Você está na página 1de 24

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGIA DE GOIÁS

CÂMPUS ITUMBIARA

MEDIDAS ELÉTRICAS

DISCIPLINA: Instrumentação Industrial


PROFESSOR: Willian Martins Leão

Itumbiara, 18 de março de 2018.


Revisão 2: 08/02/2019
Sumário
1 Medidor de Bobina Móvel........................................................................................ 1
2 Medidor de Ferro Móvel .......................................................................................... 3
3 Características operacionais em instrumentos analógicos ........................................ 7
4 Transformadores ....................................................................................................... 9
4.1 Transformador de Potencial – TP ...................................................................... 9
4.1.1 Transformador de Potencial Indutivo ......................................................... 9
4.1.2 Transformador de Potencial Capacitivo ................................................... 10
4.2 Transformador de Corrente - TC ..................................................................... 10
5 Pontes ..................................................................................................................... 11
6 Sensor Hall ............................................................................................................. 13
7 Condicionamento de Sinais .................................................................................... 15
7.1 Amplificadores Operacionais .......................................................................... 15
7.1.1 Configuração não-inversora ..................................................................... 15
7.1.2 Configuração Buffer ................................................................................. 15
7.1.3 Configuração inversora............................................................................. 16
7.1.4 Configuração Somador ............................................................................. 16
7.1.5 Configuração Subtrator............................................................................. 16
7.2 Amplificador Diferencial de Instrumentação .................................................. 17
7.3 Conversor de resistência para Frequência........................................................ 17
7.4 Conversor Tensão-Frequência ......................................................................... 18
7.5 Conversor de Frequência para Tensão ............................................................. 18
8 Aterramento Elétrico .............................................................................................. 19
8.1 Ruídos .............................................................................................................. 19
9 Cabos ...................................................................................................................... 20
9.1 Cabo coaxial .................................................................................................... 20
9.2 Cabo Shield ...................................................................................................... 20
9.3 Par trançado ..................................................................................................... 22
9.4 Fibra óptica ...................................................................................................... 22
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Introdução
O estudo de medidas elétricas, vai além de medir variáveis elétricas, mas inclui
também o meio de indicar, converter e até automatizar o processo de medir outras
variáveis que são dependentes dela. Os instrumentos, em geral, podem ser classificados
em analógicos e digitais.
Exemplos de instrumentos de medidas elétricas são:
➢ amperímetro (corrente);
➢ voltímetro (tensão);
➢ wattímetro (potência ativa);
➢ varímetro (potência reativa);
➢ fasímetro ou cosifímetro (defasagem entre tensão e corrente ou cos ϕ);
➢ ohmímetro (resistência);
➢ capacímetro (capacitância);
➢ frequencímetro (frequência).

No caso dos instrumentos analógicos a base de seu funcionamento é um medidor de


correntes muito baixas chamado de Galvanômetro de Bobina Móvel ou Galvanômetro
de D'Arsonval (1820). Esse consiste de uma bobina que pode ser movimentada e que está
colocada entre os polos de um imã. Já os instrumentos digitais são baseados na medição
de tensão através de conversores analógicos-digitais (ADC – analog digital converter).

1 Medidor de Bobina Móvel


É um tipo de galvanômetro construído com uma bobina de fio muito fino montada
em um eixo móvel, e instalada entre os polos de um ímã permanente, sendo seu
funcionamento baseado na força magnética (força de Lorentz) sobre cargas elétricas em
movimento no interior de um campo magnético.

Figura 1 - Medidor de Bobina Móvel

1
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Suas características são:


➢ Baixo consumo próprio;
➢ Alta sensibilidade;
➢ São capazes de medir corrente média;
➢ São usados em corrente contínua (ou alternada com um retificador);
➢ São instrumentos polarizados;
➢ Apresenta erros consideráveis caso a forma de onda da CA não seja puramente
senoidal;
➢ Eles são feitos para suportarem correntes muito pequenas da ordem de µA ou mA.

Nas situações em que a corrente exigida for maior que o fundo de escala, é possível
utilizar um resistor de derivação conhecido por resistor shunt (paralelo).

