Você está na página 1de 3

Turma: 3º ano Turno: Noite

Disciplina: Filosofia Professora: Alice teles

Tema: Bom e mal, má consciência e a crítica de Nietzsche à moral cristã

 Para refletir:
No livro genealogia da moral Nietzsche aborda como se dá o
processo genealógico desses dois termos. Observe o que ele
diz sobre: “Para mim é evidente em primeiro lugar que essa
teoria procura e fixa a origem de emergência do conceito
“bom” num lugar em que não está: o juízo “bom” não emana
daqueles a quem se prodigalizou a “bondade”. Foram os
próprios bons, os homens nobres, os poderosos, aqueles que ocupam uma posição
de destaque e têm a alma enlevada que julgaram e fixaram a si e a seu agir como
“bom”, ou seja, “de primeira ordem, em oposição a tudo o que é baixo, mesquinho,
comum e plebeu. (NIETZSCHE, 2020, p. 22-23)”
Seus estudos constatam que bem e mal esses juízos usados para avaliar o
homem a partir de seu modo de pensar e agir não nasceram de uma divindade, mas
sim de uma vontade humana, em especial pela castra moral aristocrática, Nietzsche,
usando-se da história percebeu que durante muito tempo sempre houve dois tipos
de força, uma superior e a outra fraca, nesse contexto ele percebeu que ambas
usavam de uma moral que ele chama de: Moral aristocrática e Moral escrava, e que
não obstante, a primeira noção de Bom nasceu com a primeira moral, dita superior,
esses usava o termo bom para categorizar ele mesmo, afirmarem a si mesmo,
segundo suas ações, e consequentemente a moral escrava dita que o bom são
aqueles que não pequenos, doentes, baixos, plebeu. Os sacerdotes usaram da
moral escrava para conseguir manter sua raiz observe o que diz Nietsche: “ Tudo o
que foi dito feito na terra contra os “nobres”, os “poderosos”, os “senhores”, os “detentores”
do poder”, não se pode comparar com que fizeram os judeus. Os judeus, esse povo de
sacerdotes, que não souberam por fim tomar satisfação de seus inimigos e dominadores
senão por meio de uma radical inversão dos valores morais, isto é, por meio de uma
vingança supremamente espiritual. (NIETZSTCHE, 2020, p. 29)”
A má consciência é consequência dessa inversão dos valores dado pelo
movimento judeu, que inculcou a noção de culpa e pecado como responsabilidade
do próprio homem, nas palavras do filosofo: “Poderíamos mesmo dizer que, sempre
que na vida dos homens e dos povos, há solenidade, gravidade, mistério e cores
sombrias, é que fica um vestígio de terror que os outros tempos, em todo o mundo,
presidia as transações, os contratos, as promessas: o passado, o longínquo, os
obscuros e cruéis passado, ferve quando ficamos “sérios”. Quando o homem julgava
necessário criar uma memória, isso era acompanhando sempre de sangue, de
mártires, de sacrifícios; os espantosos holocaustos e compromissos horríveis [...]
tudo isso tem sua origem naqueles instintos que soube descobrir na dor o auxílio
mais poderoso da memória. (NIETZSCHE, 2020, p.55)”

Com essa nova institucionalização de verdade, bem e mal que advêm desde
o ocidente, a doutrinação cristã se apossou dessa inversão e do conceito de culpa e
pecado que os discípulos pregavam, e começou a universalizar sua dogmatizarão,
essa universalização inclui que todos os que for plebeu, baixo, feio etc. São bons, o
oposto disso são maus! Veja o que Scarlett Marton diz: “Os indivíduos habituam-se a
certas maneiras de agir e pensar, transmitidas de geração a geração, tornando-se
tradicionais, elas acabam consolidadas, não admitindo nem tolerando
questionamentos, têm de ser respeitada de forma absoluta. Considerando-se imoral
o indivíduo que a elas não quer submeter-se, seu modo de agir é imprevisto, sua
maneira de pensar é arbitrária, a moralidade está intimamente ligada às
necessidades do rebanho” (1991, p.58) A filosofa mostra que o homem que não
abraça essa filosofia cristã fica taxado como imoral, ou simplesmente um lobo que
vive querendo atacar as ovelhas por isso são maus, cheios de pecado, mas se caso
contrário eles se submetessem a sua “verdade”, estes, portanto, são bons!

OBS: PERGUNTAS QUE SERAM LEVANTADAS PARA OS ALUNOS.

I. O que é ser bom e ser mau para você?


II. Segundo Nietzsche o homem ressente uma culpa, e por isso fica com a
consciência pesada, para você o que venha ser a má-consciência?
III. O que você pensa sobre o ponto de vista do filosofo em sua crítica a moral
cristã? Justifique sua resposta.