Você está na página 1de 9

2º Trim.

de 2020: A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o


Espírito Santo da promessa

PORTAL ESCOLA DOMINICAL


2º Trimestre de 2020 - CPAD
A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o
Espírito Santo da promessa
Comentários da revista da CPAD: Douglas Baptista
Comentário: Ev. Caramuru Afonso Francisco

ESBOÇO Nº 1
A) INTRODUÇÃO AO TRIMESTRE
Neste segundo trimestre de 2020, teremos, na Escola Bíblica Dominical,
mais um trimestre bíblico, ou seja, estudaremos um livro das Escrituras Sagradas.

Desta feita, estaremos a estudar a Epístola de Paulo aos Efésios, estudo que
não se fazia, entre os adultos, desde 1999, ou seja, ainda no século passado.

A carta de Paulo aos Efésios é uma das “cartas da prisão”, ou seja, uma das
epístolas que o apóstolo escreveu enquanto estava preso em Roma, na sua primeira prisão, da qual foi liberto
após ter sido absolvido (Fp.2:24). Foram quatro estas cartas: Efésios, Colossenses, Filemom e Filipenses.

Que Efésios é uma das cartas da prisão fica bem claro no próprio teor do texto,
em passagens como Ef.3:1, em que Paulo se identifica como “o prisioneiro de Jesus Cristo”, ou como “o
preso do Senhor”, em Ef.4:1, ou, ainda, “embaixador em cadeias”, em Ef.6:20.

Como afirma o pastor presbiteriano Hernandes Dias Lopes, nesta carta, o


apóstolo de questões importantes como “…reconciliação dos judeus com os gentios, o mistério do
evangelho, a plenitude do Espírito, a família e a batalha espiritual…” (Efésios: a igreja, noiva gloriosa
de Cristo, p.14).

Paulo escreve esta carta à igreja que fundara na segunda maior cidade do
Império Romano, a fim de aprofundar os conhecimentos daqueles irmãos a respeito do que é a Igreja e de
como se deve viver neste mundo servindo a Cristo, como um estímulo e incentivo àqueles salvos, que,
certamente, abalados estavam com a prisão do apóstolo, lembrando que, em Éfeso, foi o lugar onde o
apóstolo mais tempo ficou durante as suas viagens missionárias (At.20:31), a indicar o cuidado que tinha
para com aquele igreja, para quem, aliás, após o término da sua primeira prisão, mandou Timóteo para
pastoreá-la (I Tm.1:3).

A Igreja é, sem dúvida, o tema principal da carta, pois o apóstolo mostra,


na epístola, o lugar que a Igreja ocupa no plano da salvação, a sua natureza, a sua unidade, o seu
crescimento, a sua conduta e a sua luta contra o maligno.

A capa do trimestre retrata bem o título e subtítulo escolhidos para o trimestre.

O título é “A Igreja eleita”, título que evoca o primeiro ponto lembrado pelo
apóstolo Paulo no tocante à Igreja, ou seja, o fato de que ela foi eleita em Cristo antes da fundação do
mundo, para que fosse santa e irrepreensível diante d’Ele em amor (Ef.1:4).

Temos aqui o ensino de que a salvação tem origem divina, é algo que vem de
Deus e que já estava prevista na mente do Senhor desde antes da fundação do mundo, desde antes da
criação, o mistério que estava oculto desde a eternidade passada e que só foi revelado pelo Senhor Jesus na
célebre “declaração de Cesareia” (Mt.16:18), ou seja, que Jesus formaria um povo, a Sua Igreja, que seria

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
2º Trim. de 2020: A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o
Espírito Santo da promessa
formado por judeus e gentios (Ef.3:1-12).

Este primeiro ato do processo da salvação é, precisamente, a eleição, ou


seja, Deus resolveu escolher o ser humano para salvá-lo, escolha que provém da soberania divina. Como diz
o poeta sacro adaptado/traduzido por Paulo Leivas Macalão: “Que Deus nos quis salvar, que Deus nos quis
salvar, co’o sangue do Senhor Jesus…” (primeira parte da estrofe do hino 160 da Harpa Cristã).

A eleição, portanto, nada tem que ver com a escolha de alguns para salvação
ou outros para perdição, como defendem os calvinistas, mas, sim, a escolha do ser humano para a salvação.
Deus escolheu salvar o homem que iria pecar, antes mesmo da fundação do mundo e que tal salvação se
faria na pessoa de Jesus Cristo.

