Você está na página 1de 2

DIOCESE DE CAJAZEIRAS

CAJAZEIRAS - PB
pastoraldosnomades.org.br

"Então (Jesus), abriu a boca e lhes ensinava,


dizendo:... Bem-aventurados os que têm um coração de pobre, porque deles é o
Reino dos Céus! " - São Mateus 5

NOTA DE REPÚDIO AO PRECONCEITO CONTRA O POVO


CIGANO EM SOUSA

A Pastoral dos Nômades do Brasil, na Diocese de Cajazeiras, vem por esta, expressar com
muita tristeza o repúdio a mais um ato de preconceito e exclusão sofrido pelo povo cigano na
cidade de Sousa, onde se concentra de forma sedentária uma das maiores comunidade
ciganas do Brasil.
No último sábado, 07 de novembro de 2020 circulou em alguns meios de comunicação e
mídias sociais um áudio atribuído ao Sr Prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, filho
natural de Sousa, onde o mesmo de forma negativa e infeliz, critica os ciganos e todos os
filhos de Sousa pelo fato de pedir. Também nós, de forma cristã e solidária nos unimos aos
que sonham com uma comunidade fraterna e estruturada, sem que as mães ou os pais de
famílias tenham que sair pedindo ou procurando na rua o alimento para seus filhos. Isso
também nos deixa tristes. Porém, unimo-nos na vontade da mudança que vem da caridade
cristã que é o mesmo que: amor a Deus e ao próximo. Unimo-nos na política, que é bela e
formosa quando age com tal caridade para crescer a comunidade, fazer políticas públicas e
sustentáveis para o povo. A política que usa os recursos do povo para o povo, não para
corromper, mas para fazê-lo crescer na dimensão social e econômica. Nesta nota vimos
expressar nosso repúdio ao ato de preconceito praticado em simples palavras que só
endossam a exclusão e crescem os muros da sociedade em torno das comunidades ciganas,
como também vimos recordar ao senhor prefeito e a todos os governantes constituídos em
dignidade e justiça, do compromisso com o povo, compromisso que vai além do período
eleitoral, mas o dever de recordar que cabe a vocês construir pontes e caminhos para novas
histórias dos povos ciganos. São vocês políticos responsáveis por não incluir a criança cigana
na escola, num acompanhamento especial que lhe dê a segurança de um profícuo estudo. São
também aqueles que devem com vigor implementar junto com os comércios e indústrias
local, projetos de incentivo e inclusão do jovem cigano ao primeiro emprego. É dever do
Estado se comprometer com a real situação dos jovens que estão ou que pretendem adentrar
no ensino superior. É causa nossa, “camisa” a ser vestida por todos nós a saúde dos idosos
que estão a mendigar não só o pão na calçada, mas também a dignidade de cidadão
sousense. E se falamos de tantas lacunas deixadas pelo poder público dentro das
comunidades ciganas, porque não falar de políticas que reconheçam o poder feminino e a
independência financeira das mulheres ciganas?
Mais que mostrar e repudiar mais um ato preconceituoso e infeliz, buscamos compreender a
evasão do poder público a causa cigana em todos os seus aspectos em Sousa e no Brasil.
Pobre nem sempre é aquele que pede o pão, mas aquele que nega o pão de cada dia, o pão da
justiça, o pão da verdade. Por isso Jesus diz: “deles serão o reino dos céus”.
Por fim, conclamamos todos os cristãos a rezarem por nossos representantes, constituídos
por Deus e por nós, em favor de todos.
DIOCESE DE CAJAZEIRAS
CAJAZEIRAS - PB
pastoraldosnomades.org.br

Em desacordo com as atitudes proferidas, nós pesquisadorxs, movimentos sociais, Coletivos


independentes coincidimos na luta contra o preconceito e o anticiganismo que fere o
princípio ético da liberdade e dos direitos da comunidade cigana, enquanto povo tradicional,
nos marcos do Estado de direitos, sob a Constituição Brasileira Federal de 1988. Assinam:
1- Luan Gomes dos Santos de Oliveira – UFCG.
2-

CÍCERO R BATISTA PEREIRA


Coordenador diocesano da Pastoral dos Nômades
DIOCESE DE CAJAZEIRAS - CAJAZEIRAS, PB