Você está na página 1de 36

COMUNICAÇÕES

MÓVEIS

Eng.º Fernando Barreiro


COMUNICAÇÕES MÓVEIS
1 - INTRODUÇÃO
 Aplicações / Serviços inerentes aos
Sistemas de Comunicação Móvel
 Perspectiva Histórica das Comunicações
sem Fios
 O Mercado das Comunicações Móveis
 Organismos de Normalização
 Arquitecturas de de Referência
 Espectro - Atribuição de Frequências
 Evolução dos Sistemas de Comunicações
Móveis
 Problemas introduzidos pelas comunicações
sem fios e pela mobilidade
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
2 – TRANSMISSÃO SEM FIOS

 Tecnologia de Radiofrequência
 Modelos de Propagação do Sinal

 Tipos de Modulação Utilizados

 Técnicas Adaptativas

 Tipos de Codificação utilizados

 Técnicas de Acesso Múltiplo

 Técnicas de Multiplexagem

 Técnicas de Transmissão
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
3 – TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO
 Canais de Comunicação Rádio
 Redes sem Fios:
 Diferentes tipos de Redes sem Fios
(Celular, WLAN, WPAN, ...)
 Sistemas de Redes Móveis Celulares
 Técnicas de Acesso Múltiplo (Aspectos
Fundamentais):
 Interferências
 Classificação de Técnicas Acesso
Múltiplo:
 Multiplexagem
 Acesso Aleatório
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
3 – TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO (CONT.)
 Técnicas fundamentais de Acesso
Múltiplo para Redes Móveis:
 TDMA
 FDMA
 CDMA
 SDMA
 Técnicas de Acesso Múltiplo Novos /
Futuros Sistemas (OFDMA)
 Comparação entre as várias Técnicas
de Acesso Múltiplo
 Aspectos fundamentais de Técnicas de
Acesso Aleatório
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
4 – SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS
 Redes IEEE sem fios:
 802.11 (WLAN)
 802.15 (WPAN)
 802.16 (WMAN)
 Aspectos fundamentais das respectivas
Arquitecturas
 Diferenças de conceito relativamente à
Arquitectura de Redes Móveis
 Componentes Básicos Comuns
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
4 – SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS (CONT.)
 Evolução dos Sistemas de Comunicação
Móveis (Redes Celulares):
 Sistemas 1G Tecnologia / serviços
 Sistemas 2G Tecnologia / Serviços
 Sistemas 2.5 / 2.75G Tecnologia / Serviços
 Sistemas 3G Tecnologia / Serviços
 Sistemas 4G Tecnologia / Serviços
 Redes celulares (Conceitos Básicos):
 Conceitos fundamentais de Redes Móveis
 Arquitectura Típica de Redes Móveis
 Arquitecturas de Redes Móveis Celulares:
 Sistemas 2G – GSM
 Evolução dos Sistemas GSM (GPRS, EDGE)
 Sistemas 3G – UMTS
 Evolução dos Sistemas UMTS (HSPA, HSPA+)
 Sistemas 4G – LTE / EPC (EPS)
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
5 – EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS

 Identificação das fases previsíveis


para futura evolução dos Sistemas de
Comunicação Móveis
 Futuros Sistemas Móveis Celulares:
 Alternativas para a componente de Banda
Larga dos futuros Sistemas Celulares
 Aspectos básicos de integração de Redes
sem Fios (IEEE / Celulares)
 Evolução dos Sistemas de Comunicação
Móveis
COMUNICAÇÕES
MÓVEIS
Introdução - Normalização
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO
 Desenvolvimento de sistemas de acordo
com funções base comuns
 Garantia de Interoperabilidade entre
sistemas de diferentes Fabricantes
 Maior leque de opções em função dos
requisitos específicos de uma solução
 Evitam-se efeitos laterais resultantes
de alteração, inserção e/ou remoção de
componentes de sistemas
 Protecção do investimento realizado na
implementação de soluções
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO

http://www.iso.org/iso/home.html

É uma Organização não Governamental, sem fins lucrativos,


onde estão representadas as Organizações Nacionais de
Normalização dos países membros (actualmente mais de
100). É a mais importante Organização Mundial de
Normalização em todas as áreas. A actividade está
organizada por TC (+/- 250) -> SC -> WG.

Na área das Tecnologias de Informação e Comunicação, a


principal iniciativa da ISO centrou-se no desenvolvimento
do Modelo OSI (Open Systems Interconnection), cujo
objectivo era o de possibilitar o desenvolvimento de
Sistemas Abertos (sistemas compatíveis em termos de
funcionalidades de comunicação independentemente do
fabricante).
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO

http://www.isoc.org/

ISOC (Internet SOCiety) É uma Organização Internacional


cujo objectivo é o de promover o desenvolvimento,
evolução e utilização da Internet. Desenvolvimento de
Normas / Protocolos para a Internet e iniciativas
Educacionais / Promocionais tendo em vista fomentar a
utilização daquela Rede.