A capa do trimestre traz um rolo selado, selo este vermelho, com a figura de
um leão coroado, a nos mostrar que a escolha divina foi de salvar o ser humano pelo sangue de Jesus, o Leão
da tribo de Judá, a raiz de Davi (Ap.5:5), bem como que, por meio de Cristo, passamos a ser propriedade do
Senhor (I Co.1:30), sendo, por isso, selados pelo Espírito Santo, algo que também é afirmado pelo apóstolo
nesta carta aos efésios (Ef.1:13).

Além da cor vermelha do selo, há, também, na capa, a coroa de espinhos, a nos
lembrar o sacrifício de Cristo, que tomou o lugar do pecador, para satisfazer a justiça divina e, deste modo,
permitir que passasse a existir um povo de Deus na face da Terra, que se aproxima de Deus pelo
derramamento do sangue de Cristo (Ef.2:13), derramamento iniciado precisamente nas sevícias de que
Nosso Senhor foi alvo a partir de Sua prisão e antes da crucifixão.

A coroa de espinhos ainda representa a maldição assumida por Cristo, pois


devemos lembrar também que os espinhos e cardos somente surgiram na Terra por causa da maldição da
Terra em virtude do pecado (Gn.3:18).

Na carta aos Efésios, é dito claramente que a redenção do homem vem pelo
sangue de Jesus (Ef.1:7).

O subtítulo do trimestre é, pois, retratado nesta capa: “redimida pelo sangue


de Cristo e selado com o Espírito Santo da promessa”.

O trimestre está dividido em três blocos, correspondentes a três das cinco


partes em que costumeiramente se segmenta a carta de Paulo aos efésios.

O primeiro bloco, introdutório, referente à lição 1, traz uma apresentação da


epístola como também uma análise das saudações iniciais, com a identificação do remetente e dos
destinatários.

O segundo bloco, que abrange as lições 2 a 10, dizem respeito à parte


doutrinária da epístola, onde são registrados os ensinamentos relacionados com o que significa ser Igreja, as
bênçãos de que é alvo, o significado da salvação, a natureza da Igreja, além da oração que Paulo faz em
favor da Igreja.

O terceiro bloco, por fim, que abrange as lições 11 a 13, dizem respeito à parte
prática da epístola, onde é registrada a conduta que devem ter os salvos em Cristo Jesus em sua peregrinação
terrena.

O comentarista deste trimestre é o pastor Douglas Roberto de Almeida


Baptista, presidente da Assembleia de Deus Missão do Distrito Federal, presidente do Conselho de
Educação e Cultura da Convenção Geral das Assembleias de Deus, foi relator da Comissão Especial que
elaborou a Declaração de Fé das Assembleias de Deus e já comentou algumas Lições Bíblicas.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
2º Trim. de 2020: A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o
Espírito Santo da promessa

B) LIÇÃO Nº 1 – CARTA AOS EFÉSIOS – SAUDAÇÕES AOS DESTINATÁRIOS


A carta aos Efésios é uma revelação de que é a Igreja.

INTRODUÇÃO
- Neste trimestre, estudaremos a Epístola de Paulo aos Efésios.

- A carta aos Efésios é uma revelação de que é a Igreja.

I – A RELAÇÃO DO APÓSTOLO PAULO COM A IGREJA EM ÉFESO

- Neste trimestre, teremos um trimestre bíblico, ou seja, estudaremos um livro das Escrituras Sagradas, desta
feita, a Epístola de Paulo aos Efésios.

- Para bem entendermos esta carta do apóstolo aos efésios, é importante vermos o relacionamento do
apóstolo Paulo com a igreja em Éfeso.

- “…A cidade de Éfeso era a capital da Ásia Menor e a maior metrópole da Ásia [entenda-se aqui a
província romana da Ásia, região que hoje corresponde a partes da Turquia – observação nossa]. Abrangia
uma extensa área, e a sua população era superior a 300 mil habitantes. Ela era o centro do culto de Diana, a
deusa da fertilidade, cujo templo, localizado a 1.600 metros da cidade, era considerado uma das sete
maravilhas do mundo antigo e constituía o principal motivo de orgulho para Éfeso…” (LOPES, Hernandes
Dias. op.cit., p.24).

- “…Éfeso ficava situada na costa ocidental da antiga Ásia Menor, hoje parte da Turquia e que ficava
distante de Atenas, na Grécia, apenas 240 quilômetros. Naquela época, Éfeso era uma importante metrópole
pertencente ao Império Romano e que chegou a ter população de aproximadamente 300 mil habitantes.
Éfeso era uma próspera cidade, com porto de mar, o qual favorecia a peregrinação obrigatória dos adeptos
dos deuses pagãos daquela região como Diana (cultuada entre os gregos como Ártemis). A indústria e
comércio de Éfeso atraíam gente de todas as regiões adjacentes…” (CABRAL, Elienai. Lições Bíblicas –
jovens e adultos. 4º trimestre de 1999 – Efésios: a igreja nas regiões celestiais –aluno-, p.4).

