus de secagem da madeira, natural e artificial

¡ Deformações e contracções da madeira

¡ Entrega de uma ferramenta cortante

¡ Necessidade da colocação de uma peça por baixo da outra

l Marcação e execução de samblagens simples
¡ Técnicas de ensamblar meia – madeira

¡ Samblagens de meia – madeira em “ L “, em cruz ou em “ T “ 

-   A marcação com lápis e esquadro e graminho
¡ Verificação de esquadrias

-   Igualdade das diagonais (escantilhar)


l Montagem de peças de madeira por meio de aparafusamento
¡ Técnicas de montagem de peças em madeira por meio de aparafusamento

¡ Processos de furação e escareamento

¡ Características de berbequins e os seus componentes

¡ Tipos de brocas

-   Dimensões
¡ O escariador

¡ Parafusos

-   Dimensões, tipos de cabeça e de material
¡ A fixação do conjunto

¡ Características de chave de fenda

-   Utilização em função da cabeça do parafuso
-   Outros tipos de chaves de fendas
¡ Medidas inglesas e o sistema métrico decimal

¡ Operações com fracções

¡ A utilização da chave de fenda adequada para prevenir a não criação de limalha nas cabeças dos parafusos

-   Precauções com as mãos sobre as cabeças dos parafusos
l Galgamento e desengrosso de peças de madeira
¡ Técnicas de desengrossamento e galgamento

-   Dimensões
-   Marcação com lápis e galgadeira
-   Marcação com graminho
-   Desbastar (se for o caso)
-   Aperfeiçoar com garlopa ou rebote
-   Verificação do desempeno e rectidão das faces e cantos
¡ Características da garlopa e do rebote

¡ Afinação e regulação do ferro

¡ Defeitos em madeiras e agentes destruidores

l Marcação e traçagem de respigas em peças de madeira
¡ Técnicas de marcação e traçagem de respigas

-   Asamblagem por furo e respiga


-   A correspondência a 1/3 da espessura das peças
-   Outros tipos de samblagem por furo e respiga
¡ Marcação do comprimento da respiga

¡ Marcação da espessura da respiga - graminho

¡ Serra de traçar e de samblar

¡ Serragem no sentido da linha

¡ Serragem ao través das partes a retirar

¡ Nomenclatura do serrote de traçar

¡ Precauções no serrar ao través

¡ O alívio do trambelho na serra de traçar

l Marcação e execução de entalhes em peças de madeira
¡ Técnicas de entalhar peças em madeira

-   Definição de corte transversal
-   Marcação de peças com lápis e esquadro
-   O graminhar da zona do entalhe
l Marcação e execução de chanfro e topejamento de peças de madeira
¡ Técnicas demarcação de chanfres e topejamento de peças de madeira

-   Marcação de esquadrias
-   Marcação de profundidade
-   Inclinações de chanfre pretendidas
-   Marcação de chanfro - graminho
-   Fixação da peça (grampo ou prensa)
¡ Tipos e características de plainas para topejar

¡ Operações sobre a densidade da madeira

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 31 /  50


   

¡ Cuidados necessários com a plaina de topos

l Marcação e execução de chanfro e topejamento de peças de madeira
¡ Técnicas demarcação de chanfres e topejamento de peças de madeira

-   Marcação de esquadrias
-   Marcação de profundidade
-   Inclinações de chanfre pretendidas
-   Marcação de chanfro - graminho
-   Fixação da peça (grampo ou prensa)
¡ Tipos e características de plainas para topejar

¡ Operações sobre a densidade da madeira

¡ Cuidados necessários com a plaina de topos

l Furação e recorte de peças de madeira
¡ Marcação para furação e recorte

¡ Caracterização do arco de pua

¡ A verticalidade do furo

¡ Brocas utilizadas em arco de pua

-   Cuidados necessários no manusear de brocas de navalha
¡ Esquadrejamento normalizado de madeiras (dimensões comerciais)

¡ Madeiras de utilização corrente e sua composição química

¡ Divisão de uma recta

¡ Razão e proporção

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 32 /  50


   

Carga horária
2337 Técnicas de manutenção e afiação de ferramentas manuais 25 horas
 

l Efectuar o afiamento de ferramentas de gume em mó de rebôlo.
Objectivo(s) l Efectuar o assentamento do fio.
l Efectuar o afiamento de ferramentas denteadas.
 