Figura 2- Resistor Shunt

Há duas maneiras de ser utilizados:


➢ Em conjunto com um medidor de corrente;
➢ Em conjunto com um medidor de tensão;

Exemplo 1: Um resistor Shunt 50A 75mV para amplificar a escala de um amperímetro


de um painel.

𝐼 ⋅ 𝑅𝑆 𝑅0
𝐼0 = ⇒ 𝐼 = 𝐼0 ⋅ (1 + )
𝑅𝑆 + 𝑅0 𝑅𝑆
A dificuldade desse método é encontrar a resistência do instrumento com precisão já
que essa é na ordem de poucos Ω.
Exemplo 2: Um resistor Shunt 50A 75mV utilizando um voltímetro para medir corrente.
Nesse caso, basta incluir o resistor shunt em série com o circuito e medir a tensão sobre
ele. A medida de corrente será a medida de tensão sobre o resistor shunt vezes o ganho
do resistor em A/V. Nesse caso, o ganho é aproximadamente 666,67.
Agora, responda se é possível usar esse método em circuitos com baixa resistência?

2
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Medidor do tipo bobina móvel da fabricante Kron


– BK 72 / 96 / 144 (C.C.);
– BK 72R / 96R / 144R (C.A.);
Os instrumentos de bobina móvel, são utilizados
para medir corrente e tensão contínua.
Sua principal característica é o seu baixo consumo.
Conectados a conversores de medida (.../ 60 mV,.../
1 mA, ...10V ) e com uma escala adequada, permitem a
medida de outras grandezas ( Cº, rpm,Watt, m/s... ).
Para medição de correntes superiores a 100 A devem
ser ligados a Shunts.
A maioria dos medidores de tensão e corrente fornece indicações bastante exatas
quando operam grandezas constantes (CC) ou formas senoidais puras (CA). No entanto
deixam a desejar quando a grandeza sob análise tem outra forma de onda. Nesse caso,
somente os instrumentos classificados com True RMS darão a indicação exata.
Em sistemas de corrente (ou tensão) alternada os instrumentos de bobina móvel,
possuem um sistema de pré-retificação do sinal de entrada e o mensurando é baseado no
valor médio e não eficaz, portanto, o medidor de bobina móvel não é TRUE RMS.

2 Medidor de Ferro Móvel


Também conhecidos como instrumentos ferromagnéticos ou eletromagnéticos. O seu
princípio de funcionamento é baseado na ação do campo magnético, criado pela corrente
a medir percorrendo uma bobina fixa, sobre uma peça de ferro doce móvel. Há dois tipos
de instrumentos básicos:
➢ Instrumento de “atração” ou de “núcleo mergulhador”;
➢ Instrumento de “repulsão” ou de “palheta móvel”.

Figura 3 - Instrumento de atração

3
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Figura 4 - Instrumento de repulsão

Suas características são:


➢ São utilizados em corrente contínua e corrente alternada de baixa frequência
(superior a 400Hz);
➢ A deflexão do ponteiro é proporcional ao quadrado da corrente, o que implica que
esse mede valor eficaz;
➢ Podem ser utilizados para medir formas de onda não senoidais;
➢ É comum encontrá-los nos painéis de equipamentos como estabilizadores,
geradores elétricos, entre outros;
➢ Possuem classe de exatidão pior do que os medidores de bobina móvel e, por isso,
são medidores mais baratos.

O galvanômetro, assim também o medidor de bobina móvel e ferro móvel, podem


ser utilizados para medir tensão, corrente e resistência.

4
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Os voltímetros são galvanômetros que utilizam resistores em série como divisor de


tensão (resistores de amplificação). A corrente medida é proporcional a tensão aplicada
(medida a quente).

Figura 5 - Esquema interno de um voltímetro

Os amperímetros são galvanômetros que utilizam resistores shunt (paralelo) para


operarem correntes mais altas (medida a quente).

Figura 6 - Esquema interno de um amperímetro

Os ohmímetros são galvanômetros com uma bateria que utilizam resistores de


calibração. A corrente medida é proporcional a resistência medida (medida a frio).

