Você está na página 1de 26

Aula 01

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com


Videoaulas - Pós-Edital

Autores:
Paulo Guimarães, Thais Poliana
Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
8 de Março de 2020

05277220496 - Leandro Gomes de Barros


Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01

1 - Considerações Iniciais ................................................................................................... 2


2 - A Posse ......................................................................................................................... 2
2.1 - Condições da posse ................................................................................................................... 2
2.2 - O ato da posse: declaração de bens e de não acumulação de cargos não acumuláveis ......... 4
3 - O Exercício .................................................................................................................... 6
3.1 - As Garantias ou o seguro de fidelidade funcional .................................................................... 7
3.2 - O Estágio Probatório ................................................................................................................. 8
4 - A Substituição ............................................................................................................... 9
5 - A Vacância .................................................................................................................. 10
6 - Resumo da Aula .......................................................................................................... 11
7 - Questões.....................................................................................................................
32174 12
7.1 - Questões Comentadas ............................................................................................................ 12
7.2 - Lista de Questões .................................................................................................................... 20
7.3 - Gabarito .................................................................................................................................. 24
8 - Considerações Finais ................................................................................................... 25

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital


1
www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS
Olá, amigo concurseiro!
Na aula passada analisamos as classificações dos cargos públicos municipais sob a ótica da forma e
natureza de provimento e estudamos também as características básicas do concurso público.
Na aula de hoje avançaremos nos aspectos importantes do “ciclo de vida” do servidor, a começar de
sua nomeação e posse, até as formas de progressão na carreira, provimentos derivados e vacância
do cargo. Vamos começar?

2 - A POSSE

2.1 - CONDIÇÕES DA POSSE

Art. 16. Posse é a investidura em cargo público.


Parágrafo Único. Não haverá posse nos casos previstos nos incisos II a VII do Art.7º.

Quando tratamos de provimento originário, estamos falando a respeito da nomeação. A nomeação


é a única forma de provimento originário, seja ela em cargo efetivo, quando precedida de um
concurso público no qual o candidato obteve aprovação, seja ela em cargo em comissão de livre
provimento e exoneração.
No entanto, esse parágrafo único perdeu importância, pois o Art. 7º foi completamente revogado,
mas ainda assim normalmente a posse ocorre apenas na nomeação.
Após a publicação do ato de provimento na imprensa oficial, abre-se um prazo de 30 dias para que
ocorra a posse (conforme podemos ler no art. 22 do Estatuto).

2.1.1 - Prazo da posse

Para que ocorra a posse, há a necessidade de observarmos algumas condições. A primeira, como
vimos, é a de que ela ocorra no prazo de 30 dias a contar da publicação do ato de provimento no
Diário Oficial da Cidade do Recife.
Este prazo, no entanto, não é totalmente rígido, e pode ser prorrogado por mais 120 dias, a
requerimento justificado do interessado. Podemos dizer, portanto, que, após a nomeação, o
nomeado tem até 150 dias para tomar posse, caso peça a prorrogação.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 2


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Além disso, é admitida a posse por procuração, quando o nomeado estiver ausente do município e
em casos especiais previstos na Lei, sempre que a autoridade competente para dar a posse considere
adequado.
Com todas estas possibilidades que são facultadas ao nomeado, é natural que, caso o a posse não
se dê dentro do prazo previsto, o ato de provimento torne-se automaticamente sem efeito,
perdendo este o direito à nomeação.

Art. 22. A posse verificar-se-á no prazo de 30 (trinta) dias, contados da publicação do ato
específico de provimento no Diário Oficial da Cidade do Recife.
§ 1° A requerimento justificado do interessado, este prazo poderá ser prorrogado por mais cento
e vinte (120) dias.

2.1.2 - Requisitos

Além disso, é importante que recordemos que, para sermos empossados, temos que cumprir com
os seguintes requisitos subjetivos:

Requisitos para a posse em cargo público municipal:


I - ser brasileiro nato ou naturalizado;
II - ter idade compreendida entre 18 (dezoito) anos completos e 55 (cinquenta e cinco) incompletos,
ressalvadas as disposições legais;
III - estar em gozo dos direitos políticos e não possuir antecedentes criminais;
IV - estar quite com as obrigações militares e eleitorais;
V - ser julgado apto em exame de sanidade física e mental;
IV - atender aos requisitos especiais para o desempenho do cargo e possuir habilitação legal exigida,
quando o caso.

Algumas questões da aula anterior já abordaram estes requisitos, então perceba como é importante
que você os decore! Vamos comentar um pouco aqueles que mais são pedidos em concursos.
A Constituição Federal proíbe, taxativamente, que a Lei estabeleça distinção entre brasileiros natos
e naturalizados, salvo nos casos previstos na própria Constituição. Ou seja, se você se deparar com
uma questão que faça tal distinção, tenha em mente que esta distinção deverá ter origem de uma
das poucas hipóteses previstas na Constituição de 1988.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 3


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Quanto aos cargos privativos de brasileiros natos, os únicos que têm ingresso por meio de algum
concurso são aqueles da carreira diplomática e de oficial das Forças Armadas. Sugiro que você dê
uma olhada no §3º do artigo 12 da Constituição Federal.
A questão da idade também é um tema interessante. Você deve se lembrar que, para servidores
públicos federais, estaduais e municipais, não se poderá opor limite máximo no ato de inscrição em
concurso público. Mas, se o aprovado estiver acima do limite previsto no dia previsto para a posse,
perderá esse direito?
Esta é uma questão interessante, mas decisões recentes do STF e do STJ pontuam que, admitida a
idade no ato da inscrição, e não constando o limite no edital, o aprovado tem direito à nomeação.
Importante ainda recordar que a idade máxima de 55 anos para a posse somente vale para os cargos
efetivos, apesar de me parecer inconstitucional, afinal não há justificativa exposta. Em caso de cargo
em comissão, esta idade sobe para até 70 anos incompletos.
Por fim, é importante também lembrar que, no caso dos provimentos derivados, em especial em
relação à reintegração, reversão e readaptação, a Lei excepciona a necessidade de fazer prova do
cumprimento das condições relativas aos incisos I, II, III e IV.