Conteúdos

l Afiamento de ferramentas de gume


¡ Técnicas de afiar ferramentas de gume (formões, bedames, ferros e outros na mó do rebôlo

-   Verificação da caldeira do rebôlo
-   Ajustamento da espera para o ângulo pretendido
-   O ângulo mais correcto para face à dureza da madeira
-   Ajustamento do ferro na espera
-   Movimentação do ferro (à esquerda e à direita)
-   A espera da pancada do rebôlo
¡ Verificação do afiamento (a existência de rebarba)

l Assentar o fio
¡ Caracterização da pedra de assentamento de fio

¡ A lubrificação da pedra

¡ O assentar do fio

-   Percorrer toda a pedra com o chanfro ou a face do ferro, alternadamente e correctamente assente na pedra
-   Verificação, depois de várias passagens a perfeição do corte
¡ Medição de ângulos (transferidor)

¡ Classificação de ângulos

¡ A circunferência

¡ O perímetro da circunferência

¡ Cuidados necessários no ligar e desligar o quadro eléctrico com as mãos húmidas

¡ O movimento da mó do rebôlo

l Afiamento de ferramentas denteadas


¡ Técnicas de afiar ferramentas de denteados (serras, serrotes e outros)

-   Rectificação de dentes
-   Aplicação de trava nos dentes
-   Afiação à lima
¡ Tipos e características de limas

-   Triangulares
-   Formatos
-   Composição para desbaste
¡ Limas de calado

-   Formatos
¡ A travadeira

-   Aplicação de trava para cada situação de corte
¡ O arrasamento dos dentes antes da afiação (se for o caso)

¡ Definição e classificação de ângulos

¡ Precauções com folhas de corte denteadas

Carga horária
2338 Máquinas-ferramenta - iniciação 25 horas
 

l Identificar as máquinas-ferramenta caracterizando os seus órgãos e acessórios.
Objectivo(s) l Executar operações e fases operatórias de aparelhar, furar e serrar.
l Enunciar normas de Segurança e Higiene a cumprir antes, durante e depois da realização das operações.
 

Conteúdos

l Técnicas de preparação na desengrossadeira mecânica
¡ Características da desengrossadeira

-   A função do cilindro porta lâminas
-   A função do cilindro de arrasto
-   Protecções e cortantes
-   O anti-recuo
-   A elevação e descida do prato móvel
¡ Revessos e veios da madeira

¡ Posicionamento das peças na mesa

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 33 /  50


   

¡ O comportamento das peças estreitas
¡ A verificação do desbaste
¡ Precauções antes de ligar a força motriz

¡ Perigo de peças curtas introduzidas na máquina

¡ Protecções de uso individual

l Operações na desengrossadeira mecânica
¡ Preparação das madeiras

-   Revessos e veios da madeira


¡ Preparação da máquina e execução de operações

-   A verificação da máquina
-   A regulação da máquina
-   O desengrosso
-   O galgamento
-   Marcação de desengrosso
-   Verificação de medidas
-   Chanfrar com molde
-   Misular com molde
l Técnicas de preparação na garlopa mecânica
¡ Características da garlopa

-   A função dos cilindros porta lâminas
-   Protecções e cortantes
-   A paralela
-   A paralela (acerto de esquadria e angular)
-   O acerto da máquina (nível dos pratos)
¡ Posicionamento das peças na mesa

¡ O comportamento das peças estreitas

¡ Dispositivos de segurança

¡ Precauções no uso de fatos de trabalho soltos

¡ Alimpeza em redor da máquina

l Operações em garlopa mecânica
¡ Preparação das madeiras

-   Revessos e veios da madeira


¡ Preparação da máquina e execução de operações

-   A verificação da máquina
-   A regulação da máquina
-   O desempenar/facejar
-   A execução de faces e cantos
-   O galgamento
-   As operações com paralela
l Técnicas de preparação na máquinas de furar por broca horizontal
¡ Características da máquina de furar por broca horizontal

-   A função da máquina e os seus órgãos
-   A regulação da altura e profundidade
-   O montar e desmontar broca na bucha
-   As alavancas de movimento ao prato
¡ Precauções na colocação do calço

¡ Precauções com o gume (corte) das brocas

¡ Perigos decorrentes no uso do vestuário solto

l Operações de furar em máquinas-ferramenta por broca horizontal


¡ Preparação das madeiras

-   Revessos e veios da madeira


¡ Preparação da máquina e execução de operações

-   A verificação da máquina
-   A colocação da broca
-   A regulação da máquina
-   Execução de furos (rasgar e furar)
l Técnicas de preparação na máquina ferramenta - serra de fita
¡ Características da máquina serra de fita

-   A função da máquina e os seus órgãos
-   A escolha da lâmina
-   Características dos diferentes tipos de lâmina
-   Remoção e montagem da lâmina
-   A montagem da fita de serra de acordo com o trabalho a executar
-   O manuseamento da lâmina
-   Precauções no acerto do volante superior
-   O posicionamento correcto do corpo
¡ Os cuidados antes de iniciar a serragem

-   Defeitos nas madeiras


¡ A limpeza da lâmina

¡ O uso da máscara no corte de madeiras tóxicas

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 34 /  50


   

¡ O uso de protecções (óculos, auscultadores luvas e outras)
¡ Verificação de órgãos e protecções
l Operações em serra de fita
¡ Preparação das madeiras

-   Revessos e veios da madeira


¡ Preparação da máquina e execução de operações

-   A verificação da máquina
-   A regulação da máquina
-   A paralela e o seu movimento
-   Serragens, ao baixo e ao alto
-   Serragens com auxílio da paralela
¡ Montar peças por pregagem

¡ Preparação de painéis

-   Marcação e corte
¡ Pregagem de topo e de canto

-   Tipos e características de prego quadrado
-   Termos comuns
-   Espessuras
-   Comprimentos
¡ Unidades de volume