- A história da pregação do Evangelho em Éfeso está diretamente relacionada à atividade missionária do


apóstolo Paulo.

- Na sua segunda viagem missionária, Paulo, depois de ter partido de Corinto, onde ficou por um ano e
seis meses (At.18:11), foi para Éfeso, onde deixou Priscila e Àquila, depois de ter disputado com os judeus
na sinagoga da cidade, retornando para Antioquia (At.18:18-21).

- Na sua terceira viagem, porém, o apóstolo foi diretamente para Éfeso e ali encontrou doze discípulos,
que somente conheciam o batismo de João, provavelmente evangelizados por Apolo, que Priscila e Áquila
haviam encontrado em Éfeso, ensinando-lhe mais pontualmente o caminho do Senhor, ocasião em que
Apolo foi para Corinto e Priscila e Áquila retornaram para Roma (At.18:24-26; 19:1; Rm.16:3).

- Assim, Éfeso praticamente não tinha qualquer trabalho, motivo pelo qual Paulo para lá se dirigiu e o
apóstolo alcançou ali o ápice de seu ministério, pois, iniciando com aqueles doze discípulos que, depois de
batizados nas águas, foram batizados com o Espírito Santo e receberam o dom de profecia, ganhou
multidões para Cristo naquele lugar, ficando ali pelo prazo de três anos, chegando, mesmo, a causar temor
junto aos que viviam do comércio decorrente da idolatria, que era a principal fonte de renda da cidade,
diante do culto a Diana (At.19).

- Em Éfeso, a Bíblia afirma que Paulo realizou maravilhas extraordinárias (At.19:11) e vemos, em

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
2º Trim. de 2020: A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o
Espírito Santo da promessa
Éfeso, a grande diferença entre uma evangelização pentecostal, que dá livre vazão ao batismo com o Espírito
Santo e aos dons espirituais, e uma evangelização que despreza estas bênçãos espirituais, o que explica até a
afirmação no início da carta aos efésios de que o Senhor já nos abençoou com todas as bênçãos espirituais
(Ef.1:3).

- Vemos, portanto, que o Senhor usou o apóstolo Paulo para erguer uma igreja local vigorosa, cheia do
poder do Espírito Santo, na segunda maior cidade do Império Romano, num centro idolátrico, para
demonstrar, de modo claro, objetivo e indisfarçável, a chegada do reino de Deus mediante a obra salvífica de
Cristo Jesus. Não é à toa, portanto, que é precisamente numa epístola a esta igreja local que o Espírito Santo
vai revelar, pela instrumentalidade do apóstolo, o que é a Igreja, qual o seu papel no plano da salvação e
como deve ela se comportar em sua peregrinação terrena.
OBS: “…Efésios revela o ‘mistério’ da Igreja como nenhuma outra epístola. A intenção ‘secreta’ de Deus é revelada: 1) formar um corpo para
expressar a plenitude de Cristo na Terra (Ef.1:15-23); 2) fazer isso unindo as pessoas — tanto os judeus quanto os gentios, dentre os quais Deus
habita (Ef.2:1-3:7); e 3) equipar, habilitar e amadurecer seu povo a fim de que eles estendam a vitória de Cristo sobre o mal (Ef.3:10-20; 6:12-
20)…” (Bíblia de Estudo Plenitude, p.1223).

- O cuidado do apóstolo com a igreja em Éfeso, entretanto, não cessou quando ele deixou a cidade,
com intenção de ir para Jerusalém a fim de socorrer os crentes judeus que passavam por dificuldades
econômico-financeiras e, depois, partir para Roma, a fim de iniciar a evangelização da parte ocidental do
Império Romano (At.19:21; Rm.15:28).

- Por isso, antes de partir para Jerusalém, tendo tido a revelação divina de que nunca mais iria para Éfeso,
fez questão de ter um encontro com os obreiros daquela igreja, encontro que ocorreu em Mileto (At.20:17-
38), ocasião em que podemos ver a altíssima qualidade do trabalho do apóstolo enquanto esteve em Éfeso,
um trabalho marcado pelo serviço com humildade com a forte oposição dos judeus, por uma pregação e
ensino cristocêntricos, exortando, ainda, os obreiros a que prosseguissem com este mesmo trabalho, embora
profetizasse que, dentre eles, haveria lobos cruéis que não perdoariam o rebanho.