2.2 - O ATO DA POSSE: DECLARAÇÃO DE BENS E DE NÃO ACUMULAÇÃO DE CARGOS NÃO


ACUMULÁVEIS

Art. 18. No ato da posse, o candidato deverá declarar, por escrito, se é titular de outro cargo,
função ou emprego público ou privado.
Parágrafo Único. Se a hipótese for a de que sobrevenha ou possa sobrevir acumulação proibida
com a posse, esta será sustada até que, respeitados os prazos do Art. 22, se comprove inexistir
aquela.

No ato da posse, o candidato declara os bens e valores que formam o seu patrimônio, bem como se é ou não
titular de outro cargo, função ou emprego público ou privado.
Este último procedimento é estabelecido com o objetivo de garantir que não haja acumulação proibida de
cargos, situação em que a posse é suspensa até que se regularize a situação do candidato. Quais são estas
situações?
Aproveitando o ensejo, a regra geral é bem simples: não é permitida a acumulação remunerada de cargos,
e esta proibição se estende a cargos, funções ou empregos em autarquias, empresas públicas e sociedades
de economia mista – ou seja, falamos de cargos e empregos da Administração Pública Direta e Indireta.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 4


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Entretanto, o art. 183 prevê exceções e nos informa que, caso haja
correlação de matérias entre os cargos e compatibilidade de horários, é
possível admitir a acumulação de:
I - dois cargos de professor;
II - um cargo de professor com outro técnico ou científico;
III - dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com profissões regulamentadas.

Uma questão relevante diz respeito ao cargo técnico ou científico. Como se define esse cargo? A
própria lei diz que é aquele que exija educação superior ou educação profissional, ministrada na
forma e nas condições previstas na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.
A proibição de acumular também se estende
I - a empregos e funções, inclusive contratos temporários, e abrange autarquias, fundações,
empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias e sociedades controladas direta
ou indiretamente pelo poder público; e
II - aos proventos de aposentadoria pagos pelo regime próprio de previdência social do município
do Recife e de outros entes da federação, ressalvados os proventos decorrentes de cargo acumulável
na forma deste artigo.

Além disso, é importante mencionar que o servidor que acumular licitamente cargos públicos fica
obrigado a comprovar a compatibilidade de horários.
Há ainda grupos, comissões ou órgãos colegiados que, no seu ato de constituição, já designam os
seus membros. Estes membros são os chamados membros natos. Por causa disso os membros natos
têm um dever imposto sobre o seu cargo de participar destes órgãos. Nesse caso, e somente nesse
caso, é permitido que a participação se dê em até dois órgãos desta natureza.
Se for verificada, a qualquer tempo, a acumulação ilegal de cargos, empregos, funções públicas ou
proventos de aposentadoria, a Comissão de Acumulação de Cargos (CAC) notificará o servidor para
apresentar defesa ou fazer opção, no prazo de 15 dias, contados da data da ciência da notificação.
Esgotado este prazo, caberá à CAC decidir sobre a legalidade da acumulação. Feita a opção pelo
servidor, ele será exonerado do cargo, emprego ou função exercido no município do Recife ou no
outro ente federado, hipótese em que deverá fazer a comprovação com cópia da portaria do ato de
exoneração e o processo será arquivado no âmbito da Comissão de Acumulação de Cargos - CAC.
Se a opção não for feita, a CAC irá solicitar a instauração de Processo Administrativo Disciplinar
(PAD). Após instaurado, ele tem o prazo da defesa escrita para ainda assim fazer sua opção. Nesse
caso, presume-se a fé do servidor, e o processo será arquivado.
Essa segunda chance que é dada no PAD não vale para o servidor que tenha feito declaração falsa
sobre acumulação de cargos por ocasião de sua posse ou for reincidente na acumulação ilegal de
cargos, empregos ou funções públicas.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 5


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Caracterizada no processo administrativo disciplinar a acumulação ilegal e provada a má-fé, a


Comissão Central de Inquérito (CCI) concluirá o relatório pela aplicação da pena de demissão,
destituição de cargo comissionado, cassação de aposentadoria ou disponibilidade, em relação ao
cargo exercido no município do Recife, sem prejuízo da restituição ao erário dos valores
indevidamente percebidos sem a prestação do serviço e da ação penal cabível.

Art. 19. São competentes para dar posse:


I. na Prefeitura da Cidade do Recife:
a) o Prefeito, aos Secretários;
b) o Secretário de Administração, aos demais nomeados para cargos de provimento em comissão;
c) o Diretor do órgão de Administração de Pessoal, aos nomeados para cargos de provimento
efetivo;
II - na Câmara Municipal do Recife:
a) o Presidente da Câmara, aos nomeados para cargos de provimento em comissão;
b) o Diretor do órgão de Administração de Pessoal, aos nomeados para cargos de provimento
efetivo.

Você percebeu que não se menciona o Poder Judiciário? Isso ocorre por uma simples razão: no
âmbito do Município não existe Poder Judiciário, mas somente o Executivo e o Legislativo.

