Você está na página 1de 47

100 QUESTÕES – DIREITO PENAL

01 - A respeito das penas, o Código Penal adotou o sistema vicariante. Por ele, o Juiz
pode
a) aplicar ao condenado pena privativa de liberdade ou medida de segurança.
b) aplicar ao condenado pena privativa de liberdade e medida de segurança,
cumulativamente.
c) e deve aplicar ao condenado pena privativa de liberdade e pena restritiva de direitos.
d) aplicar ao condenado pena restritiva de direitos ou medida socioeducativa.

02 - Concurso formal de crimes é aquele


a) que se concretiza mediante duas ou mais condutas, com dois ou mais resultados
gerados por um só autor.
b) que ocorre quando o agente, praticando uma só conduta, comete dois ou mais
crimes.
c) em que o agente estabelece uma forma de atuação, mas por razões alheias à sua
vontade, ele não ocorre como idealizado.
d) em que concorrem várias pessoas para a prática de um só ato delitivo.

03 - O Princípio da Legalidade é também denominado de


e) Reserva Legal.
f) Common Law.
g) Analogia Legal.
h) Liberdade Legal.

04- Por capacidade especial do sujeito ativo entende-se que


i) certos crimes somente podem ser efetuados por intermédio de interposta pessoa
que possua capacidade especial.
j) certos crimes só podem ser praticados por pessoa imputável.
k) certos crimes só podem ser praticados por agente que possua determinada
posição jurídica ou de fato.
l) o sujeito ativo deve praticar o crime em face de certos destinatários especiais da
norma penal incriminadora.

05 - Nos crimes de mera conduta, o legislador só descreve o comportamento do agente,


não havendo resultado naturalístico. Tal assertiva é
m) correta, mas somente aplicável aos delitos materiais.
n) parcialmente correta.
o) equivocada diante da classificação dos crimes.
p) absolutamente correta.

06 - Os crimes omissivos impróprios são


q) de conduta mista.
r) comissivos por omissão.
s) comissivos propriamente ditos.
t) puramente omissivos.

07 - Por iter criminis compreende-se o conjunto de


u) atos de execução do delito.
v) atos preparatórios antecedentes ao delito.
w) atos de consumação do delito.
x) fases pelas quais passa o delito.
08 - De acordo com o Código Penal, não é punível a subtração de coisa comum fungível,
cujo valor não excede a quota a que tem direito o agente. Assim, caso o condômino
subtraia coisa comum fungível, é alegável tal excludente?
y) Não, tendo em vista que a assertiva é falsa.
z) Não.
aa) Sim.
bb) Sim, mas deverá obter o consentimento dos outros condôminos para tal subtração.

09 - A calúnia consiste em imputar a alguém, falsamente, fato


cc) ofensivo à sua reputação.
dd)definido como crime.
ee) que ofenda à dignidade ou o decoro.
ff) que sabe não ter ele cometido.

10 - João da Silva faz uso de seu revólver legalmente registrado, disparando duas vezes
em avenida com grande movimento de pessoas e automóveis. Neste caso, responde
gg) por crime cuja conduta é disparar arma de fogo ou acionar munição em lugar
habitado ou em suas adjacências, em via pública ou em direção a ela.
hh) exclusivamente pela contravenção de disparo de arma de fogo (art. 28, LCP), uma
vez que a contravenção de disparo de arma de fogo (art. 21, LCP) é atípica.
ii) pelo crime tipificado no artigo 132 do Código Penal (perigo para a vida ou a
saúde de outrem).
jj) por tentativa de lesões corporais culposas.

11 - Pode o Magistrado conceder "sursis" num processo, sabedor que já fora


concedido "sursis" ao mesmo sentenciado em outro processo?
kk) Tudo dependerá de que tipo de delito o réu praticou.
ll) Não pode, eis que o "sursis" só é concedido a réus primários.
mm)Pode, desde que preenchidos os requisitos previstos no Código Penal.
nn) Não pode, tendo em vista que só compete ao Juiz das Execuções Criminais a
concessão do "sursis".

12 - Aponte a afirmação certa.


oo) Na fixação da pena de multa, o juiz deve atender, principalmente, à situação
econômica do réu.
pp) A multa não pode ser aumentada até o triplo, se o juiz considerar que, em virtude da
situação econômica do réu, é ineficaz, embora aplicada no máximo.
qq)A pena privativa de liberdade não superior a 6 meses não pode ser substituída
pela de multa.
rr) Ao fixar a pena de multa, o juiz deve ter em mente o crime praticado pelo réu, com
vistas a majorá-la ou não.

13 - Sérgio, com 19 anos, foi emancipado por seu pai Antônio. Vem ele a cometer
crime de furto simples com quase 21 anos, apenando-se em 1 ano, concedido a
ele o "sursis" pelo prazo de 2 anos. Em relação a isto, é correto dizer que
ss) se a sentença condenatória transitar em julgado após os 21 anos de Sérgio, a
prescrição da pretensão executória operar-se-á em dois anos.
tt) a prescrição da pretensão punitiva conta-se por inteiro, devido à emancipação
operada pelo pai de Sérgio.
uu) não se pode conceder "sursis" pelo prazo de 2 anos, mas sim pelo de 4 anos.
vv) a prescrição da pretensão executória conta-se pela metade, em virtude da
menoridade de Sérgio.
14 - Assinale a alternativa correta.
ww)Entende-se em legítima defesa quem, usando moderadamente dos meios
necessários, repele injusta agressão, atual ou iminente, a direito seu ou de
outrem.
xx) Entende-se em legítima defesa quem pratica o fato para salvar de perigo atual, que
não provocou por sua vontade nem poderia de outro modo evitar, direito próprio ou
alheio, cujo sacrifício, nas circunstâncias, não era razoável exigir-se.
yy) Entende-se em legítima defesa o cônjuge que, desconfiado da fidelidade do outro,
mata-o para defender sua honra.
zz) Entende-se em legítima defesa quem pratica o crime impelido por razões de ordem
moral, religiosa ou social.

15 - Marque a variante incorreta com relação ao perdão do ofendido, nos crimes


em que somente se procede mediante queixa.
aaa)Perdão do ofendido obsta ao prosseguimento da ação.
bbb)Perdão do ofendido não é causa extintiva da punibilidade.
ccc)É impossível o perdão do ofendido antes de iniciada a ação penal.
ddd)Perdão só se opera na ação penal exclusivamente privada.

16 - A Lei no 9.714, de 25 de novembro de 1998, que alterou dispositivos do


Código Penal relativos às penas restritivas de direito,
eee)somente criou uma nova espécie de penas restritivas de direito - perda de bens e
valores -, admitindo a substituição da pena privativa de liberdade não superior a
quatro anos nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à pessoa.
fff) criou duas novas espécies de penas restritivas de direito - prestação pecuniária e
perda de bens e valores -, admitindo a substituição da pena privativa de liberdade
não superior a quatro anos nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à
pessoa.
ggg)somente criou uma nova espécie de penas restritivas de direito - prestação
pecuniária -, admitindo a substituição da pena privativa de liberdade não superior a
quatro anos nos crimes cometidos sem violência ou grave ameaça à pessoa.
hhh)criou duas novas espécies de penas restritivas de direitos - prestação pecuniária e
perda de bens e valores -, admitindo a substituição da pena privativa de liberdade
inferior a um ano.

17 - Para a configuração do crime culposo, além da tipicidade, torna-se


necessária a prática de conduta com
iii) observância de dever de cuidado que cause um resultado não desejado e
imprevisível.
jjj) inobservância do dever de cuidado que cause um resultado não desejado e
imprevisível.
kkk)inobservância do dever de cuidado que cause um resultado cujo risco foi assumido
pelo agente.
lll) inobservância do dever de cuidado que cause um resultado não desejado,
mas previsível.

18 - Antônio de Souza e Pedro Soares, este último menor inimputável, com a


unidade de propósitos, associaram-se para comercializar substâncias
entorpecentes. Por denúncia anônima, foram autuados em flagrante delito em
frente a uma escola municipal de segundo grau, portando pedras de "crack".
Assinale a alternativa correta.
mmm)No caso narrado, não há crime de associação, pois um dos agentes é menor
inimputável.
nnn)Antônio de Souza é réu primário e sem qualquer outro antecedente criminal. Assim,
se condenado, poderá cumprir a pena em regime aberto.
ooo)Por ter cometido crime hediondo, Antônio não terá direito à detração se vier a
ser definitivamente condenado à pena privativa de liberdade.
ppp)Antônio, se condenado, deverá cumprir sua pena privativa de liberdade,
integralmente, em regime fechado.
19 - João da Silva e Antônio Soares, após adquirirem na Praça da Sé um talão de
cheques e a carteira de identidade de Ernesto Alves, dirigiram-se à agência
bancária e, falsificando a assinatura do correntista, tentaram descontar um
cheque no valor de R$ 500,00. Desconfiado, o caixa acionou a segurança do
banco que deteve a ambos. João reagiu à prisão e acertou um tiro em um cliente
do banco, que veio a falecer. A favor de João da Silva, sua defesa requereu
incidente de insanidade mental que concluiu pela sua inimputabilidade à época
dos fatos. Pode-se dizer que
I. João e Antônio responderão por crime de homicídio qualificado em concurso
material com o cri-me de estelionato;
II. ambos os crimes a serem apurados serão da competência do júri;
III. se o juiz acatar o laudo pericial, deverá aplicar a João da Silva medida de
segurança com o prazo mínimo de um ano; é certo, porém, que João po-derá
permanecer sob custódia por tempo indeterminado;
IV. ao agente Antônio Soares também será aplicada a medida de segurança, pois
neste caso, haven-do concurso de pessoas, as circunstâncias se comunicam.
Dos itens acima, estão corretos apenas
qqq)III e IV.
rrr) I, II e III.
sss)I e IV.
ttt) I e II.

20 Mediante rompimento de obstáculo que consistiu na quebra de uma janela,


Eustáquio furtou, do interior de um veículo, um toca-fitas, várias fitas-cassete e
um pneu. A mãe de Eustáquio auxiliou-o a tornar seguros os produtos da
subtração, sem visar a algum proveito e com a única finalidade de proteger o
filho. Neste caso, a mãe
uuu)responderá pela participação de menor importância em crime de furto qualificado.
vvv)cometeu o crime de favorecimento pessoal ao tentar proteger seu filho.
www)responderá por favorecimento real.
xxx)não responderá por nenhum crime.

21 - João da Silva, que responde por crimes de roubo, decidiu fugir quando,
devidamente escoltado, encontrava-se no Fórum para presenciar audiência de
oitiva de testemunhas. Em dado momento saiu correndo pelos corredores e, após
quebrar uma das portas, quando tentava alcançar a escadaria, logrou ser detido
por um policial militar que impediu sua fuga. Diante dos fatos narrados, pode-se
afirmar que João
yyy)não cometeu nenhum crime, pois não usou de violência contra a pessoa.
zzz)cometeu o crime de evasão consumado.
aaaa)cometeu crime de tentativa de evasão.
bbbb)perpetrou crime de evasão cujo objeto jurídico é a fé pública.

22 - "Taxatividade", em Direito Penal, significa que


cccc)os fatos descritos na lei penal admitem ampliações de entendimento.
dddd)fato é típico ou atípico.
eeee)conjunto de normas incriminadoras admitem pena de multa.
ffff) as regras de direito penal decorrem do princípio da reserva legal.

23 - As medidas de segurança previstas no Código Penal são:


gggg)internação hospitalar e tratamento ambulatorial.
hhhh)internação hospitalar, tratamento ambulatorial e domiciliar.
iiii) tratamento hospitalar, ambulatorial, domiciliar e penitenciário.
jjjj) tratamento psiquiátrico e internação hospitalar.
24 - João subtrai uma furadeira pertencente a seu vizinho José, sem que este
saiba disto, com o intuito de usá-la para pendurar um quadro na sala de sua casa,
devolvendo-a intacta, minutos depois, no mesmo lugar. José descobre tal fato. Na
hipótese, ocorreu
kkkk)apropriação indébita – art. 168, caput, do Código Penal.
llll) furto simples – art. 155, caput, do Código Penal.
mmmm)furto de uso, que é fato atípico.
nnnn)roubo simples – art. 157, caput, do Código Penal.

25 - Delação premiada é o instituto de


oooo)direito penal e processual penal, em que o delator de crimes funcionais é apenado
com sensível diminuição de pena.
pppp)direito penal, pelo qual o réu delata todos os detalhes envolvendo crimes contra a
fé pública, obtendo a atenuação da pena.
qqqq)direito penal e processual penal, em que os co-autores são beneficiados com
regime de cumprimento de pena mais brando, em virtude de terem obtido prêmio de
delação por bom comportamento na execução da pena.
rrrr)direito penal, pelo qual o participante e o asso- ciado de crimes hediondos que
denunciarem à autoridade bando ou quadrilha, possibilitando seu desmantelamento,
terão a pena reduzida de um a dois terços.

26 - Henrique furtou a bicicleta de Carlos. Após alguns dias, envergonhado de tal


ato, Henrique compra outra bicicleta nova e a restitui a Carlos. Nesta hipótese,
ssss)a pena imposta a Henrique deverá se situar no patamar mínimo, sem qualquer
diminuição.
tttt) a pena imposta a Henrique será reduzida de um a dois terços, diante do
arrependimento poste- rior.
uuuu)Carlos poderá perdoar Henrique e este não será processado por crime de furto.
vvvv)a ação penal só poderá ser proposta com a representação de Carlos.

27 - "Quando o agente, mediante mais de uma ação ou omissão, pratica dois ou


mais crimes, idênticos ou não, aplicam-se cumulativamente as penas privativas
de liberdade em que haja incorrido". Trata-se de
wwww)concurso material.
xxxx)concurso formal.
yyyy)crime continuado.
zzzz)cúmulo material/formal.