Os trabalhos de natureza técnica são realizados pelos


organismos IETF (Internet Engineering Task Force) e IAB
(Internet Architecture Board), tendo os documentos
publicados normalmente a designação de RFC (Request for
Comments).

http://www.ietf.org/

http://www.iab.org/
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO

http://www.itu.int/

ITU (International Telecommunication Union) É uma Agência


das Nações Unidas fundamentalmente vocacionada para a
regulamentação e desenvolvimento das áreas das
Tecnologias de Informação e Comunicação. Dentro da ITU o
sector das telecomunicações é designado por ITU-T e das
Radiocomunicações por ITU-R.

A ITU-T promove o desenvolvimento de Normas com o


objectivo de facilitar a interoperabilidade entre
Sistemas de Telecomunicações de vários Países /
Fabricantes. Na área das Tecnologias de Informação e
Comunicação existe uma estreita cooperação entre a ISO e
a ITU-T.
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO

http://www.iec.ch/

IEC (International Electrotechnical Commission) É uma


Organização Internacional formada por representações
nacionais dos Países Industrializados e é responsável pela
coordenação de actividades de normalização nas áreas
Tecnológicas Electrónica e Eléctrica (Electrotechnology).

Na área das Redes Comunicações existe uma estreita


cooperação entre a ISO e a IEC que se traduz na edição
conjunta de normas (Normas ISO / IEC).
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO

http://www.cen.eu/

CEN (Comité Européen de Normalisation) É a Organização


Regional responsável pelo processo de normalização a
nível europeu em todas as áreas, com excepção da área da
Electrotecnia que está a cargo da CENELEC – Comité
Européen de Normalisation Electrotechnique e a das
Telecomunicações que está a cargo da ETSI – European
Telecommunications Standards Institute. Estas duas
organizações trabalham em estrita colaboração com a CEN.

http://www.cenelec.eu/Cenelec/Homepage.htm
http://www.etsi.org/WebSite/homepage.aspx
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO

http://www.ansi.org/

ANSI (American National Standards Institute) É a


principal organização responsável pelo processo de
normalização nos EUA. Representa o País na ISO e na IEC.

http://www.inacom.og.ao

O INACOM (Instituto Angolano das Comunicações) foi criado


pelo Decreto nº 12/99, de 25 de Junho e reformulado
através do Decreto nº115/08, de 07 de Outubro, é o
organismo responsável em Angola, de assegurar a
regulamentação e monitorização da actividade de prestação
de serviços de telecomunicações.
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO

http://www.eia.org/

EIA (Electronic Industries Alliance) – É uma Associação Sectorial


dos Industriais de Electrotecnia e Electrónica fundamentalmente
nos EUA. Actividade: Normalização na área das Redes de
Comunicações, Estudos de Mercado e Realização de Seminários.

http://www.tiaonline.org/

A TIA (Telecommunications Industries Association) - É uma


associação congénere para a área das Indústrias de Tecnologias de
Informação e Comunicação.

http://www.isalliance.org/
ISAlliance (Internet Security Alliance) - É uma associação
congénere vocacionada para a área da Segurança da Informação.
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO

http://www.ieee.org/portal/site

IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers) – É uma


das maiores associação profissionais do mundo. Envolve mais de
400 mil profissionais na normalização das áreas da Engenharia
Electrónica, Electrotécnica e Tecnologias de Informação /
Comunicação.

http://www.ecma-international.org/

ECMA (European Computer Manufacturers Association) – É uma


organização representativa dos Fabricantes Europeus de
Computadores. Teve envolvimento importante na definição da
arquitectura ISO para as Redes de Tecnologias de Informação e
Comunicação (Modelo OSI), desenvolvendo a sua actividade na
normalização nesta área específica.
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO - NORMALIZAÇÃO
http://www.3gpp.org

3GPP (3rd Generation Partnership Project) – Constituído por


Associações de Telecomunicações e Operadores com a missão
original de especificar Standards para a evolução dos Sistemas
GSM (2G) até à 3ª Geração (UMTS). Contudo, após completar as
primeiras especificações LTE / EPC o Grupo 3GPP tornou-se o ponto
focal de desenvolvimento de Sistemas Móveis para tecnologias
posteriores à 3G e Futuras.

