Você está na página 1de 2

QUEBRA-CABEÇAS

Na realidade, nós seres humanos somos tão complexos em essência que para uma pessoa amar a
outra primeiramente ela tem que se amar 100%, desde aí ela não pode aceitar menos que isso,
você quer amar 100% e ser amado isso tudo em troca. Uma grande variedade de pessoas que
nunca tentaram aprender a ficar sozinhas e portanto nunca aprenderam a se amar, tirar um
tempo para si próprias, então o que elas fazem, contratam alguém para fazer isso, isso está
fadado ao fracasso.
Imagine sua vida como um quebra-cabeças, só que perdemos a figura da caixa, ninguém sabe o
que está fazendo do seu quebra-cabeça. Quando você vai vivendo e aprendendo vai montando
seu quebra-cabeças baseando em suas experiencias e lições até chegar na melhor figura possível
dele. Mas o que acontece é? Qual é a figura certa? Como sabemos se chegamos realmente á
figura desejada?
A melhor forma de se montar o seu quebra cabeça cujo a figura esta “desconhecida”, borrada,
seria começar pelas bordas e pelos cantos. 4 cantos: Família – Amigos – Trabalho –
Passatempos e hobbies. Claro que, no decorrer da sua vida automaticamente seus cantos vão
se mudando e se transformando com o tempo, as vezes você conhece novos amigos, as vezes
você conhece um passatempo e um emprego e tem que decidir qual deles montar primeiro,
quero mais tempo pra mim ou para meu trabalho? Você se vê na necessidade de realizar tais
escolhas, mudanças. As vezes um parente seu morre e em consequência deixa um buraco no seu
quebra-cabeças e você naquele momento terá que preencher esse buraco, senão permanecerá
incompleto para sempre.
Mas e daí? Qual é a parte principal do seu quebra-cabeças? Qual a parte especial?
Em realidade queremos manter a ilusão de que sempre tem essa parte essencial e resumimos
isso a uma pessoa, ao parceiro/a, aquela pessoa desconhecida no qual aparece do nada e se
encaixa perfeitamente na sua vida, e o deixando inteiro pela primeira vez, completando seu
quebra-cabeças.
Diariamente nos deparamos com aquele mesmo dilema “Se não estiver com alguém, está
errado, Se não estiver com alguém, está incompleto”. A todo momento desde pequenos
bombardeados com “Todo príncipe tem uma princesa, todo programa de tv ou novelas tem
sempre o final feliz onde sempre vão ficar juntos e felizes para sempre”. Tudo gira em torno do
amor.
Essa é a questão principal, vivemos com esse tabu, de que todo relacionamento é perfeito
porque ninguém quer admitir que ninguém realmente sabe o que está fazendo. Sempre vamos
preferir ter algo do que não ter nada. Ficar sozinho é difícil. Quando ensinamos a nossos filhos
desde pequeno que tudo aponta para o amor e tudo é perfeito por fora, acontece o seguinte, que
quando nos tornamos adultos perto dos 20 – 25 anos, estamos desesperados e aterrorizados,
temos medo de disso tudo, enxergamos a realidade dura e nada perfeita e isso ocorre com a
maioria, alguns ficam com a pessoa errada “a peça errada do seu quebra-cabeças” e
continuamente estão tentando forçá-la no seu quebra-cabeça, porque você quer que ela se
encaixe, você quer um relacionamento perfeito, você troca outras peças em detrimento dela, as
paredes ficam incompletas. Tempos depois você olha para o seu quebra-cabeças e
evidentemente não está satisfeito com isso, o que esta peça está fazendo aqui? Porque? Como
proceder diante disso se já somos treinados a aceitar desde o princípio? Complicado.
Porque as pessoas tem a sensação de que toda relação a princípio, bem ao começo delas, são
boas? Bem, é quando passa o tempo e você percebe que a peça não se encaixa no seu quebra
cabeças, e o verdadeiro motivo disso é porque assim como você, ela também esta construindo o
seu próprio quebra-cabeças, não convém você esperar que ela possa largar 20, 30 anos em
construção para se encaixar no seu, da mesma forma que você também não iria faze-lo. Isso
pode continuar por anos, uma relação mútua, onde ambos vão trocando as peças e tentando
montar o seu quebra- cabeças e então depois desse tempo todo, olhar ambos para o seu quebra-
cabeças e perceber que as imagens não são iguais, e então perceber que querem coisas
diferentes, e nesse momento você se pergunta? Admito que esse tempo todo da minha vida foi
um desperdício? Ou Desperdiço o resto da minha vida?
Romantizamos a ideia de romance e isso não é nada benéfico, as pessoas estão mais
apaixonadas pela ideia do amor que pela própria pessoa.
A parte central do seu quebra-cabeças realmente é a parte mais importante, é a parte que fecha e
completa o desenho, porém a premissa é que está incorreta. É a “Felicidade”, ache algo que te
faça feliz, faça disso o centro de sua vida, e todo o resto vai se encaixar em volta. Para muitos a
peça da felicidade e a peça da parceira/o eram a mesma, isso pode ser verdade para algumas
pessoas e, com certeza não para todas. Você precisa se amar primeiro antes de permitir que
alguém o faça também. Como você pode se oferecer a alguém sem saber quem você é? Se você
se ama só 20% e, aparecer alguém em sua vida que te ame 30% não vai deixar de ser menos
que metade. Todas as pessoas tem o direito de serem amadas 100%, por inteiro.
Portanto muitos podem pensar que quando tinha 20 anos, e estava aterrorizado e desesperado,
conseguiram encontrar o amor da sua vida, tiveram filhos, estão cultivando todo esse amor
nesse relacionamento, que tudo isso seja uma besteira, e que sim, a felicidade, a peça central do
seu quebra-cabeças com certeza é um parceiro/a, eu espero que estejam corretos. Seria
maravilhoso não? Todos queremos aquela pessoa especial para poder compartilhar uma vida
inteira em harmonia. Porém, se isto estiver errado, a única alternativa seria, que quando você
tinha os mesmos 20 anos de idade, tinha tanto medo de ficar sozinho que se forçou a amar
alguém de todas as formas.