28 - Rogério, amigo íntimo de Rubens, comenta com este que vai assaltar o Banco
"Y" na manhã de segunda-feira, pedindo que guarde segredo. No dia do roubo,
Rogério é preso e diz à polícia que Rubens sabia disto. Portanto, diante desta
hipótese, é correto afirmar que
aaaaa)Rogério responde pelo crime de roubo e Rubens terá a pena diminuída de um a
dois terços por participação de menor importância.
bbbbb)Rubens é partícipe, eis que tinha ciência do crime a ser praticado por Rogério.
ccccc)somente Rogério é autor do crime de roubo.
ddddd)Rogério é autor e Rubens é co-autor.
29 - Walter, 20 anos, comete crime contra a honra do Presidente da República,
sendo apenado severamente por isto. Contudo, na análise da execução da pena, o
Defensor Público nota que ocorreu a prescrição da pretensão punitiva de maneira
retroativa. Assim, é correto aduzir que
eeeee)são reduzidos de metade os prazos de prescrição quando o criminoso era, ao
tempo do crime, menor de vinte e um anos, ou, na data da sentença, maior de
setenta anos.
fffff)por exceção, não são reduzidos os prazos prescricionais nos crimes contra o
Presidente da República.
ggggg)a redução do prazo prescricional é afastada se Walter for emancipado civilmente
à época dos fatos.
hhhhh)são reduzidos de metade os prazos prescricionais quando o sujeito ativo é
menor de vinte e um anos ou maior de setenta anos à época da prolação da
sentença.

30 - Pode ser sujeito ativo de infanticídio


iiiii) qualquer pessoa que cometa crime de homicídio contra crianças menores de
quatorze anos.
jjjjj) apenas os pais de criança com menos de trinta dias.
kkkkk)somente a mãe do recém-nascido.
lllll) os pais da criança recém-nascida.

31 - Para a fixação de pena,


mmmmm)Código Penal vigente adotou o sistema bifásico, no qual o Juiz fixará a pena-
base nos termos do artigo 59 do Código Penal e circunstâncias agravantes e
atenuantes, passando, posteriormente, à verificação das causas de aumento e
diminuição de pena.
nnnnn)Código vigente adotou o sistema trifásico, no qual, após a fixação da pena-base
nos termos do artigo 59, serão observadas as circunstâncias agravantes e
atenuantes e, por fim, as causas de aumento e diminuição de pena.
ooooo)Código vigente adotou o sistema único no qual o Juiz, de uma só vez, fixa a
pena entre o máximo e o mínimo abstratamente previstos.
ppppp)as circunstâncias atenuantes permitem que a pena final seja fixada abaixo do
mínimo abstratamente previsto.

32 - Aos 30 minutos do dia de seu 18º aniversário, Crasso comete crime de


estupro, na modalidade de violência presumida, ao manter conjunção carnal com
sua namorada menor de 14 anos. Diante desta situação, Crasso
qqqqq)é considerado imputável perante a lei penal, não importando a hora de seu
nascimento.
rrrrr)será considerado inimputável perante a lei penal, caso tenha nascido em horário
posterior ao ocorrido.
sssss)não pode ser considerado inimputável perante a lei penal, eis que houve
consenso da vítima.
ttttt)pode ser considerado imputável perante a lei penal, desde que os pais de sua
namorada assim desejem.

33 - O preso pode freqüentar curso de nível superior?


uuuuu)Depende. O preso só pode freqüentar cursos compatíveis com o crime por ele
praticado.
vvvvv)Não. Em nenhuma hipótese o preso pode freqüentar curso de nível superior, por
ser incompatível com o regime de abstinência de liberdade.
wwwww)Sim. O preso conserva todos os direitos não atingidos pela perda da liberdade,
impondo-se a todas as autoridades o respeito à sua integridade física e moral.
xxxxx)Não. A freqüência a cursos de nível superior fica subordinada à plena liberdade
do sentenciado.
34 - Indique a alternativa incorreta perante o Código Penal Brasileiro.
yyyyy)As penas mais leves prescrevem com as mais graves.
zzzzz)O curso da prescrição não se interrompe pelo recebimento da denúncia ou da
queixa.
aaaaaa)A sentença que conceder perdão judicial não será considerada para efeitos da
reincidência.
bbbbbb)No caso de concurso de crimes, a extinção da punibilidade incidirá sobre a
pena de cada um, isoladamente.

35 - Potiguar é um silvícola que vive em Brasília, onde freqüenta escola de ensino


médio. Vem ele a cometer crime de estupro com 19 anos de idade. Potiguar
cccccc)deverá ser considerado inimputável por desenvolvimento mental incompleto.
dddddd)é inimputável.
eeeeee)é semi-imputável.
ffffff)é imputável.

36 - Demócrito reage a fato típico previsto como roubo qualificado por emprego
de arma. Como Demócrito é policial militar, mas estava à paisana, dispara um tiro
contra o agente delitivo, vindo a causar sua morte por atingir o coração. Sabendo
disto, mas estando perturbado com a ação criminosa, descarrega os outros cinco
projéteis contra o ladrão. Demócrito
gggggg)não será beneficiado pela legítima defesa, eis que, apesar de ser policial militar,
não está a serviço.
hhhhhh)agiu em excludente de criminalidade em virtude da legítima defesa, não
respondendo por seu ato lesivo.
iiiiii)responderá por excesso doloso na legítima defesa.
jjjjjj)não poderia, por ser policial militar, atingir o coração do ladrão, mas sim outras
áreas não vitais de seu corpo, respondendo por homicídio doloso, mas
beneficiando-se com a diminuição da pena de um a dois terços.

37 - Os crimes de lesão corporal culposa praticados após o advento da lei


9.099/95 exigem representação do ofendido, cujo prazo decadencial de
kkkkkk)seis meses, começa a fluir a partir da data em que foi descoberta a autoria.
llllll)seis meses, começa a fluir a partir da data do fato.
mmmmmm)um mês, começa a fluir a partir da data do fato.
nnnnnn)um mês, começa a fluir a partir da intimação do ofendido.

38 - O sujeito ativo de um crime poderá beneficiar-se com o instituto do


arrependimento posterior, desde que repare o dano ou restitua a coisa
oooooo)até a da sentença e o crime tenha sido cometido sem violência ou grave
ameaça.
pppppp)até o recebimento da denúncia e o crime tenha sido cometido sem violência ou
grave ameaça.
qqqqqq)a qualquer tempo, por uma questão de Política Criminal.
rrrrrr)até o oferecimento da denúncia e o crime tenha sido cometido sem violência ou
grave ameaça.

39 - O Código Penal, em relação à aplicação da Lei Penal no tempo, determina a


ssssss)retroatividade da lei posterior mais benigna desde que o fato ainda não tenha
transitado em julgado.
tttttt)retroatividade irrestrita da lei posterior mais benigna.
uuuuuu)retroatividade irrestrita apenas no caso de Abolitio Criminis.
vvvvvv)irretroatividade para os fatos já transitados em julgado.
40 - Ulisses seqüestrou a adolescente Penélope com o fim de obter certa quantia
como resgate, levando-a para o Estado do Rio. Uma semana após, Ulisses
descobriu que seqüestrara a pessoa errada e que Penélope era moça pertencente
a família muito pobre. Diante disto, espontaneamente, libertou Penélope, ilesa,
sem nada receber. Ocorre que, enquanto Ulisses mantinha Penélope privada de
sua liberdade, outra lei entrou em vigor, dispondo de modo mais severo quanto à
punição do crime.
Assinale a alternativa incorreta.
wwwwww)A lei posterior será aplicada no caso narrado, pois "extorsão mediante
seqüestro" é crime permanente.
xxxxxx)O fato praticado por Ulisses tipifica-se como crime impossível.
yyyyyy)No caso, não será aplicada a lei mais severa, pois a Constituição somente
admite a retroatividade de lei posterior mais benéfica.
zzzzzz)De acordo com o Código Penal, Ulisses responderá por tentativa de "extorsão
mediante seqüestro".

41 - A conduta de adolescente descrita como crime ou contravenção penal é


denominada pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei no 8069/90) como ato
aaaaaaa)anti-social.
bbbbbbb)irrregular.
ccccccc)desviante.
ddddddd)infracional

42 - De acordo com o art. 5o do Código Penal, "aplica-se a lei brasileira, em


prejuízo de convenções, tratados e regras de direito internacional, ao crime
cometido no território nacional". A legislação nacional adotou, para a aplicação
da lei penal no espaço, o princípio da
eeeeeee)territorialidade.
fffffff)nacionalidade.
ggggggg)competência real.
hhhhhhh)competência universal.

43 - No tocante ao tema da imputabilidade penal, o Código Penal Brasileiro


considerou que os menores de dezoito anos são penalmente inimputáveis,
ficando sujeitos às normas estabelecidas na legislação especial. Tal assertiva é
iiiiiii)passível de contra-argumentação.
jjjjjjj)incorreta.
kkkkkkk)correta.
lllllll)passível de interpretação analógica.

44 - A reabilitação alcança quaisquer penas aplicadas em sentença definitiva,


assegurando ao condenado o sigilo dos registros sobre seu processo e
condenação. O lapso temporal requerido para pleitear tal benefício é de
mmmmmmm)5 (cinco) anos, eis que a prescrição qüinqüenal adotada pelo Código
Penal é taxativa a respeito do assunto.
nnnnnnn)4 (quatro) anos, contados do dia em que a pena for extinta, ou daquele em
que terminar a execução da mesma, ou do cumprimento do "sursis", ou do
cumprimento do livramento condicional.
ooooooo)3 (três) anos após o cumprimento da pena, desde que não haja mais nenhuma
pena imposta e nenhum processo em julgamento.
ppppppp)2 (dois) anos, contados do dia em que for extinta, de qualquer modo, a pena,
ou terminar sua execução, computando-se o período de prova da suspensão e o do
livramento condicional, se não sobrevier revogação.
45 - De acordo com o art. 15 do Código Penal, o agente que, voluntariamente,
desiste de prosseguir na execução ou impede que o resultado se produza, só
responde pelos atos já praticados. Diante disto, é possível dizer que
qqqqqqq)só há tentativa quando, tendo o agente iniciado a execução do crime, ele não
se consuma por circunstâncias alheias à sua vontade.
rrrrrrr)a desistência voluntária e o arrependimento eficaz constituem causas de
diminuição de pena.
sssssss)o critério de redução da pena da tentativa no crime de roubo deve obedecer
aos critérios acima aduzidos.
ttttttt)ocorre desistência voluntária quando o criminoso percebe que o alarme foi
detonado e foge.

46 - Anaxágoras, com a intenção de seqüestrar o filho de seu patrão para obter


vantagem monetária como preço do resgate, compra cordas, furta um carro e
arruma o local que serviria como cativeiro. Dois dias antes de efetivar seu intento,
seus planos são descobertos. Diante destes fatos, Anaxágoras
uuuuuuu)não responderá por qualquer crime.
vvvvvvv)responderá apenas por furto consumado.
wwwwwww)responderá apenas por tentativas de extorsão mediante seqüestro e
tentativa de furto.
xxxxxxx)responderá por furto e extorsão mediante seqüestro consumado.

47 - O crime de rixa tem o tipo qualificado quando ocorre o resultado morte ou


lesão corporal de natureza grave. Assim, em relação ao participante que sofreu a
lesão corporal grave, pode-se afirmar que
yyyyyyy)não responde por nenhum crime.
zzzzzzz)responde pela rixa de crimes, tipificada no caput.
aaaaaaaa)é isento de pena.
bbbbbbbb)responde pela rixa qualificada como os demais participantes.

48 - O funcionário público que exige de um indivíduo contribuição social, que


sabe indevida, comete crime de
cccccccc)peculato.
dddddddd)concussão.
eeeeeeee)excesso de exação.
ffffffff)corrupção ativa.

49 - Constitui causa de diminuição de pena prevista na Parte Geral do Código


Penal,
gggggggg)o crime impossível.
hhhhhhhh)o arrependimento posterior.
iiiiiiii)a desistência voluntária.
jjjjjjjj)o arrependimento eficaz.

50 - No calor de uma discussão em juízo, se o defensor de uma parte ofender a


dignidade da adversa,
kkkkkkkk)o fato será atípico.
llllllll)comete crime de difamação.
mmmmmmmm)comete crime de injúria.
nnnnnnnn)comete crime de injúria real.
51 - De acordo com a Lei nº 9099/95, pode-se afirmar que se consideram infrações
penais de menor potencial ofensivo
oooooooo)todas as contravenções penais e os crimes a que a lei comine pena mínima
igual ou inferior a um ano, excetuados os casos em que a lei preveja procedimento
especial.
pppppppp)todas as contravenções penais e os crimes a que a lei comine pena máxima
igual ou inferior a um ano, excetuados os casos em que a lei preveja procedimento
especial.
qqqqqqqq)todas as contravenções penais e todos os crimes a que a lei comine pena
mínima igual ou inferior a um ano.
rrrrrrrr)somente os crimes a que a lei comine pena máxima igual ou inferior a um ano,
excetuando-se os casos em que a lei preveja procedimento especial.