3 - O EXERCÍCIO

Art. 30. O exercício do cargo terá início dentro do prazo de 30 (trinta) dias, contados:
I - da data da posse, no caso de nomeação;
II - da data da publicação oficial do ato, nos demais casos.
§ 1° A requerimento do interessado, e ajuízo da autoridade competente, o prazo estabelecido neste
Artigo poderá ser prorrogado por 30 (trinta) dias.

Segundo o nosso Estatuto, o exercício é o período de efetivo desempenho das atribuições de


determinado cargo, e se inicia após a posse. Ele não precisa, no entanto, iniciar imediatamente após
a posse, pois a Lei prevê um prazo máximo para que o funcionário possa se apresentar para o
exercício.
Aqui encontramos uma peculiaridade do nosso Estatuto, e, se você já estudou outros Estatutos,
deverá prestar bastante atenção neste ponto, a fim de não ser induzido a erro durante a prova. O
prazo mais comum é o de 15 dias para entrada em exercício, a contar da data da posse. Nosso
Estatuto, porém, muito mais favorável ao funcionário público, prevê prazo de 30 dias, prorrogável
por mais 30 dias.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 6


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

O prazo para a posse, a contar da nomeação, é de 30 dias


prorrogáveis por mais 120 dias.
O prazo para o exercício, a contar da posse, é de 30 dias
prorrogáveis por mais 30 dias.

Importante salientar que a contagem do prazo corre a partir da nomeação, sempre que tratamos de
cargo de provimento originário. Nos demais casos, ou seja, aqueles de provimento derivado, a
contagem ocorre a partir da data da publicação oficial do ato.
Atualmente as formas de provimento derivado são previstas na Lei 15.127/1988, não mais no
próprio Estatuto (14.728)
As causas de afastamento que geram por consequência a entrada em exercício imediatamente após
o seu término são elencadas nos incisos I, II e III art. 76 do EFPMRe:
I - férias;
II - casamento;
III - luto;
A questão de prazos e tempo de exercício é muito relevante, pois é ela que define o tempo de serviço.
A interrupção no exercício implica interrupção na contagem do tempo de serviço. Assim, situações
que interrompem o exercício também devem ser objeto de atento estudo. Por enquanto, basta que
recordemos algumas regras que o Estatuto nos traz neste capítulo.
A primeira nos informa que o servidor que tenha se afastado do Município em razão de ter sido
colocado em disponibilidade para órgão ou entidade de outro ente da federação e que necessite
viajar para retomar o exercício deverá contar os dias viajados como de efetivo exercício. Este tempo
não poderá ser maior, no entanto, do que 7 dias contados a partir da dispensa ou na exoneração.
Já a segunda trata de situação mais grave: o servidor que tenha sido preso preventivamente ou em
flagrante, seja em razão de crime comum ou funcional ou, ainda, condenado por crime inafiançável
em processo que ainda não tenha sido levado a julgamento, será afastado do exercício até a
sentença final transitada em julgado.
Por fim, uma última regrinha: o exercício somente poderá se iniciar no órgão em que o funcionário
houver sido lotado, podendo a Administração, motivadamente, conforme critérios de conveniência
e oportunidade, alterá-la posteriormente, de ofício ou a pedido do funcionário.

3.1 - AS GARANTIAS OU O SEGURO DE FIDELIDADE FUNCIONAL

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 7


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Art. 37. O nomeado para cargo cujo exercício exija prestação de garantia terá assegurado, pelo
Município, o desconto do valor do prêmio de seguro de fidelidade funcional, que poderá ser mantido
pela própria administração, ou ajustado com entidade autorizada.
Art. 38. O responsável por alcance ou desvio de material não ficará isento da ação administrativa
ou criminal que couber, ainda que o valor da garantia seja superior ao prejuízo verificado.
Art. 39. Serão periodicamente discriminados, por decreto, os cargos sujeitos à prestação de
garantia e determinadas as importâncias, para cada caso, revistos e atualizados os valores sempre
que houver a elevação dos vencimentos desses cargos.

O nosso Estatuto prevê que, em alguns cargos indicados em Decreto – notadamente naqueles em
que as atribuições incluem a gerência de grandes volumes de dinheiro – o seu exercício seja
condicionado à prestação de garantias pelo funcionário.
Este “seguro de fidelidade funcional” constitui verdadeira fiança que o funcionário deverá depositar
em favor do Município para que possa entrar em exercício.
O art. 37 do Estatuto nos informa que cabe ao Município assegurar o desconto do valor do prêmio
de seguro de fidelidade funcional.
É muito importante ressaltar que a existência destas garantias não exime o funcionário de eventual
responsabilidade administrativa ou criminal decorrente de desvio de material que esteja sob sua
competência, mesmo que o valor do dano seja inferior àquele dado em garantia.

3.2 - O ESTÁGIO PROBATÓRIO

Art. 23. Estágio probatório é o período inicial de 2 (dois) anos de efetivo exercício do funcionário
nomeado por concurso público, para cargo de provimento efetivo.

A partir do momento em que entra em exercício, o funcionário ocupante de cargo efetivo inicia o
seu estágio probatório, período em que ele será avaliado de acordo com critérios estabelecidos em
Lei e, ao final, caso a avaliação seja positiva, lhe será conferida a estabilidade no cargo.
Observem que a estabilidade diz respeito ao serviço público e não ao cargo!
O texto do nosso EFPMRe nos informa que o estágio probatório compreende o período inicial de
dois anos do efetivo exercício do funcionário nomeado por concurso público para cargo de
provimento. No entanto, cuidado! A Constituição Federal alterou este prazo ao dispor, em seu artigo
41, que:

São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores


nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de
concurso público.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 8


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Disso tiramos uma importante dica para a prova: caso a questão de prova faça referência ao texto
do Estatuto, a resposta será a de que o servidor alcança a estabilidade após estágio probatório de
dois anos; de modo distinto, caso a pergunta faça referência ao que é válido, ou não mencione
nenhuma lei nem a Constituição, estaremos nos referindo ao prazo de três anos.
Quando começamos a tratar do estágio probatório, falamos que a avaliação que ocorre ao longo
deste período é feita por alguém, e que deve levar em consideração critérios legais. Vejamos agora
quais são estes critérios e a quem cabe avaliar o servidor que ingressa no serviço público.

