Você está na página 1de 7

DELEGACAO DE MONTEPUEZ

Departamento de Ciências de Educação e Psicologia


Curso: Licenciatura em Ensino Básico
Disciplina: PPEB I (E à D)
2º Ano
2º Semestre
Ano lectivo: 2018
Tutor: dr. José Mário Jacinto

Conceito de Práticas Pedagógicas no âmbito de


formação de professores
A PP é definida como a componente real da supervisão
pedagógica em que decorre o ensino acompanhado com
vista a elevar o grau da qualidade da aprendizagem do
estudante.
Neste caso particular da formação de professores, a Prática
Pedagógica é assumida como um instrumento com o qual
os futuros professores apreendem na prática, a ensinar e
ajudados pelos supervisores e ̸ ou tutores a experimentar a
função docente com vista a desenvolver suas capacidades,
competências e habilidades de ensino, incutindo neles um
espírito crítico e reflexivo nos contextos onde o ensino
tem lugar.
Segundo DIAS et al (2012:11), as PPs são actividades
curriculares articuladoras da teoria e da prática que
garantem o contacto experiencial com situações
psicopedagógicas e didácticas concretas e que contribuem
para preparar de forma gradual o estudante para a vida
profissional futura.

Objectivos das Práticas Pedagógicas


Um dos maiores desafios enfrentados, na actualidade,
pelas Universidades é fornecer uma formação
profissionalizante que permita a articulação
imprescindível entre o "saber" e o "saber fazer". A
formação de professores na UP, iniciada em 1986, seguiu
2 sistemas curriculares, nomeadamente: sequencial e
integrado. Estes sistemas funcionam em três modalidades
de formação: presencial, semi-presencial e à distância.

Em 1986, implementou-se um sistema sequencial de


formação de professores. Em tal sistema, o Estágio
Pedagógico (EP) aparecia no fim da formação, após o
estudante concluir a formação nas Ciências da
Especialidade e nas Ciências da Educação.

Em 2003, a UP envolveu-se num processo de Reforma


Curricular e a principal inovação foi a adopção de uma
actividade prática, denominada “Práticas Pedagógicas”
que se encontra em todos os anos do curso de
Licenciatura. A UP definiu dois eixos fundamentais da
formação de professores na UP: as Práticas Pedagógicas
(PP’s) e o desenvolvimento de Pesquisas Educacionais.

Uma das vantagens do modelo curricular integrado,


adoptado em 2004, é que associa a formação geral e
científica à formação profissionalizante. Este último tipo
de formação tem em vista o desenvolvimento de
conhecimentos psicopedagógicos e didácticos e a
promoção do desenvolvimento de habilidades e
competências docentes no processo de ensino-
aprendizagem na Universidade, em actividades das
Práticas Pedagógicas nas escolas.
Importância das Práticas Pedagógicas
A Prática Pedagógica faz parte de uma das componentes
curriculares mais importantes na formação de professores,
visto que visam relacionar a teoria com a prática por meio
de uma aproximação à prática escolar.
Com o modelo integrado, a UP criou uma nova
compreensão de Prática Pedagógica em que a teoria e a
prática não podem ser separadas no currículo. A unidade
entre a teoria e a prática é imperiosa, visto que o
conhecimento e a apreensão da realidade escolar, por parte
dos estudantes, exigem que eles vão para a escola
munidos de instrumentos que lhes permitam observar,
descrever, relatar e interpretar essa realidade.
A partir da identificação e descrição dos problemas do
ensino e aprendizagem de uma certa disciplina, os
estudantes planificam aulas (seguindo sempre a
programação da escola) atendendo a esses problemas e
tentando modificar algumas “incorrecções e
inadequações”.
O mais importante na PP e no EP é que o estudante está a
conseguir demonstrar capacidades de identificar um
problema de ensino e aprendizagem. Ao ser introduzido o
período de observação, durante as PPs e o EP, ao reflectir
com os praticantes e os estagiários sobre as suas
planificações de aulas e sobre as suas práticas lectivas,
pretende-se, fundamentalmente, desenvolver nos
estudantes o “saber prático”. É este tipo de saber que
permite ao professor tomar decisões rápidas e adequadas
às situações, saber como interagir nas diversas situações,
saber confrontar as suas experiências docentes pessoais
com as situações novas que deve enfrentar.

Importa referir que não chega formar professores


reflexivos que se contentem com a análise e a reflexão
sobre a realidade escolar. Estamos a tentar desenvolver, à
partir da PP, saberes teóricos e práticos.

Segundo Altet (200l p. 29), os saberes teóricos são de


ordem declarativa e compõe-se de saberes a serem
ensinados (conteúdos disciplinares) e saberes para
ensinar (pedagógicos e didácticos); os saberes práticos
que são originários da experiência que são constituídos por
saberes sobre a prática (como fazer) e saberes da prática
(produto de acções bem sucedidas, que é o saber quando e
onde). Para a mesma autora o professor profissional é
aquele que sabe analisar; sabe reflectir; sabe justificar-se;
sabe adaptar-se.

Práticas Pedagógicas do Ensino Básico


As Práticas Pedagógicas do Ensino Básico de acordo com
DIAS et al (2010:13) são uma componente curricular da
formação profissional dos professores com a finalidade de
desenvolver ao praticante competências profissionais
inerentes a um desempenho docente adequado e
responsável, e visa contribuir para a formação de um
professor que possua saberes teóricos e práticos tendentes
à análise e reflexão do processo de ensino e aprendizagem.
No caso específico, nas Práticas Pedagógicas do Ensino
Básico I, pretende-se formar um professor além de munido
de conhecimentos científicos e pedagógicos, seja capaz de
fazer uma análise da realidade e trazer soluções para
diferentes problemas que o processo de ensino e
aprendizagem enfrenta.
Constitui uma das cadeiras ministradas na UP no curso de
Ensino Básico e visa desenvolver competências,
habilidades, atitudes e condutas no estudante, (por meio da
observação, análise e reflexão), no domínio do processo de
ensino e aprendizagem.

REFERÊNCIAS
ALARCÃO, Isabel (Org.). Formação reflexiva de professores:
estratégias de supervisão. Porto: Porto, l996
DEWEY, Jonh. Como pensamos. 2. ed. São Paulo: Nacional,
1953.
GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores: para uma
mudança educativa. Porto: Porto, l999.
RIANI, Dirce Camargo. Formação do professor: a contribuição
dos estágios supervisionados. São Paulo: Lúmen, l996.
SCHÖN, Donald. The reflective practitioner. Nova York:
McGraw-Hill, 1983