52 - Guilherme, ao ser preso por estelionato, fornece à autoridade policial o


documento de identidade de seu irmão gêmeo falecido, Gustavo, com o fito de
não caracterizar a reincidência sobre si. Após ser descoberta tal farsa, Guilherme
pode ser processado por falsa identidade?
ssssssss)Em termos. Se Guilherme for condenado pelo estelionato, não há que se falar
em falsa identidade. Do contrário, é possível seu indiciamento e processamento pela
falsa identidade.
tttttttt)Sim, eis que se atribui falsa identidade para obter vantagem, em proveito próprio.
uuuuuuuu)Não. A conduta de agente que se atribui falsa identidade para escapar da
ação policial não caracteriza infração penal, pois se trata do direito de buscar a
liberdade almejada por todos os seres humanos.
vvvvvvvv)Sim. A falsa identidade é crime que independe da situação em que ele é
cometido. Portanto, sempre que ele ocorrer, poderá seu autor ser processado.

53 - A defesa preliminar, prevista no procedimento para a apuração de crimes de


responsabilidade dos funcionários públicos
wwwwwwww)será cabível se o crime for apenado com reclusão, cuja pena mínima não
seja superior a dois anos, e com detenção.
xxxxxxxx)é obrigatória, devendo ser oferecida três dias após o interrogatório.
yyyyyyyy)será cabível nos crimes apenados com reclusão, independentemente da pena
mínima imposta, e com detenção.
zzzzzzzz)deixou de ser aplicada com o advento da Constituição Federal de 1988, que
não recepcionou referido procedimento.

54 - Rodrigo pretende roubar transeuntes no centro da cidade, mas como não tem
coragem para isso, embriaga-se dolosamente, com o intuito de praticar tais atos
criminosos. Diante desta situação, a doutrina penal reconhece que
aaaaaaaaa)Rodrigo não responderá pelos crimes cometidos, ante sua semi-
imputabilidade.
bbbbbbbbb)aplica-se a teoria da actio libera in causa.
ccccccccc)a embriaguez voluntária dolosa é causa de diminuição de pena.
ddddddddd)a consciência de Rodrigo viu-se abalada pela embriaguez, respondendo ele
parcialmente por seus atos.

55 - O que se compreende por "sursis" etário e humanitário?


eeeeeeeee)O "sursis" etário é o aplicado aos maiores de 70 anos na data da sentença,
e o humanitário é o concedido à pessoa enferma, desde que devidamente
justificado, podendo a pena atingir até 4 anos.
fffffffff)O "sursis" etário é o aplicado ao menor de 21 anos na data do fato e ao maior de
70 anos na data da sentença, e o humanitário é aquele concedido às mulheres
grávidas.
ggggggggg)O "sursis" etário é o concedido em virtude da idade do condenado, e o
humanitário é aquele aplicado aos homens que tiveram remidas suas penas.
hhhhhhhhh)O "sursis" etário é o aplicado aos menores de 21 anos e aos maiores de 60
anos, e o humanitário é o concedido especialmente aos portadores do vírus HIV.
56 - Prescrição retroativa é a prescrição da pretensão
iiiiiiiii)executória após o trânsito em julgado, levando-se em conta a pena cominada no
tipo penal.
jjjjjjjjj)executória antes de transitar em julgado a sentença final.
kkkkkkkkk)punitiva de maneira retroativa, levando-se em consideração, nos crimes
permanentes, o dia em que se iniciou a permanência.
lllllllll)punitiva com base na pena aplicada, sem recurso da acusação, ou improvido este,
levando-se em conta os prazos anteriores à própria sentença.

57 - Maria de Lima, ao sair de um bar, onde trabalhava como garçonete, foi


abordada em um lugar ermo e constrangida a manter relações sexuais com
Antonio de Souza e Ermenegildo Flores. Os acusados foram devidamente
denunciados, porém, no curso da ação penal Maria de Lima casou-se civilmente
com Antonio de Souza. Neste caso,
mmmmmmmmm)o juiz deverá declarar extinta a punibilidade de Antonio de Souza e a
ação prosseguirá somente em relação a Ermenegildo.
nnnnnnnnn)não ocorrerá a extinção da punibilidade por tratar-se de crime contra os
costumes.
ooooooooo)o juiz deverá declarar extinta a punibilidade de ambos os acusados.
ppppppppp)o casamento de Maria com Antonio não é causa extintiva de punibilidade.

58 - O furto de energia elétrica, por meio de extensão clandestina (artigo 155, § 3o


do Código Penal), é crime
qqqqqqqqq)permanente.
rrrrrrrrr)continuado.
sssssssss)habitual.
ttttttttt)formal.

59 - A reincidência ocorre quando o agente comete


uuuuuuuuu)mais de um crime no mesmo dia.
vvvvvvvvv)novo crime, depois de transitar em julgado a sentença que, no país ou no
estrangeiro, o tenha condenado por crime anterior.
wwwwwwwww)novo crime após ter sido indiciado por crime anterior.
xxxxxxxxx)novo crime após ter sido condenado em processo ainda pendente de análise
de apelação.

60 - A pena é calculada pelo sistema


yyyyyyyyy)bifásico, fixando-se, primeiramente, a pena-base e, em seguida,
considerando-se as circunstâncias atenuantes e agravantes.
zzzzzzzzz)bifásico, fixando-se, primeiramente, a pena-base e, em seguida,
considerando-se as causas de diminuição e de aumento.
aaaaaaaaaa)trifásico, fixando-se, primeiramente, a pena-base, considerando-se, em
seguida, as causas de diminuição e de aumento e, por último, as circunstâncias
atenuantes e agravantes.
bbbbbbbbbb)trifásico, fixando-se, primeiramente, a pena-base, considerando-se, em
seguida, as circunstâncias atenuantes e agravantes e, por último, as causas de
diminuição e aumento.

61 - A prescrição é interrompida
cccccccccc)por sentença condenatória transitada em julgado.
dddddddddd)pela instauração de inquérito policial.
eeeeeeeeee)pelo término do cumprimento da pena.
ffffffffff)pela reincidência.
62 - Roberta é empregada doméstica de Carla, a qual tranca todas as portas dos
armários ao sair de casa. Numa dessas ocasiões, Roberta abre os armários e foge
com as jóias da patroa. O Ministério Público processa Roberta por furto
qualificado pelo abuso de confiança. Como defensor de Roberta, alegar-se-ia que
gggggggggg)a qualificadora não se caracterizou, pois a relação empregatícia existente
entre ambas exime o aumento de pena.
hhhhhhhhhh)o furto é qualificado independentemente de qualquer circunstância, ante o
fato da empregada residir na casa da patroa.
iiiiiiiiii)o abuso de confiança não se caracterizou, eis que a patroa não confiava na
empregada, posto que trancava todos os armários.
jjjjjjjjjj)inobstante a natureza do trabalho doméstico, o qual pressupõe a confiança da
patroa em relação à empregada, há necessidade da configuração de algum meio
enganoso apto a iludir a patroa.

63 - João atira visando matar José, que já estava morto, em razão de ataque
cardíaco. É correto afirmar que esta situação
kkkkkkkkkk)configura crime impossível ou de tentativa inidônea.
llllllllll)diz respeito a crime de homicídio tentado.
mmmmmmmmmm)configura o que se denomina de "crime de ensaio".
nnnnnnnnnn)é a chamada "tentativa branca".

64 - Marco Aurélio nasceu às 22 horas e 35 minutos do dia 10 de outubro de 1982.


Por fatalidade, à zero hora e 30 minutos do dia 10 de outubro de 2000 cometeu
fato configurado como furto de veículo. Qual a opção verdadeira?
oooooooooo)É a lei civil que determina a idade das pessoas. Portanto, diante dela,
Marco Aurélio é menor de dezoito anos para efeitos penais.
pppppppppp)Marco Aurélio deve ser considerado inimputável, ante o fato de não ter
completado dezoito anos.
qqqqqqqqqq)Deve ser ele tido como semi-imputável, uma vez que, biologicamente, não
completou dezoito anos.
rrrrrrrrrr)Considera-se penalmente responsável o agente que pratica a infração no dia
em que comemora seu 18o aniversário.

65 - Isolda confessou a seu namorado Tristão estar grávida. Tristão extremamente


irritado com a notícia, passou a agredir Isolda, provocando-lhe vários hematomas.
Vendo sua namorada desfalecida, Tristão imediatamente levou-a ao Pronto-
Socorro, onde os médicos constataram não ter ocorrido gravidez. Diante dos
fatos narrados, Tristão
ssssssssss)poderá ser beneficiado pelo arrependimento poste- rior, uma vez que
socorreu a vítima imediatamente.
tttttttttt)poderá ser beneficiado pelo arrependimento eficaz, uma vez que socorreu a
vítima imediatamente.
uuuuuuuuuu)responderá pelo crime de lesões corporais e poderá ser beneficiado por
uma circunstância atenuante, uma vez que socorreu a vítima procurando minorar as
conseqüências de seus atos.
vvvvvvvvvv)responderá apenas por tentativa de homicídio uma vez que o crime de
aborto não se tipificou por absoluta impropriedade do objeto.
66 - Em relação aos crimes contra a honra, tipificados no Código Penal, é inexato
afirmar que
wwwwwwwwww)não se admite a exceção da verdade no crime de calúnia, quando o
ofendido foi absolvido por sentença irrecorrível.
xxxxxxxxxx)não se admite, em nenhuma hipótese, a exceção da verdade no crime de
difamação.
yyyyyyyyyy)não se admite a exceção da verdade, em nenhuma hipótese, se qualquer
dos crimes é cometido contra chefe de governo estrangeiro.
zzzzzzzzzz)se qualquer dos crimes é cometido mediante promessa de recompensa, a
pena será aplicada em dobro.

67 - São crimes que admitem tentativa, os


aaaaaaaaaaa)dolosos.
bbbbbbbbbbb)culposos.
ccccccccccc)preterdolosos.
ddddddddddd)habituais.

68 - "É fundamental que a lei penal incriminadora seja editada antes da ocorrência
do fato criminoso." Distinga os princípios que alicerçam essa afirmativa:
eeeeeeeeeee)da legalidade e da anterioridade da lei penal.
fffffffffff)da extra e da ultratividade condicional da lei penal.
ggggggggggg)da abolitio criminis e do in dubio pro reo.
hhhhhhhhhhh)da lei anterior e da lei posterior benignas.

69 - A pena restritiva de direitos não pode substituir a privativa de liberdade


quando o réu for reincidente
iiiiiiiiiii)em qualquer crime, doloso ou culposo.
jjjjjjjjjjj)exclusivamente em crime doloso.
kkkkkkkkkkk)em crime culposo e a pena privativa de liberdade ultrapassar quatro anos.
lllllllllll)específico.

70 - O Estatuto da Criança e do Adolescente prevê que, verificada a prática de ato


infringente, a autoridade competente poderá aplicar ao adolescente, as medidas
socioeducativas de
mmmmmmmmmmm)advertência ou liberdade assistida ou multa.
nnnnnnnnnnn)inserção em regime de semiliberdade ou liberdade assistida ou multa.
ooooooooooo)advertência ou obrigação de reparar o dano ou prestação de serviços à
comunidade.
ppppppppppp)internação em estabelecimento educacional ou advertência ou pena
privativa de liberdade.

71 - Eustáquio Silva foi condenado por sentença transitada em julgado a cumprir


a pena de 08 (oito) anos de reclusão pela prática de estupro qualificado. Assim,
pode-se dizer que
qqqqqqqqqqq)o réu não terá direito à progressão do regime prisional nem ao livramento
condicional.
rrrrrrrrrrr)o réu terá direito à progressão de regime prisional, mas não ao livramento
condicional.
sssssssssss)após cumprir 2/3 da pena, terá direito à progressão de regime prisional.
ttttttttttt)após cumprir 2/3 da pena, terá direito ao livramento condicional.

72 - Qual é o conceito doutrinário de erro de proibição?


uuuuuuuuuuu)É o erro quanto à existência dos limites da excludente.
vvvvvvvvvvv)É o erro que recai sobre o elemento constitutivo do tipo penal.
wwwwwwwwwww)É o que se denomina de erro incidente sobre os elementos objetivos
do tipo penal.
xxxxxxxxxxx)É o erro incidente sobre a ilicitude do fato.

73 - No tocante ao tema "Eficácia das Leis Penais", considera-se Lei Penal


Excepcional a
yyyyyyyyyyy)que possui vigência previamente determinada pelo legislador.
zzzzzzzzzzz)promulgada em casos de calamidade pública, guerras, revoluções,
cataclismos, epidemias etc.
aaaaaaaaaaaa)outorgada pela Carta Magna para vigência por prazo determinado pelo
Congresso Nacional.
bbbbbbbbbbbb)promulgada pelo Presidente da República, após determinação do
Congresso Nacional, com prazo de vigência até certa e determinada data.

74 - Assinale a alternativa correta, partindo da premissa de que o Presidente da


República do Brasil possa ser vítima de crime de homicídio quando de viagem ao
exterior.
cccccccccccc)Aplica-se o princípio do lugar do crime em que ocorreu a ação ou
omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o
resultado.
dddddddddddd)Aplica-se o princípio da territorialidade, pelo qual a lei do território
estrangeiro é soberana, eis que foi lá o crime praticado.
eeeeeeeeeeee)Nesta hipótese, por ser Presidente da República que goza de
prerrogativa de foro em virtude da função, aplicam-se as regras pertinentes ao
Direito Penal Internacional, com julgamento pelo Tribunal Penal Internacional.
ffffffffffff)Aplica-se o princípio da extraterritorialidade, ficando sujeito à lei brasileira,
embora cometido no estrangeiro.

75 - De acordo com o Código Penal, extingue-se a punibilidade pela prescrição,


decadência ou perempção. No que tange à pena de multa, é correto afirmar que
gggggggggggg)o curso da prescrição pecuniária ocorrerá em 4 (quatro) anos após o
trânsito em julgado da sentença condenatória.
hhhhhhhhhhhh)a prescrição ocorrerá no mesmo prazo em que ocorrer a prescrição da
pena restritiva de direitos pelo mesmo crime.
iiiiiiiiiiii)a prescrição ocorrerá em 2 (dois) anos, quando a multa for única cominada ou
aplicada.
jjjjjjjjjjjj)não existem causas interruptivas da prescrição da pena de multa.