http://www.3gpp2.org

3GPP2 (3rd Generation Partnership Project 2) – Na prática o 3GPP2


é um grupo de Associações e Operadores de Telecomunicações com a
missão de especificar Standards para a evolução dos Sistemas CDMA
de 2ª Geração (IS-95) até à 3ª Geração (CDMA2000). O UMB (Ultra
Mobile Broadband) foi um projecto do 3GPP2 para desenvolvimento
do sucessor de 4ª Geração do sistema CDMA2000.
COMUNICAÇÕES
MÓVEIS
Introdução – Modelos OSI – TCP/IP
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO OSI
Ambiente de Comunicação Aberto
Sistema A Sistema B
Protocolos
7 Aplicação Aplicação 7
6 Apresentação Apresentação 6
5 Sessão Sessão 5
Serviços

4 Transporte Transporte 4

3 Rede Rede 3

2 Enlace Enlace 2

1 Físico Físico 1

Meio de Comunicação

Garantir a Interoperabilidade entre Infraestruturas de


diferentes Fabricantes
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO OSI
As vantagens de utilizar o modelo OSI com uma
arquitectura definida por níveis (Layers), entre outras,
incluem:

 Divide todo o processo de Comunicação em Rede em


componentes mais pequenos e simples, facilitando
as tarefas relacionadas com o desenho,
desenvolvimento e validação de Soluções;
 Permite aos diversos Fabricantes o desenvolvimento
dos seus Produtos / Sistemas em conformidade com
Componentes Standard;
 Normalização das funcionalidades de cada nível;
 Interoperabilidade entre diferentes tipos de
Hardware / Software de Rede;
 Evita que alterações efectuadas num nível possam
afectar o funcionamento dos restantes.
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO OSI
Ambiente de Comunicação Aberto
Sistema A Sistema B
Protocolos
7 Aplicação Aplicação 7
6 Apresentação Comunicação das Aplicações entre Apresentação 6
Sistemas e com o Utilizador
5 Sessão (Camada Funcional) Sessão 5
Serviços

4 Transporte Transporte 4

3 Rede Definem a forma como os Dados Rede 3


são transmitidos Extremo a Extremo
2 Enlace (Camada Física) Enlace 2

1 Físico Físico 1

Meio de Comunicação
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO OSI
Ambiente de Comunicação Aberto
Sistema A Sistema B
Protocolos
7 Aplicação Interface com o Utilizador Aplicação 7
Apresentação Apresentação dos Dados Apresentação
6 Processamento (Ex. Encriptação)
6
5 Sessão Mantém os dados das diferentes Sessão 5
aplicações separados entre si
Serviços

Entregas Fiáveis e não Fiáveis


4 Transporte Executa correcção de erros (Fiáveis)
Transporte 4
Rede Fornece o endereçamento lógico usado Rede
3 para estabelecer o Encaminhamento
3

2 Enlace Controlo de Acesso ao Meio Enlace 2


Detecção de Erros

1 Físico Transferência dos Bits entre Sistemas Físico 1


Define Tensões, Débitos e PIN-OUT (Cabos)

Meio de Comunicação
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO OSI
Ambiente de Comunicação Aberto
Sistema A Sistema B
Protocolos
7 Aplicação Serviços Aplicacionais, Ficheiros, Base de Aplicação 7
Dados, Mensagem e Impressão
Apresentação Serviços de Encriptação, Compressão Apresentação
6 e Conversão de Dados
6
5 Sessão Controlo de Dialogo Sessão 5
Serviços

Ligação Extremo a Extremo


4 Transporte Segmentação / Reagrupamento de Dados
Transporte 4

3 Rede Encaminhamento Lógico (Routing) Rede 3

2 Enlace Estrutura de Trama (Framing) Enlace 2


Encaminhamento MAC

1 Físico Topologia Física Físico 1

Meio de Comunicação
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO OSI
Níveis 4 – 1:

 O Nível de Transporte (L4):


 Segmentação / Reagrupamento;
 Transporte Extremo a Extremo (Ligação Lógica entre
HOSTS, comunicações orientadas à conexão – TCP);
 Garantia de Qualidade de Serviço (Entregas
Fiáveis): Controla a Confirmação de Recepção,
Sequência, Fluxo e Erros (evita Congestão,
Sobrecarga e Perda de Dados na Rede);
 Comunicações não orientadas à conexão e não
fiáveis quando se utiliza o protocolo UDP. A
garantia de serviço é assegurada pelas aplicações.

