Você está na página 1de 62

Sensores BioMagnéticos

e Aplicações
Prof. Adilton
Departamento de Física e Matemática
FFCLRP-USP-Ribeirão Preto
São Paulo-Brazil
e-mail: adilton@ffclrp.usp.br
sites.ffclrp.usp.br/giimus
Principais Fontes de
Campos Biomagnéticos

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Intensidade Típica dos Campos
Biomagnéticos e do Ruído

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
O Biosusceptômetro AC

Um arranjo de bobinas produz um sinal de excitação


que é detectado pelo amplificador lock-in. Quando
balanceado nenhuma voltagem é detectada. A
presença de substâncias ferromagnéticas próxima
de uma das extremidades produz uma tensão.
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Características Físicas
Sistema gradiométrico de primeira
ordem.
Decaimento do sinal 6
r
N N '   o V A 2 I 1 1
  [ 3  ]
4 r ( r  a ) ( r  b) ( r  b  a )
3 3 3

Boa sensibilidade
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Gastroenterologia-
Motivação
Para que o processo
de digestão se realize
o alimento tem que
transitar por diferentes
segmentos do tubo
digestivo com uma
velocidade
apropriada.
Enzimas
Motilidade
Irrigação
Sinais elétricos
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Atividade Mecânica do
Estômago

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Alimento Teste
As medidas com o biosusceptômetro
AC (BAC) exigem a ingestão de uma
refeição de prova contendo marcadores
ou traçadores magnéticos inertes. A
ferrita em pó e magnetita são utilizadas
em concentrações de 1-4% em peso.

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Contrações Gástricas
30

~1 min
~
20
Amplitude (mV)

10

-10

-20

-30
0 100 200 300 400

Tempo (s)
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Funcionamento de Um
Fluxgate

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Fluxgate com Núcleo de
Anel

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Arranjo Experimental para
Medida da Magnetização

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Processo de Relaxação

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Decaimento da Magnetização
Devido à Atividade Mecânica do
Estômago
6
500
180 a b
3

5
Contraction of the Stomach 4
Spectral Density (nT/Hz ) x10

Spectral Density (nT/Hz ) x10


5 Contraction of the Stomach

Remanente Magnetization (nT)


1/2

1/2
Remanent Magnetization (nT)

160 3
4 400
140 3 2
Respiration
120 2

1
300 1 Respiration
100
80
60
0
0,1 0,2 0,3 0,4

Frequency (Hz)
0,5 0,6
200
0
0,0 0,1 0,2 0,3 0,4
Frequency (Hz)
0,5 0,6
Medidas
40
20  = 127 s
100
 = 127 s
realizadas em
0
0 50 100 150
Time (s)
200 250 300
0
0 50 100 150 200
Time (s)
250 300 um intervalo de
c 6
400
d 8
40 minutos
5

4
Contraction of the Stomach
Spectral Density (nT/Hz ) x10

Spectral Density (nT/Hz ) x10


500 Contraction of the Stomach
7
5 350 Respiration
1/2

1/2
Remanent Magnetization (nT)

Remanent Magnetization (nT)

6
4 5
400 3 300 4
3
2
Respiration 250 2
1
300 1
0 200 0
0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6
Frequency (Hz) 150 Frequency (Hz)
200
100
100
50
 = 121 s  = 140 s
0 0
0 50 100 150 200 250 300 0 50 100 150 200 250 300
Time (s) Time (s)

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Magnetização
Remanente

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Um Possível
Mecanismo Agitador do
Estômago

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Reflexo Gastrocólico

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Alimento Teste

3 g magnetita (Fe3O4) 15 g aveia Água


Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Sinal Magnético da
Região do Ceco

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Transformada de Fourier
do Sinal Magnético

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Evolução da Componente
Z do Campo magnético

Antes da Depois da
Refeição Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto Refeição
Efeito de uma droga sobre
o reflexo gastrocólico
(Buscopan 40 mg)

Antes Depois
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
O Efeito Josephson

q   q
I j  I c sen     1  2   A  ds  ( fluxo )
 
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
RF-SQUID

Desenho Original de James E. Zimmerman co-inventor desse


Grupo de Biomagnetismo-DFM-
dispositivo USP-Ribeirão Preto
SQUID-DC
Transformador de Fluxo

Sensibilidade  10-32 J e função de transferência  106 V/A


Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Gradiômetros

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Métodos para a medida
da sobrecarga de ferro
no fígado
Biopsia de agulha (gold standard)
Concentração de ferritina no plasma
Resonancia Magnética
Susceptibilidade Magnetica

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Aspecto macroscópico
do fígado com
sobrecarga de ferro

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Aspecto microscópico
do fígado com
sobrecarga de ferro

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Uma estimativa

B= ?