76 - Na extorsão mediante seqüestro, se o crime é cometido em concurso, o


concorrente que o denunciar à autoridade, facilitando a libertação do
seqüestrado, terá sua pena reduzida de um a dois terços. Este instituto de Direito
Penal é conhecido por
kkkkkkkkkkkk)delação premiada.
llllllllllll)libertação delatada.
mmmmmmmmmmmm)extorsão premiada.
nnnnnnnnnnnn)redução por delação libertária.

77 - Nos casos de extraterritorialidade incondicionada da lei penal, o infrator,


ingressando no Brasil após cumprir pena no estrangeiro, estará sujeito à punição
pela lei nacional. Porém, para amenizar a não aplicação do princípio do ne bis in
idem, o Código Penal determina que a pena cumprida no estrangeiro
oooooooooooo)atenua a pena imposta no Brasil pelo mesmo crime, quando idênticas.
pppppppppppp)é computada pena imposta no Brasil pelo mesmo crime, quando
diversas.
qqqqqqqqqqqq)atenua a pena imposta no Brasil pelo mesmo crime, quando diversas,
ou nela é computada, quando idênticas.
rrrrrrrrrrrr)é computada na pena imposta no Brasil pelo mesmo crime, quando diversas,
ou é atenuada, quando idênticas.

78 - Em relação aos crimes contra a honra, é correto afirmar que


ssssssssssss)qualquer que seja o crime ou quem quer que seja o ofendido, somente se
procede mediante queixa.
tttttttttttt)se procede mediante representação, quando o ofendido é funcionário público, e
o crime é cometido em razão de suas funções, aumentando-se a pena de um terço.
uuuuuuuuuuuu)se procede mediante representação do Ministro da Justiça, quando o
crime é cometido contra o Presidente da República, ou contra chefe de governo
estrangeiro.
vvvvvvvvvvvv)a pena é aumentada de um terço se o crime é cometido mediante paga
ou promessa de recompensa.

79 - Nos Estados Unidos da América, um número indeterminado de pessoas está


recebendo, por via postal, envelopes contendo a bactéria "Antraz", altamente
nociva à saúde, que pode, em certos casos, provocar a morte. A legislação
brasileira tipifica a conduta de quem propaga germes patogênicos em
determinado lugar, causando doença ou morte a várias pessoas, como
wwwwwwwwwwww)tentativa de homicídio qualificado pela dissimulação ou outro
recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do(s) ofendido (s).
xxxxxxxxxxxx)tentativa de genocídio ou genocídio consumado, dependendo do
resultado.
yyyyyyyyyyyy)epidemia.
zzzzzzzzzzzz)tentativa de lesões corporais de natureza grave, gravíssima ou seguida
de morte, dependendo do resultado.

80 - O tempo de cumprimento das penas privativas de liberdade não pode ser


superior a
aaaaaaaaaaaaa)30 (trinta) anos.
bbbbbbbbbbbbb)25 (vinte e cinco) anos.
ccccccccccccc)20 (vinte) anos.
ddddddddddddd)35 (trinta e cinco) anos.

81 - Antônio, com intuito de passar trote, telefonou para a Delegacia de Polícia de


sua cidade, notificando a ocorrência de um acidente de veículo na rodovia, que
sabia inexistente. Identificado, posteriormente, foi indiciado por denunciação
caluniosa. Pode-se afirmar que
eeeeeeeeeeeee)a autoridade policial tipificou corretamente o delito praticado por
Antônio .
fffffffffffff)o delito não foi tipificado corretamente, pois o crime cometido por Antônio foi o
de calúnia.
ggggggggggggg)a autoridade não tipificou corretamente o crime, pois Antônio praticou o
delito de comunicação falsa de crime.
hhhhhhhhhhhhh)Antônio somente teria praticado crime se tivesse comunicado a
ocorrência por escrito ou verbalmente.

82 - Dispõe o Código Penal, em seu artigo 6o, que "considerase praticado o crime
no lugar em que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como
onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado." Trata-se da teoria
iiiiiiiiiiiii)da ubiqüidade.
jjjjjjjjjjjjj) (do resultado.
kkkkkkkkkkkkk) da atividade.
lllllllllllll) da territorialidade.

83 - . Considera-se tipificado o crime de quadrilha quando


mmmmmmmmmmmmm)quatro pessoas associam-se para cometer um delito.
nnnnnnnnnnnnn) três pessoas associam-se permanentemente para cometer crimes.
ooooooooooooo) quatro pessoas, sendo um adolescente, associam-se para cometer
diversos crimes.
ppppppppppppp) cinco pessoas associam-se, de modo estável, para praticar
contravenções penais.

84 - A coação irresistível, de que trata o artigo 22 do Código Penal, é causa de


qqqqqqqqqqqqq)atipicidade.
rrrrrrrrrrrrr) exclusão de ilicitude.
sssssssssssss) exclusão de antijuridicidade.
ttttttttttttt) exclusão da culpabilidade.

85 - Márcio mata Camila, temendo que esta o pudesse reconhecer por crime de
estupro praticado anteriormente contra outra vítima. O homicídio é qualificado
uuuuuuuuuuuuu)por motivo torpe.
vvvvvvvvvvvvv) para assegurar a ocultação.
wwwwwwwwwwwww) para assegurar a imputabilidade.
xxxxxxxxxxxxx) por motivo fútil.

86 - Daniel, perante a autoridade policial competente, assume a responsabilidade


por disparo de arma de fogo em via pública realizado por sua namorada, com a
finalidade de protegê-la. Daniel praticou, em tese,
yyyyyyyyyyyyy)nenhum crime, pois sua conduta é atípica.
zzzzzzzzzzzzz) auto-acusação falsa.
aaaaaaaaaaaaaa) comunicação falsa de crime.
bbbbbbbbbbbbbb) favorecimento real.

87 - Indique a disjuntiva verdadeira.


cccccccccccccc)A fonte imediata do Direito Penal é a jurisprudência.
dddddddddddddd) A fonte imediata do Direito Penal é a analogia.
eeeeeeeeeeeeee) A fonte imediata do Direito Penal é o costume do povo.
ffffffffffffff) A fonte imediata do Direito Penal é a lei.

88 - Assinale a alternativa correta: Na contagem dos prazos penais,


gggggggggggggg)inclui-se o dia do começo.
hhhhhhhhhhhhhh)não se conta o dia do começo.
iiiiiiiiiiiiii) não se computam os feriados, sábados e domingos.
jjjjjjjjjjjjjj) apenas não se computam os feriados.

89 - Considera-se concurso formal de crimes quando o agente pratica


kkkkkkkkkkkkkk)dois ou mais crimes mediante duas ou mais ações.
llllllllllllll) dois ou mais crimes mediante uma só ação.
mmmmmmmmmmmmmm) um crime mediante uma ação que se prolonga no tempo.
nnnnnnnnnnnnnn) um crime complexo.

90 - Marque a alternativa exata: As medidas de segurança são aplicadas ao agente


oooooooooooooo)condenado por crime doloso.
pppppppppppppp) condenado por crime culposo.
qqqqqqqqqqqqqq) condenado por crime doloso e culposo.
rrrrrrrrrrrrrr) inimputável.

91 - Ocorre a figura do furto privilegiado quando o agente


ssssssssssssss)consegue furtar a vítima porque dispõe de sua confiança.
tttttttttttttt) pratica o furto utilizando-se de informações confidenciais sobre a vítima.
uuuuuuuuuuuuuu) é primário e a coisa furtada é de pequeno valor.
vvvvvvvvvvvvvv) emprega chave falsa.

92 - Com relação ao tema do livramento condicional, é correto afirmar:


wwwwwwwwwwwwww)revoga-se o livramento se o liberado vem a ser condenado à
pena privativa de liberdade em sentença irrecorrível, por crime cometido durante a
vigência do benefício.
xxxxxxxxxxxxxx)não se revoga o livramento se o liberado vem a ser condenado à pena
privativa de liberdade em sentença irrecorrível, por crime anterior à vigência do
benefício.
yyyyyyyyyyyyyy) as penas que correspondem a infrações diversas não devem somar-se
para efeito do livramento.
zzzzzzzzzzzzzz)revogado o livramento, poderá o réu, a qualquer tempo, pleitear
novamente o benefício.

93 - Diz-se imputável o agente que tem capacidade de ser-lhe juridicamente


atribuída a prática de fato punível. Assim, ausente a imputabilidade, não se aplica
pena ao autor de fato típico e antijurídico, podendo sofrer medida de segurança.
No caso concreto, Cristiano é preso totalmente embriagado após a prática de
crime previsto na legislação penal, e seu defensor público sustenta a tese da
inimputabilidade para isentá-lo de pena. Esta tese é sustentável perante o sistema
penal brasileiro?
aaaaaaaaaaaaaaa)Não. No tocante à embriguez, o Código Penal dispõe que não
excluirá a imputabilidade quando tenha decorrido de ato voluntário do agente, ou
tenha decorrido de sua imprudência ou negligência no ato de ingerir em demasia
bebida alcoólica.
bbbbbbbbbbbbbbb) Sim. Esta tese é perfeitamente sustentável, levando-se em
consideração que a embriaguez foi completa, não tendo o agente capacidade de
discernir acerca de seu ato lesivo e de suas conseqüências.
ccccccccccccccc)Neste caso, a tese que melhor se aplica é a de semi-imputabilidade,
devendo o agente responder perante o sistema penal de forma reduzida, ou seja, a
pena poderá ser reduzida de um a dois terços.
ddddddddddddddd) Há que se considerar a tese acima referida diante da doutrina da
embriaguez preordenada, a qual se dá quando o agente embriaga-se
propositadamente, visando assegurar um álibi, ou criar coragem para a prática de
um crime, o que afasta sua imputabilidade.

94 - Indique a alternativa incorreta perante o Código Penal.


eeeeeeeeeeeeeee)No caso de concurso de crimes, a extinção da punibilidade incidirá
sobre a pena de cada um, isoladamente.
fffffffffffffff) não se interrompe pelo recebimento da denúncia ou da queixa.
ggggggggggggggg) A sentença que conceder perdão judicial não será considerada para
efeitos da reincidência.
hhhhhhhhhhhhhhh) As penas mais leves prescrevem com as mais graves.

95 - "A", silvícola de dezenove anos de idade, vive em Brasília, onde freqüenta


escola de ensino médio e aí praticou crime de estupro. O silvícola:
iiiiiiiiiiiiiii)deverá ser considerado inimputável por desenvolvimento mental incompleto.
jjjjjjjjjjjjjjj)é inimputável.
kkkkkkkkkkkkkkk) é imputável.
lllllllllllllll) é semi-imputável.

96 - João registrou Pedro como seu filho, quando na realidade era filho de José.
Cometeu ele algum crime?
mmmmmmmmmmmmmmm)Sim, o crime de "supressão ou alteração de direito inerente
ao estado civil de recém-nascido".
nnnnnnnnnnnnnnn) (B) Não cometeu crime algum, eis que presente o motivo de
reconhecida nobreza.
ooooooooooooooo) (C) Sim, cometeu o crime de "sonegação de estado de filiação".
ppppppppppppppp) (D) Não, o Direito Penal não contempla qualquer espécie de crime
em relação à conduta de João, que agiu no interesse do menor.

97 - Assinale a alternativa em que são apontados os crimes contra a


administração pública, praticados por funcionário público.
qqqqqqqqqqqqqqq)Corrupção ativa, contrabando ou descaminho e tráfico de influência.
rrrrrrrrrrrrrrr) Concussão, peculato e prevaricação.
sssssssssssssss) Facilitação de contrabando e descaminho, violência arbitrária e
usurpação de função pública.
ttttttttttttttt) Corrupção passiva, violação de sigilo funcional e desacato.

98 - O que é aborto necessário?


uuuuuuuuuuuuuuu)É o praticado por médico, não havendo outro meio de salvar a vida
da gestante.
vvvvvvvvvvvvvvv) É o praticado em caso de gravidez resultante de estupro.
wwwwwwwwwwwwwww) Compreende-se todo aquele praticado por médico, com a
devida autorização da gestante e do Ministério Público, em casos específicos.
xxxxxxxxxxxxxxx) É o cometido pela gestante e precedido do consentimento da Justiça,
nos casos em que a gravidez é considerada indesejada.

99 - A sentença condenatória penal estrangeira pode ser homologada no Brasil


para a seguinte finalidade:
yyyyyyyyyyyyyyy)sujeitar o réu ao pagamento de multa.
zzzzzzzzzzzzzzz) submeter o réu exclusivamente ao cumprimento da pena de prisão.
aaaaaaaaaaaaaaaa) obrigar o réu à reparação do dano.
bbbbbbbbbbbbbbbb) (obrigar o réu à reparação do dano, a restituições e a outros
efeitos civis.

