Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE PADAGÓGICA DE MAPUTO

Técnica de Expressão em Língua Portuguesa

TEXTO EXPOSITIVO-EXPLICATIVO
Antes de prosseguirmos, pedimos que em quinze minutos procura reflectir e responda à
seguintes questões:
1. O que entende por texto expositivo-explicativo?
2. Já teve a oportunidade de ler algum Texto-Expositivo? Quando? Qual é o assunto que
tratava?

O Texto Expositivo-Explicativo é um tipo de texto que tem por objectivo principal a


transmissão de conhecimentos a cerca de uma dada realidade, isto é, fazer-saber ou
fazer-conhecer (fazer-perceber).
Daí, podemos concluir à priori que o texto visa a transformação do estado cognitivo
dos sujeitos aos quais se destina, informando-os de forma clara, objectiva, coesa e
coerente sobre um assunto ou problema de que se supõe eles serem dententores de um
saber insatisfatório.
Como se pode notar, o Texto Expositivo-Explicativo apenas apresenta uma
informação, que se considera nova, partindo de um saber que se pressupõe que o
leitor o detenha. Daí que a linguagem usada neste tipo de texto tem muito a ver com o
típo de público alvo ao qual ele se destina.

Pensemos num caso em que um técnico de saúde se dirige numa região, para
falar´(recorrendo a textos) do SIDA:
De certeza, se se dirigir às crianças da escola primária usar uma linguagem muito simples
(provavelmente, um texto curto acompanhado por ilustrações); se for ao público jovem, da
escola secundária, irá utilizar uma linguagem mais complexas… Mas, se for para o pessoal
da saúde, aí poderá recorrer a uma linguagem mais específica.
Por essa razão, ao produzir a texto tem que ter um consideração: a idade, o que se supõe
ser ou não do domínio e a escolaridade.

Falemos então da linguagem:

Neste tipo de texto, há o predomínio de duas funções de linguagem, nomeadamente


a função referencial ou informativa (aquela que se usa para transmitir informações
novas) e a função metalinguística (usada em segmentos que visam explicar ou
esclarecer o sentido de uma noção ou expressão anterior).
Neste tipo de textos, podemos identificar três momentos ou fases (correspondentes
às partes do texto), a saber:
• a fase do questionário (que contém de forma explícita ou implicita uma
questão que se vai responder ao longo do texto, ou simplesmente pela
anunciação do tema/assunto/problema da exposição) correspondente à
introdução;
• a fase da resolução, correspondente ao corpo explicativo ou
desenvolvimento, e;
• a fase da conclusão.

Muitas vezes, o fase do questionário inícia com a própria titulagem.


É necessário ter em conta que nem todo o texto expositivo-
explicativo apresenta a fase da conclusão. Mas, porque a sua
linguagem é directa, nós, como leitores, podemos tirar as nossas
conclusões.

No tangente à organização discursiva deste tipo de texto, podemos identificar três


tipos de enunciados:
• Enunciados Expositivos (ou enunciados de exposição): contendo as
informações com as quais o autor do texto pretende fazer saber, ou seja,
transmitir os novos saberes;
• Enunciados Explicativos: com os segmentos explicativos visando fazer
compreender o que se transmite;
• Enunciados Baliza: com a finalidade de marcar as articulações do
discurso, isto é, anunciar o que vai ser dito; resumir o que se disse, ou
seja, estabelecer os nexos de ligação entre as diversas partes do texto.

Atenção:
Estes enunciados podem não ocorrer isoladamente. Eles, por
vezes podem, ocorrer de modo encadeado, isto é, num único
parágrafo podemos encontrar dois ou os três enunciados. Você
terá que prestar a sensibilidade do tipo de informar que um
determinado segmento está a passar.
Há vezes em que, para uma melhor compreensão do assunto
tratado, o autor pode socorrer-se de imagens.