¡ Precauções na pregagem

¡ O perigo que representa tábuas com pregos

¡ O uso de protecções individuais

l Preparação da máquina ferramenta - lixadeira de bancada


¡ Características da lixadeira de bancada

-   Órgãos e acessórios
¡ Acerto de lixas

¡ Acerto de encostos

¡ Precauções no movimento da máquina através das lixas

¡ Uso de protecções ( óculos e auriculares )

l Operações na lixadeira de bancada
¡ Preparação das peças de madeira

¡ Verificação da máquina

¡ Montagem de lixas

¡ Acerto de encostos

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 35 /  50


   

Carga horária
2339 Qualidade - indústria da madeira 25 horas
 

l Definir os conceitos e as metodologias da qualidade que permitam melhorar o desempenho individual e


Objectivo(s)
organizacional na actividade profissional.
 

Conteúdos

l Qualidade na empresa
¡ Conceito de Qualidade

¡ Utilidade da Qualidade na Empresa

¡ A função Qualidade – actividades e responsabilidades

l A empresa, a qualidade e o cliente


¡ O ciclo PDCA - Plan (planear), Do (executar), Check (verificar) e Act (actuar)

¡ O processo produtivo na indústria do mobiliário

¡ A Qualidade como ferramenta de controlo

¡ Os custos da Qualidade

¡ Os custos da Não-Qualidade

l Técnicas/ferramentas de qualidade
¡ O Brainstorming

¡ Mapas de processos - fluxos

¡ Questionários/inquéritos

¡ Diagrama de causa - efeito

¡ Histogramas

l A qualidade e a indústria da madeira
¡ O controlo da Qualidade

¡ O controlo da Qualidade das matérias-primas

¡ Controlo da Qualidade dos produtos em vias de fabricação

¡ Controlo da Qualidade do Produto

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 36 /  50


   

Carga horária
2340 Técnicas de samblar 25 horas
 

l Identificar e caracterizar diferentes samblagens.


Objectivo(s) l Desenvolver marcações/traçagens de diferentes samblagens de acordo com as técnicas inerentes de cada 
estrutura.
 

Conteúdos

l Samblagem por furo e respiga simples com talão
¡ O furo e a respiga

-   Técnicas de marcação
-   Tipos de talões, dimensão e função
-   Enxovado de respiga
-   Enxovado de pinázio
-   Respiga postiça
-   Murtagem
-   Ganzepe
l Samblagem por furo e respiga dupla com talão
¡ O furo e a respiga

-   Técnicas de marcação
-   Tipos de talões, dimensão e função
l Samblagem de respiga engasgada à meia esquadria
¡ O rasgo e a respiga a 45 º

-   Técnicas de marcação
-   Dimensão e função
l Samblagem por entalhe de meia madeira
¡ Tipos de entalhe de meia madeira

-   Em ângulo recto
-   Em cruz
-   Em tê
-   Com machos nos tops
-   Entalhe com dente e chaveta
-   Outros entalhes
¡ Técnicas de marcação

¡ Dimensão e função

¡ Aplicações

l Samblagem por malhete


¡ Tipos de malhetes e sua aplicação

-   Fora a fora
-   Pestana
-   Malhete à meia madeira
-   Rabo de andorinha
-   Outros
¡ Marcações de malhetes

l Samblagem por cavilhas


¡ Técnicas de marcação

¡ Aplicações

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 37 /  50


   

Carga horária
2349 Desenho técnico - planteamento 25 horas
 

l Identificar os princípios fundamentais do planteamento e desenvolver as competências de leitura e interpretação 
Objectivo(s)
para execução de especificações técnicas de estruturas de madeira e mobiliário.
 

Conteúdos

l Desenho técnico
¡ Projecções

-   Representações de vistas
-   Cortes e secções
-   Leitura de projecções
-   Simplificações
-   Cotagem geral
-   Cotagem funcional
-   Desenho de conjunto
¡ Interpretação técnica do desenho

-   Diferentes especificações técnicas
¡ Esquemas de montagem

¡ Aplicação dos processos e métodos de ligação

l Planteamento
¡ Técnicas de plantear em régua

¡ Técnicas de plantear em contraplacado

¡ Medidas de tamanho real

¡ Marcações de acordo com desenho/planteado

¡ Régua T

¡ Curta mão

¡ Tipos de perfis comerciais

¡ Técnicas para execução de moldes

¡ Cuidados necessários com os instrumentos de planteamento

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 38 /  50


   

Carga horária
2341 Samblagem por furo e respiga 25 horas
 

l Efectuar o planteado, representando os elementos necessários ao traçado da peça.
Objectivo(s) l Proceder à escolha da madeira, reconhecendo a sua importância e identificando os veios e os defeitos.
l Efectuar o ensaio da estrutura e proceder à sua colagem e acabamento.
 