100 - Paulo, funcionário público, concorre culposamente para a apropriação de


dinheiro proveniente dos cofres públicos, mas restitui antes da sentença penal
irrecorrível. Diante de tal fato, terá
cccccccccccccccc)extinta a punibilidade.
dddddddddddddddd) praticado crime de corrupção, sem diminuição de pena.
eeeeeeeeeeeeeeee) a pena reduzida de um a dois terços.
ffffffffffffffff) a pena reduzida de metade.
DIREITO PENAL - GABARITO
gggggggggggggggg)A hhhhhhhhhhhhhhhh)B
iiiiiiiiiiiiiiii)B jjjjjjjjjjjjjjjj)C
kkkkkkkkkkkkkkkk)A llllllllllllllll)A
mmmmmmmmmmmmmmmm)C nnnnnnnnnnnnnnnn)B
oooooooooooooooo)D pppppppppppppppp)A
qqqqqqqqqqqqqqqq)B rrrrrrrrrrrrrrrr)D
ssssssssssssssss)D tttttttttttttttt)C
uuuuuuuuuuuuuuuu)C vvvvvvvvvvvvvvvv)A
wwwwwwwwwwwwwwww)B xxxxxxxxxxxxxxxx)B
yyyyyyyyyyyyyyyy)A zzzzzzzzzzzzzzzz)D
aaaaaaaaaaaaaaaaa)C bbbbbbbbbbbbbbbbb)D
ccccccccccccccccc)A ddddddddddddddddd)C
eeeeeeeeeeeeeeeee)D fffffffffffffffff)A
ggggggggggggggggg)A hhhhhhhhhhhhhhhhh)D
iiiiiiiiiiiiiiiii)B jjjjjjjjjjjjjjjjj)C
kkkkkkkkkkkkkkkkk)B lllllllllllllllll)B
mmmmmmmmmmmmmmmmm)D nnnnnnnnnnnnnnnnn)A
ooooooooooooooooo)D ppppppppppppppppp)A
qqqqqqqqqqqqqqqqq)B rrrrrrrrrrrrrrrrr)D
sssssssssssssssss)C ttttttttttttttttt)C
uuuuuuuuuuuuuuuuu)A vvvvvvvvvvvvvvvvv)D
wwwwwwwwwwwwwwwww)B xxxxxxxxxxxxxxxxx)D
yyyyyyyyyyyyyyyyy)A zzzzzzzzzzzzzzzzz)B
aaaaaaaaaaaaaaaaaa)C bbbbbbbbbbbbbbbbbb)D
cccccccccccccccccc)D dddddddddddddddddd)C
eeeeeeeeeeeeeeeeee)B ffffffffffffffffff)A
gggggggggggggggggg)A hhhhhhhhhhhhhhhhhh)C
iiiiiiiiiiiiiiiiii)C jjjjjjjjjjjjjjjjjj)B
kkkkkkkkkkkkkkkkkk)A llllllllllllllllll)C
mmmmmmmmmmmmmmmmmm)C nnnnnnnnnnnnnnnnnn)A
oooooooooooooooooo)B pppppppppppppppppp)C
qqqqqqqqqqqqqqqqqq)A rrrrrrrrrrrrrrrrrr)A
ssssssssssssssssss)C tttttttttttttttttt)C
uuuuuuuuuuuuuuuuuu)B vvvvvvvvvvvvvvvvvv)D
wwwwwwwwwwwwwwwwww)D xxxxxxxxxxxxxxxxxx)C
yyyyyyyyyyyyyyyyyy)C zzzzzzzzzzzzzzzzzz)A
aaaaaaaaaaaaaaaaaaa)A bbbbbbbbbbbbbbbbbbb)B
ccccccccccccccccccc)B ddddddddddddddddddd)A
eeeeeeeeeeeeeeeeeee)B fffffffffffffffffff)B
ggggggggggggggggggg)A hhhhhhhhhhhhhhhhhhh)D
iiiiiiiiiiiiiiiiiii)D jjjjjjjjjjjjjjjjjjj)C
kkkkkkkkkkkkkkkkkkk)A lllllllllllllllllll)A
mmmmmmmmmmmmmmmmmmm)C nnnnnnnnnnnnnnnnnnn)A
ooooooooooooooooooo)D ppppppppppppppppppp)B
qqqqqqqqqqqqqqqqqqq)A rrrrrrrrrrrrrrrrrrr)C
sssssssssssssssssss)B ttttttttttttttttttt)A
uuuuuuuuuuuuuuuuuuu)D vvvvvvvvvvvvvvvvvvv)B
wwwwwwwwwwwwwwwwwww)C xxxxxxxxxxxxxxxxxxx)A
yyyyyyyyyyyyyyyyyyy)B zzzzzzzzzzzzzzzzzzz)D
aaaaaaaaaaaaaaaaaaaa)A 100)A
QUESTÕES PRÁTICAS – DIREITO PENAL
PONTO 1
"A" já cumpriu pena na Penitenciária do Estado de São Paulo pela prática de diversos
delitos patrimoniais, sendo certo que obteve a liberdade definitiva no dia 28 de agosto
de 1996. Em liberdade, "A" locou de "B", para fins comerciais, o imóvel sito à rua "C", nº
100, Centro, São Paulo, Capital, vencendo o contrato aos 15 de setembro de 1998. No
dia 01 de fevereiro de 1997, por volta das 23:00 horas, "B" passou defronte o imóvel de
sua propriedade e notou um caminhão sendo carregado com telhas, portas e janelas do
imóvel, e foi informado de que aqueles objetos estavam sendo retirados por ordem
expressa de "A". Imediatamente "B" acionou a polícia e após a tramitação do inquérito
policial, "A" foi denunciado por furto agravado. O juiz da 28ª Vara Criminal da Capital
julgou procedente a ação penal, condenando "A", por violação do artigo 155, § 1º, do
Código Penal, a pena de 2 (dois) anos e 4 (quatro) meses de reclusão, em regime
fechado, sem direito a apelar em liberdade. O mandado de prisão já foi cumprido e "A"
está preso na Casa de Detenção de São Paulo. O magistrado não acolheu a alegação
de "A" no sentido de que na condição de inquilino estava apenas reparando o imóvel de
que tinha a posse em razão de contrato em vigor. Entendeu o magistrado que, pelos
antecedentes ostentados, "A" não poderia estar fazendo outra coisa senão praticando o
furto descrito na denúncia. O Advogado de "A" foi intimado da respeitável sentença na
data de ontem.

1 - QUESTÃO: Como advogado(a) de "A", adote a medida judicial cabível,


apresentando em separado a justificativa.
GABARITO: Recurso de Apelação - art. 593, do CPP
Interposição: ao Juiz da 28º Vara
Razões: ao Tribunal de Alçada Criminal de São Paulo
Tese Principal: Não há que se falar de furto, de vez que "A" é inquilino e tem a posse do
imóvel (falta o denominado "animus furandi"). Ademais, só os antecedentes são
insuficientes para magistrado formar seu convencimento quanto a autoria.
Requerer: reforma da sentença (absolvição) - art. 386, III.

PONTO 2
"A" foi denunciado pela prática do crime de sedução. Na defesa prévia seu defensor
arrolou cinco testemunhas. Porém, foram ouvidas somente duas delas, por força das
restantes terem mudado dos endereços constantes do mandado, conforme certidão do
senhor meirinho. "A", por meio de seu advogado, pleiteou a substituição daquelas por
outras, na fase do artigo 405 do Código de Processo Penal, tendo sido tal pedido
indeferido. O réu veio sofrer condenação e o decisório já transitou em julgado.

2 - QUESTÃO: Elabore perante o órgão judiciário competente medida cabível em


favor de "A".
GABARITO: Habeas Corpus para ser apreciado pelos julgadores do Tribunal de
Justiça, objetivando a anulação do processo, por nulidade processual, consistente no
cerceamento de defesa. Aceitar-se-á, também, ajuizamento de revisão criminal (art.
626, última parte, do CPP).
PONTO 3
"A", maior, solteiro, conheceu em uma discoteca, a menor "B", de 16 anos. Após
dançarem a noite toda, "A" convidou a jovem para ir ao seu apartamento, onde
mantiveram conjunção carnal, sendo "B" deflorada. Por esse motivo, "A" foi processado
e condenado, como incurso nas sanções previstas no artigo 217 do Código Penal. A
sentença ainda não transitou em julgado.
3 - QUESTÃO: Elabore perante o órgão judiciário competente medida cabível em
favor de "A".
GABARITO: Recuso de Apelação, mediante petição e as respectivas razões, para
apreciação por Câmara competente do Tribunal de Justiça de São Paulo.

QUESTÕES PRÁTICAS

4 - Cite três crimes considerados hediondos.


Considerar o disposto na Lei 8.072/90

5 - Estabeleça a diferença entre a concussão e a corrupção passiva.


RESPOSTA: A diferença está no núcleo do tipo. Na concussão o agente "exige" a
vantagem indevida, enquanto que na corrupção passiva o agente "solicita" ou "recebe"
a vantagem indevida.

6 - Defina as notas características do instituto da perempção.


RESPOSTA: É causa extintiva da punibilidade, que se verifica quando o querelante por
inércia deixa de providenciar o andamento da ação penal privada, acarretando a perda
do direito de nela prosseguir.

7 - Indique os elementos do fato típico.


RESPOSTA: Conduta/ resultado/ relação de causalidade/ tipicidade

PONTO 1
Teodósio, nascido em 20 de setembro de 1980, subtraiu para si, de um supermercado,
um queijo importado, duas latas de refrigerante e um tablete de chocolate, avaliados em
R$ 25,00 (vinte e cinco reais). Denunciado pelo Ministério Público e após regular
instrução criminal foi, a final, condenado à pena de 01 (um) ano de reclusão, sendo-lhe
concedido o benefício do sursis por 02 (dois) anos. Inconformado, o acusado recorreu.
Julgado o recurso pelo Tribunal competente, a sentença foi mantida por maioria de
votos, sendo que o Magistrado vencido, embora mantivesse a condenação, reduzia a
reprimenda para 08 (oito) meses de detenção em razão do privilégio disposto no próprio
tipo penal, convertendo a pena corporal em restritiva de direitos, em face do artigo 44
do C. P. O acórdão foi publicado há três dias.

8 - QUESTÃO: Como advogado(a) de Teodósio, tome a providência judicial


cabível.
GABARITO:
a) Recurso cabível: EMBARGOS INFRINGENTES restritos à matéria divergente:
b) Órgão competente: Tribunal de Alçada Criminal;
c) Fundamento: Parágrafo único do artigo 609, C.P.P.;
d) Requisito de admissibilidade: decisão não unânime do Tribunal;
e) Prazo para interposição: 10 (dez) dias.
O recurso deverá, de forma fundamentada, sustentar a tese contida no voto vencido.

PONTO 2
Em festiva reunião realizada por empresários na Comarca de Bauru, Ulpiano,
engenheiro civil com residência e domicílio em São Paulo, Capital, teria ofendido a
dignidade e a honra de Modestino eis que, jocosamente, relatava aos presentes, as
relações homossexuais por este praticadas. Por tais fatos, Modestino, por advogado,
ajuizou no Foro Central de São Paulo, queixa-crime contra Ulpiano, por infração aos
artigos 139, 140 e 141, inciso III, todos do Código Penal. A ação foi distribuída à 1ª Vara
Criminal, porém o Magistrado rejeitou a inicial, deduzindo na decisão, ser incompetente
para processar e julgar o feito ocorrido na Comarca de Bauru, fundamentando-se nos
artigos 6o do Código Penal e 70 caput do Código de Processo Penal. O decisum judicial
foi publicado há dois dias.

9 - QUESTÃO: Como advogado(a) de Modestino, acione a providência judicial


pertinente.
GABARITO:
a) Recurso Cabível: RECURSO EM SENTIDO ESTRITO;
b) Órgão competente: Tribunal de Alçada Criminal;
c) Fundamento: artigo 581, inciso I, do C.P.P.;
d) Prazo para interposição: 05 (cinco) dias, art. 586 do C.P.P.
Deverá ser interposto Recurso em Sentido Estrito ao Juiz da 1ª Vara Criminal
requerendo a reconsideração da R. decisão. Em caso de manutenção da mesma,
requerer, desde logo, que os autos subam ao Tribunal competente. As razões do
recurso deverão ser dirigidas ao Tribunal de Alçada Criminal, competente por tratar-se
de crimes apenados com detenção. A argumentação deverá invocar o artigo 73 do
Código de Processo Penal que faculta ao querelante, em caso de ação penal de
iniciativa privada, escolher o foro de domicílio ou residência do réu, ainda que
conhecido o local da infração.

PONTO 3
O Promotor de Justiça, quando da apresentação de alegações finais, em ação penal
pública incondicionada, conclui pela inocência do réu, e postula a sua absolvição. O
Magistrado, ao analisar os autos, profere sentença absolutória, acolhendo o pleito
ministerial. Na ocasião da intimação da sentença, em virtude de férias do subscritor das
alegações finais, outro membro do Ministério Público entende diferentemente do seu
colega e do Juiz, considerando que a sentença deve ser reformada. Assim, interpõe
recurso, alegando ter independência funcional consagrada na Carta Magna, afirmando
que, por ser ação penal pública incondicionada, o Promotor que o antecedeu, jamais
poderia ter pleiteado a absolvição, mas tão-somente a condenação. Pugna, outrossim,
pela condenação do acusado nos termos do art. 171 do Código Penal (estelionato
consumado), aduzindo a presença de todos os elementos do tipo penal na conduta
descrita na denúncia, e o réu teria agido com culpa presumida, ainda que não tivesse
obtido a vantagem ilícita em prejuízo alheio.

10 - QUESTÃO: Como advogado(a) do réu, formule a peça processual que julgar


oportuna.
GABARITO:
a) Contra-Razões de Apelação.
b) Órgão competente: Tribunal de Alçada Criminal.
c) Preliminar: Apesar de gozar o Promotor de Justiça de independência funcional, o
Ministério Público é uno e indivisível. Assim, o pleito ministerial não pode ser alterado
em sede recursal.
Além disso, só pode recorrer quem foi vencido no pedido (sucumbência), o que não
ocorreu no caso em tela.
d) Mérito: Pode o Promotor de Justiça pleitear a absolvição do réu se concluir por sua
inocência, eis que não está vinculado à denúncia. Não é obrigatório o pleito
condenatório. Pode requerer a condenação, a absolvição ou o acolhimento parcial da
denúncia.
Não pode ser estelionato consumado se inexistiram todos os elementos do tipo penal
(não houve a vantagem ilícita, nem o prejuízo alheio). Se crime existiu, foi ele tentando
e nunca consumado.
Ainda, não há estelionato culposo; o estelionato só é púnivel a título de dolo, que
consiste na vontade de enganar a vítima, dela obtendo vantagem ilícita, em prejuízo
alheio, empregando artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento.