Relativamente às caracteristicas linguísticas, o Texto Expositivo – Explicativo


apresenta:
• O uso do presente do indicativo com o valor gnómico (atemporal), uma
vez que se refere a factos que são tidos como verdadeiros por parte de

TELP-UPM/2019 Dr Carlos Mutondo 2


quem os anuncia, portanto, uma verdade que perdura independentemente
do tempo em que ela é dita.
• Emprego da construção passiva [podendo ser a passiva de ser (por exemplo, “… A
timbila é feita a partir de madeira de uma árvore…”) ou da passiva sintáctica ou de se (por
exemplo, “… A dança executada denomina-se makhara…”)] como uma estratégia de
impessoalizar o discurso científico.
• Sendo o texto científico objectivo o sujeito deve estar afastado do seu
discurso – afastamento do sujeito -, e isso consegue-se com o recurso à
passiva.
• O texto científico é monológico, isto é, com uma única direcção.
• As nominalizações são usadas para condensar o que foi dito e assegurar
a progressão do texto;
• Não se usam os adjectivos valorativos, a não ser que eles sejam
necessariamente exigidos pelo discurso.
• As expressões explicativas permitem ao emissor tornar mais clara a sua
comunicação e orientam a compreensão do leitor;
• Os conectores discursivos são os elementos que vão assegurar os
relações entre as diversas partes do texto. No Texto Expositivo –
Explicativo, os conectores são usados com frequência e são de natureza
lógica. Eles marcam laços de adição, oposições, laços de consecução ou
de causalidade;
• No que diz respeito ao vocabulário, recorre-se a um vocabulário
especializado. Isto quer dizer que se um texto é do ramo de informática,
por exemplo, irá recorrer a expressões da lingugem técnica que um
informatico deve dominar (hardware, software, megabyte, terrabytes,…).
Um gestor ou administrador de uma determinada empresa ou instituição,
também deve possuir e dominar um vocabulário próprio da área que ele
administra. O mesmo poder-se-ia dizer relativamente às outras áreas do
saber.
.

Observe-se que quando se fala de linguagem técnica


especializada não se pretende de forma nenhuma dizer que
se deva usar uma linguagem rebuscada e incompreensivel,
pois quanto mais compreensivel for o texto, mais facilmente ele
alcança os objectivos para os quais foi produzido.

TELP-UPM/2019 Dr Carlos Mutondo 3


Depois da parte teórica sobre o Texto Expositivo-Explicativo, vai complementar o que até leu com a realização
do exercício que se segue. Assim, leia com bastante atenção o texto e, com clareza, responda as perguntas
que se seguem.

TEXTO
O que é um pixel?
Pixel ou píxel (sendo o plural pixels ou píxeis) (aglutinação de picture e element,
ou seja, elemento de imagem, sendo pix a abreviatura em inglês para pictures) é o
menor elemento em um dispositivo de exibição (por
exemplo, um monitor), ao qual é possível atribuir-se
uma cor. De uma forma mais simples, um pixel é o
menor ponto que forma uma imagem digital, sendo que
o conjunto de pixels formam a imagem inteira.
Em um monitor colorido, cada pixel é composto
por um conjunto de 3 pontos: verde, vermelho e azul.
Nos melhores monitores, cada um desses pontos é capaz
Conjunto de pixel de um monitor LCD de exibir 256 tonalidades diferentes (o equivalente a 8
bits) e combinando tonalidades dos três pontos é então
possível exibir pouco mais de 16.7 milhões de cores diferentes (exatamente
16.777.216).

Definições Técnicas
Um pixel é considerado como o menor componente de uma imagem digital. A
definição de pixel é altamente dependente do contexto ao qual a palavra está inserida.
Por exemplo, pode ser "pixels imprimíveis" de uma folha ou página, pixels
transportados por sinais eletrônicos, representado por valores digitais, pixels em
dispositivos de exibição como monitores ou pixels presentes nos elementos
fotossensores de uma câmera digital. Esta lista de definições não foi exaurida, e,
dependendo de contexto específico, existem vários outros termos que podem ser
sinônimos de pixel, tais como PEL, sample, byte, bit, dot, spot, etc. A expressão
"pixels" pode ser usado de maneira abstracta, ou de maneira mais concreta como
unidade de medida (em especial, utilizam-se pixels como medida resolução, por
exemplo: 2400 pixels por polegada, 640 pixels por linha, espaçamento de 10 pixels de
distância).