Conteúdos

l Operações com tupia
¡ Órgãos e acessórios

l Operações com serra circular
¡ Órgãos e acessórios

l Tipos de talão, dimensão e função
l Respigas com e sem talão
¡ Técnicas de marcação

l Perfis moldados
¡ Fresas simples e combinadas

l Mísula de adorno, estilos e aplicações
l Tipos de boleados
l Operações com lixadeiras vibratórias
¡ Abrasivos (lixas macias e de desgaste)

l Ferragens de ligação
l Operações com berbequins eléctricos
l Operações com aparafusadora eléctrica
l Leitura e Interpretação de desenho
¡ Alçados cortes e secções

¡ Adornos (ponta de diamante)

l Precauções ao manusear cortantes
l Precauções na utilização de abrasivos
l Cuidados com os ferimentos
l O uso de protecções (óculos e auriculares)
l Limpeza do posto de trabalho
l Cuidados necessários na utilização das ferramentas manuais eléctricas

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 39 /  50


   

Carga horária
2343 Samblagem por malhete 25 horas
 

l Efectuar a marcação e execução de malhetes, especificando as diferentes fases operatórias.
Objectivo(s) l Proceder à selecção e aplicação de ferragens de ligação móvel.
l Proceder à colagem da estrutura e efectuar o acabamento.
 

Conteúdos

l Tipos de malhetes e sua aplicação
l Marcações de malhetes
¡ Fora a fora

¡ Pestana

¡ Outros

l O macho postiço e sua aplicação
l Ferragens de caixas, designações comerciais
l Aplicação de ferragens em caixas
l Leitura e interpretação de desenho
¡ Desenho técnico de malhetes

¡ Esquadro de ângulos (malhetes)

l Elementos de orçamentos
¡ Materiais

-   Custos de materiais
¡ Mão-de-obra

¡ Encargos

¡ Tempos de máquinas

l Precauções no afagamento de malhetes
l Cuidados necessários no picar dos malhetes
l Conservação do banco de trabalho
l Precauções necessárias na execução de moldados a topo
l Precauções necessárias com a utilização de colas

Carga horária
2358 Aplicação de lamelas em peças curvas 25 horas
 

l Identificar a partir do desenho o traçado de peças curvilíneas, definindo dados técnicos para o planteamento.
Objectivo(s) l Identificar processos de enformar madeira, definindo as espessuras das lamelas, de acordo com a estrutura e
referindo as técnicas de sobreposição das peças e processos de colagem.
 

Conteúdos

l Operações com prensa
¡ Órgãos e acessórios

l Operações com furadora por bedame
¡ Órgãos e acessórios

l Operações com respigadeira
¡ Órgãos e acessórios

l Tipos de moldes (matérias e formatos)
l Moldes, sua concepção e aplicação
l Curvas perfeitas e irregulares
l Lamela de madeira dura, branda e aglomerada
l Enformação de peças por encharcamento evaporização
l Contornos e perfilamentos
l Fixação de peças curvas por aparafusamento
l Desempeno e esquadria
l Escantilhamento
l Leitura de desenho técnico
l Samblagens (peças com sentido curvilíneo)
l Curvas perfeitas e irregulares
l Cuidados a observar com colas químicas
l Cuidados a observar na utilização da prensa
l Cuidados necessários na remoção de bedames cortantes

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 40 /  50


   

Carga horária
2346 Máquinas-ferramenta - desenvolvimento 50 horas
 

l Identificar as máquinas-ferramenta, caracterizar os seus órgãos e acessórios, modo de funcionamento e os meios 
técnicos utilizados em situações particulares.
Objectivo(s)
l Executar operações nas máquinas-ferramenta, referindo a ordem cronológica, especificando a preparação e 
montagem dos elementos de corte e a preparação dos elementos auxiliares móveis e pneumáticos.
 

Conteúdos

l Preparação da máquina-ferramenta - tupia
¡ Características da tupia

-   Órgãos e acessórios
¡ Fresas de perfil variado

¡ Remoção e montagem de fresas e acessórios

¡ Regulação e travamento da árvore

¡ O alimentador, acerto e definição de velocidades

¡ Protecções e resguardos

¡ O rolamento copiador

¡ Cuidados na força motriz

¡ Precauções no manusear das fresas

¡ Cuidados na utilização das protecções de segurança

¡ Lubrificação / manutenção

l Operações na tupia
¡ Preparação das madeiras

-   Revessos e veios da madeira


¡ Preparação da máquina e execução de operações

¡ Verificação da máquina e os seus órgãos

¡ Verificação das protecções

¡ Escolha de cortantes

¡ Montagem de cortantes

¡ Regulação da máquina

¡ Moldagem com o auxílio da paralela

¡ Moldagem com o auxílio do rolamento de encosto

¡ Montagem do alimentador

¡ Regulação alimentador

¡ Execução de perfis com o auxílio do alimentador

l Preparação da máquina-ferramenta – serra circular


¡ Características daesquadrejadora

-   Órgãos e acessórios
¡ Cortantes e tipos de denteados

¡ Velocidades de corte

¡ Paralelas, acerto de esquadria e em ângulo

¡ Protecções e seus acertos

¡ Cortes com utilização de paralela, carro lateral

¡ O disco incisor

¡ Remoção e montagem dos discos de corte

¡ Cuidados na força motriz

¡ Cuidados com os elementos cortantes

¡ Precauções com as protecções de segurança

¡ Lubrificação / manutenção

l Operações na serra circular
¡ Preparação das madeiras - aglomerados

¡ Verificação da máquina

¡ Verificação dos órgãos de corte e protecções

¡ Montagem de cortantes

¡ Esquadrejamento de peças

-   Serrar em transversal
-   Serrar em oblíquo com paralela
-   Serrar com disco inclinado
-   Rebaixar peças
-   Serrar com disco incisor
l Preparação da máquina-ferramenta - torno
¡ Características do torno