QUESTÕES PRÁTICAS

11 - Quais os crimes sujeitos a competência do Tribunal do Júri?


RESPOSTA: São os crimes previstos nos artigos 121 §§ 1º e 2º - 122 § único – 123 –
124 – 125 – 126 e 127 do Código Penal, consumados ou tentados e os conexos. Em
resumo, os dolosos contra a vida.

12 - Defina o conflito de jurisdição.


RESPOSTA: Quando duas ou mais autoridades se considerarem competentes ou
incompetentes, para conhecer do mesmo fato criminoso.

13 - Por onde é regulada a competência pela natureza da infração?


RESPOSTA: É regulada pelas leis da organização judiciária, salvo a competência
privada do Tribunal do Juri.

14 - Estabeleça a diferença entre crime tentado e arrependimento eficaz.


RESPOSTA: Diz-se que o crime restou tentado quando o sujeito ativo (agente) deixa de
consumá-lo por motivos alheios à sua vontade (artigo 14, inciso II do C.P.). Já no
arrependimento eficaz o sujeito ativo (agente) pratica todos os atos do iter criminis até a
efetiva consumação do delito, porém, tenta de qualquer modo, impedir a produção do
resultado (artigo 15, C.P.).

PONTO 1
Protágoras encontra-se preso há 18 dias em virtude de auto da prisão em flagrante,
lavrado por infração ao artigo 250, parágrafo 1º, inciso I, do Código Penal. O laudo do
instituto de criminalística ainda não foi elaborado, estando o inquérito policial
aguardando a sua feitura. O juízo competente, que se encontra na posse da cópia do
auto da prisão em flagrante, indeferiu o pedido de relaxamento desta, por excesso de
prazo, sob o fundamento de que a gravidade do fato impõe a segregação de
Protágoras.

15 - QUESTÃO: Com o objetivo de conseguir a liberdade de Protágoras, elabore a


peça profissional condizente.
GABARITO: "Habeas Corpus" ao Tribunal de Justiça, uma vez que sofre coação ilegal
por desrespeito ao artigo 10 do Código de Processo Penal em evidente excesso de
prazo.

PONTO 2
Cleóbulo, soldado da Polícia Militar, após cumprir seu turno de trabalho, dirigindo-se
para o ponto de ônibus, deparou-se com um estranho grupo de pessoas em volta de um
veículo, percebendo que ali ocorria um roubo e que um dos elementos mantinha uma
senhora sob a mira de um revólver. Aproximando-se por trás do meliante, sem ser
notado, desferiu-lhe quatro tiros com sua arma particular, vindo este a falecer no local.
Os outros dois elementos que participavam do roubo, evadiram-se.
Cleóbulo foi processado e, a final, absolvido sumariamente em primeiro grau, pois a r.
decisão judicial reconheceu que o policial agira no cumprimento do dever de polícia
(artigo 23, inciso III, 1ª parte, Código Penal).
Inconformado, o Ministério Público recorreu pleiteando a reforma da r. decisão. Para
tanto alega, em síntese, que o policial estava fora de serviço e que houve excesso no
revide, eis que Cleóbulo, disparando quatro tiros do seu revólver, praticamente
descarregou-o, pois a arma possuía, ao todo, seis balas.

16 - QUESTÃO: Na condição de advogado de Cleóbulo, apresente a peça


pertinente.
GABARITO:
a) CONTRA-RAZÕES DE RECURSO EM SENTIDO ESTRITO;
b) Órgão competente: Tribunal de Justiça;
c) Fundamento: artigo 581, inciso VI do Código de Processo Penal.
O advogado de João da Silva deverá requerer a juntada das Contra-Razões de Recurso
em Sentido Estrito ao Juiz Auxiliar da Vara do do Júri, requerendo a manutenção da
decisão. Caso seja outro o entendimento, a remessa dos autos ao Tribunal de Justiça,
pois trata-se de crime doloso contra a vida. Deve-se requerer improvimento ao recurso
ministerial e a conseqüente manutenção, em inteiro teor, da R. decisão de 1º grau. A
argumentação pode fundamentar-se, entre outras, na prova, alegando-se que o
acusado, mesmo sem farda e fora de serviço, está investido na condição de policial,
treinado para a proteção da sociedade.

PONTO 3
Quílon, por ter furtado um toca-fitas de um veículo que estava aberto e estacionado na
via pública, fato ocorrido no dia 17 de janeiro de 1999, no bairro da Penha, tendo agido
sozinho, foi condenado pelo Meritíssimo Juiz de Direito da 1ª Vara Criminal da Capital à
pena de 1 (um) ano de reclusão e multa de 10 (dez) dias-multa, em regime fechado, já
transitada em julgado. Também por furto de um toca-fitas, por delito perpetrado no dia
18 de janeiro de 1999, no mesmo bairro e mesmas condições que o delito anterior, foi
condenado, de modo irrecorrível, pelo Meritíssimo Juiz da 2ª Vara Criminal da Capital à
pena de 1 (um) ano de reclusão e multa de 10 (dez) dias-multa, em regime fechado.
Quílon encontra-se recolhido na Penitenciária do Estado de São Paulo em virtude de
ostentar outras condenações por delitos diversos. Em fase de execução de sentença,
por intermédio de Advogado, Quílon requereu a unificação de penas relativa aos delitos
de furto ocorridos nos dias 17 e 18 de janeiro de 1999, indeferida pelo Meritíssimo Juiz
sob o argumento de que os crimes são graves.

17 - QUESTÃO: Como advogado de Quílon, hoje intimado, adote a medida judicial


cabível.
GABARITO: O artigo 71 do Código Penal é claro ao especificar quais são os requisitos
para a unificação de penas: pluralidade de ações (foram dois crimes), crimes da mesma
espécie (furto simples), condições de tempo (menos de 30 dias entre um delito e outro),
lugar (no bairro da Penha), maneira de execução (sempre sozinho e do mesmo modo) e
outras semelhantes, não havendo, portanto, qualquer referência a gravidade do fato.
Em assim sendo, o Meritíssimo Juiz de Direito da Vara das Execuções Criminais da
Capital indeferiu o pleito estribado em motivo não determinado pela lei, o que é
inadmissível.
O recurso cabível é o Agravo, previsto no artigo 197 da Lei de Execução Penal (Lei
7210/84), que deverá ser interposto no juízo "a quo" para a fins de
retratação/reconsideração ou não e, se mantida a decisão, as razões do recurso são
para o Tribunal de Alçada Criminal de São Paulo, argumentando que, ao contrário do
decidido, estão presentes os pressupostos legais do artigo 71 do Código Penal,
cumprindo, como conseqüência, ser aplicada apenas a pena de um dos crimes, que é
de 1 (um) ano, acrescida de 1/6 (um sexto), restando unificadas em 1 (um) ano e 2
(dois) meses, o mesmo ocorrendo com a multa.

QUESTÕES PRÁTICAS

18 - Qual a infração penal praticada por um indivíduo que faz uso de seu revólver,
legalmente registrado, disparando duas vezes em um estádio de futebol com
grande número de pessoas?
RESPOSTA: A infração está tipificada na lei nº 9437 de 20 de fevereiro de 1997 que
regula o registro e o porte de arma de fogo. O artigo 10 do diploma legal referido dispõe
sobre os crimes e as penas e o inciso III diz, expressamente: "disparar arma de fogo ou
acionar munição em lugar habitado ou em suas adjacências, em via pública ou em
direção à ela, desde que o fato não constitua crime mais grave".
19 - Quando da dosimetria da pena, por ocasião da prolação da sentença, o
Magistrado fixou a pena-base do acusado acima do mínimo legal em decorrência
de maus antecedentes, por existir condenação anterior (CP, art. 59). Após isso,
aumentou a reprimenda fixada em virtude da agravante da reincidência, por
ostentar o réu aquela condenação anterior (CP, art. 61, I). Está correto tal
procedimento? Fundamente.
RESPOSTA: O fato que serve para justificar a agravante da reincidência (CP, art. 61, I)
não pode ser levado à conta de maus antecedentes para fundamentar a fixação da
pena-base acima do mínimo legal (CP, art. 59). Reconhecendo a ocorrência de "bis in
idem", deve-se excluir da pena-base o aumento decorrente da circunstância judicial
desfavorável.

20 - Manoel chega em casa, após o dia de trabalho, e sua mãe diz que policiais
estiveram à sua procura, aduzindo ser ele a pessoa que roubou Maria.
Imediatamente, Manoel dirige-se à Delegacia, com vistas a elucidar não ser ele o
verdadeiro autor do delito. Neste momento, o Delegado de Polícia efetua sua
prisão em flagrante delito para garantia da ordem pública. Quais os argumentos
que podem ser invocados a favor de Manoel? Justifique.
RESPOSTA: A manutenção da prisão em flagrante só se justifica quando presentes os
requisitos ensejadores da prisão preventiva, nos termos do art. 310, parágrafo único do
C.P.P.. O fundamento invocado de garantia da ordem pública, sem qualquer outra
demonstração de real necessidade, nem tampouco da presença dos requisitos
autorizadores da prisão preventiva, não justifica a manutenção do flagrante.

21 - Em que crime estará incurso o agente que, propositalmente, interrompe


fornecimento de força e luz em escola pública, com o intento de não serem
realizadas na data prevista os exames finais do ano letivo?
RESPOSTA: Artigo 265 C.P..

PONTO 1
João da Silva foi denunciado pelo Ministério Público porque teria causado em Antonio
de Souza, mediante uso de uma barra de ferro, as lesões corporais que o levaram à
morte. Durante a instrução criminal, o juiz, de ofício, determinou a instauração do
Incidente de Sanidade Mental do acusado. A perícia concluiu ser este portador de
esquizofrenia grave. Duas testemunhas presenciais arroladas pela defesa afirmaram,
categoricamente, que no dia dos fatos Antonio de Souza, após provocar o acusado,
injustamente, com palavras de baixo calão, passou a desferir-lhe socos e pontapés.
Levantando-se com dificuldade, João alcançou uma barra de ferro que se encontrava
nas proximidades e golpeou Antonio por várias vezes, até que cessasse a agressão que
sofria. Encerrada a primeira fase processual, o Magistrado, acatando o Laudo Pericial,
absolveu sumariamente João da Silva, aplicando-lhe Medida de Segurança, consistente
em internação em hospital de custódia e tratamento psiquiátrico, pelo prazo mínimo de
02 (dois) anos. A decisão judicial foi publicada há dois dias.

22 - QUESTÃO: Na condição de advogado de João da Silva, tome a providência


judicial cabível.
GABARITO: a) Recurso cabível: RECURSO EM SENTIDO ESTRITO;
b) Órgão competente: Tribunal de Justiça;
c) Fundamento: artigo 581, inciso VI do C.P.P.;
d) Prazo para interposição: 05 (cinco) dias, art. 586 do C.P.P..
Deve-se interpor Recurso em Sentido Estrito ao Juiz da Vara do Juri requerendo a
reconsideração da R. decisão. Em caso de manutenção da mesma, requerer, desde
logo, que os autos subam ao Tribunal competente. As razões do recurso deverão ser
dirigidas ao Tribunal de Justiça, competente por tratar-se de crime doloso contra a vida.
A argumentação e a fundamentação deverão invocar a legítima defesa como
excludente de ilicitude, requerendo a reforma em inteiro teor da decisão de primeiro
grau, a fim de que o acusado seja absolvido sumariamente (art. 411 do C.P.P.), com
fundamento no artigo 25 do Código Penal, revogando-se a Medida de Segurança.
Aceitar-se-ia para a solução do problema a interposição de um pedido de HC
endereçado ao Tribunal de Justiça desde que o mesmo esteja fundamentado na
modificação de absolvição sumária para que os julgadores acatem a legítima defesa
como excludente de ilicitude de conformidade com o artigo 25 do Código Penal;
pleiteando-se ainda a revogação da medida de segurança.

PONTO 2
"A" é titular da empresa ABC Produtos Veterinários, que atua na distribuição de
medicamentos na cidade de São Paulo. Seus vendedores "B" e "C", contrariando
normas da empresa e sem o conhecimento de "A", mediante o uso de notas fiscais
falsas, efetuaram vendas de produtos para "D", "E" e "F", recebendo os valores e não
entregando as mercadorias. Após regular inquérito policial, o Promotor de Justiça em
exercício na 1ª Vara Criminal da Capital denunciou somente "A" por estelionato na
forma continuada, porque seria o proprietário da empresa, requerendo o arquivamento
em relação a "B" e "C". O Meritíssimo Juiz recebeu a denúncia, estando designado o
dia 03 de julho de 2000 para interrogatório. "A" não preenche os requisitos para
beneficiar-se da Lei Federal 9.099/95.
23 - QUESTÃO: Adotar a medida judicial cabível em favor de "A",
justificando.
GABARITO:
Deverá ser impetrada uma Ordem de "Habeas Corpus" (art. 5º, inciso LXVIII, da C.F.
c.c. 647 e 648, inciso I, do C.P.P.) visando o trancamento da ação penal, visto que da
forma como foi elaborada a denúncia, "A" está sendo responsabilizado objetivamente, o
que não é admitido em direito penal (art. 13, do C.P.), já que somente responde quem
desenvolver ação ou omissão. Nessas condições, a conduta é atípica e o Juiz não
poderia ter recebido a denúnica (art. 41 e 43, inciso I, do C.P.P.). O Tribunal de Alçada
Criminal é o competente para o julgamento do "Habeas Corpus", devendo ser requerida
a concessão de liminar para sustar o processo até final julgamento do "writ".