O artigo 24 do EFPMRe traz os 5 critérios que deverão ser verificados na avaliação. São eles:
I - idoneidade moral;
II - disciplina;
III - pontualidade;
IV - assiduidade;
V - eficiência.

Quanto ao responsável pela avaliação, o Estatuto concede esta atribuição ao superior imediato do
funcionário que está em estágio probatório, que deverá encaminhá-la ao órgão de administração de
pessoal 60 dias antes do término do estágio.
Nesse período de 60 dias, o órgão de administração de pessoal deverá analisar os apontamentos
feitos pelo superior do funcionário sujeito ao estágio probatório a fim de emitir um parecer
conclusivo.
Caso o parecer seja contrário à permanência do funcionário, este terá o prazo de 10 dias para
apresentar defesa por escrito, que seguirá, juntamente com o parecer, para a autoridade
competente para decidir pela exoneração.
A autoridade superior, por sua vez, deverá se pronunciar antes de concluído o período do estágio
probatório. É devido à celeridade com que tal procedimento deve ocorrer (60 dias) que se diz que a
apuração dos critérios que deverão pautar a avaliação será processada em rito sumário.

4 - A SUBSTITUIÇÃO
A substituição consiste na designação de funcionário ocupante de cargo de provimento efetivo ou
emprego permanente para ocupar cargo ou função durante o afastamento temporário do titular,
devendo ocorrer no mesmo órgão ou entidade em que tenha exercício. Por ser situação temporária,
basta que o titular reassuma o cargo para que os efeitos da substituição cessem.
Mas, afinal, quais são os efeitos que devemos ter em mente?

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 9


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Como o substituto assume todas as responsabilidades do substituído, é natural que ele receba a
diferença entre o seu vencimento e o vencimento do substituído desde o primeiro dia de
substituição.
Além disso, é possível que um ocupante de cargo em comissão seja chamado a substituir outro cargo
de mesma natureza até que ocorra a nomeação do respectivo titular. Nesse caso, o substituto deverá
receber os vencimentos correspondentes ao cargo de maior hierarquia.

5 - A VACÂNCIA

Art. 70. A vacância do cargo decorrerá de:


I - exoneração;
II - demissão;
III (Revogado pela Lei nº 15.127/1988)
IV - ascensão funcional;
V - aposentadoria;
VI - readaptação;
VII - falecimento.

A vacância consiste no estado do cargo que não esteja provido, ou seja, do cargo que esteja vago.
Várias são as hipóteses que podem levar a essa situação. São elas:

a) Exoneração do ocupante do cargo. Como vimos na última aula, a exoneração é


desligamento de cargo público que não decorra de uma punição disciplinar. A
Exoneração pode ocorrer a pedido do ocupante do cargo ou de ofício, em três
circunstâncias: (1) quando se tratar de cargo em comissão de livre nomeação e
exoneração, (2) quando o servidor não for aprovado no estágio probatório e (3)
quando o funcionário não assumir o exercício do cargo no prazo legal;
b) Demissão do ocupante do cargo. Também vimos este conceito na última aula:
trata-se do desligamento de cargo público em decorrência de uma punição
disciplinar;
c) Ascensão funcional do ocupante do cargo. Como visto hoje, a ascensão funcional
consiste na elevação do servidor da categoria funcional a que pertence, para outra,
condicionada à existência de vaga e satisfeitos os requisitos de escolaridade,
qualificação funcional e aptidão do servidor.
d) Aposentadoria do ocupante do cargo. Refere-se ao desligamento do cargo
decorrente de invalidez ou transcurso de tempo de serviço, que permite ao
trabalhador passar à inatividade recebendo remuneração.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 10


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

e) Readaptação do ocupante do cargo. Como visto hoje, a readaptação é a


transferência a pedido ou ex-offício, de servidor estável para outro cargo mais
compatível com a sua capacidade física, mental ou intelectual, definitivamente
vago, a critério exclusivo da Administração.
f) Falecimento do ocupante do cargo. Acho que esse aqui é bem autoexplicativo, não
é?

Por fim, recordemos que a data a partir da qual ocorre a vacância é determinada pelo art. 72 do
nosso Estatuto. Assim, a vacância ocorrerá na data:
I - imediata à do falecimento;
II - imediata àquela em que o funcionário completar 70 (setenta) anos de idade;
III - da publicação do ato que aposentar, demitir, exonerar, readaptar ou conceder progressão ou
ascensão funcionais; (ver notas no Art. 70 acima)
IV - em que transitar em julgado a sentença que anule o provimento ou declare a perda do cargo.

6 - RESUMO DA AULA

A Posse é a forma pela qual ocorre a investidura do aprovado em concurso público no


cargo.

Posse: a contar da nomeação, 30 dias prorrogáveis por mais 120 dias.


Exercício: a contar da posse, 30 dias prorrogáveis por mais 30 dias.
Reingresso por Aproveitamento ou Reversão: 30 dias a contar da publicação do ato da
nomeação.