- Mas não ficou apenas nisto o cuidado do apóstolo com aquela igreja. Já na prisão, escreve a epístola que
haveremos de estudar neste trimestre, como também, solto da prisão, mandou que Timóteo assumisse a
direção da igreja, que passava por dificuldades relacionadas com falsos ensinos (como, aliás, o apóstolo
havia profetizado naquele encontro em Mileto), inclusive escrevendo uma carta ao jovem obreiro para lhe
orientar como devia se conduzir diante do pastoreio de Éfeso (a primeira epístola a Timóteo). Sua última
carta, dirigida ao mesmo Timóteo, não deixa de ser, ainda que indiretamente, mais um cuidado à igreja dos
efésios, já que, orientando o seu pastor, contribuía para o bem-estar daqueles crentes.

- Bem se vê, portanto, que, se a igreja dos filipenses demonstra toda uma afeição ao apóstolo Paulo,
inclusive sustentando seu ministério materialmente, Paulo é quem toma a iniciativa de cuidar e de promover
o bem-estar da igreja em Éfeso e um destes cuidados é, precisamente, a epístola que, da prisão, mandou
àqueles crentes, onde, não só para os efésios, mas também para toda a Igreja, de todos os tempos e lugares, o
apóstolo mostra, sob inspiração do Espírito Santo, o que é a Igreja.

- Bem por isso, Efésios é considerada, ao lado de Romanos, como das mais elaboradas e profundas
cartas do apóstolo Paulo. Segundo Finis Jennings Dake (1902-1987), “…Romanos, a primeira carta de
doutrinas, estabelece a verdadeira relação do cristão em Cristo na morte, enterro e ressurreição. Efésios, a
segunda carta doutrinária, ilustra o cristão como assentado ao lado de Cristo, nos lugares celestiais. Ela
contém, em sua maior parte, verdades cristãs, e não temas relacionados com a ordem na igreja…” (Bíblia de
Estudo Dake. CPAD-Atos, p.1880).

- Tomás de Aquino (1225-1274), o grande teólogo da Idade Média, diz que como não havia motivo para
repreender os efésios, Paulo escreveu-lhes para “…consolá-los. Escreve-lhes, por meio de Tíquico, o
diácono, desde a cidade de Roma, com a intenção de confirmá-los em seus bons hábitos e despertar-lhes a
aspiração a metas mais elevadas…” (Comentário à Carta de Paulo aos Efésios. Tradução castelhana do texto

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
2º Trim. de 2020: A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o
Espírito Santo da promessa
latino por J.I.M., cap.1. Disponível em: http://www.clerus.org/bibliaclerusonline/pt/index.htm Citação de
Ef.1:1-14. Acesso em 27 jan. 2020) (tradução nossa de texto em espanhol).

- É este também o entendimento de João Calvino (1509-1564), que diz que “…Paulo havia instruído os
efésios na sã doutrina do evangelho. Enquanto era prisioneiro em Roma, percebeu que eles necessitavam de
confirmação, e então lhes escreveu a presente Epístola…” (Efésios. Trad. de Válter Graciano Martins, p.15).

II – A APRESENTAÇÃO DA EPÍSTOLA DE PAULO AOS EFÉSIOS

- Sabido é de todos que, numa epístola, notadamente nas epístolas paulinas, temos, basicamente, três partes:
a introdução, que é a apresentação do remetente e dos destinatários; o desenvolvimento, que é a exposição
dos temas e assuntos que são tratados na epístola (e temos aqui a principal diferença entre uma epístola e
uma carta, qual seja, a de que, na epístola, temos a discussão e debate de temas abrangentes, que fogem a
mera divulgação de informações pessoais, como ocorre nas cartas em geral) e a conclusão, ou epílogo,
quando há a finalização da carta, um resumo do que foi tratado e as saudações do remetente a certos
destinatários em especial.

- Com relação às epístolas paulinas, os estudiosos das Escrituras costumam ensinar que o apóstolo, no
desenvolvimento, sempre trata de assuntos doutrinários, ou seja, expõe o ensino sobre alguns temas ou
assuntos que, quase sempre, foram as motivações para a redação da epístola, que constituiria a parte
“doutrinária” da obra, que é seguida de uma segunda parte, onde o apóstolo se preocuparia mais com a
conduta, com o comportamento, a chamada “parte prática” da epístola.

