Você está na página 1de 7

BANDAS DE ROCK: UM ESTUDO DE CASO SOBRE PROCESSOS DE APRENDIZAGEM MUSICAL

Jussara Dalle Lucca

Resumo. Esta pesquisa faz uma avaliação sobre o processo de aprendizagem musical de
jovens fora do âmbito escolar. O objetivo é refletir a concepção atual do ensino musical. Foi
selecionada uma banda de trash metal constituída por cinco jovens universitários. Foram
avaliados quais fatores que estimulam o jovem a tocar em uma banda, destacando-se: a
influência do ambiente familiar e dos grupos de amigos, que atua como incubador de
conceitos musicais. A presença do estudo sistemático, pois todos do grupo tiveram a iniciação
musical com um professor particular ou em escola especializada. Contudo, também foi
revelado um outro lado do ensino formal, as conseqüências causadas pelo encontro com
profissionais despreparados interferindo no percurso do grupo. Por fim, a Internet mostrou ser
o principal veio para o desenvolvimento musical da banda, através da utilização dos arquivos
em formato de MP3 e da mídia eletrônica.

1. INTRODUÇÃO

As bandas de rock normalmente se formam da reunião casual de jovens que têm


como ponto de encontro para ensaios uma garagem ou um estúdio. E foi a constatação da
prática musical de jovens de uma banda de rock, fora do âmbito escolar, que deu origem a
esse trabalho.
E, para compreender a concepção do ensino musical, dentro e fora da escola, é
preciso refletir sobre alguns fatores sociais e pedagógicos que envolvem esta proposta. É fato
que a música é uma experiência que a escola deveria proporcionar, porém de forma diferente.
As preferências musicais dos jovens são pouco trabalhadas, e praticamente ausente das
escolas.
Observa-se também, que no ensino atual não são levadas em consideração as
experiências individuais dos alunos. Sabendo-se que o conhecimento musical dos jovens
ocorre principalmente através da música veiculada pela mídia e pela sua afinidade com a
tecnologia, é importante verificar o quanto essa influência pode contribuir no processo de
aprendizagem e prática musical nos dias de hoje.
Foi selecionada uma banda de trash metal denominada Letun, que exerce suas
atividades em Curitiba - PR. O primeiro contato com o grupo foi estabelecido em março de
2003 durante um trabalho de observação do ensaio da banda, realizado para a disciplina
Sociologia da Música, do curso de Pós-Graduação - Fundamentos da Música Popular
Brasileira.
O método de investigação adotado foi o estudo de caso. Foram realizadas
entrevistas individuais e coletivas, nos estúdios onde eram realizados os ensaios, ou em minha
residência. A banda Letun também foi acompanhada em algumas apresentações artísticas.
Essa pesquisa analisa as experiências musicais individuais dos membros da
banda, as motivações que os levaram a constituir o conjunto e também os hábitos que
efetivamente contribuem para o desenvolvimento técnico e artístico do grupo. A finalidade é
procurar compreender o aprendizado musical de jovens que não estudam música
formalmente.
A pesquisa procurou responder as seguintes questões: Como é o processo de
aprendizagem musical em uma banda constituída por jovens? E ainda dentro desse panorama,
de que forma a mídia e a tecnologia contribuem para a produção musical do grupo e se existe
possibilidade de aproveitamento de idéias para a introdução de novas práticas musicais na
escola?

2. A BANDA LETUN

Letun, que significa morte em latim, é o nome da banda Curitibana composta


em 1999. Os integrantes que participaram da pesquisa foram: Luiz Reginato, André Caxeiro,
Rafael Michelleto, Márcio Lucca e Felipe Furiati. O período de contato com a banda foi de
março de 2003 a abril de 2004. Na época das entrevistas todos eram estudantes universitários,
na faixa etária de 18 à 22 anos.

3. APRENDENDO MÚSICA

Cada ação adotada no processo de desenvolvimento individual ou em grupo faz


parte de um conjunto de valores que se interagem, englobando a formação musical de cada
elemento até a influência direta e indireta que a mídia exerce.
A vivência musical dos integrantes da banda Letun mostra a importância do
aprendizado formal de música, por menor que seja a experiência neste sentido, que serviu de
base para o surgimento deste grupo musical. Contudo, essa vivência também revela um outro
lado do ensino formal, as conseqüências causadas pelo encontro com profissionais
despreparados.

