Você está na página 1de 5

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

.1 CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO, CONHECIMENTO, ENSINO E APRENDIZAGEM

O conhecimento não é fragmentado, mas interdependente, interligado e


intersensorial. Conhecer significa compreender todas as dimensões da realidade,
expressar essa totalidade de forma cada vez mais ampla e integral. Conhecemos mais e
melhor conectando, relacionando, acessando o objeto do conhecimento sobre todos os
pontos de vista.
De qualquer situação, leitura ou pessoa podemos extrair informações ou
experiências que nos podem ajudar a ampliar o nosso conhecimento, para confirmar o
que já sabemos, para rejeitar determinadas visões de mundo.
Aprendemos melhor quando vivenciamos, experimentamos e interagimos. Quando
relacionamos, estabelecemos vínculos entre o que estava disperso, integrando-o em um
novo contexto, atribuindo-lhe significado e encontrando um novo sentido que se faz
acompanhar de afetos, emoções e sentimentos.
Ensinar e aprender são processos sociais (inseridos em cada cultura, com normas,
tradições e leis), mas também são processos profundamente pessoais: cada um de nós
desenvolve um estilo, dentro do que está previsto para a maioria. Ensinar e aprender
são processos presentes na sociedade, nas instituições e nos educadores.
Um dos grandes desafios para o educador é ajudar a tornar a aprendizagem
significativa, a escolher as informações verdadeiramente importantes entre tantas
possibilidades, a compreendê-las de forma cada vez mais abrangente e profunda e a
torná-las parte do nosso referencial. “O conhecimento humano é construído;
aprendizagem significativa subjaz essa construção. (J.D. Novak)”. Entendemos por
aprendizagem significativa o processo através do qual um novo conhecimento se
relaciona de maneira não arbitrária e substantiva (não literal) à estrutura cognitiva do
nosso aluno. O conhecimento prévio serve de ponto de partida para a organização,
compreensão e apropriação de novos conhecimentos.
Ensinar/educar é participar de um processo, em parte, previsível - o que esperamos
de cada criança e jovem no fim de cada etapa - e, em parte, aleatório, imprevisível. A
educação fundamental é feita pela vida, pela reelaboração mental-emocional das
experiências pessoais, pela forma de viver, pelas atitudes básicas diante da vida e de
nós mesmos. A avaliação do ensino mostra-nos que aprendemos conteúdos e
habilidades num processo diário e contínuo.
Por isso, o trabalho educacional do Colégio Magister como escola filiada à UNESCO
valoriza os vínculos afetivo-emocionais no ato de aprender e organiza-se a partir de
quatro eixos fundamentais: a capacidade de perceber, a si e ao outro; a capacidade de
compreender o sentido que a percepção constrói a respeito de si, do outro, das coisas,
dos acontecimentos e do ambiente; a capacidade de questionar-se de forma
permanente sobre esse sentido, e a capacidade de estabelecer trocas criativas.
O trabalho dos educadores não se refere propriamente a levar educação formal a
esses alunos. Essa abordagem não vê a educação como transferência de informação
nem o conhecimento como aquisição de informação, mas como a possibilidade de
construir, com cada indivíduo, caminhos de aprendizagem que sejam ao mesmo tempo
caminhos de transformação desse sujeito do conhecimento.
Acreditamos em uma educação para todos. O princípio democrático da educação
para todos só se evidencia em um ensino de qualidade e inclusivo para todos os alunos.