- Na epístola de Paulo aos efésios, assim se dividiria a obra, segundo este entendimento:
a) Apresentação – Ef.1:1-2
b) Parte doutrinária – Ef.1:3-3:21
c) Parte prática – Ef.4:1-6:20
d) Conclusão – Ef.6:21-24.

- A parte doutrinária da epístola comporta os seguintes temas:


a) a posição do crente em Cristo – Ef.1:3-14
b) a oração do apóstolo por discernimento – Ef.1:15-23
c) o passado, o presente e o futuro do crente – Ef.2:1-22
d) o ministério e mensagem do apóstolo – Ef.3:1-13
e) a oração de poder do apóstolo – Ef.3:14-21

- A parte prática da epístola comporta os seguintes temas:


a) a responsabilidade do crente – Ef.4:1-16
b) o chamado do crente para a pureza – Ef.4:17-5:14
c) a vocação do crente para a vida cheia do Espírito Santo – Ef.5:15-6:9
d) a vocação do crente para a batalha espiritual – Ef.6:10-20

- Segundo Finis Jennings Dake, Efésios, o 49º livro da Bíblia, possui 6 capítulos, 155 versículos, 1 pergunta,
146 versículos de história, 1 versículo de profecia cumprida e 8 versículos de profecias não cumpridas. É o
49º livro da Bíblia, que estaria associado, segundo alguns estudiosos, ao tema da “vida” e da “bênção” nas
Escrituras, o que, em Efésios, diz respeito ao povo que tem vida eterna, que recebeu todas as bênçãos
espirituais nos lugares celestiais em Cristo, que é a Igreja.

- Paulo apresenta-se como o autor da epístola, logo em seu introito. Diz ser “apóstolo de Jesus Cristo,
pela vontade de Deus” (Ef.1:1). É uma forma que Paulo utilizou em algumas de suas epístolas e, no caso das
chamadas “cartas da prisão”, também na epístola aos Colossenses.

- Paulo invoca a autoridade que tinha recebido do próprio Senhor Jesus. Ele era o “apóstolo dos gentios”

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
2º Trim. de 2020: A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o
Espírito Santo da promessa
(Rm.11:13) e havia sido escolhido para tanto pelo próprio Jesus, como foi revelado a Ananias, logo após a
sua conversão (At.9:15). Para os crentes de Éfeso, então, este apostolado era mais do que evidente, já que,
como vimos, foi Paulo quem fundou a igreja naquela cidade, tendo sido o local que mais tempo permaneceu
em todo o seu ministério apostólico.

- Ao ressaltar a sua autoridade apostólica, Paulo não estava se ensoberbecendo ou querendo


reivindicar uma supremacia com relação aos demais salvos, como tem sido a tônica dos supostos
apóstolos que proliferam em nossos dias. Não, não e não! Paulo estava apenas demonstrando que era em
função de seu apostolado que estava a escrever aquela importante epístola, cujo teor dizia respeito à própria
Igreja (e não nos esqueçamos que é, precisamente, nesta epístola que Paulo dissertará sobre os dons
ministeriais, inclusive o de apóstolo), sendo certo, ademais, que seu apostolado somente existia porque era
“a vontade de Deus”, o que elimina qualquer arrogância ou soberba nesta afirmação.

- Ponto importante é verificar que Paulo se identifica como apóstolo porque esta era “a vontade de
Deus”. Não se autoproclamou apóstolo, nem assim se intitulou para ter “domínio” ou “poder” perante as
igrejas que fundara ou perante todas as igrejas locais existentes. Era esta “a vontade de Deus”. Ele havia sido
chamado para ser “apóstolo”, pois, desde a sua conversão, fora enviado para evangelizar os gentios, tendo
tido um contato direto com o Senhor Jesus, que era uma condição para alguém ser apóstolo (At.1:21,22; 9:3-
6; I Co.11:23).

- Como afirma João Calvino, “…O apóstolo adiciona pela vontade de Deus. Porquanto nenhum homem
deve tomar essa honra para si próprio, mas deve esperar pela vocação divina, pois Deus é o único que pode
legitimar os ministros. Ele assim confronta os escárnios dos homens ímpios com a autoridade de Deus, e
remove toda e qualquer ocasião de disputa irrefletida…” (op.cit., p.20).

- Tanto apóstolo não é sinal de “poderio” ou de “domínio” que o próprio Paulo diz que os apóstolos eram
“hyperetes”, ou seja, comparáveis aos escravos que, nas galés, ficavam no compartimento mais inferior,
remando, sem sequer ver a luz do sol (I Co.4:1), sendo também tidos como os últimos (I Co.4:9), até porque,
dentro da lógica do reino de Deus, precisamente por serem os mais proeminentes dos salvos, eram os que
estavam escalados para servir mais do que os demais (Mt.20:26,27; Mc.10:42-44).