5
As experiências musicais dos integrantes da Letun que comprovam o
aprendizado musical do grupo se dividem em: influência familiar, estudo formal e
contribuição da mídia e tecnologia.

• Influência familiar

A família é o grande nicho de formação musical do indivíduo. É no âmbito


familiar que se tem o primeiro contato com a música, que engloba desde as canções de ninar
até as preferências musicais dos pais e irmãos. Além da atuação do ambiente familiar como
incubador de conceitos musicais, existe a música que é inserida através dos grupos de amigos.
As trocas de informação sobre bandas ainda desconhecidas, a admiração e respeito pelos
colegas cooperam para determinar o gosto por um gênero específico, que no caso da Letun os
integrantes tendem a apreciar o trash metal.

• Como estudar música – reflexo dos estudos

Na história da banda Letun o aprendizado de música obtido antes da formação


do grupo foi primordial, inclusive a banda teve origem a partir do encontro de André e Flávio,
o ex-baterista, quando estudavam na mesma escola de música.
Atualmente eles não estudam música formalmente, mas todos tiveram a
iniciação musical com o auxílio de um professor particular, ou passaram por escola
especializada. Sem dúvida que o conhecimento e a prática instrumental que tiveram antes de
se conhecerem ajudaram a aproximá-los.
O fato de terem estudado em uma escola de música não significa que o que
tenham aprendido seja o que demonstram saber hoje. Porém, a escola serviu de base para
poderem se desenvolver musicalmente.
Foram muitos os estímulos negativos que receberam, que só contribuíram para
persistirem em busca do sonho: fazer música. De forma intensa e baseada no conjunto de
valores e critérios absorvidos empiricamente, eles realizam um som muito próximo da
manifestação punk, podendo ser observada no arranjo vocal e instrumental da banda.
Sabemos que ter uma atividade musical é um direito de todos, mas
infelizmente nossos jovens não estão sendo preparados para compreender a função social da

6
música. Faltou para o grupo ter um entendimento do que é música, socialmente falando. O
que podia ter sido ministrado por um professor preparado para receber tais alunos com
extrema sede de aprendizado. Porém, isso não impediu que buscassem a inclusão no meio
musical. O caminho certamente podia ter sido mais ameno, mas não desistiram e continuam a
abrir caminhos de acordo com suas ideologias.
Esses jovens contribuíram com idéias diante dos problemas levantados em
relação à música na escola. Foram abordadas as seguintes questões: a ausência da disciplina
de música, a falta de foco nas aulas de educação artística, e o preconceito, movido pela
diversidade cultural encontrada no mesmo ambiente escolar.
Para todos os tópicos houve uma reflexão espontânea de cada jovem. Obteve
um destaque especial a questão da necessidade de uma disciplina de música específica na
escola, com o mesmo grau de importância das outras matérias.

• Mídia e tecnologia

Em um curto espaço de tempo, aproximadamente uma semana, eles mostraram


serem capazes de baixar a música, compartilhar entre eles, ouvir e estudar, e o próximo passo
é o ensaio. Para isso, os arquivos mais utilizados são em formato de MP3.
Um outro aspecto observado na formação individual musical dos integrantes
da Letun é o desejo de tocar que é despertado ao simples fato de ouvir rock. Para se tornar um
roqueiro verdadeiro não basta ser somente apreciador do rock. Existe uma imagem implícita
no ‘ser roqueiro’ que desperta o desejo de tocar, justificando a auto-aprendizagem comum
neste meio.
Em relação à criação da identidade da banda destacou-se a sedução pelas
imagens dos videoclipes e pela possibilidade de estar inserido nesse tipo de produção musical,
levando em conta a escolha performática do grupo. Como já citado anteriormente, a imagem
do ‘roqueiro’ desperta o desejo de tocar. Movidos pelas atividades que circundam o
desenvolvimento da banda, é natural que se desperte também o desejo da fama.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

7
Os resultados deste estudo comprovaram que o ensino específico de música
esteve presente nessa ação, embora não faça parte da estrutura atual do grupo. No entanto,
faltou uma pedagogia adequada aos interesses particulares. Conseqüentemente, foram
desestimulados devido às perspectivas que divergiam das diretrizes, ou da escola
especializada ou do professor particular de música. Contudo, buscaram alcançar suas
ambições de músicos por outros caminhos.
Em relação às aulas de música no ensino fundamental e médio, e também
sobre a disciplina Educação Artística, foram levantados indícios expressivos que demonstram
o retardo de uma nova concepção do ensino da arte nas escolas. Receberam destaque as
seguintes questões: a ausência da disciplina de música, a falta de foco nas aulas de educação
artística, e o preconceito, movido pela diversidade cultural encontrada no mesmo ambiente
escolar.