 O Nível de Rede (L3):


 Selecciona o melhor caminho para envio dos Pacotes
(Dados) na Rede com base no Endereçamento Lógico
(IP).
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO OSI
Níveis 4 – 1 (Continuação):

 O Nível de Enlace (L2):


 Assegura a entrega, na LAN, das Tramas (Dados) aos
dispositivos correctos com base no respectivo
Endereçamento Físico (MAC);
 Faz a conversão dos Pacotes recebidos do Nível de
Rede em BITS a serem transmitidos pelo Nível
Físico;
 O nível de Enlace (IEEE Ethernet Data Link layer)
é constituído por dois Subníveis:
 Logical Link Control (LLC) 802.2: Responsável
pela identificação dos protocolos de Nível de
Rede e encapsulá-los;
 Media Access Control (MAC) 802.3: Define a
forma como as Tramas Ethernet são colocadas no
Meio. É aqui que também se define o
correspondente Endereçamento Físico (MAC).
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO OSI
Níveis 4 – 1 (Continuação):

 O Nível Físico (L1):


 Envia BITS e Recebe BITS através do Interface com
o Meio de Comunicação;
 Comunica directamente com os vários Meios de
Comunicação disponibilizados pelas Infraestruturas
de Rede;
 Especifica os requisitos do Interface DTE / DCE.
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – ENCAPSULAMENTO DE DADOS
Encapsulamento de Dados (LAN)

Aplicação

Apresentação

Dados – N. Superiores Sessão

Cabeçalho TCP Dados – N. Superiores Transporte SEGMENTO

Cabeçalho IP Dados Rede PACOTE

Cabeçalho MAC Dados FCS Enlace TRAMA (FRAME)

010111000011101011110101010111101010 Físico BITS


COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – ENCAPSULAMENTO DE DADOS
Numa comunicação o Método de Encapsulamento de Dados é
realizado da seguinte forma:

 A Informação do Utilizador é convertida em Dados


para transmissão através da Rede;
 Os Dados são convertidos em Segmentos e é
estabelecida uma ligação fiável entre os HOSTS
(TCP);
 Os Segmentos são convertidos em Pacotes e colocado
o endereçamento lógico no cabeçalho de cada
pacote. Routing através da Rede;
 Os Pacotes são convertidos em Tramas para
comunicação na LAN. É adicionado o endereçamento
MAC no cabeçalho de cada Trama Ethernet;
 As Tramas são convertidas em BITS, utilizando-se
um esquema de codificação e sincronismo para
acesso ao meio de comunicação.
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – ENCAPSULAMENTO DE DADOS
Encapsulamento / Endereçamento de Dados (LAN)

Porta Porta
------------- DADOS SEGMENTO
ORIGEM DESTINO

IP IP
ORIGEM DESTINO PROTOCOLO ------------- SEGMENTO PACOTE

MAC MAC TRAMA (FRAME)


DESTINO ORIGEM TIPO / COMP. PACOTE FCS

010111000011101011110101010111101010 BITS
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO TCP/IP (DOD)
Modelo TCP /IP Modelo OSI

Aplicação 7
Processo / Apresentação 6
Aplicação
Sessão 5

Host - Host Transporte 4

Internet Rede 3
Enlace 2
Interface de
Rede Físico 1
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO TCP/IP (DOD)
Modelo TCP /IP Protocolos

Processo /
Aplicação DNS DHCP

Host - Host

Internet

Interface de
Rede
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO TCP/IP (DOD)
Principais aspectos relacionados com o Modelo TCP / IP:

 Criado pelo DoD (Department of Defense) de forma a


assegurar e preservar a integridade dos dados, bem
como manter as correspondentes comunicações em
cenários de catástrofe;
 Pode-se dizer que este modelo é fundamentalmente
uma versão simplificada do Modelo OSI, integrando
4 níveis em vez dos 7 que compõem o referido
Modelo OSI.
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO TCP/IP (DOD)
Níveis do Modelo TCP / IP:

 Processo / Aplicação – Corresponde aos três níveis


superiores do Modelo OSI. Este nível define um
conjunto de protocolos que asseguram a comunicação
das aplicações entre nós da rede e controla as
especificações do interface de utilizador;
 Host – Host (Transporte) – Tem funções idênticas
ao nível de Transporte do Modelo OSI. Designa os
protocolos que asseguram o serviço de transmissão
para as aplicações;
 Internet – Tem funções idênticas ao nível de Rede
do Modelo OSI. Designa os protocolos que asseguram
a transmissão lógica dos pacotes através da Rede
Global. Funções de Endereçamento IP e Routing;
COMUNICAÇÕES MÓVEIS
INTRODUÇÃO – MODELO TCP/IP (DOD)
Níveis do Modelo TCP / IP (Continuação):

 Interface de Rede (Acesso de Rede) – É equivalente


ao conjunto dos níveis de Enlace e Físico do
Modelo OSI. Este nível monitoriza a troca de dados
entre o Host e a Rede. Controla o Endereçamento
Hardware e define os protocolos para o acesso /
transmissão física dos dados.

Você também pode gostar