Você está na página 1de 3

fls.

544

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO


COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL CÍVEL
44ª VARA CÍVEL
PRAÇA JOÃO MENDES S/Nº, São Paulo - SP - CEP 01501-900

SENTENÇA

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/pg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 1054707-28.2019.8.26.0100 e código A3A8F04.
Processo Digital nº: 1054707-28.2019.8.26.0100
Classe - Assunto Embargos à Execução - Valor da Execução / Cálculo / Atualização
Embargante: Geraldo Francisco de Paula
Embargado: Dia Brasil Sociedade Limitada

Justiça Gratuita

Juiz(a) de Direito: Dr(a). Guilherme Madeira Dezem

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por GUILHERME MADEIRA DEZEM, liberado nos autos em 18/12/2020 às 15:32 .
Vistos.

Acolho os embargos de declaração para sanar a omissão apontada e, como


consectário lógico, revogo a decisão de fls. 540.

Trata-se de embargos à execução opostos por GERALDO FRANCISO DE


PAULA em que alega, em síntese, o excesso de execução, uma vez os juros moratórios, a seu ver,
deveriam contar da citação e não do vencimento do apontado inadimplemento. Pugna pela
procedência dos embargos.

Citada a embargada impugnou os embargos e, em síntese, alegou que não há


excesso de execução, uma vez que os juros moratórios são devidos desde o inadimplemento já que
se trata de dívida positiva e líquida no seu termo. Afirma o embargado ter realizado contrato de
franquia junto ao embargante até o distrato, que teria ocorrido após pouco mais de 4 anos, ocasião
em que, o embargante confessou ser devedor da quantia de R$688.016,12. Após três anos tentando
citar o embargante, a citação foi editalicia e, adveio os embargos em razão do ofício à Defensoria
Pública. Afirma que a alegação de excesso é genérica e que não há nos autos o valor que entende
devido devendo os embargos serem liminarmente rejeitados. Pugna pela revogação da justiça
gratuita e pela total improcedência dos embargos.

Houve réplica as fls. 499/501.

1054707-28.2019.8.26.0100 - lauda 1
fls. 545

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO


COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL CÍVEL
44ª VARA CÍVEL
PRAÇA JOÃO MENDES S/Nº, São Paulo - SP - CEP 01501-900

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/pg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 1054707-28.2019.8.26.0100 e código A3A8F04.
Quanto às provas, o embargado requer julgamento antecipado e o embargante
requer o envio dos autos ao contador judicial.

Vieram documentos.

É o relatório.
Fundamento e decido.

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por GUILHERME MADEIRA DEZEM, liberado nos autos em 18/12/2020 às 15:32 .
Conheço do pedido nesta fase. Faço-o com supedâneo no artigo 355, inciso I, do
Código de Processo Civil, sendo desnecessária a produção de outras provas.

Os embargos são improcedentes.

No caso dos autos é incontroverso que as partes entabularam contrato de franquia


com o distrato posterior (fls. 25/49, 50/53 e 54/103 do processo de execução
1107321-49.20158260100). A controvérsia se restringe ao excesso de execução, uma vez que
entende que os juros moratórios deveriam contar da citação e não do inadimplemento, como alega
o embargado.

O artigo 397 do Código Civil estabelece que “o inadimplemento da obrigação,


positiva e líquida, no seu termo, constitui de pleno direito em mora o devedor”, razão pela qual, a
constituição em mora do embargante operou-se de pleno direito diante do vencimento da primeira
parcela, o seja, os juros de mora devem incidir a partir da data do inadimplemento e não da
citação, como afirma o embargante. Nesse sentido, desnecessário o encaminhamento dos autos ao
contador judicial.

A abusividade alegada há de ser comprovada nos autos e, o que se tem no caso


destes embargos é a simples alegação de excesso de modo genérico e sem qualquer comprovação.

Quanto ao pedido de revogação da gratuidade, indefiro o pedido. O embargante é


representado pela Defensoria Pública o que, por si só, comprova a miserabilidade jurídica já que
há análise prévia e minuciosa da capacidade financeira da parte que alega miserabilidade junto ao
órgão.

1054707-28.2019.8.26.0100 - lauda 2
fls. 546

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO


COMARCA DE SÃO PAULO
FORO CENTRAL CÍVEL
44ª VARA CÍVEL
PRAÇA JOÃO MENDES S/Nº, São Paulo - SP - CEP 01501-900

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/pg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 1054707-28.2019.8.26.0100 e código A3A8F04.
Pelos motivos expostos, REJEITO os embargos à execução, nos termos do artigo
do artigo 487, I do CPC.

Diante da sucumbência, custas, despesas e honorários serão suportados pelo


embargante estes arbitrados em 10% sobre o valor da causa atualizado (artigo 85, parágrafo 2º,
CPC).

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por GUILHERME MADEIRA DEZEM, liberado nos autos em 18/12/2020 às 15:32 .
Por ser o autor beneficiário da gratuidade da justiça, as obrigações decorrentes de
sua sucumbência ficarão sob condição suspensiva de exigibilidade e somente poderão ser
executadas se, nos 5 (cinco) anos subsequentes ao trânsito em julgado desta decisão, se o credor
demonstrar que deixou de existir a situação de insuficiência de recursos que justificou a concessão
de gratuidade, extinguindo-se, passado esse prazo, tais obrigações do beneficiário (CPC, artigo 98,
§§ 2º e 3º).
Custas de apelação (salvo em caso de gratuidade): a recolher em guia própria
(DARE), pelo Código 230-6 (Ao Estado), R$ 138,05, equivalente ao valor mínimo de 05 (cinco) e
UFESP's, de acordo com a lei 11.608/03.

Transitado em julgado, certifique-se.

P.R.I.

São Paulo, 18 de dezembro de 2020.

DOCUMENTO ASSINADO DIGITALMENTE NOS TERMOS DA LEI 11.419/2006,


CONFORME IMPRESSÃO À MARGEM DIREITA

1054707-28.2019.8.26.0100 - lauda 3

Você também pode gostar