- Por isso mesmo, não há que se falar que tenhamos, hoje em dia, “apóstolos” no mesmo sentido em que
Paulo ou os doze o foram, cabendo aqui, aliás, registrar uma feliz conclusão a respeito das Assembleias de
Deus dos Estados Unidos da América, que se transcreve na parte pertinente: “…As Assembleias de Deus
acreditam que essa prática é consistente com a prática apostólica fornecida nas cartas pastorais de 1 e 2
Timóteo e Tito. As cartas pastorais não preveem a nomeação de apóstolos ou profetas, nem o Livro de Atos
indica que essa provisão foi dada nas igrejas estabelecidas nas viagens missionárias. Os apóstolos
designaram não apóstolos ou profetas, mas anciãos (Atos 14:23). No final das viagens missionárias, Paulo
encontrou-se com os anciãos da igreja de Efésios (Atos 20:17–38). Claramente, os anciãos também recebem
as funções de bispo ("superintendente") e pastor ("pastor") (Atos 20:28; 1 Pedro 5: 2). Assim, dentro das
Assembleias de Deus, as pessoas não são reconhecidas pelo título de apóstolo ou profeta.…” (Declaração
sobre apóstolos e profetas. 6 ago., 2001. Disponível em: https://ag.org/Beliefs/Position-Papers/Apostles-and-
Prophets Acesso em 27 jan. 2020) (traduzido pelo Google do texto original em inglês).

- A autoria da epístola não foi questionada senão a partir do século XIX, na onda da “teologia liberal”, que é
mais uma das facetas que demonstram, claramente, que estamos a viver os dias derradeiros da dispensação
da graça, onde há a proliferação de falsos mestres, que procuram perturbar a fé em Cristo Jesus (II Pe.2:1,2;
Jd.4; Mt.24:4,5). Os que procuram infirmar a autoria de Paulo dizem que o estilo do autor da carta
discreparia muito dos escritos anteriores, o que seria o suficiente para tentar dizer que não foi Paulo quem
escreveu o texto, esquecendo-se dos propósitos bem diversos e diferentes da escrita tanto de Efésios quanto
de Colossenses em relação às cartas anteriores. Além do mais, Efésios traz um panorama, uma síntese do
que é a Igreja, o povo de Deus, algo bem diferente do que temos em cartas onde eram abordados
questionamentos e dificuldades de cada igreja local.

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
2º Trim. de 2020: A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o
Espírito Santo da promessa
- Visto quem é o remetente da carta, vejamos quem são seus destinatários. O texto diz que Paulo escreve
para “os santos e fiéis que estão em Éfeso” (Ef.1:1). De pronto, surge uma dificuldade, qual seja, a de
que, em alguns manuscritos, não existe a expressão “em Éfeso”, o que fez alguns estudiosos entenderem que
a carta, na verdade, não era dirigida à igreja em Éfeso, mas a todas as igrejas que tinham sido fundadas por
Paulo, e chegam mesmos a dizer que esta seria a carta que Paulo teria encaminhado aos laodicenses,
mencionada em Cl.4:16. Seria, portanto, uma “carta circular” e cuja cópia dirigida a Éfeso teria se
notabilizado entre as demais a ponto de ser entendida como sendo uma carta aos efésios, até pela
importância de Éfeso naquela época.

- Os que defendem esta “teoria da carta circular”, dizem que o texto da carta não tem qualquer
particularidade com relação à igreja em Éfeso e as saudações finais também não mencionam este
direcionamento da epístola para aquela igreja, o que seria de se estranhar já que a relação de Paulo com a
igreja dos efésios era muito grande.

- No entanto, como muitos manuscritos contêm a expressão “em Éfeso” e como o próprio fato de se ter uma
carta circular também significa que a carta foi entregue àquela igreja também, torna a questão absolutamente
secundária e que não altera em coisa alguma a verdade contida neste escrito paulino.

- Como afirma o pastor Elienai Cabral, um dos consultores teológicos da Casa Publicadora das Assembleias
de Deus, “…a epístola de Paulo aos Efésios (…) se destaca pela universalidade do seu conteúdo não só à
igreja em Éfeso mas a todas as igrejas sob a liderança pastoral de Paulo, bem como a toda a Igreja de Deus
em todo o mundo e em todos os tempos. O caráter universal dessa epístola é percebido pelo plano da
salvação proposto por Deus desde a fundação do mundo e que alcança toda a criatura humana independente
de cor, raça ou nação…” (op.cit., p.4). Assim sendo, ante seu conteúdo universal, o fato de ser, ou não, uma
carta circular, é algo absolutamente irrelevante.