FORMAS DE VACÂNCIA
Exoneração do ocupante do cargo. Como vimos na última aula, a exoneração é
desligamento de cargo público que não decorra de uma punição disciplinar. A Exoneração
pode ocorrer a pedido do ocupante do cargo ou de ofício, em três circunstâncias: (1)
quando se tratar de cargo em comissão de livre nomeação e exoneração, (2) quando o
servidor não for aprovado no estágio probatório e (3) quando o funcionário não assumir
o exercício do cargo no prazo legal;

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 11


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Demissão do ocupante do cargo. Também vimos este conceito na última aula: trata-se do
desligamento de cargo público em decorrência de uma punição disciplinar;
Ascensão funcional do ocupante do cargo. Como visto hoje, a ascensão funcional consiste
na elevação do servidor da categoria funcional a que pertence, para outra, condicionada
à existência de vaga e satisfeitos os requisitos de escolaridade, qualificação funcional e
aptidão do servidor.
Aposentadoria do ocupante do cargo. Refere-se ao desligamento do cargo decorrente de
invalidez ou transcurso de tempo de serviço, que permite ao trabalhador passar à
inatividade recebendo remuneração.
Readaptação do ocupante do cargo. Como visto hoje, a readaptação é a transferência a
pedido ou ex-offício, de servidor estável para outro cargo mais compatível com a sua
capacidade física, mental ou intelectual, definitivamente vago, a critério exclusivo da
Administração.
Falecimento do ocupante do cargo.

7 - QUESTÕES

7.1 - QUESTÕES COMENTADAS

1. TRE-PI - Analista Judiciário – 2009 – FCC (adaptada).


A respeito da posse e do exercício, considere:
I. A posse ocorrerá no prazo de trinta dias contados da publicação do ato de provimento.
II. É de trinta dias o prazo para o servidor empossado em cargo público entrar em exercício,
contados da data da posse.
III. Se o servidor estiver afastado em decorrência de férias, o exercício deverá ocorrer
imediatamente após o término do afastamento
De acordo com o Estatuto do Funcionário Público do Município de Recife, está correto o que
se afirma APENAS em
a) I, II e III.
b) I e II.
c) I.
d) II e III.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 12


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

e) I e III.
Comentários
Todas as alternativas estão corretas e foram estudadas na parte que trata do Exercício.
GABARITO: A

2. (inédita).
Segundo a Lei 14.728/1985, o período de estágio probatório ao qual está sujeito o funcionário
nomeado para cargo de provimento efetivo, na Câmara Municipal de Recife, visando a avaliar
seu desempenho, terá a duração de:
a) 3 anos.
b) 2 anos.
c) 1 ano.
d) 6 meses.
e) 3 meses.
Comentários
Lembrem-se bem: se a pergunta fizer referência à Lei, a resposta será dois anos. Porém, se não o
fizer, devemos observar o mandamento constitucional e responder 3 anos.
GABARITO: B

3. TRT - 4ª REGIÃO (RS) – Técnico Judiciário – 2006 – FCC.


É certo que o provimento dos cargos públicos far-se-á mediante
a) designação de qualquer autoridade superior.
b) habilitação em concurso e por resolução da autoridade pública federal.
c) ato de investidura decorrente do critério das autoridades.
d) ato da autoridade competente de cada Poder.
e) sempre por nomeação dos chefes do Poder Executivo por serem responsáveis pelo
orçamento.
Comentários
Vimos que a competência para dar provimento é conferida ao Prefeito ou ao Presidente da Câmara
Municipal, e, portanto, de pronto já descartamos a primeira e a última alternativas. A segunda
alternativa trata de “resolução da autoridade pública federal”. Ora, sabemos que estamos tratando
do município do Recife, e, em razão da autonomia entre os entes federativos, seria absurdo
considerar que uma autoridade federal deveria pronunciar-se no provimento de cargos municipais.
A alternativa ‘c’ também apresenta erro, pois, como vimos, a investidura, isto é, a posse, ocorre
depois do ato de provimento, e deve observar critérios e formalidades previstas em Lei.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 13


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

GABARITO: D

4. TSE - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação – 2007 – Cespe.


Considere a seguinte assertiva: a nomeação é uma forma de provimento inaplicável a cargos
públicos comissionados, pois a investidura nesses cargos independe da aprovação em concurso
público. Esta assertiva é:
a) correta.
b) errada, pois nomeação não é uma forma de provimento, mas um tipo específico de
investidura.
c) errada, pois o provimento de cargos comissionados é tipicamente feito mediante nomeação.
d) errada, pois a investidura em qualquer cargo público depende de prévia aprovação em
concurso.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 14


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Comentários
A nomeação, como visto, é a única forma de provimento originário de cargo público. Tendo isso em
mente, fica fácil responder esta questão: seja cargo efetivo, seja cargo em comissão, ocorrerá a
nomeação.
GABARITO: C

5. PC-DF - Delegado de Polícia – 2005 – NCE-UFRJ (adaptada).


O servidor público, nomeado para cargo de provimento efetivo, será submetido a estágio
probatório, oportunidade em que será avaliado pela Administração Pública. Quando constatar
que o servidor não preenche os requisitos exigidos para o cargo, a Administração Pública
deverá adotar a seguinte providência:
a) demitir o servidor após instaurar processo disciplinar;
b) demitir o servidor de forma sumária;
c) exonerar o servidor após procedimento contraditório sumário;
d) exonerar o servidor de forma imotivada;
e) exonerar o servidor após assegurar o direito de defesa, não havendo necessidade de
instauração de processo administrativo disciplinar.
Comentários
Como visto, caso o órgão de administração de pessoal emita um parecer desfavorável à permanência
do servidor ao final do estágio probatório, este poderá opor recurso – momento no qual se
estabelece o contraditório. Contudo, este procedimento é sumário, não se caracterizando como um
Processo Disciplinar em sentido estrito, e, decidindo por acatar o parecer do órgão de administração
de pessoal, a autoridade competente deverá exonerar aquele servidor.
GABARITO: C