-   Órgãos e acessórios - remoção e montagem
¡ O corte em sextavado na madeira

¡ Ferramentas de tornear

¡ Paralelas de apoio

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 41 /  50


   

¡Torneamento manual nas várias fases
¡Ferros perfilados de tornear com copiador
¡ O copiador

¡ Velocidades rotativas, diâmetro de peças e dureza da madeira

¡ Fases de torneamento em copiador

¡ Cuidados na força motriz

¡ Os elementos cortantes

¡ Precauções com a utilização do copiador

¡ Lubrificação / manutenção

l Operações no torno
¡ Preparação das madeiras

¡ Verificação da máquina

¡ Verificação de ferramentas e ferros de corte

¡ Montagem de acessórios (buchas e outros)

¡ Torneamento entre pontos

¡ Torneamento com prato

¡ Torneamento com bucha

¡ Torneamento com copiador

¡ Acabamentos

l Preparação da máquina-ferramenta - multifuradora
¡ Características damultifuradora

-   Órgãos e acessórios
¡ Localização e acerto das fresas (brocas)

¡ Meios pneumáticos

¡ Batentes para acerto (escala numérica)

l Accionamento e deslocação do bloco
l Preparação da máquina-ferramenta - multifuradora
¡ Operações de cavilhar

¡ Cavilhas de madeira, medidas utilizadas face às espessuras de madeira

¡ Cuidados na força motriz

¡ Cuidados necessários com as protecções de segurança

¡ Precauções com a utilização dos pneumáticos

¡ Lubrificação / manutenção

l Operações na multifuradora
¡ Preparação das madeiras - aglomerados

¡ Verificação da máquina

¡ Verificação dos órgãos hidráulicos e protecções

¡ Montagem de brocas (fresas)

¡ Ajustamento de peças

¡ Fixação de batentes

¡ Execução de furos em posição horizontal

¡ Execução de furos em posição vertical

¡ Execução de furos em posição de 45º

l Preparação da máquina-ferramenta - fresadora
¡ Características dafresadora

-   Órgãos e acessórios
¡ Cortantes e acessórios de apoio

¡ Remoção e montagem de fresas e acessórios

Carga horária
2359 Comando numérico computorizado (CNC) 50 horas
 

l Operar equipamentos de comando numérico computorizado utilizados na indústria da madeira e elaborar 
Objectivo(s) programas simples, quer de forma manual, quer automática, com recurso a software de CAD/CAM, para
maquinação automática de peças.
 

Conteúdos

l Introdução ao controlo numérico computorizado
¡ Evolução dos métodos de fabrico

¡ Métodos de fabrico actuais

¡ Comando Numérico

¡ O que é o Controlo Numérico

¡ Vantagens do Controlo Numérico Computorizado

¡ Campo de aplicação

¡ Produção em série ou em massa

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 42 /  50


   

¡ Produção flexível
¡ Tipos de máquinas CNC utilizadas na transformação de madeira.
l Operações de máquinas CNC
¡ Dossiê de organização de tarefas

¡ Materiais a maquinar

¡ Ferramentas de corte

¡ Técnicas de maquinação

¡ Princípios gerais de funcionamento dos sistemas e das máquinas

¡ Funções programáveis

¡ Elementos de comando

¡ Componentes comandáveis

¡ Sistemas de controlo de funcionamento

¡ Tipo de armazenamento

¡ Organização das ferramentas em armazém

¡ Mudança automática de peça de fabrico

¡ CNC versus máquinas manuais

¡ Limitações do CNC

l Conceitos de geometria aplicados ao CNC


¡ Técnicas de plantear em régua

¡ Sistema de coordenadas

¡ Coordenadas cartesianas

¡ Coordenadas absolutas

¡ Coordenadas incrementais

¡ Noções elementares de trigonometria

¡ Teorema de Pitágoras

¡ Fórmulas básicas

¡ Ponto zero máquina

¡ Ponto zero peça

¡ Ponto zero da ferramenta

¡ Os diferentes tipos de eixos das máquinas CNC

l Programação de máquinas CNC
¡ Tipos de comando

¡ Sistema ISO de programação

¡ Linguagem G

l Ferramentas específicas para CNC
¡ Análise da ferramenta

¡ Encabadouros

¡ Diâmetros

¡ Altura da ferramenta e do corte

¡ Sentido do corte

¡ Rotações recomendadas

¡ Sentido do corte

¡ Ajuste da ferramenta

¡ Maquinação experimental

¡ Ajustamento extremo

¡ Ajustamento óptico

¡ Compensação da ferramenta de corte

l CAD/CAM na industria da madeira e do mobiliário
¡ Projecto de peças com software de CAD/CAM