Um pixel não precisa representar obrigatoriamente um pequeno quadrado. As imagens mostram maneiras alternativas de se
reconstruir uma imagem usando: um conjunto de pixels (píxeis), pontos, linhas e filtragem, respectivamente.

TELP-UPM/2019 Dr Carlos Mutondo 4


As medidas "pontos por polegada" (dpi) e "pixels por polegada" (ppi) às vezes
são utilizadas de forma indiscriminada, mas têm significados distintos, especialmente
para dispositivos de impressão, pois o dpi é uma medida de densidade da colocação dos
pontos de uma impressora no papel (tais como jato de tinta). Por exemplo, uma imagem
de alta qualidade fotográfica pode ser impressa com seiscentos ppi em uma impressora
jato de tinta de 1200 dpi. Mesmo valores elevados no número de dpi como 4800 dpi
citado por fabricantes de impressoras desde 2002, não significam muito em termos de
resolução possível.
Quanto mais pixels utilizados para representar uma imagem, mais esta se
aproxima de parecer com o objecto original. Algumas vezes, o número de pixels numa
imagem é chamado de resolução, embora a resolução tenha uma definição mais
específica. Medidas de pixels podem ser expressas como um único número, por
exemplo, uma câmera digital de "três-megapixels", que tem um valor nominal de três
milhões de pixels; ou como um par de números, por exemplo, um monitor com "640 por
480", onde se tem 640 pixels de um lado ao outro do monitor e 480 de cima para baixo
(monitor VGA), e, portanto, tem um total de 640 × 480 = 307.200 pixels ou 0,3
megapixels.
Os pixels que formam uma imagem digitalizada (como arquivos JPEG usados
em páginas da Internet) podem ou não estar em correspondência de "um para um" com
pixels da tela do computador, isso depende de como o monitor do computador está
configurado para exibir uma imagem. Em computação, uma imagem composta por
pixels é conhecida como uma imagem "bitmap" ou "raster image". A palavra "raster"
provém de padrões de varredura utilizadas em televisores, e tem sido amplamente
utilizado para descrever a impressão de meio-tom semelhante e também em técnicas de
armazenagem.
Megapixel (ou megapíxel) designa um valor equivalente a um milhão de
pixels/píxeis. É utilizado nas câmeras digitais para determinar o grau de resolução, ou
definição de uma imagem. Uma resolução de 1,3 megapixels significa que existem
aproximadamente 1.300.000 pixels na imagem, o que corresponde a nada além da
multiplicação da largura pela altura da imagem, ou seja, uma imagem de 1280 pixels de
largura por 1024 pixels terá exatamente 1.310.720 pixels.
In, [https://pt.wikipedia.org/wiki/Pixel],
(Adaptado)

TELP-UPM/2019 Dr Carlos Mutondo 5


QUESTIONÁRIO

1. De que fala o presente texto?


1.1. O que entende por pixel e por megapixel?
1.2. De que provém a palavra pixel?
1.3. Como podem ser representados os pixels?
1.4. Qual é, entre as medidas de pixel, a diferença que se estabelece
entre ppi e dpi?

2. «Os pixels que formam uma imagem digitalizada (…) podem ou não estar
em correspondência de "um para um" com pixels da tela do computador».
2.1. Como é que se explica a correspondencia ou não de pixels entre a
imagem digitalizada e os de um computador?
2.2. O que se entende por “bitmap”?
2.3. Que tipo de enunciado temos em 2.? Justifique.
2.4. Identifique, para cada um dos enunciados restantes, duas passagem
que podem representam.
2.5. Expliquem para que servem as aspas em “pontos por polegada” e
em “raster image”?

3. Divide o texto em partes e justifique.

4. Faça o levantamento das características linguisticas que se apresentam no


texto.

5. Classifique o texto quanto a tipologia? Justifique.

TELP-UPM/2019 Dr Carlos Mutondo 6

Você também pode gostar