Figura 7 – Esquema interno de um ohmímetro

5
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Outro caso de aplicação de bobina é o Wattímetro, o qual possui duas bobinas, uma
para a medida de tensão (também chamada bobina de potencial) e outra para medir a
corrente (bobina de corrente). O aparelho é construído de tal forma que o ponteiro indica
o produto dessas duas grandezas multiplicado, ainda, pelo cosseno da defasagem entre
elas (fator de potência).

Figura 8 - Wattímetro

Além disso, há o Medidor de Energia Ativa Analógico de Indução (conhecido


popularmente como relógio de luz), o qual é tradicionalmente usado pelas concessionárias
de energia elétrica para aferir o consumo das instalações elétricas. Sua construção é
semelhante à do wattímetro, tendo uma bobina de potencial e outra de corrente.

Figura 9 - Medidor de Energia Ativa Analógico

Como já dito, diferente dos instrumentos analógicos o medidor digital opera baseado
na conversão analógico-digital de um sinal de tensão. As formas como esse sinal é obtido
serão abordados quando falarmos em condicionamento de sinais.

6
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

3 Características operacionais em instrumentos analógicos


Posição do zero: É a posição de repouso do ponteiro, quando o instrumento não está
efetuando medidas.

Zero à esquerda

Linearidade: É característica que diz respeito à maneira como a escala é dividida.


Quando a valores iguais correspondem divisões iguais, diz-se que a escala é linear (ou
homogênea), caso contrário, a escala é chamada não-linear (heterogênea).

Escala não-linear
Escala linear

Valor fiducial: É o valor de referência para a especificação da classe de exatidão do


instrumento. Este valor é determinado de acordo como tipo de escala do medidor, no
que se refere à posição do zero.

Classe de exatidão: A classe de exatidão de um instrumento fornece o erro admissível


em porcentagem entre o valor indicado pelo instrumento e o fiducial, levando-se em
consideração o valor do fundo de escala.

Tipos de Corrente

7
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Tipos de Instrumentos

Posição: Instrumentos de painel usualmente são projetados para funcionamento na


posição vertical, porém outras posições podem ser viáveis. O uso de um instrumento em
posição diferente daquela para a qual foi projetado pode ocasionar erros grosseiros de
leitura.

É tipicamente o
instrumento de painel

É tipicamente o
instrumento de bancada

Tensão de isolação ou tensão de prova: É o valor máximo de tensão que um


instrumento pode receber entre sua parte interna (de material condutor) e sua parte
externa (de material isolante). É indicado por uma estela com a unidade de tensão de
isolação em kV.

Observação: Na ausência de algarismo, a tensão de prova é igual a 500 V.

8
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Exercício: Classifique o instrumento ilustrado


na figura ao lado e defina as suas
características.

4 Transformadores
Na instrumentação, os transformadores são utilizados para adequar os níveis de
tensão ou corrente em sistemas de geração, transmissão, distribuição e demais aplicações
envolvendo energia elétrica para monitoração, controle ou proteção.
Há dois tipos de transformadores do ponto de vista de instrumentação. São eles:
• transformador de potencial;
• transformador de corrente.

4.1 Transformador de Potencial – TP


Os transformadores de potencial são equipamentos que adequam o nível de tensão
(abaixador) de forma a permitir que os instrumentos de medição e proteção funcionem
adequadamente. Os TPs podem ser do tipo indutivo (NBR6855) ou capacitivo.

4.1.1 Transformador de Potencial Indutivo

Na sua forma mais simples, o transformador de potencial indutivo (TPI) possui um


enrolamento primário e um enrolamento secundário, de tal forma que a sua relação de
transformação permite obter no secundário um valor padrão de tensão. Por norma os
valores padrões de tensão de saída nos secundários são 115V (mais utilizado), 115/√3V
ou 115/3V.

Figura 10 - Transformador de Potencial Indutivo.