¡ Programação automática de máquinas CNC, através de software de CAD/CAM

¡ Geração automática de programas ISO, através de software de CAD/CAM

¡ Pós-processamento

¡ Maquinação de peças com recurso a software CAD/CAM

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 43 /  50


   

Carga horária
2360 Mobiliário de estilo de época 25 horas
 

l Enumerar os factores que influenciam a história da arte, no mobiliário, identificando e caracterizando os principais 
Objectivo(s) movimentos, grupos, tendências e escolas, considerando o contexto histórico e geográfico, os fundamentos 
teóricos e as realizações práticas.
 

Conteúdos

l Mobiliário ao longo da história
¡ Localização geográfica

¡ Enquadramento histórico

¡ O Renascimento em Itália

¡ O Maneirismo na pintura, escultura e arquitectura

¡ O Renascimento na Alemanha e França

¡ O Barroco nos Países Baixos

¡ O Barroco na França e na Inglaterra

¡ O Neoclassicismo e o Romantismo

¡ O Realismo e o Impressionismo

¡ O Pós-Impressionismo

¡ Principais Movimentos (Arts and Crafts, Arte Nova, Art Deco, design industrial e styling)

¡ Actividades ou materiais mais representativos

¡ Objectos importantes

¡ Artistas ou personagens relevantes

¡ Quadros cronológicos

l Mobiliário representativo
¡ O Renascimento

¡ A Arte Renascentista

¡ O mobiliário renascentista italiano

¡ O mobiliário renascentista francês

¡ O mobiliário renascentista flamengo

¡ O mobiliário renascentista inglês

¡ A Arte Barroca

¡ O mobiliário barroco francês

¡ O mobiliário barroco inglês

¡ O mobiliário barroco português

¡ A arte e o mobiliário indo-português

¡ A Arte Rococó

¡ O mobiliário rocaille francês - Regência e Luís XV

¡ O mobiliário rococó inglês

¡ O mobiliário rococó português

¡ A arte e o mobiliário neoclássicos

¡ Directório

¡ Consulado

¡ Império

¡ A arte e o mobiliário românticos

¡ Elementos decorativos

¡ Aspectos construtivos

¡ Funcionalidade

¡ Incorporação de outros materiais

¡ Peças mais representativas

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 44 /  50


   

Carga horária
2361 Planteamento marcação e traçagem de móveis de estilo 50 horas
 

l Executar o planteado do móvel, especificando ligações, cortes e outros elementos do traçado.
l Identificar diferentes tipos de murtagem e enxovados, especificando as técnicas de marcação e execução e 
Objectivo(s)
referindo dados de experimentação e acerto.
l Executar as murtagens em conformidade com o traçado.
 

Conteúdos

l Mobiliários do séc. XVII (países e culturas)
l A evolução do móvel e processos construtivos da época, séc. XVII
l Estudo do desenho técnico
¡ Planteados de pormenores

l Custos de materiais
¡ Orçamentos

l Elementos engradados
l Murtagens, aplicações
l Junta seca e macho postiço interrompido
¡ Almofadas - portas e ilhargas

l Operações com fresadora
¡ Órgãos e acessórios

l Estruturas para gavetas interiores


l Operações com emalhetadeira
¡ Órgãos e acessórios

¡ Malhetes de máquina

l Encabeço, processos de aplicação
l Folhas de madeira (folhear)
¡ Tratamento da folha e sua aplicação

¡ Cortes e casamentos de folhas

¡ Folheamento, manual e mecânico

l Estilos de pés de mobiliário (regiões e épocas)
l Cuidados a observar com os cortantes (fresas)
l Uso de protecções e resguardos
l Limpeza do posto de trabalho
l Cuidados necessários no tratamento de folha
l Cuidados necessários com produtos de acabamento

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 45 /  50


   

Carga horária
2362 Montagem de estruturas de móveis de estilo 50 horas
 

l Proceder à montagem dos elementos estruturais, referindo as técnicas de ajustamento e aperto e especificando 
os processos de verificação de esquadrias.
l Identificar traçados de perfis moldados e adornos, distinguindo-os das diferentes aplicações e referindo 
Objectivo(s)
pormenores de conjunto, ligação e remate.
l Executar estruturas para gavetas e prateleiras no interior de mobiliário.Identificar diferentes tipos de ferragem para
mobiliário de estilo (séc. XVII).
 