- De qualquer maneira, a ênfase dada a Paulo quanto aos remetentes da carta não é a localidade, mas,
sim, o fato de serem “os santos que estão em Éfeso e fiéis em Cristo Jesus” (Ef.1:1). Se há a
probabilidade de que a localidade ficaria em “branco” para ser preenchida posteriormente, numa “carta
circular”, isto não se dá com relação a “santos” e “fiéis em Cristo Jesus”.

- Num texto que falar o que é a Igreja, que serve de fundamentação e aprofundamento doutrinário sobre o
“mistério” da Igreja, fica desde logo asseverado que os membros da Igreja, os “membros em particular do
corpo de Cristo” (I Co.12:27) possuem duas qualidades peculiares, dois atributos, duas características
indispensáveis: santos e fiéis em Cristo Jesus.

- Não há como pertencer à Igreja sem ser santo. A santidade é uma condição “sine qua non” para se
pertencer ao povo de Deus. Como Deus é santo, devemos ser, também, santos, se quisermos pertencer ao
Seu povo (Lv.11:44; I Pe.1:15,16). O próprio apóstolo mostra que pertencem à Igreja os que foram
santificados em Cristo Jesus e que, por isso mesmo, são chamados santos (I Co.1:2).

- Como afirma o comentarista bíblico Matthew Henry (1662-1714) :…” Eles os chama de santos, porque
para isso que haviam professado e estavam determinados em ser na verdade e na realidade. Todos os cristãos
devem ser santos; mas, se não se tornarem santos aqui na terra, nunca o serão na glória…” (Comentário
bíblico completo. Novo Testamento: Atos a Apocalipse. Trad. de Luis Aron, Valdemar Kroker e Haroldo
Janzen, p.577).

- Para sermos santos, precisamos ser santificados e a santificação é uma etapa do processo de salvação.
“…Ensinamos que, já salvo, justificado e adotado como filho de Deus, o novo crente entra, de imediato, no
processo de santificação, pois assim o requer a sua nova natureza em Cristo: ‘agora, libertados do pecado e
feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação e, por fim a vida eterna’ (Rm.6:22); ‘esta é a
vontade de Deus, a vossa santificação: que vos abstenhais da prostituição’ (I Ts.4:3). Todos os crentes em
Jesus são chamados santos [I Co.1:2]. Santificação é o ato de separar-se do pecado e dedicar-se a Deus
[Rm.12:1,2]. Ele exige santidade de seus filhos: ‘como é santo Aquele que vos chamou, sede vós também

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
2º Trim. de 2020: A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o
Espírito Santo da promessa
santos em toda a vossa maneira de viver, porquanto escrito está: Sede santos, porque Eu sou santo’ (I
Pe.1:15,16); pois sem a santificação ninguém verá o Senhor: ‘Segui a paz com todos e a santificação, sem a
qual ninguém verá o Senhor’ (Hb.12:14)…” (Declaração de Fé das Assembleias de Deus, cap.X.3, p.112).

- Ao contrário dos que dizem alguns mal informados a respeito dos “protestantes”, cremos, sim, na
possibilidade do alcance da santidade e, com relação a estes, quase sempre romanistas, podemos afirmar que
somos nós quem realmente cremos na possibilidade da vida santa, de que os salvos em Cristo Jesus, ao
passarem para a dimensão da eternidade, estarão já na presença do Senhor, não precisando se “purificar” no
Purgatório, precisamente porque são realmente santos. Aliás é este o teor do item 10 de nosso Cremos:
“[CREMOS] na necessidade e na possibilidade de termos vida santa e irrepreensível por obra do Espírito
Santo, que nos capacita a viver como fiéis testemunhas de Jesus Cristo (Hb.9:14; I Pe.1:15).”

- Mas, além da santidade, Paulo envia sua carta aos “fiéis em Cristo Jesus”. A santidade leva-nos à
comunhão com Deus, faz-nos ser um com Ele (Jo.17:20,21) e, em razão disto, há uma exigência, qual seja, a
de que Lhe sejamos fiéis, isto é, que cumpramos o compromisso assumido diante de Deus e dos homens de
servir ao Senhor até a morte, de obedecer-Lhe. Fidelidade significa cumprimento dos deveres e das
obrigações assumidos, manutenção das promessas feitas, imutabilidade da posição obtida.