9
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

4.1.2 Transformador de Potencial Capacitivo

Os transformadores de potencial capacitivo (TPCs) são indicados para tensões acima


do limite dos TPIs, em geral construídos para tensões iguais ou superiores a 138 kV em
função do elevado custo. Esses consistem de um capacitor de acoplamento, que atua como
divisor de tensão, e uma unidade eletromagnética que permite a interface entre o sistema
de alta tensão com o de baixa tensão, tornando os valores mensuráveis para leitura dos
sistemas de proteção.

Figura 11 - Transformador de Potencial Capacitivo.

4.2 Transformador de Corrente - TC


Os transformadores de corrente são um dispositivo contendo dois enrolamentos
(primário e secundário), semelhantes ao TPI e são utilizados para reduzir a corrente para
valores baixos, normalmente 1A ou 5A. As suas aplicações são:
• promover a segurança pessoal;
• isolar eletricamente o circuito de potência do circuito dos instrumentos;
• padronizar os valores de corrente de relés e instrumentos.
Construtivamente, os TCs apresentam um enrolamento do primário com poucas
espiras e fiação de bitola mais, sendo o secundário constituído com um número maior de
espiras e com fiação de menor bitola (NBR 6856).
Os TCs podem ser do tipo: enrolado; de barra; bucha; janela; núcleo dividido.

Figura 12 - Tipos de TCs.

10
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

5 Pontes
A ponte que estudaremos é a ponte Ponte de Wheatstone que consiste de quatros
resistores alimentados por tensão ou corrente contínua, conforme a Figura 13, o qual é
utilizado para medição de resistência elétrica, o que implica na possibilidade de medir
temperatura de termistores, como Pt-100 e o outras variáveis que variam com a resistência
elétrica.
Figura 13- Ponte de Wheatstone

É dito que o circuito está balanceado quando a tensão entre os terminais do centro da
ponte é nula, o que corresponde também a não passagem de corrente entre esses pontos.
Pode ser construído de diferentes montagens como: 2 fios, 3 fios e 4 fios.
A ligação à 2 fios é a mais simples. Sua limitação é que há a soma da resistência do
cabo de prolongamento com a resistência do elemento sensor, o que embuti um erro na
leitura do mensurando.
Figura 14 - Ligação à 2 fios

Já a ligação à 3 fios permite a compensação da resistência do cabo de prolongamento,


fator que determina que essa ligação seja a mais utilizada. Lembrando que nessa ligação
é necessário utilizar um cabo de 3 vias blindado (ou seja, mais o cabo nu com malha de
terra).

11
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Figura 15 - Ligação à 3 fios

A ligação à 4 fios é pouca utilizada, sendo utilizada em processos industriais ou em


laboratórios que exijam maior precisão da medida de resistência. Essa montagem é
justificada, pois as vias de um cabo não são perfeitamente iguais.
Figura 16 - Ligação à 4 fios

Há outras alternativas de ligação à 4 fios, como na Figura 17.


Figura 17 – Outra alternativa para ligação à 4 fios

Apesar de não ser foco dessa disciplina, há as pontes em CA, como:


➢ Maxwell: ponte para medir indutância pela capacitância.
➢ Hay: ponte para medir indutância
➢ Owen: ponte para medir indutância
➢ Schering: ponte para medir capacitância
Recomendações de livro: Curso Básico de Medidas Elétricas - Melville B. Stout.
12
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

6 Sensor Hall
Um Sensor de Efeito Hall é um transdutor que, quando sob a aplicação de um
campo magnético, responde com uma variação em sua tensão de saída.
O Efeito Hall é um efeito observado em todos os materiais. Contudo, sua aplicação
é eficaz somente em materiais onde a mobilidade eletrônica seja relativamente alta. Desse
modo, as aplicações práticas do Efeito Hall só se tornam possíveis com o
desenvolvimento de tecnologias em materiais semicondutores.
Figura 18 - Sensor sem ausência de campo magnético externo

Figura 19 - Sensor sob presença de campo magnético externo

A sensibilidade é dependente da tensão de alimentação, assim, se houver um


aumento da tensão de alimentação, muda a tensão quiescente e as variações em torno
deste valor passam a ter uma amplitude maior para uma mesma variação da intensidade
do campo, conforme está na figura abaixo. Portanto, os sensores Hall possuem problemas
como baixo nível de saída, pouca estabilidade em relação à temperatura e alta
sensibilidade a cargas estáticas.