PONTO 3
O cidadão "A", em São Paulo, Capital, comprou do comerciante "B" um sofá de couro,
no valor de R$ 3.000,00. A compra foi efetuada no dia 10 de março de 1999, sendo que
o comprador pediu ao comerciante que apenas apresentasse o cheque no dia 30 do
mesmo mês. O pedido foi aceito e ficou consignado no verso da cártula. Porém, o
acordo não foi cumprido e o cheque referido voltou sem fundos, tanto na primeira vez
em que foi apresentado quanto na posterior. Por causa desses fatos, o cidadão "A" foi
denunciado e processado, pelo artigo 171, parágrafo 2º, inciso VI do Código Penal e
restou condenado à pena de 1 ano e 8 meses de reclusão com "sursis".
O réu recusou a suspensão do processo, prevista no artigo 89 da Lei 9.099/95, no
momento procedimental oportuno. A respeitável sentença foi prolatada hoje.
24 - QUESTÃO: Produzir a peça adequada na espécie, em favor de "A", perante o
Órgão Judiciário competente.
GABARITO: Trata-se de uma Apelação, composta por duas petições. A primeira de
interposição, endereçada ao Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 1º Vara Criminal do Foro
Central da Capital, no prazo de 5 dias, com fulcro no art. 593, inciso I, do CPP. A
segunda petição deverá ser endereçada ao Egrégio Tribunal de Alçada Criminal do
Estado de São Paulo, na qual deve ser postulada a absolvição do apelante, visto que o
fato não constitui infração penal.
O STF, por meio da Súmula 246, examinou esta matéria, entendendo que o fato é
atípico, pois não há fraude e o estelionato não existe a não ser com cheque emitido
para pronto pagamento, não como promessa de dívida; também há jurisprudência neste
sentido. Deverá ao final ser postulada a absolvição do apelante "A" com fulcro no art.
386, inciso III do CPP.

QUESTÕES PRÁTICAS

25 - João da Silva e Antonio de Souza, em 10 de abril do corrente ano,


desentenderam-se devido à posição de uma cerca que separa as propriedades de
ambos. Após acalorada discussão, inclusive com agressões verbais, João da
Silva, munido de uma marreta, destruiu a lateral direita do veículo pertencente a
Antonio. Se João da Silva cometeu crime, classifique juridicamente sua conduta.
Indique a natureza da eventual ação penal e o prazo final para sua distribuição.
RESPOSTA: Resolveu-se desconsiderar a questão, com conseqüente atribuição
positiva em prol do candidato.

26 - Maria das Flores foi a uma clínica clandestina, acompanhada de seu


namorado Ulisses Gabriel, submetendo-se a intervenção de abortamento, pago
por ele. Neste caso, se Maria e Ulisses cometeram crime, classifique
juridicamente suas condutas, justificando.
RESPOSTA: Maria das Flores comete o crime de auto-aborto (artigo 124 do Código
Penal) e Ulisses Gabriel também responde pelo mesmo crime, na condição de co-autor
(artigo 29, caput, do Código Penal).

27 - Enumere as causas interruptivas da prescrição.


RESPOSTA: São as contempladas no artigo 117, do Código Penal, ou seja, o
recebimento da denúncia ou queixa, a pronúncia, a decisão confirmatória da pronúncia,
a sentença condenatória recorrível, o início ou continuação do cumprimento da pena e a
reincidência.

28 - Quais os requisitos para o deferimento da reabilitação?


RESPOSTA: Arts. 93 a 95 CP.
• decurso de dois anos, a partir da data em que foi extinta, de qualquer modo, a pena
imposta;
• tenha tido domicílio no País no prazo acima referido;
• tenha dado, durante esse tempo, demonstração efetiva e constante de bom
comportamento público e privado;
• tenha ressarcido o dano causado pelo crime ou demonstrada a absoluta
impossibilidade de o fazer, até o dia do pedido, ou exiba documento que comprove
renúncia da vítima ou novação da dívida
PONTO 1
José da Silva foi condenado por violação do artigo 12, da Lei Federal no 6368/76, a
pena de 4 (quatro) anos de reclusão. Tendo ocorrido o trânsito em julgado, eis que não
apelou da decisão de primeiro grau. Está recolhido na Casa de Detenção.
Compulsando-se os autos, verifica-se que a materialidade do delito está demonstrada
pelo auto de constatação que instruiu o auto de prisão em flagrante delito, conforme,
aliás, frisado pelo MM. Juiz sentenciante da 1a Vara Criminal da Capital. A substância
entorpecente já foi incinerada.

29 - QUESTÃO: Como advogado de José da Silva, busque sua libertação.


GABARITO: O laudo de constatação é uma perícia preliminar e não definitiva. Serve
apenas para a autuação em flagrante e oferecimento da denúncia. A prova da
materialidade da infração somente pode ser comprovada pelo laudo de exame químico
toxicológico, que tem caráter definitivo. Desse modo, a sentença é nula eis que
indemonstrada a materialidade do delito. Deverá ser impetrada uma ordem de "habeas
corpus", com fundamento no artigo 5º, inciso LXVIII, da Constituição Federal, c.c. 648,
inciso VI, do C.P.P., dirigida ao Tribunal de Justiça de São Paulo.

PONTO 2
Onesto de Abreu, agente de polícia federal, foi denunciado pelo Ministério Público
Federal como incurso no art. 317 do Código Penal, porque teria aceitado de Inocêncio
da Silva, a quantia de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a fim de não autuá-lo em flagrante
delito por porte de substância entorpecente. Inocêncio da Silva, por sua vez, também foi
denunciado, nos mesmos autos, como incurso no art. 333 do Código Penal, por ter
pago a Onesto de Abreu a quantia já referida. Desde a fase de inquérito policial, ambos
os acusados negam a autoria que lhes foi imputada pela acusação, mantendo a
negativa no interrogatório judicial. Na instrução criminal, duas testemunhas arroladas
pela Promotoria, que se encontravam no dia dos fatos no Departamento de Polícia,
alegaram que ouviram os acusados conversando sobre um possívelacordo, sem,
contudo, presenciarem a efetiva transação. Nenhuma outra prova foi produzida pelo
Ministério Público. A defesa, por sua vez, provou que Onesto tem incólume vida
profissional. Concomitantemente à ação penal, Onesto de Abreu respondeu a um
procedimento administrativo que resultou em sua demissão do serviço público.
Encerrada a instrução, Onesto de Abreu foi absolvido com fundamento no artigo 386,
inciso VI do Código de Processo Penal.

30 - QUESTÃO: Na condição de Advogado de Onesto de Abreu, tome a


providência judicial cabível.
bbbbbbbbbbbbbbbbbbbb)GABARITO: Peça adequada: RECURSO DE APELAÇÃO;
cccccccccccccccccccc) Interposição: a uma das Varas Federais Criminais;
dddddddddddddddddddd) Competência: Tribunal Regional Federal 3ª Região.;
eeeeeeeeeeeeeeeeeeee)Fundamento: art. 593, inciso I do C.P.P..
Argumento: Deve-se interpor recurso de apelação a qualquer Vara Criminal Federal.
As razões do recurso devem ser dirigidas ao Tribunal Regional Federal. Há interesse
em apelar da sentença absolutória pois houve um prejuízo na esfera administrativa que
poderá ser revisto se o Tribunal reconhecer a inexistência do fato.
Assim, a fundamentação deve ser deduzida neste sentido, requerendo-se a
absolvição, com fundamento no artigo 386, inciso I do C.P.P..

PONTO 3
João da Silva foi preso em flagrante delito, pois no dia 10 de janeiro do corrente ano,
por volta das 10:00 horas, fazendo uso de uma arma de fogo, tentou efetuar disparos
contra seu vizinho Antônio Miranda. Foi denunciado pelo representante do Ministério
Público como incurso nas sanções do artigo 121 caput, c.c. o artigo 14, inciso II, ambos
do Código Penal, porque teria agido com animus necandi. Segundo o apurado na
instrução criminal, uma semana antes dos fatos, o acusado, planejando matar Antônio,
pediu emprestada a um colega de trabalho, uma arma de fogo e quantidade de balas
suficiente para abastecê-la completamente, guardando-a eficazmente municiada. Seu
filho, a quem confidenciara seu plano, sem que o acusado percebesse, retirou todas as
balas do tambor do revólver. No dia seguinte, conforme já esperava, João encontrou
Antônio em um ponto de ônibus e, sacando da arma, acionou o gatilho diversas vezes,
não atingindo a vítima, em face de ter sido a arma desmuniciada anteriormente. Dos
autos consta o laudo pericial da arma apreendida, a confissão do acusado e as
declarações da vítima e do filho do acusado. Por ser primário, o Juiz de primeiro grau
concedeu ao acusado o direito de defender-se solto. As alegações finais de acusação
foram oferecidas pelo representante do Ministério Público, requerendo a condenação do
acusado nos exatos termos da denúncia.
31 - QUESTÃO: Como advogado de João da Silva, elabore a peça profissional
pertinente.
GABARITO:
Peça profissional adequada: Alegações finais de defesa.
Competência: Juiz de Direito da Vara do Júri
Fundamento: Artigo 406 do Código de Processo Penal.
Argumento: Crime impossível, artigo 17 do Código Penal. Arma desmuniciada
configura ineficácia absoluta do meio. O fato não é punido, sequer, a título de tentativa.
Pedido: impronúncia por inexistência de crime (artigo 409, Código de Processo Penal),
salientando que o Ministério Público equivocadamente requereu a condenação, quando
o correto seria a pronúnica.

QUESTÕES PRÁTICAS

32 - Pode o Ministério Público impetrar Habeas Corpus? Explique.


RESPOSTA: O artigo 654 do Código de Processo Penal confere ao Ministério Público
legitimidade para impetrar Habeas Corpus. Demais, a Constituição Federal, em seu
artigo 127, caput, atribui-lhe a incumbência da "defesa da ordem jurídica, no regime
democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis". Porém, só estará apto
a agir em nome do Ministério Público o promotor que, em razão do exercício de suas
funções e nos limites de suas atribuições, tiver conhecimento da ocorrência do
constrangimento ou ameaça à liberdade.

33 - José participou como jurado no julgamento de Américo, acusado de crime de


homicídio simples. Proferida sentença absolutória, dias após constatou-se que
José e outros três jurados receberam, cada um, a importância de R$1.000,00 (um
mil reais) para votarem favoravelmente ao acusado. José e seus companheiros do
Conselho de Sentença cometeram crime? Justifique fundamentadamente a
resposta.
RESPOSTA: José e os demais jurados envolvidos cometeram Crime Contra a
Administração Pública, pois sendo considerados funcionários públicos para fins penais
(art.327 caput do CP) receberam vantagem indevida. Incorreram, assim, nas sanções
do artigo 317 do Código Penal - Corrupção Passiva.

34 - João, nascido em 07 de janeiro de 1991, Osvaldo, em 09 de maio de 1986, e


Alfredo, em 21 de julho de 1983, no dia 10 de janeiro do corrente ano foram
detidos por policiais militares, no momento em que praticavam roubo em uma
padaria. À luz do Estatuto da Criança e do Adolescente, como serão considerados
os três rapazes em razão de suas idades?
RESPOSTA: De acordo com o E C A, João é considerado criança, pois tem 11 anos de
idade e Osvaldo é considerando adolescente, pois tem 16 anos de idade (artigo 2º,
ECA);
Alfredo com 18 anos na data dos fatos, é excluído do ECA, sendo considerado
penalmente imputável e, portanto, incurso nas sanções cabíveis do Código Penal.

35 - Ana induziu a gestante Maria a provocar aborto em si mesma, e ela o


provocou. Em outra hipótese, Geralda executou aborto em Clementina, gestante,
com o seu consentimento. Tipifique, juridicamente, as condutas de Ana, Maria,
Geralda e Clementina.
RESPOSTA: Ana: é partícipe no crime de auto-aborto (artigo 124, c.c. o artigo 29,
ambos do Código Penal);
Maria: responde por auto-aborto (artigo 124 caput do Código Penal);
Geralda: responde por crime de aborto praticado com o consentimento da gestante
(artigo 126 do Código Penal);
Clementina: responde por aborto consentido (artigo 124 do Código Penal)

PONTO 1
Os indivíduos Felício e Roberval, após uma partida de tênis, começaram a discutir.
Felício que estava com a raquete na mão, atingiu de lado e sem muita força a cabeça
de Roberval, de estrutura física inferior à do agressor e mãos desprovidas de qualquer
objeto. Roberval desequilibrou-se e, ao cair ao solo, bateu com a cabeça na guia, vindo
a falecer. Felício foi processado em liberdade perante a 1ª Vara do Juri, por homicídio
simples – art. 121 "caput" do C.P. e pronunciado pelo magistrado, ao entendimento de
que houve dolo eventual, pois o acusado teria assumido o risco de produzir o resultado,
ao golpear Roberval com a raquete. A sentença de pronúncia foi prolatada há dois dias.