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
A técnica
susceptometrica
Magnetização da amostra usando um
campo magnético AC ou DC.
Um detector gradiométrico acoplado a
SQUID RF ou DC, com cancelamento
ativo.
Medida da variação do campo em
presença da amostra é utilizado para
quantificar a presença do ferro
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Procedimento de medida

M=0

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Procedimento de medida

M=0
B
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Modelo Físico
“leading field”
c fe  m, fe     3
  Bm r   Bd r d r
0 I d Vol

Cfe = concentração de ferro


m,fe = susceptibilidade mássica do ferro
Bm = Campo Magnetizaste
Bd = “Lead Field” no transformador de fluxo

Tripp, JH (1983). Biomagnetism: an Interdisciplinary Approach, Physical Concepts and


Mathematical Models, pp. 101-139.
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Simplificando

V  C  

C = Fator de calibração do susceptometro


 = Fator de correçãp (interferência do sistema, etc)

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Susceptômetro com
Campo Homogêneo

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Calibração

Fe+3

H2O

Raio da esfera = 0.056 m


Raio do cilindro = 0.221 m
Comprimento do cilindro = 0.303 m
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Sinal típico do SQUID
versus distancia
0.007

0.006 Curva Experimental

0.005
Curva Simulada
Medidas
realizadas
Amplitude (Volts)

0.004

0.003 em um
0.002 fantom
0.001 preenchido
0.000 com água
-0.001
0.00 0.02 0.04 0.06 0.08 0.10 0.12
Distance Sensor-Sample (m)

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Sinal do SQUID versus
concentração de ferro
Ferritin Equivalent (mgftn/gtecido)
0,0 1,5 3,0 4,5 6,0 7,5 9,0

0,2 Experimental Data 149


Linear Fitting
Susceptometer Output (Volts)

Susceptometer Output (pT)


0,1 75

0,0 0

-0,1 -75

-0,2 V= -0,305 + 0,021*cfecl .6H O -149


3 2

-0,3 R=0,999 -224

0,0 3,7 7,4 11,1 14,8 18,5 22,2


FeCl3.6H2O (mg/gH O) Concentration
2

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Primeiras Medidas in
vivo

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Sinal típico em um
sujeito normal sem bolsa
de água
(a) (b)
0,00 0
0,00 0
Amplitude of the Signal (Volts)

Amplitude of the Signal (Volts)


Amplitude of the Signal (pT)

Amplitude of the Signal (pT)


-0,05 -37
-0,05 -37

-0,10 -75
-0,10 -75

-0,15 -112
-0,15 -112

-0,20 -149
-0,20 -149
liver side liver side
-0,25 opposite side -187 opposite side
-0,25 -187
10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110
Distance sensor-skin (mm) Distancia sensor-skin (mm)

a) Normal b) Talassemico
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Problemas.....
B  r-3
Incertezas no posicionamento
Assimetria do Torso
Interferência dos pulmões e baço
Tempo de medida

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Linhas de
iso-sensibilidade


 
Bm  Bd 
n 1
n 5

 
Bm  Bd 
n 1
n5

Campo não Campo homogêneo


homogêneo
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Bolsa com água sobre o
torso meio homogêneo

Water

Torso

Fixer mattress
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Avaliação do Sistema
0.050
Experimental Data
Linear Fit
0.045
Amplitude (Volts)

0.040

0.035

V= 0.04735 + -0.0327 * Concentration


Linear Correlation = -0.998
0.030

-0.1 0.0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6


3+
Concentration of iron III (mgFe /gH O)
2

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Medidas em um fantom
contendo água pura usando
a bolsa com água
0,00 0

-0,05 -37
Amplitude (Volts)

Amplitude (pT)
"liver" with no iron
phantom+water bag
-0,10 without sample -75

-0,15 -112

-0,20 -149

0,02 0,04 0,06 0,08 0,10 0,12


Distance Sensor-Sample (m)

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Medidas in vivo usando
a bolsa com água
0,18 134
Normal Subject
Amplitude of the Signal (Volts)

0,16 Thalassemic Patient 119

Amplitude of the Signal (pT)


0,14 104

0,12 90

0,10 75

0,08 60

0,06 45

0,04 30

0,02 15

0,00 0

-10 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90

Distance sensor-skin (mm)

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Resultados iniciais de
medidas in vivo
4,5 73
Normal Subject
4,0 Thalassemic Patient 65
Liver Iron (mg ftn/g wet tissue)

Liver Iron (mol ftn/gwet tissue)


3,5 57
3,0 49
2,5 40
2,0 32
1,5 24
1,0 16
0,5 8
0,0 0
0 10 20 30 40
-0,5 -8
Number of subject

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Magnetoencefalografia
(MEG)

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Fontes do MEG e EEG

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Campo Magnético de um
Dipolo de Corrente
z
μ 0Q x
Bz 
y
2
4ππ 1  x 2  y 2  
3
2

x  
Q  il
Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Distorção do EEG
por Diferenças de Condutividade

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Detecção das Fontes de
MEG
(http://www.ctf.com/)

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Cálculo das Fontes de
MEG

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Biogradiometro Monocanal

Vista de um biogradiometro
monocanal, com um SQUID,
gradiometro com 2.5 cm de
diâmetro e 7 cm de linha de
base, posicionado sobre o
estomago para medidas de r
MGG. A componente
vertical vertical do campo é
medida.

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Omega 151 and Omega 275
http://www.ctf.com/

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Arranjo dos Sensores

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Magnes II – Sistema Bti

Sensor Dual Magnes II, Bti - 2 x 37 Canais


Montado no Interior de uma Câmara Magneticamente Blindada

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Sistema no interior de uma sala
magneticamente blindada

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Campos Evocados
M100 Avg
Avg= =25
Avg =120
10
50
M200

100 fT

M50

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Interpretação dos Dados
resposta normal a um estímulo auditivo nos
dois ouvidos

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto
Localização - MSI
Modelo de um Único Dipolo
Densidade de Dipolos
Filtro Gaussiano
Kernel – Resolução de 2 mm
Principais Regiões
Giro Temporal Superior
Estruturas Temporais Mediais

Grupo de Biomagnetismo-DFM-
USP-Ribeirão Preto

Você também pode gostar