13
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Figura 20 - Curva de Campo Magnético e Tensão de saída do sensor Hall

Aplicações:
• Medição ou detecção de corrente;
• Medição ou detecção de velocidade;
• Medição ou detecção de deslocamento.
Na prática os sensores de Efeito Hall ou Hall Sensors podem ser encontrados tanto
na forma simples como com uma configuração em ponte (Exemplo KMZ10 da Philip).
Um dispositivo muito utilizado na indústria que opera pelo efeito Hall é o alicate
amperímetro (Figura 21), o qual permite medir a corrente de forma não intrusiva em
condutores (em geral cabos), ou seja, sem necessidade de interromper o circuito para
medição.
Figura 21 - Alicate Amperímetro

Na pratica os alicates amperímetros modernos utilizam o efeito Hall para medir


correntes contínuas e alternadas. E além, disso possuem sistemas para medição de tensão,
como um multímetro comum.

14
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

7 Condicionamento de Sinais
7.1 Amplificadores Operacionais
Também conhecidos por AOs (ou AmpOps) são circuitos eletrônicos amplamente

utilizados em sinais analógicos.


𝑽𝑶 = 𝑨 ⋅ (𝑽+ − 𝑽− )

IDEALMENTE possuem as seguintes características:


• Não existe fluxo de corrente nas entradas do AO;
• A impedância de entrada é infinita;
• Seu ganho de tensão em malha aberta é infinito;
• Não existe diferença de potencial entre suas entradas (curto circuito virtual);
• A impedância de saída é igual à zero.

A seguir, estão apresentadas as configurações (montagens) com amplificador


operacional analisadas dentro dessa disciplina, no entanto há outras que não serão objeto
de estudo aqui.
7.1.1 Configuração não-inversora

𝑹𝒇
𝑽𝒐 = (𝟏 + ) ⋅ 𝑽𝒊
𝑹𝟏

𝑹𝒇
𝑮 = (𝟏 + )
𝑹𝟏

7.1.2 Configuração Buffer

Essa configuração é conhecida


também por “seguidor de tensão”.

15
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

7.1.3 Configuração inversora

𝑹𝒇
𝑽𝒐 = − ⋅𝑽
𝑹𝟏 𝒊

𝑹𝒇
𝑮=−
𝑹𝟏

Exercício: Baseado no que foi mostrado determine um gerador 4-20mA usando a


configuração não-inversora.

7.1.4 Configuração Somador

𝑹𝒇 𝑹𝒇 𝑹𝒇
𝑽𝒐 = − ( ⋅ 𝑽𝟏 + ⋅ 𝑽𝟐 + ⋯ + ⋅𝑽 )
𝑹𝟏 𝑹𝟐 𝑹𝒏 𝒏
• Também conhecido por circuito mix;
• Soma de vários sinais diferentes;
• Conversor Digital-Analógico.

7.1.5 Configuração Subtrator


Fazendo a análise do circuito, temos:

𝑹𝑻 ⋅ (𝑹𝒇 + 𝑹𝒗𝟏 ) 𝑹𝒇
𝑽𝟎 = 𝑽𝟐 − 𝑽
(𝑹𝒗𝟐 + 𝑹𝑻 ) ⋅ 𝑹𝒗𝟏 𝑹𝟏 𝟏

Se 𝑹𝒗𝟏 = 𝑹𝒗𝟐 = 𝑹𝟏 e 𝑹𝒇 = 𝑹𝑻 = 𝑹𝟐

𝑹𝟐
𝑽𝒐 = ( ) ⋅ (𝑽𝟐 − 𝑽𝟏 )
𝑹𝟏

16
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

7.2 Amplificador Diferencial de Instrumentação

Na prática, o circuito subtrator não é preciso,


pois os resistores R2 não são iguais entre si,
assim também, os resistores R1.

Para contornar esse inconveniente há os


amplificadores de instrumentação, que
possuem um circuito preciso e equivalente a:

𝑅2 2𝑅3
𝑉0 = ( ) ⋅ (1 + ) ⋅ (𝑉2 − 𝑉1 )
𝑅1 𝑅𝑔

A vantagem do amplificador de instrumentação é


que você pode ajustar o ganho através de apenas
um resistor externo de ganho (Rg).