6. TRE-AC – Técnico Judiciário – Área Administrativa – 2010 – FCC (adaptada).


Quanto à posse do servidor público considere:
I. A posse ocorrerá no prazo de trinta dias contados da publicação do ato de provimento.
II. A posse poderá dar-se mediante procuração específica.
III. Dez dias antes da posse, o candidato deverá apresentar declaração dos bens e valores que
formam o seu patrimônio, bem como se é ou não titular de outro cargo, função ou emprego
público ou privado.
IV. A idade máxima para a posse em cargo de provimento efetivo ou comissionado será de 70
anos.
V. A posse em cargo público independerá de prévia inspeção médica oficial, sendo ela realizada
por ocasião do exercício.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 15


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Está correto o que se afirma APENAS em


a) I, II e IV.
b) I, III e V.
c) I e II.
d) II e III.
e) II, III e IV.
Comentários
Vejamos os erros que as alternativas nos trazem. A alternativa III afirma que as declarações de bens
e valores que formam o seu patrimônio, bem como a declaração sobre cumulação de cargos
deveriam ser feitas dez dias antes da posse. No entanto, a lei dispõe que devem ocorrer no ato da
posse. A alternativa IV fixa os setenta anos como prazo máximo para posse em cargo de provimento
efetivo ou comissionado; pois bem, como visto, este limite é válido somente nos casos de cargo em
comissão, pois o limite máximo de idade previsto em lei para posse em cargo efetivo é de 55 anos.
Por fim, a alternativa V afirma que a posse independe de inspeção médica prévia; isto não é verdade,
pois antes da posse é necessário averiguar a aptidão física e psicológica do candidato a fim de saber
se ele poderá desempenhar adequadamente as atribuições de seu cargo.
GABARITO: C

7. TRF 4ª REGIÃO – Técnico Judiciário – Programação de Sistemas – 2007 – FCC.


"R", servidor público federal, deve tomar posse dentro do prazo legal. Entretanto, está com
dificuldades e indeciso. Porém, deverá saber que, a posse, dentre outras situações,
a) ocorrerá no prazo de 30 (trinta) dias contados da publicação de sua aprovação no concurso
público.
b) não pode ocorrer mediante procuração, ainda que específica, particular ou pública.
c) não ocorrida dentro do prazo legal, torna sem efeito o ato de provimento.
d) dependerá, obrigatoriamente, de posterior inspeção médica oficial julgando-o habilitado
para o cargo.
e) tem cabimento quando se tratar de provimento de cargo por promoção, excluídas as de
demais formas de provimento.
Comentários
A questão quer saber se você sabe qual o efeito da não investidura dentro do prazo legal. Assim, não
observado o prazo máximo, que pode ser prorrogado, o ato de nomeação ficará sem efeito.
GABARITO: C

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 16


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

8. TRF 1ª REGIÃO – Técnico Judiciário – Área Administrativa – 2007 – FCC.


Afrodite, tendo tomado posse e entrado em exercício no cargo de técnico judiciário - área
administrativa, não satisfez as condições do estágio probatório, enquanto Zeus, tomou posse,
mas não entrou em exercício no prazo estabelecido. Diante dessas situações, ocorrerá
a) a demissão e a exoneração a pedido, respectivamente.
b) a exoneração de ofício, em ambos os casos.
c) a readaptação especial e a demissão, respectivamente.
d) a demissão de ofício, em ambos os casos.
e) o aproveitamento e a disponibilidade, respectivamente.
Comentários
Aqui a resposta está bem clara em um dos trechos de nossa aula de hoje. Releia-o: “Como visto na
última aula, a exoneração é desligamento de cargo público que não decorra de uma punição
disciplinar. A Exoneração pode ocorrer a pedido do ocupante do cargo ou de ofício, em três
circunstâncias: (1) quando se tratar de cargo em comissão de livre nomeação e exoneração, (2)
quando o servidor não for aprovado no estágio probatório e (3) quando o funcionário não assumir
o exercício do cargo no prazo legal”. Na questão, somos confrontados justamente com as
circunstâncias trazidas pelos itens 2 e 3 acima.
GABARITO: B

9. (Inédita).
Tendo em vista os prazos para investidura e exercício, julgue as alternativas abaixo à luz do
regime instituído pela Lei Municipal 14.728/1985:
I – É de 30 dias o prazo para a entrada em exercício do servidor, a contar do provimento em
cargo efetivo.
II – A posse dar-se-á até 30 dias após a nomeação, podendo ser prorrogada por igual período.
III – o prazo máximo para entrada em exercício é de até 150 dias a contar da posse.
IV – o prazo máximo para a entrada em exercício é de 60 dias a contar da posse.
V – o prazo máximo para a posse é de até 150 dias após a nomeação.
Estão corretas APENAS as alternativas:
a) I e III.
b) I, III e V.
c) III e IV.
d) IV e V.
e) II, III e V.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 17


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

Comentários
Vamos relembrar os prazos? Posse: a contar da nomeação, 30 dias prorrogáveis por mais 120 dias.
Exercício: a contar da posse, 30 dias prorrogáveis por mais 30 dias. Fique atento com os prazos, uma
vez decorados, não tem como errar!
GABARITO: D