Conteúdos

l Mobiliários do séc. XVII (países e culturas)
l A evolução do móvel e processos construtivos da época, séc. XVII
l Estudo do desenho técnico
¡ Planteados de pormenores

l Elementos engradados
¡ Montagem – acerto de murtagens

¡ Colagem

-   Esquadrias/escantilhamento
l Adornos de mobiliário (gregas, óvalos, pérolas, caneluras e outros)
¡ Traçados e aplicação de adornos

l Montagem da estrutura - móvel


l Junta seca e macho postiço interrompido
l Operações com emalhetadeira
¡ Órgãos e acessórios

l Montagem da estrutura interior


¡ Gavetas interiores

¡ Prateleiras

l Encabeço, processos de aplicação
l Folhas de madeira (folhear)
l Tratamento da folha e sua aplicação
l Cortes e casamentos de folhas
l Folheamento, manual e mecânico
l Estilos de pés de mobiliário (regiões e épocas)
l Acerto de portas (folgas e ferragens)
l Ferragens de estilo
l Acerto e aplicação de ferragens
l Acabamento condicente com o estilo
l Limpeza do posto de trabalho
l Cuidados necessários no tratamento de folha
l Cuidados necessários com produtos de acabamento

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 46 /  50


   

Carga horária
2363 Construção de componentes com perfis curvos 50 horas
 

l Identificar os processos para marcação e execução de moldes para obtenção de peças com perfil curvo, definindo
as técnicas de transposição do traçado para a planificação.
Objectivo(s)
l Executar estrutura de suporte ao movimento de gavetas, referindo as marcações para corrediças, guias e rasgos 
necessárias.
 

Conteúdos

l Mobiliário do séc. XVIII (países e culturas)
l A evolução do móvel na época, séc. XVIII
l Estudo de desenho técnico
¡ Planteados de pormenores técnicos

l Marcações curvilíneas em peças de madeira
l Moldes, aplicações e execuções
l Perfilamentos de peças curvas
l Saias e abas, aplicações e execuções
l Afagamentos de peças curvas (saias, abas e entrepanos)
l Modelos de gavetas com sentido curvo
l Traçagem de gavetas com sentido curvilíneo
l Acerto de frentes, gavetas e outros elementos
l Precaução no perfilamento de peças curvas
l Precaução no manuseamento dos utensílios de folheamento manual
l Cuidados necessários com os produtos de acabamento

Carga horária
2364 Preparação e aplicação de folheados 25 horas
 

l Identificar a partir do desenho o traçado de peças curvilíneas, definindo dados técnicos para o planteamento.
l Proceder à preparação da folha, definindo o ângulo de corte, de acordo com o traçado do desenho 
Objectivo(s) (acasalamento).
l Executar diferentes processos de folheamento, especificando os procedimentos de folheação com cola e grude e 
referindo as técnicas de aplicação e procedimento em cortes e acabamentos.
 

Conteúdos

l Mobiliário do séc. XVIII (países e culturas)
l A evolução do móvel na época, séc. XVIII
l Desdobramento da folha
l Preparação e aplicação de folha
l Folheados em espinha, corte e acasalamento
l Folheamento manual com utilização de grude
l Folheamento em peças de sentido curvo
l Modelos de gavetas com sentido curvo
l Produtos de acabamento (verniz, lacas e outros)
l Precaução no manuseamento dos utensílios de folheamento manual
l Cuidados necessários com os produtos de acabamento

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 47 /  50


   

Carga horária
2365 Planteamento, traçagem e execução de mobiliário - papeleira 50 horas
 

l Proceder ao planteamento da peça, reconhecendo a importância da criação e referindo aspectos da sua 
construção.
l Identificar as técnicas para ligação de madeiras prensadas, especificando os elementos da estrutura, os 
Objectivo(s)
procedimentos necessários ao ensaio, colagem e verificação de esquadrias.
l Montar e colar os elementos constituintes da estrutura prensada.
l Preparar as peças para a tampa da papeleira de acordo com o traçado.
 

Conteúdos

l Criação de peças de mobiliário (esboço, estudo e desenho técnico)
l Estudo de desenho técnico
¡ Planteados de pormenores técnicos

l Preparação e concepção
l Operações com furadora múltipla
¡ Órgãos e acessórios

l Guarnições de meia esquadria em arestas de canto
l Corrediças e guias de gaveta, aplicação e acerto
l Guarnições moldadas de socos
l Rebaixos interrompidos
l Acerto de tampa em papeleira
l Apoios de tampas, movimento e aplicação
l Fábricas em papeleiras, execução e aplicação
l Afagamentos de folha de raiz a raspador
l Ferragens de estilo e adorno
l Estudo de desenho técnico
l Cuidados a observar nas furações
l Cuidados com os produtos de acabamento

Planteamento, traçagem e execução de mobiliário - vitrina de Carga horária


2366 papeleira 50 horas
 

l Identificar a partir do desenho o traçado de peças, definindo dados técnicos para o planteamento.
l Identificar tipos de frontão, referindo o estilo de acordo com o conjunto, (móvel).
Objectivo(s) l Identificar diferentes traçados de aranhas, referindo técnicas de ligação e ajustamento dos perfis.
l Executar o planteado das aranhas em conformidade com o desenho, procedendo ao corte, ensaio e colagem dos
elementos (perfis).
 