Exemplo com um AD620A


49,4
𝑅𝑔 = 𝑘Ω
𝐺−1

7.3 Conversor de resistência para Frequência

Utilizando o CI 4093 que contém quatro portas NAND com Schmitt Trigger,
podemos gerar frequência proporcional a resistência elétrica de um sensor.

17
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

7.4 Conversor Tensão-Frequência

7.5 Conversor de Frequência para Tensão

Alguns C.I.s Comerciais:


• LM741, TL082, LM301A – Dual Supply Operational Amplifier
• LM358 – Single or Dual Supply Operational Amplifier
• TL074 – 4AOs – Single or Dual Supply Operational Amplifier
• LM231A/LM231/LM331A/LM331 – Voltage to Frequency Converter
• LM2907 /LM2917 - Frequency to Voltage Converter
• AD620ANZ, INA126 – Amplifier Instrumentation

18
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

8 Aterramento Elétrico
Significa colocar instalações e equipamentos no mesmo potencial, de modo que a
diferença de potencial entre a terra e o equipamento seja o menor possível. O terra é o
conector com diferença de potencial igual a zero.

Haste de
aterramento Ligação em cruz de cabos
Ligação de cabo nu na haste nus de aterramento
de aterramento
O aterramento consiste em criar um caminho de baixa impedância para o Terra.
Para isso, deve ser apropriadamente elaborado para:
– proteger a integridade física das pessoas;
– facilitar o funcionamento de dispositivos de segurança;
– descarregar cargas eletrostáticas da carcaça de equipamentos;
– garantir a integridade dos dados enviados de um processo industrial.

Um erro comum é o uso de terra de proteção como terra de sinal, o que não é
adequado visto que esse terra é muito ruidoso e pode apresentar alta impedância.

8.1 Ruídos

O ruído é definido basicamente como um sinal elétrico indesejável ou um fenômeno


magnético que corrompe o sinal verdadeiro. Em outras palavras, altera a informação. Os
ruídos podem ser provenientes de:
– EMI (Interferência eletromagnética);
– RFI (Interferência de rádio frequência);
– Caminhos de fugas nos terminais de entradas dos equipamentos;
– Arcos elétricos;
– Rede elétrica de 60Hz;
– Motores elétricos (centelha nas escovas);
– Inversor de frequência.

Apesar de um bom aterramento ser necessário para mitigar os ruídos, isso não é
suficiente. É necessário o uso de cabos adequados para bloquear ruídos externos.

19
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

9 Cabos
São os meios em que a informação é transmitida de um ponto para outro. Pode ser
classificado pelo meio de transmissão em coaxial, par trançado e fibra ótica, os quais são
mostrados na figura abaixo.

9.1 Cabo coaxial


O cabo coaxial foi o primeiro cabo disponível no mercado, e era até a alguns anos
atrás o meio de transmissão mais moderno que existia em termos de transporte de bits
(limite em 10Mbps), embora ainda hoje seja usado para a mesma finalidade.
Um cabo coaxial consiste em um fio de cobre rígido que forma o núcleo, envolto por
um material isolante que por sua vez é envolto em um condutor cilíndrico, frequentemente
na forma de uma malha entrelaçada. O condutor externo é coberto por uma capa plástica
protetora, que evita o fenômeno da indução, causada por interferências elétricas ou
magnéticas externas.
O cabo coaxial é usado para transportar sinais de televisão e também ligar
equipamentos de vídeo. Os cabos também podem ser usados para transportar sinais de
rádios, conectar receptores, transmissores e antenas. Esse tipo de cabo já foi utilizado
para ligar computadores me redes locais (LANS), porém, foi trocado para o par trançado.