10. (Inédita).
Sobre a prestação de garantias, é INCORRETO dizer:
a) É exigida apenas em casos previstos por meio de Decreto.
b) Trata-se de seguro para que, em caso de alcance ou desvio, não seja o funcionário
responsabilizado administrativamente quando o dano for inferior à garantia prestada.
c) Nos casos previstos, é condição para a entrada em exercício.
d) Cabe ao Município assegurar o desconto do valor do prêmio de seguro de fidelidade
funcional.
e) Os valores das garantias deverão ser periodicamente revistos e atualizados sempre que
houver a elevação dos vencimentos dos respectivos cargos.
Comentários
Vimos na aula de hoje que a garantia não exime o servidor de responsabilidade administrativa e
penal por dano decorrente de desvio ou alcance do bem, mesmo que o valor da garantia seja
superior ao valor do dano.
GABARITO: B

11. ANEEL – Técnico Administrativo – 2006 – ESAF.


Assinale a opção que contemple uma forma de vacância comum aos cargos efetivos e em
comissão.
a) Promoção.
b) Demissão.
c) Exoneração.
d) Readaptação.
e) Redistribuição.
Comentários
Apresentamos na nossa aula um conjunto de hipóteses que levariam à vacância do cargo. Dentre
elas, víamos tanto a Demissão quanto a Exoneração. Por isso, alguns podem ter tido dificuldades em
resolver esta questão. Acontece que, se a exoneração é o afastamento do cargo sem caráter
punitivo, a demissão é o afastamento do cargo efetivo sem caráter punitivo. No direito disciplinar,

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 18


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

o equivalente à demissão, quando tratamos de cargos em comissão, é a destituição. Nesse sentido,


perceba que o enunciado fala em forma de vacância comum aos cargos efetivos e em comissão.
GABARITO: C

12. TSE – Analista Judiciário – Tecnologia da Informação – 2007 – Cespe.


Considere a seguinte afirmação: diversamente da aposentadoria, o falecimento de servidor
ocupante de cargo comissionado acarreta vacância do cargo público que ele ocupava. Essa
afirmação é
a) correta.
b) incorreta, porque a aposentadoria acarreta vacância do cargo.
c) incorreta, porque o falecimento do servidor não gera vacância do cargo.
d) incorreta, porque não ocorre vacância de cargo público comissionado.
Comentários
Lembra da lista que tratamos quando vimos a vacância? Pois é, tanto o falecimento quanto a
aposentadoria levam à vacância do cargo.
GABARITO: B

13. (inédita).
O prazo para a posse pode ser prorrogado por até mais:
a) 30 dias
b) 120 dias
c) 90 dias
d) 60 dias
e) 15 dias
Comentários
O prazo pode ser prorrogado por até mais 120 dias, totalizando 150.
GABARITO: B

14. (inédita).
Não se encontra entre os itens avaliados no estágio probatório:
a) eficiência
b) idoneidade moral
c) pró-atividade
d) disciplina

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 19


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

e) assiduidade
Comentários
o nosso erro é o item C, ficou faltando a pontualidade!
GABARITO: C

7.2 - LISTA DE QUESTÕES

1. TRE-PI - Analista Judiciário – 2009 – FCC (adaptada).


A respeito da posse e do exercício, considere:
I. A posse ocorrerá no prazo de trinta dias contados da publicação do ato de provimento.
II. É de trinta dias o prazo para o servidor empossado em cargo público entrar em exercício,
contados da data da posse.
III. Se o servidor estiver afastado em decorrência de férias, o exercício deverá ocorrer
imediatamente após o término do afastamento
De acordo com o Estatuto do Funcionário Público do Município de Recife, está correto o que
se afirma APENAS em
a) I, II e III.
b) I e II.
c) I.
d) II e III.
e) I e III.
2. (inédita).
Segundo a Lei 14.728/1985, o período de estágio probatório ao qual está sujeito o funcionário
nomeado para cargo de provimento efetivo, na Câmara Municipal de Recife, visando a avaliar
seu desempenho, terá a duração de:
a) 3 anos.
b) 2 anos.
c) 1 ano.
d) 6 meses.
e) 3 meses.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 20


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

3. TRT - 4ª REGIÃO (RS) – Técnico Judiciário – 2006 – FCC.


É certo que o provimento dos cargos públicos far-se-á mediante
a) designação de qualquer autoridade superior.
b) habilitação em concurso e por resolução da autoridade pública federal.
c) ato de investidura decorrente do critério das autoridades.
d) ato da autoridade competente de cada Poder.
e) sempre por nomeação dos chefes do Poder Executivo por serem responsáveis pelo
orçamento.
4. TSE - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação – 2007 – Cespe.
Considere a seguinte assertiva: a nomeação é uma forma de provimento inaplicável a cargos
públicos comissionados, pois a investidura nesses cargos independe da aprovação em concurso
==7dae==

público. Esta assertiva é:


a) correta.
b) errada, pois nomeação não é uma forma de provimento, mas um tipo específico de
investidura.
c) errada, pois o provimento de cargos comissionados é tipicamente feito mediante nomeação.
d) errada, pois a investidura em qualquer cargo público depende de prévia aprovação em
concurso.
5. PC-DF - Delegado de Polícia – 2005 – NCE-UFRJ (adaptada).
O servidor público, nomeado para cargo de provimento efetivo, será submetido a estágio
probatório, oportunidade em que será avaliado pela Administração Pública. Quando constatar
que o servidor não preenche os requisitos exigidos para o cargo, a Administração Pública
deverá adotar a seguinte providência:
a) demitir o servidor após instaurar processo disciplinar;
b) demitir o servidor de forma sumária;
c) exonerar o servidor após procedimento contraditório sumário;
d) exonerar o servidor de forma imotivada;
e) exonerar o servidor após assegurar o direito de defesa, não havendo necessidade de
instauração de processo administrativo disciplinar.
6. TRE-AC - Técnico Judiciário - Área Administrativa – 2010 – FCC (adaptada).
Quanto à posse do servidor público considere:
I. A posse ocorrerá no prazo de trinta dias contados da publicação do ato de provimento.
II. A posse poderá dar-se mediante procuração específica.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 21


