Você está na página 1de 2

A velha fita K7 ainda têm magnetismo

(Carlos Rossi; ?Mega Arquivo)

Publicidade  As fitas antigas , ancestrais das de última


geração eram quase arames , fabricadas no
início do século passado. Na Década de 1960 surgiriam as primeiras que podemos
dizer que sejam da era moderna. A k7 , se derivou de outros formatos , como a fita
derolo profissional , mas usando o mesmo princípio tecnológico . Sua invenção foi
possível graças á descoberta da relação entre eletricidade e magnetismo por uma
série de geniais inventores no século xx . Os sinais magnéticos podem ser
convertidos em sinais elétricos e vice versa . A pioneira na fabricação da fita k7 foi
a Philips , também pioneira na fabricação do "disc Laser" e do vídeo game. Depois
foram surgindo outros fabricantes como a Basf , hoje Emtec . A grande vantagem
dogravador de rolo era a qualidade de som e isso só era possível graças a
velocidade de leitura da cabeça de gravação , muito maior que na fita k7.O
problema é que para isso os rolos de fita tinham que ser enormes , tornando o
sistema pouco prático e inviável para uso doméstico. A solução para tornar á fita k7
equivalente em qualidade á de rolo foi reduzir o tamanho das partículasmagnéticas
com a substituição dos materiais de fabricação. Criou-se então as fitas de
ferro/cromo , cromo equivalente (cobalto , fabricada somente pela TDK ) , cromo ,
supercromo e finalmente a metal fazendo então os gravadores de rolo virarem peça
de museu. Eu particularmente utilizei e testei dezenas de marcas de fitas com
diferentes materiais e comentarei a seguir sobre o desempenho das mesmas. Basf
ferro normal (embalagem amarela) " Não deixe uma fita de má qualidade
assassinar seus graves e agudos" esse ironicamente era o slogan do comercial da
Basf, mas era justamente isso o que ela fazia , além de sujar constantemente as
cabeças do tape por desprender resíduos de óxido de ferro. Mas essa fita foi apenas
uma experiência mal sucedida. Basf ferro/cromo (embalagem preta) Importada da
Alemanha , já com uma qualidade um pouco melhor por misturar o ferro com o
cromo , tinha pouca incidência de resíduos nas cabeças mas ainda deixando um
pouco a desejar nas altas freqüências. Para obter-se um som de alta fidelidade era
ainda necessário o uso de caros e sofisticados equipamentos com um grande
número de recursos , como um equalizador gráfico e supressores de ruído. Basf
cromo (embalagem azul) Esta fita revolucionou o áudio por ser a 1ª a proporcionar
gravação de alta qualidade em k7.Foi uma das que eu mais utilizei por ter boa
relação custo/desempenho. Basf supercromo Com partículas de cromo ainda
menores proporcionava excelente qualidade. Scoth ferro – Qualidade regular. Tdk A
– Regular . TDK D e Ad : A sigla AD era de acoustics dinamics , se comparada com
fitas de ferro de outras marcas poderíamos dizer que era boa , mas perdia feio para
as fitas de cromo.(todas citadas aqui eram de ferro) Maxwell ferro – Comparável á
TDK . Maxwel cromo Boa , porém muito mais cara que a Basf . TDK Cobalto
Conhecida como cromo equivalente foi aclamada por engenheiros e especialistas
como a melhor de todas . Em testes realizados pela equipe da SOM Três foi
considerada a de melhor relação custo/benefício. Sony Ux e UX PRÓ CROMO
Excelentes k7s de última geração. Fitas de Metal – Necessitando de cabeças
especiais , essas fitas se equipararam finalmente ás de rolo , com a vantagem de
serem menores . As principais foram a Gradiente metal e TDK MA , A Sony e a
Scotch . Mas ao contrário do que se esperava , não ficaram muito tempo no
mercado . Talvez o motivo para que tenham desaparecido , apesar da excelente
qualidade , tenha sido as vendas muito restritas e o alto custo de fabricação além
da não compatibilidade com qualquer equipamento. A proporção de vendas entre a
fita de metal para a cromo era de uma para 5 ; com a de ferro era de uma para
10 ! A fita de cromo era apenas 50% mais cara que a de ferro , mas muito superior
; já a de metalera 500% mais cara e apenas ligeiramente superior a de cromo. É
provável que k7s sejam substituídos por outra tecnologia , as fitas de cromo estão
cada vez mais difíceis de encontrar e talvez este ano já não sejam mais nem
fabricadas , as de ferro devem resistir um pouco ainda . A princípio pensou-se que
a tecnologia DAT iria substituir o k7 , é uma espécie de fita digital mas ainda
utilizando o velho princípio do magnetismo. Isso não aconteceu e o sistema foi
quase abandonado . O mesmo se pensou do mini disc , pequenos discos
magnéticos semelhantes aos tradicionais disquetes de computador , porém não
compatíveis para uso no PC . Embora esse sistema tenha sido melhor difundido não
chegou a se popularizar tanto quanto se esperava talvez por causa de boicotes de
fabricantes . Para que uma nova tecnologia se consolide, além de Ter que possuir
muitas qualidades e poucos defeitos é precisoque haja consenso entre os
fabricantes para que todos possam aderir ao mesmo padrão.
Muita gente têm preferido usar os Cdr/w no lugar das fitas , mas eu
particularmente me decepcionei com a durabilidade destes últimos , alguns dando
problema já com pouco tempo de uso tendo que ser regravado e enquanto possuo
fitas com 20 anos ou mais de gravação intactas. É necessário portanto cautela no
hora de descartar um sistema , as outras tecnologias precisam ser melhor
observadas.