Você está na página 1de 15

O que são Competências

Socioemocionais?
E, quais são elas?
Nos estudos sobre o tema realizados na área da Psicologia, competências
socioemocionais são entendidas como influenciadoras do modo como
uma pessoa pensa, sente, decide e age em determinada situação ou
contexto. Hoje, sabe-se que elas não são fixas, ou seja, são flexíveis e
maleáveis, manifestando-se com intensidade e modos diferentes de
acordo com os elementos sociais e culturais que atravessam a história de
cada pessoa, e sendo, assim, possíveis de serem desenvolvidas ao longo
da vida.

Existem diferentes modelos científicos que visam a organizar os estudos


das competências socioemocionais. Os pesquisadores do Instituto Ayrton
Senna adotam um que organiza a ampla variação de competências
socioemocionais em cinco macrocompetências. São elas: abertura ao
novo, autogestão, engajamento com os outros, amabilidade e resiliência
emocional.

As cinco macrocompetências são desdobradas em 17 competências


socioemocionais identificadas como importantes de serem consideradas
e desenvolvidas nas escolas do país

Este é o modelo adotado pelo My Life.


Esse modelo foi escolhido porque organiza as competências socioemocionais de
forma abrangente e, ao mesmo tempo, específica, a partir de estudos sobre
competências socioemocionais identificadas e validadas cientificamente por meio
de experiências práticas em diversos contextos, localidades e culturas. Além
disso, há uma quantidade expressiva e significativa de evidências científicas no
Brasil e no mundo que validam a importância desse modelo para diversos
resultados alcançados ao longo da vida.

No contexto brasileiro, as cinco macrocompetências foram


desdobradas em 17 competências socioemocionais
identificadas como importantes de serem consideradas e
desenvolvidas nas escolas do país.

Essas 17 competências socioemocionais não abarcam todas as


existentes, mas compreendem os aspectos socioemocionais
que estão explicitados nas 10 competências gerais da BNCC.
Autogestão
Inclinação a ser organizado, esforçado e responsável. O indivíduo é
eficiente, organizado, autônomo, disciplinado, não impulsivo e orientado
para seus objetivos.

As competências socioemocionais que compõem Autogestão são:

DETERMINAÇÃO
Diz respeito a objetivos, ambições e motivações para trabalhar e fazer mais do que o
mínimo esperado nesse sentido. Quando temos determinação, estabelecemos padrões
elevados e trabalhamos intensamente para progredir. Isso significa ser automotivado e
disposto a investir todo o tempo e esforço possível na realização de atividades.

ORGANIZAÇÃO
Consiste em ser ordeiro, eficiente, apresentável e pontual. Organização aplica-se aos nossos
pertences pessoais e aos da escola, bem como ao planejamento de nossos horários,
atividades e objetivos futuros. Coordenar nossa vida e planos de forma organizada e
mantê-los assim requer cuidados quanto ao tempo, à atenção e à estruturação de
informações.
FOCO
Consiste em ter “atenção seletiva”, isto é, ter a capacidade de selecionar um objetivo, tarefa
ou atividade e então direcionar toda atenção exclusivamente para a tarefa “selecionada”.
Quando estamos altamente focados, somos capazes de nos concentrar e evitar ceder aos
estímulos de distração. Permanecer focado é especialmente difícil quando a tarefa em que
estamos trabalhando não é muito interessante, é repetitiva ou é desafiadora.

PERSISTÊNCIA
Diz respeito a completar tarefas e terminar o que assumimos ou começamos, ao invés de
procrastinar ou desistir quando as coisas ficam difíceis ou desconfortáveis. A persistência nos
permite continuar a trabalhar em um problema desafiador, tarefa ou projeto, não desistir e
superar as dificuldades até “o trabalho estar feito”.