Também verificou-se a importância da participação da família e de amigos


nesse trajeto. Percebeu-se que o ambiente de convívio social, mesmo considerado
desfavorável inicialmente, no sentido musical, é o que determina as ações.
O veio de aprendizagem mais importante encontrado nos procedimentos
adotados pela banda foi a utilização da internet como sustentação do trabalho em equipe. Os
programas que compartilham arquivos, são os mais utilizados. Sem esse recurso não haveria
possibilidade de se desenvolverem, pelo menos dentro do gênero metal, por se tratar de uma
manifestação cultural estrangeira.
Também, por meio da mídia eletrônica, foi demonstrada a influência através
das imagens dos videoclipes obtidos através dos programas acima citados. A relação som e
imagem marcaram definitivamente o curso da banda Letun.
No início eles se caracterizavam como uma banda comum de metal, com o uso
de indumentária típica do roqueiro, e de acordo com as influências da mídia eletrônica foram
criados novos ícones. Após algumas mudanças, hoje eles retratam o perfil de jovens comuns,
mas que apreciam o trash rock. Foi uma imagem inspirada em outras bandas para ser utilizada
como estratégia de marketing.
Essa pesquisa procurou estabelecer as relações do processo de aprendizagem
musical com as experiências socioculturais dos integrantes da banda Letun. Sem esta conexão
seria impossível a realização desse trabalho. Situações concretas marcaram a história musical

8
de cada jovem, revelando os caminhos que conduziram à atividade e à produtividade musical
estudada nesse trabalho.
Finalizando, os resultados obtidos através da investigação da influência da
mídia e da tecnologia, até o conhecimento musical concebido antes e durante a formação da
banda, são relevantes. Reforçam a idéia do quão importante é para os professores de música a
interação com novas possibilidades de produção musical, e formas de abordar do assunto,
levando-os ao acréscimo dos seus referenciais e potenciais de trabalho.

REFERÊNCIAS

ALVES, Rubem. Entre a ciência e a sapiência. O dilema da educação. 5 ed. São Paulo: 2001.

BAUDRILLARD, Jean. Tela Total: mito-ironias da era do virtual e da imagem. Trad. e org.
Juremir Machado da Silva, Porto Alegre: Sulinas, 1997.

BRASIL. Lei n° 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da


educação nacional. Art. 26 § 2°. São Paulo: Brasil S/A.

CORRÊA, Marcos Kröning (2000). Violão sem professor. Um estudo sobre o processo de
auto aprendizagem com adolescentes. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação
– Mestrado e Doutorado em Música. Universidade Federal do Rio Gande do Sul, Porto
Alegre.

GOMES, Celso Souza et al. In: SOUZA, Jusamara. (org.). Música, cotidiano e educação.
Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em Música do Instituto de Artes da UFRGS, 2000.

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação. Porto Alegre: Art Méd,


1998, p. 41 – 59.

PENNA, Maura. Reavaliações e buscas em musicalização. São Paulo: Loyola, 1990, p. 19 –


37.

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. São Paulo: Unesp, 1991, p. 286.

SOUZA, Jusamara; HENTSCHKE, Liane; BOZZETO, Adriana e CUNHA, Elisa. Bandas de


rock: qual repertório? Como tocar? Um estudo multi-casos com adolescentes. Anais do 11°
Encontro Anual da Abem, Natal, 2002.

_______________. Leitura e teoria musical nas práticas de bandas de rock. Anais do 11°
Encontro Anual da Abem, Natal, 2002.

SOUZA, Jusamara. O valor da música. Mundo jovem, Porto Alegre, p.23, mar.2002.

_______________.Quando a música era só som. Mundo jovem, Porto Alegre, p.23, abr.2002.

9
_______________. Educação Musical como Prática Social e Cidadania. Anais do 11°
CONFAEB. Brasília, 1998, p. 129 – 135.

10