9.2 Cabo Shield


Cabo blindado com shield é utilizado em várias áreas, o shield (a malha, assim como
a lâmina de alumínio) deve ser conectado ao terra funcional do sistema via conector, de
forma a proporcionar uma ampla área de conexão com a superfície condutiva aterrada.
Cuidados com a instalação devem ser tomados para garantir que o acabamento do
shield esteja bem feito e não entrando em contato com outros pontos a não ser os pontos
de terra. A proteção se dá com os pontos aterrados, onde se proporciona um caminho de
baixa impedância aos sinais de alta frequência.
Existem diversas formas de construção e aplicação para cabo blindado com shield,
sua principal característica, devido a blindagem, é proteção contra interferências
eletromagnéticas e/ou ruídos.

20
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

Figura 22 - Relação de potência por cabo

É ideal para sistemas de alarme de incêndio ou qualquer outra aplicação que exija
aterramento e proteção magnética, como é o caso de ligação de instrumentos analógicos
ou digitais, tais como medidores de fluxo, potenciômetros, transmissores, anunciadores,
alarmes, etc.
Se o aterramento da instalação for feito corretamente, o mesmo dispensa o uso de
eletrodutos metálicos, podendo ser usado até mesmo diretamente sob forros.
Em algumas empresas é comum problemas de instrumentação devido a negligência
de profissionais, que especificam e/ou compram cabos sem blindagem (Por exemplo cabo
de 1mm² por menos de um real por metro) devido o preço deles serem menores que os
shields.

Figura 23 - Relação de Preços de Cabos Shield

21
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL
PROFESSOR: WILLIAN MARTINS LEÃO
ASSUNTO: MEDIDAS ELÉTRICAS

9.3 Par trançado


O cabo par trançado surgiu com a necessidade de se ter cabos mais flexíveis, com
maiores velocidades de transmissão, além maior facilidade de identificação de defeitos
quando comparados com o cabo coaxial.
Este cabo consiste em um par de fios elétricos de cobre ou aço recoberto de cobre
(aumenta a resistência à tração). Os fios são recobertos de uma camada isolante,
geralmente de plástico, e entrelaçados em forma de trança (de onde surgiu o seu nome).
Este entrelaçamento é feito para se evitar a interferência eletromagnética entre cabos
vizinhos e para aumentar a sua resistência. O conector utilizado é o RJ-45.
Sua transmissão pode ser tanto analógica quanto digital. Na transmissão analógica,
para o qual foi originalmente construído, é necessário um amplificador a cada 5 ou 6 km.
Na transmissão digital, um repetidor é necessário a cada 2 ou 3 km.
Há dois tipos básicos de cabos par trançado:
– UTP - Unshielded Twisted Pair - Par trançado sem blindagem (uso residencial);
– STP - Shielded Twisted Pair - Par trançado com blindagem (uso industrial).

O cabo blindado STP é muito pouco utilizado sendo basicamente necessários em


ambientes com grande nível de interferência eletromagnética. Podem ser encontrados
com blindagem simples ou com blindagem par a par.
Tem como vantagem se atingir maior taxa de transferência podendo trabalhar não
somente a 10 Mbps, mas também a 100 Mbps (Fast Ethernet) ou até 1000 Mbps (1
Gigabite Ethernet).

9.4 Fibra óptica


Deve-se dar preferência a sistemas com cabos de fibra ótica em ambientes com
agressivos ruídos eletromagnéticos, pois estas são imune a qualquer tipo de ruído
eletromagnético, ou quando se desejam grandes distâncias ou altas velocidades de
transmissão.
A fibra óptica é um filamento de vidro, material dielétrico, constituído de duas partes
principais: o núcleo, por onde se propaga a luz, e a casca que serve para manter a luz
confinada no núcleo.
Cada um destes elementos, núcleo e casca, possuem índices de refração diferentes
fazendo com que a luz percorra o núcleo refletindo na fronteira com a casca.
As suas principais vantagens são:
– imunidade a interferências eletromagnéticas;
– isolação elétrica;
– pequeno tamanho e peso.

E suas principais desvantagens são:


– fragilidade das fibras ópticas sem encapsulamento;
– dificuldade de conexões das fibras óptica;
– impossibilidade de alimentação remota de repetidores;
– falta de padronização dos componentes ópticos;
– alto custo.

22

Você também pode gostar