- Matthew Henry diz que “fiéis em Cristo Jesus” é ser “…crentes n’Ele e firmes e constantes na lealdade a
Ele e às Suas verdades e caminhos…” (op.cit., p.578). Calvino afirma que “…nenhuma pessoa crente deixa
de ser igualmente santa; em contrapartida, nenhuma pessoa santa deixa de ser igualmente crente…” (op.cit.,
p.20), pois, como diz Matthew Henry”…Os infiéis não são santos. Somente os que creem em Cristo e se
dedicam firmemente a Ele e permanecem fiéis à profissão de fé que fizeram em relação ao seu Senhor
podem ser considerados santos…” (op.cit., p.578).

- Deus é fiel (I Co.1:10; 10:13; II Co.1:18; II Tm.2:13) e, se nos tornamos Seus filhos (Rm.8:15; Gl.4:5), se
participamos da Sua natureza (II Pe.1:4), temos, necessariamente de ser igualmente fiéis. Esta fidelidade, à
evidência, não decorre de nossas próprias forças, mas pelo fato de estarmos em Cristo Jesus, de não mais
vivermos mas Cristo viver em nós (Gl.2:20), pois Ele é o exemplo de fidelidade, tendo sido obediente até a
morte e morte de cruz (Fp.2::5-8; Ap.1:5; 3:14; 19:11).

- Será que, ante tais ensinos do apóstolo, podemos nos dizer destinatários desta carta? Pensemos nisso! João
Crisóstomo (347-407), aliás, leva-nos a refletir, pois afirma: “…Consideremos que relaxamento é o nosso,
quão rara a virtude se tornou hoje e quão comum era, uma vez que os mundanos mesmos eram chamados
santos e fiéis…” (Homilias sobre a epístola de Paulo aos efésios. n.100. Citação de Ef.1:1-14. Disponível
em: http://www.clerus.org/bibliaclerusonline/pt/index.htm Acesso em 28 jan. 2020) (tradução nossa de texto
em francês).

- Em seguida, o apóstolo, então, faz a sua saudação que é rotineira em todas as suas epístolas. Ele saúda os
santos e fiéis em Cristo Jesus com a graça e a paz da parte de Deus, nosso Pai e da do Senhor Jesus Cristo
(Ef.1:2).

- Cumpre aqui observar, de pronto, um costume que se tem generalizado em nossas igrejas de fazer a
saudação à irmandade se utilizando desta expressão que é recorrente nas epístolas paulinas (com exceção
das epístolas pastorais, em que se acrescenta a misericórdia). Não nos parece ser este um costume que deva
prevalecer e substituir o tradicional “a paz do Senhor”.

- Com efeito, quando Jesus Se apresentou aos discípulos, já ressurreto, saudou-os com a paz (Jo.20:19),
repetindo aqui o que havia dito que os discípulos deviam fazer quando foram enviados nas suas missões
evangelísticas durante o ministério público de Nosso Senhor e Salvador (Mt.10:12,13; Lc.10:5,6).

- A saudação do apóstolo foi feita em epístolas, portanto com uma certa formalidade, num contexto
completamente diferente de cumprimentos fraternais entre irmãos, de modo que não consideramos que tal
inovação deva ser seguida, conquanto, obviamente, não se trate de assunto doutrinário, mas algo que esteja

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4
2º Trim. de 2020: A IGREJA ELEITA: redimida pelo sangue de Cristo e selada com o
Espírito Santo da promessa
relacionado a usos e costumes.

- De qualquer modo, ao se dizer sobre a “graça e a paz”, o apóstolo, como em outras epístolas, reforça a
unidade do Pai com o Filho, o que seria evidenciado pelo apóstolo João em seus escritos, notadamente nas
epístolas, a fim de que não se tivesse um unitarismo, que, lamentavelmente, acabou por invadir a igreja ao
longo da história (I Jo.2:22,23). A unidade que há entre o Pai e o Filho é precisamente a unidade que deve
haver entre a Igreja e essas duas Pessoas divinas (Jo.17:20,21).

- Todo aquele que nega a Triunidade divina ou a divindade de Cristo Jesus jamais pode ser considerado,
nem em hipótese, como integrante da Igreja. Lembremos sempre disso!

Colaboração para o Portal Escola Dominical – Ev. Caramuru Afonso Francisco

Portal Escola Dominical – www.portalebd.org.br


Ajude a manter este trabalho – Deposite qualquer valor em nome de: Associação para promoção do Ensino Bíblico – Banco
do Brasil Ag. 1815-5 c/c 135720-4