A inclusão, para nós, é mais um motivo para reforçar a parceria com as famílias, para
que ambas as instituições auxiliem as aprendizagens escolares.
O sucesso da inclusão de alunos em nossa escola decorre, portanto, das
possibilidades de se conseguir progressos significativos desses alunos na escolaridade,
por meio da adequação das práticas pedagógicas à diversidade dos aprendizes. Essa
adequação pressupõe análises constantes de possibilidades e recursos tanto da família
como da escola.
Nós do Colégio Magister colocamos a aprendizagem como o eixo de nossa escola,
abrimos espaço para que a cooperação, o diálogo, a solidariedade, a criatividade e o
espírito crítico sejam exercitados, por nossos professores, administradores, funcionários
e alunos, pois são habilidades necessárias para o exercício da cidadania.
A concepção de educação, concepção ampla, estendendo a educação para além
dos muros da escola, ou seja, comprometimento com a formação humana do educando,
requer uma integração entre duas instituições, a família e escola, com objetivos em
comum e com pessoas responsáveis para consolidar esses valores tão importantes na
formação dos educandos.
As situações de aprendizagem desenvolvidas na escola podem contribuir: “no
processo de superação da discriminação e de construção de uma sociedade justa, livre e
fraterna, o processo educacional há que se tratar do campo ético, de como se
desenvolvem atitudes e valores, no campo social, voltados para a formação de novos
comportamentos e novos vínculos.” (PCN do Ensino Fundamental II).
O Currículo da escola é vivo, aberto e flexível, atento a uma perspectiva
interdisciplinar, expressando as intencionalidades dos educadores e incentivando a
participação e a valorização de todos. A escola, sendo um lugar privilegiado de
aprendizagens, valoriza a figura do professor como um importante agente-mediador no
processo de ensino e aprendizagem e também a relação e interação entre os alunos na
construção do conhecimento.
Nossas intenções pedagógicas estão pautadas por práticas que respondem às
demandas postas para a escolarização no século XXI e valorizam a dignidade, a justiça,
a cidadania e a diversidade cultural. Reconhecemos que não há cultura inferior ou
superior, melhor ou pior, há culturas diferentes, singulares, ao mesmo tempo complexas
e necessárias para a consolidação de nossa própria identidade cultural.
Compreendemos que a tolerância, o respeito mútuo, a solidariedade são questões
que devem não apenas ser estimuladas na escola, mas intencionalmente apreendidas e
vivenciadas, permeando todas as relações, criando um clima de diálogo e propiciando
voz e vez aos alunos e a todos os atores envolvidos no processo educacional.
A opção do Colégio Magister por uma Educação Bilíngue, como perspectiva
multiculturalista do currículo, visa proporcionar a inserção de nossos alunos em um
mundo globalizado. O projeto pedagógico organiza um planejamento que integra os dois
idiomas (português e inglês) para atender às necessidades dos alunos na compreensão
do mundo e na inserção na comunidade global. Temos como objetivo, não apenas que
alunos obtenham a proficiência necessária para utilizar ambas as línguas
adequadamente em contextos formais e informais, mas que desenvolvam também
compreensão e apreciação pela cultura do grupo associado à segunda língua ao mesmo
tempo em que valoriza a cultura da língua materna.
.2 FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA

Ao observar a forma como a escola veio cumprindo suas funções sociais desde a
sua criação, é possível verificar que, com o passar do tempo, a instituição escolar vai
acumulando novas responsabilidades e atribuições no intuito de corresponder às
demandas impostas pela sociedade. A origem etimológica do termo (em grego –
ESCHOLE significa lazer consagrado ao estudo) não mais é suficiente para compreender
a escola, em sua totalidade.
Assim, se cabe à escola contemporânea assumir como principal função social a
transmissão do “saber sistematizado”, é também verdade que a atual sociedade do
conhecimento, característica da segunda metade do século XX e da primeira década do
XXI, em primeiro lugar, põe em xeque o ‘monopólio do saber’ que até então era
privilégio do ambiente escolar. No contexto em que nos encontramos é possível adquirir
informações e construir conhecimento em muitos outros ambientes que não o da escola,
e, às vezes de maneira até mais rápida e eficaz.
Além disso, preocupar-se com o processo cognitivo é apenas uma das demandas
colocadas, já que a realidade em que está inserida exige da instituição que dê conta
também de propiciar ao aluno um ambiente em que seja possível desenvolver a
capacidade de entender as constantes mudanças que ocorrem nos dias de hoje,
identificar problemas e agir criticamente de forma propositiva e consciente.
Para corresponder às expectativas e vencer tamanha complexidade de funções, a
escola precisa ter bem definidos alguns conceitos: quem é, o que deseja e como atuará
para alcançar seus objetivos. Nesse sentido, o Colégio Magister veio, no decorrer de
mais de 40 anos, se construindo como uma instituição de ensino que se define como
humanista defendendo, portanto, que a aquisição de informação e conhecimento se
complementa com a formação continuada dos jovens a partir de valores como igualdade
de direitos, respeito ao próximo, preservação do meio em que vivemos, consumo
consciente, dentre outros.
Dentro desta perspectiva, a apropriação pelas crianças das contribuições histórico-
culturais de diferentes povos faz-se elemento necessário para a valorização do contexto
em que está inserido. É nosso dever proporcionar uma relação viva com os
conhecimentos, crenças, valores e concepções de mundo de seu povo e de diferentes
culturas para que se tornem cidadãos conscientes e capazes de reconhecer e respeitar a
diversidade.
Pautados nesta visão pluricultural, a Educação Bilíngue do Colégio Magister visa
proporcionar uma formação no segundo idioma como instrumento de comunicação para
inserção e acesso ao mundo globalizado. O projeto pedagógico propõe um planejamento
que integra os dois idiomas para atender às necessidades dos alunos na compreensão
do mundo e na inserção em comunidades diversas. Temos como objetivo, não apenas
que alunos obtenham a proficiência necessária para utilizar ambas as línguas
adequadamente em contextos formais e informais, mas que desenvolvam também
compreensão e apreciação pela cultura do grupo associado à segunda língua.
Com uma metodologia própria que alia o que há de mais produtivo nas diversas
correntes educacionais defendidas pelos grandes teóricos da educação, o Magister
assume para si a grandiosa função social de estabelecer um ambiente educacional que
permita a crianças e jovens o acesso às aprendizagens fundamentais, de forma a
desenvolver a autonomia no ofício de estudar; a estar sempre aprendendo a conhecer e
quando possível, através de aulas práticas, aprendendo a fazer. Assim, baseando-se nos
quatro pilares da Educação defendidos pela UNESCO, trabalha para que a aquisição dos
valores que norteiam o processo educativo na instituição permita ao estudante tanto
aprender a ser como pessoa humana e como cidadão consciente de sua
responsabilidade com o mundo que o cerca, quanto aprender a conviver de maneira
harmônica com a diferença cultural, social, econômica, religiosa, enfim, com toda a
diversidade que caracteriza e enriquece a espécie humana.
Fazendo referência à Resolução nº 4 do Conselho Nacional da Educação que define
as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica (art. 9º - parágrafo
II), a escola de qualidade social adota como centralidade o estudante e a aprendizagem,
o que pressupõe consideração sobre inclusão, a valorização das diferenças e o
atendimento à pluralidade e à diversidade cultural, resgatando e respeitando as várias
manifestações de cada comunidade.
Para garantir o acesso de todos os alunos às aprendizagens mínimas necessárias
postas para cada fase do desenvolvimento escolar, o nosso currículo está organizado
como experiências escolares que se desdobram em torno do conhecimento, permeadas
pelas relações sociais, articulando vivências e saberes dos estudantes com os
conhecimentos historicamente acumulados e contribuindo para construir as identidades
dos educandos.
A organização das Aprendizagens Fundamentais, construída em função das
peculiaridades do meio e das características dos estudantes de cada ciclo do percurso
escolar, inclui não só os componentes curriculares centrais obrigatórios, previstos nas
normas educacionais, mas outros indicadores fundamentais pautados nos interesses e
necessidades das nossas crianças e jovens.
Valorizar a democracia, propiciar um ambiente encorajador e de desafios cognitivos
constantes, criar situações de convivência que desenvolvam nos educandos valores
verdadeiramente humanistas podem ser consideradas as principais funções sociais
defendidas e praticadas pelo Colégio Magister.
Encontramos na Resolução CNE/CEB nº 04/2010 sobre as Diretrizes Curriculares
Nacionais Gerais para a Educação Básica (art.º 12, parágrafos 1º e 2º), tendo em vista a
amplitude do papel socioeducativo atribuída ao conjunto orgânico da Educação Básica,
uma necessidade de organização e gestão do trabalho pedagógico que priorize as
ampliações da jornada escolar, em únicos ou diferentes espaços educativos, nas quais a
permanência dos estudantes se darão de forma mais qualitativa e quantitativa. A
jornada de tempo integral com qualidade implica a necessidade da incorporação efetiva
e orgânica de atividades e estudos planejados e acompanhados.

BILHETE – ED. INFANTIL


São Paulo, fevereiro de 2011

Senhores pais,

Comunicamos que a partir de segunda-feira, 21/02, os alunos


dos maternais iniciarão a saída pela garagem.
Contamos com a colaboração no cumprimento do horário para
evitar transtornos.
Atenciosamente
Coordenação Pedagógica