RESPONSABILIDADE
Indica a habilidade de autogestão a fim de conseguir realizar tarefas, cumprir compromissos
e promessas que fizemos, mesmo quando sentimos que é difícil ou inconveniente. Isso
significa agir de forma confiável, consistente e previsível, para que outras pessoas sintam que
podem confiar e contar conosco no futuro.
ENGAJAMENTO COM OS OUTROS
Orientação de interesses e energia em direção ao mundo externo, pessoas e coisas.
O indivíduo é caracterizado como amigável, sociável, autoconfiante, energético,
aventureiro e entusiasmado.
As competências socioemocionais que compõem Engajamento com os outros são:

INICIATIVA SOCIAL
Diz respeito a se aproximar dos outros e se relacionar com pessoas como
colegas de turma, professores e novos conhecidos que podem, eventualmente,
tornarem-se amigos. Especificamente, trata-se de iniciar, manter e apreciar as
relações e os contatos sociais. Praticar a iniciativa social nos torna mais hábeis no
trabalho em equipe, na comunicação expressiva e para falar em público (em um
grupo de pessoas ou na frente da classe, por exemplo).
ASSERTIVIDADE
Consiste na capacidade de demonstrar coragem quando a situação exige. Precisamos ser
capazes de nos fazer ouvir para dar voz aos sentimentos, às necessidades, às opiniões e para
exercermos influência social. A capacidade de afirmar nossas próprias ideias e vontades diante de
uma oposição ou uma injustiça, por exemplo, é muito relevante para a realização de metas
importantes para nós mesmos ou de nosso grupo, tais como assumir uma posição e imprimir
liderança.

ENTUSIASMO
Significa se envolver ativamente com a vida e com outras pessoas e a fazer
isso de forma positiva, alegre e afirmativa; sentir “gosto pela vida”. Quando
somos entusiasmados, encaramos nossas tarefas diárias com alegria e
interesse. O entusiasmo nos permite apreciar o que fazemos e mostrar
nossa paixão ao outro. Simplificando, o entusiasmo é ter uma atitude
positiva: encarar o dia a dia com alegria, energia e emoção.
AMABILIDADE
Tendência a agir de modo cooperativo e não egoísta. O indivíduo amável ou cooperativo
se caracteriza como tolerante, altruísta, modesto, simpático, não teimoso e objetivo.
As competências socioemocionais que compõem Amabilidade são:

EMPATIA
Diz respeito à forma como usamos a compreensão da realidade, da vida e as nossas
habilidades para entender as necessidades e sentimentos dos outros. Também se refere às
formas de agir sobre esse entendimento com bondade e respeito, de maneira que seja
possível investir em qualquer relação ajudando, sendo solidário e prestando apoio e
assistência.
RESPEITO
Consiste em tratar as outras pessoas com bondade, consideração, lealdade e
tolerância, ou seja, da forma como gostamos de ser tratados. Significa mostrar o
devido respeito aos sentimentos, desejos, direitos, crenças ou tradições dos
outros. Existem muitas maneiras de desrespeitar alguém, como não ouvir, não dar
atenção à sua fala, dizer coisas maldosas e ofensivas, gritar, intimidar ou ferir. Às
vezes, o respeito nos obriga a controlar impulsos agressivos ou egoístas, porque
não queremos ferir os direitos ou sentimentos de outra pessoa.

CONFIANÇA
É a capacidade de desenvolver expectativas positivas sobre as pessoas que
participam da nossa vida. Isso significa acreditar que as outras pessoas são
importantes para o nosso crescimento, quer seja quando podemos confiar em
suas boas intenções ou quando precisamos perdoar por terem feito algo errado.
Em vez de ser rude e julgar os outros, a confiança nos permite dar outra chance.
RESILIÊNCIA EMOCIONAL
Previsibilidade, consistência e equilíbrio de reações emocionais, sem mudanças bruscas de humor. Em
sua carga inversa, o indivíduo é emocionalmente instável e é caracterizado como preocupado,
irritadiço, ansioso, impulsivo e não-autoconfiante.
As competências socioemocionais que compõem Resiliência emocional são:

TOLERÂNCIA AO ESTRESSE
Diz respeito ao quanto efetivamente conseguimos administrar nossos
sentimentos negativos em situações difíceis ou desafiadoras, como fazer
uma prova ou apresentar uma ideia para outras pessoas que podem ser
críticas e não gostar dela. Em vez de se sentir oprimido ou “entrar em
pânico” e simplesmente fugir dessas situações, precisamos aceitar que
medo, ansiedade e preocupação são reações normais em momentos
assim, são parte da vida e realmente não podemos evitá-los. Porém,
podemos aprender a lidar com esses sentimentos de forma construtiva e
positiva.
AUTOCONFIANÇA
Consiste em um sentimento de força interior. É quanto nos sentimos bem com o que
somos, com a vida que vivemos e mantemos expectativas otimistas sobre o futuro. É
representada pela voz interior que diz “sim, eu posso”, mesmo se no momento as coisas
parecerem difíceis ou não estiverem indo tão bem. Quando encaramos a vida com
autoconfiança, não temos que nos preocupar e reclamar o tempo todo sobre nossas falhas,
decepções ou contratempos. Em vez disso, temos pensamentos positivos, desejamos ter
sucesso naquilo que fazemos e adotamos a mentalidade do “eu posso”.

TOLERÂNCIA À FRUSTRAÇÃO
Significa usar estratégias eficazes para regular os sentimentos de raiva e
irritação, mantendo a tranquilidade e a serenidade perante as frustrações e,
assim, evitando o mau humor, a fácil perturbação ou a instabilidade.
ABERTURA AO NOVO
Tendência a ser aberto a novas experiências estéticas, culturais e intelectuais. O
indivíduo aberto a novas experiências se caracteriza como imaginativo, artístico,
excitável, curioso, não convencional e com amplos interesses.
As competências socioemocionais que compõem Abertura ao novo são:

CURIOSIDADE PARA APRENDER


A curiosidade para aprender se refere ao forte desejo de aprender e de adquirir
conhecimentos e habilidades. Quando somos curiosos, temos interesses por
diferentes ideias e paixão pela aprendizagem, pela exploração intelectual e pela
compreensão. Simplificando, a curiosidade é uma mentalidade questionadora
que facilita a investigação, a pesquisa, o pensamento crítico e a resolução de
problemas.
IMAGINAÇÃO CRIATIVA
Diz respeito à capacidade de gerar novas e interessantes formas de pensar sobre
as coisas ou sobre como fazer as coisas. Podemos fazer isso de várias maneiras,
por meio de “tentativas e erros”, ajustes, combinações de conhecimentos,
aprendendo com as falhas ou tendo uma ideia quando descobrimos algo que
nós não sabíamos ou entendíamos antes. Desta forma, as coisas podem
realmente “existir” apenas em nossa imaginação.

INTERESSE ARTÍSTICO
Indica a capacidade de valorizar, admirar e apreciar produções artísticas e
desenvolver sensibilidade para ver beleza em suas formas. Podemos usar nossa
imaginação e habilidades criativas para produzir ou vivenciar a arte em muitos
domínios diferentes, tais como visual (pintura, fotografias, grafite, vídeos); verbal,
oral e escrita (histórias, poemas, teatro e literatura); musical (música, instrumento
musical, dança) e muitas outras linguagens (arquitetura, desenho industrial etc).
Sobre o My Life:

O My Life – Educação Socioemocional, marca da Conexia


Educação, em parceria pedagógica do Instituto Ayrton Senna,
tem como objetivo promover a construção de um projeto de
vida saudável para adolescentes do Ensino Fundamental –
Anos Finais e Ensino Médio, por meio do desenvolvimento de
competências socioemocionais e conteúdos ampliados para
educação bilíngue. Possui conteúdo 100% alinhado à BNCC
(Base Nacional Comum Curricular), principalmente ao que se
refere ao desenvolvimento das competências gerais. E todo
embasamento científico que apenas o Instituto Ayrton Senna,
organização reconhecida como cátedra UNESCO para
Educação e Desenvolvimento Humano pode fornecer. Com
uso de metodologias ativas e conteúdos multidisciplinares,
interdisciplinares e bilíngues, trabalha aspectos como projeto
de vida, valores, colaboração, capacidade de resolver
problemas e criatividade.

Você também pode gostar