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

III. Dez dias antes da posse, o candidato deverá apresentar declaração dos bens e valores que
formam o seu patrimônio, bem como se é ou não titular de outro cargo, função ou emprego
público ou privado.
IV. A idade máxima para a posse em cargo de provimento efetivo ou comissionado será de 70
anos.
V. A posse em cargo público independerá de prévia inspeção médica oficial, sendo ela realizada
por ocasião do exercício.
Está correto o que se afirma APENAS em
a) I, II e IV.
b) I, III e V.
c) I e II.
d) II e III.
e) II, III e IV.
7. TRF - 4ª REGIÃO - Técnico Judiciário - Programação de Sistemas - 2007 – FCC.
"R", servidor público federal, deve tomar posse dentro do prazo legal. Entretanto, está com
dificuldades e indeciso. Porém, deverá saber que, a posse, dentre outras situações,
a) ocorrerá no prazo de 30 (trinta) dias contados da publicação de sua aprovação no concurso
público.
b) não pode ocorrer mediante procuração, ainda que específica, particular ou pública.
c) não ocorrida dentro do prazo legal, torna sem efeito o ato de provimento.
d) dependerá, obrigatoriamente, de posterior inspeção médica oficial julgando-o habilitado
para o cargo.
e) tem cabimento quando se tratar de provimento de cargo por promoção, excluídas as de
demais formas de provimento.
8. TRF - 1ª REGIÃO - Técnico Judiciário - Área Administrativa – 2007 – FCC.
Afrodite, tendo tomado posse e entrado em exercício no cargo de técnico judiciário - área
administrativa, não satisfez as condições do estágio probatório, enquanto Zeus, tomou posse,
mas não entrou em exercício no prazo estabelecido. Diante dessas situações, ocorrerá
a) a demissão e a exoneração a pedido, respectivamente.
b) a exoneração de ofício, em ambos os casos.
c) a readaptação especial e a demissão, respectivamente.
d) a demissão de ofício, em ambos os casos.
e) o aproveitamento e a disponibilidade, respectivamente.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 22


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

9. (Inédita).
Tendo em vista os prazos para investidura e exercício, julgue as alternativas abaixo à luz do
regime instituído pela Lei Municipal 14.728/1985:
I – É de 30 dias o prazo para a entrada em exercício do servidor, a contar do provimento em
cargo efetivo.
II – A posse dar-se-á até 30 dias após a nomeação, podendo ser prorrogada por igual período.
III – o prazo máximo para entrada em exercício é de até 150 dias a contar da posse.
IV – o prazo máximo para a entrada em exercício é de 60 dias a contar da posse.
V – o prazo máximo para a posse é de até 150 dias após a nomeação.
Estão corretas APENAS as alternativas:
a) I e III.
b) I, III e V.
c) III e IV.
d) IV e V.
e) II, III e V.
10. (Inédita).
Sobre a prestação de garantias, é incorreto dizer:
a) É exigida apenas em casos previstos por meio de Decreto.
b) Trata-se de seguro para que, em caso de alcance ou desvio, não seja o funcionário
responsabilizado administrativamente quando o dano for inferior à garantia prestada.
c) Nos casos previstos, é condição para a entrada em exercício.
d) Cabe ao Município assegurar o desconto do valor do prêmio de seguro de fidelidade
funcional.
e) Os valores das garantias deverão ser periodicamente revistos e atualizados sempre que
houver a elevação dos vencimentos dos respectivos cargos.
11. ANEEL – Técnico Administrativo – 2006 – ESAF.
Assinale a opção que contemple uma forma de vacância comum aos cargos efetivos e em
comissão.
a) Promoção.
b) Demissão.
c) Exoneração.
d) Readaptação.
e) Redistribuição.

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 23


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

12. TSE – Analista Judiciário – Tecnologia da Informação – 2007 – Cespe.


Considere a seguinte afirmação: diversamente da aposentadoria, o falecimento de servidor
ocupante de cargo comissionado acarreta vacância do cargo público que ele ocupava. Essa
afirmação é
a) correta.
b) incorreta, porque a aposentadoria acarreta vacância do cargo.
c) incorreta, porque o falecimento do servidor não gera vacância do cargo.
d) incorreta, porque não ocorre vacância de cargo público comissionado.
13. (inédita).
O prazo para a posse pode ser prorrogado por até mais:
a) 30 dias
b) 120 dias
c) 90 dias
d) 60 dias
e) 15 dias
14. (inédita).
Não se encontra entre os itens avaliados no estágio probatório:
a) eficiência
b) idoneidade moral
c) pró-atividade
d) disciplina
e) assiduidade

7.3 - GABARITO

1. A 6. C 11. C
2. B 7. C 12. B
3. D 8. B 13. B
4. C 9. D 14. C
5. C 10. B

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 24


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros
Paulo Guimarães, Thais Poliana Teixeira Ribeiro de Assunção
Aula 01
32174

8 - CONSIDERAÇÕES FINAIS
Concluímos aqui esta aula! Se tiver dúvidas, utilize nosso fórum. Estou sempre à disposição também
no e-mail e nas redes sociais.

Grande abraço!

Paulo Guimarães

professorpauloguimaraes@gmail.com

Não deixe de me seguir nas redes sociais!

www.facebook.com/profpauloguimaraes

@profpauloguimaraes

Professor Paulo Guimarães

(61) 99607-4477

Legislação Municipal p/ Reciprev - Com Videoaulas - Pós-Edital 25


www.estrategiaconcursos.com.br 25
05277220496 - Leandro Gomes de Barros

Você também pode gostar