Conteúdos

l Criação de peças de mobiliário (esboço, estudo e desenho técnico)
l Estudo de desenho técnico
¡ Planteados de pormenores técnicos de vitrina

l Preparação e concepção
l Operações com furadora múltipla
¡ Órgãos e acessórios

l Guarnições de meia esquadria em arestas de canto
l Rebaixos interrompidos
l Guarnições moldadas de alçados
l Desenhos e modelos de aranhas
¡ Cortes, ligações e colagem de aranhas

l Ferragens de estilo e adorno


l Cuidados a observar nas furações
l Cuidados a observar com o fabrico de aranhas
l Cuidados na execução de torneados
l Cuidados com os produtos de acabamento

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 48 /  50


   

Carga horária
2367 Técnicas de marchetaria 50 horas
 

l Identificar a partir do desenho o traçado de peças definindo dados técnicos para o planteamento.
l Identificar mobiliário com diferentes aplicações de marchetaria, referindo os materiais embutidos e estabelecendo
Objectivo(s) a relação dos diferentes ornamentos com o estilo e época da sua execução.
l Executar operações de cópia e decalque de desenhos para aplicação de marchetados, referindo as técnicas de 
corte, abertura de fios, ranhuras e outros elementos.
 

Conteúdos

l Mobiliário marchetado
l Criação de peças de mobiliário marchetadas
l Materiais utilizados em marchetaria (madeira, osso, madrepérola, metais e outros)
l Fresas para abertura de fios e faixas
l Fios amarelos, aplicações
l Técnicas para aplicação de faixas
l Técnicas para aplicação de marchetaria de conjunto
l Samblagem por respiga postiça
l Corte e acasalamento de folha de raiz
l Esboço
l Estudo de desenho técnico
l Cuidados a observar na execução de marchetados
l Cuidados a observar com ferramentas e utensílios de marchetaria
l Cuidados necessários com produtos de acabamento

Carga horária
2368 Montagem e reparação de mobiliário 25 horas
 

l Montar diferentes peças de mobiliário a partir dos diferentes elementos que o constituem.
l Interpretar desenhos e outras especificações técnicas.
Objectivo(s)
l Aplicar conhecimentos teóricos e práticos das características mecânicas e físicas da madeira na reparação de 
mobiliário.
 

Conteúdos

l Mobiliário – técnicas de marcenaria
¡ Mobiliário de estilo de época – processos construtivos

¡ Estudo de desenho técnico

¡ Ferragens decorativas e de ligação de componentes, de acordo com o estilo de época do móvel

l Reparação e montagem de mobiliário
¡ Análise de fichas de reparação, complementadas com desenhos, esquiços, fotografias ou outros

¡ Técnicas de execução de samblagens em mobiliário de estilo de época

¡ Técnica de levantamento de medidas das peças a reparar

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 49 /  50


   

4. Sugestão de Recursos Didácticos

l Aula de madeira embutidos J. López, J., V. Gibert, Lisboa, Editora Estampa, s.d.
l Aula de madeira, marcenaria Editorial Estampa, Lisboa, 2000
l Biologia celular e molecular - Carlos Azevedo
l Cadernos de educação permanente, segurança e higiene e saúde no trabalho, Ministério de Educação
l Colecção artes e ofícios, A carpintaria - Lisboa Editorial Estampa, 1998
l Coleccion técnica de bibliotecas profesionales - OCEANO / CENTRUM
l Decoração de madeira, E. Pascual, Lisboa, Editora Estampa, 2002
l Desenho Técnico Básico 3 - Simões Morais, Porto Editora 1999
l Desenho Técnico, Luís Veiga da Cunha - Fundação Calouste Gulbenkian 9.ª Edição
l Desenhos técnicos - Cearte
l Ergonomia CHECKPOINTS - Internacional Labour Office Geneva
l Formar para a gestão da qualidade total - D. Jeffries. B. Evand, P. Reynolds, Monitor, 1996
l Guia de história do mobiliário - R. Montenegro, Editorial Presença, Lisboa, 1995
l Guia dos estilos de mobiliário - A. Brunt, Editorial Presença, Lisboa, 1990
l História da arte portuguesa, vol. I, III e III, P. Pereira, Lisboa, Circulo de Leitores, s.d.
l História de arte - H.W. Janson, Lisboa, Calouste de Gulbenkian, 1998
l Madeiras portuguesas - Albino Carvalho
l Manuais de Máquinas-ferramenta de 2.ª transformação - Cearte
l Manual de segurança e higiene e saúde no trabalho - Alberto Sérgio S. R. Miguel
l Qualidade, Técnicas e Ferramentas (A) - R. Santos, M. Rebelo, Porto Editora, 1990
l Sector da Madeira e suas Obras em Portugal (O) – Lisboa, INOFOR, 2000
l Segurança, higiene e saúde no trabalho – serviços de informação científica e técnica
l Talha (A) – Escultura em Madeira - Vários, Lisboa, Editora Estampa, s.d.
  l Tecnologia dos materiais - módulo das madeiras - Lisboa, ME, 1985
l Videogramas Colecção madeiras e mobiliário - IEFP, 2000

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO | Marceneiro/a - Nível 2 | 23-05-2013 50 /  50