36 - QUESTÃO: Na condição de advogado de Felício, elabore a peça adequada à


sua defesa.
GABARITO: Trata-se de um recurso em sentido estrito, que deverá ser elaborado em
duas petições:
A primeira, de interposição, no prazo de cinco dias, ao Juiz de Direito da 1ª Vara do
Juri, com fundamento no art. 581, IV do C.P.P.. O juízo de retratação deverá ser
observado pelo candidato.
A segunda, de razões em recurso de sentido estrito, deverá ser endereçada ao Tribunal
de Justiça, postulando-se a desclassificação para o crime de lesões corporais seguidas
de morte – art. 129 parágrafo 3º do C.P. - para que o réu seja julgado perante uma vara
singular.
Não houve dolo eventual no caso em tela, que autorizasse a imputação de homicídio
doloso.
O recurso deverá ser fundamentado ao final, com o disposto no artigo 410 "caput" do
C.P.P..

PONTO 2
Procópio está sendo processado pela prática do delito do artigo 184, "caput", do Código
Penal, por Maurício da Silva, autor da obra literária "Minha Vida, Meus Amores". Na
inicial, distribuída em 14 de março de 2002, o querelante acusa o querelado de ter-se
utilizado de trecho de obra intelectual de sua autoria, sem a devida autorização, em
jornal da sociedade de amigos de bairro da qual aquele faz parte, que circulou no mês
de dezembro de 2001. A vestibular, que veio acompanhada tão-somente da procuração
que atende os requisitos do artigo 44, do Código de Processo Penal, foi recebida pelo
juízo da 25ª Vara Criminal da Capital, que marcou, para interrogatório de Procópio, o
dia 20 de junho próximo. A citação operou-se em 13 de maio de 2002.

37 - QUESTÃO: Como advogado de Procópio, aja em seu favor.


GABARITO: Competência: Tribunal de Alçada Criminal de SP
Peça: Habeas Corpus
Fundamentação: alegar que Procópio está sofrendo constrangimento ilegal em razão do
recebimento irregular de queixa-crime pelo juízo da 25ª Vara Criminal da Capital, uma
vez que os delitos contra a propriedade imaterial constituem ilícitos penais que deixam
vestígios materiais, sendo, pois, indispensável o exame de corpo de delito direto,
elaborado por peritos, para comprovar a materialidade delitiva, ao teor do que dispõem
os artigos 158 e 564, III, "b" do código de Processo Penal, o que não ocorreu no
presente caso. Ainda, nos termos do artigo 525 do CPP, o exame pericial é condição
especial que assegura a viabilidade inicial da ação penal nos delitos contra a
propriedade imaterial.
Pedido: o trancamento da queixa-crime e a concessão de medida liminar para
suspender o andamento da ação penal até julgamento do HC, em face da proximidade
do interrogatório.

PONTO 3
No dia 1 o de janeiro de 2002, por volta das 12 horas, na confluência das ruas Maria
Paula e Genebra, Maria da Luz teve seu relógio subtraído por João da Paz, que se
utilizou de violência e grave ameaça, exercida com uma faca. Descoberta a autoria e
formalizado o inquérito policial com prova robusta de materialidade e autoria, os autos
permanecem com o Ministério Público há mais de trinta dias, sem qualquer
manifestação.

38 - QUESTÃO: Como advogado de Maria da Luz, atue em prol da constituinte.


GABARITO: Oferecimento de queixa-crime, com estrita observância do artigo 41 do
CPP. Trata-se de ação penal privada subsidiária da pública, em conformidade com o
artigo 100 § 3º do CP em virtude da inércia do Ministério Público em oferecer denúncia
no prazo legal (requerimento endereçado ao juízo de uma das Varas Criminais da
Capital).

QUESTÕES PRÁTICAS
39 - Maria das Dores, chefe das enfermeiras de hospital municipal, presenciou
outra funcionária, Madalena, enfermeira a ela subordinada, furtando comprimidos
para dor de cabeça do almoxarifado. Sabedora de que Madalena encontrava-se
em precária situação financeira, deixou de responsabilizá-la pelo fato. Estaria
Maria das Dores incursa em alguma figura típica? Responda e justifique.
RESPOSTA: A conduta de Maria das Dores se acomoda ao tipo penal do artigo 320, ou
seja, assim descrita:- "deixar o funcionário por indulgência, de responsabilizar
subordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou quando lhe falte
competência, levar o fato ao conhecimento da autoridade competente".

40 - O julgamento do crime de furto, de alguma forma, pode submeter-se à


competência do Tribunal Popular do Júri? Dê sua posição, motivando-a.
RESPOSTA: Em princípio o Tribunal do Júri detém a competência para o julgamento
dos crimes dolosos contra a vida, tentados e consumados, enquanto que, se houver
outro delito conexo, esse fato atrairá a competência, fazendo a exceção, que é referida
no Código de Processo Penal em seu artigo 78, inciso I.

41 - Cleóbulo, condenado por tráfico de entorpecentes, está iniciando o


cumprimento da pena, com fixação em regime fechado. Poderá futuramente ser
beneficiado pela progressão de pena ou ter qualquer outro benefício liberatório?
Poderá ser beneficiado pela remição de pena? Atenda às questões com a
respectiva fundamentação.
RESPOSTA: Como se trata de crime equiparado a hediondo, nos termos da Lei
8.072/90, deverá cumprir a pena integralmente no regime fechado. Poderá, no entanto,
cumprido mais de 2/3 da pena, vir a ser beneficiado pelo livramento condicional,
conforme inciso V, do artigo 83, do Código Penal. No que diz respeito a remição de
pena, que é a redução da pena na proporção de um dia para cada três dias
trabalhados, não há nenhum obstáculo legal.

42 - Pítaco, sentenciado por furto, teve extinta a punibilidade pela prescrição da


pretensão punitiva estatal. Dias após, cometeu novo furto. Deverá ser
considerado reincidente? Explicite e justifique.
GABARITO: O reconhecimento da prescrição da pretensão punitiva, também chamada
de retroativa ou da ação penal, faz desaparecer a sentença condenatória e, portanto,
seus efeitos. Como conseqüência, não tem como influir para os fins de se reconhecer a
reincidência.

PONTO 1
João de Deus foi condenado a pena de 1 (um) ano de reclusão e 10 (dez) dias-multa
pelo Juízo da 1 a Vara Criminal da Capital, que o considerou incurso no artigo 333, do
Código Penal. Não havia aceito a aplicação da Lei Federal 9.099/95 e persiste no
mesmo sentido, daí ter o juiz concedido o "sursis". No qüinqüídio legal, o Ministério
Público não recorreu e a defesa de João, sim. Consta da sentença condenatória que
"...embora o réu apenas tenha aquiescido ao insistente pedido do funcionário público e
lhe dado R$ 100,00 (cem reais) para retardar ato de ofício, a condenação seria de rigor
em razão da crescente onda de corrupção que não é tolerada pela sociedade. Mesmo
que o réu tenha se sentido coagido, o que ficou bem demonstrado nos autos, o fato é
que se viu favorecido, o que também justificava a condenação."

43 - QUESTÃO: Como advogado de João de Deus e hoje intimado, prossiga no


recurso interposto.
GABARITO: Deverão ser apresentadas, em 8 (oito) dias, nos termos do artigo 600 do
Código de Processo Penal, as razões de apelação. As razões são apresentadas no
juízo "a quo", sendo que o arrazoado é direcionado ao Tribunal de Justiça do Estado.
Deverá ser requerida a reforma da sentença (ou o provimento do recurso) para os fins
de absolver o apelante, nos termos do artigo 386, inciso III, do Código de Processo
Penal, já que atípica a conduta de "A". O apelante não realizou as condutas núcleo do
tipo que são "oferecer" ou "prometer" vantagem indevida, mas deu a importância por
imposição do funcionário, o que, segundo Delmanto, "não há corrupção ativa, mas
concussão praticada pelo funcionário".

PONTO 2
Agostinho registra grande número de condenações por crimes contra o patrimônio e já
cumpriu parte em regime fechado. Estava em gozo de livramento condicional, veio a ser
autuado em flagrante e foi denunciado por roubo simples. Encerrada a instrução
probatória, em fase oportuna, o Ministério Público pleiteia a condenação de Agostinho,
sustentando que a prova é suficiente para tanto, especialmente pelos maus
antecedentes. Permanece preso. Consta dos autos que tem trâmite na 1 a Vara
Criminal da Capital, que Agostinho ingressou na farmácia de Thomás, que desconfiou
"daquele mal encarado" e avançou contra este imobilizando-o até a chegada da polícia.
Agostinho, sempre alegou que fora comprar remédio.

44 - QUESTÃO: Como advogado de Agostinho, desenvolva a medida judicial


pertinente.
GABARITO: Deverá ser cumprida a fase do artigo 500, do C.P.P., com a apresentação
de alegações finais perante o Juízo da 1ª Vara Criminal da Capital.
A postulação é de absolvição com fulcro no inciso I, do artigo 386, do C.P.P. ("estar
provada a inexistência do fato"), expedindo-se alvará de soltura.
A prova reunida no processo não evidencia ter o réu ingressado em atos de execução,
nos moldes do tipo penal que lhe foi imputado (art. 157, "caput", do C.P.). O fato de
contar com antecedentes insalubres não tem o condão de conduzir o juiz para um
decreto de reprovação.
A postulação ministerial vem firmada em suposição, que viola o princípio da presunção
legal de inocência.

PONTO 3
Antonio é presidente de um grande clube local, com mais de três mil sócios, onde
existem piscinas, salão de festas, campo de futebol, etc. O clube é freqüentado por
muitos jovens da localidade. No mês de dezembro de 2001, o garoto Cipriano, sem
perceber que o nível da água de uma das piscinas estava baixo, lá jogou-se para
brincar. Ao mergulhar, Cipriano bateu a cabeça no fundo da piscina e veio a falecer. O
presidente do clube, Antonio, agora, está sendo processado criminalmente perante a 1
a Vara Criminal da Capital, em razão da aceitação da denúncia formulada pelo
Ministério Público, acusando-o da prática da figura prevista no artigo 121, parágrafo 3
o , do Código Penal. Antonio não aceitou a suspensão processual, que lhe foi proposta
pelo Órgão Ministerial. A ação penal está tramitando.

45 - QUESTÃO: Na condição de advogado de Antonio, atue em favor do


constituinte.
GABARITO: Trata-se de um "Habeas Corpus" endereçado ao Tribunal de Alçada
Criminal, com base no artigo 648, inciso I, do Código de Processo Penal, pois não há
justa causa para o processo.
O processo foi instaurado com fundamento na teoria da responsabilidade objetiva, que
não é admissível em Direito Penal, que só reconhece a responsabilidade subjetiva, que
não ocorreu no presente caso.
O presidente do clube não pode ser responsabilizado pelo fato, em função do artigo 13
do Código Penal, que trata da relação de causalidade, pois o resultado somente é
imputável a quem lhe deu causa. E, o presidente não era responsável criminalmente
pela proteção do garoto "B".
Deverá ser requerido pelo candidato, o trancamento da ação penal.

QUESTÕES PRÁTICAS

46 - Eliseu compareceu ao Fórum da Capital e notou afixado no local de costume


o edital de citação em seu nome, vindo a dilacerá-lo. Não satisfeito, foi até o
cartório onde tramita a ação penal e, tendo o serventuário se descuidado,
arrancou do livro de registro de distribuições a folha que continha os seus dados,
destruindo-a. Cometeu algum delito? Oferte resposta motivada e fundamentada.
RESPOSTA: O comportamento de "A" configura dois delitos, que estão previstos nos
artigos 336 ("Rasgar ou, de qualquer forma, inutilizar ou conspurcar edital afixado por
ordem de funcionário público...") e 337 ("Subtrair, ou inutilizar, total ou parcialmente,
livro oficial... confiado à custódia de funcionário..."), ambos do Código Penal.

47 - O advogado poderá arrolar testemunhas em dois momentos processuais no


Rito Ordinário e no Especial do Júri. Quais são estes momentos e quantas
testemunhas poderão ser arroladas em cada um? Explicite de modo detalhado.
RESPOSTA: Defesa prévia, art. 395 do CPP, até 8 testemunhas e contrariedade ao
libelo, art. 421 parágrafo único, até 5 testemunhas

48 - "A revisão criminal, em regra, é ação com dúplice pedido, podendo, ainda,
cumular um terceiro: a indenização pelo erro judiciário". É correta a afirmativa?
Por quê?
RESPOSTA: Sim. Com a RC é instaurada uma nova relação processual, visando a
desconstituir a sentença e substituí-la por outra. Assim, a sentença na RC rescinde a
sentença anterior e determina uma das 3 primeiras hipóteses do 626, caput, do CPP.
Conforme o 630, CPP, é possível, ainda, cumular o pedido de indenização.

49 - Quase ao término da construção de Hospital Público, com inauguração já


programada, o mestre de obras participa de greve e abandona o serviço junto
com seus subordinados, em razão de pretenderem justo aumento de salário e
recebimento dos atrasados. Praticaram algum crime? Emita seu parecer de modo
fundamentado.
RESPOSTA: Não, pois exerceram um direito, haja vista que o artigo 201 do Código
Penal foi, em tese, revogado pelo artigo 9º da Constituição Federal, bem como, a
Doutrina entende que é uma infração atípica, ainda que os grevistas sejam funcionários
públicos, pois o artigo 37, inciso VII, da C. Federal, não foi até a presente data, objeto
de Lei Complementar.
50 - Pecuarista que tem sua propriedade margeando leito de estrada de ferro e
não coloca cerca para que o gado não invada a linha férrea comete algum delito?
Elabore resposta motivada e fundamentada.
RESPOSTA: O pecuarista que assim agir incide nas penas do artigo 260, inciso IV, do
Código Penal, cometendo o crime de perigo de desastre ferroviário ("Impedir ou
perturbar serviço de estrada de ferro: IV – praticando outro fato de que possa resultar
desastre".)