Você está na página 1de 2

Bach, Edward. Cura-te a ti mesmo- São Paulo: Blosson, 2019.

Este é um livro de sensibilidade e emoções a serem detalhadas. Edward


Bach descortina, revela a cada página, as muitas camadas do ser humano e
seu emocional. Ele ainda desdobra os sentimentos na sua origem e nas suas
consequências. Além de trazer alguns insights para que a busca seja feita e a
modificação seja empreendida dentro de cada um.

Por meio de uma linguagem clara e muitas vezes ricamente expressada.


A obra é dividida em oito capítulos, descrevendo a cada uma delas, uma forma
diferente de perceber e o encontro ao próprio bem estar e estilo saudável de
vida.

O autor passa por temas importantes como amor, ódio, egoísmo e perdão
são continuamente revisados e debatidos para provocar naquela pessoa que lê
uma reflexão sobre seus ciclos e suas influências na própria vida. Então Bach
coloca nas mãos do paciente a presença de estar em si, se reconhecendo e
atuando como protagonista na sua própria caminhada rumo à sua cura.

Ademais o autor também relata a grande busca que deve ser


empreendida por aquela pessoa que quer mudar sua jornada. E efetivamente
transformar suas falhas em virtudes. A grande fala que se repete por inúmeras
vezes na obra do Dr. Edward Bach sobre a força da esperança de dias
melhores, situações melhores, além de impulsionar ao próximo para com esta
chegar além do estado emocional que se encontra.

Uma frase que não esta no livro, mas que resume muito do que ele fala
sobre esperança, autoconhecimento, amor, responsabilidade e respeito:

"Procure o conflito mais evidente no paciente, dê-lhe o remédio que o


ajudará a superar a falha, bem como todo o encorajamento e esperança que
puder, e deixe que a virtude curativa no interior do paciente faça o resto.”
Dr. Edward Bach.

Com esta citação ele mais uma vez, de forma consciente e plena, coloca
a responsabilidade de melhora, cura naquele indivíduo que procura ficar e viver
diferente. Os desafios são necessários para que cada ser possa afirmar ser
quem se é. Portanto, Bach disserta sobre Deus, o divino e todas as questões
que cercam o homem como ser simples e complexo. Além disso, Edward
transita por Buda, Jesus e outros escolhidos para afirmar que reconhecer
nossa missão nesta vida vai trazer a libertação daquele que a busca.
Permitindo que esta alma seja si mesma, sem influencia do mundo ou de
alguma pessoa, caminhando assim com clareza e verdade para sua verdadeira
essência.

Ao longo do livro muitos assuntos vão surgindo para assentar a certeza


do ser humano conter em si seu tratamento e sua saúde plena. Ele inspira com
questões como: Se tornar necessário desenvolver a verdadeira alegria pela
aventura de nossa jornada por este mundo; E também de ser indispensável
para cada alma encarnada o conhecimento do seu propósito especifico a fim
de adquirir experiência e compreensão; E o dever de cada alma é aperfeiçoar-
se desde a sua personalidade até outros aspectos de si, a fim de viver dias
melhores.

Ele inclui nessas ferramentas possíveis para o momento de


apaziguamento de si, a paciência e outros recursos valiosos para a
manutenção da paz interior, como ambiente importante para a permanência de
uma existência saudável.

A cada capítulo Bach, vai tirando as camadas que revestem as crenças


sobre como combater as doenças e a forma como elas foram tratadas ao longo
dos anos e das terapêuticas da medicina. Estas que sempre combatem as
doenças como se fossem a única via de tratamento. Ele ainda relaciona a
medicina com os tratamentos da época como uma tropa sempre atacando o
problema e nunca relacionando às variáveis envolvidas como as emoções, os
indivíduos, suas especificidades e sua felicidade.

Ainda existem outras questões interessantes levantadas por Bach, onde


ele escreve que devemos ser benevolentes e auxiliar com o próximo mais
próximo sempre que for possível. A partir da expansão para auxiliar o próximo
esta ação se torna também uma reflexão para o melhor julgamento de si e das
experiências da própria vida. Ele incentiva o mergulhar na vida, onde não se
deve temer a busca de experiências e conhecimento.

Ao longo de muitos parágrafos deste livro, o autor estimula aos que


padecem das dores e doenças, que se dediquem às questões mais de cunho
espiritual, desapegando sempre que for necessário, do material e suas
seduções. Ainda explica que o fato de ser ligar sempre as posses, conquistas e
questões materiais, o homem se torna doente por suas próprias ambições,
cada vez mais desconhecendo sua natureza real interior.

É possível afirmar que podemos ser nossos próprios curadores, a partir


do reconhecimento das nossas dores, buscando a calma da mente, de si
mesmo. Por meio da harmonização das agitações, analisando com gentileza a
si, permitindo-se viver as experiências da própria vida. Com plenitude e
percepção das próprias questões, desapegando de tudo que possa levar-nos
para longe de nos mesmos. Seja sentimentos mal administrados, a
excrecências de emoções prejudiciais. Sempre caminhando de forma gradual e
racional rumo à cura de si mesmo.

Dr. Edward Bach, é considerado um homem de ideias avançadas, de


alma sensível e um incrível observador. Foi um médico que extrapolou a
medicina convencional, passa pela homeopatia. Então a partir de seus
inúmeros estudos e observações, inventa os florais de Bach. Um sistema de
florais que trabalha com emoções e vibrações a partir da alma das flores e
seus benefícios terapêuticos. Possui muitos escritos e muitos estudos sobre os
florais e a alma com os seus propósitos reais.

Aline Ferreira da Costa